Ir para conteúdo

Shakmatton

Membros
  • Total de itens

    6
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

0 Neutra
  1. Opa! E aí todo mundo ! Eu criei esse tópico em meados de 2013 e esqueci completamente dele... e graças às Olimpíadas do Rio, que acabaram de começar, pensei na ideia dos esportes radicais, joguei isso no google e acabei descobrindo esse post antigo... legal isso, ver como a gente pensava antes e avaliar com a cabeça de hoje... me inspirou a escrever aqui hoje... Bom... muitos perrengues na vida pessoal, muitas incertezas e indecisões (e decisões erradas ), e a impressão é que, de lá pra cá, nada mudou... não nego, continuo na mesma graduação, ainda lutando pra me formar (como é difícil entrar, e mais difícil ainda sair !)... Maaassss, dizem que tudo na vida tem seu lado ruim e seu lado bom também... e acho que pra mim o lado bom foi o crescimento pessoal que tive, dentro das escolhas que fiz na vida. Maturidade é algo que te dá uma paz absurda, realmente. Eu abri minha mente pra muitas outras coisas... ainda não fiz curso de fotografia, embora não descarte fazê-lo em algum momento (por agora, fotos mesmo só no smartphone, for fun). Andei vendo coisas sobre tecnologia, administração, marketing, mídias sociais, geoprocessamento, línguas estrangeiras, e venho estudando por fora coisas sobre computação... tudo isso de uma forma ou de outra tem relação com a área de Turismo, o que me deixou mais animado sobre o futuro. Não vou mentir, ainda sonho muito com o lance de se trabalhar com o que se gosta (nem que seja como nômade digital), e como sou teimoso, volta e meia tô pesquisando alguma coisa sobre o tema. Acho que a verdade é que não desisti da ideia de estar envolvido com as atividades de aventura, sejam elas em forma de esporte/turismo/negócio. Como (ainda) não consegui me inserir neste meio, resolvi concentrar forças para formar e procurar fazer algo que me colocasse em contato mais direto com a parada (e não com "a porra", como disse um dos usuários acima... mas que "analogia do caralho" hein rapaz ? hehe...) A notícia de que Olimpíadas de 2020 terão modalidades de esportes radicais (surf, skate, escalada) me animou, o que me fez pensar em investir de alguma forma numa graduação ou pós na área de Educação Física (por exemplo). Tem muito chão pela frente até lá, e vale o que o "usuário da porra" disse (ter certeza de que gosta de verdade e de que faria as atividades por amor mesmo, tal qual um artista). A vida continua, as dificuldades também... porque não os nossos sonhos ? Valeu o/
  2. Ah, achei que não ia ter nenhuma resposta aqui... valeu aí aos dois... Bom, nunca pensei em ficar rico nem com Engenharia, quanto mais Turismo... Sempre busquei essa coisa do sentido de fazer algo... vejo pessoas ingressando em diferentes empreitadas, muitas por gosto, muitas por achar que gostam, muitas por eliminação (se não gosto de quase tudo, só resta tal coisa a fazer)... e muitas por realmente se verem fazendo aquilo... Muitas fazem por dinheiro, por necessidade ou vontade de enriquecer... mas isso é outra história... Diria que, independente da idade, se você descobre coisas mais interessantes a seguir ou a fazer, então melhor tentar seguir aquele caminho de alguma forma... Acredito que são muito poucos aqueles que sabiam quando mais jovens o que queriam da vida. Não vejo pecado nem vergonha em admitir que a vontade de viver livremente não é (ou não deveria ser) só um privilégio de crianças, ou de pessoas que não precisam trabalhar para viver. O cara que tá atrás de uma mesa pode até se acomodar, mas o que ele deseja mesmo é largar aquilo tudo e viver um pouco daquilo que experimentam os "comandados" por ele (aqui me refiro à área do turismo). Sim, eu não cheguei a realmente a "experimentar a porra", como disseram aí. Eu hein... prefiro experimentar só o turismo mesmo... hehe... O que me desanimou foi que há muita dificuldade pra exercer a profissão (precisa residir ou ser nativo no local, como no PETAR-SP por exemplo). Ou a falta de perspectiva (algum de vocês aí conhece algum turismólogo ?). Provavelmente o trabalho atrás de uma mesa é o destino final da maioria das pessoas. Mas isso não significa que você não possa ao menos desfrutar de 2 dias na semana para vivenciar um outro estilo de vida. Gostaria de saber se alguém conhece algum fotógrafo de turismo. Estou pensando em fazer um meio termo entre trabalho de campo e de "mesa"... No mais é isso. Obrigado à todos que leram e que responderam também.
