Ir para conteúdo

Ricardo Böck

Membros
  • Total de itens

    9
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

0 Neutra
  1. @oxitrip Dá uma olhada no Generator Hostel. Quando fui, agora em fevereiro e março, estava bombando de hormônios de todas as partes do mundo. O hostel é bem grande (5 andares, acho), com uns 40-50 quartos por andar. Apesar disto a staff é boa e bastante atenciosa, porém são necessárias regras de convivência entre tantas pessoas reunidas, mas tudo tranquilo. Servem café da manhã por preços razoáveis, principalmente se comparado com lanches na rua. Ademais, o local (Bloomsbury) onde fica é muito bom, calmo e ao mesmo tempo central, com muitas opções de comidas baratas (principalmente pizza e oriental), comércio, pubs, cinemas,teatro e restaurantes @easyhotel Fiquei 7 dias neste 'hotel'. Alguns pontos positivos: localização SUPER central (Victoria), com diversas facilidades no entorno (cafés, supermercado, estação, restaurantes, pubs, bancas, lojas, shopping); preço muito em conta; staff ok. Alguns pontos negativos: quarto pequeno (ok, pelo preço), tem que pagar por tudo (secador de cabelos, acesso à internet, se quiser TV, etc.). No geral é bom, mas não tem atmosfera nem de hotel nem de hostel, pois não há área comum. Ou seja, é da rua pro quarto claustrofóbico. Porém, é só lidar com a situação e utilizar cafés e locais públicos. Espero ter ajudado. Abraços, qualquer coisa MP. Ricardo.
  2. Não seja injusto, o país passa por uma quebra de safra das maiores dos últimos 10 anos. Por isto o governo está desvalorizando o real: para favorecer as exportações de commodities (agrícolas ou não); lembrando que na pauta brasileira a agroexportação só perde para a de minérios. http://www.desenvolvimento.gov.br/arquivos/dwnl_1337623170.pdf E para um país crescer deve haver estímulo à produção e ao consumo INTERNO, se o país pode produzir. Junto a isto taxando o consumo EXTERNO - feito por quem pode pagar. E assim nasce a coerência da política econômica. Estando a cotação tão desfavorável hoje, justifica-se mixar reais e pesos para quem viaja com pouco $ (como foi meu caso) e usar cartão pra quem pode pagar IOF e o absurdo que está o dólar hoje - para quem compra - tão passível de variações. Abraços!
  3. Podem colocar na ponta do lápis se milhagem é melhor que fazer câmbio: não é. O IOF e a variação cambial possível (levando em consideração que o governo está estimulando a desvalorização do real frente ao dólar: a política econômica entende que quem faz compras/viagens no exterior faz porque pode e por isto tem de ser taxada [o que me parece bastante razoável] e a desvalorização é para o estímulo de exportações). Mas né, a discussão é infindável porque alguns veem com bons olhos somar milhas enquanto outros em salvar dinheiro.
  4. Olha, quanto às acomodações e infra-estrutura não é ruim não. Pelo contrário. Fiquei num quarto p/ 4 pessoas e era bem higienizado, toalhas sempre limpas, banheiro limpo diariamente. Depende do que você está disposto a fazer. Esta foi minha reclamação. Lá é tudo prontinho, se você não tem idéia do que fazer, beleza... eles tem um cronograma de festas e atividades 'enlatadas' para a semana toda. Completamente diferente do que eu procurava, tanto que assim que possível caí fora de lá. Mas isto varia de pessoa pra pessoa, né. Por exemplo, no meu caso, já havia ficado em um hostel em San Telmo totalmente livre: podia levar bebida e gelar na geladeira, havia um ótimo espaço comum e as pessoas interagiam entre si, fazíamos comida em galera, saíamos juntos pra passeios e festas, etc. Neste hostel achei a área comum completamente isolada, além de ter