Ir para conteúdo

Milla Pupo

Membros
  • Total de itens

    6
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

3 Neutra

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. Então, eu tenho os dois antebraços, mãos e dedos tatuados. Conversei com um iraniano no Couchsurfing e ele disse que é tranquilo, obviamente que desde que seja respeitado o código de vestimenta (hijab, roupas que cubram pernas e mangas no mínimo até o cotovelo. Obrigada pela ajuda!
  2. Olá, estou pesquisando sobre o Irã e tenho uma dúvida sobre tatuagens, como são vistas por lá? São toleradas? Eu tenho as mãos e braços tatuados, são bem visíveis e difíceis de esconder, as informações que achei, quase sempre são de homens tatuados, mas não achei pertinente à tolerância disso com mulheres. Alguém aqui sabe me dizer se é possível viajar pelo país sem ter problemas por conta disto em específico para mulheres, que as regras são mais rígidas? Obrigada!
  3. Oi Anália, tudo bem e você? É, os preços das passagens para Índia costumam ser carinhos mesmo. Eu meio que odeio voar, fico super tensa e é sempre ruim pra mim. Meu marido e eu acabamos optando em buscar o voo mais curto/confortável e o que achamos foi pela Emirates. Compramos as passagens em Julho de 2018 com voos programados para Outubro, pagamos R$ 5.300 cada, ida e volta pela Emirates com parada em Dubai, o voo teve um total de 17 horas +- (sem contar o tempo de conexão), comprei direto no site da companhia. Eu fiquei monitorando por cerca de 5 meses antes os preços das passagens pelo Google Flights e Kayak, ambos permitem que você crie alertas de preços, você estipula quanto deseja pagar e quando chegar no valor próximo ele te avisa por e-mail. Acontece que eu queria ou Emirates ou Qatar, mas o Emirates acabou compensando mais financeiramente dentro do que esperava. Como disse, optei por um voo mais curto que consequentemente foi o mais caro, dentro da categoria econômica, claro 😛 mas se você não tiver esse problema e/ou não levar muito em conta a 'qualidade' e tempo de voo, há opções mais baratas. Sei que a Ethiopian costuma ter bons preços e que os voos são bons, mas quase sempre os tempos de conexão em Adis Abeba tendem a ter duas problemáticas: conexão muito curta, com cerca de 2 horas, o que eu acho meio preocupante, pois qualquer atraso você perde o próximo voo ou conexão muito longa, o que pode ser ruim, pois segundo relatos o aeroporto é bem simples, o que pode tornar o tempo de espera meio cansativo, mas obviamente nada que cause grandes problemas suponho. No final acho que tudo depende do quanto você está disposta em pagar e quais suas prioridades se puder ajudar em algo mais, só me falar!
  4. Eu e meu marido fomos para Índia em outubro de 2018, ficamos por lá cerca de 34 dias. Vou escrever algumas coisas que acho que podem ser úteis para quem está se preparando para conhecer o país e que eu só aprendi passando por lá. A chegada Chegamos em Nova Deli pela companhia Emirates, saindo de São Paulo e com parada em Dubai foi o voo mais curto que encontramos. Do aeroporto para o hotel tem algumas opções: - Fechar táxi direto com o hotel que estiver hospedado: essa opção costuma ser mais cara, mas também mais tranquila, apenas certifique-se que, caso o voo atrase, você não será cobrado pelas horas extras de espera. (o hotel que ficamos nos ofereceu o serviço por 1500 rúpias, mas não contratamos o serviço) - Pedir um táxi pré-pago na saída do aeroporto: ficamos hospedados na região de Jasola Vihar, pagamos 650 rúpias, esta foi a nossa escolha. O guichê do táxi pré pago fica bem na frente da saída do aeroporto.Cuidado com pessoas que do nada pegam suas malas/mochilas para carregar, dando a entender que trabalham ali, você chega e um cara praticamente tira suas mochilas das costas e depois te cobra por isso. - Metrô: pode ser uma boa opção para quem já conhece a localidade, eu não recomendo que alguém inexperiente se aventure pelo metro com mochila no primeiro dia, mas é de cada um, sem dúvida é bem mais barato, deve custar coisa de 40 rúpias em média. - Uber: pode ser uma boa opção para quem já conhece a cidade e já tem chip com internet, mas fique esperto, no aeroporto é comum ao final da viagem tentarem te cobrar taxa de estacionamento, o que é errado, pois assim como aqui no Brasil, a tarifa é fixa. Onde ficar: Lemos alguns relatos aqui falando da região de Paharganj e como ela pode ser meio 'traumática' num primeiro momento, por isso optamos em não ficar lá, ficamos no Meditation Palace. O hotel é comandado pelo Abhi e fica meio fora do centro turístico, é uma área mais residencial e foi a melhor coisa que poderíamos ter feito. O hotel foi o mais limpo de toda nossa estadia pela Índia