Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

priscilla mamus

Membros
  • Total de itens

    61
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

20 Excelente

1 Seguidor

Outras informações

  • Lugares que já visitei

    Europa - Espanha, Portugal, França, Alemanha, República Tcheca, Holanda, Bélgica, Polônia, Hungria, Viena, Itália, Istambul
    Sudeste Asiático - Tailândia, Vietnã, Camboja, Malásia
    Caribe - San Andres, Providencia e Curaçao
    RS - Caxias do Sul, Gramado, Canela, Cânions de Cambará do Sul, Farroupilha.
    PR - Curitiba, Foz do Iguaçu, Itaipulândia, Cânion de Guartelá.
    SC - Camboriú, Bombinhas, Florianópolis, São Francisco do Sul.
    DF - Brasília
    GO - Goiânia
    MG - Belo Horizonte, Ouro Preto, Mariana, Congonhas, Poços de Caldas, Barbacena.
    SP - São Paulo
    RJ - Rio de janeiro
    ES - Piúma
    BA - Salvador, Morro de São Paulo, Porto Seguro, Arraial d'Ajuda, Trancoso.
    PE - Recife, Porto de Galinhas, Praia de Carneiros.
    AL - Maceió, Maragogi, Piranhas
    SE - Canindé de São Francisco
    TO - Palmas, Parque do Jalapão
    MS - Bonito
  • Meus Relatos de viagem
    Morro de São Paulo - Bahia
    http://www.mochileiros.com/morro-de-sao-paulo-e-salvador-10-dias-com-fotos-e-valores-t80710.html
    San Andres y Providencia
    http://www.mochileiros.com/san-andres-e-providencia-marco-2015-fotos-e-valores-t110982.html
    Recife, Porto de Galinhas, Maragigi, Maceió, Piranhas, Cânion do Xingó
    https://www.mochileiros.com/recife-porto-de-galinhas-maragogi-maceio-piranhas-fotos-e-valores-t95308.html
    Sudeste Asiático
    https://www.mochileiros.com/topic/75022-tail%C3%A2ndia-vietn%C3%A3-camboja-kuala-lumpur-e-conex%C3%A3o-em-istambul-25-dias-incr%C3%ADveis/
    Curaçao
    https://www.mochileiros.com/topic/79448-cura%C3%A7ao-%E2%80%93-caribe-10-dias-com-fotos-e-valores-dia-a-dia-de-2509-a-041018/

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. Obrigada!!! Sim!!!! Como eu disse, viagem é algo muito pessoal.... e esse é o nosso estilo!!! Liberdade, autonomia e sair da muvuca!!! além da economia!!!! Fizemos uma assim também em San Andres e Providência!! Show de bola!!!!
  2. Compramos as passagens dia 20 de agosto para viajar dia 25 de setembro. Ou seja, praticamente um mês para organizar tudo. Mas como foi só um destino e apenas 10 dias, foi tempo suficiente. Pagamos R$ 3.650,00 (já com taxas e IOF de câmbio no cartão) nas duas passagens, de Guarulhos a Curaçao, direto no site da Copa Airlines. O seguro viagem, sempre contrato o da April Coris por meio da ClickTrip. Usei na Tailândia e fui muito bem atendida. Não deixe de cotar com eles (email da representante: [email protected]). Tivemos a falta de sorte de pegar a pior cotação do dólar. Assim que comprei as passagens, comecei a pesquisar e acompanhar especialistas. E vi que até a data do embarque, a previsão era de subir ainda mais. Não tínhamos escolha, compramos 1.500 dólares a 4,24. E tivemos alguns gastos no cartão. Embarcamos dia 25/09, à 1h30 da manhã, voo de 7 horas até a Cidade do Panamá, e outro de 2h até Curaçao. Chegamos ao meio-dia do horário local, que está a 1h a menos que no Brasil. Não gostei do avião. Era bem simples, apertado, minha tela interativa estava com o touch bem ruim.... como o voo foi de madrugada, serviram apenas bebida e um mini saquinho de chips ou cookies, igual da gol. E um pouco antes de pousar no Panamá serviram um lanchinho pequeno de peito de peru e queijo. Os valores estarão marcados com: U$ = dólar (1 real = 4,24) R$ = real Fl = Florim das Antilhas Neerlandesas (1 real = 2,20 florins) Primeiro dia – 25/09/18 Assim que desembarcamos, fomos procurar o balcão da Europcar para pegar nosso carro que alugamos a partir da RentalCars.com. Havíamos solicitado a retirada para as 13h. Então descobrimos que não há balcão da Europcar no aeroporto de Curaçao. Mas uma espécie de ponto de ônibus, no estacionamento, onde temos que sentar e esperar alguém da empresa nos buscar. Aguardamos uns 10 minutos e a van chegou. Fomos levamos ao escritório deles, que fica a poucos minutos do aeroporto. Lá, além do aluguel já cobrado em nosso cartão, soubemos que tínhamos que pagar por mais um seguro: ou eles bloqueariam 750 dólares de calção em nosso cartão, e em caso de qualquer dano que ocorresse, pequeno ou grande, seriam descontados... ou pagávamos mais 20 dólares por dia para ter tranquilidade. Claro que optamos pelos 20 dólares por dia, pois imagine só quebrar apenas um farol e ter que descontar os 750 dólares???? Ridículo.... ou seja, não indico a Europcar. Pegamos nosso Fox 1.0 automático e partimos conhecer o centrinho de Willemstad. Usamos o maps.me offline e funcionou muito bem. Lembrando que carro é imprescindível em Curaçao. Ponte Queen Juliana Fomos direto para a praça Wilhelmina, Whileminaplein. O estacionamento é pago e a máquina só aceita moedas locais. Então compramos um lanche no Subway rapidinho, pagamos em dólares e o troco foi dado em florins. Voltamos correndo pra máquina antes de levar multa! Pagamos para ficar 1h. O uso da máquina é bem intuitivo. A ponte pode se mover enquanto voce está nela, não tem problema!!!! é bacana!!!! Uma mini Holanda colorida!!!! Caminhamos até a ponte Quenn Emma, pegamos bem a hora que ela ia abrir para passar um barco!! Demos uma voltinha até o Riff Fort, olhamos a feirinha ali no começo de Otrobanda e já voltamos para a ponte. De volta à Punda, pegamos o carro e partimos para o mercado Centrum de Piscadera, pois era caminho para o apartamento que alugamos em Wespunt. Não queríamos demorar muito, pois nosso ap estava a 40km dali, e queríamos chegar ainda de dia. Compra feita, seguimos para o extremo oeste da ilha. Lembrando que não há mercado nem restaurante para aquelas bandas!!! Apenas algumas vendinhas que fecham cedo. Obs.: Como eu tinha visto que as melhores praias de Curaçao ficam em Westpunt, decidi que nos hospedaríamos metade da viagem lá, para poder aproveitar bem. Bom isso alugamos um apartamento e nos dispusemos a cozinhar em casa. Pela manhã, tomávamos um super café e preparávamos lanchinhos, snacks e bebidas na térmica para passar o dia na praia. Final do dia fazíamos janta. As carnes vermelhas que compramos no mercado estavam divinas.... também não comi frutos do mar e evitei comer fora porque estou grávida. Claro que alem das precauções por causa da gravidez, este é realmente nosso estilo de viagem!!!!! E foi tudo perfeito! Maridón master chef!!! Cerveja água aeroporto panamá - U$ 9,5 Aluguel carro – R$ 1.000 Seguro carro – U$ 100 Subway + coca – U$ 15 Estacionamento - 1 Fl Mercado Centrum - 125 Fl Nos Krusero Apartment – U$ 243 / 4 diárias Segundo dia – 26/09/18 Café tomado e lanches prontos, seguimos à primeira praia do dia que, a propósito, estava a apenas alguns passos de nosso apartamento... uns 100mt... Praia Kalki. O sol estava meio encoberto e, mesmo assim, já deu pra notar o que nos aguardava!!!! Que praia linda!!!! Sem falar que o snorkel ali foi sensacional... um verdadeiro aquário!! Passamos a manhã toda ali. Isso porque estava sem sol!!!! De lá, pegamos o carro e demos uma paradinha para conhecer a Praia Piskado, bonitinha, mas cheio de barcos de pescadores. Seguimos para o mirante da Praia Forti. Praia Forti Ao lado do mirante há um restaurante com uma vista dessas pra almoçar!! Não comemos ali, mas li em blogs que é bom. Então dirigimos mais 5km até a grande estrela de Curaçao: Kenepa Grandi. Do estacionamento, já avistamos o azul surreal daquele mar!!!! E olha que o dia ainda estava um pouco nublado! A linda Kenepa Grandi! Dava para avistar tartarugas! Como já era meio da tarde, passamos na Kenepa Chica, ao lado da Grandi, apenas para ver se era bacana, e tivemos a certeza que seria a primeira praia do dia seguinte!! Então voltamos para a “nossa” praia, a Kalki, para ver o por do sol.... uaaaaau!!!!! Um pelicano passou bem na hora da foto!!!! Água pequena em Kenepa Grandi – U$ 2 Terceiro dia – 27/09/18 Chegamos à kenepa Chica às 9h40. Só havia um casal além nós 2. Nem os meninos que cobram pelo aluguel das espreguiçadeiras estavam lá! (Custa U$ 3 só a cadeira, e U$ 15 duas cadeiras + guarda-sol). Coloquei a canga embaixo de uma árvore e fui admirar e fotografar aquele pequeno paraíso antes de cair na água! Fala sério!!!! Ficamos um bom tempo ali. Ótima para snorkel próximo às pedras. Depois pegamos o carro e 3km depois paramos na praia Jeremi. Tem um mirante lindo também. Meu marido fez snorkel e também gostou muito. Essa praia não é tão bonita a parte da areia, por ser mais escura e ter muitos restos de corais, mas o mar é igualmente magnífico, e estava bem vazia! Linda!!!!! Já devia ser umas 13h quando seguimos menos de 1km para a praia Lagun. É linda, bem pequena e tem uns 3 ou 4 hotéis próximos, então estava bem lotada. Apenas tiramos fotos e seguimos para Cas Abao (uns 15km de Lagun), uma das praias pagas de Curaçao. Há um pequeno trecho de estada de chão, tranquilo. Gente, que praia magníficaaaaaa!!! Uma piscina salgada gigante diante de nós!!!!! Praia azul piscina cristalina, de grande extensão, ótima para snorkel, e para quem gosta, estrutura com cadeiras para aluguel e restaurante. Mas eu me interessei mesmo pelo mar!!!!! Ficamos na praia até seu horário de fechamento (16h) Playa Lagun Cas Abao Como Cas Abao fica mais próxima do centro da ilha, resolvemos passar no mercado fazer mais uma comprinha, inclusive de protetor solar, porque levei apenas 1 pequeno pra não ter que despachar mala, já estava acabando... e eu sou a neurótica do protetor!!! Ainda mais grávida! Água 2l na vendinha – 2.50 Fl Cas abao – taxa por carro – U$ 6 Cerveja + refri - 12,50 Fl Mercado - 117,8 Fl Quarto dia – 28/09/18 O dia amanheceu