Ir para conteúdo

Carlafern

Membros
  • Total de itens

    77
  • Registro em

  • Última visita

Tudo que Carlafern postou

  1. Hostel é o Boa Viagem. Aliás, Boa Viagem a todos!
  2. Olá, Eu estive em janeiro/2017 em Recife, Pernambuco. Fiquei no hostel (rede HI). A localização é boa, próximo à praia. Têm restaurantes (Extra Hipermercado e outros) e lanchonetes próximos. Só fiquem atentos quanto ao horário, pois as coisas não são iguais a São Paulo. Os passeios que fiz, foram todos pelo hostel. Gostei muito. Principalmente quando fui para Maragogi (as águas de lá são maravilhosas. Dependendo do dia o transfer te busca às 4 da madruga para fazer o passeio. É bom entrar em contato com a hospedagem para saber o dia de saída, pois só acontece em Maré Baixa). A região central é boa para visitar, mas exige cuidado para não roubar. Eu gostei muito de um dos atendentes, o Marcelo. Muito engraçado. Cuidado com a praia de Recife: tubarão! A hospedagem é simples. Tem pessoas tipo Marcelo e o italiano. Se ele ainda estiver lá... kkkk. Italiano tem depressão, mas só cumprimenta moça sorridente. Só uma única coisa que percebi e estranhei. Juro com vocês que não sei o que está acontecendo. Chegou à hospedagem uma moça chamada Michele para fazer uma prova de concurso. Ela fez amizade com um rapaz chamado Vitor, também havia chegado para fazer prova. E nesse começaram um esfrega-esfrega danado. No sábado à noite eu estava na piscina e o Vitor estava mexendo na rede com uma tesoura. Ele estava sozinho. No dia seguinte à noite, novamente fui para piscina (dias calorosos) e Marcelo veio falar que brigou com o rapaz, pois a rede estava toda rasgada. Mais tarde o Vitor chegou e contou que na verdade ele havia transando com a moça na rede e a rede rasgou toda. Eu comecei a ri, porque não tinha nem lógica. Meio que ficou a culpa para moça. Já não é a primeira vez que hospedo e albergue e percebe esses comportamentos em afros. Isso não é exclusividade delas, mas é mais perceptível nelas. Eu achava que os brancos (maioria europeus) iam para o nordeste para aventuras sexuais. Pode até ser para adolescentes e crianças. E não é bem isso que estou presenciando nas minhas viagens pelo Brasil hospedando em albergues e hotéis. Entre eles é uma coisa muito boa ter vários relacionamentos inter-raciais. Parece um tipo de orgulho. Esse Vitor parecia essas pessoas que não se assumem. Caso venha a se encantar com algum estrangeiro, tome um pouco de cuidado com algumas atitudes. Eu percebi que eles vem a procurar de afros, mas em seus países de origem eles tem novelas que mostram afros que sofrem muito. Então, eles procuram o perfil da afro trabalhadora, que entra na faculdade e se esforça. Tinha um casal no hostel, dois estudantes da USP, mas o rapaz é italiano (fazia doutorado em engenharia) e acho que ele ficou meio decepcionado com a namorada que só falava mal do PT e Lula. Digamos que o perfil dela (cotista e estudante de Pedagogia) está mais para esquerda do que para direita. De qualquer forma, recomendo demais. Tchau!
  3. Quando forem viajar tenham a percepção da cultura e história daquele país. A Rússia pertenceu a ex União Soviética, então é tudo meio fechado ali. Nem facebook faz sucesso para esse lado. Mas eles tem uma classe média maior qeu a nossa e educação escola também melhor qeu a nossa. Alguns brasileiros vão para outros países para realizar o sonho de ser médico ou engenheiro, por exemplo. Não vejo nem jogador de futebol russo aparecendo por aqui. Nâo são tão sorridentes, mas sempre vejo falando que são muito emotivos. Talvez você tenha se sentido sozinho. Homens se sentem sozinhos, mais que as mulheres. Um dia pretendo ir para lá também. Boa viagem sempre!
  4. Desculpa Barbara pela demora. No centro dá para ir a pé ao de metrô. Eu me desloquei muito de metrô. Andei de ônibus também, mas quando fui ao Jardim Botânico. Boa viagem.
  5. Olá Ciro, Assim que tiver oportunidade eu irei sim. Foi pouco tempo passeando. Voltarei mais vezes. Inhotim é muito legal. Espero que faça um bom passeio. Vou dar uma olhada no seu site sim. Quanto a outros mochileiros, vale assistir ao documentário "Capitais do Delito - Episódio Rio de Janeiro". Olha o link: Esse golpe de deixar um coisas com alguém para dar um mergulho é bem comum. Rituais são muito comuns em algumas religiões, mas quando misturados com sentimentos doentios e tráfico ficam muito macabros. Toma cuidado com as companhias para não acontecer com vcs o mesmo que a aconteceu com a Gaia Molinari. Boas viagens!