e o mais confortável. O Abhi inclusive fala português pois já veio bastante ao Brasil, o que pode ser um facilitador para quem tem dificuldade no inglês. O hotel está perto de 2 estações de metrô (inclusive uma das linhas de metrô vem direto do aeroporto, mas para voos internos) e uma galeria/shopping onde você pode comer algo ou comprar algumas coisas básicas para o seu dia a dia. O local é muito calmo e tranquilo e além de ser bem limpo, ter quartos grandes e bem iluminados. Aqui o link do hotel https://www.booking.com/hotel/in/meditation-palace.pt-br.html Como se locomover Ainda planejando nossa viagem, lemos sempre muitas pessoas fando sobre a dificuldade em comprar as passagens de trens e em como elas se esgotam com rapidez, isso nos preocupou bastante e vimos a dica aqui do @vitor.chaves sobre o Raj Yadav que vendia passagens e o pagamento podia ser feito fia Paypal, ele foi muito atencioso e extremamente paciente conosco, porque mudamos o roteiro várias vezes! Obviamente que ele cobra uma taxa pelo serviço, mas eu achei os valores bem justos. Para terem uma ideia, compramos os seguintes trechos: Delhi para Varanasi Varanasi para Agra Agra para Jaipur Foram 2 passagens (minha e do meu marido) todas em terceira classe (tem cama, lençol, travesseiro e ar condicionado), pagamos o equivalente à 7250 rupias (-+ 390 reais) O e-mail dele é [email protected] e a dica foi do Vitor Chaves, como disse lá em cima, aliás, muito obrigada! Agora quero só falar sobre esse lance de que as passagens esgotarem... assim, eu entendo que normalmente temos receio de ficar sem e comprometer a viagem, mas por outro lado odiamos engessar a viagem, então demos uma olhada aqui https://www.irctc.co.in/nget/ neste site você consegue ver a disponibilidade de passagens e QUASE SEMPRE há passagens disponíveis em até 2 dias antes das datas para muitos lugares. Ousaria dizer que os destinos mais chatinhos são Delhi e Varanasi, esses trechos esgotam realmente rápidos, mas os demais não acontece muito isso. Dito tuuuudo isso, conto que chegando em Delhi MUDAMOS TODOS NOSSOS PLANOS ahaha Sim, na Índia tudo leva o triplo do tempo, tudo é mais enrolado do que parece e as chances de darem merdas são sempre potencializadas. Não me considero uma viajante inexperiente, meu marido certamente é mais experiente do que eu, mas ambos tivemos dificuldades grandes por lá. Quando planejamos nossa viagem, ainda no Brasil, tentamos encaixar alguns destinos, como Bundi, Chittogarth e Ranakpur, mas não conseguimos pela logística dos trens, a locomoção demora demais por lá e teríamos que fazer essas cidades contratando alguém para nos levar ou de ônibus, o que demora bastante, então tínhamos riscado esses destinos, mas como falei, mudamos os planos chegando em Delhi. Fechamos um carro com motorista para viajar pelo Rajastão, foram 14 dias e 50 dólares por dia. Caro? Talvez para realidade indiana, talvez para quem tem muito tempo por lá e pode fazer tudo num ritmo mais devagar, mas como viajamos com tempo fechado, fizemos essa opção e não nos arrependemos em nada, pelo contrário, foi a melhor escolha, conseguimos ver tudo o que queríamos no Rajastão. A contratação foi feita pelo Abhi, o dono do hotel que citei lá em cima, ele foi super cuidadoso, prestativo e correto conosco, foi super transparante e não tivemos problema algum, nem com ele e nem com o nosso motorista, ele chamava Malkit. Não paramos em lojinhas, escolhemos nossos hostels, mudamos de roteiro algumas várias vezes no meio do caminho e foi tudo muito bem. O contato do Abhi (whatsapp) é +91 98181 71586 Acabamos entrando em contato com o Raj que nos vendeu as passagens, cancelamos algumas e mudamos o roteiro todo como falei, foram 14 dias pelo Rajastão, com destino final em Khajuharo e de lá seguimos de trem para Varanasi, depois voltamos para Delhi, fomos para Amritsar e McLeod Ganj de carro (dividimos com um casal de alemães e o preço ficou bom), voltamos a Delhi novamente, então fomos para Kathmandu e ficamos 5 dias lá. Depois de volta a Delhi e então, casa, São Paulo. (se alguém tiver dúvida sobre roteiro, me fala, não detalhei aqui porque é sempre muito pessoal) Dicas gerais: - Em Nova Delhi o Uber funciona muito bem, você pode pagar em dinheiro ou cartão, apenas evite ir para Old Delhi de Uber, é tudo caótico demais, muito trânsito, o melhor para esta região é metro, que funciona super bem. - Chip de internet móvel: eu recomendo fortemente que compre um, se locomover pela Índia pode ser muito maluco, ter internet e GPS pode te salvar. Cuidado para compra de chip no aeroporto, pois se você tiver algum problema com a ativação possivelmente não consegue entrar no aeroporto para reclamar, eles tem uma lei que só