Ir para conteúdo

icaroricardo

Membros
  • Total de itens

    124
  • Registro em

  • Última visita

  • Dias Ganhos

    7

icaroricardo venceu a última vez em Abril 9

recebeu vários likes pelo conteúdo postado!

Reputação

91 Excelente

Links para Redes Sociais

3 Seguidores

Sobre icaroricardo

  • Data de Nascimento 06-05-1984

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. Dia 28/11 LONDRES/SÃO PAULO Finalmente, o último dia dessa viagem incrível, acordamos cedo, tomamos um banho, arrumamos nossas coisas, tomamos café (que estava incluso na diária) pedimos par guardar nossas malas antes de sairmos para explorar um pouco mais a cidade. Passamos novamente pela região do Big Eye mas na verdade fomos em direção a um dos principais parques da cidade, o Hyde Park, o dia estava cinza (como a maioria do dias ao longo do ano em Londres), porém, diferente do dia anterior, não estava chovendo, andamos com calma pelo parque, tirando fotos e apreciando a paisagem. De lá seguimos para a Tower Bridge, (que ficava bem longe do ponto onde estávamos), lembro-me de ter que pegar uns 3 ônibus pra chegar até lá, fora o tráfego de Londres que é péssimo, o negócio é se deslocar de metrô mesmo, fica a dica pra quem for pela primeira vez e pra mim numa próxima visita a cidade. Mas confesso que foi legal a experiência de andar nos clássicos ônibus de dois andares, fazia a gente sentir que realmente estávamos em Londres. A Tower Bridge é um dos símbolos da cidade, é a construção que quando se pensa nela você logo a associa a ela. Passamos um bom tempo por ali contemplando a vista do Rio Tâmisa e, obviamente, tirando muitas fotos. As margens do Rio Tâmisa, do outro lado da ponte, fica a Torre de Londres, uma construção importante na história do país. De lá fomos andando pra região mais moderna da cidade onde se encontram os edifícios mais famosos da cidade: The Shard, Gherkin, Sky Garden, etc. Não chegamos a entrar em nenhum, nossa passagem por Londres foi rasa, infelizmente, como a cidade acabou entrando como um bônus, devido ao tempo apertado que teríamos, sabíamos que seria assim mesmo. De lá voltamos a pé, passamos pelo "The Monument", uma grande coluna de pedra erguida em memória ao grande incêndio de Londres ocorrido em 1666. Grande parte do caminho fizemos margeando o Rio Tâmisa, passando pelo Victoria Embankment, um obelisco egípcio doado ao Reino Unido pelo Vice-Rei Egípcio Mohamed Ali em homenagem à vitória de Lord Nelson na Batalha do Nilo e a de Sir Ralph Abercromby na Batalha de Alexandria. De lá subimos até a famosa Trafalgar Square onde paramos pra fazer nossa última refeição. Nesse momento começou a cair uma garoa fina, porém insistente, pra encerrar nossa visita a Londres. Voltamos para o nosso hostel pra pegarmos nossas coisas e, finalmente, seguirmos até o Aeroporto. Fizemos o mesmo trajeto que fizemos pra vir, nosso voo partiu de Londres ás 21h05m, pousamos em São Paulo antes das 06h00, fizemos um voo tranquilo. Quero agradecer a todos que acompanharam esse relato, demorei um pouco pra conclui-lo porque queria registrar da forma mais detalhada possível os momentos e experiências que vivi durante essa viagem, até pra quem sabe, quando eu quiser matar a saudades, vir aqui e ler tbm para me lembar rsrsrs. Torço pra que tudo que estamos vivendo atualmente passe logo pra que possamos voltar a explorar esse mundão em segurança. Muito obrigado! ❤️
  2. Oi Juliana, tudo bem?! Obrigado! Eu arrumei lá o link, realmente estava errado, agora acho que tá certo! Sim, o snapseed é ótimo, da pra fazer milagres com ele 😄.
  3. DIA 27/11 - ROMA/LONDRES Nesse dia acordamos, arrumamos nossas coisas e descemos para tomarmos café, isso por volta de umas 07h00. Nosso voo a Londres era ás 11h00. Descemos até a recepção para comprar a entrada para o café que não estava incluso na diária, €7,25, e subimos até o primeiro andar. O café era estilo buffet então deu pra se alimentar bem antes de partirmos para o Aeroporto. Depois voltamos para o nosso quarto apenas para escovarmos os dentes e pegarmos nossas coisas para fazermos o check-out. Aqui inicia-se outra bobiada minha, enquanto fazíamos o check-out eu perguntei ao recepcionista do hotel se era possível comprarmos o ticket para pegar o trem com dinheiro na estação, ele disse que havia máquinas de auto-atendimento onde eu poderia compra-los com cartão, mas se eu quisesse comprar com dinheiro poderia fazer isso diretamente com os fiscais dentro do trem, ok. Saímos do hotel e atravessamos a rua, pois a estação ficava exatamente em frente onde nos hospedamos. Chegando lá decidi comprar os tickets no cartão messo pra garantir, porém, antes de finalizar a comprar o trem havia chegado e o tonto com medo do próximo demorar cancelou a operação e optou pela segunda opção que o recepcionista havia dado, (comprar os tickets do trem com o fiscal), maior besteira da vida! 🤦🏽‍♂️Foram 7 min. de onde pegamos o trem até a estação que dava acesso ao aeroporto, não vimos nenhum fiscal dentro do trem, quando o trem parou saímos e nos demos conta de que pra acessar o aeroporto era necessário estar em posse do ticket. O que o inteligente foi fazer? Isso mesmo, procurar um fiscal lá na estação que prontamente apontou para um enorme cartaz na nossa frente onde estava escrito a multa para quem pegasse o trem sem estar com o ticket. Resultado, tivemos que pagar uma multa de €50,00, por pessoa e mais os €8,00 da passagem de lá até o aeroporto, eu fiz uma cara que eu acho q o fiscal ficou foi com dó de mim quando eu quase chorei quando me dei conta que o valor da multa era de €50,00 por pessoa que ele só cobrou a minha 🤭, poderia ter sido pior, era o dinheiro que usaria pra fazer algo legal em Londres, (tipo andar no Big Eye), isso quase acabou com meu dia. Pagamos o que tinha que pagar, pegamos o ticket e acessamos o Aeroporto. A única coisa que comprei por lá foi uma água assim que passamos pela fiscalização, €2,60 . O voo até Londres foi tranquilo e pouco após ás 13h00 pousamos em Heathrow. Saímos do avião e fomos direto para a imigração, aliás, o negócio aqui é sério, de todas as imigrações da Europa a que eu mais temia era a espanhola, em Madrid, mal sabia eu que a de Londres era muito mais rigorosa! A multietnicidade de Londres é perceptível antes mesmo antes de sairmos do Aeroporto, não é a toa que é considerado o "centro do mundo", tanto que fomos atendidos por uma muçulmana com caras de poucos amigos, após esperarmos por cerca de 1h na fila da imigração. Nos fez uma série de questionamentos, (o que fazíamos em Londres, por quanto tempo ficaríamos, onde, etc.), ao pedir a passagem de retorno houve um susto, ela questionou o que eu faria até amanhã em Londres se meu voo era naquele dia mesmo, logo eu pensei "oi? como assim kkkkkk?", dai me toquei que havia dado o voucher errado pra ela pois lá no início quando houve o rolo das passagens com a LATAM, num primeiro momento, seria apenas uma