  6. Obrigada! Bons passeios e sempre faça boa propaganda do Brasil! Temos muito o que melhorar aqui. Gosto muito de BH, seja sempre bem vinda!
  7. Tenho de admitir que o Rio é a cidade maravilhosa. Foi uma experiência incrível e se pudesse permaneceria mais tempo por lá. Estava esgotada, sem dinheiro e com crise alérgica. Tinha que retornar. Dicas: - Aproveite o Sol para conhecer lugares ao céu aberto, como: Pão de Açúcar, Cristo Redentor, Jardim Botânico, Parque Lage e praias. - Olhe na internet os horários e programações dos museus. Tem museus com funcionamentos diferenciados e dias gratuitos. - Quando for à praia, leve pouca coisa (celular, dinheiro, lanche e filtro solar), pois os bandidos ficam rodeando. - O alvo em assalto é homens, mas já vi assaltar mulheres também. - Cuidado com a insolação! Use muito protetor, óculos, chapéu e beba água fresca! - A Liga (organizadora do carnaval e ensaios) junto com o Estado e a prefeitura podia organizar mais o sambódromo no dia dos trabalhos. Em Belo Horizonte, para assistir aos shows gratuitos doamos alimentos e/ou água em troca de ingressos. Parece que em outras cidades não há isso. Vale a pena ajudar o próximo! - Aproveite a vida! - O Rio tem muita coisa boa. Não dá para conhecer tudo em poucos dias. Retorne sempre que possível e quando puder passe em Belo Horizonte também. - Vale a pena conhecer o Sambódromo pelo menos uma vez. Mas admito que gostei mais do Blocos de rua.
  8. 27/01/2016 – Quarta feira Meu retorno estava marcado para 23:30, então fui perambular mais pela cidade. Decidi acompanhar Ariel e Ananza por uma caminhada em Copacabana em frente ao hotel Copacabana Palace para tirar fotos. E o Ariel fez aquilo de dizer que avô era preto/negro afro e Ananza começou a falar sobre sua família. Ela é bem afro, mas tinha orgulho de sua miscigenação, dizia parentes de holandeses. Pai ausente. Ela tem uma filha: pai ausente. Você lembra que Charles ficou muito grudado e tocando Ananza: pai ausente. Vocês lembram-se do Caso Gaia Molinari e daquela moça carioca, Mírian França? Pai ausente. Toma muito cuidado com essas pessoas mal resolvidas e com membros familiares ausentes e/ou abusadores. É a verdade de Casa Grande & Senzala se perpetuando todos os dias. Ela começou a dizer que eu não tinha comportamento e modos de brasileira. Meus cabelos eram lisos demais para serem nacionais. Eu fiquei sem graça de dizer que o bom comportamento que eu tenho era relacionado à minha família presente. Família não é só mãe. Tirei muitas fotos e despedi deles. Voltei ao centro do Rio. Visitei o Theatro Municipal, Museu de Belas Artes e Biblioteca. Comprei um presente na Confeitaria Colombo para meu irmão. Queria andar mais, mas estava cansada e o Sol muito intenso. Retornei ao hostel, despedi de algumas pessoas e retornei a Belo Horizonte.
  9. 26/01/2016 – Terça Feira Conversei com duas moças bolivianas (Claudia e Mírian) e fomos a Igreja da Candelária e ao Museu do Amanhã. O museu é novidade, muito lindo e estava lotado. Coloquei a canga na cabeça e parecia esses povos árabes. Terça feira é dia gratuito no Museu do Amanhã e Museu de Arte Moderna (ao lado Museu do Amanhã). Lanchamos e fomos para o museu de Arte. Eu gosto muito de fotografia e tem uma parte decida ao fotógrafo e imigrante judeu Kurt Klagsbrunn. Muito bom. Depois fomos ver o por do Sol na praia de Ipanema. Gostei também, mas dei bobeira e tirei minha câmera t3i para fotografar. Chamou a atenção de bandidos. Como ao nosso redor começaram a aproximar muito homens, decidimos ir embora. Eu fiquei cansada, mas não tanto quanto nos outros dias. O filho de Mirian tem 6 anos e tínhamos que fazer pausas para descanso, lanche e água. Isso foi bom. Saí à noite com o uruguaio Ariel para jantar. Ele é mais velho (uns 50 anos) e psicólogo. Fomos ao Amarelinho e ele me contou algumas coisas. Uma foi em relação ao hostel, ele contou que duas pessoas pediram dinheiro emprestado para ele. Uma das pessoas que pediu dinheiro trabalha no hostel. Não era valor alto, tipo 10 reais. Mas incomodou muito. Disse para ele reclamar ao dono do hostel, pois o rapaz que pediu 10 reais estava bebendo muita cachaça/vodka. Ele mantinha uma garrafa na geladeira e enchei uma garrafa pequena (tipo Gatorade) com a bebida. Ele me alertou quanto às pessoas desempregadas no hostel. Pois era perigoso com bolsas. Mais seguro manter guardado em armário com cadeado. Ele veio me contar algo que chamou minha atenção. A visão que os estrangeiros tem das brasileiras. Ele inventou que tinha avô negro para puxar papo com as pessoas sobre miscigenação, e além da miscigenação (as pessoas tem orgulho disso no Brasil), tem a característica mais forte que a miscigenação deixa: pais maus e/ou ausentes. Como aqui se omite as raças presentes, parece que miscigenar tornou-se um grau de elevação social. No livro Casa Grande & Senzala é retrato isso. Uma coisa é uma pessoa namorar e gostar de outra. Outra coisa e querer se misturar para melhorar. As pessoas argumentam que são miscigenadas para manterem relacionamentos com os outros ou se apresentarem mais como sociáveis do que as outras, o que faz o relacionamentos serem temporários. Voltamos ao hostel e adormeci.
