Ir para conteúdo

daziz

Membros
  • Total de itens

    23
  • Registro em

  • Última visita

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

Conquistas de daziz

Novo Membro

Novo Membro (1/14)

  • Primeiro Post
  • Colaborador

Distintivos Recentes

2

Reputação

  1. Ana, Eu já viajei para o Ceará em 2015, porém sem crianças. Mas acredito que posso te ajudar em suas dúvidas. Entre Jeri e Canoa, eu preferi Jeri mil vezes. Quando fui para Jeri, eu estava pensando em ficar uns 4 ou 5 dias e acabei ficando 2 semanas. Além dos passeios que tem lá, eu achei que passar o dia só curtindo a praia era uma delícia. Uma dica que te dou é que para ir para a Lagoa do Paraíso não é preciso ir em Jijoca. Em Jeri tem vários transportes que levam turistas o dia todo para as lagoas, é só dar uma procurada no centrinho. Então é desnecessário dormir em Jijoca para fazer esse passeio. Eu passei uns 2 dias em Canoa e achei desnecessário. A praia é bem bonita, mas não achei que para mim compensou dormir lá. Se você conseguir uma pousada legal com piscina, até acho que compensa. Mas eu cortaria uns dias de Canoa. Existe um passeio de buggy que sai de Fortaleza e vai até Canoa, incluindo as praias nas redondezas, como Morro Branco. Se eu pudesse, teria feito esse passeio ao invés de dormir em Canoa. Fora isso, acho que um dia no Beach Park seria ótimo para as crianças.
  2. No fim de 2015, fui convidada pelos amigos para passar o fim de ano em Serra do Alves. Nunca tinha ouvido falar desse lugar, mas logo topei o convite ao ouvir a descrição dos meus amigos: "Um lugarzinho lindo, gostoso e cheio de cachoeiras!". Por ser um lugar pouco conhecido, resolvi fazer este relato, para apresentá-los a esse lugar que com certeza faz jus à descrição. O Lugar: Serra dos Alves é um vilarejo localizado próximo à Senhora do Carmo, distrito de Itabira, Minas Gerais. É de fato uma pequena comunidade de poucos habitantes, organizada em volta da Capela de São José. Mas nem por isso deixa de ser um lugarejo muito charmoso, com suas ruas de terra batida e casinhas coloridas. Além disso, o vilarejo é rodeado pelo visual incrível da Serra dos Alves e dos cânions, o que te deixa embasbacado, não importa o lado que você olhe. Como Chegar: Serra dos Alves fica a cerca de 100 Km de Belo Horizonte. Para chegar até lá saindo de BH, deve-se seguir pela BR-381, em direção ao Espírito Santo, até o trevo de Ipoema. Ao passar por Ipoema, deve-se seguir as placas que indicam a estrada de terra que leva à Serra dos Alves. São cerca de 16 km de estrada de terra. Fique ligado que essa estrada de terra é bem sinuosa, com alguns morros. Além disso, em dias de chuva o acesso pode ficar comprometido. No dia que voltamos, caiu um temporal, que impossibilitou a passagem de carros em uma parte da estrada. Por sorte alguns locais nos indicaram um atalho, que nos permitiu fugir da parte mais enlamaçada. Mas já foi suficiente para passar um perrenguinho. Hospedagem: Como estávamos em um grupo grande, optamos por alugar uma casa. Aqui está o link da casa que ficamos: https://www.facebook.com/casadaserradosalves/?fref=ts Recomendo bastante essa casa, é linda, muito bem cuidada e tem uma vista incrível. Pude observar que há outras casas para aluguel na vila. E também há uma pousada: http://www.pousadaportaldaserra.com/ O Que Fazer: Como não ficamos muitos dias, não tivemos tempo de conhecer todas as atrações do lugar. Algumas cachoeiras possuem acesso mais difícil, mas existem algumas de fácil acesso. Acredito ser possível contratar um guia local. No caminho para Serra Dos Alves, passamos sobre uma ponte, em que várias pessoas se banhavam no rio. O local nos informou que próximo a essa ponte há a Cachoeira da Coca Cola. Mais próximo ao povoado, fomos na Cachoeira dos Marques. O acesso até a cachoeira é bem tranquilo e há placas pelo caminho. A trilha margeia o rio, então há vários pontos para banho no meio do caminho. Depois de cerca de 30 minutos de caminhada, chegamos a cachoeira que é realmente linda. No dia seguinte fomos à Cachoeira do Bongue, que fica um pouco mais distante. Dentro da cidade, na rua detrás da Igreja, há uma placa indicando o caminho. Deve-se seguir de carro até um quebra-costela. Nesse ponto, há uma descida curta, porém bem íngreme, para chegar na cachoeira. No último dia fizemos apenas um passeio rápido a um poço que fica próximo à cidade, onde as pessoas costumam se banhar. Dicas: No Povoado há um buteco, um restaurante e uma mercearia, que não vende muitos produtos. Por isso é importante levar certas coisas de casa. Lá praticamente não há sinal de celular, acredito que só em alguns pontos mais altos. Ótimo para esquecer da vida. Não há nenhum estabelecimento bancário e nem posto de saúde. Última dica: Preserve este paraíso!
  3. daziz

    Natal

    Entendi Marcos. Acho que vou tentar arrumar um esquema assim mesmo. Obrigada!
  4. daziz

