Ir para conteúdo

HenriqueVanni

Membros
  • Total de itens

    80
  • Registro em

  • Última visita

  • Dias Ganhos

    1

Tudo que HenriqueVanni postou

  1. HAHAHAHA Esse foi o melhor argumento! Já que vai estar por lá, existe um passeio chamado Valle Sagrado, ele dura um dia só e passa por uns lugares bem legais, além do preço ser bem mais camarada do que Machu Picchu!
  2. Manoella, Com certeza da pra fazer uma trip com esse valor, mas tudo vai depender de como ele será utilizado! O primeiro fator é o deslocamento até o destino, por exemplo, ida e volta de SP a Paraty, de ônibus, sai uns R$150,00 por pessoa! Só nisso você já perde 40% do seu orçamento... A hospedagem também é algo a se considerar, um hostel nessa região, varia entre R$40 a R$100 a diária. Nisso seu orçamento já foi pro espaço! Sem contar alimentação. Com essa grana, e de acordo com as coisas que vocês pretender fazer, talvez valha a pena considerar Ilha Bela, a passagem é mais em conta, e é possível encontrar umas pousadas com quartos para casal (Deve custar uns R$100 ou R$150 a diária). A vantagem é Ilha Bela é que a maioria das coisas podem ser feitas de ônibus e há algumas trilhas com cachoeiras, além disso, as praias são de graça! A regra de ouro é a mesma para todas as trips, quanto mais planejar, menos se gasta! Boa Viagem!
  3. Rapaziada, show de bola o tópico! Tenho uma câmera simples, uma semi profissional da nikon, a p500, mas devo admitir que não conheço praticamente nada da parte técnica! Vou me basear no post e ir tentando algumas coisas novas! Obrigado pelas dicas!!!!
  4. Cara, se puder incluir Cusco com certeza não vai se arrepender! De todas as cidades da América do Sul, Cusco é minha favorita! Além de Machu Picchu! Se puder, vá com certeza! Se não puder, tente dar um jeito!!!! rsrsrs
  5. Fala Márcio! Tudo numa boa?! Então cara, da pra fazer a Isla del Sol sem problemas! O Lago Titicaca fica ao norte de La Paz (noroeste na verdade). o acesso mais fácil é pela cidade de Copacabana. Há ônibus diretos de La Paz até Copacabana!
  6. Hostelando, Muito legal o seu relato! A meta é fazer esse mesmo caminho agora em março! Em linhas gerais, no que se refere a alimentação e hospedagem no caminho, quanto mais ou menos você gastou?
  7. Fala Daniel! Cara, La Paz é uma grande cidade como qualquer outra do mundo, e oferece riscos semelhantes! Eu sou de SP, então olhar pra trás de vez em nunca sempre vale a pena
  8. PQP! o cara tomou uma cusparada e ainda foi roubado! Isso que é prejuízo! hahahaha Seria mais engraçado se não fosse uma merda ser roubado!
  9. Então cara, na verdade foi um furto! Eu nem vi direito o que aconteceu, mas a tática dos caras foi boa! Eu estava descendo uma rua bem movimentada, como todas em La Paz, um cara, por trás de mim jogou várias pedras pequenas na minha cabeça, no reflexo, virei para trás, nisso outro cara veio pela frente e trombou em mim, nisso, o celular foi tirado do meu bolso! O meliante gringo mandou bem na estratégia!