  3. Olá a todos. Tenho pesquisado sobre isso na internet mas não consegui achar algo no google como "o mercado de trabalho para o profissional de esportes de aventura no Brasil está aquecido", ou "segundo o Guia do Estudante, faculdade X tem conceito máximo 5 estrelas na área", etc. Digo isso porque entrei para uma faculdade federal de Turismo, bem conceituada, mas percebi que o que me atrai no Turismo de Aventura é o Esporte de Aventura, ou seja, a parte prática. Mas não tenho certeza se é possível viver apenas como instrutor de esportes de aventura. Então desanimei da faculdade e estou querendo sair por causa disso. Então lembrei desse site, e resolvi perguntar aqui mesmo, já imaginando que muitos desses profissionais estejam por aqui, ou os mochileiros que tenham contato com eles possam vir a dar alguma informação. Estou em BH no momento e meu foco seria atuar com esportes diversos e dinâmicos (a emoção de ser monitor de arvorismo deve ser diferente de ser monitor de rafting de rio turbulento ), tentando de alguma forma engrenar nisso aí. Não sei se a idade é fator impeditivo para isso (final do ano faço 30), mas sinto que é minha última chance de evitar de fazer alguma coisa que não gosto para sobreviver (no mundo "fornal", das faculdades, me restaram as opções de fazer faculdade de Engenharia por exemplo). Estou buscando contatos para falar sobre o assunto, e se eu for falar tudo que preciso esse tópico fica gigante. Estou escrevendo meio na correria mas basicamente é isso, uma questão de arriscar ou de ter cautela... Alguém aí poderia me ajudar ou dar uma opinião (construtiva ) ? No mais, boas viagens o/
  4. Olha, pelo que li, varia muito da sua força de vontade, determinação, mais do que dinheiro em si (existem mil e uma formas de se ganhar dinheiro para seguir viagem.. o que pega é o "como" isso é feito, e quanto você suporta/gosta/odeia)... Eu tô lendo um livro bem interessante (em inglês) de uma autor chamado Roman Krznaric, chamado "Work and the Art of Living"... Já estou quase terminando ele, e parei justamente numa parte em que se fala sobre o medo da mudança de um trabalho... Achei um paralelo com tudo o que foi escrito aqui... esse blog aí por exemplo (vou passar a pesquisar outros tmb, mas esse foi um dos mais completos que já vi, por ter vídeos e tudo mais), somado com uns filmes e umas discussões a respeito desse lance de estilo de vida (trabalhar pra viajar, viajar trabalhando, etc), e ainda, com a reflexão sobre o lance de ficar velho e se arrepender de não ter feito certas coisas antes... Estava pensando em fazer faculdade de Turismo (unir o útil ao agradável, pelo menos teoricamente), e nem sei se daria pra expandir isso pro exterior ou não... Outra coisa que falaram aí que achei importante, viver viajando implicaria numa atividade que vc possa fazer em praticamente qualquer lugar do mundo (sem querer descobri que existe uma atividade chamada Flair Bartender, são os caras que servem as bebidas e fazem malabares com as garrafas)... Ou seja, "pensar lateralmente/fora da caixa", mesmo que as possibilidades sejam/pareçam remotas/absurdas... só o exercício de imaginação já contribui pra construção da coragem, tão necessária para uma viagem assim... Então, como disseram, uma questão de planejamento (o mais cuidadoso possível, porém com cuidado pra não pensar demais a ponto de ficar com medo e vacilar/não ir), força de vontade de agir/se mexer... e encarar o que vier pela frente (eu vi o video do pessoal catando blueberries e fiquei me imaginando fazendo aquilo, que dor nas costas que deve dar)... E claro, igualmente importante, tentar associar quaisquer atividades lá fora como algo que vá dar um "plus" no teu currículo/área de atuação/línguas, etc... Mas acho que a coragem vem quando temos amigos perto da gente, que compartilham e estão atentos ao mesmo sonho... Então, se estiver com receio, antes mesmo de pensar em ganhar dinheiro pra começar a viagem... arrume uma turma que esteja contigo pro que der e vier, que deve facilitar muito a vida...