bar com barman e não ser possível beber bebida de fora, ali (claro que eu comprei meu vinho, entrei e bebi na cara dura - se alguém falasse eu ia mandar tirar da minha mão, oras!). Mas claro, leve em consideração que isto tudo é feeling, ambiente. Não me senti bem e caí fora. O hostel, em si, é bastante razoável (pra não dizer BOM)! Mas voltando à questão principal: teu horário de chegada é bem complicado pra conseguir transfer de última hora, pois geralmente há horários diários fixados, mas tenta e não desiste. Gastar AR$100,00 a mais sem precisar vai fazer uma baita diferença (se você dá valor ao seu dinheiro, é claro!) até porque tu vais descer as escadas do hostel e encontrar 2 fatias de muzzarella + 1 fainá + 1 pepsi 350ml por AR$ 17,00!!!! Viva a pujança pizzaiola da Corrientes! Abraço!
  5. Voltei de viagem agora em fevereiro e o que posso lhes dizer com certeza: 1 - Se possuíres dólar, leve-os e tente sempre pagar em dólar barganhando a negociação. Por quê?! Argentinos NÃO PODEM COMPRAR DÓLAR, e eles PRECISAM; portanto, é o melhor negócio. Obs.: câmbio de real pra dólar e dólar pra peso - no meu caso - não compensaria. Caso você tenha como adquirir dólar de uma maneira que lhe favoreça, aí faça as contas. Duas regras de três, simplesmente... 2 - Esta agência do Banco Paino no hotel Sheraton pode ser uma alternativa, mas o lugar confiável e de melhor câmbio ainda é o Banco La Nación. Entretanto, atentem para três fatos: a) só há câmbio na Agência Central (ao lado da Plaza de Mayo) b) é IMPRESCINDÍVEL estar com a identidade/documento oficial/passaporte carimbado e o papel da Alfândega, em caso contrário: não tem choro nem vela! c) o horário bancário deles é até às 15:00! 3 - Cartão de crédito NÃO COMPENSA (se fizerem as contas na ponta do lápis, evitando gastos desnecessários). Ah é?! Sim! O gasto em IOF e a possibilidade de variação cambial sempre encarecem a fatura em aproximadamente R$ 25,00 para compras de AR$ 500,00 em média. Lhes digo isto pois todos estes fatos me aconteceram. Espero ter ajudado. Quaisquer dúvidas, estamos aí! Abraços e boa viagem a todos!
  6. Willy, fiquei neste Hostel no início de fevereiro e te garanto: NÃO VÁ DE TÁXI! É longe e vai custar estes AR$ 180,00 pra mais... Contate um transfer que com AR$ 80,00 você faz seu trajeto e é bem tranquilo, além da conveniência. Até porque o hostel faz o transfer nos DOIS sentidos. Então, vale a pena entrar em contato. No mais, boa sorte neste hostel! Aguentei só duas noites, pois era o que tinha pago com antecedência... Espero ter ajudado, abraço!
  7. Pessoal, estou no Uruguai no momento e estou arrependido de nao ter feito o cambio no Brasil. Aqui o melhor lugar que encontramos foi U$10,10 a cada R$1,00. Em Porto Alegre tinha casa de cambio fazendo U$11,00 a cada R$1,00. Fica a dica! Abracos!
  8. Muito úteis as informações, todas! Perla, anotei aqui em meu roteiro tua sugestão de vista noturna de Bs As. Vai ser uma das primeiras coisas que pretendo fazer, gracias! Ainda assim, tenho algumas dúvidas: 1 - Vou pela Seacat até Colônia, onde embarco em Buenos Aires? 2 - Estou levando ARG$450,00 para sexta, sábado e domingo; na segunda-feira pretendo fazer o câmbio no Banco La Nación (vender reais por pesos) e não gostaria de defasagem para ir ao Uruguai. Questiono: a aceitação do peso argentino no Uruguai é ampla ou restrita? Pois dependendo disto compro pesos Uruguaios antes de embarcar (e perco uma quantia devido a dois câmbios, ainda assim melhor que no Brasil...). Obs.: cidades que serão visitadas: Colônia, Montevidéu, La Paloma (provável), Punta del Este (provável), Punta del Diablo. Grato!
×
×
  • Criar Novo...