  10. Dia 8,5 e 9 a decepção! Bem, o dia do Chacaltaya foi o último efetivamente de viagem, considerando que o 9º dia foi a volta para casa e o voo saiu durante a madrugada. Após voltar do passeio do Valle de la Luna, fui ao hostel para começar arrumar a mochila e fazer o check out, fui a recepção do Loki para perguntar quanto deveria pagar pela hospedagem (o total foi de Bob 316), e como em toda viagem, deixei as últimas horas para comprar umas lembrancinhas. Paguei o pela hospedagem e fui ao centro de La Paz para comprar umas muambas... Chegando a rua principal um puto roubou meu celular! Pqp! Que merda! Depois de uma puta viagem louca, várias fotos show de bola, um maldito me roubou! Além da decepção por ter sido roubado, o que realmente me quebrou as pernas foi perder as fotos! Perdi cerca de 300 fotos! Aproveitando a deixa, queria agradecer muito ao Vale e a Marcela, grande parte das fotos que foram postadas no relato foram tiradas por eles! As fotos que estavam na GoPro foram salvas. Bem, ao menos o cara que me roubou viu ótimas fotos ao som de Evidências do Chitão & Xororó! Espero que o relato tenha ajudado a tirar algumas dúvidas! Caso existam algumas, é só perguntar! Boas viagens a todos! Enfim, fim!
  11. Dia #8 A 5400 metros de altitude O dia começou cedo, com a van da empresa contratada indo nos buscar no Loki Hostel. Além do motorista, havia um guia que falava espanhol e inglês, e passou várias informações interessantes sobre o Chacaltaya. Fizemos uma parada no meio do caminho em uma loja pequena para comprar água, bolachas, salgadinhos e etc. No Chacaltaya não há lojas e restaurantes. O que você levar, é o que vai consumir durante o passeio. Vale a pena levar uns snacks, o passeio se inicia umas 8h da manhã e a volta a La Paz se dá por volta das 13h. O caminho até o Chacaltaya é bem ruim, com estradas esburacadas e com muitas pedras. Além de ser meio perigoso, a pista é muito estreita e o penhasco é grande, mas o motorista mandava super bem! O dia estava muito ensolarado, mas não se enganem, faz muito frio no Chacaltaya! A van nos deixa na antiga estação de ski, que foi desativada pela falta da neve ocasionada pelo aquecimento global. A subida ao pico do Chacaltaya é opcional, mas eu recomendo muito ir! O visual é incrível! É um percurso árduo, não pela subida em si, mas pela altitude que realmente faz a diferença na hora de subir! Demoramos cerca de 30 minutos para subir até o pico, fazendo algumas paradas para retomar o fôlego durante a subida! Após retornarmos a van, partimos em direção a La Paz novamente, rumo ao Valle de la Luna. O Valle da Lua fica na zona sul de La Paz, e é possível fazer esse rolê por conta própria, mas como era o último dia de viagem, e preço ao fechar o Chacaltaya parecia justo, fechamos também o Valle. Compensa muito fechar o passeio com algum guia (caso você vá por conta), se não, tudo parecerá igual e sem graça. Se não me engano, é cobrada a taxa de Bob 15. Após esse passeio, rodamos um pouco por La Paz e retornamos ao hostel. Continua para o dia derradeiro...
  12. Caracas Letícia! Deu azar mesmo, hein! As cervejas são muito diferentes! É tipo comparar uma Itaipava com Heineken! Mas depois do Downhill, qualquer uma que esteja gelada era super bem vinda!
