Ir para conteúdo

Guaxinim Amigo

Membros
  • Total de itens

    167
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

0 Neutra
  1. Hehehe....... bom, se era rádio ou telefone celular, não dá para saber somente pelo toque. Talvez se eu tivesse visto o aparelho, mesmo que de longe, eu pudesse identificar com precisão...... Bem pior é confundir iraras com raposas, após tê-la visto saltando no mato. Desconfio que o sujeito que falou que a irara era raposa é algum frequentador deste fórum! Valeu!
  2. Leandro-Blah: Tenho uma sugestão. Eu uso esta idéia para colocar livros na parede, ok? Que tal uma pequena prateleira apoiada com mão francesa na parede? Você pode fazer a prateleira sob medida da cor do móvel, não é difícil. A mão francesa pode ser anodizada na cor preta, fica legal. Assim você poderá apoiar o armário na prateleira. Caso necessário faça um pequeno furo no fundo do armário, mais em cima, na parte de dentro e coloque um parafuso para estabilizar o móvel. Basta furar a parede com uma furadeira e colocar uma bucha para fixar o parafuso. Deste modo o armário vai ficar firme na vertical (parafusado na parede) e na horizontal (apoiado na prateleira). Pense nisto. O armário na altura dos olhos, além de ficar longe do alcance dos pequenos, fica mais bonito para mostrar para as visitas.
  3. Aqui na minha cidade tem muitos morros, o que dificulta em parte o deslocamento. Minas Gerais apresenta terrenos de formação geológica antiga, por isto os morros de meia laranja (veja foto abaixo ). Esta visão eu tenho sempre que pedalo na BR 040. Aqui no Brasil, como você bem sabe, os ciclistas podem circular em rodovias, preferencialmente pelo acostamento. A bicicleta é um veículo relacionado no Código Nacional de Trânsito, com regras próprias para sua circulação. Somente em locais previamente sinalizados com placa é que é proibido o tráfego de bicicletas. Entretanto o perigo é enorme, em parte pela falta de educação dos motoristas, em parte pela imprudência de alguns ciclistas. Legal esta bicicleta gelada! Quem sabe algum dia eu não pedalo por estes lados, não é verdade? Meu receio é eu me acostumar e acabar ficando e com um vizinho como eu certamente você irá pedalar também ou então se mudar para a Noruega! Valeu! OBS: não se esqueça das fotos das bikes por aí.
  4. Veja a panorâmica da cidade na segunda foto de cima para baixo. A cidade parece ser plana! Deve ser ótimo pedalar em Gotemburgo, ao menos no verão. Pelas fotos percebe-se que as ruas são limpinhas. Os motoristas devem ser educados, aposto que não ficam buzinando insistentemente para um ciclista dar passagem ou somente para assustá-lo. Dizem que Copenhague é uma cidade onde o ato de pedalar é prazeiroso e confortável, creio que na escandinávia em geral deve ser assim. Como é no inverno nesta latitude? Alguém tem coragem de pedalar em dezembro? Quando puder coloque fotos de alguma ciclovia ou passeio ciclistico. Valeu!
  5. Não gosto de cascaveis nem de cobra nenhuma, por isto, para evitá-las, procuro conhecer seus hábitos. Da próxima vez que entrar em algum canavial ou milharal, lembre-se que assim como você não mora naqueles locais mas faz uma incursão neles em busca de alimento a cascavel faz a mesma coisa. O canavial e o milharal funcionam como "supermercados" para as cobras, elas vão até aqueles lugares em busca de roedores e pequenos animais (preás, coelhos, etc).
  6. Moro na área rural da minha cidade e cresci na zona rural. De carro até até o centro são aproximadamente 30 minutos, com trânsito livre. Está errado. Se eu estivesse na cidade talvez eu acreditasse em lendas urbanas, tais como aquela que diz que é muito difícil encontrar cascaveis em canaviais. Torna a vida mais divertida, onde está seu senso de humor? Além do mais não estou ofendendo ninguém, só comentei sobre um fato, qual seja, os divertidos comentários do vídeo. Eu não conheço tão bem as espécies animais, mas convenhamos: confundir uma irara com raposa ou gambá é demais. Se uma pessoa confunde, por exemplo, um porco do mato com javali ou uma tartaruga com cágado ainda vai. Inclusive você pode reparar que ao final do vídeo um telefone toca. Infelizmente o vídeo termina, mas se ele continuasse talvez o diálogo ao telefone fosse o seguinte: "Alô". "Escute, quem está falando é a irara que vocês estão vendo. Não sou raposa nem gambá, ok?" Tenha um bom domingo!
