Ir para conteúdo

Ronald Zirbes

Membros
  • Total de itens

    76
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

4 Neutra

Sobre Ronald Zirbes

  • Data de Nascimento 11-11-1983

Bio

  • Ocupação
    Supervisor de Vendas Ambev

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. @BrunoAAlencar Bom dia Bruno, janeiro é um tempo bem quente lá, vão aproveitar bastante a costa, aconselho muito a irem para Paracas, que é praia, e ficar no hostel que fiquei, muito legal lá! O tempo vai ser bom, quente e não muito úmido. Claro que janeiro é janeiro, período de férias, coisas um pouco mais caras e lotadas, mas tudo faz parte Boa viagem, abração
  2. Dai thcÊ! Abril ainda é uma época de chuvas, então Julho é melhor que abriu, mas também mais quente. Toca ficha que vai ser show!
  3. Ta feito: peru-em-abril-de-2017-t142421.html Esta na parte de relatos de viagem, olha lá Abração
  4. Décimo oitavo dia - 18/04/2017 (Terça-feira) –Lima – Último dia Chegamos ao último dia... que triste. Ainda bem que nesta noite eu dormi bem, dormi a noite toda, sem problemas para respirar e sem uma gota de suor. Acordei determindado a aproveitar ao máximo meu dia antes do meu voo, a noite. O voo era as 22 horas, sendo tem deve estar lá 2 horas antes, então oito da noite. O transito de Lima é caótico e iria pegar o rush do final do dia, resolvi sair do hostel as 6 da tarde. Pois bem , já sabia o horário que deveria estar pronto, agora vamos ao dia. Acordei as 7 da manhã, tomei o café da manhã e fui direto para a praia, queria fazer um stand-up. Como devem imaginar, neste horário não tinham muita barraquinhas de aluguéis de pranchas abertas, no meu caso, uma só e o cara queria 60 soles para alugar a prancha e me disse que eu poderia fiar o tempo que eu quisesse, disse que só queria por uma hora e perguntei se ele faria por menos, ele disse não, se virou de costas e foi falar com um outro cara, me deixando ali falando sozinho. Ele tinha um empregado junto, que estava ao lado, que ficou olhando sem saber o que dizer, não pode parecer aqui contando mas o cara foi extremamente grosso, o funcionário me pediu desculpas e eu fui embora. OK, esta parte não deu certo, mas tenho outras coisas a fazer, fui visitar Huaca Pucllana, que ficava bem próxima ao meu hostel, cheguei lá e acabei descobrindo que eles não abriam para visitação em terças-feiras, fica a dica. Bom, mais uma “atração” que não conseguiria ver, mas faz parte. Retornei ao hostel e me inscrevi para o walkin tour que eles tem. Não parece, mas esta caminhada na parte da manhã levou cerca de suas horas. Arrumei minhas coisas, me despedi do meu quarto e fui me reunir com o pessoal para o passeio. Partimos de ônibus em direção ao centro histórico, outra dica, de Miraflores até o centro histórico tem um ônibus que usa a “BR” deles, no corredor de ônibus, bem mais barato que taxi e mais rápido. O tour foi muito legal, esta é uma das coisas obrigatórias a se fazer, um tour guiado, muita informação legal. Almoçamos em um restaurante local por 9 soles, com suco a vontade. Retornamos ao hostel por volta das 3 da tarde, fiquei tomando cerveja com o pessoal do tour, até minha hora de partir. Existe um ônibus que vai para o aeroporto, vi ele mas não sei como funciona, eu peguei um taxi. Reservei duas horas para ir do hostel ao aeroporto, levamos duas horas e vinte... sério, cuidem com seus horários. Já dentro da área de embarque internacional comprei uma água de 15 soles e fiquei esperando a partida. Voo tranquilo, o avião não estava cheio. Foi uma aventura e tanto, Peru vale a pena por isto, aventura, conheci muita gente legal e fiz grandes amigos. Pena que no final fiquei doente, mas acontece. Já estou pensando na próxima viagem, quem sabe para onde será? Vamos que vamos, ainda vou fazer uma comparação dos gastos projetados com o real. Viva sua Vida Ao Máximo Gastos do dia: 10,00 – café da manhã (fora do hostel) 4,00 – ônibus ida e volta centro histórico 9,00 – almoço 25,00 – cervejas hostel 60,00 – taxi aeroporto 15,00 - agua
