Ir para conteúdo

fernandos

Membros
  • Total de itens

    566
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

51 Excelente

Links para Redes Sociais

3 Seguidores

Sobre fernandos

  • Data de Nascimento 15-01-1979

Bio

  • Ocupação
    Policial Civil

Outras informações

Últimos Visitantes

2.326 visualizações
  1. Ual que viagem bacana, meu tipo de trip! Parabéns! Ainda quero conhecer a Serra Catarinense, esta na lista para 2020. Quanto a Laguna, é minha praia preferida em SC, por motivos afetivos, adoro tudo lá. Quanto a Gramado, é um polo para um turismo de consumo, é quase uma cidade cenográfica. Não é meu tipo de passeio, mas não critico quem goste.
  2. DEC 27 Praias, Tesouros Arquitetônicos e muita história.Laguna.Santa Catarina.2019 1º Dia: Malas prontas e “lá se vamos” para as praias catarinenses. Como a folga era curta o jeito foi viajar perto. Laguna era um destino afetuoso, já que é a primeira praia que me recordo de infância. Da travessia de balsa, até o farol de Santa Marta, vendo os botos nadando, o centrinho e o restaurante Baleia Branca, e o tal pinguirito, que era uma localidade longe, que nos serviu de ponto de referencia uma vez, e de tão curioso que achamos o nome virou apelido de um de nossos cachorros. Enfim boas e longínquas lembranças de ser criança. Agora 30 anos “despues”, vamos nos a Laguna outra vez. Saímos tarde passado das 10 horas da manhã, mas tudo certo, pois o check in no hotel seria somente as 14 horas. Tava na conta das 4 horas e 30 de viagem entre a Serra Gaúcha e Laguna. Mal andamos 1 hora, e o carro faz um barulhão, ploc...ploc...ploc… O que será? O cano que caiu? Coisa pior? Parei o carango onde deu, no caso uma parada de ônibus, a beira da rodovia. E graças! Era só um pneu! (achava eu que era só um pneu...). Pneu trocado, qual não é minha surpresa! O estepe estava murcho. Macacos me mordam! Paguei o preço da preguiça de encher o estepe. E lá fomos nós carroceando estrada a fora, a 60 km por hora, em busca de um borracheiro. Foram 30 longos km, sob o olhar feroz de minha patroa. Enfim na localidade de Tainhas encontramos um borracheiro, encheu o pneu, compramos outro estepe, pois, aquele não nada mais, e segue o baile gaiteiro! O restante da viagem foi tranquila, até chegarmos ao Hotel Ravena. Antigo, deve ter sido fundado pelos anos 50, mas foi todo reformado, diz a lenda que funcionava um Cassino ali, quando era permitido o jogo nas terras tupiniquins. Check in feito, fomos pro quarto, com vista pro mar, e hotel com piscina, ali já vi que os dias passados em Laguna seriam ótimos, e assim foram. O Detalhe é que eram passadas 15 horas da tarde, e não havíamos almoçado ainda, lá vamos nós catar algo para comer. Saímos a esmo andando pela avenida, que beira a orla, e nos deparamos com o restaurante Ponto 10, que se tornaria um dos nossos queridinhos nessa estada. Dois pastéis de camarão muito bem feitos, e uma cerveja artesanal Malteza Laguna Craft Beer, começamos bem! Depois uma passada na praia, vazia por sinal, o que foi uma tônica desses dias, tudo quase deserto. A água estava gelada, mas como sou gaúcho, me banhei mesmo assim. Uns tibuns no mar, e voltar pro hotel para descansar. Lá pelas 21 horas, saímos para desbravar a noite lagunense, meu principal objetivo era conhecer a cervejaria Laguna Craft Beer, já que adoro uma ceva artesanal. E não foi difícil, andamos um pouco pela rua principal da praia do Mar Grosso, onde estávamos hospedados, com algumas boas opções de restaurantes e lancherias, mas acabamos mesmo na cervejaria tomando deliciosos chopps, o de trigo, me encantou, achei sensacional, levemente cítrico e azedo. Alguns “pints” depois, achar o que comer, acabamos no El Chicano, com boas opções de pratos Mex-Tex. Jantamos muito bem, e tomamos mais uns chopps. E assim terminou nossa primeira noite em Laguna, com boa comida, boa bebida e curtindo a brisa da praia quase vazia. 