  7. Que coleção bacana! Parabens, um dia eu chego lá.......... De fato como sugerido pelo Cabraljr, uma foto com as facas sem as suas respectivas bainhas seria algo bastante apreciável.
  8. No áudio do vídeo da Irara......... um sujeito disse que poderia ser uma raposa e uma moça falou que era um gambá! Este pessoal da cidade quando vai pro mato confunde tudo, nunca vi um gambá saltitante! Bom, estava longe mesmo, uma pena, poderiam ter confundido a irara com uma marta ou furão mas nunca com uma raposa ou gambá. Pode até ser que seja uma marta, daquela distância fica difícil precisar. Bom vídeo, espero que mais usuários do fórum animem a postar seus vídeos com animais, fotos também são legais. Vou postar uma foto tirada hoje por mim pela manhã na BR 040 (dentre outras que também tirei). Serve de alerta e quer dizer: MOTORISTAS CUIDADO, GUAXININS PEDALANDO!
  9. Será que a cascavel que você viu não queria pegar umas sojas? Talvez ela estivesse só cortando caminho para chegar nas rochas do outro lado. Um olhar menos atento pode fazer com que o indivíduo acredite que cascaveis não frequentam plantações, seja de cana, banana, milho ou soja. Afinal de contas, cobras não chupam cana nem comem bananas. Alguém já viu uma cascavel comendo uma espiga de milho? Entretanto, temos de pensar na cadeia alimentar. Cobras não chupam cana nem comem milho, mas roedores (ratos e camundongos) adoram devorar um pé de cana docinho ou uma suculenta espiga de milho. Então as cobras não entram na plantação para comer vegetais, elas entram para caçar ratos! Pode acontecer um encontro ofídico envolvendo humanos e cascavéis numa destas incursões pelo mato, não seria tão difícil assim.
  10. Vale a pena fazer um curso de bushcraft? A resposta é: sim! Um curso ministrado por uma pessoa competente e experiente nas técnicas do bushcraft é de fundamental importância para que se faça outro curso que na minha opinião complementa o curso de bushcraft, que é o curso de sobrevivência. A prática do bushcraft atualmente só é possível em propriedades privadas. É muito arriscado o exercício de certas técnicas em áreas públicas, senão veja-se: _ Fogueira: como se pode acender uma fogueira em uma mata pública sem o risco de se ter a Polícia Ambiental no seu encalço? _ Abrigos: como se pode cortar galhos de árvores para fazer um abrigo seguro sem incorrer em desmatamento ou dano à flora local? Podem acreditar, cortar árvores e plantas dá o maior galho (desculpem o trocadilho). _ Caça: caçar pequenos animais mesmo que seja com armadilhas pode ocasionar um grave problema. Tais animais silvestres pertencem ao Estado quando em matas públicas. A captura de uma simpática (mas não menos suculenta) capivara pode trazer prisão, processo criminal, multa e aborrecimento. Quem quer comer carne de capivara que vá a churrascaria de sua preferência, que adquire a carne de criadouros autorizados pelo IBAMA. _ Pesca: pescar sem a devida licença ou fora do período permitido também dá problema, até porque em alguns rios a pesca é terminantemente proibida. Depois dentro do processo judicial o magistrado pode até dar um refresco na hora da sentença se a pesca for amadora e com vara de pescar nas margens do rio, porque pesca com tarrafa (rede) ou embarcada dá muito mais problema. Os exemplos acima são exemplificativos e não exaustivos, muitos outros exemplos podem ser citados para não aconselhar a prática do bushcraft em áreas públicas. Por isto a importância do curso, geralmente feito em propriedade particular, para que sejam aplicadas na prática as técnicas do bushcraft.
  11. Guaxinim Amigo