  5. Décimo Sexto dia - 16/04/2017 (domingo) –Lima - Cama É tão legal planejar a viagem, pensar em tudo que você pode fazer e imaginar fazendo, para depois fazer de verdade e ver que é muito mais legal do que imaginou. Pois bem, Lima não foi assim para mim ãã2::'> O ônibus chegou em Lima as 5-30 da manhã, peguei o primeiro taxi que vi e parti para o hostel, estava me sentindo bem ruim, dor no corpo, nariz entupido, tontura, e todo suado... o taxista estava escutando um blues bem de boa, deu para relaxar um pouco com aquela música. Cheguei no hostel as 6-15 e a menina disse minha cama, em um quarto para 6 pessoas, estava ocupada e teria que esperar para entrar as 14 horas, neste momento liguei o foda-se. Perguntei se eles teriam um quadro individual e eles tinham um vago, peguei ele, como não tinha ninguém pude entrar na hora. Que coisa boa, tomei um banho em meu próprio banheiro, água bem quente, pude deixar minhas coisas espalhadas por tudo, deitei na cama e descansei... O quarto individual deles custou 145 soles a noite, no Ibis, bem próximo ao hostel, o quarto saia 125 soles a noite, mas quando perguntei ao atendente do Ibis se eles tinham campeonato de ping-pong, festas temáticas e drinking games e ele disse não, nem tinha mais o que pensar HOSTEL IS LIFE Não consegui fazer muito neste dia, tentei sair para caminhar um pouco em Miraflores mas não aguentei muito tempo, dor de cabeça e cansaço, não tinha como. Voltei ao hostel, dormi até umas oito da noite, acordei e fui caminhar um pouco, jantei na pizza hut, não senti o gosto de nada, subi para o bar do hostel tomei uma ceva e já capotei na cama... Gastos do dia: 20,00 – taxi 5,00 – agua 17,00 – almoço burguer king 290,00 – hostel 15,00 – pizza hut 7,00 - cerveja Décimo Sétimo dia - 17/04/2017 (segunda-feira) –Lima – Melhorando, mas nem tanto Neste dia acordei determinado, ainda nada bem, mas tinha que ver a cidade pois iria ir embora no dia seguinte. Tomei um café da manhã reforçado e parti para o bairro barranco. Trata-se de um bairro conhecido por sua vida noturna, mas possui algumas atrações diurnas. Muito legal caminhar por lá, fui até a praia e resolvi parar para comer em uma choperia. Pedi uma rodada de chopes artesanais, 6 copos de 300 mls, com todos os tipos que eles tinham. Para comer um hamburguer, muito bom. O lugar é legal, infelizmente ainda não estava sentindo muito o gosto das coisas, e nem lembro o nome do lugar. Mas depois disto voltei a Miraflores, fui tomar um banho e descansar m pouco. Pessoal o transito de Lima é de outro mundo, andem de ônibus por lá, é muito legal, montanha russa para que???? A emoção é a mesma, peguei um motora com síndrome de motociclista, ele andava no meio dos carros, seguindo a linha pontilhada que divide as duas pistas. Pelas duas horas peguei um taxi para o centro histórico, comecei a andar por lá, sol batendo na cabeça e isso não me fez nada bem, uma hora depois peguei um taxi de volta pois não aguentava mais. Descansei novamente até umas 5 da tarde e parti para o Parque das Aguas, ele fica na mesma rua do hostel Paraiwana, mas um pouco longe. Peguei um ônibus que anda apenas em linha reta, Av Arequipa, e fui. Transito caótico de final de dia, desci algumas paradas antes pois o ônibus estava lotado e comecei a ficar tonto. Fui caminhando e ao chegar lá, decepção, o parque não abre em segundas  esta seria minha última noite, perdi esta atração... bora pegar o busão lotado para voltar. Banho de novo, descansar um pouco e parti para a rua das pizzarias, que na verdade é um calçadão com vários restaurantes. Comi o melhor Lomo Saltado do Peru, muito bom mesmo, com uma entrada de aipim frito e um molho muito gostoso, novamente não peguei o nome do lugar... não estava pensando direito. Voltei ao hostel, participei do campeonato de ping pong, perdi e fui dormir. Gastos do dia: 4,00 – ônibus (ida e volta barranco) 37,00 – almoço com cevas 4,00 – agua 5,00 – suco laranja 19,00 – café da manhã, sanduiche e suco 30,00 – taxi ida e volta centro histórico 3,00 – ônibus parque das aguas 80,00 – janta com choppe
  6. Décimo Quinto dia - 15/04/2017 (Sábado) –Huaraz – Laguna 69 Vou começar este dia com um draminha. Lembram da minha dor de garganta, quando cheguei a Huaraz, pois é, se transformou em uma gripe peruana, e todos sabem que estas são perigosas Tive que acordar 2 vezes durante a noite para trocar de camiseta pois estava todo suado, não parava de espirrar e a respiração estava mega complicada, mas tudo bem, este seria o dia da Laguna 69, o passeio mais tranquilo... Já que não conseguia dormir, levantei as 4-30 da manhã. Arrumei as coisas e fiquei esperando o pessoal me pegar. 