2º Dia: Despertamos passadas 9 horas, não somos de acordar cedo, e isso é o bom de ficar em hotel, o café ser servido até as 10 horas, nos obriga a levantar até esse horário. Pois ninguém é doido de perder café free. Café muito bom por sinal, alias tudo foi muito bom na nossa estada no Ravena. De bucho cheio, partiu. Primeiro fomos nos Molhes da Barra da Lagoa, perto do hotel. O lugar é lindo, com os quebra mar, e divido pela lagoa, do outro lado da pra ver ao longe a Pedra do Frade, um dos atrativos turísticos da cidade, se quiser da para atravessar de barco por R$ 2,00 por pessoa (sem automóvel). Lindo ver as ondas quebrando contra as pedras do farol. Ali também na lagoa, é feita a famosa Pesca com Botos, um fenômeno incrível, onde os botos ajudam os pescadores na pescaria. Mas nesse dia não vimos botos pescando, vi apenas um próximo ao Farol. Os Molhes da Barra são um lugar de belíssimas paisagens, um passeio imperdível. Depois partimos para o Farol de Santa Marta. O nome desse lugar era lendário em meu imaginário de criança e nem sabia bem porque, mas tentaria descobrir nesse dia. Da Praia do Mar grosso são quase 1 hora até o Farol, que fica num cabo, que se chega através de uma balsa. A balsa custa R$ 17 por automóvel (achei meio salgado). A travessia de Balsa é tranquila, se pode ficar no carro, ou sair e curtir a brisa e a vista da Lagoa, mas dessa vez não vi nenhum boto. Do outro lado mais uns 20 km de estrada, e chegamos a praia do Farol. Mas estava interditado o acesso de veículos ao farol, e começamos a dar voltar infindáveis pelas ruelas do morro, para achar um lugar próximo para estacionar, já que minha amada estava com pé machucado, e não podia andar muito. Depois de uma meia hora tonteando, pelas vielas do local, estacionei perto da praia. Linda, linda, que lugar fantástico, uma enseada costeada por rochedos. Deixei a prenda sentada na beira mar, e me lancei ao tal Farol famoso. Uma subida ruim, entre vielas estreitas, sem placa alguma, passando entre cachorros latindo, e uma subidinha bem forte. Peguei a trilha errada ainda, entre mato e cactos, tendo que atravessar uma cerca, mas cheguei. E lá em cima uma placa escrito: Cuidado Cobras venenosas. Ainda bem que li isso só agora, se não ia dar uma cagaço na subida. Daí não entendi muito a fama do lugar, tá é bonito, tem uma vista da praia, mas meio que só. Lá de baixo é até mais bonito. E acabei não entendo tanto o fascínio pelo Farol, acho que é pelo fato do povo, chamar o cabo onde fica o farol, de Farol de Santa Marta, Farol deve ser todo conjunto, não só o Farol em si. Penso eu ao menos. Pelo menos desci pela trilha certa. E lá na praia tudo é lindo, um solzão de dar gosto, praia quase vazia (como eu gosto). E almoçamos no Restaurante Sabor Divino, bem simples até, mas a beira mar. Um PF caprichado com peixe grelhado a R$ 20,00 por pessoa. Ficamos mais um tempo ali apreciando o mar, e a paradisíaca paisagem do local, que na verdade não da vontade de ir embora. No Farol existem vários restaurantes, algumas lojas de artesanato, e pousadas, o local é bem calmo, e bem procurado por turistas em busca de paz e tranquilidade. A noite voltamos a Avenida Senador Galotti, a principal da praia do Mar Grosso, mais um chopps cremosos no Laguna Craft Beer, e um hamburguer no food truck que fica no local. Hamburguer bom e honesto e acabamos a noite comendo deliciosas sobremesas no Ponto 10, a beira-mar. 3º Dia: Tomamos café e fomos ao mar, em frente ao hotel, curtir o sol e as águas calmas da praia do Mar Grosso. Depois rumo ao centro histórico de Laguna. Cara! Se Laguna tivesse só o centro histórico, já seria um destino incrível. Aconselho investir no mínimo 1 hora por lá, e se perder