    Galápagos

    Na foto, são focas ou leões marinhos? Tem muitas tartarugas nas praias? Pensar que eu mudei de idéia na última hora e troquei Galápagos por Maceió em 2009...... sou muito burro!
  12. Este livro tem uma narrativa muito parecida com aquela feita por Eduardo Galeano em " As Veias Abertas da América Latina". Eu gosto de ler as obras escritas por Graciliano Ramos, não propriamente para ler em viajens, diante da densidade do enredo, mas para ler nas tardes de inverno. Gostaria de colaborar com o tópico colando um trecho de "Vidas Secas". "Baleia respirava depressa, a boca aberta, os queixos desgovernados, a língua pendente e insensível. Não sabia o que tinha sucedido. O estrondo, a pancada que recebera no quarto e a viagem difícil no barreiro ao fim do pátio desvaneciam-se no seu espírito. Provavelmente estava no cozinha, entre as pedras que serviam de trempe. Antes de se deitar, sinhá Vitória retirava dali os carvões e a cinza, varria com um molho de vassourinha o chão queimado, e aquilo ficava um bom lugar para cachorro descansar. O calor afugentava as pulgas, a terra se amaciava. E, findos os cochilos, numerosos preás corriam e saltavam, um formigueiro de preás invadia a cozinha. A tremura subia, deixava a barriga e chegava ao peito de Baleia. Do outro peito para trás era tudo insensibilidade e esquecimento. Mas o resto do corpo se arrepiava, espinhos de mandacaru penetravam na carne meio comida pela doença. Baleia encostava a cabecinha fatigada na pedra. A pedra estava fria, certamente sinhá Vitória tinha deixado o fogo apagar-se muito cedo. Baleia queria dormir. Acordaria feliz, num mundo cheio de preás. E lamberia as mãos de Fabiano, um Fabiano enorme. As crianças se espojariam com ela, rolariam com ela num pátio enorme, num chiqueiro enorme. O mundo ficaria todo cheio de preás, gordos, enormes." _______________ Fonte: RAMOS, Graciliano. Vidas secas, 82ªed. Rio de Janeiro: Record. 2001. p. 85-91. _______________ Infelizmente os jovens de hoje só querem saber de MTV, internet e DVDs. As obras de Graciliano Ramos deveriam ser de leitura obrigatória no ensino médio.
  13. Quase não se ve a fauna nativa nestes vídeos....... Vou produzir meus próprios vídeos e abrir um tópico só com vídeos de animais silvestres. Em breve!
  14. Tive uma bota da Bull Terrier e não durou muito. No entanto atualmente tenho 2 pares de tênis desta marca e estou gostando muito, utilizo-os para pedalar na bike que não tem pedal de taco, todos os 2 modelos sem cadarço de amarrar. Custaram em torno de 190,00 reais cada par, o solado é resistente e ele é relativamente leve. Acredito que para caminhadas leves (sem barro e sem muita água) tanto o tênis quanto a bota sejam indicados, entretanto não creio que para uso mais hard eles consigam atender as espectativas.
  15. Bom, estas coisas podem ocorrer, não é? Uma amiga minha foi atropelada em Paris no segundo dia de viagem! Olha que sofisticado, quantas pessoas podem se dar ao luxo de ser atropeladas em Paris? Ela ficou internada uns tempos e do hospítal foi pro aeroporto. Acho que ela nunca mais voltou a França. Tem mesmo estes lances chatos de traslado do corpo, etc e tal. Paciência, leia o contrato como se estivesse lendo um conto de terror, hehehe, fica mais fácil para assina-lo, mas não deixe de ler!
×
×
  • Criar Novo...