Ir para conteúdo

carlosla123

Membros
  • Total de itens

    37
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

0 Neutra
  1. Valeu pelas dicas, Peter! Mas conversando com o Leo, ele me "convenceu" a fazer o caminho inverso, ou seja, sair de Igatu, descer a Rampa do Caim (curtindo o visual de descida) e seguir pelo Paty até Guiné. Acredito que esse caminho seja mais fácil, principalmente pela descida da Rampa ser mais tranquila (tanto em termos de esforço quanto de orientação) que a sua subida. Abraços!
  2. Olá Peter, Vamos lá em outubro? Sobre essa trilha, como irei agora em outubro, acredito que os rios estejam bem secos, sendo tendo dificuldade para atravessá-los. Sobre a casa do seu Jóia, ela fica antes ou depois da casa do Seu Eduardo? Tentei achá-la no Google Earth e num arquivo pra GPS completo da Chapada que tenho aqui comigo e não achei...vc tem as coordenadas geográficas dela, em graus ou UTM? Eu queria saber pelo menos o início da subida da Rampa do Caim. Acho que depois de entrar na trilha, não teria mais erro...é só tocar pra cima, pois não deve ter bifurcações relevantes nel
  3. Beto, se você tem alguma experiência em caminhadas longas, de preferência com acampamento, basta levar o mapa do Sapucaia. É bem completo e não tem como se perder. Lógico, tem que saber interpretar um mapa. Você pode ver aqui: http://www.trilhasecaminhos.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=51&Itemid=58 Peter e Ram, Vocês poderiam me dar um pouco mais de infos sobre essa ligação entre a Rampa do Caim e o Paty? Estive na Chapada em 2004 (saudade...) e fiz o Paty tradicional (Capão-Andaraí). Pretendo ir agora em outubro no Paty de novo, mas tentando fazer a
  4. Fala Augusto! Cara, realmente, fazer o trecho Lobo-Mina em um dia, só descendo mesmo....subindo não rola! O cara vai subir com uma mochila que nem chumbo, o dia inteiro e não vai curtir nada. No meu caso, fomos bem mais leves (3o. e ultimo dia) e descendo. Lógico que tem uns trechos de subida (principalmente o do Capim Amarelo) que são dose, mas coisa normal. E posso te garantir que curtimos MUITO visual de lá, sem ficar na paranóia de ficar correndo na trilha. Mas só fiz em 3 dias por falta de opção mesmo, já que só tinha isso pra fazer. Se pudesse, fazia em 5....) Abraços, Carlo
  5. Olá, Teria como vc descrever essa trilha? Vc a marcou com o GPS? Se tiver os pontos, passe pra mim, por favor... Abraços! Carlos quote:Originally posted by pernalongacp2 eu fiz a trilha, começãmos a caminha no sabado as 14:30, seguimos a trilha com ajuda do mapa do local e de um gps, chegamos ao canyon Malacara perto das 17:30 caminhando num ritmo bem lento, montamos o acampamento as 18:30 até ai sem problemas nenhum. No outro dia caminhamos rumo ao mirante do Fortaleza, do malacara até o fortaleza deu uns 10km muito trankuilos, fui barbada pq tinhamos gps , pq no caminho a nebli
  6. Oi Érika, Vc tá indo pra lá nessa Semana Santa? Qual vai ser o seu esquema? Arrumou alguém pra te levar na Lapinha e te buscar no Tabuleiro? PRa mim ainda falta acertar esses detalhes... quote:Originally posted by erikaviegasrp Galera quem quizer fazer a travessia é só entrar em contato com o markinn pelo [email protected] o cara é o cara mesmo... pode crer, nós iremos agora no feriado, caso mais alguém anime... Pã id="quote">id="quote">
  7. Fala pessoal, Grande Augusto, me permita discordar de você, mas é plenamente possível fazer a travessia da SF em menos de 4 dias. Nas duas vezes que foi pra lá, a fiz em 3 dias. Lógico, não pode molengar, mas também não é nenhuma correria. Também não preciso dizer que a pessoa deve estar num ritmo bom de caminhadas. Mas vamos lá... Essas 2 vezes eu parti do antigo sítio do Pierre, acampando no cume do Pico dos Três Estados no 1o. dia. Nem preciso dizer que a subida é punk, subindo com 5 litros de água um baita dum desnível. No dia 2, esticamos até a Pedra da Mina, ficando no cume (
  8. Também pretendo conhecer a Chapada das Mesas no meio do ano...vamos lá povo! Será que ninguém por aqui pode nos ajudar?! Abraços!! quote:Originally posted by Dilermando Boa tarde. Pretendemos (eu e minha mulher) visitar a Chapada das Mesas em junho próximo. Já pesquisei sobre este destino, e recebi informações de agências de viagem (em São Luís e Carolina) que oferecem pacotes. Para tomar uma decisão final, gostaria de receber dicas, sugestões e informações de quem tenha recentemente visitado a Chapada das Mesas. Agradeço muitíssimo. Dilermando id="quote">id="quote">
  9. Vanlorenzi, Onde você leu essas reportagens? Teria como você explicar um pouco mais o porquê do acontecido? Abs, Carlos
  10. Fala Hugo, Cara, muito bom esse seu site. As infos & dicas pra se fazer a travessia estão show! Parabéns! Abraços, Carlos
  11. Até que enfim uma trilha que vc não conhece, hein Jorjão?! Pessoal, o que eu descobri até agora é que essa trilha não é pesada, dando pra fazê-la em 2 ou 3 horas (leve). Ninguém conhece não?
  12. Fala Hugo, Muito boas as fotos, hein?! Parabéns. Agora, o que você usou pra se guiar por lá? GPS ou mapa mesmo? O que você tiver de infos de lá você poderia me passar, por favor? Abraços, Carlos
  13. Pessoal, Tava pesquisando sobre o cânion Fortaleza e achei um site interessante (http://www.jacintomachado.sc.gov.br/Turismo/trilhas.php), da cidade de Jacinto Machado, falando sobre esta trilha, que sai desta cidade até o planalto, vencendo um desnível de 1000 metros. Esta trilha, pelo que pude ler, dá acesso a outra borda do cânion Fortaleza (quando se entra por Cambará do Sul, chega-se no outro lado). Pergunto : alguém aqui já fez esta trilha? Pretendo fazê-la do que subir por Cambará do Sul.... Abraço! Carlos
  14. Pessoal, Alguém por aqui tem essa travessia marcada para GPS? Não precisa nem ser tracklog, mas alguns waypoints de pontos chaves já são suficientes.... Mapa, quem tiver também, agradeço.... Abraço! Carlos
  15. É isso aí, pessoal. Concordo com o Hugo sobre o lance de marcações e guias. Guias servem para pessoas que não se sintam preparadas para a travessia, principalmente no trecho Açu-Sino, que é de complicadíssima navegação em caso de neblina ou tempo ruim. Já para os montanhistas com alguma experiência, não custaria nada se existissem alguns tótens ao longo do caminho. Não precisaria ter marcações a cada 5 metros, mas uma distância razoável. Lógico, marcações essas CONFIÁVEIS, e não esse show de indicações de caminhos errados. ALém disso, em número menor, placas oficiais do PNSO (nos molde
×
×
  • Criar Novo...