entra no aeroporto quem tem passagem para o dia. Compramos nosso chip em Delhi num local que o Abhi nos recomendou, chama Deepak Comunication, na região de Jasola Vihar, mas não recomendo. Normalmente demora 24 horas para ativar, mas tivemos problemas na ativação, o chip demorou cerca de 5 dias para funcionar e além disso, o preço cobrado por ele foi BEM alto do que o preço oficial. Para comprar chip você precisa de uma foto e cópia do passaporte, é lei na Índia e por isso que a ativação não é na hora. Compramos um chip da Airtel, tínhamos 1,4gb por dia, num pacote por 28 dias, o 3g de lá funciona super bem. Se não for comprar chip, sugiro então que faça download dos mapas das cidades que irá passar, dessa forma pode usar offline e não ficar tão vendido por lá. - Papel higiênico: sempre, sempre, sempre tenha papel higiênico contigo e tenha em mente que muitos dos banheiros lá não são os ocidentais que conhecemos. - Para quem está em São Paulo, no Instituto de Infectologia Emílio Ribas existe o serviço de Médico do Viajante. É gratuito e excelente! A médica te dá recomendações de vacinas, remédios necessários e dicas importantes, o agendamento é feito por e-mail [email protected] - Várias cidades do Rajastão têm as ruas muito estreitas (Jodhpur, Udaipur, Varanasi) então talvez a melhor forma seja chegar de Tuk Tuk ou (foi o nosso caso) o taxi nos deixava numa área próxima e entrávamos a pé na cidade com as mochilas. - Evite planejar sua viagem muito certinha, as coisas atrasam bastante lá, inclusive os voos. Nosso trem, por exemplo, para Varanasi tinha previsão de 10 horas de viagem, demorou quase 16 horas. - A Índia surpreende, pode acreditar! Eu li vários relatos falando que a Índia era difícil e achei que daria conta, fui meio arrogante achando que era exagero das pessoas, não é. Realmente nada é parecido com a Índia, se engana quem acha isso, por isso, tenha paciência consigo mesmo, demora uns dias para se adaptar as coisas por lá. A Índia te cansa bastante, é o calor, são as pessoas te abordando o tempo todo, querendo te vender algo, fingindo puxar papo e no fim apenas oferecendo coisas. Indianos são pessoas ótimas, mas os comerciantes normalmente são absurdamente cansativos, se tiver a chance de conversar com pessoas que não estejam apenas querendo te vender coisas, faça isso, é muito bacana. - Comida: eu adoro pimenta, como em tudo o que posso e lá eu tive problemas com pimenta, eles comem MUITA, MAS MUITA pimenta, num nível que não consegui suportar. A alimentação lá pode ser meio chatinha. Li falando que comem frango, mas a bem da verdade não é bem assim, não é tão facilmente encontrado e quando tem, vem com uma aparência meio estranha, assim como o cordeiro, são essas as duas carnes teoricamente permitidas lá, mas não espere nada muito bom, é mais garantido ficar nos vegetais mesmo. Tem bastante fast food lá (Burger King, Mc Donalds, Dominos, Pizza hut, Subway) e todos são apimentados, o menos apimentado foi o Subway e o Dominos. - Indianos olham MUITO para as mulheres, muito mesmo, por isso evite o óbvio, roupas curtas ou decotadas, não precisa se cobrir toda, mas leve em conta os hábitos e costumes deles. Não tive problemas com homens, viajei com meu marido e o único momento tenso foi em Delhi, quando pegamos metro em horário de pico e eu não fui no vagão das mulheres (eles têm um vagão reservado para mulheres). - Cuidado com água, beba sempre de garrafa e dê uma olhadinha se tá bem lacrada. Evite comer alimentos crus e frutas, se for comer, prefira você mesmo higienizar. - Preços! Praticamente TODOS os produtos lá tem preço tabelado, água, refri, salgadinho, fica sempre impresso junto com a validade, que aliás lá é diferente, eles colocam a data de envasamento e quanto tempo dura. Por isso, fiquem espertos, é bem comum nos cobrarem mais nesses processos, por exemplo, a água custa 20 rúpias, mas nos cobram 40. Enfim, vá de coração aberto, é verdade que ou você ama ou odeia a Índia, mas seja como for, não tem como ficar indiferente ao país. Voltei tem pouco mais de mês e tenho um grande impulso de retornar, o país é gigante e incrível, para o bom e para o ruim, a Índia é inacreditável, não diria que é apenas um destino, lá é mais que isso.
  5. Oi Gabriel, eu devo ir para Cartagena em março também, acho que dia 5.
  6. Olá. Planejo ir para Cartagena em Março, mas estou em dúvida quanto ao hotel. Alguém conhece o Hotel San Roque, que fica na Calle Media Luna No 10C-48? Estou pensando em me hospedar por lá porque me pareceu mais barato e com banheiro privado, coisa que não achei pelos Hostels que busquei. Aproveitando, outra dúvida, 10 dias por lá é o suficiente para conhecer a cidade? Obrigada!
×
×
  • Criar Novo...