lindo, ensolarado. Então partimos direto para Kenepa Grandi tirar mais fotos daquele mirante incrível e nadar naquele piscinão!!!!!! Pancinha de 6 meses!!!! O snorkel nessa praia não é muito bom. Então seguimos para nossa praia preferida em Curaçao: a Kenepa Chica!!! Nossa preferida!!!!! No meio da tarde eu estava bem cansada e decidimos voltar para o ap. Mas antes seguimos conhecer o lugar chamado Watamula, extremo da ilha, onde as ondas batem com força e formam buracos nas pedras... bem interessante!!! Curtimos um pouco a piscina da nossa pousada e fomos descansar. Meu pique de grávida estava já bem cansado!!!!! Nesse dia não houve gastos. Quinto dia – 29/09/18 Como era o dia do nosso check-out nesse ap, decidimos passar a manhã na praia do nosso quintal!!! A Kalki!! Estava uma linda manhã! Amiguinho! Após o almoço, com as tralhas no carro, pegamos estrada rumo ao novo ap, mais pro leste da ilha (46km no total). Pelo caminho, passamos conhecer a reserva dos Flamingos. Após os trâmites do check-in, fomos dar um rolê à pé na avenida próxima ao novo ap, onde havia uma espécie de piscina pública, uma pequena baía de águas calmas feita artificialmente, lotada de moradores, afinal era domingo!! Mas um pouco de caminhada e chegamos ao Mambo Beach Boulevard, complexo com restaurantes e lojas, alem de um beach club. Tomamos um sorvete, admiramos um pouco o local e voltamos pra casa já próximo ao entardecer. Nesse dia, resolvemos ir ver o centro e a ponte Queen Emma à noite. Aproveitamos para jantar no restaurante Iguana, na beira do canal que divide Punda e Otrobanda. Pedimos 2 pratos, um com frango empanado, salada e batatas, outro chamado churrasco, com carne vermelha, de porco, salmão e de frango, arroz e batata frita. Gente, foi um exagero! Muita comida para duas pessoas!!!! Estava uma delícia!!! Águas e sucos no mercado chino - 9,75 Fl Apartamento - U$ 170 – 3 diárias + taxa de limpeza Sorvete – 10 Fl Imã de geladeira – U$ 7 Jantar restaurante Iguana – U$ 53 Sexto dia – 30/09/18 Na noite anterior, perguntamos aos donos do apartamento (muito queridos, por sinal, Jamile e Sean), se conheciam alguém de confiança que tinha carro para alugar, pois hoje tínhamos que devolver o nosso Fox. Então o Sean nos passou o contato da Diane e, pelo whats, negociamos o carro dela por U$ 35 a diária. No contrato, em caso de danos, teríamos que pagar a franquia do seguro dela (U$250). Achamos um bom negócio. Também deixamos U$ 200 de calção. Pegamos o Fox e seguimos para a casa da Diane. Assinamos contrato, me apaixonei pelo carrinho azul da cor do caribe, e fomos devolver o Fox, Jander dirigindo ele, e eu dirigindo o Suzuki! No caminho, começou a cair maior chuvão, tempo fechou mesmo. Mas não desanimamos! Nossa carro era igualzinho esse!!!! Apaixonei!!!! Enchemos o tanque para a devolução, e partimos para a praia Porto Marie, uns 15 km da Europcar e uns 30 km do nosso ap. Aos pouco o tempo foi melhorando. A Porto Marie é praia privativa. Pagamos e fomos desfrutar daquele lugar delícia! O dia já estava bem mais lindo! Já devia ser meio dia. Paguei por uma espreguiçadeira e me joguei na preguiça!!!! Essa praia tem um ótimo restaurante, com som ao vivo. É bem badalada e foi o único lugar que encontramos muitos brasileiros. Não faz muito nosso estilo... mas um mar daqueles, bicho!!!!! No final da tarde, passamos no famoso Williwood comer um hambúrguer de carne de cabrito! Eu gostei bastante, mas é bem forte. Meu marido amou!!!! Detalhe para o letreiro ao fundo imitando Holywood! Europcar gasolina - 44,5 Fl Entradas e cadeira Porto Marie – U$ 9,5 Suco em Porto Marie - 7,5 Fl Hamburguer Williwood – U$ 21 Compra mercado Centrum - 128,18 Fl Sétimo dia – 01/10/18 Dia do tão esperado passeio para Klein Curaçao! Acordamos às 7h, tomamos um café, pegamos o carro sentido a Jan Thiel, onde fica o Zanzibar, beach club de onde sai o passeio. Assim que comprei as passagens de avião, já entrei no site da Blue Finn Charters e fiz as reservas do passeio para esse dia. O pagamento é feito em cartão ou dinheiro no dia do passeio. Escolhi a Blue Finn por recomendação, principalmente, do blog de viagens Juju na trip (@jujunatrip), e foi a melhor coisa que fiz!! Realmente o melhor barco e almoço é o deles. A única coisa que eles não têm, e a concorrente Mermaid tem, é estrutura na praia. A blue Finn tem quiosques pra esconder do sol. A Mermaid tem tipo um restaurante com banheiro. Mas garanto pra você que não compensa, porque o mar é tão incrível que você vai querer ficar nele, e o almoço no barco da blue Finn é tão bom que vale a pena só por isso!!! Na foto não parece, mas é grande! Na viagem de ida, eles servem bebidas não alcoólicas e frutas. A navegação é contra ondas e vento. Se prepare!!! Tome um remédio pra enjoo!! 3 pessoas passaram mal. Eu tomei um bromoprida, que minha obstetra liberou, e fiquei muito bem. Após 2h de viagem, chegamos à ilha paradisíaca!!!! Acho que era umas 10h20 da manhã Que azul é aquele!??!!?!?!?!?!? Sur-re-al! Não recomendo usar essa rede na viagem de ida!! Mas na de volta, corra para garantir seu colchonete e curtir muito!!!! Conforme o sol ou a câmera, a cor da água muda! essa foi com a gopro! SUR-RE-AL!!!!!!!!!!!!!!!!!! rolê pela ilha... Ao meio dia e meia, eles tocam a sirene do barco para avisar que o almoço estava servido. Voltamos nadando pro barco e ficamos surpresos com o Buffet de churrasco: lingüiça tipo alemã, carne vermelha muito macia, coxas de frango super bem temperadas, costelinhas de porco bbq, penne ao pesto, arroz temperado, salada e creme de amendoim. Além de cerveja Amstel e coquetéis open bar!!!! Em pleno mar do caribe!!!! Ai ai... nessas horas que dá vontade de ser rico!!! Hihihihihi..... Após almoço, voltamos para a praia, muitas fotos, muitas caras de “que mar é esse?!” Vimos duas tartarugas aqui, filmamos com a gopro! Minha filhota curtiu muito!!!!! Hipnotizada com essa água!!! Às 15h tínhamos que estar de volta ao barco para o retorno. A volta é uma delícia, pois vamos a favor da maré e do vento, tanto que eles desligam o motor e içam a vela do catamarã.... happy hour liberada por 2h!!!! muita música e boa energia!!!! Chegamos só o pó da gaita em casa. No dia seguinte, faríamos check-out para passar os dois últimos dias no hotel The Royal Sea Aquarium, para descansar e curtir mais conforto. Porém, 2 dias antes eu vi no email que minha reserva havia sido cancelada no booking, porque foi feita no cartão do meu marido, ou seja, nome do cartão diferente do nome da reserva. O quarto continuava livre pelo mesmo valor. Mas estávamos tão cansados e com preguiça de mais um check-out que negociamos com o Sean para ficar no ap mesmo. Deu tudo certo e ainda economizamos bastante!!! Hehe... apesar de não ter mordomia de resort! Passeio Klein Curaçao - U$ 109 por pessoa com tudo incluso. + 2 pernoites no ap – U$ 100 Oitavo dia – 02/10/18 Último dia com o carro. O que vamos fazer???? Voltar lá pra nossa preferida! Kenepa Chica!!!! Antes, passamos conhecer a Kokomo Beach. Só tiramos umas fotos maravilhosas e partimos pra preferida. kkkkkkkkkkkk Mais pro book de gestante!! hehehehe Um mar desse só pra mim. bicho!!!!! Kenepa Chica Boiando barrigão com minha mini boia! Água batendo no peito e dava pra ver meu esmalte do pé!!!!!!! Após muito snorkel, nos despedimos desse lugar maravilhoso e resolvemos voltar pra casa. O corpo já estava bem cansado de sol e praia!! Tomamos banho, fomos encher o tanque do carro e devolver já no início da noite. Levamos o carro à casa da Diane e ela nos trouxe de volta. Uma querida!!! Combustível - 30,50 Fl Pão, água e biscoito – U$ 8 Aluguel carro 3 dias - U$ 105 Nono dia – 03/10/18 Acordamos mais tarde, sem carro, sem pressa, sem rumo! Fizemos aqueles ovos mexidos necessários da manhã...hehehe... demos uma olhada nas chatices de eleições presidenciais e guerras declaradas no facebook.... kkkkkkkkkk... e partimos conhecer o Sea Aquarium de Curaçao. Eu não curto ver bicho prezo, mas entendo a importância da preservação e estudo... e eu estava louca pra ver golfinhos, confesso!!! Fiquei animada quando vi que eles ficam na água do mar mesmo... com direito a comer peixes a hora que querem... enfim.... sem os golfinhos, o aquário só vale a pena pra criança e pra quem não gosta de snorkel ou mergulho com cilindro. Saí fedendo peixe! Na volta, passamos no Mambo Beach comprar o licor Curaçao blue para um amigo que pediu, dar uma descansada nas pernas de grávida e continuar a caminhadinha até o ap. Começamos a organizar as malas para o check-out da manhã seguinte, depois fizemos uma jantinha delícia e capotamos!!!! Entrada Sea aquarium – U$ 21/pessoa Sorvetes e água – U$ 6,25 Curaçao Blue menor – U$ 9,5 Décimo dia – 04/10/18 Dia de dar tchau, e também dia do meu aniversário de 35 anos!!! Acordei muito feliz e grata a Deus por me conceder a oportunidade de estar ao lado do grande amor da minha vida (há 16 anos), pai da filha que esperamos, em mais uma viagem perfeita juntos! Pode haver aniversário melhor?!!?!?!? A mãe do Sean, uma senhora muito querida e fofa, nos levou ao aeroporto. Tchau Curaçao! Tchau Caribe!!!! Foi bom demais!!!! Transfer aeroporto – 35 Fl Refri e água aeroporto – U$ 7,25 Curaçao Blue maior – U$ 21,50
  3. Sobre o visto, eu fiz no aeroporto. Pedimos a invitation letter para a empresa que contratamos para Halong Bay. Eles inviaram a carta assinada por email. Imprimimos e levamos conosco, juntamento com duas fotos 4x6. Assim que desembarcamos em Hanoi, fomos ao balcão de pedido de visto. Entregamos os passaportes, a carta convite e as fotos. Esperamos mais ou menos meia hora e chamaram nosso nome. Pagamos 25 U$ por cada visto, pegamos nosso passaporte e seguimos para a imigração. Foi bem tranquilo.