    Natal

    Pessoal, tenho umapergunta. Se aguém puder me responder, agradeço muito. Eu queria saber se há algum passeio saindo de Natal direto para Punaú, sem parar em Maracajaú. Pergunto isso, porque não tenho muito interesse em fazer o mergulho e vi várias pessoas falando que depende da maré e tal. Então queria ir direto pra Punaú mesmo. Existe algum passeio por agência ou algum meio alternativo. Lembrando também que não posso alugar carro. Obrigada!
  5. Olá pessoal. Alguém sabe me informar se em Canoa Quebrada existe algum outro hostel além do Ibiza? Não estou encontrando muita informação na internet sobre isso. Obrigada!
  6. Muito bacana o relato Raquel. Não vejo a hora de ir pra lá em Janeiro.
  7. Acho que é possível gastar menos de U$40 só com alimentação sim. É só procurar os restaurantes locais mais simples, que a comida é gostosa. Pra te dar uma idéia, num dos restaurantes mais chiques que eu fui, chamado Copacabana, na beira da praia em Tamarindo, um prato com carne custou cerca de U$16. Mas nesse dia eu tava a fim de ostentar mesmo
  8. Aproveitem bastante! Enquanto isso, vou planejando minha volta pro ano que vem
  9. Eu não fiz, porque achei muito caro e como estava sozinha, nem rolava de pechinchar. Mas dá uma lida nos relatos, porque já vi gente falando que foi de taxi, carona.
  10. Eu acho que não é possível ir ao Rio Celeste e depois a Monteverde no mesmo dia, a não ser de taxi. Rio Celeste não é tão pertinho e direto para Monteverde teria que pegar uma van, que geralmente tem horário marcado.
  11. Olá, tudo bem? Eu não fui em Isla Tortuga, mas conheci pessoas que foram e gostaram bastante. Acho que compensa ir sim. Quando estava indo para Sta Teresa, passei de van por Tambor e pude observar que a praia é bonita, com areia bem escura, mas me pareceu que não tinha nada de interessante por lá. Acho que Tambor não é muito turístico não. Já que pretende ir até lá, acho que compensa mais ir até Sta Teresa ou Montezuma, que ficam bem perto de Tambor. Se não me engano, há ônibus de Paquera para Cóbano. Em Cóbano há vários horários de ônibus para Montezuma e Sta Teresa. Dá uma pesquisada para confirmar isso. Na cidade de Manuel Antonio há uma praia, que fica fora do parque. Essa praia não é tão bonita quanto as do parque, mas você pode arrumar alguma coisa pra fazer lá na segunda. Lembro que vi vários tours e atividades, como surf, rafting, canopy, etc. É só procurar agências em Manuel Antonio ou em Quepos. Não precisa de mais de um dia pra conhecer o Parque, então tranquilo de ir na terça só. Se vai rodar a Costa Rica de ônibus, já vai preparando a paciência. Todos os ônibus são cata-jeca mesmo e fazem os trajetos em muito mais tempo que o necessário. Mas pelo menos são baratos. Lá em Arenal tem inúmeras agências que oferecem basicamente os mesmos tours. Os preços costumam variar pouco, mas em várias agências é possível pechinchar. Se uma agência não quiser baixar o preço, vai na do lado. Pesquisa, conversa, pechincha bastante. Se ficar interessado em algum passeio, descubra se tem como ir de taxi e fazer o passeio por conta própria, sem guia. Essas coisas que encarecem os tours. O passeio do Rio Celeste é o mais caro, mas é possível pechinchar sim, principalmente se você estiver com outras pessoas. Dá uma perguntada lá também, porque já vi relatos de pessoas que foram de taxi ou ônibus. Em Poás eu não fui, porque li várias pessoas falando que lá é difícil porque geralmente fica nublado e atrapalha a visibilidade. Me arrependi muito de não ter ido. Mas de toda forma, eu te indico o Irazu, que é bem bacana e não tem esse problema. Espero ter ajudado, quaisquer outras dúvidas é só perguntar!
  12. Olá Brandock, tudo bem? Então, a única cachoeira que fui era a que ficava dentro do parque do Vulcão Arenal. Se não me engano, essa Catarata La Fortuna fica em outra reserva ecológica, perto do vulcão também, por isso acredito que não é a mesma do Rio Celeste, que fica bem mais longe. Sobre San Blas, eu recomendo a Isla Diablo sim. A Iguana não conheci, mas deve ser bacana também. Uma dica importante é negociar o preço da hospedagem e refeições antes de ir pra ilha. É só conversar com os índios que ficam organizando os turistas nos barcos que levam até às ilhas, procurar o índio que seja responsável pela ilha que você quer ir e negociar bastante. Porque depois que chegar na ilha, as índias de lá vão te cobrar o preço que elas quiserem e aí não tem muito o que fazer. Espero ter ajudado. Boa viagem!
  13. Roger, vale a pena demais. A ilha é muito linda, fica em frente a Isla Perro. Entre as duas ilhas há o farmoso barco afundado, um ótimo lugar pra fazer snorkel. Lá é um pouco mais caro, mas como disse, tudo lá é negociável. Eu comprei uma daquelas barracas baratinhas que vende em supermercado. Como estava chovendo e a barraca não tem capa, os índios foram bem gentis colocaram umas lonas em cima, o que ajudou muito. Mas acho que lá já tem umas barracas de camping montadas. Mas acho melhor garantir e levar a sua.
×
×
  • Criar Novo...