Ir para conteúdo

becah

Membros
  • Total de itens

    5
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

0 Neutra
  1. Dia 5 Canoa quebrada Depois de uma noite de sono chacoalhado dentro do ônibus, chegamos a rodoviária de fortaleza às 06:00 da manhã por conta do atraso da jardineira. Havia fechado um transfer do meu hotel de canoa quebrada para nos buscar na rodoviária de fortaleza, o cara atrasou um pouco mas chegou, e seguimos direto para canoa quebrada, aproximadamente 1h40min de viagem. Esse transfer custou R$200.00 e é feito em um doblô, todas as outras vezes que eu fui para canoa peguei o ônibus de linha partindo da rodoviária que custa R$ 13.00 e leva 3h30min. Porém, como estávamos com criança, optamos pelo menos cansativo, já que estávamos vindo de uma madrugada viajando. Chegamos em canoa, demos check in e partimos para a praia, e que desapontamento, eu não gosto de canoa, mas minha mãe queria vir, da ultima vez que vim tinham muitos baiacus mortos inchados por toda a areia da praia e pra quem não sabe esse peixe é venenoso, uns mais outros menos, mas são. O fato de canoa encontrar-se na ponta do litoral cearense e ser considerada praia de “mar aberto” nunca me agradou, e depois desse episódio eu fiquei bem desgostosa com a praia de lá. Mas como quem manda é a mãe, chegamos na praia e mais desapontamento, muitas manchas de óleo na areia, muitas mesmo, havia vazado óleo de uma plataforma no litoral americano e o troço foi bater lá. Era impossível entrar no mar, muita gente melada de óleo, tipo um breu de asfaltar a rua, horrível. Resolvemos almoçar num restaurante lá pela praia e durante isso ouvimos muita gritaria e pick-ups da marinha passando, mas não demos bola, depois aglomerou muita gente e resolvi ver o que era, simplesmente uma menina que estava tomando banho foi ferrada por arraia no tornozelo e estava estirada na areia com o ferrão atravessado na perna, muito triste, ela gritava muito. Logo a marinha colocou ela no carro e correu pro hospital. Depois soubemos que a menina não resistiu e havia falecido, muito triste mesmo!! Ela estava de férias, assim como nós. E desde esse dia eu desisti do mar de canoa, a cidade é bem legalzinha, mas não vejo mais razão para retornar, já conheci de lá o suficiente. Ficamos caminhando pela cidade, que é bem pequena, e decidindo onde iriamos jantar. Voltamos a pousada, trocamos de roupa e partimos para a badalada rua broadway, que ficava bem perto da nossa pousada. Jantamos em um restaurante italiano que fica bem ao lado de um albergue bem badalado na broadway, não me recordo o nome, mas estava tudo gostoso, porém a cidade é cara. Dia 6 No dia seguinte fomos tirar umas fotos numa passarela de onde é possível apreciar a vista do mar, e eis que nos deparamos com uma situação muito inusitada. Era bem cedo e estava tudo um pouco deserto ainda, havia um rapaz só de bermuda sentado na passarela com as pernas penduradas pra baixo (a passarela é muito alta) e de cabeça baixa, ao passarmos perto dele minha mãe viu que ele estava com uma corda amarrada em seu pescoço e a outra ponta amarrada nos ferros da passarela, ela fez sinal pra mim e eu afastei meu priminho dali e pedi ajuda, ela abaixou ao lado dele e conversou com ele sobre a vida, tentou ganhar tempo até que alguém chegasse para ajudar, e eu achei um grupo de amigos, todos homens, que correram para lá e estrategicamente puxaram o cara de volta para a passarela, ele chorava muito e aquilo mexeu com todos nós, já estávamos tristes pela menina que havia falecido e agora essa. Era claro que essa parte da viagem já havia se encerrado para a gente. Retornamos a pousada, demos check out, organizamos nossas coisas, saímos para almoçar mais cedo e por volta de 12h chegou o nosso transfer de volta à fortaleza. Mais R$220.00. Chegamos direto no aeroporto, nosso voo voltando para casa sairia às 20h, fizemos hora por lá, comemos, vimos as fotos da viagem e retornamos para casa.