  4. Obrigada!! A empresa eu reservei pelo booking, foi a Halong Hoa Binh Cruise. Custou 190 dólares o casal, e eles também me enviaram a Invitation Letter para tirar o visto no aeroporto, custou U$ 12 por pessoa. E também o transfer do nosso hotel até Halong Bay custou U$ 10 por pessoa. Pagamos tudo em cash direto na hora que entramos no barco. abraço
  5. PHI PHI ISLAND – 13/04 – Baboo Island Neste dia, alugamos um long tail (1000 Bh cada casal) com um casal de brasileiros que conhecemos no SleepAboard. Compramos uma caixa de isopor para colocar as latinhas de cerveja, nos suprimos de comidinhas na 7 eleven, e partimos ficar 4 horas lá em uma das praias mais incríveis de Phi Phi Island. Padrão azul caribe! Na volta, a ilha em estava em festa com o desfile de ano novo!! muita água e diversão. Após o banho e descanso, encontramos novamente o casal para curtir o resto do Songkran com nossas armas!!!!! Dia perfeito!!! PHI PHI ISLAND – 14/04 – Mergulho e internação Acordamos às 6h, organizamos as mochilas, pois tínhamos que estar na Profun Dives ás 7h30. No dia anterior já havíamos pago pelo mergulho (6.090 Bh), feito cadastro e entrevista com os instrutores. As reservas para o mergulho foram feitas via whats ainda do Brasil, com o Rodrigo (@travellerbr). Deixamos nossas mochilas na agência e fomos tomar café rapidinho na lanchonete ao lado. Comi um pãozinho com suco, partiu barco!! Nosso instrutor foi o espanhol Fernand, muito gente boa!!! Segue um pequeno vídeo do nosso mergulho incrível!!! https://www.facebook.com/priscilla.mamus/videos/1732816873421095/ Após as duas descidas, paramos para almoço com vista para a Maya Bay, mas nessa hora eu já estava passando muito mal, com cólicas estomacais fortíssimas. Não comi nada e ainda vomitei muito.... em seguida voltamos à ilha. Eu já não tinha forças, e continuei vomitando. Com muito custo, caminhei até o escritório da Profun. Meu marido já havia acionado o seguro viagem pelo whats, e eles enviaram o voucher de atendimento a uma clínica particular da ilha. O pessoal da agência ligou na clínica e eles me buscaram de “ambulância”, um carrinho de golf com maca! Quero registrar aqui que fui muuuito bem atendida, e que os padrões da clínica/hospital são de altíssimo nível, tudo novo, impecável. Meu quarto tinha vista perfeita para o mar e netflix! Hahaha...quase cancelei o hotel!!! Fiquei internada das 14h às 20h tomando soro, buscopan, remédio para cortar o vômito e diarreia. Enfim, tive uma intoxicação alimentar provavelmente causada pelo café da manhã antes do mergulho. Ao menos consegui mergulhar! PHI PHI ISLAND – 15/04 – Long Beach e tatuagem de bambu Acordei melhor, porém sem conseguir comer, apenas beber. Mas era o último dia e eu queria muito curtir uma praia sem mais nada pra fazer! Vista maravilhosa de nossa sacada! The Cobble Beach Hotel Então compramos frutas, isotônicos e cervejas pro maridón, e pegamos a trilha até Long Beach. Que trilha linda gente! Vale a pena fazer!! Fala sério! isso que é visual de trilha!!!! Deve ter durado no máximo meia hora, com as paradas para fotos.... Long Beach Passamos um bom tempo lá e voltamos pela praia, já com a maré baixa. Foi bem mais rápido que a ida. E como a mudança da maré é absurda!!! Simplesmente o mar sumiu!!!!! Long Beach com maré baixa, voltando pelas pedras mar indo embora! Maré alta na ida... Maré baixa na volta Na volta, passamos no estúdio de tattoo recomendado por uma colega, Black Ink Studio, escolhemos e pagamos (+- 900 reais as duas) por nossos desenhos e fomos pro hotel tomar banho. Mais tarde, jantamos algo leve e fomos fazer nossas tattoos de bambu!!! doeu menos que a de máquina! PHI PHI ISLAND - PHUKET – 16/04 – Viagem de volta Acordamos cedo, tomamos café, arrumamos nossas coisas e partimos pro píer pegar o ferry para Phuket, acho que às 11h. havíamos comprado os ticket na noite anterior (900 Bh os dois). De lá, fomos para um hotel próximo ao aeroporto com transfer gratuito, pois nosso voo para Istambul era de madrugada. Deu tudo certo! Em nossa conexão, usamos novamente o serviço de hotel da Turkish Airways, e deu tempo de pegar o trem e ir conhecer o Grand Bazar turco, comprar uns souvernirs, tomar chá turco, comer coisinhas turcas... ... e voltar para o Brasil imensamente felizes e gratos a Deus pela viagem incrível que tivemos!!! Espero que esse relato ajude e, mais que isso, inspire novos viajantes!!!! Abraço e boa viagem!!!!!!! Istagram @viagensdapriscilla
  6. Continuando.... PHI PHI ISLAND – 12/04 – Retorno do Sleep Aboard O dia começou bem cedo!!! Aos poucos a galera foi acordando e pegando o bote para ir até Maya Bay ver o dia terminar de nascer.... mais uma linda experiência! Após mais ou menos uma hora lá, tiramos a tradicional foto pulando, como no filme The Beach, e voltamos ao barco tomar café da manhã e seguir viagem! A próxima parada foi em Monkey Beach!!! Que lugar magnífico, água azul caribe... mas cuidado com o macacos. Eles roubaram o protetor solar de uma turista e quase morderam outra que queria se aproximar muito. Fiz snorkel nessa praia e fiquei impressionada com a quantidade de garrafas e lixo no fundo do mar, nunca tinha visto algo assim, ainda mais em um paraíso... humanidade besta... Chegamos de volta à Phi Phi já na hora do almoço, almoçamos um super hambúrguer (650Bh com cerveja) e fomos ao nosso novo hotel, JJ Bungalow (R$ 322 por duas diárias). O hotel não é ruim, mas também não é bom! Apesar de cama excelente, espaçoso, chuveiro bom.... tinha o aspecto de velho, pintura velha... e tinha que passar por um trecho fedido de esgoto para chegar nele. Fica no caminho que vai para o point view. Tomamos um banho, descansamos um pouco e partimos subir o morro do mirante. Preparem o fôlego e as coxas que a subida é puxadinha para quem vem de dias de viagem!!! E naquele calor... Enfim, vencemos!! E valeu a pena!!!! View Point 1 View Point 2 A cada minuto mais lindo ficava! Na descida, nos tocamos que era dia 12, véspera do Songkran, principal feriado do país, é o ano novo budista!!!! E como tradição, eles jogam água uns nos outros como metáfora de purificação. Meu maridón não teve dúvidas, foi logo comprar a sua arma de água para entrar na brincadeira!!!! Foi a coisa mais divertida que já fizemos!!! Nos unimos a outros brasileiros que pareciam crianças fazendo guerra de água!!! Criaram até estratégias!!! Muito bom!!!! Happy Songkran!!!! Depois de muito aguaceiro, fomos dormir exaustos!!! Mais felizes, impossível!
  7. PHI PHI ISLAND – 11/04 – Ferry para Phi Phi e embarque no Sleep Aboard Na noite anterior, havíamos comprador nossos tickets para Phi Phi a agência Railay Travel-D (824Bh o casal). Não me lembro exatamente se o ferry era as 8h ou as 9h, mas tínhamos que estar lá meia hora antes. Estava cheio de turistas com suas malas, esperando. Lembrem-se que não há píer em Railay West, então temos que pegar um long tail que nos leva até alto mar, e passamos para o ferry. Se você estiver com mala grande, sem ser mochila, vai sofrer para levar sua mala pela areia e embarcar no long tail com água nas canelas!!! Nosso barquinho encostou bem no ferry e “pulamos” pra ele, já cheio de gente que embarcou em Ao nang. A viagem durou quase 2h. E que lindo é chegar em Phi Phi Don!!! pier de Phi Phi Don Pagamos os 40 bath de taxa da ilha e fomos procurar a Krabi Konnect, empresa que faz o passeio do Sleep Aboard. Entregamos nossos vouchers impressos no Brasil, pois reservamos e pagamos 3 meses antes (7.000 bh o casal). Deixamos nossas mochilas grandes no locker deles (arrumamos nossa mochila de ataque que levaríamos pro barco antes de sair de Railay) e fomos almoçar, comprar chapeu de praia, mais protetor solar e snacks. Às 14h estávamos no píer para embarcar no barco do Sleep Aboard. Acredito que 75% dos turistas ali era brasileiros!!! Nossos “guias” eram a Jack e um moço que não lembro o nome. Os dois muuuuito gente boa e divertidos. Já vimos que nossa noite no barco seria de pura diversão!! E pouco descanso!! Hehehe.... eles sabiam falar um monte de coisa em português. Dá para ver que a quantidade de brasileiros na Tailândia é imensa mesmo!!! Começamos a navegação sentido Phi Phi Leh. Lembrando que Phi Phi Don é a ilha habitada, e a Leh é onde fica Maya Bay... essa aí da frente: lá está Phi Phi Leh Muita música e muitos buckets no barco, a festa começou!!! Passamos pela Viking Cave, e a Jack nos explicou que ela não pode mais ser visitada por questões ambientais. A primeira parada foi para fazer snorkel nesse lugar que jamais esquecerei na vida!!! Isso porque estava sem sol!! Do outro lado desses paredões fica Maya Bay. SUR-RE-AL!!!! Eu e Jander fomos de snorkel até aquela prainha Imagine com sol!!!!??!! Seguimos dando a volta nos paredões para chegar na linda Maya Bay!! Apesar de o sol já estar bem baixo, foi incrível estar nessa praia já quase sem ninguém, sem turista, e ver o sol se por no caminho de bote dela para voltar ao nosso barco (tínhamos que pegar bote pequeno para ir até a praia). Minha Maya Bay! Essa luz de fim de tarde... ai ai.... Bloguiani #2 Woow Ao voltar, já no início da noite, comemos umas frutas e começamos a festa!! Quem era de beber, comprava drinks vendidos no barco.. quem era de paisagens, tirava fotos e fotos ou apenas contemplava a beleza daquele lugar. Enquanto isso, os tripulantes preparavam o jantar e outros foram até a minúscula praia ao lado de Maya bay preparar nosso lual. Nosso barco fica ancorado na baía de Maya, mas é proibido ficar nela após o sol se por. Por isso o lual é na prainha ao lado dela. Após o jantar tailandês picante, a Jack anunciou: “Come on Guy!!!! Let’s swim with Planktons!!!!!!!” caraaaaaai!!! Era o que eu mais esperava desse passeio!!! Descemos até a popa do barco, pegamos nossos snorkel e colete salva vidas e pulamos na água.... quentinha mesmo tarde da noite! Quando todos estavam na água (estávamos em umas 25 pessoas), todas as luzes do barcos foram apagadas. Quando eu coloquei a cabeça dentro da água era um escuridão infinita. De repente, comecei a mexer pernas e braços eeeee..... meo deeeeeeeeeeeos!!!! Que coisa mais incrível!!! Parecia um espaço infinito, a via láctea, purpurinas pratas no céu escuro.... não sei explicar!!! E nenhuma câmera consegue registrar.... você vai ter que ir lá ver isso, amigo!!!! Depois de extasiados, voltamos ao barco para pegarmos o bote e ir pro lual da mini praia!!! La, fizemos brincadeiras com castigos, tudo pretexto para beber de gole!!! Quando fui fazer xixi no mar, percebi que havia plânctons ali também.... então chamei meu marido, outras brasileiras vieram.... ficamos o resto da noite ali compartilhando experiências de viagens e mexendo a água para ela brilhar!!! As vezes um planctos ficava na pele, no biquíni “aceso” por alguns segundo fora da água.... choro só de me lembrar!!! Lual! De volta ao barco grande, comemos uma churrasquinho de coxa de frango, os brasileiros dançando forró, os australiano enchendo a cara e dando trabalho... nós e outros casais conversando... até que bateu o cansaço e cada um achou um canto para colocar seu colchonete, saco de dormir e tentar dormir!!! Alguns foram pro “teto” do barco, ao ar livre. Assim, roots mesmo, sem paredes, sem conforto... tudo meio apertado... mas cheios de alegria, emoções e sentimentos que jamais vou esquecer!!!! Esse é o barco da Krabi Konnect nossa turma!