pelos lindos casarões históricos, estilo português, um mais lindo que o outro, a grande maioria muito bem conservado, nos fazendo sentir em outro tempo, ao andarmos por aquelas ruas. É um encanto para quem gosta de arquitetura e história. Tem também a Igreja Matriz, a Casa de Anita Garibaldi, e a Fonte da Carioca e vários outros atrativos. Acabamos almoçando no Pardhal’s, com um delicioso buffet de frutos do mar a bom preço. E depois partir rumo a Criciúma e Nova Veneza em busca de outras aventuras, mas isso é assunto para o próximo post. A noite mais uma volta no centro e fomos jantar no Ponto 10, um delicioso peixe papa terra, com guarnição de molho de butiá, um sabor único e delicioso. O lugar é muito bom, bem sofisticado, bom atendimento e pratos divinos. 4º Dia: Nosso ultimo dia nas terras de Anita Garibaldi, acordei cedo para me despedir do mar. E resolvi voltar a Molhes da Barra, para ver se dava sorte e pegava a Pesca com Botos. E não me arrependi, pude presenciar dois botos ajudando os pescadores no seu oficio. Um espetáculo único e muito cativante. Ali fiquei por um bom tempo apreciando a graciosidade dos Botos, como são sortudos esses pescadores que podem conviver diariamente com criaturas tão magnificas. Com a alma alimentada, hora de alimentar a barriga, café da manhã no hotel, e me despedir mais uma vez de Laguna, com encantamento renovado, um lugar que realmente mora em minha alma, e que só me deixa vontade de retornar. Outras Fotos: Rota: Postado há 3 hours ago por Unknown
  3. DEC 27 Praias, Tesouros Arquitetônicos e muita história.Laguna.Santa Catarina.2019 1º Dia: Malas prontas e “lá se vamos” para as praias catarinenses. Como a folga era curta o jeito foi viajar perto. Laguna era um destino afetuoso, já que é a primeira praia que me recordo de infância. Da travessia de balsa, até o farol de Santa Marta, vendo os botos nadando, o centrinho e o restaurante Baleia Branca, e o tal pinguirito, que era uma localidade longe, que nos serviu de ponto de referencia uma vez, e de tão curioso que achamos o nome virou apelido de um de nossos cachorros. Enfim boas e longínquas lembranças de ser criança. Agora 30 anos “despues”, vamos nos a Laguna outra vez. Saímos tarde passado das 10 horas da manhã, mas tudo certo, pois o check in no hotel seria somente as 14 horas. Tava na conta das 4 horas e 30 de viagem entre a Serra Gaúcha e Laguna. Mal andamos 1 hora, e o carro faz um barulhão, ploc...ploc...ploc… O que será? O cano que caiu? Coisa pior? Parei o carango onde deu, no caso uma parada de ônibus, a beira da rodovia. E graças! Era só um pneu! (achava eu que era só um pneu...). Pneu trocado, qual não é minha surpresa! O estepe estava murcho. Macacos me mordam! Paguei o preço da preguiça de encher o estepe. E lá fomos nós carroceando estrada a fora, a 60 km por hora, em busca de um borracheiro. Foram 30 longos km, sob o olhar feroz de minha patroa. Enfim na localidade de Tainhas encontramos um borracheiro, encheu o pneu, compramos outro estepe, pois, aquele não nada mais, e segue o baile gaiteiro! O restante da viagem foi tranquila, até chegarmos ao Hotel Ravena. Antigo, deve ter sido fundado pelos anos 50, mas foi todo reformado, diz a lenda que funcionava um Cassino ali, quando era permitido o jogo nas terras tupiniquins. Check in feito, fomos pro quarto, com vista pro mar, e hotel com piscina, ali já vi que os dias passados em Laguna seriam ótimos, e assim foram. O Detalhe é que eram passadas 15 horas da tarde, e não havíamos almoçado ainda, lá vamos nós catar algo para comer. Saímos a esmo andando pela avenida, que beira a orla, e nos deparamos com o restaurante Ponto 10, que se tornaria um dos nossos queridinhos nessa estada. Dois pastéis de camarão muito bem feitos, e uma cerveja artesanal Malteza Laguna Craft Beer, começamos