escala em Londres, como já estaríamos lá pensamos em ficar, ao menos, 1 dia antes de retornar pra conhecer um pouco a cidade, dai deu certo, mas eu acabei levando o voucher desatualizado, o que gerou essa confusão mas que prontamente foi explicada. Ufa, a moça nos deu uma baita canseira, dois dias depois houve um atentado lá, um homem matou duas pessoas em uma ponte a facadas, se tivessemos tentado entrar após esse ocorrido, certamente, teríamos a nossa entrada na cidade negada. Agora sim, autorizados a entrar em Londres pedimos informação para qual direção tinhamos que seguir para pegarmos o metrô até o centro, sabia que havia duas formas para sair do Aeroporto até o centro de Londres, um trem expresso que fazia o trajeto em 30min, mas ao custo de £21,00, um absurdo, para nós meros brasileiros que recebem em R$, optamos por ir de metrô normal mesmo, £7,00, trajeto que leva cerca de 1h até Picadilly Circus (Centro de Londres), esse ticket comprei comprei no cartão, como Londres era o nosso último destino da viagem eu parei de anotar os gastos, então a partir de agora não vou mais colocar o valor das coisas pois estaria chutando e, consequentemente, não estaria passando um valor real pra vocês. De Heathrow fomos até a estação Picadilly Circus e de lá fizemos baldeação pra linha marrom até a estação Lambeth North. Ao tentarmos sair da estação, outro susto, (já estava me acostumando com essas situações pela Europa), o ticket que eu havia comprado não permitia nossa passagem pela catraca, após algumas tentativas uma guarda se aproximou, mostrei o bilhete a ela e então ela disse que aquele ticket não servia para o metrô, (ao invés de train o bilhete dizia que dava acesso ilimitado por 24h aos "trans", sai de lá sem saber que porra era isso kkkkk), só sei que pudemos andar de ônibus de dois andares a vontade pelo período de 24, talvez fosse isso, não sei! Dai eu argumentei que se ele não dava acesso ao metrô ele não teria liberado a nossa entrada quando passamos pela catraca do aeroporto, daí então ela ficou confusa e decidiu liberar a gente, reforçando que para usarmos o metrô teríamos que comprar outro ticket diferente. Passado o susto, de lá fomos a pé até o hostel que ficaríamos hospedados, ficava apenas há alguns metros da estação onde desembarcamos. Optei por ficar em hostel pois seria apenas 1 noite e por Londres ter sido a cidade com o custo mais elevado das quais visitamos. Chegando no local fizemos o nosso check-in, a garota da recepção nos explicou como funcionava a casa e nos levou até o nosso quarto, eu e meu companheiro ficamos na mesma beliche, ele embaixo e eu em cima, apenas nos acomodamos para podermos sair e comermos alguma coisa, estávamos famintos. Por recomendação os funcionários do hostel nos orientou pra que quando fossemos sair avisasse alguém para guardar nossas malas em uma sala trancada, tirava-se uma foto pra na hora de pegar elas de volta provar que era, de fato, as nossas coisas que estávamos pegando. Finalmente iriamos explorar Londres, antes passamos em uma casa de câmbio para trocarmos o dinheiro que usaríamos até o dia seguinte, trocamos cerca de €120,00, o que deu por volta de £90,00, se não fosse a multa que levamos em Roma no trem para o Aeroporto teria rendido uma graninha a mais pra aproveitarmos melhor Londres. De lá seguimos até a região onde fica o famoso Big Eye, por ali ocorria uma feira natalina com barraquinhas que serviam todo o tipo de comida, andamos, andamos e acabamos escolhendo uma de comida alemã que vendia umas enormes e suculentas salsichas grelhadas acompanhadas de batatas rusticas, picles e molhos, uma delícia, encontramos um lugar pra sentar e ficamos ali nos alimentando e curtindo o clima natalino que pairava pelo local. Já passava das 18h00, após a refeição ficamos andando na cidade meio que sem rumo, (em Londres decidimos não visitar nenhuma atração paga ou que nos predesse em um único lugar por muito tempo, ao exemplo de museus), a intenção era poder conhecer o máximo da cidade em si, pontos turísticos, etc. Passamos pela Westminster Bridge, Big Ben (que se encontra em restauração e sem a sua famosa iluminação noturna), Abadia de Westminster, Saint James Park, Palácio de Buckingham, Guards Memorial, The Household Calvary, Museum, etc. Caia uma chuvinha fina, após andarmos bastante pela cidade voltamos para o Hostel a fim de tomarmos banho e descansarmos para explorarmos o máximo que fosse possível de Londres no nosso último dia de viagem. Gastos no Dia (Roma): Café da manhã: €7,25 Ticket metrô: €8,00 Multa: €50,00 Água: €2,60 Total: €67,85
  4. Dia 26/11 - MADRI/ROMA Nosso último dia em Madri, acordamos, não tão cedo nesse dia, afinal, o anterior havia sido bastante cansativo, mas também não tão tarde. Nos arrumamos e rumamos para a rua, pegamos o metrô em direção a Estacion Del Arte, nossa ideia era visitar o Museu do Prado e, em seguida, visitar o Palácio Real. Tomamos café em um Mc Donald's, €5,50, que havia ali próximo e de lá seguimos para a bilheteria do Museu. Chegamos ás 10h30, aqui demos uma bela bobiada, num primeiro momento porque meu companheiro não estava disposto a pagar €15,00 pela entrada do Museu e eu queria muito visita-lo, por conta desse impasse acabamos saindo da fila, logo em seguida o horário de visitação para as 11h00 havia se encerrado. Acabou que decidimos visitar o Museu e não visitar o Palácio dessa vez, afinal, as entradas lá também não eram baratinhas. Nisso fomos até uma simpática igreja que havia por ali próximo esperar dar o horário da próxima visitação, (11h30), faltando 5min. para o horário descemos, nesse momento tivemos outra frustração, a fila para a visitação do horário das 11h30 já estava enorme e, como era de se prever, não conseguimos, novamente, entrar! Frustrados não havia outro jeito a não ser ficar ali e aguardar a próxima abertura que seria para a visitação das 12h00, sim perdemos um tempo precioso aqui. Fica a dica, permaneçam SEMPRE na fila! O Museu do Prado possui um acervo riquíssimo de obras de dezenas de grandes artistas de diversos períodos da nossa história, são dois amplos andares, eu foquei apenas o andar inferior, gastei todo o meu tempo nele vendo e apreciando as obras com calma, numa próxima ida a Madri eu foco o piso térreo. Ficamos entre 2h30 a 3h00 lá dentro, era estritamente proibido fotografar no interior do Museu, logo, não pude tirar nenhuma fotinho sequer, saímos e fomos procurar um local para almoçarmos. Acabamos encontrando um restaurante tailandês cujo menu completo, (incluindo bebida), saia por €10,75, fizemos a nossa refeição por aqui mesmo. Após o almoço ficamos perambulando pela cidade (meio sem rumo), vendo coisas aleatórias, compramos uns chocolates para trazermos de lembrança para familiares e amigos até dar um horário que permitisse que voltássemos para o nosso hotel, arrumássemos nossas coisas e tomássemos banho com calma. Quando deu o horário e decidimos fazer isso nos