  8. RAILAY BEACH – 10/04 – View point e Caiaque Nesse dia acordamos sem pressa. O Janderson ainda não estava muito bem. No café da manhã, ele não podia nem olhar para o ovo que dava enjoo!! Deve ter sido alguma salmonela que fez mal.... só conseguiu comer frutas, pelo menos. Foto do site do hotel. Área do café. Compramos água e fomos subir a montanha. Gente, não é tão simples, mas também não é tão difícil. Exige muito cuidado, muito mesmo... mas a vista compensa.... ao vivo é uma coisa de louca, parece uma pintura!!!! Trilha íngreme e escorregadia que vista!!!!!! Depois pegamos a trilha para a Secret Lagoon, no meio da montanha. Mas ela estava impedida, pois não há mais escadas ou qualquer segurança. Alguns turistas até arriscaram, mas nos alertaram que é preciso ter boas noções de escalada com as mãos, pois a descida é totalmente vertical nas pedras. Deixa pra lá!! Voltamos ao hotel tomar banho, porque suamos horrores e nos sujamos muito... tivemos que limpar os tênis também, por causa da terra argilosa. Saímos almoçar. Mais tarde, resolvemos alugar um caiaque por uma hora (200Bh). Saímos de West Beach e fomos até as duas ilhas em frente à Pranang Beach, demos a volta nelas e voltamos. Deu uma hora certinho. Passando "embaixo" da ilha! Vista do caiaque para a Pranang Terminamos o dia naquele mar calmo e quentinho de Railay, e voltamos para nossa última pernoite no Princess.
  9. RAILAY BEACH – 09/04 – Passeio Hong Island De novo nos fartamos com o café da manhã e fomos pegar o taxi boat para Ao Nang. Esperamos um pouco chegar mais gente para o taxi, pois o valor total é 800Bh.... até que estávamos em 6 e ele aceitou fazer por 600. Good morning Thailand!!!!!! Em Ao Nang, compramos uns snacks na 7 eleven e partiu passeio. Se eu voltasse lá, talvez fizesse esse passeio de longtail mais privativo, pois só durante o passeio descobri que o nosso speed não entraria na hong lagoon, o lugar que eu mais queria conhecer nesse passeio. snif... snif.. a primeira parada foi na Koh Lao Landing, bem estreita entre os paredões! Não me lembro o nome dessa ilha, mas é bem linda!!!! Lado oposto da mesma ilha da foto anterior. Azul caribe!! Entrada para Hong Lagoon que não entramos... #chateada A última parada é a mais demorada, ficamos lá curtindo essa praia maravilhosa. O mar estava um tanto mexido, mas mesmo assim a praia é maravilhosa. Hong Beach É muita perfeição!!! Não tem jeito de a foto fica feia!! Chegamos em Ao Nang, pegamos o barco de volta para Railay (100Bh), comemos um kebab gostoso no quiosque da ruazinha em West beach (100bh) e fomos curtir o resto do dia em Pranag Beach. A trilha pra lá inicia bem próxima ao nosso hotel em East Beach, e é bem curta, uns 10 minutos por um caminho bacana, embaixo da montanha. Encontramos vários macacos no caminho! Ficamos em Pranang até o sol se por. Surreal!!!! Muito massa essas formações!!! Ficamos um bom tempo vendo essa mamãe e outros macacos pelo caminho! Surreal!! Parece um mini pão de açúcar! À noite jantamos uns espetinhos de frango e de camarão, que não fizeram muito bem pro Janderson no dia seguinte... vômito e diarreia... mas de leve. Nossos remédios foram suficientes para ele ficar bem, e muita hidratação.
  10. RAILAY BEACH – 08/04 – Passeio 4 Island Acordamos às 7h, tomamos o maravilhoso café do hotel, e fomos procurar por passeios. Todas as agências ainda estavam fechadas às 8h. Ficamos meio perdidos e fomos até West beach, onde pega o ferry para Phuket. Ali também ficam os Long Tails que são taxi boats. Então pegamos um para Ao Nang (100 Bh/pessoa), pois 3 americanos que estavam ali nos disseram que lá havia várias opções de agências. Leva uns 10 minutos o trajeto. Olha West beach bem cedo: Voltem logo férias!!!!! Bloguiani no taxi boat.... #sqn Fomos direto à mesma agência que os americanos já haviam fechado o passeio. não faço nem ideia do nome. Pagamos 2000Bh o casal pelo passeio das 4 Island em um speed boat com mais uns 20 turistas, e almoço (apimentado!), água e frutas incluídos. Também deixamos pago o passeio do dia seguinte para Hong Island (2500 Bh/casal). Primeira parada, Pranag Beach... aquela que dá para ir à pé a partir do nosso hotel. É nela também onde tem o templo ao deus da fertilidade, misturado com a lenda da princesa que salvou o povo.... A segunda parada, se não me engano, foi na Tup Island. O dia estava nublado. Apenas avistamos a Chicken Island... a parada para snorkel é nesse lugar maravilhoso. Pena que tinha muita gente, o que acabava espantado os peixes maiores... Poda Island... linda demais!!!! Nosso almoço spicy.... porém delicioso... a gente já estava bem enjoado de comida thai! Poda Island Na volta do passeio, eles nos deixaram no píer de Railay, acho que era umas 15h. fomos até a ruazinha comercial de West, tomamos umas Changs compradas no mercado e comemos panquecas do quiosque bem no centro da rua. Curtimos um pouco a piscina do hotel e voltamos para a West beach ver o por do sol. wooooow Depois banho e janta. Dessa vez fomos a um restaurante mais para frente do Avatar, mais simples também (240 Bh uma pasta a bolognesa e um fried Rice), próximo ao bar onde, aos domingos, tem lutas de Muay Thai às 22h.
  11. Embarcamos às 16h para Krabi, e chegamos a Krabi às 16h!! hehehehe uma hora de fuso! Pagamos 10 reais no chip de celular com internet 4G ilimitada por 7 dias. Fala sério!!! Funcionou perfeitamente os 7 dias, e no oitavo ainda funcionou a 3G com menos potência! Na saída do aeroporto, pegamos uma van com outros turistas para o Ao Nammao píer, o preço era meio tabelado, 300 Bh o casal. Fica a uns 25km do aeroporto. Chegamos a tempo de pegar o último barco para Railay (200 Bh o casal). Trajeto de barco para Railay O pier em Railay é exatamente na porta do hotel que ficamos, o Railay Princess Resort. Optamos por um hotel bom nesses 3 dias (R$ 1.020,00 4 diárias com café), pra comemorar nosso niver de casamento, e diminuir o ritmo acelerado que vínhamos mantendo!! Comparando com o Brasil, jamais pagaríamos a média de 250 reais em um hotel desse nível!! Caminho para os quarto dos fundos. Após conhecermos o hotel, tomamos banho e saímos para jantar. Paramos no Avatar mesmo, hotel bem próximo ao nosso. Depois descobrimos que era só andar um pouco mais que tinha muitas opções mais baratas para comer ali... mas foi bom porque encontramos uma boa opção de carne vermelha para comer no Avatar, e matar o desejo (710 Bh o jantar, carne vermelha é bem mais cara, claro)!!!! Carnes de porco, boi e frango. Não parece mas estava ótimo!! Lembrando que esses hotéis ficam do lado leste, East Beach, que é o lado com vista para o mangue; é nela ela, também, onde começa a trilha para o view point e para Pranag Beach. . O lado oeste é o mais bonito, com uma rua com lojinhas e restaurantes. Mas ir de uma praia para outra é bem tranquilo, 5 minutos!! Então sugiro que a escolha seja feito pelo hotel.