bem! Depois uma passada na praia, vazia por sinal, o que foi uma tônica desses dias, tudo quase deserto. A água estava gelada, mas como sou gaúcho, me banhei mesmo assim. Uns tibuns no mar, e voltar pro hotel para descansar. Lá pelas 21 horas, saímos para desbravar a noite lagunense, meu principal objetivo era conhecer a cervejaria Laguna Craft Beer, já que adoro uma ceva artesanal. E não foi difícil, andamos um pouco pela rua principal da praia do Mar Grosso, onde estávamos hospedados, com algumas boas opções de restaurantes e lancherias, mas acabamos mesmo na cervejaria tomando deliciosos chopps, o de trigo, me encantou, achei sensacional, levemente cítrico e azedo. Alguns “pints” depois, achar o que comer, acabamos no El Chicano, com boas opções de pratos Mex-Tex. Jantamos muito bem, e tomamos mais uns chopps. E assim terminou nossa primeira noite em Laguna, com boa comida, boa bebida e curtindo a brisa da praia quase vazia. 2º Dia: Despertamos passadas 9 horas, não somos de acordar cedo, e isso é o bom de ficar em hotel, o café ser servido até as 10 horas, nos obriga a levantar até esse horário. Pois ninguém é doido de perder café free. Café muito bom por sinal, alias tudo foi muito bom na nossa estada no Ravena. De bucho cheio, partiu. Primeiro fomos nos Molhes da Barra da Lagoa, perto do hotel. O lugar é lindo, com os quebra mar, e divido pela lagoa, do outro lado da pra ver ao longe a Pedra do Frade, um dos atrativos turísticos da cidade, se quiser da para atravessar de barco por R$ 2,00 por pessoa (sem automóvel). Lindo ver as ondas quebrando contra as pedras do farol. Ali também na lagoa, é feita a famosa Pesca com Botos, um fenômeno incrível, onde os botos ajudam os pescadores na pescaria. Mas nesse dia não vimos botos pescando, vi apenas um próximo ao Farol. Os Molhes da Barra são um lugar de belíssimas paisagens, um passeio imperdível. Depois partimos para o Farol de Santa Marta. O nome desse lugar era lendário em meu imaginário de criança e nem sabia bem porque, mas tentaria descobrir nesse dia. Da Praia do Mar grosso são quase 1 hora até o Farol, que fica num cabo, que se chega através de uma balsa. A balsa custa R$ 17 por automóvel (achei meio salgado). A travessia de Balsa é tranquila, se pode ficar no carro, ou sair e curtir a brisa e a vista da Lagoa, mas dessa vez não vi nenhum boto. Do outro lado mais uns 20 km de estrada, e chegamos a praia do Farol. Mas estava interditado o acesso de veículos ao farol, e começamos a dar voltar infindáveis pelas ruelas do morro, para achar um lugar próximo para estacionar, já que minha amada estava com pé machucado, e não podia andar muito. Depois de uma meia hora tonteando, pelas vielas do local, estacionei perto da praia. Linda, linda, que lugar fantástico, uma enseada costeada por rochedos. Deixei a prenda sentada na beira mar, e me lancei ao tal Farol famoso. Uma subida ruim, entre vielas estreitas, sem placa alguma, passando entre cachorros latindo, e uma subidinha bem forte. Peguei a trilha errada ainda, entre mato e cactos, tendo que atravessar uma cerca, mas cheguei. E lá em cima uma placa escrito: Cuidado Cobras venenosas. Ainda bem que li isso só agora, se não ia dar uma cagaço na subida. Daí não entendi muito a fama do lugar, tá é bonito, tem uma vista da praia, mas meio que só. Lá de baixo é até mais bonito. E acabei não entendo tanto o fascínio pelo Farol, acho que é pelo fato do povo, chamar o cabo onde fica o farol, de Farol de Santa Marta, Farol deve ser todo conjunto, não só o Farol em si. Penso eu ao menos. Pelo menos desci pela trilha certa. E lá na praia tudo é lindo, um solzão de dar gosto, praia quase vazia (como eu gosto). E almoçamos no Restaurante Sabor Divino, bem simples até, mas a beira mar. Um PF caprichado com peixe grelhado a R$ 20,00 por pessoa. Ficamos