5-30 partimos. Duas horas de van e paramos em um restaurante, para tomar café da manhã, muitos ônibus e vans pararam ali, juntou uma galera. Meia hora de pausa e seguimos. Uma hora de van depois, esta linda laguna: Mais uma horas de van para chegar ao inicio da trilha. Começamos a trilha em uma altitude de 3900 metros e vamos até 4600 onde está a Laguna. O caminho até lá já é um espetáculo, com cachoeiras, bosques, rios, animais e assim vai, tudo que a natureza poderia lhe oferecer. Eu fui para ver a laguna 69 pois não li nenhum relato que falava sobre o caminho mas posso dizer que ficou 50% lagua e 50% caminho, vale muito pelos dois. Agora sobre o caminho, quando você ver estas lindas e modernas casas, podem ter certeza que estão muito longe da laguna. Depois de andar umas duas horas e meia, quase morrer subindo umas montanhas verão finalmente este paredão, com um linda laguna a seus pés!!!! Eu vi aquilo e pensei, cheguei, ufa. Meu naris já estava assado de tanto assoar e a respiração nem se fala. Já ia mais tranquilo, caminhando pela planície em direção ao paredão quando de repente duas mulheres, caminhando na direção contrária, são paradas pelo grupo a minha frente e questionadas se aquela, a nossa frente, era a laguna 69 e as mulheres dão risada, ai me caiu os butia do bolso, e falam que não, a Laguna fica EM CIMA do paredão... As perninhas chegaram a tremer, e decepção tomou conta do corpinho e um espirro triste saiu, seguido de um pouco de catarro, coisa linda. Pois bem, cabeça levantada e vamos que vamos, ao chegar perto do paredão que o bicho pega, sério, ai sim vem a parte difícil. Ache o seu passo e comece a subir, pois o caminho é longo. Tente não fazer paradas, isto não faz bem, não tente acompanhar quem é mais rápido, no final vocês vão chegar ao mesmo lugar. Vá na sua velocidade e sempre olhando para o caminho a sua frente, pois se olhar para onde deve chegar, o desanimo pode acabar com você. E quando estava quase morrendo tive esta visão: Cheguei, naris podre, pulmão podre, suando muito, mas cheguei. E ela é linda, é uma visão única, um lugar que vai ficar marcado para sempre. Fui criado em uma família de nadadores, amo água, meu plano era chegar lá e entrar na Laguna, mas não dava... tenho certeza que se tivesse entrado naquela água, minha situação iria piorar 23573%. Assim fiquei ali sentado apreciando o lugar e vendo alguns aventureiros se jogarem naquela agua azul e límpida. Fiquei cerca de uma hora lá em cima e comecei o caminho de volta. Esta parte foi um pouco chata, pois como disse era feriado de páscoa, e tinha muita gente. O caminho pela montanha é estreito e muitas pessoas não sabem como se portar quando vem uma outra pessoa caminhando no sentido contrário. Mas passando esta primeira parte, descida do paredão, o resto do caminho foi tranquilo. Fui um dos primeiros a chegar na van, do meu grupo, assim fiquei descansando em baixo de uma árvore, tentando respirar... tenho certeza que caminhar quase 9 horas no sol, fazendo um esforço tremendo, não ajudou em nada minha saúde. Mas valeu a pena! A volta é um pouco chata, 4 horas direto dentro da van... e o pessoal que estava comigo era um grupo bem jovem, Peru, Colombia e Chile. Ficaram cantando músicas o tempo todo, sério, o tempo todo... até que enfim Huaraz. Sabe quando você está se sentindo um lixo? Tudo que quer é um banho para tentar dar uma renovada na alma, pois é era assim que estava me sentindo. Cheguei no hostel, tomei um banho o qual tive que pagar, detesto quando os hostels fazem isto, mas ok. Depois, jantei ao lado do hostel, frango, arroz e batata frita e parti para a rodoviária, meu ônibus saiu as 22-30 em direção a Lima, bora descansar! É, não consegui, peguei aquelas mesmas poltronas, em baixo, que inclinam tudo e mais um pouco mas meu estado de saúde não estava me permitindo dormir, tive que ir diversas vezes ao banheiro, nariz escorrendo, não conseguia respirar, suor. Até que lá pelas duas da manhã dei uma desmaiada. Aaaaaa que coisa boa, se você não passa por um acontecimento de quase morte. Ônibus sentando o pau no meio das montanhas e de repente, freio brusco, barulho de derrapando em asfalto e depois derrapando em terra, como estava dormindo, tive a impressão que o ônibus inclinou para frente, como se estivesse prestes a cair de uma ribanceira. Pronto, naquele momento eu estava com o nariz entupido, todo suado, ranhento e cagado. Aparentemente não foi tanto quanto senti, pois assim que ele parou, deu umas buzinadas e partiu de novo, percebi que os ônibus estavam andando todos juntos, tinha uma fila de uns 5 ônibus a nossa frete, um deles deve ter freado e o resto teve que parar também. Mais umas duas horas acordado e desmaiei de novo. Gastos do dia: 45,00 – passeio 10,00 – entrada 8,00 – café da manhã 5,00 – banho hostel 20,00 – janta 5,00 – papel higiênico 5,00 – taxi para o ônibus