demos conta de que estávamos sem trocado pra poder recarregar nosso cartão de transporte para que pudéssemos voltar. Fomos até um BK comprar uma bebida, €3,00, para poder trocar o dinheiro e carregarmos o cartão, €5,10. Nosso voo era ás 21h35m, com previsão de chegada em Roma ás 00h05m. Malas prontas andamos até o metrô e de lá fomos até a linha 4 onde se toma o trem ligero que leva até o T4 do Aeroporto de Barajas, porém, pra ter acesso ao aeroporto, é necessário comprar o "suplemento ticket aeropuerto", €4,00, que nada mais é do que um crédito que você compra e carrega no bilhete de transporte para ter acesso ao aeroporto, dica: aqui não cabe dar uma de migué, se você não tiver esse suplemento carregado no seu bilhete, a catraca não libera o seu acesso ao Aeroporto! Chegando lá fomos procurar informações sobre o nosso voo para assim podermos comer com mais tranquilidade, tivemos um pouco de dificuldade aqui para encontrar um funcionário da Ibéria, os terminais de auto-atendimento que havia ou não estavam ligados ou estavam fora de serviço, no final achamos uma fila e aguardamos nossa vez. Check-in feito a empresa nos ofereceu a possibilidade de despacharmos nossas malas de mãos sem custo (quando a esmola demais o Santo desconfia), malas despachadas fomos procurar um local pra jantarmos, comemos, novamente, no Mc Donalds, €9,50, um lanche exclusivo da linha Singnature (Carbonara), achei bem gostoso hehehehe. Pancinha cheia partimos para a sala de embarque aguardar nosso voo. Chegamos em Roma pouco antes das 00h00, o voo de Madrid fora tranquilo porém houve muita demora por parte da Ibéria em liberar nossas malas (minha desconfiança fazia sentido, o arrependimento bateu, não deveríamos ter despachados nossas malas🤦🏽‍♂️). Entre o tempo de sairmos do avião até reavermos nossas malas foram, pelo menos, 1h, eu já estava conformado em passar a noite ali mesmo e seguir para Londres, no dia seguinte, virado, pois achei que nossas malas haviam sido extraviadas. Em posse das malas seguimos até a saída do Aeroporto, como por conta do horário, já não havia mais oferta de transporte público, (nosso hotel ficava bem em frente a uma estação que faz ligação direta com o aeroporto), porém, já havia passado do horário de funcionamento da linha, então não havia muito o que fazer, Uber estava bem caro, fechamos com um taxista que estava por ali por €25,00 a corrida. O caminho era bastante deserto e escuro, sentimos um pouco de receio mas no final deu tudo certo, chegamos no hotel, descemos, como não havia trocado tive que trocar €100,00 na recepção para poder pagar o taxista. O hotel era bonito, aparentemente novo e bastante aconchegante, fizemos o check-in, subimos para o nosso quarto e tomamos um banho bem relaxante antes de dormirmos, ás 11h00 do dia seguinte nosso voo partia rumo ao nosso último destino dessa viagem, Londres. Obs: Nesse dia tiramos poucas fotos, como a atração mais relevante era proibido fotografar então ficarei devendo fotos desse dia 😔. Gastos no dia: Café da manhã: €5,50 Entrada Museu do Prado: €15,00 Refeição: €10,75 Bebida: €3,00 Recarga Bilhete de Transporte: €5,10 Suplemento Ticket Aeroporto: €4,00 Refeição: €9,50 Total: €52,85
  5. Dia 25/11 - MADRID/TOLEDO Nesse dia faríamos um bate volta até a cidade de Toledo, inicialmente cogitamos ir de trem mas achamos a viagem de ônibus bem mais barata e de Madrid até lá são apenas 45min contra 30mim de trem. O valor da passagem de trem, na época, era €11,00, o trecho enquanto de ônibus era €9,99, ida e volta (podendo ir e voltar no horário que quisesse desde que se respeitasse o horário do primeiro e último ônibus do dia.). Acordamos, nos arrumamos e saímos, entramos em um Mc próximo da estação onde pegaríamos o metro pra tomarmos um café antes de seguirmos, eu peguei um Cappuccino médio e um sanduíche de ovos, queijo e bacon, €5,50, depois ainda fomos a um mercadinho comprar água e umas frutas pra comermos ao longo do dia, €3,70. Pegamos o metrô e fomos até a Plaza Elíptica de onde partia o ônibus até Toledo. Fomos até o guichê de auto-atendimento mas não estava funcionando então fomos na cabine comprar a passagem com a atendente. Os valores e condições são os que havia mencionado acima, pegamos um ônibus que partiria ás 9h30, como faltava pouco para o horário fomos direto para a plataforma de onde ele sairia. Embarcamos pouco antes das 9h30, nos acomodamos na poltrona e seguimos viagem, que a propósito, foi bem tranquila. O tempo não estava muito bom em Toledo, caia uma chuva fina chata ao chegarmos, tivemos que ir atrás de uma capa de chuva pra podermos sair na rua já que não estava a fim de ficar molhado e passando frio. Como não havia trocado precisei trocar o dinheiro antes de comprar qualquer coisa, já que havíamos viajado apenas com notas de €100,00, trocamos o dinheiro em um guichê de venda de passagens na rodoviária de Toledo mesmo, entramos em uma lojinha por lá e adquirimos as nossas capas, €3,00 cada. Aparte histórica da cidade fica na parte alta, acessível por carro, transporte público ou escadas rolantes que te levam até lá. Optamos por subir a pé mesmo, anda-se um pouco até chegar na parte onde estão as escadas rolantes e logo que se chega até lá fica bem simples chegar lá em cima. Ao chegar lá em cima já da pra se ter uma ideia do que nos aguarda, a vista é linda (e olha que nem era uma das mais bonita dos lugares que visitamos em Toledo), mas, ainda sim, surpreende. Meu companheiro ficou fascinado com uma loja de souvenirs que tinha logo do outro lado da rua, uma infinidade de imãs, miniaturas e tudo o mais que você puder imaginar sobre templários, castelos e tudo o mais que envolva a idade média, ele acabou comprando um imã de geladeira lindo em formato de espada, €3,00 (esse inofensivo souvenir iria nos trazer um contratempo futuramente). De lá seguimos andando pelas charmosas ruelas de Toledo, parando em alguns pontos pra tirar fotos, admirando a arquitetura medieval que permeia toda a parte alta da cidade. Nessa visita a Toledo entramos em poucos lugares, queríamos mais aproveitar o clima da cidade, apreciar as vistas dos pontos altos e andar pelas ruas. Acabamos chegando no Mirador de Alcazar, que fica em frente ao Castelo de Alcázar, onde hoje é uma Biblioteca Pública. A vista daqui é maravilhosa, umas das mais bonitas estando no ponto alto da cidade, de lá saímos a procura de um restaurante que fosse mais afastado do centro. Encontramos um que por €12,00, foi possível comer um menu que incluía Paejja Mixta, Guisado de Carne de Veado com Batatas, Tiramisu de sobremesa e uma deliciosa Sangria pra acompanhar, baita de uma refeição boa e com preço justo. Após comermos continuamos nosso passeio e acabamos nos deparando com um Museu diferente, o Museu de Brujeria, €5,50, que consistia, basicamente, em um Museu com artefatos (de origem duvidosa), imagens, objeto e material literário referente a tudo que envolvia Bruxaria, achei no mínimo