  12. KUALA LUMPUR – 06/04 – Voo de Hanoi para KL (158U$ casal) e passeio pela cidade. Nosso voo de Hanoi para Kuala Lumpur, na Malásia, era às 9h20. Às 7h30 pedimos um Uber. Na hora que ele chegou, nos disse que não podia receber pelo Uber, porque o App estava com problemas judiciais e poderia ser cancelado naquele dia, no país, e ele não queria arriscar. Nem pesquisamos se isso era verdade ou não, e avisamos que só tínhamos notas de dólares. Ele aceitou e fez um preço aproximado do que o Uber havia simulado para nós. Lembrando que ele não falava inglês e o recepcionista de nosso hotel foi um fofo nos ajudando. (Corrida 15U$). O voo fez uma conexão em Bangkok, e chegamos à Kuala Lumpur às 13h30 de lá. Trocamos 50 dólares no aeroporto e fomos ao desembarque onde param os ônibus. Perguntamos qual ia para a kl Sentral (com S mesmo!), compramos o ticket por 12 Ringgit (+- 10 reais). Lembrando que o aeroporto é bem longe do centro. Para quem tem pressa, é possível pegar o trem Klia Express, por uns 45 reais. Leva uma meia hora. O bus passou pela little índia, um bairro, fiquei com muita vontade de conhecer, mas não deu tempo. a malásia não estava em nosso roteiro, mas eu queria muito conhecer as Batu Caves. Quando vimos que era possível passar ao menos um dia lá, resolvemos fazer essa escala, cientes de que seria corrido. Me julguem!!!! Para nós valeu muito a pena!! Comemos um burguer king na KL Sentral (R$27 os dois), mas era bem meia boca o lanche, e fomos pegar o metrô para nosso hostel (R$ 1,50), apenas 3 estações. Na saída da estação já deu para ouvir e ver a mesquita de Masjid Jamek, bem na hora da oração. Ela é bem linda!!! Mesquita à noite e dança das águas com música. Andamos umas 3 quadras até o hostel 1000 Miles (R$95), super recomendamos. Quarto novo e limpo. Fizemos check-in e partimos para a Kl Tower a pé mesmo, bem perto. Apesar de o dia estar nublado, eu fazia questão de ter a experiência da Sky Box, e da vista obtida lá de cima. Chegamos à entrada e há uma van gratuita que leva a gente ali da entrada até à torre, pois tem uma boa subida. É só aguardar um pouco no ponto de ônibus que a van já chega. La na torre, pagamos a fortuna para subir (210 Ringgit o casal). Eu achei caríssimo, mas quem está na chuva é pra se molhar!!! Pegamos o elevador, e chegou a dar pressão no ouvido!! A vista lá em cima é magnífica... mesmo com o tempo fechado. As Petronas ao fundo! A fila para a primeira Sky Box estava bem pequena. Quando chegou a minha vez, queria desistir, porque tenho horror de altura assim, suspensa. Mas paguei tão caro que engoli o medo e fui!! Não olhei nenhum segundo para baixo, apenas para o horizonte. Fiz pose pra foto e logo saí para dar a vez ao Jander! Ele estava muito bem ali!! Hehe Apesar da pose, eu estava morrendo de medo! Na segunda Box eu nem fui!!! Só tirei fotos dele. Depois descemos ao andar chamado observatório, demos um tempo ali e fomos para as Petronas. Eu queria ir a pé, porque nas pesquisas vi que era bem perto, tipo 500metros. Mas não sei o que meu marido aprontou, que o GPS dava 3 km, então pegamos um metrô. E quando saímos da estação, nem dava pra ver onde as torres estavam!!! Começamos a andar, andar, andar... andamos quase 2 km quando ele percebeu que tinha marcado, no GPS, outra coisa com o nome Petronas.... mas daí faltava só 1km, então fomos a pé mesmo... paramos em uma 7 eleven para comer e beber algo... chegamos lá já tinha escurecido.... Aborrecimentos à parte, bora aproveitar o lugar!!! Detalhe... ao lado das petronas tem uma estação de metrô...tsc tsc.... fomos embora!! Pelas ruas da City Gallery Compramos lanche no Mc (25 Ringgit) próximo ao hotel e levamos para comer no quarto, mas o cansaço era tão grande que a gente só tomou banho, organizou as mochilas e dormiu. O lanche ficou para o café da manhã!!!! KUALA LUMPUR – 07/04 – Batu Caves e voo para Krabi Acordamos às 7h30, nos arrumamos rapidamente e fomos pegar o metrô para a KL Sentral (3,20 Ringgit o casal). Deixamos as mochilas no locker (20 Ring) Lá, nos informamos sobre o trem para as Batu Caves, e nos disseram que está em manutenção. Fomos direcionados ao ponto de ônibus que leva até a estação de trem mais á frente da manutenção, esse transfer é gratuito. Lá na estação onde descemos, compramos os tickets do trem (10 ring os casal). Esperamos uma meia hora para sua saída. Aproveitamos para comer a janta da noite passada!! O trem levou uns 15 minutos para chegar na estação das Batu Caves. La chegando, já avistamos a estátua do deus hindu Murugan. Tiramos muitas fotos e partimos subir as escadas (entrada free). Lembrar de cobrir ombros e joelhos, e cuidado com os macacos ladrões... Ao final das escadas, chegamos ao templo dentro da caverna... é bem legal, e quente!!! Ficamos um tempo lá.. compramos um ima de geladeira belíssimo da estátua do Murugan, e voltamos. Meu marido queria muito ver as Petronas de dia, fizemos o caminho de retorno (trem + ônibus) para a kl Sentral, e de lá outro metrô para as Petronas. Passeamos no jardim atrás dela, é lindíssimo!! E vimos um pouco da rotina dos locais, horário de almoço... Meu chapeu do vietnã não coube no locker!!! Mas isso nos rendeu um atraso para pegar o ônibus barato que leva 1h30 para chegar ao aeroporto. Tivemos que pegar o Klia Express (110 rings o casal). Vocês podem perceber que tudo é muito barato pelo sudeste asiático, como comida, hospedagem, transporte local. O que encareceu a nossa foram os vários deslocamentos de avião, que implica não só em passagens, mas nos transfer para os aeroportos, que sempre ficam longe, e a gente não conhece o trânsito... então é importante saber dessas coisas antes de viajar. Eu sabia, apesar dos imprevistos.... e claro, sempre contar que vai gastar um pouco mais do previsto. Nós levamos 2 cartões desbloqueados para estes imprevistos. Tchau Malásia!!! Partiu praia!!!!
  13. Atualizei um pouco mais!! Vai ficar enorme! vou tentar ser mais objetiva!!!
  14. Segue o relato dos 25 dias que eu e meu marido dividimos entre Istambul (conexão), Tailândia (Bangkok, Chiang Mai e Rai, Railay Beach e Koh Phi Phi), Vietnã (Hanói e Halong Bay), Camboja (Siem Reap), Malásia (Kuala Lumpur). Os valores serão colocados por pessoa, no decorrer do relato. Quando for preço para o casal, será escrito. (U$ para dolar, Bh para Baths e os nomes dos dinheiros quando necessário!) Lembrando que todos os meus stories do dia a dia da viagem estão salvos no highlights do meu Instagram @viagensdapriscilla Depois de acompanhar as passagens por uns 3 meses, esperando preço bom para a data de nossas férias, compramos as passagens pela Turkish Airways de São Paulo a Phuket, com conexão na ida e na volta em Istambul. As duas passagens, no total, saíram por R$ 6.573,88, pela Viajanet. Com passagens compradas, definimos o roteiro e, ainda no Brasil, compramos todos os voos internos e fizemos reservas dos hotéis pelo Booking. Também reservei o passeio do Patara Elephant Farm, em Chiang Mai, e reservei e paguei o passeio do Sleep Aboard em Phi Phi. Eram coisas que eu queria muuuuito fazer, e não podia arriscar não ter vagas!!!! O Patara não cobra nada na reserva. O Sleep sim, mas eles devolvem o dinheiro no caso de desistência com aviso prévio (aliás, esse eu paguei antes de comprar as passagens! Kkkkk doidinha!). Ah! Também reservei o cruzeiro em Halong Bay pelo booking. Ficamos surpresos com a Turkish, ótimo avião, excelente serviço de bordo, e hotel com transfer gratuito para conexões maiores de 10h em Istambul. Embarcamos em Guarulhos dia 24/03 às 3h50 da manhã. Chegamos à Istambul às 22h10 de lá. Imigramos e nos dirigimos ao balcão chamado Hotel Desk, para solicitar hotel. Ficamos bem animados com a localização do hotel que nos levaram, bem próximo à praça Sultanahmet. No dia 25, acordamos bem cedo e pegamos um Uber (20 Liras no total) junto a outros 2 casais de brasileiros que conhecemos no transfer, e fomos conhecer a Mesquita Azul, Hagia Sophia e a Cisterna. Entramos somente na cisterna (20 Liras), pois a mesquita está fechada para reforma, e a basílica deixamos para a volta. Mesquita azul o fundo Cisterna Às 11h estávamos de volta ao hotel para pegar o transfer da Turkish e embarcar para a Tailândia. Chegamos em Phuket às 4h da manhã. Como eu fiz um roteiro para terminar a viagem nas praias, não ficamos ali. Pegamos o voo da Nok Air para Bangkok (R$ 198 para nós dois, + R$ 58 de IOF no cartão). O balcão do Health Control estava fechado, então o certificado internacional de vacina foi checado diretamente com o agente da imigração. Avião da Nok Air fofinho! BANGKOK – 26/03 – Grand Palace, Wat Phra kaew, Wat Pho e Khaosan Como fizemos um voo interno, chegamos pelo aeroporto Don Mueang. Trocamos 50 dolares já para os gastos iniciais e saímos pelo portão 6, pegamos o ônibus A4 (50 Baht) que para ao lado da Khaosan Road. Não precisa comprar bilhete. Uma mulher passou cobrando durante o trajeto. Como não tínhamos muita pressa, achamos bacana ir de busão e já sentir o ritmo da cidade, ver centenas de pequenos e grandes templos no caminho.... massa!!!!! Finalmente estava em Bangkok!!!! Próximo à nossa parada, a cobradora gritou “Khaosaaaaan”... descemos a 50m dela..... engraçado como de dia nem parece a mesma rua que é de noite!!!! Khaosan rd Ainda não tínhamos comprado o chip, mas o maps.me funciona muito bem offline. Baixamos todas as cidades por quais passamos e foi muito útil. Já tínhamos marcado nossos hotéis no mapa com antecedência. Seguindo, então, o mapa, chegamos ao nosso hostel. Acho que fica a uns 10 minutos de caminhada da Khaosan. Pegamos um quarto privativo com banheiro compartilhado. Gostamos muito!!! Quarto pequeno, porém novinho e cama excelente, banheiros super limpos. Tivemos sorte de quase não encontrarmos ninguém nos momentos que usamos os banheiros! Vivit hostel: 1854 Bh por 2 diárias (+- R$ 191) com café. Como o quarto ainda não estava disponível, por ser antes de meio dia, deixamos as mochilas lá e fomos bater perna, rumo ao tão esperado Grand Palace, antiga residência real e onde fica Wat Phra kaew, templo do Buda de esmeralda!!!! Era pertinho, fomos à pé. Já na entrada, para comprar os tickets, a muvuca era imensa.... senhoooor amado, quanta gente!!!! Um calor de uns 37 graus, grupos de chineses mal educados por todos os lados.... paciência e foco!!!! Eu levei um “kit templo” para essa viagem!!! Nos dias quentes que não dava pra vestir roupa comprida e com manga, eu levava na bolsa uma saia midi e um bolero de manga curta. Esquecemos que o Grand Palace é o único templo onde homem também não pode mostrar os joelhos, então o Jander teve que comprar uma calça na portaria (200 Bh). Ele estava com aquelas calças que viram short, mas esquecemos as “pernas” no hostel! Fazer o quê?! Morrer com vintão!!!! Ao entrar no templo.... woooooooow!!! Que é aquilo?????? Que coisa suntuosa, magnífica!!!!!! Respirei