  2. Dia 4 Hoje acordamos, tomamos café e seguimos para o lado direito da praia e caminhamos até acharmos, em meio às pedras, uma piscina natural, eu tinha certeza que meu priminho adoraria ficar mergulhado ali. E foi o que aconteceu, essa piscina é muito charmosinha. Depois retornamos para a pousada, arrumamos a mala e deixamos tudo pronto para a partida, seria o dia de irmos para fortaleza, mas apenas de passagem. Fomos almoçar já passava das 15h, pois ficamos comendo petiscos durante a manhã, e passamos o resto da tarde na praia, apostei uma corridinha com meu priminho até o extremo da praia à esquerda depois da duna, é tudo muito lindo e preservado, isso me encanta, a magia natural daquela vila que atrai e encanta. Corremos por mais ou menos por 1h, retornamos à pousada, fizemos hora e saímos para jantar, redamos mais um pouco pela vila para fazer a digestão e para dar adeus para aquele lugar maravilhoso. Ao retornarmos à pousada demos o check out e fomos pro quarto descansar, o nosso ônibus para fortaleza sairia às 23h, e foi o que aconteceu #soquenao. A jardineira atrasou e chegou à 00h30min, depois tudo novamente porem no sentido inverso, parada em Jijoca 1 e pouco da manhã para trocar da jardineira para o ônibus, dramim devidamente tomado para ajudar a dormir na viagem e evitar enjoos no meio da noite e vamos nessa. Eu prefiro fazer assim, ida de dia e volta de noite, pois curto as duas paisagens da viagem, de dia a jardineira vai praticamente dentro do mar e a sensação e muito gostosa, aquele mar lindo num horizonte sem fim, e de noite eu posso desfrutar de um céu sempre muito estrelado, o que pouco se vê hoje em dia nas cidades.
  3. Dia 3 Acordamos bem descansados, sem compromissos de passeios e afins com horário marcado, apenas sentimos o corpo descansado e levantamos para curtir o dia maravilhoso de sol que estava fazendo. Tomamos café, passamos muito protetor solar, principalmente no meu priminho, abastecemos as garrafinhas de água e seguimos para a praia. Para chegar a pé na pedra furada há dois caminhos, um é ir andando contornando a praia, esse é mais fácil, porém beeeem mais longo, sem contar que se deve observar o horário da maré, pois se estiver cheia na metade do caminho vc não conseguirá passar e terá que retornar. O outro é subir o cerrote e seguir as trilhas que já existem marcadas no chão pelos turistas de tanto que por ali passam. A pedra é linda e pelo segundo caminho indo num ritmo bem de boa (estávamos com uma criança) leva em torno de 40min para chegar. Chegamos, tiramos fotos, compramos uma água de cocô e pagamos pelo retorno de charrete (R$10.00), pois o meu priminho estava bem cansadinho. Ao retornarmos para a vila fomos a um mercadinho, que fica na rua da pousada que também é a rua da pracinha e que é a rua da associação, ou seja, na rua principal e esse é o nome mesmo da rua, compramos bobagens e água, deixamos tudo na pousada e partimos para a praia. Da vez anterior a essa que estive em Jeri, eu fiz o passeio de quadricículo com a minha irmã, pois ela viu as fotos de quando eu havia ido com meus amigos e me fez prometer que ela também andaria no tal do quadricículo, esse passeio custa em torno de R$220.00 o dia inteiro ou R$100.00 só nos arredores da vila, esse é um meio alternativo ao buggy para chegar as Lagoas, porém as duas pessoas que iram dividir o quadricículo têm que saber dirigir pois é absurdamente cansativo, sem contar que bem mais caro que o buggy. Mas vale a experiência. Passamos essa tarde na praia, curtindo o mar e jogando frescobol... Logo tivemos mais um espetaculoso pôr do sol e nos recolhemos para repousarmos. Por volta das 20h saímos para jantar, retornamos naquele restaurante do primeiro dia pois estávamos bem famintos e a comida lá é muito boa. Comemos um filé a parmegiana com arroz e fritas e estava tudo muito bom, como sempre muita comida e sobrou. Demos algumas voltas pelas ruas da vila, pois é muito seguro, eu vou anualmente para jeri há 5 anos e nunca me aconteceu nada, nem aos meus conhecidos que também foram, é tudo muito calmo e tranquilo, acredito que os infortúnios, que são poucos, que acontecem por lá decorrem daquele velho ditado: a oportunidade faz o ladrão. Então fica a dica, não andem com grandes quantias, mantenham seus pertences sempre à vista e como em todo lugar, evitem dar oportunidade ao acaso. Enfim, depois de passearmos pelas ruelas e apreciarmos os artesanatos dos hippies minha mãe e meu primo foram para a pousada e eu fui para o Mama Africa, um lual que acontece 2 vezes por semana na alta temporada, eu já estava familiarizada e encontrei alguns conhecidos por lá de outros carnavais, enfim, curti um pouco e fiquei por lá até umas 3h e retornei ao hotel, querendo ter ficado mais e degustado aquelas caipifrutas deliciosas. Eu, infelizmente não posso consumir álcool, tive a tal da dengue hemorrágica em 2007 junto de uma hepatite e catapora e esse combo acabou com o meu fígado, até hoje eu preciso ser cautelosa com comidas gordurosas em excesso e afins, então fico só na vontade.