interessante, mas não é uma parada obrigatória, foi legal. De lá chegamos até a Catedral de Toledo, aqui acabamos entrando por uma parte onde dava acesso a um espaço limitado ao interior da Catedral, que era gratuito, se quisesse fazer uma passeio completo pela Catedral tinha que desembolsar €12,00 e eu não estava nenhum pouco a fim de desembolsar essa quantia pra ver algo que já tinha visto aos montes pelos lugares que passamos. Saindo da Catedral nos demos o luxo de nos perdermos pelas ruelas de Toledo, gostaria de ter passado, ao menos, um fim de semana inteiro nessa cidade pois ela possui uma vibe agradabilíssima, sem dúvida alguma eu colocaria ela pau a pau com Veneza, apesar de serem cidades bem diferentes são cidade históricas com lindas paisagens e que conservam a atmosfera de uma época remota da história da humanidade. Acabamos parando em frente ao Castelo de Alcázar, na verdade entramos lá pra ver se tinha banheiro, subimos até a biblioteca que fica no último piso onde é possível ter acesso público e pedimos um café €4,00, enquanto ele era preparado fomos até o banheiro. Sentamos em uma das mesinhas em frente a cafeteria e tiramos algumas fotos da janela do local onde era possível se ter uma perspectiva diferente da cidade de Toledo. Após isso descemos e vimos que ali próximo, mais pra baixo saia um trenzinho que fazia um tour pela parte externa da cidade, de início achei que seria meio bobinho o passeio, ainda bem que, mesmo contrariado, decidimos fazer, €7,00. O passeio consiste, basicamente, em passar pelos principais pontos turísticos da cidade e ouvir histórias sobre eles através do áudio-guia, a cereja do bolo do passeio (e a que faz valer todo ele) é quando ele sai da parte alta, atravessa a ponte para o outro lado e para em alguns mirantes no entorno do Rio Tejo, aqui se tem as mais belas vistas da cidade, é simplesmente fantástico, imperdível pra quem optar em conhecer Toledo. De volta a cidade continuamos andando por ela até umas 20h que foi quando achamos prudente desce pra podermos pegar o ônibus e retornarmos para Madrid. Se não me engano o último sai ás 22h de lá mas não queríamos sair tão tarde também, achamos 20h um bom horário pra virmos. A viagem de volta foi tranquila, pegamos o metro na estação Plaza Elíptica e fomos até Quintana, onde ficava nosso hotel. A fome acabou batendo um pouquinho tarde, saímos pra ver se encontrávamos algo aberto, pra nossa sorte havia um KFC bem próximo dali, €5,00, foi onde jantamos. Voltamos para o hotel, tomamos banho e capotamos, esgotados. Gastos no dia: Café da manhã: €5,50 Compras: €3,70 Passagem p/ Toledo: €9,99 Capa de chuva: €3,00 Souvenir: €3,00 Refeição: €12,00 Entrada Museu Brujeria: €5,50 Café: €4,00 Passeio de trenzinho: €7,00 Refeição: €5,00 Total: €58,69
  6. Dia 24/11 - MADRI Segundo dia em Madri e o último em cia do nosso amigo Rafael, dessa vez nos encontraríamos um pouco mais tarde, depois do almoço. Levantamos, nos trocamos e partimos pra rua, carregamos nosso bilhete pra usar o metrô, €6,10 e fomos até a Estacíon Del Arte, a ideia inicial era visitar o Museo Del Prado, um dos mais importantes museus da Espanha, mas achei que seria muito corrido, já que tínhamos combinado horário com nosso amigo e então a visita ficaria restrita a esse horário, deixei pra visitar o museu em nosso último dia em Madrid. Entramos em um Dunkin' Donnuts que havia próximo a estação para fazer o nosso desayuno, €6,30, pra não perdermos a viagem ao lado do Museu fica o Jardim Botânico Real, como já estava aberto pegamos a fila pra comprar o ingresso, €6,00, e entramos. O local é muito bonito, ainda mais nessa época do ano (outono) então é um show de contrastes de cores. Ficamos por lá até pouco antes do horário do almoço, de lá andamos um pouco pelo em torno do Jardim onde havia uma feira de livros, meu companheiro até comprou uma edição do Livro de Annie Frank em espanhol, já que ele estava estudando a língua, de lá fomos até o ponto de encontro com nosso amigo, havíamos combinado de nos encontrar na Plaza España e então acabamos comendo em uma lojinha que vendia bentôs feitos na hora por ali mesmo, bem gostosinho, pagamos €8,70 por um bentô e uma bebida. Estávamos terminando de comer quando meu amigo apareceu, de lá fomos para os Jardins de Sabatini, o jardim do Palácio Real de Madri. Nesse dia visitamos apenas a parte externa do Palácio, acabei deixando pra voltar e visitar a parte interna no nosso último dia na cidade (o que não aconteceu, infelizmente), ali próximo ficava a Catedral de Santa María la Real de La Almudena, a arquidiocese de Madri, entramos pra visitar seu belo interior, abaixo dela há uma Cripta, decidimo visitar também, o custo da entrada é simbólica, você faz uma doação em dinheiro com o valor que quiser oferecer. Nessa cripta, pelo que pude notar, apenas pessoas proeminentes da sociedade espanhola podiam ser sepultadas ali. O local é todo revestido de Mármore Branco e ouro, desde o piso até as paredes, coisa fina. De lá fomos a pé até a Plaza Mayor, paramos pra comermos a famosas "porras" espanholas (calma, não é nada disso que você está pensando hahahaha), é como eles chamam os churro lá, diferentes dos daqui a massa não é passada naquela mistura de açúcar com canela e também não vem com recheio pois ele vem acompanhado de um (molho) pra você "chuchar" a sua porra e comer, geralmente é de chocolate, que foi a que peguei, € 4,00, eu achei bem gostoso, pois acho o nosso muito doce e o deles achei menos enjoativo, o chocolate quente pra "chucar" os churros era ótimo! Chegando lá na Plaza ficamos curtindo as decorações de Natal e o clima bastante convidativo da época, havia bastante barraquinha com comidas natalinas e souvenir, aproveitamos que estávamos próximo e demos, também, uma passada no Mercado de San Miguel, mas como era de se imaginar tudo com preço inflacionado, extremamente turístico, só passamos mesmo, não pago preço abusivo nem no Brasil em R$ vou pagar em €? Não nessa vida😆! Andamos um pouco mais até chegarmos até outro ponto da cidade, em torno da estação Opera do metro e que também estava lindamente decorada. Ficamos um tempo conversando por lá, já que logo mais teríamos que nos separar do meu amigo pois, como era Domingo, ele trabalharia no dia seguinte, após um tempo nos despedimos e de lá fomos encontrar um local para jantarmos antes de voltarmos para o nosso hotel. Acabamos achando um local onde você criava seu próprio noodle, em relação ao sabor não me agradou muito, achei meio sem tempero, compramos um combo que dava direito a montagem de um noodle tam. M, uma bebida e uma sobremesa, saiu tudo por €10,35. Assim que terminamos andamos até a estação mais próxima de onde estávamos e pegamos o metrô até onde estávamos hospedados. No dia seguinte faríamos um bate e volta até Toledo. Gastos no dia: Carga Bilhete Transporte Público: €6,10 Café da Manhã: €6,30 Entrada Jardim Botânico: €6,00 Refeição: €8,70 Cripta Real: €4,00 Churros: €4,00 Refeição: €10,35 Total: €45,45
