Ir para conteúdo

Bruno Ogata

Membros
  • Total de itens

    1
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

0 Neutra

Sobre Bruno Ogata

  • Data de Nascimento 29-03-1991

Bio

  • Ocupação
    Graduando em Ciências Biológicas com habilitação em Biologia Marinha e Gerenciamento Costeiro pela UNESP São Vicente
  1. Olá, vim compartilhar uma viagem que fiz, como já diz o título, de Ubatuba até Paraty (01/07/2011 – 10/07/2011) Fiz essa viagem com uma amiga da faculdade Fabiana. A intenção era ser inteiramente a pé mas alguns trechos acabamos pegando carona e ônibus como verão a seguir e também não foi realizada por Ubatuba inteira, apenas a partir de sua metade (Toninhas) Saindo de São Paulo chegamos a Ubatuba parando na praia de Toninhas Seguindo beira mar pela Rodovia Rio-Santos (Praia de Toninhas vista do mirante) (Praia Grande) (Praia do Tenório) (Praia Vermelha do Centro (Vermelhinha) Seguindo viagem depois da Vermelhinha você possui duas opções, seguir em frente pela Rio-Santos ou bifurcar indo para Ponta Grossa Ponta Grossa é uma “rua” sem saída com uma praia no meio de seu caminho e no final é possível ter uma ótima vista do mar, a caminhada é longa, de mais ou menos 1 hora e 30 min até o final da Ponta Grossa (Praia do Cedro) Infelizmente devido ao momento não fotografei o ponto final da Ponta Grossa, mas tivemos uma feliz surpresa, um grupo de uns 15 golfinhos apareceram no mar seguindo para o sul Fiz uma foto mas ficou terrivelmente péssima, mas com boa vontade é possível ver a nadadeira dorsal do animal Ao voltar da Ponta Grossa seguimos viagem até chegar em Itaguá, a cidade principal de Ubatuba, lá sabíamos da existência de um camping, porém, tivemos a péssima notícia de que estava fechado (no mínimo infeliz) Ele é localizado na parte sul da orla da praia de Itaguá o nome é (Itaguá camping) Como não estávamos preparados para essa, acabamos encontrando (com ajuda de moradores) um hostel muito aconchegante (e barato) e bem estruturado, que recomendo! O nome é Aldeia Hostel, o valor pago foi de R$25 por pessoa. Como a viagem foi realizada em Julho, o inverno não é muito atrativo para muitos na praia, então o hostel estava vazio. No dia da nossa chegada estava sendo celebrada uma festa, a Festa São Pedro Pescador. Passamos por lá, curtimos um pouco e fomos dormir Seguindo viagem saindo de Itaguá passamos por um mirante logo no final da praia, que na verdade já era a Praia do Cruzeiro, ela e a Praia de Itaguá são justapostas por areia (Praia de Itaguá/Cruzeiro) (Praia Perequê Açu) Depois de uma bela caminhada chegamos à praia Vermelha do Norte (muito aconchegante por sinal) (Vermelha do Norte) Seguindo viagem, a próxima praia é a praia de Itamambuca, lá antes da entrada da praia existe uma cidade/ conjunto de casas Lá existe algumas pousadas e lugares para camping (pagos) Conseguimos uma carona com um casal que nos levou até a cidadezinha e então até a pousada em que estavam hospedados, pela pesquisa que fizemos lá mesmo, onde estavam era o local mais barato que encontramos para camping R$25, como não sei especificar onde era e os preços podem se alterar recomendo fazer uma pesquisa por lá Como a cidadezinha fica antes da entrada da praia de Itamambuca propriamente dita nós fizemos o trecho por trás da pousada por um rio (com um barco) e uma trilha (muito bonita por sinal) (Trilha para chegar à praia de Itamambuca) (Praia de Itamambuca) É possível chegar a outra praia pelo final da Itamambuca que é a Brava de Itamambuca, porém, naquele momento nos foi dito (pelo morador) que a trilha não estava limpa, havia uma certa quantidade de bifurcações podendo se perder no caminho e que era um tanto difícil. Não acredito que possa ser tão impossível assim, mas acabamos deixando essa de lado. (O cara apavorou a gente falando estranho) Em outra pousada mais pra frente (em direção à praia) existe uma lanchonete que oferece refeição e lanches (muito bons e baratos, recomendo) Seguindo viagem passamos pela ponte sobre o Rio Itamambuca (que atravessamos para chegar à praia) a entrada da praia é logo após a ponte (Casa doidona no caminho) (Deslizamento doidão) A próxima praia era a Praia do Félix, para chegar até a praia é necessário realizar uma trilha de mais ou menos 1km (bem leve, sem declive) Próximo destino era a Praia de Prumirim (a do filme Turistas) Lá paramos para acampar em um camping dentro de um condomínio fechado, sua entrada é direto na rodovia, sem