fundo pra não me irritar mais com o tanto de gente, e fui desbravar aquele lugar incrível! E que calor!! Realmente março e abril são meses muito quentes no sudeste asiático!! Não foi fácil!!!!! Mas o lugar valia a pena!!! Saindo do Grand Palace, foi uma mistura de felicidade intensa por ter estado naquele lugar tão incrível... e também de alívio, devido ao calor e muvuca de seres humanos diversos! Kkkkk.... Como era começo de viagem, evitamos ao máximo comer em qualquer lugar, beber coisas com gelo, pra evitar uma intoxicação... então passamos na 7 eleven logo na saída do templo para comprar uns snacks, frutas e bebidas... Trocamos mais 50 dolares ali ao lado e partimos para o Wat Pho, o templo do Buda deitado. Durante toda a viagem, pegamos cotações entre 1 dolar = 30,2 Baht e 31,02 no máximo, em Chiang Mai. Caminhamos uns 400m até a entrada do Wat Pho, pagamos 100 Bh cada, e entramos. O ticket dá direito a uma garrafa de água. Tiramos os tênis e entramos na fila da muvuca de gente pra ver o budão de boas deitado!!! Pensa num chulé lascado lá dentro, todo mundo sem os tênis naquele calor da pega!!! Kkkkkkkk... tampa o nariz e vai, meu filho!!!! Tenha paciência e respeite a fila que sua hora de tirar a foto perfeita vai chegar!!!! Saímos do templo do Budão e fomos conhecer os templinhos em volta, ainda dentro do complexo do Wat Pho.... que lugar lindooooo!!! E menos gente que o grand palace!! Saindo dalí, caminhamos mais uns 350m até o Tha Tien terminal de balsas, sentamos um pouco e ficamos observando o vai e vem de barcos no rio Chao Phraya... bem divertido!!!! Descansados, pagamos 30 Bh e pegamos o barco que atravessa o rio e deixa na entrada do Wat Arun, templo do amanhecer (50Bh). De volta ao barco, cruzamos o rio e pegamos o caminho de volta ao hostel. Paramos em um restaurante charmoso e pedimos nosso primeiro Pad Thai (160Bh)!!! Apesar de estar delicioso, o calor e o jetleg me deram um pouco de náusea... só comi um pouco e preferi ficar nos líquidos... Caminhamos 1,1km até o hostel, fizemos check-in e fomos descansar um pouco, tomar banho, e mais tarde sair para jantar na famosa Khaosan!! Passamos por ela, que diversão!!!! E fomos jantar na Rambuttri. Antes de comer, seguimos até o hotel Rambuttri para fechar o passeio do mercado flutuante e do mercado de trem na agência ao lado do hotel. Passeio fechado (valor 400Bh), seguimos em busca de comida. Meu estômago estava meio zuado, então optei por uma pasta bem ocidental!!! #sqn!! A moça disse que não era spicy, mas era!!! Afastei um pouco o molho bolognesa e comi o penne!! O carbonara do Jander não tinha nada de pimenta. (valor 650Bh jantar + bebidas). Vai uma porção de ovo de codorna frito aí?!!?!? Voltamos de novo pela Khaosan e fomos embora descansar. BANGKOK – 27/03 – Mercado do trem e mercado flutuante. Mercado de flores e Chinatown. Acordamos às 6h40 para estarmos na agência às 7h30. Estava uma chuva torrencial em Bangkok, e seria impossível ir à pé. Os taxis que passavam em frente ao hotel não paravam, e o Uber, não sabemos porque, não estava funcionando naquele momento. Então explicamos nossa situação para a recepcionista e ela fez a gentileza de ligar na agência e avisar que a gente talvez se atrasasse um pouco. Fomos de novo para a calçada e finalmente um taxi parou. Em 15 minutos, no máximo, chegamos à agência (100Bh). Atrasamos um pouco para sair, devido à chuva. Era uma van boa, nova, com nós e mais uns 8 turistas. Seguimos direto para o mercado flutuante mais tradicional de Bangkok, e mais turístico também. Os menos turísticos e mais genuínos só funcionam final de semana... então vai tu mesmo!!!! A primeira parada deveria ser no mercado sobre o trilho do trem. Mas devido ao nosso atraso, perdemos a primeira passagem do trem, e deixamos para a das 11h. Eu estava bem apreensiva com esse passeio sobre o mercado flutuante Damnoen Saduak, porque li muitos relatos dizendo que era só pra turista ver, que não valia a pena e etc.... mas como sou dessas que preciso ver para tirar minhas próprias conclusões, fui conferir e foi a melhor coisa que fiz! Apesar de hoje o mercado ter um propósito mesmo turístico, foi incrível ouvir as explicações da guia de como ele foi construído, da história da vinda dos chineses, da importância dele para os chineses na época de sua construção... e foi sensacional navegar por aqueles canais imaginando que aquilo já foi, um dia, fundamental para um grande número de imigrantes... enfim!! Foi massa demais!!!! Sem falar que como atrasamos e fomos ali primeiro, estava bem vazio no início! Depois, claro, como tudo na Tailândia, craudiou tudo!!! Kkkk Além do valor do passeio, tivemos que pagar separado para andar de barquinho (150 Bh) Terminado o passeio de barquinho, e resistido sem comprar nenhum artesanato maravilhoso, trocamos para um barco com motor para irmos ao local de “desembarque”.... foi bacana, pois passamos por outras partes dos canais, onde estão as casas... a van estava lá no esperando para seguirmos para o mercado do trilho do trem. Ao chegar ao Maeklong Railway Market, a guia logo nos mandou achar um lugar de nossa preferência perto dos trilhos, porque o trem não tardaria muito a passar. Valeria a pena ter ido lá só pela feira em si, independente do trem!!! Pois é uma feira genuína, onde os tailandeses vão para comprar seus legumes, frutas, temperos, carnes frescas (frescas depende do ponto de vista!!)... tem que ter mente aberta e estômago forte em alguns momentos, pois ver aquelas carnes sendo manuseadas de qualquer jeito, com aquela mistura de cheiros, com muito calor... C-nhor!!!!! Que loucura!!!! Até que notamos os feirantes se movimentando, recolhendo produtos, toldos... ouvimos as buzinas do trem... ansiedade!!!!e lá vem ele, passando a centímetros de nosso nariz... pelo menos no local onde ficamos, foi centímetros mesmo!!! Um pouco assustador, mas o trem passa beeeem devagar!!! Tão logo ele passa, produtos e toldos voltam instantaneamente aos seus lugares...e pronto... tudo vira apenas um mercado novamente!!!! Loucuraaaaaaa!!! Espremidos!!!!! Foi ali que tomei o meu primeiro smoothie de frutas (50Bh), arriscando pegar um gelo com procedência duvidosa... meu marido nem quis saber e ainda ficou bravo comigo! Kkkkk... não seria nada bom ter uma diarreia logo no início da viagem, com horas contadas e passeios marcados!! Mas arrisquei.... já quis adaptar logo meu organismo para novas bactérias!!! Hahahahahahaha.... e o gelo tinha procedência, porque não tive nada! Acho que levamos mais ou menos 1h30 para retornarmos à Khaosan. Dali, fomos andando ao píer Tha Tien. Ficamos totalmente perdidos porque tinha gente vendendo passeios de barco...e não entendemos muito bem.... além da quantidade de turistas... até que finalmente alguém me entendeu que eu queria ir ao flower market, e pediu pra gente esperar em determinada fila. Até que chegou nosso barco. Pagamos no barco mesmo, passou cobrador (15Bh). O duro foi saber que hora descer, porque o barco vai rápido, e na hora do píer que queríamos o cobrador estava longe pra gente confirmar, e foi uma parada bem rápida. Olhamos no Google maps e vimos que era aquele mesmo. Então descemos no próximo e voltamos à pé ao píer Yodpiman, foi menos de 500m. Esse píer é bem bonito, pois tem uma espécie de mall, onde almoçamos. Chao Phraya river Yodpiman station - foto do google Conta do almoço... entendemos tudo!!!! Então seguimos caminhado pelos fundos do mall, e entramos no mercado de flores. Muito legal!! Ali eles produzem os arranjos para enfeitar os templos, e como todo budista tem seu templo em casa, a venda desses arranjos, e flores em geral é grande. Apenas atravessamos o mercado e continuamos a caminho do Chinatown, guiados pelo maps.me. O Chinatown é um bairro cuja rua principal se chama Yaowarat rd. É verdadeiramente uma china dentro de Bangkok!!!! Adoramos o passeio... muita coisa bizarra, muitos cheiros, comida de rua, trânsito... sensacional! Deus me livre morar ali!!! Mas passear é obrigatório!!!! Hehe... ao final dessa rua Yaowarat há o Wai Traimit, onde fica o Buda de ouro maciço. Não fomos porque já estava fechado, já era mais de 17h, e também porque tava mais interessante meter-nos pelas ruas paralelas da Yaowarat observar toda aquela cultura tão distinta da nossa!!! Comemos um guioza de-li-ci-o-so!!!!!! A primeira comida de rua da viagem!!! Deu tudo certo!!! Para voltar ao hotel, pegamos o nosso primeiro tuk tuk!!! Apesar de ser mais caro que Uber, não podíamos nos privar dessa experiência! E foi massa!!! O cara andava rápido pra caramba!!! Divertido!!!! Tomamos banho e nem tivemos forças para sair!! O guioza foi suficiente para o jantar!!! BANGKOK – 28/03 - Wat Saket e Chiang Mai Como tínhamos que estar no aeroporto às 13h30, no máximo, era prudente que pegássemos um transfer às 11h. Acordamos bem cedo e fomos conhecer o Wat Saket, Temple of the Golden Mount, pois era bem pertinho do nosso hotel, 15 minutos de caminhada. No caminho, passamos por uma rua cheia de pequenas fábricas de coisas de madeira... portas, bancos.... comprei as letras do meu nome, Pri, no alfabeto tailandês. Custou uns 4 reais, no máximo. Também passamos por um prédio do governo... e vielas... Pagamos a entrada do templo (50Bh) e começamos a subir as escadas. Como pode um lugar tão silencioso e mágico bem no meio da selva de pedras???? A subida é bem tranquila, e lá de cima tem-se uma linda vista da cidade. Valeu a pena!!! Íamos para o aeroporto com o mesmo ônibus que pegamos na chegada. Afinal, tínhamos duas horas para chegar lá. Mas na hora H meu marido ficou inseguro, com medo de o trânsito piorar muito na hora do almoço. Então resolvemos pegar um uber, porque na noite anterior simulamos e ficaria uns 40 reais. Porém, às 11h da manhã, o preço subiu para 750 Bh. Mas fomos mesmo assim, apesar de caro, tivemos um pouco de conforto naquele calor de matar, e também a garantia de que chegaríamos na hora certa! No fim das contas, com o cambio e o IOF do cartão, essa corrida nos saiu por 98 reais.... xxxxeeeeçus!!!! Kkkkkkkkkk dava pra 4 pessoas almoçarem com esse valor!!! Kkkkkk tudo bem!!! Já superei!! Com muita dor, nos despedimos de Bangkok!!! E muito ansiosos por tudo que ainda estava por vir!! CHIANG MAI Eu não conseguia segurar minha felicidade de estar nessa cidade!!!! Afinal, era ali que eu passaria o dia com um elefante, meu sonho de vida!!! Reservei esse passeio antes mesmo de comprar as passagens, bem antes, pra garantir!!! Hehehehehe... alterei a data duas vezes, e foi de boa! Aterrissamos às 15h50, desembarcamos e já na saída havia as tradicionais caminhonetas vermelhas de Chiang Mai! Pagamos 40 Bh cada para ir até o hotel, e havia outros turistas no carro. Cansada e feliz!!!! Fizemos check-in no Chedi Home (3.062 Bh por 3 diárias) com direito a um welcome drink delicinha. Adoramos o hotel. Apesar da ducha