  10. 25/01/2016 – Segunda Feira Conheci o Charles (gaúcho) e Ariel (uruguaio) no café da manhã. Decidimos andar junto por esse dia. Fomos ao teleférico e a cidade do Samba que estava fechada para turistas. Mas deixaram a gente entrar. Tem os dias certos de funcionamento, então tem que olhar no site antes. O teleférico é gratuito e vale a pena conhecer. Depois lanchamos e seguimos para o Jardim Botânico. O Jardim Botânico é maravilhoso. Vale a pena demais. Eu me senti segura, me arrependi de não ter levado minha outra lente para a câmera. Ficamos tão cansados que não conseguimos passear nele todo. Tirei muitas fotos. No momento que esgotamos totalmente, voltamos para o hostel. À noite decidimos com mais um grupo de mochileiros e agregados ir a Pedra do Sal. Muito legal lá, o samba é bom, mas LOTADO. Tem outros ritmos musicais acontecendo por lá também. Charles ficou conversando com muita proximidade e toque em uma moça (a Ananza). Um dos rapazes que mora e trabalha no Rio voltou mais cedo, pois trabalharia no dia seguinte. Fui embora junto com ele. Graças a Deus. Mais tarde não teria metrô e não sei se daria conta de retornar a pé novamente. Desmaie na beliche.
  11. 24/01/2016 – Domingo Acordei cedo e outro dia de Sol. Fui para o Pão de Açúcar. Estava lotado, mas foi mais tranquilo de entrar, retorna e estar lá dentro do que no Cristo. Tem uma mata e dá para tirar muitas fotos. Tem lanchonetes. Já adianto que os preços dos pontos turísticos são meio surreais. É bom carregar seu lanche: frutas, biscoito de polvilho e cereais. Quanto a água, só vai adiantar se você tiver garrafa térmica, pois o Sol e o calor estavam muito unidos em derreter tudo ao redor. À tarde voltei para o hostel, pois me sentia cansada. Chegando lá conheci uma turma que ia para o carnaval no Sambódromo: o ensaio técnico da Viradouro, Unidos da Tijuca e Salgueiro. Mesmo cansada fui junto. Uma das moças que estava conosco vende roupas carnavalescas e precisava entregar uma encomenda no Sambódromo no Corteio. E eu fiquei imaginando o que diabos é Corteio. O problema é que ninguém sabia onde ficava a Corteio. Mas não é corteio, é corte. A história de Paula (roupas carnavalescas) era bem legal, pois ela é bailarina/dançarina e era carnavalesca de nascença. Viveu três anos da China e teve um bom reconhecimento na área. Quer mudar para o Rio, pois gosta muito do carnaval de lá. Tem dificuldades, pois se recusava a fazer o que a maioria das moças na profissão dela faz: prostituição. Em compesação, as pessoas que davam chances a ela ficavam encantadas com a qualidade do trabalho. O mundo artístico não é fácil. :'> Não há placas avisando onde se concentra determinada equipe do Carnaval. Achei um pouco desrespeitoso por parte das moças sambistas não ter informado para ela, pois ficou muito tempo andando procurando onde era o local de entrega. Acabamos nos perdendo e eu e o Danilo ficamos do lado de fora. É anunciado em internet, rádio e televisão que os ensaios técnicos são gratuitos e que os portões fecham às 20 horas. Não foi isso que aconteceu. Às 18 horas eles fecharam os portões, foi aí que perdemos da moça dos vestidos e ficamos do lado de fora. Até agora não entendi porque deixaram as pessoas de fora. Muita falta de respeito e grosseria. O povo foi se acumulando, empurrando e conseguiram passar os bloqueios. Os ensaios são forma de mostrar uma parte do show para uma população que não pode participar (pagar) pelo show nos dias de desfile oficial. Eu e o Danilo entramos. Aí tudo parou. Fiquei imaginando se era por causa da invasão. Ficou mais de 1 hora parado. Voltou e pudemos assistir metade do desfile da Viradouro, Unidos da Tijuca e Salgueiro. Eu não vi furto, assassinato, tráfico, homem safado passando a mão nos outros... nada disso. Vi pessoas com famílias (incluindo crianças) querendo se divertir. Ninguém invadiu a avenida na hora do desfile, o que realça o que escrevi: as pessoas só queriam ver o ensaio. Como terminou mais tarde, não havia mais metrô e outras conduções para casa. Decidimos voltar a pé para o Glória. O Danilo conheci bastante o Rio. Ele alegava que Tia Ciatta (uma das fundadoras do samba carioca) devia estar se revirando no túmulo, pois o povo que construiu o samba com ela não podia entrar mais no samba. O samba se elitizou. O ensaio é legal e vale a pena assistir. O samba mostra muita a cultura e destaca ao máximo a beleza e corpo da mulher afro. Tomei o banho e morri na beliche.
