Ir para conteúdo

keniacunha

Membros
  • Total de itens

    7
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

0 Neutra
  1. Pessoal, para ajudá-los seguem as fotos dos hotéis que ficamos: Roma - A Casa di Penelope É próxima à estação Termini, o que ajudou muito. O quarto é bom, tudo novinho. O café da manhã é em um bar bem próximo, é bem gostoso. Croissant de nutela ou creme com chá, café ou suco Florença - Residenza Johanna II É um pouco longe da estação Santa Maria Novela, com malas pegamos táxi. Quarto ótimo, lugar delicioso. Adoramos! O café da manhã é delicioso, várias opções. Veneza - San Lio Tourist House Quarto ótimo, tudo novinho. O check-in é feito na recepção de outro hotel. Quando reservamos o hotel, foi pedido que deixássemos as malas no local onde era nosso quarto e fomos em outro endereço fazer o check-in. Deixamos as malas no endereço, mas devíamos ter subidos as escadas porque aí o recepcionista daria orientações para acharmos o endereço do local para fazer o check-in pelo skype. Não sabíamos disso e tentamos achar o local com as orientações fornecidas ao reservar o hotel. Gostamos muito, ficaríamos lá de novo sem problemas. Não tem café da manhã, mas tomávamos em um bar bem em frente ao hotel. [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20120706221643.JPG 375 500 Mapa]Mapa para chegar ao local do check-in após deixar as malas[/picturethis] Paris - Peletier Haussmann Opera A localização é excelente, próximo ao metrô e de metrô em Paris você chega em qualquer lugar da cidade. Porém o quarto não é muito bom, parece velho e o elevador é absurdamente pequeno. Todas as vezes que pegávamos o elevador, eu tinha crise de riso... Café da manhã básico e gostoso. Chá ou café e suco, croissant, baquete, geléia e manteiga. [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20120706222420.JPG 375 500 Elevador]Espaço dentro do elevador.[/picturethis] [picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20120706222607.JPG 500 375 Elevador]Eu e meu marido dentro do elevador.[/picturethis] Bruxelas - Hotel Barry Hotel grande, o quarto também é grande. Gostamos muito! Ótima localização também! Café da manhã básico e gostoso. Chá ou café e suco, croissant, baquete, geléia e manteiga. Amsterdã - Vondelparkmuseum B&B Não é bem um hotel, é um quarto em uma casa de moradores. O banheiro não era no quarto, inicialmente eu fiquei preocupada, mas chegando lá, ficamos no 1º andar da casa e o banheiro bem em frente do nosso quarto ficou somente para nosso uso. O quarto é bem grande, o Ronald (dono da casa) é ótimo, muito atencioso. Ele mesmo preparava nosso café da manhã, por sinal delicioso. Fica na mesma rua do Vondelpark. Recomendamos!
  2. Olá pessoal! O Mochileiros ajudou muito no planejamento da minha viagem com meu marido. Para agradecer, deixo aqui nosso relato de viagem e espero que ajude outras pessoas que estejam planejando sua viagem. Abraços, Kênia Cunha Roma, 1º dia, 30/04/12 Fomos de BH para SP/Guarulhos, pegamos um voo que tinha conexão em Amsterdã e depois fomos para Roma. Chegamos ao aeroporto de Roma, na imigração, nos perguntaram o motivo da viagem, pediram para apresentarmos passagem de volta e reserva de hotéis, somente isso. Foi muito tranquilo. No aeroporto de Roma, pegamos o Leonardo Expresso, trem para a estação Termini. Depois vimos que tinha ônibus mais barato (http://www.tambus.it) do aeroporto para a estação Termini. É muito interessante o aeroporto já integrado com estação de trem, lá foi uma descoberta, aprendemos como passar os tickets e como ver a plataforma do trem que iria para Termini. No início foi assim, ficamos meio perdidos, mas depois a gente aprende e já sabe se virar para as próximas. Pegamos o trem e durante a viagem, umas 3 vezes foi anunciado um recado em italiano, e nós que não sabíamos a língua, ficamos esperando o recado em inglês e nada. Acreditam?! Conversando com outras pessoas no trem, um entendia um pouco e disse que a estação Termini estava com problema para saída de trens para outras estações, sei lá se era isso mesmo. Chegamos na estação Termini e fomos andando até o hotel. Pegamos o tablet que havíamos levado, pois fizemos todos os roteiros no GoogleMaps e salvamos em pdf no tablet. Mesmo assim, demos uma volta desnecessária, mas chegamos ao hotel. Sempre pegávamos um mapa da cidade, aprendíamos a andar por ela e quase não usamos os roteiros que fizemos. Mas da estação ou aeroporto para o hotel sempre usamos o roteiro que tínhamos feito. Chegamos no hotel de Roma, Casa di Penélope, hotel é bom, agradável, nada chique, bem simples. O hotel é num prédio com vários residenciais, a recepção fica no 1º andar e nosso quarto era no 2º andar. Ao entrarmos pela porta do 2º andar, tem um corredor e outros 3 quartos. Tudo novinho. O recepcionista Babu foi muito educado e prestativo. Deixamos as malas no quarto, demos uma volta na rua sem câmera só para relaxar da viagem do avião. Jantamos no Twin (perto da Termini), foi bom e barato. 