Ir para conteúdo

mrcsmkt

Membros
  • Total de itens

    33
  • Registro em

  • Última visita

Tudo que mrcsmkt postou

  1. mrcsmkt

    Huayna Potosí

    Cara, quando fui pra Bolívia eu tava na mesma que você. Tinha leve experiência em escalada mas nenhuma em alta montanha. Vamos lá... Você pretende fazer apenas o Huayna Potosí, falando em alta montanha? Tem bastante opção ali na Cordilheira Real, alguns cumes até mais fáceis e de altitudes menores, eu aconselharia você a tentar algum como forma de aclimatação. Seria legal você tentar algum deles até pra ver como seu corpo reage diante de uma altitude maior que 4000m, que é pra mim o maior empecilho em ascensões. E o Huayna Potosí é um 6000m né, o que mais tem de comum é turista tentar e não conseguir por causa dos sintomas do mal de altitude. Mas respondendo à sua pergunta... Falando em turismo mesmo, as melhores opções pra fazer aclimatação são o salar de Uyuni e Copacabana/Ilha do Sol... Ficam a uma altitude maior que La Paz. Se tu tiver empenhado mesmo em tentar o Huayna, eu aconselho o seguinte: fazer o tour de 3 dias do salar, passar um ou dois dias em Copa/Isla, depois tentar algum cume "light" no Condoriri. Aí depooois o Huayna. Isso só porque o cume do Huayna fica a uma altitude maior, porque tem muita ascensão a cume de 5000m que é 10x mais difícil que a ascensão do Huayna, que é relativamente fácil por ser a montanha mais escalada por lá (a neve fica bem mais compacta, facilitando muito o serviço! ). Maaaaaas... Isso é o que EU recomendo, pelo o que EU acho que seja o essencial (o mais interessante e o mais divertido também) pra você... Se isso for coisa demais, falando em tempo e orçamento, tenta fazer ou só o salar, ou só algum trekking pelo Condoriri, sei lá... A questão é o quanto aclimatado você vai estar pra tentar o Huayna. Dá uma lida no tópico de mal de altura daqui do mochileiros e tira suas próprias conclusões... Sobre a agência... Recomendo e muito a Alberth Tours (eles tem um site, você pode conversar com eles por e-mail). Fiz dois passeios com eles (um deles o Huayna) e correu tudo bem. Eles alugam praticamente tudo, e o preço do pacote inclui transporte, alimentação e equipamentos. Pra mim saiu mais ou menos 140 dólares o tour de 3 dias. Eles só não tem roupa térmica, tipo fleece, segunda pele, etc. Sobre o treinamento... Não sou o mais apropriado pra te falar hahaha. Não estando muito fora de forma, acredito que qualquer um consegue o cume do Huayna... desde que bem aclimatado, ÓBVIO. Bom não sei se ajudei ou só atrapalhei, qualquer coisa pergunte!
  2. Bom sobre o diamox, talvez o certo fosse tomar antes de ir pro altiplano, mas como em La Paz eu me sentia bem, achei desnecessário. Não sei dizer se foi o diamox que me fez melhorar, porque tomei tanta coisa naquela noite... Utilizei até uma bombinha de oxigênio de um brasileiro hehe. Sobre o decadron, era uma das minhas dúvidas antes da viagem, levar diamox ou decadron. Mas como ele exige saber aplicar e tudo mais (podendo ser extremamente perigoso se mal aplicado), optei pelo diamox. A real é que não tem muita coisa comprovada acerca do soroche, pelo que li... Apesar de ser objeto de pesquisa há décadas na Medicina, né? heka, vai na fé que tudo vai dar certo com boa preparação, tem que ser muito azarado pra passar mal lá
  3. Olha galera, realmente são raros os casos em que a pessoa passa muito mal, geralmente o mochileiro toma um "soroche pill" e tudo fica certo. Mas não deixa de ser uma coisa a se temer, né? Eu tentei fazer tudo o que a cartilha manda: hidratar bem (o principal, penso eu), alimentar bem, levar remédios para emergências, etc... E lógico que, quando saí pro mochilão, pensei que seria tranquilo, que meu corpo reagiria bem, mas que se precisasse eu teria como tratar do mal de altitude. Aliás eu fui pra esse mochilão com o intuito de fazer alta montanha, então o tour do salar era nada mais que uma aclimatação de luxo rs. Porém como eu disse, até a noite no hotel de sal eu estava tranquilo, sentia mal-estar/enjôo/dor de cabeça, mas nada muito fora do normal. O problema foi no Parque Nacional da Laguna Colorada, quando veio a dificuldade de respirar e a minha indisposição... Não conseguia nem ficar de pé hehe. Aquilo pra mim foi o fim do mundo... Fiquei meses planejando tudo em função das montanhas que eu tentaria cume e do nada eu percebia que meu corpo era simplesmente incapaz. Minha "baixo-estima" estava altíssima MAS! Depois de toda a minha teimosia e analisando agora que já passou, deu um gosto a mais no mochilão... Uma semana depois de pensar que ia morrer, eu estava no campo-base do Condoriri sem sentir absolutamente nada!!! E o melhor, consegui os dois cumes que planejei... Foi uma viagem perfeita em termos de objetivo cumprido hehe. Com certeza retornarei a Uyuni e principalmente às lagunas... Quem sabe agora em um mochilão na versão turismo, sem perrengues de subir montanha nenhuma ... Quero demais conhecer Peru e Chile! Uma coisa que não mencionei, minha idade... Tinha 19 anos, cara de 15, então a galera devia estar pensando: este piá de bosta vem viajar sozinho, todo despreparado, que merd* ele acha que é? Hahuahua abraços pessoal!
  4. mrcsmkt