ter pouca pressão, o quarto é excelente, e o café da manhã também. Como já era fim do dia, e o calor intenso, descansamos um pouco, tomamos banho e fomos à pé para o night bazaar. Foi uns 10 minutos de caminhada. Jantamos no Ploen Ruedee, um espaço com vários food trucks e música ao vivo, tomamos algumas changs e fomos caminhar pela avenida do night market. Dessa vez não resisti e comprei alguns souvenires, tudo muito lindo e barato! Voltamos ao hotel descansar porque o dia seguinte seria o melhor!!! CHIANG MAI – 29/03 – Patara Elephant Farm e Doi Suthep Acordamos às 6h40, fomos tomar café e esperar a van do Patara, que passaria nos pegar às 7h30. Eu nem acreditava que esse dia havia chegado!! Embarcamos na van e seguimos em direção às montanhas do norte da Tailândia. Seguimos por uma estrada sinuosa e, de repente, paramos próximo à beira da estrada, e o motorista apontou pra mim e pro Janderson e disse “family here”... então nós dois descemos sem entender muito, e as outras 3 turistas da van seguiram caminho.... a van nos deixou ali com uns 4 moços, e uns 6 elefantes, que estavam comendo cana de açúcar. Eu fiquei já muito emocionada de ver aqueles bichos enormes ali, soltos, e também muito nervosa e com medo! Assinamos um termo que dizia que a gente se responsabilizava por qualquer coisa que acontecesse, inclusive levar uma pisada de elefante no pé... ui ui ui!!! Os tailandeses ali não falavam inglês. Então, por meio de gestos, eles pediam pra gente se aproximar dos elefantes, encostar, e pediram meu celular pra tirar fotos minhas.... nisso, nossas mochilas ficaram em um banco de madeira próximo á rodovia... com nossos passaportes e dinheiro.... fiquei com muito receio de algo acontecer, mas fazer o quê?! Aproveitar os elefantes!!! Chorei!!!! Aos poucos fui me aproximando dos grandões, tentando perder o medo que eu nem sabia que tinha... havia uma adolescente chamada Lalaman; ela era muito geniosa e vez ou outra corria atrás de nós pra dar cabeçadas!!! Definitivamente, ela não foi com nossa cara! Passou uns 40 minutos e continuamos ali, interagindo com aqueles elefantes. Estava legal, mas comecei a achar estranho, porque não foi por aquilo que paguei! (O passeio custou 3.200 Bh/pessoa com fotos inclusas). Até que apareceu um instrutor que falava inglês e começou a nos explicar algumas coisas, ufa!!! Ele nos chamou para irmos mais adiante, até uma barraca, para sentarmos e ouvirmos como seria o passeio. E minha cabeça de brasileira desconfiada pensando nas mochilas largadas lá com tailandeses que nem falavam inglês!! O instrutor nos deu nossa roupa do Patara, justificando que os elefantes estão acostumados com ela, também nos explicou como saber se o elefante está saudável, se está nervoso... até cocô nós cheiramos para entender (cheirava cana de açúcar!). Então aprendemos alguns comandos para dar comida e para que o elefante nos acompanhe. Toda vez que ele nos obedecia, tínhamos que dizer “Didi”.... ai que fofuraaa!!!! Eu só falava didiiii.... didiiii... hahahahaha.... Após darmos umas 80 bananas, uma a uma, seguimos morro abaixo para tomar banho no rio. Pensa na alegria daqueles elefantes ao entrar na água!!!! Uma festa!!! Eu passava a escova no meu elefante, e ele pegava água com areia no fundo do rio e jogava nas costas!!!! Sujando de novo!!!! Levei um monte de jato de areia também!!! Hahahahaa Após o banho, despedimos dos nossos elefantes e ganhamos uma cesta cheia de frutas, e sticky Rice com côco enrolado na folha de bananeira, e suco. Pausa para o lanche. Lembrando que a todo momento havia um fotógrafo nos acompanhado!! Em seguida, eles nos informaram que iríamos de van para outro local, uma espécie de hospital de elefantes, para ver dois bebês.... oi?!!?!?! Eu entendi isso??? 2 bebês elefante???? Yeeeees!!! Ficamos mais de uma hora brincando com eles!!! Foi mais que um sonho!!! Após uma manhã intensa e maravilhosas, voltamos ao hotel e almoçamos ali mesmo. Saímos em direção ao centro procurar pela agência Amporn, indicada pelo blog Um Viajante, para fazer o passeio para Chiang Rai. Após fechar o passeio (1350Bh), seguimos ao templo Doi Suthep. Paramos um daqueles carros vermelhos e pagamos 40 Bh cada para ir até o Zoológico. Do zoo até o alto da montanha, pagamos 100Bh cada para subir, ficar por lá durante 1h30, descer e sermos deixamos no hotel ou qualquer lugar dentro da Old Quarter. Na volta, ficamos direto no Night Bazaar para trocar dinheiro, comprar souvenires e jantar. Continua em breve... Continuando.... CHIANG RAI – 30/03 – Bate-volta para Chiang Rai A Van da empresa Amporn passou nos pegar às 7h30 para o passeio a Chiang Rai (1.350 Bh), incluindo a vila Karen, mais conhecida como long neck woman, e o Golden Triangle, fronteira entre Tailândia, Laos e Myanmar. A primeira parada foi em um lugar chamado Hot Spring, na beira da estrada, há tipo uma feira cheia de coisas pra comprar, e próximo à feira, há fontes de águas termais, nas quais você pode colocar os pés para relaxar (lotaaaado de chineses), ou comprar tipo uma vara de pescar com uma cestinha e um ovo na ponta, e colocar esse ovo para cozinhar em uma das fontes, e comer!!! Dispensamos tudo isso e ficamos apenas olhando tudo o que tinha para vender naquela feira!! Sem querer ser chatona, mas depois de ver os geisers lá no deserto do Atacama, essas termais aí ficaram no prego do chinelo!! hihihi Seguimos viagem para a tão esperada parada, o White Temple. E não deixou a desejar! Que lugar incrível!! Aquela brancura, os detalhes, pequenos mosaicos de espelho... e os banheiros então?!?!!?!? Um luxo!! Nossa guia disse que foi bom ter chegado mais cedo, porque tinha menos pessoas..... WHAT!!?!?!? Aquilo ali de gente era pouco?? #sqn Mas deu para empurrar alguns chineses e conseguir uma boa foto!!! Hahaha... a única coisa triste que nos acompanhou em quase toda a viagem foi o céu... devido a queimadas ilegais que ocorrem em todo o sudeste asiático, o céu não ficou azul nenhum dia... mas um cinza nada glamoroso... apenas nas praias não havia essa nuvem de fumaça. Uma pena... mas não reduziu em nada a beleza dos lugares, só não favoreceu as fotos. Enfim... o verão, entre março e abril, além de temperaturas escaldantes, ainda pode ter as queimadas.... haja litros de água e de Chang pra alivar!! Hihi Esse é o banheiro do templo!!! wow! Seguimos pelo interior do país... muito legal isso! Observar a zona rural, as montanhas.... chegamos na vila da tribo, se não me engano, Akha. Há muitas tribos que vivem nas montanhas da Tailândia, algumas ainda mantêm suas tradições. Nessa que fomos, algumas mulheres se vestem com roupas típicas para os turistas conhecerem, e vendem seus artesanatos. Podemos observar um pouco de suas casas feitas de bambu.... e como eram férias escolares, havia muitas crianças brincando ali.... umas fofuras! Quem pagou o passeio completo, como nós, seguiu até os fundos dessa vila, que é onde começa a vila das “mulheres girafa”. Não gosto desse termo, prefiro o verdadeiro, que é tribo Karen. Quem não pagou, fica esperando na vila anterior. Esse pagamento é uma forma de ajudar a tribo, porque são imigrantes do Myanmar.... algo assim. Está aí outro passeio que eu estava com receio, pois muitas pessoas diziam que parecia um zoológico onde você vai pra ver gente exposta... mas vou falar uma coisa, eu gostei muito! Porque ali é onde elas vivem, independente do turismo. Enquanto seus maridos vão trabalhar nas fazendas, elas ficam ali recebendo turistas enquanto fazer seu artesanato, que a propósito é lindo. Na verdade eu que me senti Tonga, porque imagino que elas ficam pensando “esses turistas bocós atravessam o mundo pra ver a gente aqui sentada trabalhando”.... sei lá.... me senti bem! Comprei um artesanato e tirei uma foto! Quando eu organizava o roteiro, queria muito ir ao Myanmar, mas não deu tempo. Nas pesquisas, eu li que eles usavam a Tanaka como protetor solar natural. É uma árvore, eles ralam e molham pra formar uma pasta. Quando eu vi todas as mulheres Karen com Tanaka no rosto, pedi pra guia ver com uma menininha linda se ela passava takana em mim, dei umas moedinhas e ela passou. Eu fiquei muito emocionada e chorei, pois aquela menina linda, toda delicada, parecia que estava pintando uma tela!!!! 6 É linda demais!!!! Hora de ir para o Golden Triagle. Lá na fronteira, pegamos um barco e navegamos alguns minutos até a fronteira com o Myanmar, onde o guia explicou sobre problemas com tráfico de ópio e etc.... depois fomos até a fronteira com o Laos. Ali pudemos descer e dar uma volta pela feira do Laos. Os corajoso puderam provar whisky com pênis de onça, com cobra, com ópio etc.... acho que ficamos ali uns 40 minutos e voltamos pro barco. Vai encarar um whiskinho?! Portal do Laos! De volta à van, seguimos para o restaurante: Buffet livre de comida tailandesa!!!!! Genteeeee.... mas eu comi tanto que fiquei até com vergonha!! Provei as nada, pouco e muito apimentadas... não perdi a chance!!! Hehehe.... amei!!! A viagem de volta foi super cansativa... durou 4h em uma estrada sinuosa, com uma parada pra xixi. Chegamos ao hotel moídos. O Janderson foi na 7 eleven buscar uns lanches e jantamos no quarto mesmo. SIEM REAP - CAMBOJA – 31/03 – Voo de Chiang Mai para Siem Reap (U$ 192 o casal) e circuito grande. Pedimos um Uber às 6h para o aeroporto (R$ 20,00). Nosso voo da Air Asia tinha uma conexão de uma hora em Bangkok. Tomamos um café caro pacarai no aeroporto e partimos para o Cambodia. Levem caneta na mochila de mão, porque tem que preencher o cartão de entrada em cada país que passamos. Ao chegar, seguimos ao balcão para fazer o pagamento do visto (U$30) e deixar nossos passaportes. Seguimos para o outro balcão onde esperamos pelos passaportes já com o visto. Isso durou uns 20 minutos. Passaporte em mãos, passamos pela imigração e saímos do aeroporto. Dessa vez achei que teríamos transfer esperando com plaquinha e nossos nomes... mas não dá pra ser rico nessa vida: eu me esqueci de enviar email ao hotel com horário da chegada. Enfim, pegamos um taxi credenciado e a corrida ficou U$ 10. Lembrando que no Cambodia não precisa trocar os dólares, pois lá eles aceitam. Então foi um baque sair da Tailândia, onde 100 Baths era 10 reais, e chegar no Cambodia, tudo em dólar.... ainda mais com nosso temers desvalorizados.... bola pra frente que quem converte não se diverte!!! Nosso hotel tinha uma piscina maravilhosa, café da manhã excelente e camas muito boas, mas o banheiro era meio aspecto de sujo. Pagamos U$53 por duas diárias, barato demais!! Então tá tudo certo! Pedimos informações sobre os passeios e acabamos contratando um tuk tuk ali pelo hotel mesmo, para os dois dias (U$38), incluindo o nascer do sol no Angkor Wat. Nosso motorista não era muito de conversa, apesar de simpático, e não serviu de guia, como já li por aí muitos motoras de tuk tuk vão explicando tudo. Tive