19 euros para 2 pessoas com vinho. Também experimentamos um gelato e voltamos ao hotel, tomamos um banho e apagamos para descansar, pois a viagem foi cansativa e temos que acostumar com o fuso horário. O melhor do dia: Chegar em Roma Roma, 2º dia, 01º/05/12 (Feriado internacional, tudo fechado) Como estava tudo fechado, aproveitamos para conhecermos as praças, ruas e fontes. E os outros turistas também fizeram isso, a Fontana de Trevi estava tão cheia que nem conseguimos ficar lá muito tempo. Programamos de voltar em outro dia, porque não tinha condições. Também fomos no Pantheon, que exuberância. Amei.) Ficamos passeando sem compromisso e sem correria pelas praças e almoçamos em um restaurante no caminho entre um monumento e outro. Procurando, achasse almoço (menu turístico) de 8 a 15 euros. Neste dia, voltamos ao hotel, dormimos um pouco e voltamos para passear à noite. Durante o dia, o clima estava ótimo, fez um sol forte, mas na hora do almoço o tempo mudou, ficou nublado e começou a chover. Mas foi uma chuvinha branda, porém fez começar um friozinho. Também jantamos menu turístico, 8 euros para cada. Voltamos ao hotel por volta das 22h30. O melhor do dia: Pantheon Roma, 3º dia, 02/05/12 O café da manhã deste hotel é servido em um bar a 1 ½ quarteirão do hotel, ótimo suco, chá e croissant de chocolate ou creme. O cappuccino é um pouco frio, depois descobrimos durante a viagem que é dificílimo achar um café ou cappuccino quente na Europa, não sei o porquê. Saímos do hotel às 09 h, fomos em algumas praças, monumento à Vitorio Emanuelle (maravilhoso, vale a pena, não deixe de ir), Coliseu (Lindo, sem palavras para descrever), Fórum Romano, Palatino, Boca de Verità. Andamos tanto neste dia, ficamos cansadíssimos, mas valeu a pena demais. Apaixonei por Roma! Às 17 horas, voltamos ao Coliseu e ficamos aguardando o pôr-do-sol e o anoitecer para ver as luzes do Coliseu. Neste dia, não almoçamos somente lanchamos para dar conta de tudo programado para o dia. O monumento à Vitório Emanuelle é lindíssimo e gratuito. Não entramos no mercado Trajano, chegamos até a entrada, pensamos um pouco mais e não consideramos interessante, fomos andando e chegamos à Boca de Verità. Ficamos na fila só para tirar foto, mas a fila era pequena. Só pela manhã ficamos na piazza Venezia, lanchamos e seguimos para o Coliseu. Compramos o ingresso lá mesmo, ficamos uns 15 minutos na fila, o que foi pouco, tendo em vista os relatos que li, mas preferimos não adquirir o Roma Pass, fizemos as contas e, para nós, não era vantagem. O ingresso foi 12 euros por pessoa dando direito ao Coliseu, Fórum Romano e Palatino. O Coliseu é sensacional, não pode deixar de ser visitado. O Fórum Romano e Palatino também são lindos e merecem uma visita. Mais uma vez, tomamos um gelato, vimos o pôr-do-sol e, mais tarde, as luzes do Coliseu. Nossa, só escureceu depois das 20h30, estávamos cansadíssimos. Pegamos o metrô no Coliseu para a estação Termini. O melhor do dia: Monumento à Vitório Emanuelle e Coliseu Roma, 4º dia, 03/05/12 Neste dia, saímos tarde, 10h30. Tínhamos andando muito no dia anterior e dormimos até mais tarde. Voltamos à Fontana de Trevi, tiramos mais fotos tranquilamente. Também voltamos ao Pantheon para vermos por dentro também, já que estava fechado no dia 1º. Por dentro também é muito lindo! Caminhando por Roma, passamos por fora do Palatino e Coliseu. Fomos caminhando até o hotel, para aproveitarmos e andarmos pela cidade. Era um bom pedaço de chão, mas fomos curtindo o passeio e a cidade. Saímos à noite, jantamos e tomamos um gelato de novo. Que delícia! Melhor do dia: Voltar ao Pantheon Roma, 5º dia, 04/05/12 Acordamos cedo e fomos ao Vaticano. Tínhamos comprado as entradas pela internet com horário marcado. Quem comprar pela internet, não preocupe em chegar muito antes, chegamos bem cedo, com receio de filas grandes, e pudemos entrar às 08h30, 30 minutos antes do horário marcado. O museu do Vaticano tem muito, muito material a ser visto. Alguns são interessantes, outros nem tanto. Mas a visita foi ótima, mesmo com os enormes grupos, muitos deles de asiáticos (sem qualquer preconceito, mas constatação) que não deixam você passar, tomavam conta do museu do Vaticano. Algumas