  7. Décimo Quarto dia - 14/04/2017 (Sexta-feira) –Huaraz – Pastoruri Glacier Sério, os asiáticos estavam de brincadeira nesta minha viagem, novamente um veio atordoar. Neste caso uma guria sozinha, estava em nosso quarto do hostel, acordou as 4 horas da manhã e foi tomar banho, até ai tranquilo, mas a anta deixou o celular na cama dela com o despertador ligado... sério, 4 da manhã, fui lá e desliguei mas dai 15 minutos depois, novamente começa a tocar, dava vontade de tocar na parede, tirando o fato da guria ter ficado uma meia hora no banho, quando voltou resolveu arrumar toda mochila. OK ok, hostel acontece, vamos que vamos. Detalhe, tinha um casal de israelenses no quarto, que pediram desculpas na noite anterior pois iriam acordar cedo e talvez fizessem algum barulho. Acordei pelas 7, novamente, comi umas frutas que tinha comprado no dia anterior e fui aguardar o pessoal me pegar, 8 horas já estávamos na estrada. Nossa primeira parada foi depois de uns 30 minutos de viagem, em um restaurante, para tomar um chá de coca e reservar os almoços. Depois que paramos eu fiquei pensando, para que reservar almoços aqui se estamos a 30 minutos de Huaraz, dai fui falar com a guia e ela disse que se ninguém comprar o almoço, não pararíamos na volta. Mas claro que isso ela só falou para mim, se tivesse dito dentro do ônibus aposto que todos concordariam que seria melhor comer na cidade, no final das contas apenas uma família comprou almoço e tivemos que ficar esperando eles comer, na volta isto. Seguimos para nossa primeira parada as Aguas Gaseificadas e uma explicação sobre as plantas chamadas de Puya Raymondi. As águas são bonitas mas o local é bem pequeno, só ir e tirar umas fotos, nada de mais, as alpacas fazem mais sucesso que a fonte. As plantas são bem interessantes por sua idade, querem sabem quanto? Vão visitar Então seguimos por mais umas duas horas até chegar no inicio da trilha que da na Glacier. Assim, o brasileiro que conheci no dia anterior me disse que não tinha muita graça esta Glacier e como eu estava ruim da garganta, que piorou muito durante a noite e neste dia acordei quase morrendo, pensei em desistir. Mas ainda bem que não o fiz, mesmo com muita tosse e dificuldade de respirar pelo naris, valeu muito a pena. A caminhada leva uma hora, aproximadamente, você sobre de 4900 a 5230 metros acima do mar, é muito pesado. Um gurizão que estava perto de mim fez muita força e começou a vomitar. Como alternativas eles tem cavalos lá, que te levam quase ao topo, não vi quanto era, mas muita gente estava utilizando. O lugar é muito bonito e é algo que temos que apreciar agora, pois ela está sumindo, assim como quase todas as glaciares que eu já visitei, acho que este é um dos principais pontos, da maneira que você viu ela, poucas pessoas verão. Fiquei lá em cima uns 30 minutos, e depois comecei a caminhada de volta. Onde os ônibus ficam estacionados tem algumas lojinhas e algumas mulheres vendendo comida. Comi ali uma empanada, um milho e tomei uma coca-cola. Este foi meu almoço. Este passeio é o mais rápido, chegamos no restaurante pelas 4, em Huaraz as 5 e fim de papo. Ainda consegui andar um pouco pelas ruas da cidade para tentar ver algo, visto que não tive a oportunidade de caminhar durante o dia, achei um mercado e comprei algumas coisas para janta e também para o dia seguinte que seria a tão esperada Laguna 69 onde você deve levar o almoço. Andei também pelo mercado público de Huaraz, deu para perder um pouco da fome, hahaha, o cheiro era bem forte. Tive que passar em uma farmácia e me encher de remédios, pois o que eu levei, para tirar os sintomas, estava acabando. Uma coisa que achei muito legal é que lá eles vendem remédios individuais, você não precisa comprar a caixa inteira de remédios. Retornei ao hostel, fiz minha janta e depois fui deixar as coisas prontas para o dia seguinte. Como tomei muitos remédios, estava me sentindo sonolento, fui dormir pelas 9 horas da noite. Gastos do dia: 40,00 – passeio 10,00 – entrada 15, 00 – chá de coca, empanada, coco-cola, milho, folhas de coca e balas de coca. 23,00 – janta + comidas para a laguna 69 12,00 - remédios
  8. Que legal! Estava meio devagar mas agora estou com um pouco de tempo, acho que finalizo esta semana
  9. Décimo Terceiro dia - 13/04/2017 (Quinta-feira) –Huaraz – CHAVIN DE HUANTAR Bah, esqueci de comentar, como iria ficar exatos 3 dias em Huaraz e queria fazer 3 passeios que duram o dia todo, contatei o pessoal da Scheler Trekking Expediciones via facebook, indicação aqui do Mochileiros, e já fiz a reserva dos três passeios com eles. Não tive que pagar nada adiantado. Fiz isto também devido ao feriado de páscoa, que fez com que muita gente fosse para Huaraz, pessoas do próprio Peru. Indico a todos esta empresa, todos os passeios OK com tudo que foi prometido e bons guias. Cheguei em Huaraz com um pouco de dor de garganta, mas nada muito forte. Já tinha um passeio marcado para o dia, Chavín de Huantar, tinha que estar pronto no hostel as 8-30, cheguei em Huaraz as 7 da manhã. Peguei um Tuc-Tuc, uma moto para 3 pessoas, ou mais! Em 5 minutos estava no