  7. No seu caso eu não desmarcaria, o prejuízo de adiar uma viagem dessas é grande pra gente que não pode planejar uma viagem pra Europa a qualquer instante. Eu apenas tomaria mais cuidado do que o normal em relação a evitar se expor a um eventual contágio (andar sempre com álcool antibactericida em gel, máscara com filtro, evitar locais muito cheios e principalmente fechados), etc. Se você estivesse no início, nem tivesse comprado passagem ainda ai sim seria interessante adiar, mas com ela já está marcada, sinceramente, eu não teria coragem de cancelar não.
  8. Dia 23/11 - MADRI Em nosso primeiro dia completo em Madrid acordamos cedo para nos encontrarmos com meu amigo que já estava a caminho. Combinamos de nos encontrar em frente a saída da estação onde desembarquei no dia anterior pra chegar até nosso hotel. Chegando ao encontro dele os cumprimentamos e decidimos tomar café em uma cafeteria que havia do outro lado da rua. Eu e meu companheiro pedimos um cappuccino e uma tostada com queijo e presunto enquanto nosso amigo pediu uma baquete com uma espécie de passata de tomate que se come acompanhada com azeite, segundo ele é uma refeição de café da manhã típica espanhola, preferi ficar com o meu mesmo 🤭. Meu amigo fez questão de pagar nosso café da manhã, aliás, esses dias com ele foram muito proveitosos pois além de termos visitado bastante lugar legal a cia dele foi mega agradável além dele ser o palhaço da turma rimos pouco durante os dias que ele passou com a gente, (na verdade seria apenas o sábado e domingo), já que na semana ele trabalha normalmente. Do café partimos para o metrô, ele deu o bilhete que tinha e que já não usava mais pra gente recarregar e poder utilizar durante os dias que passaríamos em Madrid, recarreguei o bilhete com €6,10 pra eu e meu companheiro utilizar. Meu companheiro estava tendo problemas com o chip que ele havia comprado em Roma (ele não funcionava), foi o único país onde o chip não funcionou, de fato. Havia uma loja próxima a estação Las ventas, onde fica a Plaza De Toros, rumamos pra lá pra ver se resolvia o problema. Chegando lá tiramos algumas fotos em frente ao grande complexo onde ocorrem as famosas touradas de espanholas, (não vejo graça e acho uma crueldade o que fazem com os bichinhos), há um Museu dentro dele falando sobre a história das touradas, porém, além de ter achado caro a entrada (€14,00), se não me falha a memória, não me interessei em fazer a visitação, de lá andamos até a loja só pra descobrir que o chip não funcionava na Espanha porque ele não havia sido comprado lá... 😒. Como já estávamos no final da viagem não valia muito a pena comprar outro chip, conformados, voltamos a programação normal do dia e então fomos até um supermercado comprar umas besteirinhas pra comer ao longo do dia, compramos água, uns snacks e refrigerante, €2,40. De lá fomos até a nossa primeira parada oficial, Parque Del Retiro,o "Ibirapuera" madrilenho, o dia até que estava bastante agradável para um passeio no parque, um típico dia ensolarado de outono. O parque é grande e bastante agradável pra caminhar, dentro dele á algumas atrações interessantes como o Palácio de Cristal, Palácio de Velázquez, diversos monumentos e jardins bastante interessantes além de lagos e fontes. É uma ótima opção de passeio em Madrid onde você gasta um total de €0,00, passamos umas boas horinhas por ali, em algum momento sentamos nas escadarias do monumento Embarcadero Del Retiro e ficamos por alguns minutos admirando a vista e o movimento dos locais. De lá seguimos andando e acabamos entrando em uma exposição gratuita de um artista Plástico Italiano, Mario Merz, que estava tendo dentro do Palácio de Velázquez, aproveitamos pra conhecer a construção também, de lá seguimos até o Palácio de Cristal que também apresentava, em seu interior, outra exposição, está menos interessante, porém a arquitetura do local é muito bonita e vale a visita. Andamos um pouco mais pelo parque, tiramos fotos e seguimos a pé até as próximas atrações que ficavam no entorno do Parque como a Porta de Alcalá, Plaza de Cibeles e o Edifício Metropolis na esquina da Calle de Alacalá com a Gran Vá. Fizemos uma pausa para comer por ali na região mesmo e fomos até um BK, €10,15, onde havia refil de Coca de tudo que era sabor que você podia imaginar, inclusive alguns que só encontrei em Madrid (Melocoton e Baunilha com Cereja), mas também só encontrei esses sabores, especificamente nessa loja do BK que fica mais precisamente próxima a Plaza de España (que estava fechada para reforma quando estive por lá). Após o lanche seguimos a pé ao nosso próximo passeio que também ficava próximo de onde estávamos, Templo de Debod. O lugar é muito bonito (e cheio também), o templo foi um presente do Estado Egípcio aos espanhóis em razão da ajuda na salvação do Templo de Abul-Simbel. Como havia muitas pessoas, (em sua grande maioria, chineses), demoramos um tempinho pra conseguir entrar no Templo, não há nada demais nele além de desenhos, referências aos costumes culturais egípcios inscritos nas paredes além de alguns artefatos, mas é interessante principalmente pelo fato de se poder visitar um artefato genuinamente egípcio fora do Egito. Sugiro fazer esse passeio próximo ao pôr-do-sol pois nesse parque há uma linda vista para contemplá-lo, a visitação ao Templo também é gratuita. De lá voltamos pra Gran Via para admirarmos a decoração de Natal, estava linda, toda iluminada, aproveitamos que havia uma Primark por lá e fizemos umas comprinhas 😁. De lá descemos até um dos locais mais famosos de Madrid, a famosa Puerta Del Sol, aproveitamos para irmos ao banheiro em uma loja de calçados enorme que havia por lá, diferente dos outras cidades na Europa que visitamos, em Madrid não cobram o uso do banheiro por não clientes. Após isso descemos e ficamos curtindo o clima natalino que pairava na região com diversas crianças brincando, apresentações natalinas e um friozinho gostoso. A fome acabou batendo novamente então decidimos comer umas pizzas quadradas que estavam sendo vendidas em um local ali próximos comprei 2 pedaços pra cada e um de nós 3 e um copão enorme de refrigerante, €15,50, ficamos por mais um tempo por lá e já exaustos por estar andando o dia inteiro pela cidade, seguimos até a estação de metrô mais próxima e nos despedimos, como ele mora em uma região mais afastada de Madrid, (Getafe), seguimos em direções opostas, porém, no dia seguinte ainda nos encontraríamos novamente para mais um dia de andança. Chegamos no hotel, tomamos banho e caímos esgotados na cama pois seria necessário um sono revigorante pra que pudéssemos acordar dispostos pra mais um dia de viagem. Gastos no dia: Carga Bilhete Transporte Público: €6,10 Compras: €2,40 Refeição: €10,15 Souvenir: €1,00 Compras Primark: €36,00 Refeição: €5,20 Total: €60,85