dessas pessoas estavam em dupla de mãos dadas, paradas com o grupo em algum monumento que o guia explicava e quando a gente precisava passar entre elas, as pessoas não soltavam as mãos, elas davam volta em torno delas mesmas, mas não soltavam as mãos. Isso depois gerou boas risadas. Na Capela Sistina não pudemos fotografar, infelizmente. Lá é lindíssimo, principalmente a pintura do teto feita por Michelangelo. A cena de Deus encostando o dedo no dedo do Adão (Criação de Adão) é maravilhosa, vê-la pessoalmente é indescritível. Saímos do museu, seguimos o muro dele até chegarmos na Basílica de São Pedro. Chegamos na Praça de São Pedro, que maravilha foi imaginar aquela praça cheia de devotos em domingos e dias santos. A fila para entrar na basílica era gigantesca, mas foi rápido, não demorou nem 20 minutos para entrarmos na basílica. Ficamos admirando a basílica, a escultura Pietà de Michelangelo e tocamos nos pés de São Pedro, um dos pés está tão desgastado que ficou liso, sem as marcas dos dedos. Lugar abençoado! Vimos 2 rapazes com vidrinhos pegando água benta da pia, não tínhamos visto onde comprar o vidrinho até aquela hora, mas entramos em um corredor e achamos uma lojinha de souvenir. Compramos os vidrinhos e voltamos para enchê-los de água benta do Vaticano. Do Vaticano fomos ao Castel Sant’Ângelo, tiramos várias fotos e andamos até o metrô para o voltarmos para o hotel. Como tínhamos saído cedo, voltamos cedo, descansamos um pouco e saímos no início da noite para jantar. Também fomos à loja da TIM na estação Termini e compramos um chip de celular pré-pago internacional. Os primeiros 1000 minutos saía a 15 centavos de euro por minuto para outro TIM e internet gratuita por 7 dias. O chip foi 13 euros e veio com 5 euros de crédito. Fizemos isso para entrarmos em contato com o pessoal do Brasil pelo Skype, deu certinho. Precisávamos, pois a internet do hotel não era muito boa não. Compramos também nossa passagem para Florença. Melhor do dia: Vaticano Roma/Florença, 6º dia, 05/05/12 Preparamos nossas malas, pois nosso trem para Florença era às 11h13. O trem atrasou e chegamos em Florença por volta das 15h40. Uma dica para quem nunca viajou de trem na Europa, você comprar as passagens em máquinas que pode ser com dinheiro ou cartão. Tentamos em várias máquinas e o VTM não passou, o nosso cartão não tinha chip e nas máquinas tinham que ser cartões com chip. Antes da viagem, você tem que validar o ticket do trem em máquinas que ficam espalhadas pela estação, somente de Bruxelas para Amsterdã que não foi preciso fazer isso. Em Florença, pegamos um táxi para o hotel, pois ele fica há uns 20 minutos da estação Santa Maria Novello. O check-in no hotel Residenza Casa de Johanna II era a partir das 16 h. O hotel parece uma casa, muito bonita e a responsável que nos recebeu, Ana, foi atenciosa e explicou tudo sobre Florença, mostrou pontos turísticos no mapa, deu dicas, foi ótima. Ficamos no 2º andar, ao lado do quarto tem uma mesinha com tudo para prepararmos um bom chá. Saímos e demos uma volta por Florença, chegamos à Ponte Vecchio, lá tinha uma dupla cantando em inglês, espanhol, italiano e até cantaram em português. Foi um show maravilhoso, muita gente ficou por lá assistindo e curtindo o show. Nós ficamos sentados na calçada curtindo o show. Vimos o pôr-do-sol maravilhoso e o clima que pairava era muito agradável. Claro que dei uma olhadinha nas joalherias, que sonho, cada coisa linda! Voltamos para o hotel, no caminho experimentamos um Wafle com nutela, eu adorei! Inclusive que nos atendeu foi uma paranaense, tem brasileiro em cada cantinho deste mundo! Outra coisa, a língua mais ouvida além da língua do país era o português. Nossa, tem muito brasileiro viajando pelo mundo! O melhor do dia: Show e pôr-do-sol na Ponte de Vecchio Florença, 7º dia, 06/05/12 Neste dia, demos uma volta para chegarmos na Galeria Uffizi. Passamos por uma feirinha de rua, começou a chover e continuamos andando até chegar à galeria. Lá estava confuso para entendermos onde comprar os ingressos, achamos a fila que não era enorme, porém a fila quase não andava. Liberaram aos poucos para comprarmos os ingressos e já entrarmos na galeria, ficamos na fila umas 2 horas. Choveu de novo, passamos mais alguns bons minutos e entramos. Interessante, mas a cidade é para quem gosta e/ou entende de arte. Ficar esperando para ver 4 obras que conhecemos é besteira. Não fomos à D’Academia, pois concluímos que não era interessante para nós. Voltamos ao hotel, pois chovia muito e depois saímos para jantar. Pizza e vinho, que delícia! Melhor do dia: Pizza e vinho