hostel, larguei minhas coisas lá e fui comprar comida e água. Comprei umas frutas e estava pronto. O Scheler passou no meu hostel as 8-15 e me levou até o local de onde sairia o ônibus. Sentei ao lado de um brasileiro que estava andando pela américa do sul de bicicleta, coisa de louco, disse que a aventura estava muito boa. Quase duas horas depois chegamos a nossa primeira parada Laguna Querococha, um lugar muito lindo quase 4 mil a cima do nível do mar. A altitude voltou a me pegar neste passeio, quando comecei a caminhar em direção a laguna comecei a ficar tonto, dei meia volta e fui comprar umas folhas de coca nos vendedores locais. Me sentei um pouco e fiquei apreciando o lugar, 100%, bora continuar. Próxima parada, o sitio arqueológico de Chavin, o lugar impressiona, ainda mais por ser uma construção que pode datar de 1500 anos antes de Cristo. Este povo era conhecido por outros povos pela habilidade de ver o futuro, assim outros povos iam lá para ver seu futuro e com isto deixavam oferendas, que era o que sustentava este povo mágico. Até que um dia, um terremoto destruiu quase todo o vilarejo e os outros povos pensaram, como estes caras não viram que isto iria acontecer? E a credibilidade se foi, junto com as oferendas e o povoado acabou desaparecendo. Existem outras muitas histórias sobre o lugar, suas rotinas, técnicas de ver o futuro, especulações sobre algumas das construções e assim vai. Saímos do sitio arqueológico e fomos almoçar, um restaurante muito bonito, no meio de um vale. Mas é claro, um pouco caro, como não tinha muita opção, comi um frango, com arroz e batatas. Vocês já perceberam que esta refeição foi minha preferida? Hahahah, era mais o medo de comer algo diferente e ficar ruim do estomago. Por fim fomos ao museu que mostra toda a história da civilização Chavin, com muitas relíquias e peças históricas. Um grande museu que vale muito a pena visitar. E então voltamos a Huaraz. Particularmente eu não gostei muito deste passeio, primeiro porque ele dura 10 horas e isso cansa muito, a maioria dentro de um ônibus, para ver a história de uma civilização muito antiga onde a maioria dos dados informados não são verídicos, tudo é presumido. Pois bem, é uma imersão na história do povo Chavin, eu ia gostar mais se tivesse uma aventura envolvida nisto tudo, mas não tinha. Cheguei no hostel as 8 da noite, morto de cansado, com a garganta pior ainda. Só tomei um banho e fui dormir pois no outro dia teria que acordar cedo para mais um passeio. Gastos do dia: 5,00 – frutas 2,00 – agua 82,00 – hostel (duas noites) 2,00 – Tuc Tuc para hostel 10,00 – entrada sitio Chavin 22,00 – almoço 7,00 – museu 35,00 - passeio
  10. Décimo Segundo dia - 12/04/2017 (Quarta-feira) – De Paracas para Lima e de Lima para Huaraz Acordei e fui para o café da manhã, depois parti para o museu que fica no centro, junto ao píer de onde sai o barco para Ballestas. O museu é bem pequeno, tem poucas coisas, mas tinha os crânios que eu tento queria ver. Paguei 4 soles para entrar então valeu muito a pena. Aconselho. Voltei para o hostel, fiquei na piscina um pouco e fui almoçar, comi novamente nos restaurantes ao lado do hostel, frango, arroz e batata. Depois arrumei minhas coisas e fui pegar o ônibus para Lima. Internet no ônibus, uma coisa que quase todos diziam que tinham mas em nenhum tinha conseguido conectar, neste deu certo. A viagem dura cerca de 4 horas até Lima e mais uma hora e meia dentro de Lima... sério, transito um caos. Minha passagem de Lima para Huaraz era de outra empresa, Movil Tours, segundo o google ela ficava bem próxima da Rodoviária da Cruz Del Sur, que era a empresa que eu estava usando. Lembrem, no peru cada empresa possui a sua “rodoviária”. Assim pensei que estava tudo em casa. Sai do ônibus e fui direto a Movil, mas quando cheguei lá a menina disse que meu ônibus saia de outra garagem da Movil, tive que pegar um taxi para chegar lá e esta foi a viagem mais louca de taxi que já fiz na minha vida, horário de pico, taxista locão, todo mundo louco, buzinas, gritos, criança chorando, tinha de tudo... lá se foi mais uma horinha mas cheguei inteiro. Nesta quarta-feira era o inicio do feriado de páscoa, por isso estava tudo uma loucura. A rodoviária estava lotada, não tinha espaço nem para sentar no chão. Fui até um restaurante próximo para jantar e ficar por lá até próximo do horário do ônibus. Durante a janta bateu uma saudade forte de casa... tive que deixar minha namorada em casa pois ela não tinha férias, viajar é tudo de bom, mas melhor ainda com a melhor parceira que eu tinha, logo fui falar com ela para ver como estava e como estavam as coisas. Mas vamos que vamos, mais aventuras me esperavam e saudade faz parte. Voltei para a rodoviária e comprei minha passagem de volta de Huaraz, antes de embarcar, na ida e na volta peguei a cama que fica embaixo, sério, melhor cama de todo Peru, o treco fica reto! Partiu Huaraz. Gastos do dia: 7,00 – Agua 20,00 – almoço 20,00 – taxi Lima 20,00 – Janta 140,00 – passagem de volta de Huaraz