  9. Olá Mariana, tudo bem?! Em Novembro de 2019 fui pra Europa e passei por algumas das cidades que você pretende visitar: Viena, Budapeste, Praga e Berlim, meu roteiro também incluiu Roma, Veneza, Madrid e Londres, mas vou me ater apenas aos locais que você pretende visitar. De Viena para Budapeste fui de trem: Dica, eu comprei passagem pela Marv-Star (empresa estatal de trens húngara), não faça isso pois só comprei as passagens pelo site pra descobrir que só é possível fazer a impressão do ticket dentro do território húngaro (sim, nem e-ticket eles emitem), resultado, tive que comprar outra passagem durante a viagem pois como não consegui imprimir o bilhete e entrei apenas com o comprovante da compra, não aceitaram! O que eu recomendo é que você compre passagens de trem, (caso opte em se deslocar entre uma cidade e outra dessa forma), pelo site www.trainline.com.br, diferente do omio.com, esse não cobra taxa e nenhum outro custo indireto, pra você ter uma ideia por esse site comprei uma passagem de primeira classe pela empresa OBB, (estatal de trens austríaca), de Veneza a Viena por apenas €15,00, a viagem foi extremamente confortável com poltronas individuais e espaço á vontade, não estava incluso refeição mas ai você pode levar algo para comer caso dê fome. Você pode ir de Viena até Budapeste dessa forma também. De Budapeste pra Praga fui de low coast pela Ryanair e de Praga pra Berlim fui de ônibus pela Regiojet (€15,00) e foram 4h de viagem, bem tranquilo.
  10. Dia 22/12 - SACHSENHAUSEN/BERLIM/MADRID Último dia em Berlim, acordamos ás 6h00 para pegarmos nossa roupa na lavanderia e, finalmente, estavam secas 🤙🏽, voltamos a dormir mais um pouco e lá pelas 8h00 nos levantamos pra arrumar nossas coisas, nos trocarmos e descermos pra tomar café e fazer o check-out. Nesse dia faríamos a visita ao campo de concentração nazista Sachsenhausen na cidade de Oranienburg. Café tomado, check-out feito, pedimos para que guardassem nossas coisas até o final do dia, quando retornaríamos para pegá-las pra seguirmos para o aeroporto, partimos a pé até a estação Potsdamer Platz Bahnhof, mas antes passamos no supermercado pra garantirmos nossa aguinha pra tomarmos ao longo do dia, €4,00, pegamos o trem até Oranenburg, foi necessário fazer algumas baldeações, pois existem vários itinerários diferentes na mesma linha, que vão apenas até uma determinada estação, pra facilitar vou usar o exemplo de uma linha de trem aqui de São Paulo: Esmeralda que vai da estação Term. Grajaú até Osasco, porém, nessa mesma linha, há trens que partem da estação Jurubatuba, (algumas estações depois do Term. Grajaú) e vão só até Pinheiros, (algumas estações antes de Osasco). O trajeto até lá da em torno de 1h. Chegando em Oranienburg saímos da estação e ficamos a espera do ônibus que passava em frente a Sachsenhausen, ficamos, no máximo, uns 10min. aguardando ele que rapidamente nos levou até o nosso destino. A visitação é gratuita, você só paga pelo áudio-guia, fiquei muito contente que havia opção de áudio em português o que nos proporcionaria uma imersão muito maior e o melhor é que é o nosso português (eu achei que seria o português de Portugal), mas pra nossa surpresa, não era. O local é enorme e há muita informação pra ser absorvida, chegamos lá por volta das 11h e podíamos ficar, no máximo, até ás 16h00, nosso voô pra Madrid seria ás 19h40. O ideal é seguir de forma ordenada os números do áudio-guia em cada local de interesse pra que você não se perca em meios as informações. Sachsenhausen é uma atração bastante pesada, psicologicamente falando, mexe bastante com a gente, meu companheiro possui uma mediunidade bastante aflorada e ele se sentiu mal em diversos momentos, em especial na sala onde eram feito as autópsias, ele não conseguiu ficar por muito tempo e saiu de lá bastante perturbado, assim como na parte onde ficavam as fornalhas onde os corpos das pessoas que foram executadas eram cremados. De todos os países que visitei e que participaram diretamente na 2ª Guerra a Alemanha é a que mais faz questão de manter vivo os fatos que fizeram dela a grande vilã desse momento da nossa história, em razão de todo o mal que ela causou a tantos povos. Saímos de lá umas 15h30, apesar de estarmos com muita fome decidimos que comeríamos, pela última vez, no mesmo restaurante próximo de onde estávamos hospedados, ainda bem que saímos um pouco mais cedo pois o ônibus até a estação de trem demorou quase 30min. pra chegar. De lá seguimos pra Berlim novamente, chegando lá fomos direto ao hostel pegar nossas coisas e fazer nossa última refeição na cidade. Dessa vez eu peguei um belo de um Kebab ou Shawarma, dependendo da região, era enorme, mas bem adequado a fome que eu estava sentindo😆. Satisfeitos saímos em direção a estação que ficava do outro lado da rua, pegamos o trem e seguimos até a região de onde partem os ônibus que levam até o Aeroporto de Tegel. Achei esse aeroporto relativamente pequeno, não tivemos dificuldades em encontrar a fila para a sala de embarque. Madrid foi um ponto fora da curva no nosso roteiro porque a intenção era visitar um grande amigo meu que, em abril do ano passado, foi embora pra lá, mas no final eu acabei adorando a cidade. Nosso voô foi tranquilo, chegando lá seguimos em direção a estação T4 (linha 8), como nosso amigo tinha um bilhete disponível deixamos pra carregar ele quando nos encontrássemos no dia seguinte pra nos locomovermos pela cidade, compramos apenas o ticket para podermos ter acesso ao metrô pra podemos chegar até o nosso hotel. De lá seguimos até a estação Colombia pra fazermos a baldeação para a linha 9, de lá fomos até a estação Nuñes de Balboa (linha 5) e enfim seguimos até a estação onde desceríamos, Quintana. De lá para o nosso hotel eram pouco mais de 300m de caminhada, chegando fizemos o check-in, subimos e nos acomodamos, havia sido um dia bastante cansativo, o que mais queríamos era apenas tomar um belo banho e dormirmos pra no dia seguinte nos encontrarmos com o meu amigo pois ele seria o nosso guia na cidade. Gastos no dia: Café da manhã: €6,00 Água: €4,00 Áudio Guia Sachsenhausen: €3,00 Refeição: €7,25 Total: €20,25