  13. Dia #7 Desbravando La Paz Com as pernas um pouco raladas e roxas, cheguei ao Loki e conheci um novo colega de quarto, um curitibano chamado Fábio. Como não tinhamos nada programado para o dia seguinte, pegamos o panfleto do Loki para analisar as opções e decidimos participar de um Walking Tour chamado Red Cap (Também foi uma indicação da Marcela). Tomamos café da manhã no Loki e fomos até a praça onde o Red Cap é programado, se não me engano, são dois Walking Tours por dia, e o custo é de Bob 20! Há um horário para a manhã e outro para o início da tarde. Recomendo muito o tour, a duração aproximada é de 2h e a quantidade de informações é muito grande! Eu diria até que é fundamental participar de algum tour de informações por La Paz. É falado sobre alguns amuletos que são vendidos no Mercado das Bruxas, os fetos de Lhama, até sobre a posição do chapéu das Cholitas. O Walking Tour é feito é Inglês! Após o Walking Tour, fomos andar nos teleféricos de La Paz rumo a Zona Sul da cidade (É necessário pegar a Linha Amarela e fazer conexão a Linha Verde). O sistema de teleféricos de La Paz é impressionante! Tanto pela funcionalidade quanto pela qualidade. As cabines são amplas e confortáveis, e as viagens são rápidas. O preço da viagem é de Bob 1,50. (Para fazer a conexão, é necessário comprar uma outra passagem). Até o fechamento dessa edição, as linhas que estão operando são: Vermelha Amarela Verde A linha mais próxima da região central de La Paz é a Vermelha, que tem como destino o bairro de El Alto (É o bairro onde fica o aeroporto). De El Alto, se tem uma visão incrível de La Paz. É nessa linha em que subimos pelas casas que parecem barraquinhos. (O motivo das casa serem dessa maneira também é explicado no Walking Tour). Após rodar a cidade de teleférico, eu e Fábio fechamos o rolê do Chacaltaya e Valle da Lua para o dia seguinte. O passeio foi fechado dentro do escritório da Gravity pelo valor de Bob 100. Continua...
  14. Carol, to indo fazer essa trip em junho. Tbm pensei em ir por corumba, pelo atacama no chile ou pela argentina. Mas o mais pratico e barato mesmo eh o voo pra la paz. Pelo menos no meu modo de ver Eai Jefferson! Então cara, como sugestão, se o Atacama estiver no seu roteiro, compensa começar a trip por La Paz, e no último dia do rolê no Uyuni, você poderá ficar direto no Atacama e emendar os dois desertos! (Isso deve ser acordado diretamente com a empresa contratada para o tour do Uyuni, geralmente é cobrado uns Bob 50 a mais!).
  15. Olá Carol! Então, caso você tenha um prazo mais legal para a viagem, compensa dar uma olhada nas passagens para Sta. Cruz de La Sierra, geralmente os preços são bem mais em conta do que La Paz! (Saindo de SP) De Sta. Cruz, você pode pegar um ônibus direto para Uyuni ou La Paz. (O que encurtaria a viagem de busão até o Uyuni) Além disso, existe a empresa Amaszonas, que faz voos internos na Bolívia com preços mais bacanas! (O trecho Sta. Cruz - La Paz sai por uns 200 temers esterlinos!) Honestamente eu não sei se em Sta. Cruz há alguma atração turística, mas fiz a escala de volta por lá, e a visão do avião é bem bacana! Parece ser uma cidade bem mais arborizada e bonita que La Paz! Além do aeroporto ser bem melhor!
  16. Dia #6 DeathRoad O tão esperado dia chegou! Não posso negar que o rolê da DeathRoad foi o principal motivo de ter optado pela Bolívia como destino! O Salar é espetacular, sem dúvidas, mas nada foi mais empolgante do que a descida na Estrada da Morte. O ponto de encontro da Barracuda foi o restaurante Little Italy, que é bem próximo do mercado das bruxas. O horário marcado foi às 7h. Embora há snacks durante todo o rolê da DeathRoad, tomei um suco (Bob antes de sair do Little Italy. Pouco mais de uma hora de van, chegamos ao Cumbre, que é o ponto de partida da estrada. A primeira parte do circuito é asfaltada, o que é muito importante para se adaptar á bike. A bike é um capítulo a parte, é simplesmente sensacional! Daquelas que certamente