Ir para conteúdo

marcosmm

Membros
  • Total de itens

    101
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

0 Neutra

Sobre marcosmm

  • Data de Nascimento 17-02-1971

Bio

  • Ocupação
    Funcionário Público Federal

Outras informações

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. Ituiutaba / MG whats app (34) 9 9111 6502 (tim) Bora fazer a travessia UberLândia / Araguarí pela linha férrea!
  2. Como tenho usado essa postagem como um diário das minhas saídas vamos pra última. Até que enfim me senti preparado para o primeiro pernoite e fiz uma caminhada de cerca de 42 km em dois dias. Preparei tudo durante a semana e saí no sábado de manhã. Apesar de toda preparação acabei esquecendo sobre a mesa da cozinha o chapéu australiano (adquirido em loja de 1,99) e o protetor solar. Esses dois esquecimentos acabaram acrescentando dificuldades desnecessárias à caminhada, pois durante os dois dias de caminhada o sol esteve escaldante. Tenho optado nessas primeiras saídas explorar os arredores da minha cidade sendo que posso iniciar as caminhadas sempre direto da porta da minha casa ou com o uso de um moto-táxi. Desta vez não foi diferente e o moto-táxi me deixou logo após a saída da cidade de onde comecei o primeiro dia de caminhada por volta das 08:00 hs, programado para 21 km e para se encerrar por volta das 17:00 hs. Cachoeirinha em uma das nascentes do Ribeirão São Vicente Optei por fazer a caminhada o máximo por cima das serras e no caminho para alcançar a primeira elevação passei por pequeno trecho de mata onde se escondia essa pequena cachoeira. Veludinho Vermelho (Guettarda pohliana) Próximo aos cursos d'água é bem comum achar Veludinho vermelho, uma fruta nativa. Pra quem gosta... Serra do Corpo Seco vista a partir da Serra do Morto (Serra de São Vicente) Cruzeiro da Serra do Morto (Serra de São Vicente) Cruzeiro da Serra do Morto (Serra de São Vicente) Vista de Ituiutaba a partir da Serra do Morto (Serra de São Vicente) Atravessando a mata em um terreno muito íngreme chega-se ao cimo da primeira elevação da Serra de São Vicente popularmente conhecida como Serra do morto, de onde pode-se ter belas vista do horizonte praticamente em 360º. Trecho com mata densa entre as elevações da Serra de São Vicente Estrada Pavimenta sobre a Serra do Saltador Ao chegar à parte de cima da Serra de São Vicente dei de cara com esse trecho de estrada pavimentada, estou curioso para descobrir a história de como ela veio parar lá. Urubu-de-cabeça-preta (Coragyps atratus) Pegadas de onça Na estradas de terra batida, bastante arenosa, foi possível visualizar pegadas de diversos animais. Acredito que ví pegadas de anta, veados, nas áreas mais úmidas sinais dos bandos de javali que andam se espalhando por aqui, raposas e essas que acho serem de onça. Encruzilhada A estrada tem muitas encruzilhadas, tem que estudar o roteiro antes de sair ou arrisca-se andar a esmo. Flor selvagem Linha de transmissão que atravessa a Serra do Saltador Lago nas Nascentes de um dos Afluentes do Ribeirão São Lourenço Por volta do meio-dia cheguei a esse pequeno lago onde me reabasteci com água e comi uma porção de carne louca. Estrada Pavimenta sobre a Serra do Saltador Outro trecho da estrada pavimentada. Mata no início da Serra da Aldeia Início do trecho de quase 3 km de mata fechada. Portal vegetal No início do trecho de mata (bastante íngreme) encontrei essa árvore que parece formar um portal para o mundo selvagem. Crânio Depois do treco íngreme encontrei uma cerca que me serviu de orientação até o próximo trecho de pastagens. Próximo à cerca encontrei esse crânio de algum animal. Estradão Quando já estava ficando preocupado cheguei à estrada que atravessa a mata e que me levaria ao próximo trecho de pastagens. Sucupira Branca (Pterodon emarginatus) Baru (Dipteryx alata) Buriti (Mauritia flexuosa) O local que havia programado para o pernoite não se mostrou adequado, seguindo adiante encontrei esses Buritis, indicador de água e logo adiante um antigo quintal abandonado (a casa foi demolida) que se mostrou muito adequada para o pernoite. Já eram 17:45 hrs e montei o acampamento, e coletei água para passar a noite. Jantei uma porção de bacon frito e já estava bem escuro. Demorei para dormir pois as árvores do antigo quintal (mangueiras, abacateiros, laranjeiras...) servia de abrigo para diversas espécies de pássaros e cada vez que elas faziam algum barulho eu me agitava e demorava a me acalmar. Pendurei toda a tralha para evitar a intromissão de insetos e pequenos animais e conseguir tirar os primeiros cochilos. Às 02:00 hs da madrugada acordei sentindo que alguma chuva se aproximava, passei tudo para dentro da tenda e dormi direto até às 05:00, quando fui acordado pela chuva acompanhada de fortes ventos. Desmontando o