Florença/Pisa, 8º dia, 07/05/12 Pegamos o trem que vai para Pisa e em 1 hora estávamos lá. Andamos uns minutos e chegamos na famosa Torre de Pisa. Foi muito legal tirarmos aquelas fotos tradicionais em que alguém aparece segurando a torre, abraçando ou até tocando seu topo. Muito bom também foi ver as poses das pessoas, foi engraçado. Almoçamos por lá, voltamos à Florença e ficamos caminhando pela cidade. Paramos na Ponte di Vecchio, ficamos lá um pouco e partimos em caminhada para a Piazzale de Michelangelo. Para quem for, fique atento que há uma escadaria para a praça. Tem gente que sobe pela rua e anda muito, muito mesmo. Lá ficamos até às 20 h para ver o pôr-do-sol, a piazzale fica muito cheia, todo mundo sobe para lá para ver a cidade no pôr-do-sol. Muita gente fica sentada na escadaria, tomando vinho. Ainda tinha pôr-do-sol quando descemos de ônibus (número 13) que vai até a estação Santa Maria Novello e no caminho é lindo, ver outro lado de Florença também valeu a pena. O melhor do dia: Torre de Pisa e Piazzale Michelangelo Florença/Veneza, 9º dia, 08/05/12 Encerramos o hotel pela manhã, fomos de táxi para a estação. Da Residenza Johanna II à estação Santa Maria Novello são 20 minutos andando e não queríamos fazer esse percurso empurrando malas. Chegando na estação, compramos as passagens para Veneza. Na hora de comprarmos as passagens nas máquinas que ficam nos corredores da estação, vimos a opção de marcarmos assento e fizemos isso. Selecionamos dois lugares, um ao lado do outro, mas os bilhetes saíram com números bem diferentes e ao entrar no trem vimos que eram muito longe um do outro. Não entendemos o que aconteceu, mas trocamos de lugar com uma moça e foi tranquila a viagem à Veneza. Já em Veneza, procuramos o hotel, interfonamos, deixamos a mala no local e fomos para outro local fazer o check-in (estranho isso né?! Mas havíamos pesquisado, principalmente no booking.com e várias pessoas relataram que era confiável) e foi. Porém, ao deixarmos as malas no 1º endereço (local onde ficaríamos hospedados) deveríamos ter subido toda a escada para que o recepcionista nos desse orientações via skype para acharmos o 2º endereço (local para fazer check-in). Não sabíamos que o recepcionista falaria conosco via vídeo pelo Skype, então, deixamos as malas e fomos procurar o local do check-in. Como acontece com quase todo mundo, nos perdemos um pouco...rsrsrsrs. Foi por pouco tempo, mas pedimos orientação em outro hotel e chegamos ao local. Foi muito tranquilo! Até ganhamos um upgrade no quarto! Voltamos para o local que deixamos as malas, fomos ao quarto (muito bom!), saímos logo em seguida para almoçar e passear. Almoçamos muito bem, menu turístico ótimo, o local chama Bar Novo. Recomendamos. Caminhamos até a Piazza San Marco, vimos a basílica, o Palace Ducale e fomos perguntar sobre o passeio de gôndola. Recusamos 3 vezes, cada vez que recusávamos o preço abaixava até que aceitamos e fomos passear de gôndola pelos canais de Veneza, foi simplesmente maravilhoso! É coisa de adolescente apaixonadinha, mas realizei um sonho, um sonho de adolescente romântica! Foi sensacional, maravilhoso! Ao terminar o passeio, eram umas 17h30, voltamos para o hotel, já que tinha esfriado bastante e estávamos sem blusa de frio. Compramos algo para comer mais tarde e voltamos ao hotel. Melhor do dia: Passeio de gôndola Veneza, 10º dia, 09/05/12 Acordamos e saímos para tomar café às 09 h. As lojas ainda estavam fechadas, tomamos café em frente ao hotel e voltamos para terminarmos de nos arrumar. Passeamos em direção à Zattere, tomamos um gelato, fomos à Catedral Salute, almoçamos. Ficamos passeando livremente por Veneza até a noite cair para vermos a noite de Veneza. Melhor do dia: Passear pela ruelas de Veneza Veneza/Paris, 11º dia, 10/05/12 Acordamos cedo, saímos do hotel às 06h40 para pegar o barco que vai para o aeroporto. O barco custa 16 euros por pessoa e saiu às 07h10. As saídas para o aeroporto são de hora em hora. Os assentos do barco ficavam na parte inferior e nem dava para ver muito o percurso. Não tentem abrir a janela, meu marido machucou o dedo feio. Oh, dó! Chegamos ao aeroporto Charles Gaulles em Paris e compramos os tickets do Roissybus. Ficamos aguardando uns 30 minutos até que o ônibus passasse. O ônibus passou em mais 1 terminal do aeroporto e fomos direto para o Ópera Garnier (Academia de Música). Até encontrar o terminal para pegar o Roissybus, foi muito tranquilo, o aeroporto é muito bem sinalizado. Do Ópera Garnier ao hotel caminhamos menos de 10 minutos. O hotel Peletier é mais ou menos, quarto pequeno, elevador