custariam uns bons R$3.000,00 por aqui! Vale ressaltar que a empresa fornece a calça, blusa, luvas e capacete. Os itens obrigatórios de uso contínuo são as luvas e o capacete. O suporte para a GoPro também foi fornecido pela Barracuda. No início da descida faz muito frio, mas depois a temperatura sobe consideravelmente, o que faz que deixemos a blusa e a calça na van que nos acompanha durante a descida. Há várias paradas durante a descida, seja para comer algo ou tirar fotos. Todas as paradas são válidas! O terreno da estrada é composto por muitas pedras soltas, o que faz com que a bike trepide muito, mesmo com as luvas e os amortecedores da bike, é impossível não sair com as mãos doendo! Há também várias cruzes durante o caminho, segundo o nosso guia da DeathRoad, cerca de 3 a 5 pessoas morrem anualmente em virtude do 'excesso de confiança'. O guia nos contou uma história sobre um casal de italianos que resolveu descer a estrada por conta própria, perderam o controle da bike e faleceram na queda. Certamente é um passeio que não compensa economizar muito. O barato pode sair caro. Faltando pouco mais de 18km para terminar a descida, o pneu da frente da bike travou entre duas pedras e voei, literalmente hahahaha A queda foi doída mas a vontade de terminar a descida era maior! Então, bora continuar! Uma dica importante! Se você pretende levar sua GoPro para filmar a descida, leve uma bateria extra! Eu tinha apenas uma e só consegui filmar uns 30k dos 54k totais! A foto abaixo é da última curva da estrada! É uma sensação fantástica! Ao fim da estrada, fomos há uma espécie de chácara, com banheiros, chuveiros, piscina e alimentação! Há opções para vegetarianos também. E a melhor parte... VENDE CERVEJA GELADA!!! Indico a cerveja Judas, é muito boa! A maioria das outras cervejas bolivianas são um pouco aguadas Enfim, depois de 54km pedalados, 6h, uma queda cinematográfica, e umas boas cervejas, retornei a La Paz! Continua....
  17. Dia #5 Em La Paz Depois de mais uma noite no ônibus, mas dessa vez sem sermos parados pela polícia anti drogas. Cheguei em La Paz por volta das 5h da manhã, fazia muito frio. Quando descemos do ônibus uma legião de taxistas apareceu. Embora o hostel fosse relativamente próximo ao terminal rodoviário, peguei um táxi devido ao fator preguiça O Hotel escolhido foi o Loki. Não há críticas em relação ao albergue, ele é muito grande, bonito e bem estruturado. Li em vários outros relatos mochileiros relatando problemas em relação ao barulho e bagunça, visto que o hostel dá festas todas as noites! O hostel têm 7 andares, do 1º ao 5º ficam as acomodações e no 6º e 7º encontram-se o bar e zonas livres com Wi-Fi. Meu quarto ficava no quinto andar e não tive problemas em relação a diversão alheia. Por ter ficado no 5º andar o Wi-Fi funcionava as vezes. Lucky! A primeira coisa que fiz foi tomar um banho de verdade! Questão de necessidade. Eu não tinha nenhuma programação para o dia, então, coloquei a mochila de ataque nas costas e fui desbravar a cidade a pé. É incrível como só existem ladeiras lá e a altitude faz o seu papel tirando um pouco do vigor físico, ainda sim, tudo tranquilo! Comer em La Paz é missão difícil! A cultura boliviana faz com que tudo seja feito na rua, comer não seria diferente! Arrisquei uma espécie de fast food mas não rolou muito bem. A partir daí, fiz as refeições mais importantes no hostel. O preço é um pouco mais salgado em relação à rua. Mas há coisas em que não se pode arriscar em uma curta viagem. Neste dia, fechei a DeathRoad com a Barracuda, foi uma indicação muito válida feita pela Marcela e pelo Lucas, os irmãos do Salar! O preço da Barracuda é um pouco mais salgado que o da maioria, mas segundo eles, só há duas empresas em La Paz que possuem todas as validações do Governo Boliviano. (A outra empresa é a Gravity). Curiosamente, as empresas ficam na mesma rua. O preço da Gravity também é salgado, mais que a Barracuda. Fechei o rolê por Bob 600. Continua....