    Huayna Potosí

    realbueno, existe sim! Há vários tipos de tours. Tudo ajeitado pelas agências, desde o transporte, até os equipamentos e a comida. Por exemplo, só os que eu conheço: Tem um trekking, de 1 dia, em que você sai do Chacaltaya e chega no Huayna Potosí. Tem outro, de 3 dias, em que você sai de Tuni (um vilarejo próximo a La Paz), passa pelo acampamento base do Condoriri, e chega ao Huayna Potosí. Tem outro, de 4 dias, similar ao de 3 dias mas você fica um dia a mais, passando pela lagoa Juri Qhota. E ainda tem um em que você nem chega à base do Huayna, com duração de 5 dias, passando por outras partes da Cordilheira Real. Eu posso dizer que vale muito a pena um passeio desses, mesmo não tentando ascensão a cume... Pra quem gosta de trekking, eu diria que é imperdível... O campo base do Condoriri, por exemplo, é incrível! Um lugar rodeado por várias montanhas nevadas, glaciares e um lago lindo logo ao lado.
  5. Galera, tenho que deixar um relato pequeno (pelo menos pra agora) sobre minha experiência com o soroche... Eu que perguntei muito à galera o que fazer, o que tomar, como aclimatar e etc. Fiz meu primeiro mochilão agora em julho, tendo como destino a Bolívia. Fui por terra, por Corumbá, Santa Cruz, depois Cochabamba e La Paz. Nos primeiros dois dias em La Paz, não senti absolutamente nada, apenas o cansaço depois de subir e descer as ladeiras da cidade. Tentei fazer tudo certinho. Alimentar bem, descansar bem e principalmente hidratar bem. Depois desses dois dias em La Paz, fui a Uyuni pra fazer uma aclimatação, já que tentaria fazer alta montanha. Chegando em Uyuni (4000m +- e -10°C), estava MORRENDO. Muito frio, uma dor de cabeça que nunca tinha tido, MUITO forte, enjôo. Enfim... Tomei um chá de coca (já tinha mascado durante o trajeto La Paz-Uyuni, não fez efeito algum), alguns remédios e melhorei um pouco (um pouco mesmo, estava muito mal ainda). Fui pro tour de 3 dias. No final do primeiro dia já me sentia melhor. Conseguia alimentar normal, continuava tomando os remédios e mascando a folha de coca. Dormimos no hotel de sal nesse dia e eu me sentia bem. Quando acordei, estava MUITO mal de novo. Muito enjôo e a dor de cabeça infernal... Aí eu comecei a me desesperar, porque a dor era realmente muito grande, algo que nunca tinha sentido. Passou o dia e eu não melhorei. Esse foi o mais frustrante porque, com todas as paisagens fantásticas, as lagunas coloridas, o deserto cercado pela linda cordilheira, eu não conseguia aproveitar nada. Ficava só vegetando dentro da caminhonete. Saia pra tirar uma foto ou outra, e já voltava a deitar no banco da frente... No final desse segundo dia, chegamos ao Parque da Laguna Colorada (+- 4500m de altitude), fui direto pra cama, estava realmente mal. Não tinha ânimo e nem físico pra me alimentar, ficar sentado ou algo do tipo. E essa noite foi a pior, disparado. Não conseguia dormir, a dor de cabeça que não