absurdamente pequeno. No elevador, cabia eu e meu marido apertados. As malas foram enviadas no elevador pelo recepcionista e pegamos no nosso andar. Para sairmos com a mochila, tínhamos que coloca-la na cabeça ou perto das pernas, senão não cabíamos no elevador. Todas as vezes que pegávamos o elevador eu ria muito, porque não era possível aquilo. Saímos do hotel e fomos almoçar, eram 15 horas e ainda não tínhamos almoçado. Fomos no restaurante Grand B, não gostamos de nada, pagamos caro e comemos mal. Nos outros dias, acabamos nos rendendo ao MC Donald’s. Pegamos o metrô, descemos no Trocadero e conhecemos a Torre Eiffel. Maravilhosa e impressionante! Deixamos para subir outro dia, pois teríamos um jantar no Badeaux Parisiens e meu marido estava muito cansado, pois não dormiu bem à noite. Mas não deixamos de deitar na graminha e ficar olhando a torre. Voltamos ao hotel e descansamos. Melhor do dia: Torre Eiffel Paris, 12º dia, 11/05/12 Neste dia, acordamos bem cedo, nos arrumamos para irmos ao Louvre. Ainda não havíamos comprado ingresso, portanto fomos cedo para lá. Pegamos o metrô e chegamos ao Louvre por volta das 08h20, faltavam 40 minutos para abertura e já haviam 2 pequenas filas: uma para quem já havia adquirido ingresso e outra para comprá-lo. Por volta das 08h40, a fila para comprar ingresso já estava fazendo curva e ficamos felizes por chegar cedo. Estava chovendo, uma chuva que ia e voltava, até que entramos no Louvre. Havíamos combinado que iríamos direto na Monalisa para evitarmos muita gente por lá. Enfim, muitas pessoas pensaram a mesma coisa, porém eram poucas perto de como fica lotado. Depois passeamos sossegadamente pelo museu. Dedicamos mais tempo às artes egípcias, pois outras já havíamos visto no Ufizi e no museu do Vaticano. Depois do Louvre, lanchamos e fomos ao jardim de Touleries. De lá, fomos para a Catedral de Notre Dame, ficamos admirando a igreja e não animamos subir mais de 400 degraus. Eu estava extremamente cansada, quando estou assim, sinto muito mal estar e até enjôo. Paramos para descansar no jardim atrás da Notre Dame, foi um descanso revigorante. Tive pique para o resto do dia. De lá, passamos no Hôtel de Ville e resolvemos voltar e conhecer o Pantheon. Passamos pelo Quartien Latin, ficamos meio perdidos para achar o Pantheon, mas rapidamente nos localizamos. Encontramos, tiramos fotos e sentamos um pouco. Essas andanças cansam! Andamos mais um pouco e chegamos no Jardim de Luxemburgo. Que maravilha! Delicioso ficar passeando por ele e depois sentamos em frente ao castelo deixando o tempo passar. Voltamos de metrô para o hotel, pegamos nossas roupas sujas e fomos lavar em uma lavanderia. Aff, eu já estava ficando sem roupa (sem as roupas que eu queria usar, coisas de mulher...). O melhor do dia: Louvre e Jardim de Luxemburgo Paris, 13º dia, 12/05/12 Neste dia, fomos até ao Grand Palais, Ponte Alexandre III e Museu das Armas. Achei a ponte muito linda! Depois seguimos a Champs Elyses para o Arco do Triunfo. Entramos em algumas lojas, na loja da Disney tem muita coisa bonita! Que vontade de trazer tudo para minhas sobrinhas e sobrinhos... Almoçamos na Quick (tipo MC Donald’s), fomos até o Arco do Triunfo. Foi engraçado, atravessamos pela rua até chegar ao Arco do Triunfo, mas não tinha faixa de pedestre e só depois descobrimos que havia uma passagem subterrânea. Tinha um monte de turista, como nós, atravessando na rua. Voltamos para o hotel para nos arrumarmos já que tínhamos um jantar no Bateaux Parisiens. Nosso jantar estava reservado para às 18h30 e tinha muito sol. O pôr-do-sol tem sido por volta das 21 h, então, jantamos com sol claro...rsrsrs... A recepção no barco foi ótima, muito bem organizado, nos entregaram o cardápio para escolhermos a opção de 1º e 2º pratos e sobremesa. Quando sentamos à mesa, garçons nos atenderam, anotaram nossos pedidos e foram muito atenciosos. Durante o passeio no rio Sena, jantamos e tomamos um vinho branco delicioso. Foi uma boa experiência, mas o passeio foi muito rápido (1h30). Chegamos à conclusão que de uma próxima vez, faremos um passeio de barco comum e jantaremos em um lugar bem bacana porque a relação custo-benefício será melhor, mas isso é coisa de homem. Por mim, numa próxima vez, faríamos esse jantar à noite mesmo. Deve ser lindo! Depois do jantar, subimos na Torre Eiffel de escada até o 2º andar. A fila para subir de elevador estava gigantesca e, graças a Deus, temos condições físicas de subir, então subimos. Foi ótimo, esplendoroso! Mas neste dia estava extremamente frio e ventava muito. Mas foi excepcional! Descemos (eu com toda minha