mais um tempo ali apreciando o mar, e a paradisíaca paisagem do local, que na verdade não da vontade de ir embora. No Farol existem vários restaurantes, algumas lojas de artesanato, e pousadas, o local é bem calmo, e bem procurado por turistas em busca de paz e tranquilidade. A noite voltamos a Avenida Senador Galotti, a principal da praia do Mar Grosso, mais um chopps cremosos no Laguna Craft Beer, e um hamburguer no food truck que fica no local. Hamburguer bom e honesto e acabamos a noite comendo deliciosas sobremesas no Ponto 10, a beira-mar. 3º Dia: Tomamos café e fomos ao mar, em frente ao hotel, curtir o sol e as águas calmas da praia do Mar Grosso. Depois rumo ao centro histórico de Laguna. Cara! Se Laguna tivesse só o centro histórico, já seria um destino incrível. Aconselho investir no mínimo 1 hora por lá, e se perder pelos lindos casarões históricos, estilo português, um mais lindo que o outro, a grande maioria muito bem conservado, nos fazendo sentir em outro tempo, ao andarmos por aquelas ruas. É um encanto para quem gosta de arquitetura e história. Tem também a Igreja Matriz, a Casa de Anita Garibaldi, e a Fonte da Carioca e vários outros atrativos. Acabamos almoçando no Pardhal’s, com um delicioso buffet de frutos do mar a bom preço. E depois partir rumo a Criciúma e Nova Veneza em busca de outras aventuras, mas isso é assunto para o próximo post. A noite mais uma volta no centro e fomos jantar no Ponto 10, um delicioso peixe papa terra, com guarnição de molho de butiá, um sabor único e delicioso. O lugar é muito bom, bem sofisticado, bom atendimento e pratos divinos. 4º Dia: Nosso ultimo dia nas terras de Anita Garibaldi, acordei cedo para me despedir do mar. E resolvi voltar a Molhes da Barra, para ver se dava sorte e pegava a Pesca com Botos. E não me arrependi, pude presenciar dois botos ajudando os pescadores no seu oficio. Um espetáculo único e muito cativante. Ali fiquei por um bom tempo apreciando a graciosidade dos Botos, como são sortudos esses pescadores que podem conviver diariamente com criaturas tão magnificas. Com a alma alimentada, hora de alimentar a barriga, café da manhã no hotel, e me despedir mais uma vez de Laguna, com encantamento renovado, um lugar que realmente mora em minha alma, e que só me deixa vontade de retornar. Outras Fotos: Rota:
  4. Você vai encarrar uma longa viagem de carro logo no primeiro dia, depois de ter passado uma noite em claro no avião, e de provavelmente já não ter dormido direito na noite anterior a viagem devido aos preparativos de última hora? Você vai chegar lá cansado e com sono, e encarar uma longa viagem de carro nestas condições é super perigoso! Pessoalmente eu nunca faria uma coisas destas! Eu dormiria pelo menos uma noite em Paris para descansar um pouco. _______________________________________________________________________________________________________________ Respondendo as perguntas. Não não vamos viajar direito de Paris sem dormir. Pretendemos ficar uns 15 dias, nossa base é Paris onde um casal de amigos mora. Ficaremos 1 ou 2 dias lá na ida e depois na volta. Quanto ao tempo de viagem de carro não é muito problema, estou acostumado a longas viagens, e seremos 2 motoristas, da pra revesar e viajar 6 horas diretas bem de boas, já fizemos isso. Bem interessante a dica de cidades pequenas, sinceramente até prefiro, mas não sei quais vale a pena visitar, tem alguma sugestão? Realmente estamos um pouco perdidos em montar o roteiro, saber equacionar quanto tempo em cada lugar esta difícil. Quanto ao tempo, concordo em partes, pois, tempo é relativo. Acredito que o que vale é o quão belo é o lugar, e não o tempo que se passa. Afinal 8 segundos em cima de um touro é uma eternidade. kkk (brincadeirinha). Valeu ótimas dicas! estou anotando tudo.