  4. Dia 2 Dia de Lagoa Azul e Lagoa do Paraíso. Eu faço os passeios com o mesmo bugueiro que eu fiz na primeira vez que fui a Jeri com amigos, o Geraldo, é só perguntar por ele na associação que todos o conhecem, eu sempre entro em contato com ele antes de viajar e fecho com antecedência os passeios, e dessa vez não foi diferente. O Geraldo chegou na pousada às 8h e logo estávamos à caminho da lagoa azul. O passeio para as lagoas fica por R$110.00 o buggy fechado, cabem 4 pessoas, mas se vc está sozinho ou em menos de 4 é só pedir pra ele q ele acha outros turistas para completar o buggy e vcs dividirem o custo do passeio. O caminho é bem gostos, travessias em balsas, passagem pela arvore da preguiça e finalmente a lagoa Azul, sempre geladinha e refrescante... Nós quem escolhemos quanto tempo queremos passar em cada lagoa. Ficamos umas 2 horas e logo seguimos para a Lagoa do Paraíso. Que estava simplesmente linda!! Sempre que retorno a Jeri eu levo alguém novo e minha mãe que não abre mão de uma escapadinha até lá, e o convidado de honra de cada viagem sempre se encanta com as maravilhas naturas e a paz que esse vilarejo emana. Ficamos por aqui até umas 16h, pois temos horário para retornar por que a maré sobe e o buggy não passa depois de certo horário. Chegamos de volta e já pedimos para que ficássemos na praia de Jeri mesmo e lá pegamos umas cadeiras de praia e ficamos curtindo o resto de tarde e admirando mais um pôr do sol encantador. Eu lembro que paguei por volta de R$15.00 por 3 cadeiras, pois já era final da tarde e só utilizaríamos por pouco tempo. Retornamos à pousada e descansamos, depois saímos para jantar, hoje optamos por algo diferente, fomos na casa de pedra, uma sorveteria e creparia deliciosa, indico o crepe de castanha e leite condensado e se quiser um sorvetinho de sobremesa, o crepe custa em torno de R$8.00 e é enorme!! Do tamanho do prato e vem bem farto. Estávamos cansados e nos recolhemos depois do jantar, no dia seguinte iremos caminhar até a pedra furada, e como eu já havia feito essa caminhada algumas vezes, sabia que seria longa.
  5. Olá pessoal, eu sempre utilizei muito as dicas desse site para me auxiliar em minhas viagens e resolvi contribuir um pouco. Eu sou apaixonada por Jericoacoara, já fui inumeras vezes, mas vou relatar minha última ida que foi em dezembro2012/janeiro2013. Eu moro em Manaus, e sempre pego o mesmo voo pra Fortaleza que parte 00:30 e chega em fortaleza às 05:00, nessa viagem fomos eu , minha mãe e meu primo de 11 anos que é como se fosse irmão. Mas terão algumas fotos com a minha irmã de 14 anos que nos acompanhou na penúltima viagem no carnaval de 2012 e talvez das minhas idas anteriores. Vamos ao relato. Dia 1 Chegamos em Fortaleza às 5 e pouco, fizemos o de sempre, tomamos café e fomos ao meet point, um espaço dentro do aeroporto destinado àqueles que aguardam seus transfers ou sua carona, aguardar pelo ônibus da fret car, ressalto que eu sempre vou com essa empresa, primeiro por que é a viagem mais confortável x barata, e eu sempre compro as passagens antecipadamente por email. O ônibus chegou por volta das 08:30 e depois de 04:30 chegamos em jijoca para fazer a transferência para a jardineira que nos leva até Jericoacoara ( essa é a parte predileta da minha mãe, ela simplesmente ama essas jardineiras). Chegamos em Jeri por voltas das 16:00 e fizemos como sempre: deixamos as malas na pousada e fomos almoçar no restaurante Sabor da Terra que fica bem em frente ao ponto de descida da jardineira, lá a comida é divina, abundante e barata!! Sempre pedimos prato para 2 pessoas e comemos 3 e ainda sobra. Retornamos para a pousada, ah, eu sempre fico na pousada do mauricio que é a mesma que a casa alice, fica a menos de 100m da praia e não é cara, cerca de R$80.00 quarto duplo e R$120.00 triplo com café da manhã delicioso. Trocamos de roupa e fomos assistir ao pôr do sol na duna, e como sempre foi maravilhoso. Retornamos à pousada, descansamos um pouco e de noite saímos para comer pizza na pizzaria banana que fica bem ao lado da praçinha ( Jeri é bem pequena e só há uma praça) depois pousada e cama.
×
×
  • Criar Novo...