dificuldade, pois tenho medo de altura e ao descer você vê lá embaixo o tempo todo...) e logo as luzes ascenderam. Passou mais um pouco e as luzes piscaram, que maravilha! Foi um dia maravilhoso! O melhor do dia: Jantar no Sena e Torre Eiffel à noite Paris, 14º dia, 13/05/12 Neste dia, fomos à Versalles. Pegamos o metrô e depois o RER C até lá. Foi tranquilo chegar no castelo depois de sair da estação (foi só seguir o fluxo...rsrsrsrs) Como não tínhamos comprado o ingresso, chegamos por volta das 09 horas e fomos para a fila. Lá descobrimos que também podíamos comprar os bilhetes em máquinas eletrônicas, e fizemos isso. Entramos no castelo, passeamos pelos jardins e pelo pequeno castelo de Maria Antonieta. Voltamos e fomos para o bairro Saint Germain. Que chique é o bairro! Como era domingo, tinha muita gente nas ruas, um grupo de escoceses tocava de saia, tinha outro grupo tocando blues em outras ruas. Foi uma delícia! Voltamos para o hotel , descansamos, pois tem sido uma andança atrás de outra e andamos muito em Versalles. Queríamos jantar no Quartien Latin mais tarde, aproveitamos para falarmos no Skype com nossas mães já que era Dia das Mães. Depois, fomos ao Quartien Latin, escolhemos um restaurante dentre os vários que existem por lá. Voltamos para o hotel de metrô, mas até o metrô, caminhamos pela Basílica Notre Dame e Hôtel de Ville. O melhor do dia: Jardins de Versalles Paris, 15º dia, 14/05/12 Este foi o último dia em Paris. Fizemos uma programação passeando pela Praça da Bastilha, Praça Vosges e passamos na Citypharma (farmácia mais barata de Paris e preços excelentes, mas fica lotada). Almoçamos no Quartien Latin, fomos à Basílica de Sacré Coeur e Molin Rouge. Andamos tanto que nossas pernas doeram no final do dia, mas valeu a pena. A Praça da Bastilha é um monumento em um cruzamento, a Praça dos Vosges é uma praça para crianças e mães passearem nas manhãs de primavera. A Citypharma estava muito cheia, nem dava para olhar as coisas direito e ainda tinha um grupo de brasileiras reclamando que a farmácia estava cheia de brasileiros. Achei extremamente chato e de mal gosto o comentário. Saimos da Citypharma e fomos almoçar, um momento relaxante e de descanso. De lá, fomos à Basílica de Sacré Coeur, que é maravilhosa. Tinham muitas pessoas por lá e um grupo apresentava alguns passos de dança de rua, muitas pessoas sentadas na escadaria acompanhavam a apresentação, foi muito divertido! Mesmo muito cansados, de tanto andar, fomos conhecer o Moulin Rouge. Aí sim, voltamos para o hotel, descansamos um pouco e, mais tarde, saímos para lanchar. Não demoramos muito, tínhamos que arrumar as últimas coisas, pois no dia seguinte iríamos para Bruxelas no trem das 10 horas. O melhor do dia: Ficar na escadaria da Basílica de Sacré Coeur e assistir a apresentação de dança de rua Paris/Bruxelas, 16º dia, 15/05/12 Acordamos e fomos para a estação. Chegamos em Bruxelas depois de 1h30 de viagem. Em Bruxelas, estava chovendo muito e também estava um frio imenso, foi a cidade em que pegamos mais frio. Compramos os bilhetes para o bonde e chegamos a validá-los, mas esperamos uns 15 minutos e nada de aparecer o bonde. Com isso, decidimos pegar um táxi até o hotel e a corrida ficou em 6 euros, o bonde ficava em 4 euros. Valeu mais pegar o táxi, mas como já tínhamos validado os tickets, perdemos 4 euros. Mesmo assim, com a chuva e o frio, foi ótimo pegar o táxi. Chegamos rapidamente no hotel, estava chovendo tanto que ficamos esperando o tempo melhorar. Já havíamos lanchado na estação, pois ficamos lá um bom tempo para conseguirmos comprar as passagens para Amsterdã com antecedência. De todas as pesquisas de preços que fizemos, comprar as passagens em Bruxelas ficou muito mais em conta. A chuva passou, o tempo melhorou e até saiu um solzinho. Aproveitamos o bom tempo para conhecer Bruxelas, mas quando chegamos na Grand Place começou a chover de novo. Com isso, o frio voltou pior. Compramos um Waffle com nutela delicioso, ficamos passeando tentando fugir do frio e da chuva. Passamos pela estátua Maneken Pis e chegamos à conclusão que tirar foto, segurar sombrinha e desviar das sombrinhas alheias é complicado...rsrsrsrs À noite saímos para jantar, tomar uma cervejinha belga, vimos a Grand Place iluminada. Mas para tirarmos fotos noturnas, só depois das 21h30. Melhor do dia: Waffle com nutela Bruxelas, 17º dia, 16/05/12 Acordamos mais tarde, pois a cidade fica quase deserta antes das 10 h da manhã. Caminhamos até o Maneken Pis e tiramos foto da estátua do menino fazendo xixi... Existem várias histórias para essa estátua, a mais conhecida é