erro. (apesar de ser um condomínio fechado, é só dizer que vai até o camping que eles te deixam entrar) O camping é bem simples, não possui iluminação na região de camping, possui banheiro com chuveiro (frio). O acesso a praia é fácil, 3 minutos de caminhada da área de camping O preço foi de R$30 se não me engano (Área de camping) (Praia de Prumirim) Ao sair da praia nos deparamos com um restaurante (simples mas muito bom, R$10 a refeição se não me engano), Bar e Restaurante da Gilda Logo após fomos até a praia do Léo, para ter acesso a essa praia é necessário fazer uma trilha de uns 10 minutos bem leve A praia possui dois bancos de areia divididos por um banco de rochas (Praia do Léo) Logo em seguida passamos por um dos mirantes de Ubatuba (para mim um dos melhores) (definitivamente minhas imagens não representam sua beleza haha mas é parada obrigatória!) (Vista do mirante) O mirante fica em uma pousada bem aconchegante, e como a dona nos disse “Isso não é meu, é nosso, pode ir ver sim claro” rs, pode ir ver sem precisar pagar por isso. A próxima praia foi a Praia de Puruba, para ter acesso a essa praia é necessário fazer uma caminhada (mais ou menos 40 minutos) porém, atenção! Essa praia só tem acesso por água, é preciso chegar ao final da trilha e pegar um barco que funciona até as 5pm, o local é acessível a nado, mas não estávamos em condições e também o responsável não estava presente, era 4:45pm. Então ficamos na vontade (Praia de Puruba) Seguindo viagem a próxima praia era a de Ubatumirim que acabamos passando sem perceber (era de noite) e acabamos parando na Praia Estaleiro do Padre Na Estaleiro do Padre passamos a noite em uma pousada R$45 por pessoa (Praia de Ubatumirim) A praia de Ubatumirim é logo ao lado da Estaleiro do Padre, são separadas por um riacho, é possível transitar entre as praias a pé se a maré estiver baixa (Praia Estaleiro do Padre) A próxima parada era a praia da Almada é acessível por uma estrada de mais ou menos 1 hora e 30 minutos a pé (possui pelo caminho uma ótima vista das praias de Ubatumirim e Estaleiro do Padre, bem como um mirante mais a frente com um restaurante) (Vista das praias Ubatumirim, acima do rio, e Estaleiro do Padre, abaixo do rio) Ao final da caminhada é possível acessar 3 praias seguidas (Praia da Almada) (Praia do Engenho) E para ter acesso a última praia é necessário fazer uma trilha no final da praia do Engenho (esse trajeto fizemos sem as mochilas, e recomendo ir sem, a trilha possui trechos íngremes e caso tenha chovido é um lamaceiro só) (Praia Brava da Almada) (Praia da Almada) Seguindo viagem passamos pela Praia da Fazenda, particularmente a mais bonita (Praia da Fazenda) Lá existe um camping, mas não sabíamos se estava funcionando ou não, pois o local é uma reserva. Antes de chegar à praia é possível passar por uma área de educação ambiental bem interessante, mas quando passamos estava fechado já. Próxima parada era Picinguaba, para chegar até a cidade de Picinguaba é necessário fazer uma caminhada de 1 hora com partes íngremes, mas asfaltado. Cidade aconchegante, mas sem área de camping (definitivamente na cidade não) As pousadas lá variavam entre R$130 a R$770 (Picinguaba) (Vista da Praia da Fazenda – caminho a Picinguaba) Então, última praia de Ubatuba, Camburi Antes de chegar à praia fomos até a cachoeira ali na entrada (Cachoeira de Camburi) Para chegar à praia de Camburi é necessário fazer uma caminhada de mais ou menos 1 hora é íngreme, porém asfaltada (Praia de Camburi) Saindo da Praia de Camburi conseguimos uma carona até Trindade, onde existe diversas praias e pousadas ad libitum Nossa carona nos deixou na entrada de Trindade que você pode fazer o caminho até lá a pé (longo caminho por sinal) ou pegar um ônibus que sempre passa (não sei a frequência) com destino a Trindade No nosso caso conseguimos outra carona e dormimos em um hostel, nos custou ficar 3 dias R$150 (Cabeça do Índio) (Praia do Meio) (Praia dos Ranchos/Fora) Final da viagem fomos até Paraty, o trecho de Trindade até Paraty é bem longo, e no caminho não existe acesso as praias, então fizemos esse trecho por ônibus que sai de Trindade mesmo com destino a Paraty Para nossa surpresa estava ocorrendo a FLIP (Muito legal por sinal) (Paraty) (Bonus fim de viagem!) Enfim, espero que tenham gostado e que sirva de valia para quem tiver curiosidade em relação à Ubatuba Agradeço por terem lido até aqui e ótima viagem a todos!
×
×
  • Criar Novo...