  12. 23/01/2016 - Sábado Deixaram-me guardar minhas coisas no quarto e tomar o lanche matinal (café da manhã). Em seguida, fui para a estação onde se compra ingressos para ver o Cristo Redentor. Eram 8:30 da manhã e já estava cheio. Eu sabia que estaria assim, mas vi tanto em previsões de tempo que ia chover, que decidi aproveitar os dias de céu limpo para conhecer lugares abertos, como o Cristo, Jardim Botânico e Pão de Açúcar. Os dias de tempo fechado seria para os museus. Eu comprei o ingresso e esperei sair com o microônibus (besta). Chegando lá é bem tranquilo de andar e passear. Estava lotado e gente do mundo todo. Uma forma de fugir da fila é comprar pela internet o ingresso. O Sol estava escaldante. Muito quente mesmo. No momento de ir embora, perguntei as pessoas que tinham ido de trem, como era a viagem e conheci uma moça que já tinha feito o passeio de besta. Parece que o de trem é bem melhor e dá para ver a mata (Mata Atlântica). Derreti no Sol para esperar a van de retorno. Fiquei na estação Largo Machado. Sorte que tinha sombrinha para ajudar. Algumas pessoas começaram a não se sentir bem. Almocei e fui passear pelos pontos turísticos do Rio: Igreja Candelária, Teatro Municipal, etc. Minha surpresa: estava tudo fechado! Eu tenho mania de achar que uma cidade funciona de um jeito e que todo o Brasil, funciona do mesmo. Em Belo Horizonte, os museus não funcionam na segunda, pois é o dia de menor turismo. No Rio de Janeiro, cada ponto turístico é de um jeito. Tem que olhar no site antes. Mas a maioria fecha no sábado e domingo. Consegui ir a Confeitaria Colombo e estava lotado. Meu Deus. Comi dois doces! Delícia! Saindo de lá achei um bloco de carnaval de rua e permaneci lá um tempo. Muito animado. Ao anoitecer voltei ao hostel. O povo saio para uma balada, mas eu não dei conta. Muito cansada.
  13. Olá, Sempre leio aqui sobre roteiros de viagens e dicas. Decidi compartilhar a minha viagem. Estava muito cansada e precisava de repouso, então decidi escolher uma cidade que tinha condução direta: Rio de Janeiro. A parte mais difícil foi a escolha da hospedagem, pois alta temporada e Olimpíadas se aproximando fizeram os preços subirem. Eu fico em albergue, pois consigo companhia rápida para mochileiras como eu e ainda sai mais barato. Os melhores albergues que vi são: Bamboo Hostel e Discovery Hostel. Considerei como melhores, pois tem quartos e banheiros femininos. Mas estavam lotados. O hostel Cidade Maravilhosa (rede HI) também é assim, mas a hospedagem é mais velha e tem um leve cheiro de mofo. Só consegui vaga lá. Muitos albergues têm quartos e banheiros mistos, sem a mínima privacidade para a mulher. Não gosto. Cheguei de viagem dia 23/01/2016 pela manhã.
  14. Dia 28/01/2015 Acordei cedo, arrumei minhas coisas e fui para Ilhéus. A rodoviária tem guarda volumes, caso queira fazer um passeio de um dia deixe suas coisas lá. O aeroporto não tem guarda volumes. Aliás, o aeroporto não tem nem informações turísticas. Como poderia visitar a terra de Jorge Amado e não conhecer nada dele. Fui direto para o centro histórico ver a sua antiga casa (vocês sabiam que o pai dele ganhou na loteria?), bar Vesúvio, Catedral de São Sebastião, etc. Tem uma sorveteria na esquina com picolés e sorvetes de sabores, como: pitanga, mangaba, tapioca... Eu gostei. Queria ter ido ao mirante, mas estava muito cansada. Fui para o aeroporto. Tanto no aeroporto quanto em Itacaré e Ilhéus tem umas lojinhas com chocolates artesanais em forma de cacau. Muito bom para presente para sua família. Percebi que muitos estrangeiros estudam o país antes de viajar. Alguns leem Jorge Amado. O problema é ele achar que você é Gabriela e ele é o Nacib. No geral, os europeus e israelenses são educados, nunca tive problema com eles. Mas eles ficam “doidinhos” para namorar aqui. Eu gostei muito da viagem, só senti falta de mais diálogo entre os alberguistas, algo que é muito proporcionado no momento do café da manhã. Você verá muitos argentinos e israelenses em grupos, eles não têm esse costume de viajar sozinhos, já os europeus viajam muito sozinhos. Por segurança, é bom fazer um seguro para câmera digital de entrada ou profissional. Tive uma queda e quase deixei a minha cair no chão. Gostei muito e recomendo a todos. Tudo de bom e boa viagem.