que no final do século XII, o filho de um duque foi encontrado fazendo xixi contra uma árvore no meio de uma batalha e foi por isso celebrizado numa estátua de bronze como símbolo da coragem militar do país (Wikipedia). Depois fomos conhecer o Palais Royal (Palácio Real) de Bruxelas, caminhamos pela cidade e almoçamos próximo do hotel. À tarde, fomos ao Atomium de metrô. O Atomium é conhecido como a Torre Eiffel de Bruxelas. O monumento é muito bonito, diferente e inovadora! Ficamos por lá um pouco, curtimos o visual e voltamos para o metrô. Passeamos por Bruxelas e voltamos para o hotel no fim da tarde. Fomos jantar bem mais tarde para ver a noite de Bruxelas, muitos bares, entramos em um para jantar, mas lá só serviam bebidas. Encontramos um restaurante de frutos do mar, gostamos e aproveitamos o jantar que estava ótimo. No dia seguinte iríamos para Amsterdã pela manhã. Melhor do dia: Atomium e jantar Bruxelas/Amsterdã, 18º dia, 17/05/12 Pegamos o trem para Amsterdã, o trem era um pouco mais velho, mas ficamos na 2ª classe e a viagem foi confortável. Falando nisso, sempre compramos passagens de trem na 2ª classe e foi ótimo, em alguns mais parecia 1ª classe como no trem de Florença para Veneza. Chegamos em Amsterdã, estava bem frio, mas, pelo menos, não chovia. O que é ótimo já que tínhamos que empurrar malas para lá, para cá... Na estação procuramos pela área dos trans, pois o responsável pelo hotel informou quais os números de tram e onde descer para chegarmos ao hotel. Mesmo assim, ao chegar na plataforma de tram pedimos ajuda a uns senhores que estavam na saída da estação em um esqueça de “Posso ajudar?” com coletes e tudo. Achamos o tram, podíamos comprar os bilhetes com o motorista e ao sair tínhamos que passá-lo em uma maquininha que ficava nas portas. Tínhamos que descer perto do Rijksmuseum. Como saber onde era? Perguntamos para o condutor, ele disse para aguardarmos porque ele anunciava cada parada e nos entregou um mapinha das linhas. Ao ouvir ele anunciando as primeiras paradas, quem disse que entendíamos o que ele falava? Aí, ficamos apertados... Nossa! Rapidamente, pegamos o mapa, eu lembrei o nome da parada anterior (isso porque estava escrito na parada) e tentamos ver quantas paradas faltavam para a nossa. Ainda analisando o mapa, o tram parou e não é que era a NOSSA parada! Tomamos um susto, descemos correndo, empurrando mala, mochila, bolsa e ainda não podíamos esquecer de validar os bilhetes na maquininha dentro do tram... Nem sei como conseguimos, demos muita sorte de pegar o mapa naquele momento, porque do contrário, acho que íamos passar do ponto e ia ser aquela confusão. Depois ficamos foi rindo da situação, cada uma que acontece... Chegamos ao hotel, o Ronald (filho da dona da casa) nos recebeu. Isso mesmo, não era um hotel como conhecemos e sim um quarto na casa de moradores de Amsterdã. O Ronald nos recebeu muito bem, super atencioso e prestativo. Sabíamos que o banheiro não era no quarto quando reservamos, mas não estávamos achando outro local dentro das características e preço que havíamos estabelecido, mas o banheiro era bem em frente ao quarto e o Ronald informou que somente nós usaríamos já que ficamos no 1ª andar da casa e, nele, somente tem um quarto. No andar de cima, são alugados mais quartos. Lá eu acho que o banheiro era compartilhado. Adoramos o quarto e a atenção do Ronald. Na casa, mora a mãe dele e ele mora numa casa atrás da casa principal. Deixamos nossas coisas no quarto e fomos passear no Vondelpark, a casa é na mesma rua do parque. Apaixonei pelo parque, tirei muitas fotos, amei, amei! Foi uma delícia passear por ele, ver tanta gente curtindo ao ar livre. Adoramos! Depois fomos passeando pelas ruas de Amsterdã, isso foi bom porque vamos descobrindo lugares interessantes que às vezes nem estava dentro do nosso planejamento. Voltamos para a casa mais tarde, nos organizamos para falar com nossos pais pelo Skype e voltamos mais tarde para aproveitarmos a cerveja holandesa e as batatas fritas, claro! Melhor do dia: Vondelpark Amsterdã, 19º dia, 18/05/12 Pela manhã, fomos ao Red Light District, mas não deu para ver muita coisa, pois ainda estava cedo. Passamos por lá mais tarde e já tinham mais mulheres nas vitrines, até tinham famílias (pais e filhos) passando por lá tranquilamente. Imagina se isso acontece no Brasil? Chamariam o Conselho Tutelar para os pais... Esperava mais da região, apesar de ser mais curiosidade masculina conhecer o lugar, cheguei a pensar que a mulherada ficava fazendo Poli dance nas vitrines, sei lá... Mas tinha até uma toda largada batendo papo via