  18. Dia 4# Último dia no Salar e retorno a La Paz Depois de acordar com os lábios roxos, partimos pouco antes do sol nascer até os Gêiseres, é uma parada super legal, apesar do cheiro de enxofre! Os gêiseres liberam uma fumaça bem quente, mas da pra interagir um pouco com ela! Um outro guia levou uma garrafa d'água e ela ficava flutuando com a intensidade da fumaça liberada. A parada seguinte foi nas águas termais do vulcão. O lugar possui uma infraestrutura simples, mas certamente vale um mergulho, até porque águas quentes são raras durante todo o passeio no Salar!! A temperatura da água passa dos 25º. De banho tomado, seguimos ao Deserto Salvador Dalí, é um lugar bem bacana também, o formato das rochas e montes de areia se assemelham com algumas obras do pintor, por isso leva esse nome. A penúltima parada do tour foi na Laguna Verde. Para mim, um dos lugares mais bonitos do passeio todo. Começamos o caminho de volta a cidade de Uyuni, mas antes paramos num lugar bem bacana para o último almoço! De barriga cheia, começamos a volta até Uyuni, é um caminho bem longo, considerando que nos dois dias de tour andamos apenas à direção Sul, após boas horas no carro, ouvindo de Red Hot Chilli Peppers até Chitãozinho & Xororó, chegamos a cidade de Uyuni! Dividimos uma pizza, tomamos umas cervejas e me despedi de todos. Fui até a Todo Turismo e entrei no ônibus com destino a La Paz! Continua...
  19. Dia #3 Segundo Dia do Tour Depois de uma noite fria na acomodação de sal, tomamos café da manhã e seguimos ao novo planejamento, a primeira parada foi no Canyon Anaconda. O Canyon tem esse nome pois há um rio que o corta, com formato de uma cobra. O lugar é bem alto, cerca de 190m de altura. Saindo do Canyon, a parada seguinte foi na Laguna Misteriosa, ela possui esse nome pois está localizada na região de um vulcão, e os gases existentes no solo alteram a cor da água, deixando-a mais escura. É possível fazer um mini trekking pelas pedras e ter um visual bem legal da laguna! Neste mesmo lugar, fizemos de um pedra nossa mesa e almoçamos por lá. A próxima parada foi num conjunto de rochas bem interessante, no meio do deserto. Segundo Samuca, as rochas mais avermelhadas possuem essa cor por serem vulcânicas. O destino final desse dia foi na famosa Laguna Colorada. É um lugar que faz um frio dos diabos e venta muiiiito! Honestamente acho que ficou um pouco a desejar, todas aquelas fotos da Laguna toda vermelha não retrataram a realidade do dia. Há muitos flamingos, inclusive muitos flamingos mortos na margem da laguna. Por mais que não tenha me agradado muito, certamente é um lugar que merece a visita! Saindo da Laguna Colorada, fomos a próxima acomodação. Essa foi a noite mais fria da minha vida, segundo Semuca, fez cerca de -15° durante a madrugada. Preparem-se bem, e ainda sim sentirão frio Continua...
  20. Dia #2 - Chegada a Uyuni e Início do Tour 3 dias 2 noites A virada da noite aconteceu na estrada, num frio de pouco mais de 0º, a viagem foi muito tranquila e sem sustos no ônibus, mas.... Próximos à Uyuni, mais ou menos umas 5h da manhã fomos parados pela polícia anti drogas da Bolívia, vários policiais entraram no ônibus e revistaram todas as malas de mão dos passageiros, enquanto outros policiais revistaram as malas que foram 'despachadas'. Após a revista, foi servido o café da manhã no ônibus e chegamos em Uyuni perto das 6h. Quando você desce no ônibus aparecem várias pessoas de agências de cercando tentando te empurrar o tour de todas as maneiras. A Marcela e o Lucas já tinham uma indicação de uma agência chamada Skyline Traveller Uyuni (link abaixo). Formamos