  15. Dia 27/01/2015 Acordei muito cedo e fui ver o nascer do Sol do farol. Acabei me machucando. Não recomendo as pessoas fazerem isso, pois tive dificuldade para retornar a terra. Voltei para cochilar mais no hostel até dá o horário de saída para o último passeio em Itacaré. Fui ao passeio das 4 praias (Resende, Tiririca, Costa e Ribeira) e prainha. Gostei muito. Você verá algumas pessoas irem grupos, não recomendo. Vá com guia. É lá, nesta região, que teve relato de assaltos. Tem algumas barracas pelo caminho, o povo chama de posto, que vende água, refrigerante, cerveja e água de coco. Cuidado com o Sol. A partir da praia Ribeira e prainha já não tem tanta coisa para comprar. No máximo que vendem é um queijo coalho assado. Caso esteja com criança é bom levar um lanche reforçado. Eu gostei muito. Tirei muitas fotos. Ao visitar a Casa Maya para ver o por do Sol, encontrei com o guia Comprido da agência Bicho Preguiça. Estava tocando uma banda chamada Banda de Rolé. O show estava legal, eu não sou boa para dançar, mas danço um pouco. O povo começou a reclamar que eu não dançava. Fiquei incomodada, pois percebi que estava incomodando, sendo diferente. Aí vai um alerta para quem não é negro: eles estranham os outros. Não estranhar de racismo, mas eles tem um comportamento diferente no jeito, no paquerar e no dançar... Não estava interessada no Comprido, mas percebi que ele me achou diferente. As moças negras são mais “exaltadas” e rebolam muito o quadril e bumbum. Não sei dançar ou andar desse jeito. Eles gostam de se aproximar muito e tocam muito. Já percebi que negros ficam muito incomodados comigo. Eu sou diferente para eles. Mas a música estava animada. Muitos estavam dançando. Eu, os argentinos e italianos não dançávamos muito bem, mas tentamos participar. À noite fui jantar e preparar minhas coisas para o dia seguinte: Ilhéus e retorno para casa.
  16. Dia 26/01/2015 A van me pegou cedo para ir a Jeribucaçu. Contei ao rapaz da van o que me aconteceu no dia anterior e ele me avisou que se acontecesse algo era para alertá-lo. O casal 20 não apareceu. Graças a Deus. Desci sozinha com o guia para ir a Jeribucaçu, os outros aventureiros iam para 4 praias e Tijuípe. Foi um dos passeios que mais gostei. O guia foi muito simpático e paciente, pois tirei muitas fotos. Paramos na cachoeira: que delícia. Não dava vontade de sair dali mais. Muito bom mesmo. Comemos jaca e ele me ensinou como comer jaca com classe e elegância na mata usando galhos. Continuamos a trajeto até o mangue onde fui devorada pelas mutucas. Chegamos à praia e lá tem umas barracas simples onde vendem peixe assado na brasa, açaí e refrigerantes. É muito simples. Mas eles são educados. Ajudei o guia a conseguir caranguejo, eles cozinharam para ele. À tarde retornamos. Eu gostei do passeio, a única coisa que me incomodou foi à presença forte do trabalho infantil. O meu guia era adolescente (15 anos), eles ganham dez reais por pessoa como guia. Fiquei com dó e dei mais dez reais (arrependi de não ter dado mais) para ele quando retornamos, além disso paguei um lanche na praia para ele. Oferecia água e refrigerante o tempo inteiro para ele, mas ele não aceitava. Tinha uns meninos pequenos vendendo queijo e um deles tinha a mão queimada. Eu perguntei muito se eles estudavam, eles diziam que sim, pois na escola tem como eles receberem ajuda, como a bolsa família. Eles alegaram que estavam trabalhando, pois estavam de férias. Apesar de que fico mais feliz ao saber que eles estão trabalhando do que traficando e/ou prostituindo.