  5. Pontos Turísticos de Porto Alegre Usina do Gasômetro Igreja Nossa senhora das Dores Cais Mauá Nova Orla do Guaíba (parque Moacyr Scliar) Casa de Cultura Mario Quintana Catedral Metropolitana Centro Histórico Cidade Baixa (Reduto Boêmio de POA) Jardim Botânico (Fundação Zoobotânica) Lago Guaíba MARGS- Museu de Arte do Rio Grande do Sul Santander Cultural Mercado Público de Porto Alegre Parque da Redenção (Parque Farroupilha) Praça Matriz (Praça Marechal Deodoro) Prefeitura Estatuas de Mario Quintana e Carlos Drummond, na Rua da Praia Viaduto da Borges de Medeiros
  6. Pontos Turísticos de Porto Alegre Usina do Gasômetro Igreja Nossa senhora das Dores Cais Mauá Nova Orla do Guaíba (parque Moacyr Scliar) Casa de Cultura Mario Quintana Catedral Metropolitana Centro Histórico Cidade Baixa (Reduto Boêmio de POA) Jardim Botânico (Fundação Zoobotânica) Lago Guaíba MARGS- Museu de Arte do Rio Grande do Sul Santander Cultural Mercado Público de Porto Alegre Parque da Redenção (Parque Farroupilha) Praça Matriz (Praça Marechal Deodoro) Prefeitura Estatuas de Mario Quintana e Carlos Drummond, na Rua da Praia Viaduto da Borges de Medeiros
  7. Mais 3 canais legais que comecei a acompanhar: Mochila e Violão, Uma Brasileira no Egito e Motochileiro.
  8. A principio estamos na duvida entre esses dois Roteiros: Roteiro 1- Paris x Venza dia.1. Paris- pernoite Genebra dia.2, 3 e 4. Milão- bate e volta em Veneza- dia.5. Retorno passando- insbruck/Halstatt-Munich-Estrasburgo-> Paris Roteiro 2- dia.1 - Paris → Estrasburgo dia. 2, 3 e 4- Zurich, Vaduz e Insbruck dia 5. Munich. dia 6 e 7 Praga. Dia. 8, 9 e 10 Retorno Praga- Paris.
  9. Show de bola! Muito valiosas suas dicas, estou anotando tudo :>
  10. Sim a ideia é levar uns 10 dias para ir e voltar. Paris é só o ponto de partida, pois, já conheço e é onde temos hospedagem. Temos poso também em Genebra. A ideia é ir parando e explorando o que tiver de legal no caminho. Alguma dica?
  11. Estamos planejando viajar para Europa em 2020, chegando em Paris. Estamos na duvida oqual vale mais a pena ir de carro Praga ou Veneza. Qual vale mais a pena? Aceitamos sugestões de roteiro. valeu!
  12. Estamos planejando nossa 2ª Roadtrip pela Europa. Desta vez, queremos ficar uns 15 dias, sendo uns 10 na estrada, partindo de Paris indo até Veneza. Provavelmente nossa empreitada, será no inverno Europeu. Teremos poso em Paris e Genebra. Então a primeira ideia é sair de Paris, 1 ou 2 dias em Genebra, ficar uns 3 dias na região de Milão ou Veneza (O que for mais em conta).Talvez retornar pela Austria passar por Insburck, se der para encaixar Vaduz, Munich, Estrasburgo (uma passada bem rápida, dormir onde for mais em conta), voltando para Paris. Sabemos que é bem apertado para fazer tudo isso, mas aceitamos dicas, de hospedagem, melhores caminhos, onde comer, qual cidade podemos encaixar. Qualquer ajuda será bem vinda.
  13. Bom dia. Estamos planejando nossa 2ª Roadtrip pela Europa. Desta vez, queremos ficar uns 15 dias, sendo uns 10 na estrada, partindo de Paris indo até Veneza. Provavelmente nossa empreitada, será no inverno Europeu. Teremos poso em Paris e Genebra. Então a primeira ideia é sair de Paris, 1 ou 2 dias em Genebra, ficar uns 3 dias na região de Milão ou Veneza (O que for mais em conta).Talvez retornar pela Austria passar por Insburck, se der para encaixar Vaduz, Munich, Estrasburgo (uma passada bem rápida, dormir onde for mais em conta), voltando para Paris. Sabemos que é bem apertado para fazer tudo isso, mas aceitamos dicas, de hospedagem, melhores caminhos, onde comer, qual cidade podemos encaixar. Qualquer ajuda será bem vinda.
  14. Os meus favoritos são, Andarilho viajante, Mundo Sem Fim, viajante independente, Louco por Viagens, Vidarretada. Alguém tem mais algum dica de youtubers de viagens?
×
×
  • Criar Novo...