que me valer dos meus guias em PDF para entender um pouco sobre os templos. Ate cotei o guia Alex, que fala português, mas ele cobra U$70 por pessoa, o que não estava em nosso orçamento. Também não quisemos guia em inglês porque C-nhor amado!!! Como entender aquela pronúncia dos cambodianos?!?!!?!? Tinha hora que só na mímica! Como ainda tínhamos a tarde pela frente, fomos fazer o circuito grande, que leva esse nome porque as distâncias entre os templos são mais longe. Pegamos nosso guia e mapa e partiu Angkor. Nosso motora parou na bilheteria para comprarmos o ticket de 3 dias (U$62... isso mesmo... U$124 para nós dois... 0_0...). começou uma chuva de leve, mas logo parou e deu pra visitar de boas... só que não teve pôr do sol. Até fomos a um templo para isso, mas o sol estava encoberto pelas nuvens. Foi lindo, mas não se compara às fotos do entardecer de lá que vemos por aí!!! Maravilhados com tudo aquilo, voltamos para o hotel, curtimos um pouco da piscina. Após o banho, saímos para jantar na Pub Street. Nosso hotel era perto, mas muita preguiça de caminhar, então pegamos tuk tuk (U$2 o casal). Tanto como em Bangkok quanto em Chiang Mai, Siem Reap tem a sua rua louca!! São algumas quadras de bares, restaurantes, comida de rua, artesanato.... woooow!!!! Eu A-MEI a pub street!! A melhor de todas!! Sem falar que meio litro de chop custa 1 dolar!! SIEM REAP – 01/04 – Angkor Wat e circuito pequeno Como combinado com nosso motora no dia anterior, acordamos às 4h para ir ver o sol nascer no magnífico Angkor Wat. Nosso hotel havia deixado preparado nossa marmita do café da manhã. Estacionamos, marcamos bem a árvore ao lado do tuk tuk, porque um mundaréu de gente chegava também!! Caminhamos naquele breu imenso seguindo o fluxo de gente até chegarmos no lago. Ali, tinha um vendendo de café e chá. Compramos um pra podermos sentar nos tapetes bem na beira do lago (4U$) Aquela multidão ansiosa ali... maaaaaaas... o sol não nasceu... buááááá.... ele até se esforçou!! Mas nada! Não tivemos sorte!! Foi lindo, mas imaginem com sol?!!?!? Vejam: Imaginem com sol nascendo atrás do templo! Tomamos nosso café ali mesmo, enquanto o dia surgia... e partimos desbravar o sublime Angkor Wat. Gente, sério! É magnífico!! Pensar na história daquilo ali, de ter sobrevivido ao tempo, às guerras, aos seres humanos... de arrepiar!!! Imagine com um bom guia?! Acho que ficamos mais de uma hora por ali. E voltamos para o estacionamento, que ainda tinha o circuito pequeno inteiro para visitar!! O mais esperado era, claro o Ta Phrom, e fazer carão de Angelina Jolie nas fotos!!! Hehehe É impressionante ver essas árvores sobre as ruínas!!!!! Olha vou falar uma coisa... andar pelos templo cansa muuuito! É um sobe desce em degraus imensos e irregulares!! Um calor!!! E a fome foi batendo! Sorte que em todo lugar tem saquinho de manga ou abacaxi mega doces pra comprar!!! A hora que deu umas 13h30 chegamos ao limite! E pedimos para nosso motora nos deixar na pub street. Como era domingo de páscoa, decidimos ter um almoço especial de comida típica!!! Amei o picadinho de carne deles, chama-se Lok Lok... também comemos sopas e peixes da culinária Khmer. Eles usam muito galangal, um tipo de gengibre, e capim limão.... as sopas são apimentadas e refrescantes... também usam uma massa de peixe fermentado nas sopas... gosto forte e exótico...gostei de tudo!! Após almoço voltamos ao hotel pra tirar um cochilo que não deu muito certo, pois acordamos já no início da noite. Então bora voltar pra pub street comprar souvenir e despedir daquele lugar top demais!!! O night market de lá tem roupas muito baratas, e panos também (pashmina, toalhas de mesa etc)... e lá no fundo do mercado tem um palco onde ladyboys se apresentam transvestidas...tipo um show de dublagem.... meio bizarro, porque é tipo a propaganda da prostituição explícita.... ficamos uns 3 minutos olhando mas logo saímos...uma delas ficou encarando meu marido!! Hahahaha.... Neste dia voltamos embora a pé, para poder ver um pouco mais das ruas, das feiras, das comidas de rua.... que diferente, massa!!!! SIEM REAP – 02/04 – APOPO e voo para Bangkok Nesse dia eu queria ir para Beng Mealea, templo afastado da cidade. Mas a gente vinha de ritmo intenso de acordar cedo, passear muito, calor, estômago meio ruim.... Então acordamos mais tarde, tomamos café e resolvemos dar uma descansada, pois ainda tinha muita viagem pela frente! Acabamos o café já era umas 10h00.... voltamos ao quarto arrumar as coisas, e pegamos um tuk tuk para ver a pub street de dia.... tomamos umas cervejas, almoçamos lá pelas 13h30 e decidimos ir conhecer o Apopo, um projeto no qual eles treinam ratazanas para encontrarem minas explosivas pelo olfato (U$5). Pesquisem na internet sobre os HeroRats. É incrível!! Ratos salvando vidas! Rato James! Minas encontradas por ratos. No início da noite, pegamos o transfer gratuito do hotel (pois não pegamos quando chegamos) e fomos pro aeroporto. Embarcamos para Hanoi, no Vietnã (R$ 700 o casal), mas com conexão de uma noite em Bangkok. Então pegamos um hotel ao lado do Don Mueang, Hotel Hopper’s place (900Bh). Até dormir, já era meia noite, e o transfer gratuito sairia do hotel às 3h30. Achamos muito cedo, considerando que o hotel era perto e o voo era às 6h45. Mas foi a melhor coisa que fizemos, pois como quase todo aeroporto da Ásia, estava lotaaado já pela manhã. HANOI - VIETNÃ – 03/04 – Conhecendo Hanoi Às 8h30 já estávamos aterrissando em Hanoi. Fomos até o balcão para tirar o visto, mais ou menos como no Camboja (U$ 25), levou uns 40 minutos. E que emoção chegar ao Vietnã!!! Até então só visto em filmes de guerra!! Pegamos uma van no aeroporto que enche de gente e vai deixando nos hotéis do centro histórico (U$ 6 o casal). Quanto mais nos aproximávamos do centro, mais louco ia ficando o trânsito!! Aquele caos de motos e pedestre, mas que funciona! Descemos da van e andamos umas 5 quadras até o hotel. Duas vendedoras tipo de pão frito viram os 2 turistas bocós com suas mochilas, e já vieram empurrar a sacola do pão cobrando 2 dolares, e colocando a sacola em nossa mão, falando e sorrindo, tudo muito rápido. Demos 1 dolar e pegamos 2 pães e saímos.... apesar de muito gostoso, não valia tudo aquilo... aprendemos a lição: nem olhar para os vendedores e seguir andando! Após o check-in (aliás, como os recepcionistas são simpáticos!!), deixamos as malas e corremos desbravar a cidade. Que loucuraaaa!!! Eu amei tudo!!!! Achei realmente incrível, uma cidade enérgica, louca.... fantástico!!! Quero voltar!! O que é atravessar a rua nessa cidade?!!?!? Medoooooo... Após passar pelo lago Hoan Kiem, bem próximo ao nosso hotel, seguimos para conhecer o Templo da Literatura, o que já foi a primeira universidade do país. Aluguei um áudio guia e fiquei simplesmente maravilhada com aquele lugar!! Eu que sou formada em Letras, estava no templo da sabedoria! Amazing!!!!! Dois tickets custaram 60 mil Dongs, o que dá mais ou menos 10 reais. O áudio guia acho que foi uns 20 reais. Entrada Por este caminho só passavam os governantes e os mestres do saber Fotos dos formandos!! Tudo muito incrível! Foi próximo ao templo que tomamos nosso primeiro café vietnamita, tão famoso! Tomamos um gelado com sorvete de coco, e o tradicional com leite condensado. Como não gosto muito de café doce, prefiro o gelado com coco! Mas os dois são bons! Fiquei uns 15 minutos esperando o café passar em cima do leite condensado!!! Seguimos a pé para o museu da guerra (80mil Dongs o casal). Tínhamos apenas meia hora até fechar, então foi rapidinho!! na parte interna havia muitas fotos e informações Depois fomos para o Thang Long Water Puppet Theater (Uns 15 reais). Gente, que demais!!!! É tão bizarro e engraçado, e ao mesmo tempo tão fofo... super recomendo!!! Porque faz parte da tradição deles, e eu teria ido só pela música, que é ao vivo!!! Parece bobo, mas é a forma de retratarem toda a cultura deles. Demais!!!! o palco é uma piscina as marionetes saem da água!!! e a banda fica ao lado Jantamos em uma hamburgueria e fomos descansar. Andamos mais que notícia ruim nesse dia! Diária no Hanoi Stella Hotel (bom!) + 1 kg de roupa na lavanderia = U$ 32 HANOI - VIETNÃ – 04/04 – Halong Bay Além de estar no Vietnã, que já é demais, chegou o dia de ir para Halong Bay. Reservamos o cruzeiro pelo booking, com base nas avaliações (U$ 210 com transfer). O onibus atrasou bastante para nos pegar no hotel. Tomamos café rapidamente para estarmos prontos às 7h30, e eles chegaram às 9h.... fazer o quê?! Levamos umas 4h para chegar em Halong. Embarcamos e começamos nosso lindo passeio por aquela baía magnífica. Nosso barco era intermediário, conforme o que pagamos. Nosso quarto era bom e a comida excelente. Tudo ok! Nada extraordinário! O passeio foi o bem tradicional: almoço, surprise cave, caiaque em um lugar belíssimo, cooking class, jantar, pernoite, café, view point, praia, almoço e retorno. Eu amei!!!! Plantações de arroz ao longo do caminho... Iniciando a navegação! enfrentando o trânsito na subida para a caverna.... a imensa e linda Surprise Cave! Vista ao sair da caverna De volta ao barco! Nada mal esse caiaque, hem!? Pode haver fim de dia mais lindo!?!!? Demais! E não parava de ficar lindo! Nem de noite!! Aprendendo a fazer o spring roll do Vietnã! HANOI - VIETNÃ – 05/04 – Halong Bay e retorno para Hanoi Bom dia with a view!!!!!! Que tal a vista da minha janela??? view point... após muitos degraus!!! valeu o esforço! só pra dizer que molhei as canelas!!! Mozão nem pensando na fatura do cartão que estava por vir!!! hehehehe O passeio terminou ao meio dia. Pegamos o busão de volta pra Hanoi. Umas 16h30 já estávamos no hotel. Só deixamos as coisas e fomos curtir um pouco mais da cidade, pois no dia seguinte, pela manhã, já iríamos embora. Sim! Apenas 3 dias no Vietnã, pois eu achei melhor ir pouco que ir nada! E ficou a vontade imensa de voltar, porque tem muuuuuito mais o quer ver pelo país. O chapeu não é pra turista ver... eles usam mesmo! A maioria dos prédios são estreitos para pagar menos impostos One Pilar Pagoda Mausoleu de Ho Chi Minh.... até às 11h é permitido entrar para ver o corpo do principal lider que eles já tiveram, e gratuito. The note, uma cafeteria toda estilosa cheia de recadinhos!!! finalmente achamos um bar de breja artesanal na viagem!! 3.wmv Neste video, imagens das ruas, da tentativa de atravessar a rua, e de uma rua badalada!
  15. Olá pessoal!! Dia 23/03 eu e meu marido embarcaremos para o sudeste asiático, com uma conexão de um dia em Istambul. Quem quiser acompanhar a viagem pelos stories, meu insta é @viagensdapriscilla Meu roteiro já está definido: Bangkok - 3 dias Chiang Mai - 2 dias Chiang Rai - 1 dia bate e volta Siem Reap - 3 dias Hanoi - 3 dias Kuala Lumpur - 28 horas Krabi - Railay beach - 3 dias Ko Phi Phi - 5 dias Istambul - 1 dia Estou muito ansiosa!!! abraço
×