mensagem pelo celular... As mulheres ficam lá, de calcinha e soutien de pé nas vitrines. Não vimos nada mais do que isso. Talvez à noite, mas não fomos lá depois... nem precisava passar lá uma 3ª vez... De lá, fomos ao Museu do Sexo. Muita coisa sem noção, exagerada e também engraçada. Vale a pena conhecer! Almoçamos e caminhamos para o Museu de Van Gogh. Chegamos lá, a fila estava grande e imaginamos que o museu estava lotado. Nossa última experiência em um museu lotado foi em Versalles e meu marido não estava com disposição de ficar no empurra-empurra (em Versalles foi empurra-empurra demais). Decidimos não entrar e passeamos até a área mais central da cidade para fazermos as últimas comprinhas, admirar as pontes e canais de Amsterdã. Fomos ao supermercado e compramos alguns biscoitinhos típicos (Stroopwafel) que já havíamos conhecido neste blog http://www.ducsamsterdam.net/stroopwafel-e-o-sucesso/, fez um sucesso quando chegamos. Paramos em um barzinho, ficamos aproveitando para tomar mais uma cerveja belga e curtimos nosso último dia dessa viagem. Tínhamos que acordar às 05 horas, então resolvemos voltar para arrumarmos as malas e descansarmos. Vimos que em Amsterdã poderíamos ter reservado mais um dia e meio, assim faríamos um passeio para conhecer os moinhos de vento, fábrica de queijos, de diamantes e para o parque Keukenhof. O parque Keukenhof abre somente na primavera e fecha no dia 20 de maio, como estávamos no dia 19 em Amsterdã pensamos em ir até lá, mas pesquisamos e soubemos que próximo ao fechamento várias flores já foram cortadas e não é tão bonito como ir em Abril. Além do mais, é um pouco longe de Amsterdã. Fomos embora com gostinho de quero mais, já decidimos que quando voltarmos, vamos passar primeiro em Amsterdã e ficar por lá uns 3 dias. Melhor do dia: Curtir o último dia passeando pela cidade A viagem toda foi maravilhosa, amamos a Itália, muito mesmo. Roma foi sensacional, monumentos tão grandiosos, espetacular! Florença também é bonita e Veneza é incrível e apaixonante! Paris é linda mesmo! Bruxelas tem cheiro de chocolate e são deliciosos os chocolates belgas, hum... Amsterdã deixou um gostinho de queiro mais, com certeza!
  3. Obrigada, vou ver no blog. Agradeço a todos pelas dicas! Abraços, Kênia
  4. Estamos sem máquina fotográfica boa e não temos filmadora. Em qual você acha melhor investir? Tem algum modelo para indicar? Não somos profissionais, queremos boas imagens da viagem! Abraços, Kênia
  5. Obrigada ColorMundi! Vou analisar sua sugestão junto com meu marido! Aí, deu até friozinho na barriga! Tanta coisa... Você tem algumas dicas imprescindíveis?! Acessei o blog http://colormundi.blogspot.com e aí vou aproveitar para tirar uma dúvida que tivemos: É interessante comprar uma filmadora que também tira foto para levar na viagem? Assim não precisaríamos de 2 eletrônicos, mas somente 1. Ou o indicado é levar a filmadora e uma máquina fotográfica semiprofissional? Obrigada pela ajuda e abraços, Kênia
  6. Sandro, obrigada pelas dicas. Estou lendo cuidadosamente seus relatos para montar nosso roteiro direitinho. Fiquei super ansiosa quando fui lendo, são tantos detalhes... Mas acho que estou com um tempo bom para conseguir planejar direitinho. Estou pretendendo comprar as passagens a partir de 15 de janeiro, você acha que compro agora ou posso esperar? Abraços, Kênia
  7. Olá a todos! Nossa, estou adorando o site. Planejei minha viagem com as dicas que estudei aqui. Parabéns a todos que contribuem! Agora, seguem algumas informações e dúvidas para que possam me ajudar. Eu e meu marido viajaremos pela 1ª vez e pretendemos ficar 20 dias em Maio. Nosso perfil de viajante é mais para o dia e segue nossa programação: Roma - 4 dias (seguir de trem para Veneza - 6 horas +-) Veneza - 2 dias (seguir de trem para Milão - 3 horas +-) Milão - 2 dias (seguir de avião para Paris - 5 horas +-) Paris - 4 dias (seguir de trem noturno para Amsterdã - 3 horas +-) Amsterdã - 4 dias (voltar para o Brasil (BH)) Então, queria saber: 1- Esse roteiro está adequado, principalmente em relação ao meio de locomoção? 2- Como funciona a questão de bagagem em viagens de avião e trem? Tem que pagar para qualquer peso das malas? 3- As diárias de hotel vencem até às 12 h, conforme é aqui no Brasil? 4- Vocês têm sugestão de hotéis em cada uma dessas cidades para casal que sejam confortáveis e baratos para descansar, pois só vamos ao hotel dormir e ficar a maior parte do tempo passeando pela cidade. Ai, acho que por enquanto são essas algumas das nossas dúvidas . Agradeço quem puder colaborar... Abraços, Kênia
×
×
  • Criar Novo...