  11. Dia 21/12 - BERLIM Mias um dia em Berlim, acordamos cedo, nos arrumamos, tomamos café, €6,00, e partimos conhecer um pouco mais a cidade. A primeira parada do dia foi no supermercado, compramos uma bandejinha de frutas do bosque que estavam lindas (triste que essas frutas sejam tão caras em terras tupiniquins) e um copão de iogurte com calda de frutas vermelhas (sim, eu sei que já havia tomado café mas, como já disse, era um café simples), €4,90, e além do mais, eu sou taurino, então me deixa! 😆 De lá fomos a outro ponto turístico famoso que ficava bem próximo de onde estávamos hospedados, o Memorial dos Judeus Mortos no Holocausto. A visitação ao memorial, (que fica no subsolo daquele famoso campo de blocos de concretos cinzas), é gratuita, paga-se apenas pelo áudio guia, caso queira fazer a visitação com uma maior imersão. O número de pessoas que adentram o local é limitado, então entra um determinado grupo de pessoas e conforme elas vão saindo eles permitem que outras pessoas vão entrando também. Fiquei, no mínimo, umas duas horas lá embaixo pois a riqueza de informações do memorial como depoimento de sobreviventes, cartas de pessoas que foram executadas e histórias de famílias inteiras que foram destruídas pelo nazismo em toda Europa, é imensa, não dá pra simplesmente dar uma "passadinha", pra quem gosta de história, como eu, reserve algumas horas a esse lugar. De lá seguimos para o memorial do Muro de Berlim (Gedenkstätte Berliner Mauer) que fica na Bernauer Straße, entre as estações S-Bahn Berlin Nordbahnhof e a U8 Bernauer Straße, essa é uma atração pra quem realmente quer entender o que significou o Muro de Berlim e o impacto que ele causou na vida da população local, é uma rua inteira com diversas informações desse momento da história da Alemanha, museus (fechado e a céu aberto) com fotos, textos, áudios e resquícios reais como pedaços inteiros do muro, fiações, cercas elétricas, etc. Também é uma atração para se ver com calma, pra que está com mais pressa pra ver outras coisas vá até a estação Warschauer Straße, e siga até a East Side Gallery, onde fica uma grande extensão do muro de Berlim com os grafites mais famosos da cidade, entre o memorial e os grafites eu optei pelo memorial pois mais do que apenas tirar fotos coloridas e alegres eu queria compreender mais sobre a história de um dos fatos mais marcantes do séc. XX. Gastamos algumas horinhas andando pela rua, lendo as informações disponíveis sobre o local, passeamos um pouco pelo charmoso cemitério Sophien, local cuja visitação dos túmulos passou a ser restrita pra quem vivia do lado ocupado pelos soviéticos (Alemanha Oriental). De lá seguimos até a famosa Alexanderplatz para comermos algo e também visitar a região. Aqui vou relatar uma gafe que cometi ao utilizar o banheiro na estação, pagamos €1,00 pra utilizarmos o banheiro, fui a uma cabine reservada fazer xixi, o vaso possui um sistema autolimpante automático, na verdade era só encostar a mão no dispositivo que ficava na parede (no lugar da descarga), beleza, dai terminei de fazer o meu xixizinho, agora era hora de dar a descarga, mas onde ficava a descarga se o sensor pra limpar a borda do vaso ficava no lugar dela?! Acabei concluindo que se tratava daqueles vaos que depois que você se afasta dão descarga automaticamente, então eu sai da cabine, apesar de não ouvi o barulho da descarga, segui para a pia lavar as mãos, nisso uma funcionária que havia entrado no banheiro percebeu que eu não havia dado descarga e me chamou e me levou até a cabine onde eu havia usado e pediu para que eu desse, tentei explicar em inglês o motivo de eu não ter dado a descarga, dai ela mostrou onde ficava, atrás da caixa de água do vaso 🤦🏽‍♂️, sai de lá mega sem graça e rindo, né, afinal, não deixei de dar descarga propositalmente rsrsrsrsrs. Acabamos indo comer no Mc Donalds, €8,90, como havia começado a chover forte ficamos um tempo por lá carregando os nossos celulares. Assim que a chuva diminuiu um pouco fomos andando até a Berliner Dom, uma imponente Catedral Protestante Luterana de Berlim que fica ma Ilha dos Museus, já havíamos passado por ela mas a intenção era visitá-la por dentro, porém, quando chegamos lá já havia passado do horário de visitação, dai acabei deixando para o nosso último dia em Berlim (o que não ocorreu, mas blz), de lá voltamos para o Hostel, como havia voltado a chover novamente decidimos lavar nossas roupas pois já tinha acumulado um certo volume de roupas sujas, chegando lá compramos as fichas para usarmos na lavanderia que ficava literalmente ao lado do nosso quarto, €6,50, aqui eu acabei me confundindo e coloquei um tempo de lavagem maior para a lava-roupas o que acabou consumindo do tempo para secá-las, pois as fichas te dão um prazo de 3h para fazer todo o processo. Enquanto nossas roupas lavavam tomamos banho e descansamos um pouco, decidimos que no dia seguinte visitaríamos o Campo de Concentração de Sachsenhausen, em Oranienburg. Assim que acordamos fomos recolher nossas roupas e pra nossa surpresa elas não estavam muito bem centrifugadas, tinha uma boa quantidade de água ainda nas roupas o que faria com que o processo de secagem fosse bastante demorado, colocamos as roupas para secar e, enquanto isso, saímos para jantar, sim no mesmo restaurante dos últimos dois dias. Dessa vez peguei o prato que meu companheiro havia escolhida na noite anterior (o Fettuccine com molho de creme de espinafre e salmão defumado, pois havia achado uma delícia e dessa vez ele pegou uma massa com molho arrabiata, era bom também mas nada comparado ao meu 😋. Passamos no mercado pra comprarmos água, um docinho pra comer e umas besteirinhas pra levarmos ao nosso passeio de amanhã, €5,70, de lá voltamos para o Hostel e aguardamos a nossa roupa acabar de secar, quando foi lá pra umas 00h00 fomos ver se já havia terminado e ao abrirmos a seca-roupas nossa roupa continuava bem úmida, coloquei as roupas de volta na seca-roupa pra ver se ela funcionava pra terminar de secar pois não havia condições de ficar com a roupa como estavam, iam começar a feder seria terrível, acabou que ela ligou e voltou a fazer o processo de secagem. Nisso deixamos a roupa lá secando e colocamos o celular pra despertar umas 6h00 pra gente retirar as roupas antes que mais alguém fosse utilizar a máquina. Gastos no dia: Café da manhã: €6,00 Compras: €4,90 Áudio guia memorial do Holocausto: €3,00 Banheiro: €1,00 Refeição: €8,90 Lavanderia: €6,50 Refeição: €7,10 Compras: €5,70 Total: €43,10
  12. Ah, que bom, pelo pouco tempo que você terá por lá realmente compensa então, nesse caso! Sobre a região de Trastevere achei a sugestão do Victor ótima pois assim vc conseguirá passar por alguns dos principais pontos turísticos de Roma a pé: Piazza Spagna (com sua famosa e lotada escadaria), Fontana Di Treve, Pantheon, Coliseu, de lá seguir andando até o bairro de Trastevere e depois voltar ao metrô mais próximo, Circo Massimo.
  13. Bom, ir pra Roma do Aeroporto Leonardo Da Vinci via Trenitalia é mais rápido, porém, beeeem caro, tipo uns €40,00, de ônibus até lá são 1h e custa €7,00, dai tem que ver o que é a prioridade pra você, nesse caso, tempo ou dinheiro, mas no quesito tempo você irá ganhar 1 hora, talvez um pouco mais do que indo de ônibus, dai tem que ver se compensa! Se for de ônibus ele te deixará na estação Termini do metrô, de lá é possível ir a diversos pontos turísticos de Roma, inclusive o Coliseu! Sugiro dar uma passeada pela região da Piazza Spagna e por menos de €10,00 fazer uma bela refeição típica italiana comendo uma deliciosa massa fresca no Pastificio Guerra, (não é um restaurante onde você escolhe uma mesa e senta), todos os dias há 2 opções de massas e molhos, colocam numa bandeja (isopor ou plástico) e vc vai comendo na mão mesmo, a massa é uma delícia, o lugar é bem frequentado por locais e uma bela porção de massa do dia sai por €4,00, um pouco mais a frente você pode comer um delicioso Tiramisu no Pompi, uma confeitaria especializada em Tiramisu, tbm por €4,00 cada bandejinha, peça o tradicional e coma a melhor sobremesa desse mundo!
