Ir para conteúdo

Gabriela Coghi

Membros
  • Total de itens

    17
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

0 Neutra
  1. HAHAHAAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHA! Érik, cara! Brigada, brigada, brigada! To indo pro Paraguai na sexta, depois de ter que cancelar uma viagem muuuuuito programada e sozinha. Por mais que eu ame viajar, tava bodeada/com medo e dar essas risadas com sua história já tirou pelo menos o meu bode. Sensacional.
  2. Pessoal, Uma dúvida. Vou fazer uma viagem desde Montevideo até Foz do Iguaçu, passando pelo noroeste argentino. Pesquisei bastante sobre o câmbio em Buenos Aires e vi que a melhor coisa que posso fazer é fazê-lo no mercado paralelo. O problema é que eu MORRO de medo de viajar com muito dinheiro em espécie, mesmo com a money belt. Como meu maior gasto nessa viagem vai ser com os ônibus, minha dúvida é: Em Buenos Aires, nos guichês das cias de ônibus da rodoviária, eu consigo comprar trechos que saiam de outra cidade? Por exemplo: na rodoviária de Buenos Aires, comprar a passagem do trec
  3. HAHAHAHAH! Olha, pra mim só interessava a parte do noroeste da Argentina, mas li seu relato todinho por motivos de você é muto engraçada! Quase fui mandada embora do trabalho no momento que percebi que havia um casal mandando ver no andar de baixo do seu beliche. rsrs! Mas vamos lá, tenho uma dúvida. Tô com bastante dificuldade em encontrar relatos sobre a região de Salta e Jujuy feitos por pessoas que tenham o mesmo perfil de viagem que o meu. E daí que queria saber sua opinião sobre alugar um carro pra fazer essa região. Tô ciente q o valor é um pouco mais pesado do que se fizéss
  4. Valeeeeeu! Estava há dias procurando o registro de um sedentário em Huaraz. #medodemorrernostrekkings
  5. Titi, adoro te ler! <3 No começo, fiquei impressionada com a quantidade de perrengues da sua viagem, mas depois comecei a pensar e acho que é um dos problemas de se viajar sozinha. Quando se vai acompanhado, os humores do grupo são diferentes e o que está melhorzinho acaba influenciando o que está pior, o animado convence o desanimado e etc. Sozinha deve ser tenso demaaaaaais. Eu amei a Bolívia. Achei o povo ótimo, sempre foram muito prestativos comigo e, tirando os problemas de taxas não informadas pelo meio do caminho, fui bem atendida. Voltaria. Fiquei chateada por você não ter
  6. >>Diego<< , também estou indo para lá no carnaval, com mais uma amiga. Como somos só duas, vamos precisar achar um grupo para dividir o preço do guia. Seu grupo está completo? (isso se conseguirmos, né?)
  7. Muito obrigada, LeoTaco! Consegui mais 4 dias de viagem, mas vou seguir suas dicas e deixar estes dias para imprevistos ou paixonites por alguma cidade do roteiro!
  8. Pessoal, Para não ter que abrir um outro tópico, vocês poderiam me ajudar aqui? Também estou indo agora em setembro para o Peru e Chile e tenho 15 dias. O problema é que peguei uma super promoção com as passagens aéreas, me empolguei, comprei na hora e não percebi que o Peru era tão grande (no bom sentido! hehe). Não estou achando maneiras de sair de Lima e chegar em Santiago em 15 dias! Meu roteiro ideal tem 18 dias e queria a ajuda de vocês para tirar alguns lugares e não precisar correr tanto. Vejam: Dia 1 e 2 Lima, sendo que no primeiro dia chegaremos de madrugada Dia 3