  11. Décimo Primeiro dia - 11/04/2017 (Terça-feira) – Reserva Nacional De Paracas Nesta manhã acordei empolgado, tomei o café da manhã e fui feliz em direção a agência para fazer o passeio de quadriciclo na reserva nacional. Ao chegar lá, decepção, o pessoal da agência me disse que não teve mais ninguém para fazer o passeio neste dia e o mesmo não iria acontecer... bah, um baita chute no saco, porque não disseram que isto poderia acontecer, assim procuraria outras alternativas. Tentei argumentar que eles tinham combinado mas me falaram que o guia nem estava mais lá visto que não tinha mais ninguém. Neste momento lembrei que li um relato de um brasileiro que pegou o quadriciclo e foi, com mais dois amigos sem guia e esta seria minha saída. Eles não queriam alugar apenas o quadriciclo sem guia, mas sou vendedor e não desisto nunca, além de ser brasileiro Hahahha , argumentei tudo que podia e que não podia até que me liberaram. Mas o aviso foi dado, os guardas da entrada do parque não iam deixar eu entrar sem guia, mas eu podia tentar. Bom, parti rumo ao desconhecido, sem nem ter noção de onde ficava a entrada do parque hauahuahau, esta foi a melhor pois subi no quadriciclo e não sabia para onde ir, mas quem tem boca vai a roma, fui perguntando e também o lugar não é grande, foi fácil de achar. Ao pegar a reta final, já via a cancela que da entrada ao parque, comecei a pensar no que dizer para o guarda e até chegar lá, eu não tinha a mínima ideia, até achei que eles deixariam eu entrar, se eu não falasse nada. Na entrada o guarda que estava lá me parou e perguntou de onde eu era e o que estava fazendo ali. Disse que do Brasil e iria visitar o parque, entreguei um papel da agência (sim eles me deram um papel para informar que o quadriciclo era da agência e tal), paguei os 10 soles de entrada e aguardei. O guarda entrou no escritório e depois saiu com um colega, dai pensei, FUDEU. O colega dele perguntou onde estava meu guia e porque eu estava sozinho. Bom, partindo da afirmação da minha agência que não entra sem guia, se fala-se a verdade eu não entrava. Muitas agencias fazem este passeio todos os dias, dai disse: “o guia já entrou com os outros, eu estou atrasado” Um olhou para outro, conversaram um pouco e disseram, sim, eles foram naquela direção, pode entrar! Bah, não tinha guri mais feliz, tão feliz que deixei a porra apagar e não sabia mais ligar hauhauahuah um dos guardas veio até mim e me mostrou como fazer e fui ao mundo. Uma coisa que esqueci, na empolgação, era de pedir um mapa... foi meio ruim de se localizar lá dentro mas consegui ir em todos os lugares que eu queria. Resumindo, sucesso! Ao retornar, contei a história para o pessoal da agência e eles deram risada, tudo OK. Fui comprar minha passagem de ônibus, para o outro dia, de Paracas para Lima, pois tinha um ônibus a noite que ia de Lima para Huaraz. Acabei comprando pela Cruz Del Sur, uma das melhores empresas, pensando que era a única que trabalhava na região. Mas descobri, mais tarde, que existem outras empresas locais que fazem esta viagem até Lima e são mais baratas, pergunte no seu hostel, eles vão lhe indicar onde procurar estas passagens. Meu time Grêmio iria jogar a libertadores neste dia, assim fui até o bar e pedi para colocar no jogo, eles colocaram de boa, assisti o jogo com os alemães, um cara da Nova Zelândia e uma canadense, 3X2 para o Grêmio, coisa linda. Jantei um hamburguer no hostel, participei de um campeonato de ping-pong, conheci mais dois australianos, um casal da inlgaterra e um sueco. Ficamos jogando sinuca até o bar fechar. O australiano nem era do nosso hostel, estava lá pois conhecia o cara da NZ, estava jogando ping-pong e a bolinha caiu atrás de uma cerquinha feita de bamboo, ele tentou pular para pegar a bola e derrubou a cerca toda... sério, o cara tinha uns dois metros de altura e era fortinho, tentou se apoiar naquela cerquinha de bamboo, porque? Os caras do hostel ficaram muito de cara, mas nada ocorreu, no outro dia estava colocando ela no lugar. Depois disto fui dormir. Gastos do dia: 60,00 – passeio quadriciclo 3,00 – empanada 4,00 – remédio estomago 68,00 – passagem para Lima 5,00 – torneio ping-pong 25,00 – cevas bar 20,00 – janta hostel 10,00 - entrada Parque