  17. Dia 25/01/2015 Fiquei tão empolgada com as aventuras dos passeios anteriores que pedi que o rapaz reservasse algo para mim e ele conseguiu: “Ilhas de Camamu”. É um passeio de escuna que te leva para algumas ilhas, sendo a última a Ilha da Pedra Furada. Fomos de van até Camamu. Chegando lá ficamos esperando a escuna sair e demorou tanto que achei que não fosse nos levar mais. Fiquei olhando a escuna e vi muitas pessoas, a maioria não parecia turista. Achei estranho. Fui perguntar e me contaram o seguinte: uma moça estava de folga e estava a passeio com sua família e amigos. Como eram poucos turistas, ela ofereceu a escuna para nos levar ao passeio. Mas isso não me foi contado pela agência. Eu fiz o passeio pela Bahia Turismo, já a agência Guia Nativos foi mais honesta com os turistas deles. Eu não gostei do passeio, achei muito parado, mas o passeio mais elogiado pelos turistas. Muito monótono. A parte mais legal é a visita a “Ilha da Pedra Furada”, mas como o passeio atrasou muito para começar e muito na saída do restaurante, nós não ficamos muito tempo na Pedra Furada. Foi muito corrido, pois a maré estava subindo. Tinha um casal do interior de Minas Gerais, Almenara... foi horrível a companhia deles. Os comentários desagradáveis. Arrependi de não ter reclamado com alguém responsável pelo barco. Eles eram muito asquerosos, em um momento de distração da embarcação eles começaram a roubar as coisas que estavam sendo vendidas no barco. Onde ia o marido fazia questão de sujar tudo, muito nojento. Impressão muito negativa. Quando terminou o passeio eu dei graças a Deus e fui embora. Nem me despedi do povo. A família da moça do barco era muito educada, não faltaram com respeito comigo, mas o casal 20 ..... arghhhhh .... que nojo. Ao chegar ao hostel, fiquei com uma vontade enorme de ir embora. Contei para o recepcionista do hostel e lá na agência onde fiz a reserva. Eles pediram desculpa e conseguiram “Jeribucaçu” para mim. Fui ao mirante e depois fui jantar. Assisti um pouco a festa do aniversário da cidade com a banda Lordão e fanfarra. Gostei da fanfarra, ficou tocando músicas antigas do carnaval. Foi melhor que a banda. Itacaré nos apresentou com sua festa as fanfarras de carnaval e o arrocha da Bahia.
  18. Dia 24/01/2015 Na noite anterior escolhi fazer o rafting. Fui com o Francisco, um professor de educação física que morou na Itália durante anos. Eles nos pegou com a van e fomos para Taboquinhas, distrito que pertence a Itacaré. Durante o trajeto, vimos um acampamento, parecendo MST; ele explicou que várias famílias estavam reivindicando melhores moradias, mas são pessoas da região. Para demarcar o local, várias famílias usavam suas filhas/filhos para ficar no local e estes estavam sofrendo abusos. Chegamos lá e fizemos um treinamento. Os meus colegas de passeio estavam com muito medo. O nome da nossa equipe ficou sendo “Choro”. O passeio inclui o rafting, salto da pedra de 6 metros (opção de cada um) e uma tirolesa. É aventura, principalmente se você pedir “com emoção”, mas o povo estava com muito medo. Eles fazem filmagem, caso você queira. Ao término do passeio, fomos para uma cachoeira, a cachoeira da usina, que fica logo atrás do QG do rafting de Francisco. Podia ficar muito tempo ali, mas o povo estava com muito medo. Retornamos. Fui ao mirante ver o por do Sol e depois ao jantar. Eu não curto muita balada, mas tem muito forró na cidade. É só procurar. Sou muito bonita e mulher bonita é problema no Brasil: as pessoas abordam até demais. Estava já acontecendo os preparativos para o aniversário da cidade que seria no dia 25.
  19. Dia 23/01/2015 Começou a chover muito e não consegui marcar nenhum passeio. Sorte minha. Ficamos dando uma volta na cidade, eu e a Cláudia. Ela ficou me contando dos lugares que ela já havia conhecido e de alguns apertos que já passou. Como ela não gosta de reservar hospedagem com antecedência, uma vez ela só conseguiu se hospedar em um lugar com chuveiro queimado e sentiu muito frio. Ela odeia banho frio. Passeando pela cidade podíamos ver as caretas: crianças que se fantasiam de monstros nos preparativos para o carnaval.