  5. Opa, e aí pessoal... Estive lendo todos os posts desse tópico gigante por uns 3 dias direto, e isso me abriu muito a mente... resolvi me registrar no site pra fazer meu primeiro post... Ontem vi o link do blog dos gêmeos que tavam na Nova Zelândia (também sou carioca, me identifiquei e ri muito com certas paradas lá - o vídeo em que o cara tira as folhas de forma "tensa" foi hilário, ri freneticamente hahaha)... Bom, sobre o autor do tópico, já faz tanto tempo que não posta nada, resta o mistério do que foi feito dele (ontem vi o filme "Into The Wild - Na Natureza Selvagem", mas imagino que ninguém faça uma viagem extrema daquelas)... o tópico é de 2009, e só agora eu o descobri, espero que esteja tudo bem, e que ele um dia volte e nos conte como foi a grande viagem... Lendo cada um dos posts, e vendo muitos outros links, blogs, sites, fui refletindo sobre várias palavras e o que elas representam na vida... Dinheiro...liberdade...altruísmo...força...desapego...estilo... E muitas outras... Vejo que existe muito a questão do "o que fazer", como se fosse uma experiência de alguém que não conhece nada da vida, ou de quem vai prestar vestibular e não sabe que carreira escolher... Fui procurar no orkut (o termômetro da vida real), e vi que tem muitos prós, e muitos contras de se fazer viagens (ainda mais aqui no Brasil, todo mundo conhece como as coisas funcionam aqui certo ?), e parei de ler, pois estaria dando margem ao medo (e já é difícil demais tomar uma decisão dessa, de cair no mundo, mesmo tendo mil planos de contingência...) Viajar com certeza é bom, e a forma como isso acontece (desde um cruzeiro de luxo até andarilhar aonde suas pernas conseguirem ir) vai determinar o grau da intensidade de suas experiências, principalmente as que envolverem interações humanas... Por tudo isso, vejo que o desafio maior reside no espírito daqueles que estão acomodados a uma vida sedentária, que não se veem fazendo certos tipos de trabalho, ou passando certos perrengues, ou ainda, socializando-se com certas pessoas, seja por medo ou por vergonha... Estas pessoas, quando sentem que há algo de errado na vida delas, e não sabem explicar o quê... essas são as que em teoria teriam a maior de todas as dificuldades, pois a solução (ou caminhos para uma eventual futura solução) estaria em experiências que deveriam ser vividas por elas, pelos caminhos que elas não querem trilhar... Eu não sou assim, não me considero "mente fechada", e tento não julgar muito as escolhas das pessoas (editando: ao dizer isso acabei de julgá-las como "mentes fechadas", e sabemos que também não é assim... existem muitas nuances comportamentais, ou possbilidades/impossibilidades na vida, etc)... mas com certeza não tenho o perfil de um mochileiro ainda, e muito menos de um mochileiro de longas viagens (por isso não posso contribuir com nenhuma experiência para a dúvida do autor do tópico)... Mas de uma coisa eu sei... há algo de errado... Eu sinto que o tempo está passando e eu não consigo ver meu próprio futuro... pode ser pelo medo do desconhecido (por si só uma aventura), ou por fraquezas (estou acostumado a trabalho sedentário, sentado, em frente ao computador), por particularidades diversas (ainda vou ler o livro do Jossano, mas pelo que sei ele viajou quase uma década economizando muito na europa, e acho que ele dormia na barraca dele, na rua mesmo... e eu sei que não teria essa confiança de fazer isso), enfim... Não me considero alguém com muitas ambições na vida, mas o que tenho eu cuido, e por isso, tenho apego ainda... Gostaria muito de trabalhar fazendo o que gosto, mas com 27 anos ainda sinto que não estou realizado profissionalmente (ainda não descobri nenhum talento que me dê um bom retorno financeiro na vida)... Pensei em viver de Skydiving (um sonho - aliás, fiquei doido quando vi no post dos gêmeos lá, eles pulando de paraquedas na Nova Zelandia, aí sim fiquei bolado, tipo, "que que eu tô fazendo aqui ainda que não estou fazendo o mesmo ?"), mas é hipercaro (editando: fazer um salto é possível, mas para ser um instrutor, ao que parece, demanda muito investimento)... E como disseram, juntar dinheiro no Brasil pra realizar grandes projetos é tenso, e que viajar também é complicado (perguntando nos Yahoo's da vida, ouvi dizer que é caro ingressar nos país porque eles exigem que vc tenha um mínimo de grana em euros, passaporte, e um monte de exigências, e eu só tenho o inglês mesmo)... Bom, ainda tem a opção de fazer "Mini" ou "micro-mochilagem", por cidades próximas, ou mesmo alguns estados por aqui... mas sinto que, eventualmente, acabaria a tentar esticar a viagem para bem mais longe... Pra finalizar o post gigante, digo que estou mais consciente agora de certas coisas, graças à pessoas como vocês, passando todas as informações e experiências de vida em tópicos muito úteis e interessantes como esse aqui (sabia que haveria um ponto de encontro de pessoas que pensam de forma similar)... O lance é repensar de novo, a todo instante, se existe a necessidade ou não de se fazer uma viagem, e que se houver, ela começa de dentro pra fora, primeiro na sua mente e espírito de aventura (o "querer")... depois a compreensão ("o saber")... depois, sua força de vontade ("o fazer e acontecer")... e finalmente, a viagem ("o viver")... Valeu aí todo mundo, boas viagens o/
×
×
  • Criar Novo...