  9. 8º, 9º e 10º dia – Salar do Uyuni (passeio fechado) Aquele passeio tradicional. PONTO IMPORTANTE: Leve dinheiro (bolivianos). Tivemos diversos problemas de percurso porque não fomos informados em momento algum sobre as taxas que são cobradas durante toda a viagem. Sabíamos apenas que os banhos eram cobrados e levamos dinheiro para isso. Além disso, nenhum lugar aceita dolár e quem faz câmbio nestes lugares quer te extorquir. As taxas são: Laguna vermelha – 150bs por pessoa Taxa da fronteira – 15bs por pessoa (temos dúvida sobre a legalidade, mas enfim... Não passa se não pagar).
  10. 7º dia – La Paz/Uyuni Dia do descanso. Tomamos café com panquecas, geléia, suco de laranja, huevos revoltos (ovos mechidos), leite, café, manteguinha por 75bs. Esse preço é o padrão. Todos os lugares cobravam mais ou menos isso. Almoço mais ou menos por 85bs (preço padrão, também). A cidade não tem nada. Toda hora chega gente, mas logo partem para o Salar. É uma cidadezinha de passagem, mas gostosa. Tem uma pracinha super charmosa. Achamos muito vantajoso parar para descansar. Fechamos o hotel lá mesmo. Não tinhamos reserva. Não lembro o nome do hotelzinho, mas paguei 140bs o quart
  11. 6º dia – La Paz/Uyuni Pense em um dia cansativo. La Paz estava tão legal que eu não queria comprar coisas para o Salar, sendo assim, deixei para o último dia sem lembrar que eu teria que: a) conhecer a zona sul de La Paz, b) lavar as roupas, que já estavam escassas, c) fazer as malas, d) ir para a rodoviária. Ou seja, estava corrido e eu tinha ido numa festa boa no dia seguinte. Acordamos cedo e fomos tomar café no Fridolin (6 de Agosto, 2415, La Paz). Café da manhã TOP demais. Lembro que eu tomei uma jarra de suco de pêssego natural deliciosa, com umas empanadas, uns tipo de pão de quei
  12. 5º dia – La Paz (TIWANACU) Passeio pelo Tiwanacu (entrada - 80bs). Interessante, vai! Os guias são bem preparados e contam a história bem completa das civilizações incas. Minha única queixa é a rapidez que se passa pelos sítios e pelos museus. Me senti na CVC. Além disso, conheci um pessoal que estava vindo do Peru e disseram que, para eles, foi muito repetitivo. Eu preferia ter visto o filme do Pelé, mas foi bom! Nesses passeios, aproveitem para fazer amizades! As melhores dicas que eu tive sobre o que fazer, onde comer, que agência fechar, foi da galera que a gente encontrava pelos tra
  13. 4° dia – Copacabana/La Paz Café da manhã daquele jeito e bora subir o Cerro Calvário. Cansativo, mas vale muito! Que vista linda! As fotos que vemos por aí não é nem metade da beleza daquele lugar, com aquela água azul e cristalina. Segundo momento WOW! Almoçamos e ficamos caminhando pela cidade, que é muito gostosa. Pegamos o ônibus de volta e voltamos para La Paz. Chegando em La Paz, decidimos trocar de hostel. Fomos para o Torino, que achamos melhor localizado e com uma estrutura mais organizada. Tentamos fechar os passeios de Chacaltaya e Tiwanacu, mas só conseguimos Tiwanac
  14. 3º dia – La Paz/Copacabana Acordamos cedinho, compramos umas maças (5 por 10bs), e ficamos esperando o transfer que estava marcado para 7h30. Ah, neste dia, realizamos nosso primeiro saque internacional e deu tudo certo, amém! Que medo que dá deixar para sacar o dinheiro em terras bolivianas, mas foi tranquilo. Além disso, há caixas eletrônicos em todas as esquinas de La Paz. Muito melhor do que muitas cidades em Terras Brasilis. A viagem para Copacabana é linda! Todos os pedacinhos de água que começam a aparecer criam uma expectativa e quando o Titicaca finalmente aparece... UAU! É
×
×
  • Criar Novo...