  20. Dia 22/01/2015 Havia reservado na noite anterior outro passeio: Península de Maraú (Taipu de Fora) (http://www.peninsulademarau.com/). Novamente estava muito bem acompanhada neste passeio. Todos eram muito educados e um casal do dia anterior estava presente também. Muito gentis. Maraú é um distrito. Lá é o local que é feito os mergulhos diurnos e noturnos. Sou certificada PADI, mas só tenho o básico, então não posso fazer o mergulho noturno. Mas fiquei curiosa. Chegamos lá depois de um tempo de viagem de land rover. Entramos na praia e tem vários restaurantes arrumados. Deixei minhas coisas e logo fui mergulhar. O cara que me acompanhou no mergulho foi muito educado, relembrou algumas coisas e fomos eu e um outro rapaz, também certificado, mas que fazia anos que não mergulhava. Eu gostei, como sempre tive dificuldade na equalização, mas tudo transcorreu bem. Terminou o mergulho, peguei o meu snorkel e fiquei na flutuação (snorkelling), muito bom também. Recomendo. Aliás, eu achei mais interessante ficar hospedada em Maraú que em Itacaré, pois snorkelling não é algo enjoativo e é tudo muito bonitinho por lá. Passamos pelas bromélias gigantes e vimos alguns quadriciclos que foram alugados pelas pessoas que se hospedaram pela região. Fomos a uma lagoa e a um restaurante com tortas. À tarde retornamos. Gostei muito desse passeio. Na hora do flutuação (snorkelling) tome cuidado com o Sol, a gente fica com o corpo fresco e esquece da cabeça que esquenta. NÃO PISE NOS CORAIS. ELES ESTÃO VIVOS E VOCÊ OS MATARÁ, ALÉM DE PREJUDICAR “OS EMPREGOS” DA POPULAÇÃO LOCAL. Só teve um pequeno imprevisto, nosso automóvel foi parado pela blitz e faltava documento. Ficamos esperando o dono vir e nós fomos liberados. À noite fui jantar com as moças hospedadas e chegaram vários israelenses no hostel. Aliás, para os rapazes a procura de gatinhas: muitas israelenses e argentinas no hostel. Sabe aquelas loiras platinadas.... muitas. Achei elas bonitas e simpáticas. Eu achei os rapazes bonitos também, mas são novos, tipo 20 aninhos. Já estou na casa dos 30.
  21. Dia 21/01/2015 Na noite anterior, eu havia conseguido uma reserva no passeio de 4 praias (Engenhoca, Havaizinho, Camboinha, Itacarezinho) e cachoeira do Tijuípe. Fiz a reserva pela agência Bicho Preguiça e o guia foi o Comprido. Olhe os roteiros aqui: http://www.itacareguia.com.br/passeios-e-aventuras/ Em vários sites havia relatos de que era mais vantajoso reservar os passeios através dos guias nativos (não confundir com a agência de mesmo nome). Eu encontrei com o Jacaré, guia e mestre de capoeira, atualmente com os cabelos raspados e ele estava bêbado. Fiquei com uma péssima impressão. Não quis. Teve uma moça que gostou: http://viajandocompouco.com.br/minhas-viagens/viagens-nacionais/itacare-um-lugar-para-chamar-de-meu/ Eles pegam “os aventureiros das férias” com uma van nas hospedagens a partir das 09:30. De lá fomos para a trilha que nos leva a primeira praia. O guia faz umas paradas na trilha para explicar sobre alguma planta da região, mas para quem é apaixonado por fotografia, a caminhada na trilha é muito rápida. Aproveitei o tempo que é gasto “nadando na praia de Engenhoca” para voltar à trilha e observar e fotografar mais. Fiz amizade com umas meninas do Rio de Janeiro, uma delas era mochileira solitária constante. Elas eram muito simpáticas. As trilhas são bonitas e o passeio é legal, eu gostei. As pessoas falam para ir de tênis, o rapaz que estava de tênis escorregava mais que a gente que estava de chinelo. Na última praia tem um restaurante, muito arrumado. Os casais entraram para almoçar. Eu também queria, mas ficava caro para ir sozinha e as meninas não queriam almoçar lá. Comemos queijo no espeto e ficamos na praia. Aliás, as ondas da Bahia são fortes. Depois fomos à cachoeira. Caramba: muito bom! Fiquei com as costas debaixo da cachoeira para receber massagem e quase fiz dois topless involuntários. À tarde retornamos. Muito proveitoso esse dia. À noite sai para jantar com as moças hospedadas no hostel.