  12. Décimo dia - 10/04/2017 (Segunda-feira) – Ilhas Ballestas Acordei cedo, fui tomar o café da manhã e fiquei aguardando o pessoal do passeio passar no hostel. Esqueci de dizer que logo que você chega no hostel deve girar uma roleta que pode te dar um prêmio, incluindo até um dia de acomodação grátis. Eu girei e genhei um up grade no café da manhã, minha escolha foi nesta manhã, pedi ovos mexidos, ooww beleza. Ao chegarmos no barco um grupo de asiáticos já estava entrando, eles se dividiram para sentar nas laterais do barco, deixando apenas os assentos do meio do barco para o resto. Nossa guia começou a gritar com eles e mandar eles sentarem em dupla e não apenas nas laterais, foi engraçado mas também deu para ver que alguns não quiseram respeitar e continuaram sentados onde estavam sem se importar. Embarcamos e fomos em direção as ilhas. Leva cerca de 15 minutos para a primeira parada, o Candelabro, não se sabe exatamente o significado dele, mas é algo que impressiona por estar tanto tempo em uma montanha de areia sem desparecer, possui cerca de 170 metros de altura. Logo depois mais uns 20 minutos para chegar as ilhas, esse pequeno arquipélago abriga mais de 200 espécies de aves, incluindo o famoso pelicano peruano, que chega a medir mais de um metro de altura, e o pinguim de Humboldt, ameaçado de extinção no país. Aqui, também é fácil observar leões-marinhos descansando sobre os rochedos e brincando nas pequenas enseadas desse santuário da vida no Oceano Pacífico. Duas vezes por ano grandes navios atracam nestas ilhas para recolher os excrementos das aves, para serem utilizados como fertilizantes. O cheiro que vem das ilhas é muito ruim, existem guardas florestais que moram em uma das ilhas não sei como eles aguentam. Uma guria no nosso barco ficou bem enjoada. O passeio vale muito, belezas naturais e também para aprender sobre o lugar. Para retornar leva cerca de 25 minutos, tomei alguns banhos pois estava sentado bem na frente. Ao chegarmos fui pedir informações sobre o museu que tem junto ao píer, e me informaram que neste dia estava fechado. Neste museu tem alguns crânios alongados, queria muito ver. Acabei voltando para o hostel caminhando na beira mar, comprei uma cerveja e uma água e fiquei caminhando com os pés na água pensando na vida, hahaha No hostel fiz algumas atualizações na internet e descansei, almocei ao lado do hostel em um dos 20 restaurantes quet em ali, são mais baratos que os da beira mar, e se você chorar ainda consegue desconto. Comi frango com arroz e batata. Fui até uma agência de turismo e reservei um lugar para visitar o parque de Paracas de quadriciclo, para o dia seguinte. Voltei ao hostel, dormi um pouco e fiquei pela piscina, conversando com os alemães, tomamos umas cervejas e saímos para jantar. Comemos em um restaurante onde eles faziam uma espécie de churrasco na hora, com carnes e peixes, este eu não recomendo, não gostei muito e foi caro, pena que não lembro o nome do lugar... Ao retornar para o hostel fui direto dormir, vamos que vamos Gastos do dia: 7,00 - cerve 3,00 - agua 20,00 - Almoço 10,00 - cervejas 30,00 - Janta
  13. Nono dia - 09/04/2017 (Domingo) – ICA e Paracas Conforme comentei, errei em querer ir para Paracas diretamente, pensei que uma cidade fica-se próxima da outra, até é na verdade, mas os passeios em ICA ficam muito caros de contratados em Paracas. Queria muito fazer o passei nas dunas e ver o oásis, mas acabei não fazendo. Então, a dica é, fiquem um dia em ICA para fazer isto e depois paracas, quem sabe na próxima. As paisagens que vi da janela do ônibus foram impressionantes, o caminho no meio das montanhas é muito lindo. Pena que a maior parte foi a noite. Uma coisa que notei é que, devido as curvas e por ser uma estrada perigosa, o ônibus não passava de 50 KM por hora. Apesar de demorar bastante, o trajeto foi bem tranquilo. Cheguei bem descansado em ICA e já fui ver um bus para Paracas, consegui um que saia em uma hora. Em ICA já estava bem mais quente, troquei de roupa e fiquei apenas de bermuda e camiseta, já sentindo o cheirinho da praia. A viagem demorou cerca de uma hora e meia até Paracas. Paracas é uma pequena cidade costeira, foi bem tranquilo ir da rodoviária até o hostel a pé. Conheci dois alemães que estavam indo para o mesmo hostel, fomos conversando, eles já estavam viajando a quase 6 meses pela américa do sul e estavam chegando ao final de sua viagem, apenas mais Paracas e Lima. Escolhi Paracas para descansar um pouco, ficar em uma praia transquila, mas de novo, errei na parte de ICA, sim eu não me perdoo até agora. O hostel que fiquei foi Kokopelli Hostel, ele fica a beira mar, tem um deck que da direto na areia da praia. Possui piscina um bar bem grande com uma parte