acampamento A tenda se mostrou bastante eficiente contra a chuva, que durou até às 06:30, quando saí da rede e tratei de coletar mais água e desmontar o acampamento. Córrego da Aldeia por cima Cachoeira da Aldeia por cima 700 mts à frente cheguei ao meu objetivo a Cachoeira do Córrego da Aldeia. A altura era tremenda e só não tirei mais fotos porque rapidamente senti fortes vertigens e tive medo de deixar cair o celular (que ainda não terminei de pagar as prestações). A visão do local valeu realmente a pena e permaneci por alí (um pouco distante da beirada) uma meia hora apreciando a vista. Orquídea selvagem Cascavel (Crotalus durissus) Essa estava morta, mas sei que muitas estavam espreitando. Sorte que não tive nenhum encontro. Gavião-carijó (Rupornis magnirostris) Mal dá pra ver mas na árvore do centro havia um casal de gaviões-carijós O mochileiro mais sapecado das galáxias! Por volta do meio dia já estava bem sapecado pelo sol e ainda faltava metade do caminho. Sorte que cinco km adiante consegui uma carona e cheguei em casa por volta das 15:00 hs duas horas antes do programado.
  3. Minha próxima saída será com uma mudança substancial na minha alimentação, cortei completamente carboidratos e açúcar, e quase completamente os industrializados. Pensando aqui nas opções...
  4. Jean, Muito boa a idéia de limitar a abertura dos pés... Saudações,
  5. renato5129, seus relatos são sempre uma inspiração, e pelo geito você está conseguindo montar uma turma muito bacana por aí, parabéns. Agora uma curiosidade, qual o lance daquele amontoado de pedras da foto bulcania13??? Saudações,
  6. gvogetta, tem no mercado livre mesmo: http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-469894375-super-filtro-aquamira-frontier-sobrevivncia-_JM Noventa dinheiros, e o vendedor afirma que possui loja física em São Paulo!!! Saudações,
  7. tonyldo, Quanto mais itens multiuso melhor!!! Já pensou se sua faca fosse daquelas com cabo ôco que já vem com kit fogo dentro? Sobrava lugar pra escolher mais um item né?? Saldações,
  8. Para quem ainda não tem: Autor: Sérgio Beck Título: O Livro de Cozinha do Excursionista Faminto Valor: R$ 15,00 http://www.estantevirtual.com.br/antigas/Sergio-Beck-O-Livro-de-Cozinha-do-Excursionista-Fa-83285553 Esse é um dos mais procurados livros do Beck. Saudações,
  9. Para quem ainda não tem: Autor: Sérgio Beck Título: O Livro de Cozinha do Excursionista Faminto Valor: R$ 15,00 http://www.estantevirtual.com.br/antigas/Sergio-Beck-O-Livro-de-Cozinha-do-Excursionista-Fa-83285553 Esse é um dos mais procurados livros do Beck. Saudações,
  10. Sim, e também que "carimbando" a tinta se impregna melhor na superfície, muitas vezes rugosa, de troncos e pedras, lembrando que antes de pintar deve-se limpar a superfície com escova de aço, ou, no nosso caso, com o dorso da faca "Bear Grylls" do Costa Abraço! Deu pra perceber um pouco do procedimento pelas fotos, esses estêncil's ficam melhor se forem feitos em chapas de raios-x descartados (os hospitais teêm aos montes). Por aqui nem temos "trilhas" de verdade, mas pra uma eventualidade, todo conhecimento conta. Saudações,
  11. Se não possuir treinamento específico para identificação de ofídios, evite o contato ou aproximação dos mesmo, na maioria das vezes os "acidentes" acontecem porquê alguém quis "aparecer", demonstrando sua perícia e coragem. Saudações,
  12. Eu tinha muita vontade de fazer trekking, um belo dia depois de um treinamento em Belo Horizonte me convidaram para uma caminhada numa das serras que estão dentro do perímetro urbano. Gostei demais, no entanto era um período de muito trabalho e não dei continuidade na atividade de mochileiro. Algum tempo depois pesquisando sobre o assunto descobri o mochileiros e através dele os Livros do Sérgio Beck. Devorei o blog e lí alguns livros do Beck e me senti encorajado a fazer uma experiência pra confirmar se ia gostar mesmo dessa modalidade de lazer. Como foi positiva a experiência sigo fazendo trilhas eventuais, sempre solo pois por aqui não consegui ainda localizar alguém que curta mochiladas. Ainda faço mochiladas de um dia, mas muito em breve farei o primeiro pernoite, que já está todo planejado. Quanto as dicas em sí: - Para alimentação leve sanduíches ou qualquer tipo de alimento já preparado, de preferência secos. - Vá sempre acompanhado ou escolha locais de fácil acesso ou pouco isolados - Não dê um passo maior que a perna, acumule o máximo de experiência e conhecimento antes do próximo passo - Recomendo o livro A aventura de caminhar do Sérgio Beck como ponto de partida Saudações,
  13. Mudanças sempre acontecerão, e teremos que conviver com elas. Este é um destino muito concorrido e já bastante tradicional. Esperemos que essas medidas não sejam definitivas.
×
×
  • Criar Novo...