  14. Dia 20/12 - BERLIM Dia de explorar Berlim, acordamos lá pelas 8h00, estava um dia bem molhado, com uma garoa fina, nos arrumamos e saímos para tomar café. O café da manhã nesse hostel não estava incluso, ao custo de €6,00 você tinha acesso a um café da manhã no estilo buffet, mas nem de longe era tão completo quanto os de Viena e Budapeste, era bem simples, mas o suficiente para um café razoável. Saímos do hostel e antes de começarmos a explorar Berlim passamos em um mercado, (alías, eu queria morar pra sempre nesse mercado 🥰), por conta da quantidade de serviços que ele disponibilizava como a possibilidade de levar embalagens recicláveis e trocá-las por valores a serem abatidos nas compras, uma máquina que tira toda a casca e a coroa do abacaxi, possibilidade de personalizar sua própria salada, iogurte pra vc levar pra comer, sushis e sashimis feitos na hora fresquinhos pra levar, um sonho hahahahaha! Mas saímos de lá apenas com 1 água e umas amoras negras gigantes deliciosas hahahaha. Nossa primeira parada foi no Portão de Brandemburgo, no dia parece que estava havendo alguma reunião entre os governos da União Européia, provavelmente pra discutir algum assunto relacionado ao Brexit, creio eu. Algumas ruas se encontravam interditadas e com um policiamento bastante reforçado. O local estava cheio, foi difícil tirar uma foto decente por lá. Algumas fotos depois seguimos em frente até encontrarmos alguns patinetes da Uber disponíveis por ali, como já tinha o app. no celular alugamos pra darmos uma volta pelo Parque Tiergarten. Estava bastante frio, um frio ao qual eu não estava acostumado, apesar de estar bem agasalhado, depois de explorar o parque sob um patinete deixamos ele por ali mesmo e fomos explorá-lo a pé pra tirarmos algumas fotos já que a paisagem de inverno era um convite irrecusável que a natureza nos fazia. Cruzamos toda a extensão do parque que é cortado pela Strasse des 17 Juni, passamos pelo monumento em homenagem aos soldados do exército soviético, por ali há um pequeno memorial contando um pouco da importância deles na guerra que culminou com a derrota do exército nazista, pra quem gosta de história é interessantíssimo, aliás, a forma como a Alemanha encara seu passado não muito distante é exemplar, ao invés de negá-lo ela faz questão de lembrar, não por sentirem orgulho dele mas para que ele jamais se repita! Particularmente eu acredito que um país só progride quando passa a reconhecer seus próprios erros pra que, assim, possa curar suas feridas e foi exatamente isso que a Alemanha fez e, não a toa, é a principal potência do Bloco Europeu atualmente. Andamos até chegarmos na Siegessäule (Coluna da Vitória), monumento construído em comemoração a vitória da guerra do reino da Prússia sobre o Império Austríaco. Por €3,00 pode-se subir até o topo dele e admirar a vista da cidade lá de cima, apesar da neblina que pairava na cidade por conta do mal tempo achei que as fotos ficaram bonitas, ficamos lá em cima admirando a vista, tirando fotos e depois descemos pois a garoa persistia. Até então não havíamos usado o transporte público ainda, como nosso próximo destino era a ilha dos Museus fomos até uma estação de metrô mais próxima, dessa vez com o dinheiro trocado pra poder pagar pelo ticket rsrsrsrsrs. Achei o ticket de Berlim o mais caro de toda a viagem, compramos o de 48h por €20,00 que permitia andar pelas regiões A/B/C, conforme explicado no post anterior. Por ali havia um supermercado, achei melhor comermos algo antes de irmos até nosso próximo destino, compramos uma salada bem farta, um sanduíche, um suco e um chocolate pra comermos, tudo deu €10,60. Agora sim, alimentados seguimos até a Ilha dos Museus. Berlim possui alguns dos museus mais importantes do mundo, entre eles: Pergamon, Novo, Bode, Nacional, Egípcio, mas como o tempo e a grana são curtas o ideal é optarmos por aquele que mais nos interessa pois também não dá pra gastar o pouco tempo que temos vendo apenas cultura de outros países que não seja a alemã, né?! Optei por comprar um ingresso que dava direito a visitar dois museus €18,00, (aqui eu cometi um ledo engano), achei que seria possível fazer a visita ao outro Museu (Novo) no dia seguinte, como ocorre com alguns museus na Europa, não era o caso, então acabei pagando mais caro e consegui visitar apenas 1 único museu naquele dia, o Pergamón 😔. O museu é incrível mas a frustração de não poder visitar o Museu Novo foi grande, aliás, minhas grandes frustrações nessa viagem foi não ter me organizado direito pra poder visitar os museus que eu mais queria visitar, paciência! Eu até poderia ter visitado os dois mas ir a um museu e só bater o olho sem nem se dar ao trabalho de ler o mínimo pra entender o que é aquilo que você está vendo, de onde ele é e porque ele foi feito, é melhor nem ir, acompanhado de alguém que também não possui os mesmos interesses e nem tem a mesma disposição que a gente é outro agravante, nesse ponto viajar sozinho é o auge. Saímos de lá já com o museu fechado pra entrada, ficamos andando pela bela região da ilha dos Museus, contemplando a vista do Berliner Dome do outro lado do Rio Spree e tirando fotos. De lá fomos andando em direção ao nosso hostel parando de vez em quando pra tirar foto de algo que nos chamasse a atenção e comprando souvenirs (€5,00). Antes de voltarmos para o nosso hostel, mais uma vez, jantamos no mesmo restaurante do dia anterior, dessa vez pedimos massa e que delícia, eu pedi um espaguete ao molho pesto e meu companheiro um fattuccine ao molho de espinafre e salmão defumado, o meu estava bom, mas o do meu companheiro estava divino, tanto que no dia seguinte pedi o mesmo prato que ele pediu 😋, cada prato saiu por €7,10, comida bem servida e muito bem apresentada, um prato desses aqui em SP em um restaurante 3 estrelas não sairia por menos de R$50,00, fácil! Exaustos voltamos para o nosso hostel, tomamos um banho e ficamos planejando o que faríamos no dia seguinte, queria muito poder ter feito a visita guiada ao Parlamento Alemão, mas assim como a visita ao Parlamento húngaro, é preciso fazer reserva com antecedência, (não me atentei a isso antes da viagem), com a diferença que, no caso do alemão, a entrada é gratuita. Até entrei no site e fiz uma solicitação de visita, mas estava muito em cima da hora, dificilmente conseguiríamos vagas (há limite de visitas por dia), fica para uma próxima. Gastos no dia: Café da manhã: €6,00 Compras: €3,10 Entrada Coluna da Vitória: €3,00 Ticket Transporte 48h: €20,00 Refeição: €10,60 Entrada Museu (Pergamón e Novo): €18,00 Souvenir: €5,00 Refeição: €7,10 Total: €72,80
×
×
  • Criar Novo...