  22. Olá, Antes de viajar, sempre olho os meus roteiros baseados nos roteiros de outros aqui. Hoje gostaria de compartilhar a minha viagem a Costa do Cacau, Bahia. Dia 20/01/2015 Peguei o voo em Belo Horizonte e cheguei em Ilhéus. De lá fui direto para a rodoviária para pegar o ônibus para Itacaré. O ônibus Ilhéus-Itacaré sai de hora em hora da rodoviária. É feito pela viação Rota (http://rotatransportes.com.br/linhas.asp). Eu fiz a reserva no hostel O Pharol (http://www.albergueopharol.com.br/). Eu sou muito alérgica, e li na internet sobre os hostels de Itacaré. Sempre me hospedo na rede HI, mas a fama é de cheiro de mofo. Chegando lá fiquei sabendo que o Che Lagarto (https://www.chelagarto.com/pt/) é arrumado também e não tem cheiro de mofo. Mas havia pago no Pharol e decidi ficar por lá mesmo. Os atendentes diurnos e noturnos me trataram muito bem. Não tenho do que reclamar. Mesmo a Soeli, proprietária do hostel, que tem uma fama de ser “mais fechada”, foi simpática. O hostel tem uns hóspedes que dependendo pode incomodar alguém: cachorros e gatos. Eles não vão aos quartos, ficam na portaria. Quando fui eram dois gatos e uma cadela. Mas o atendente noturno me relatou que havia muito mais. Parece que a Soeli participa de um ONG em defesa dos animais. Fiquei dando um passeio na cidade e conheci duas moças que estavam no mesmo quarto: Cláudia e Suzana. As duas haviam se conhecido há muitos anos em uma viagem. Elas são de São Paulo e sempre quando podem marcam viagem juntas. As duas participam do movimento a favor do negro e alegavam se sentir muito a vontade na Bahia, pois podiam usar o cabelo bem afro. Elas faziam questão de deixar muito volumoso. Fui jantar com elas no restaurante vegetariano na Passarela da Vila. À noite elas foram ao forró. Eu fui dormir.
  23. Adorei Foz, as cataratas, tudo e gostei até do pobre Paraguai. A única coisa que me incomodou foi o francês. É só alertar a vcs sobre esse negócio do homem estrangeiro. Eles tem uma visão um pouco carnavalesca sobre as mulheres, para eles o Brasil se resumi a mulatas do carnaval do Rio de Janeiro. Eles tem umas coisas culturais que são diferentes e pode ser que você passe outra impressão para eles. Ou eles fingem que tem tal intenção, às vezes eles fingem que não escutam, que não entendem. Em muitos países não é comum as mulheres ficarem andando no meio de homens, caso você ande eles entenderam que está interessada em um relacionamento. No albergue tinha um militar (marinheiro) hospedado com sua esposa, ele fala várias línguas. Ele fez amizade com dois franceses também hospedados: Jean e Bruno. Ele tinha 3 cupons de desconto para passeio de barco nas cataratas, como ele gostou da amizade dos rapazes ele resolveu dar para os dois franceses. Quando eles foram ao parque, o povo não aceitou o desconto deles por se tratar de estrangeiros. Eles ficaram com raiva. Quando eles me contaram, eu contei que retornaria ao parque do lado brasileiro para tirar fotos e iria como bióloga, pois tinha comprado uma câmera nova e queria ficar testando. Foi aí que começou o problema, eu não convidei ninguém para ir junto comigo, mas como eles reclamaram tanto sobre não terem ido ao passeio de barco, o militar ficou falando para eles irem comigo. No outro dia, achei estranho que só o Bruno iria no parque, pois os dois estavam chateados por não ter ido ao passeio de barco. Eu não havia entendido que tinha um encontro amoroso com alguém. Ele me fez umas perguntas muito desagradáveis, tipo: você tem mãe? Aliás, foi uma situação muito desagradável. Ele fingia que não me entendia, na verdade ele não queria minha companhia e não queria conversar. Ele queria tirar fotos para mostrar que estava namorando/pegando/transando com uma moça bonita brasileira. Eles só queria uns beijinhos. Os dentes dele era muito sujos. Eu percebi que ele ficou com raiva de mim, pois não quis ficar com ele. Depois percebi que o militar sabia as intenções dele. Mudei meu ponto de vista por causa de militar, viu. Tinha um monte de família brasileira passeando no hostel, e ele dá 3 cupons de desconto para passeio de barco das cataratas para os franceses que ele sabia que eram "toscos". Eu tive a impressão que os franceses acham que as brasileiras todas passam fome e moram na favela. Caso venha a andar na companhia de algum estrangeiro procure saber quais são as intenções dele. Boa viagem a todos!
  24. Olá, Desculpa pela demora. Dá sim. Se você for de manhã, dá para ver os parque + macuco e o parque das aves. Tudo junto. Muito bom. Aproveite e depois conte aqui. Abraços e boa viagem. www.testandocomacarla.blogspot.com.br
  25. O lado argentino é muito bom. É maior que o lado brasileiro. Eu sou suspeita para falar, sou bióloga, então o que tem natureza chama muita a atenção. Vixi, nã o lembro exatamento o valor da entrada, pois paguei junto com o passeio Gran Aventuraa (não recomendo, por ser caro e não tão interessante). Você tem duas opções de chegar ao lado argentino: 1) Vai de ônibus cedo (acho mais vantajoso e você aproveita mais o local)e leva pesos, pois a entrada e os passeios só podem ser pagos em pesos; 2) Ou vai do especial do hostel (não gostei muito, só conheci metade do parque por causa disso). A diária do hostel depende do quarto que você escolheu. Mas fica o valor entre 40 a 45 reais (preço janeiro de 2014). qualquer coisa envie um e-mail para o hostel. Boa viagem.
×
×
  • Criar Novo...