um grupo, Eu, Marcela, Lucas, Marta e Vale (Marta e Vale formam um casal de espanhóis muito gente boas!). Só tenho elogios a fazer a agência! O guia Samuel (que depois de 5 minutos virou Samuca) era muito tranquilo, dirigiu super bem, explicou todos os lugares que passamos nos mínimos detalhes, além de ter um pendrive com músicas muito boas! Fomos de Foo Fighters até músicas típicas bolivianas, passando por Evidências do Chitãozinho & Xororó hahahaha. A primeira parada do Tour de 3 dias e 2 noites é no cemitério de trens, é um lugar bem simples e próximo a Uyuni, mas vale a visita! Após o Cemitério de Trens, fomos a uma fábrica de Sal, que processa e vende o sal do Salar, em pequena e grande escala. Lá fizemos nosso primeiro almoço, a comida é simples mas muito boa! Junto à fábrica, há uma feirinha com suveniers, honestamente acredito que não valha a pena comprar, o preço é bem mais alto do que na cidade de Uyuni, e praticamente tudo que é visto nessa feirinha, é vendido também em La Paz. Tanto a fábrica quanto a feira de artesanatos fica no Povoado de Colchani. Saindo da feirinha, fomos à Ilha de Incahuasi, onde estão os cactos centenários. São chamados assim pois um cacto cresce em médica 1 cm por ano, e como muitos cactos de lá passam dos 10m de altura, são considerados centenários. O lugar é muito bonito, e é possível fazer um mini trekking para chegar até o ponto mais alto, com um visual bem legal da imensidão branca do Salar. Após a Isla Incahuasi, Samuca nos levou em um ponto do Salar onde o sal é mais branco! (parece sem sentido mas é verdade, quanto mais ao centro do Salar, mais branco e conservado é o sal). Lá tiramos as tradicionais fotos de panorama e ficamos aguardando o por do sol, é uma experiência que vale muito a pena! Com o sol posto, fomos à primeira acomodação toda feita de sal! O lugar é simples e com pouca infraestrutura, há apenas 1 tomada lá!!! Por sorte, outro viajante tinha um filtro de linha e salvou as baterias de todos nós! Jantamos e Samuca nos fez uma proposta de alteração de percurso, deixaríamos de ver a Árvore de Pedra e uma outra lagoa, em compensação iríamos ao canyon anaconda e old italy, que são um conjunto de formações rochosas. Todos topamos! Tomamos um banho e fomos dormir para o próximo dia! Custos do Dia Skyline Traveller Tour - 3 Dias 2 Noites - BoB 700 Isla Incahuasi - BoB 30 Banho - Bob 10. Site Skyline: http://skylinetraveller.com/en/skyline-traveller/ Continua...
  21. Falaê Pessoal! Depois de deixar de ser caipira e aprender a colocar as fotos nas postagens, comecei a escrever o relato! Quem quiser acompanhar, segue o link: http://www.mochileiros.com/missao-bolivia-9-dias-de-diversao-e-3-horas-de-decepcao-sozinho-fotos-custos-dicas-causos-t135060.html
  22. Falaê Pessoal! Tudo numa boa? Estive na Bolívia entre os dias 08 e 16 de setembro de 2016 e vou tentar contar os causos dessa viagem, incluindo algumas dicas pra vocês! Peguei um período muito curto de férias, apenas 12 dias, ainda sim deu pra fazer um planejamento um pouco apertado mas que foi possível aproveitar e descansar bastante! No final desse tópico vou deixar a planilha que usei para planejar a trip, com orçamento, calendário, itens da mala e timetable. Espero que ajude! Embora não tenham pedido a mim, e eu também não conheço ninguém que foi solicitado, é OBRIGATÓRIO o certificado internacional de vacinação da febre amarela! *A vacina deve ser tomada no mínimo com 10 dias de antecedência da viagem! Há algumas informações bacanas no link abaixo. http://oquefazer.blog.br/febre-amarela-onde-tomar-que-paises-exigem-e-como-emitir-o-certificado-blog-o-que-fazer/ Enfim, vamos ao relato! Cronograma Datas --- Local --- Missão 08/09/2016 --- Chegada a La Paz --- Ônibus à Uyuni 09/09/2016 --- Chegada a Uyuni --- Início do Salar (3 dias 2 Noites) 10/09/2016 --- Uyuni --- Salar 11/09/2016 --- Uyuni --- Fim do Salar - Volta a La Paz 12/09/2016 --- Chegada a La Paz --- Check in Loki Hostel 13/09/2016 --- La Paz --- Dia Livre - Comprar Muambas - Agendar DeathRoad e Chacaltaya 14/09/2016 --- La Paz --- DeathRoad 15/09/2016 --- La Paz --- Chacaltaya 16/09/2016 --- Caminho da Roça --- Ir embora Postei esse roteiro pouco antes de ir viajar aqui no fórum, muitos, inclusive eu, consideraram muito arriscado chegar à La Paz e partir para Uyuni na mesma hora, tanto pelo horário quanto pelo temido Soroche, abaixo estão os tópicos em que dúvidas em relação aos temas foram respondias! Valeu a força, pessoal! Roteiro: http://www.mochileiros.com/missao-bolivia-9-dias-sozinho-t131462.html Soroche: http://www.mochileiros.com/medicamentos-para-o-soroche-t132078.html Dia #1 - Chegando e Partindo Embarquei em São Paulo às 14h15 (horário BR) com destino a Cochabamba, após mais ou menos 1h no aeroporto de Cochabamba, peguei o mesmo avião com destino a La Paz, chegando no aeroporto de El Alto às 18h15 (horário BO). No aeroporto de El Alto, após pegar a mochila e passar pelas inspeções de imigração, você passar por uma espécie de detector de metais com uma luz verde e vermelha, um agente do aeroporto aperta um botão, se acender a luz verde, é só cantar Let It Go e ir ao saguão, caso dê vermelha, deu ruim! Eles vão abrir sua mala, fazer perguntas e etc. Deu luz verde! Já no saguão do aeroporto, troquei uns BoB, numa cotação bem ruim, mas seria necessário para o táxi até a rodoviária. Na Bolívia os táxis não possuem taxímetro, então é necessário negociar o preço antes de entrar no carro, pechinchar é regra universal, embora os Bolivianos sejam ferrenhos negociadores, as vezes da pra conseguir algum desconto. Não consegui no táxi. Entrei no táxi e após uns 30 minutos e um pouco de trânsito, cheguei a rodoviária. Dica Importante: Existem 2 rodoviárias em La Paz, fale pro taxista onde você pretende ir viajar, e ele te levará para a rodoviária correta. Cheguei na rodoviária por volta das 19h, o ônibus para Uyuni sairia apenas as 21h, então estava tranquilo, andei um pouco pela rodoviária e encontrei uma Lan House, entrei para avisar o pessoal de casa que estava vivo. Rodei um pouco mais pela rodoviária e depois de um pouco de desespero descobri que a Todo Turismo* (empresa que comprei a passagem para Uyuni antecipadamente pela internet) ficava fora da rodoviária! Entrei na Todo Turismo e conheci Marcela e Lucas, dois irmãos aqui de SP que estavam viajando juntos pela primeira vez. Eles foram ótimos companheiros de viagem! Trocamos algumas dicas e informações e às 21h embarcamos no ônibus à Uyuni! Sobre o ônibus: Cama Semi-leito; Confortável; Oferecem jantar (uma marmita com arroz, frango e legumes) Muito bom!; Assistimos Perdido em Marte, em espanhol; Oferecem um pequeno travesseiro e cobertor*; Nas primeiras horas o ônibus tem Wi-fi! *Aceite! Faz frio demais durante a viagem! Assim se encerrou o primeiro dia de viagem, na madrugada fria do ônibus com destino a Uyuni! Custos do Dia Táxi: Aeroporto - Rodoviária - BoB 60 Água Rodoviária: 3 Bob Lan House: 2 Bob Ônibus: La Paz - Uyuni (ida e volta) - Comprado Antecipadamente - Bob 580.* O preço foi bem alto, mas considerando o planejamento apertado, optei por não correr riscos. Site Todo Turismo: http://www.todoturismosrl.com/ Continua... Missão Bolívia - Final.xlsx
×
×
  • Criar Novo...