externa bem legal. A única coisa que não gostei muito foi o pessoal que trabalha lá, não eram muito solícitos e as informações passadas nem sempre eram as melhores. Deixei minhas coisas no meu quarto e fui explorar a cidade, que na verdade é quase só a beira mar pois não tem mais muito o que se ver. Logo no primeiro dia já meti o pé na jaca, financeiramente falando, aluguei um jet ski, nunca tinha andado e no Brasil, se você for em um lugar sério, eles só alugam jet ski com a carteira de motorista náutica. Pois bem, lá era só pagar e ser feliz, peguei meia hora e andei por toda costa, eu gostei, quem conseguir fazer aconselho. Depois retornei ao hostel e conheci o casal de que estava comigo no meu quarto, chilenos, não queriam muito papo então fui para a piscina e fiquei conversando com os alemães. A noite fui jantar em um dos restaurantes que ficam no calçadão a beira mar, peixe com verduras, batata frita e arroz, muito bom. Não lembro o nome do restaurante, mas é um com uma frente feita de bamboo. Depois retornei para o hostel, fiz a reserva do passeio das Ilhas Ballestas e fui para a cama. A dica é não fazer reservas de passeios no hostel, pois eles ficam mais caros, mas como era tarde fiz ali mesmo a reserva. Gastos: 18,00 – passagem de ICA a Paracas 160,00 – Aluguel jet ski 43,00 – Janta 36,00 – passeio Islas Ballestas (incluindo 10,00 da entrada do passeio)
  14. Dai tchê! Poh que bom que ajudou um pouco, pena nã0 conseguir postar o resto da minha viagem antes de você ir, mas qualquer coisa pode perguntar. Boa viagem! Abração
  15. Oitavo dia - 08/04/2017 (Sábado) – Maras e Moray – Viagem para Ica Como disse, esqueci de colocar o alarme para acordar cedo e depois de uma noite de muita cerveja, claro que isso não ia dar certo. Eu dormindo tranquilamente e do nada a porta do quarto do hostel abre e uma voz alta diz: “Ronald você tem 5 minutos para descer ou vai perder o passeio.” Na hora pulei da cama e disse: sem problemas. Fiquei com um pouco de remorso pois todos no quarto acabaram acordando... Arrumei minhas coisas, desci, fiz check out, guardei minhas mochilas no porta volumes do hostel e estava pronto, em 5 minutos, sério muito ninja. Na real já tinha deixado tudo arrumadinho, antes de sair para jantar na noite anterior... Só quando estava na van que fui perceber que estava chovendo, muito...50 minutos até o lugar onde estavam os quadriciclos e vamos que vamos. No inicio eles te passam como funciona o quadriciclo e deixam o pessoal andar em uma quadra de futebol por um tempo para ver as habilidades de cada um, todos 100% aprovados e partimos em direção a Moray. Estava usando meu casaco a prova de chuva mas era muita chuva, já estava muito molhado e minhas calças completamente encharcadas. Massss dai eu comecei a perceber a parte legal da aventura, as poças de agua e barro, entrava com tudo nelas e saia derrapando, ai começou minha diversão hahaha Chegando em Moray, se você tem o Boleto Turistico, poderá entrar sem pagar, caso contrário pode comprar o boleto parcial ou total ali mesmo. Eu tinha comprado o parcial, que da direito a Moray, no meu segundo dia em Cusco, como ele só tem validade por 2 dias, não consegui usar e não paguei para entrar. Eles até deixam você ver Moray de cima, sem pagar, mas como estava chovendo e tudo fechado, não dava para ver muita coisa. Em Moray quase todos comprara capas de chuva. Próxima parada, Maras, quando chegamos lá, descemos dos quadriciclos antes de chegar no parque, não é permitido entrar de quadriciclo lá. Nossa van estava nos esperando lá, embarcamos nela completamente molhados e embarrados, sério, foi triste de ver como a van ficou. O lugar é muito legal e impressionante, aconselho a todos a ir lá e entender o funcionamento. Ficamos cerca de meia hora lá e voltamos para os quadriciclos. Partimo então para uma lagoa, bem bonita mas nada de mais. Depois disto voltamos para a garagem e embarcamos na van de volta a Cusco. Ao chegarmos em Cusco, por volta das 13-30, sol... Retornei para o hostel, onde eles deixam você utilizar banheiros e tudo mais mesmo que já tenha feito check out naquele dia. Tomei um banho quente, troquei de roupa e fui comer. Depois ainda me encontrei mais uma vez com os holandeses, fiz uma amizade muito boa com eles, e fui pegar meu bus que partiria as 16 horas da tarde e chegaria em ICA as 9 da manhã. Peguei um taxi do hostel para a rodoviária, no Peru cada empresa possui o seu terminal de ônibus e as vezes mais de um, como é o caso de Lima. Tudo pronto, parti para Ica! Gastos do Dia: 5,00 – capa de chuva 15,00 – entrada Maras 12,00 – Taxi Rodoviária 7,00 – agua e empanada na rodoviaria
×
×
  • Criar Novo...