passava, calafrios, mesmo depois de vários analgésicos, ibuprofeno... Nessa noite lembro que tomei o primeiro Diamox. E o mais desesperador: começou a dificuldade de respirar. Aí que eu caí de vez. Comecei a ficar MUITO desesperado e já pensava em HACE, HAPE, e afins. Se é que me entendem. Não sei se foi o psicológico ou não, mas sentia uns catarros no meu peito, algo obstruindo meus pulmões Tinha muita gente preocupada comigo, meu guia (que me deu um chá de uma planta nativa, não sei até hoje o que era), outros mochileiros, companheiros de tour. Ninguém sabia mais o que fazer, que remédio dar. E também não tinha o que eu fazer, estava em um local muito isolado. Talvez eu devesse pedir pro guia me levar imediatamente pro Chile e baixar de altitude (já que estávamos "próximos" à fronteira do Chile). No calor do momento nem consegui pensar nada, fiquei lá estirado na cama com uma pilha de cobertores. O jeito era rezar pra acordar no outro dia, e se tivesse no mesmo estado, teria que mudar todo o roteiro e ir pro Chile, até o nível do mar. Acordei como no primeiro dia, muito enjôo e dor de cabeça (mas melhor que na noite anterior, quando tava quase morrendo -e morrendo mesmo) e o guia informava que iríamos aos gêiseres, que ficam numa altitude maior ainda (5000m aprox.). O medo era grande, se a 4500m eu passei MUITO mal, o que poderia acontecer a 5000m? Confesso que foi uma total falta de responsabilidade me deixarem levar até lá, mas aí eu comprometeria todo o tour dos mochileiros que iam comigo. Enfim, nem pensei em pedir pra voltarmos e baixarmos imediatamente a Uyuni. Graças a Deus (a Deus mesmo) não piorei, na região dos gêiseres. Não saí do carro pois ainda me sentia mal, mas não sentia piora do meu estado. Mesmo mal, estava extremamente aliviado. Eu e principalmente os que me acompanhavam. Os companheiros do tour de 3 dias, no caminho de volta (o último dia do tour foi só a visita aos gêiseres e toda a estrada de volta a Uyuni, sempre baixando de altitude), disseram que tiveram medo de eu morrer (fico meio cabreiro ao dizer isso). O guia contava uma história de um alemão que estava no mesmo estado que eu, mas simplesmente não acordou mais Chegando a Uyuni, já bem mais baixo, já me sentia melhor. Não lembro dos nomes dos mochileiros que me ajudaram na noite da Laguna Colorada mas sou grato demais a eles. Enfim, o tour de 3 dias de Uyuni terei que fazer outra vez, não consegui aproveitar absolutamente nada... PS: Não sei se vocês vão acreditar em mim, mas depois de Uyuni, voltei a La Paz e fiz cume de 3 montanhas, no Condoriri, com mais de 5000m de altitude. Uma delas o Huayna Potosí, cume a 6088m. PS2: Acho que esse episódio foi completamente isolado, eu não fiquei sabendo de mais ninguém naqueles dias que tenha passado mal. E tinha muita gente ali, era alta temporada. Em torno de 30-40 turistas além de mim. E só eu passei mal Então não adianta eu ficar dando conselho sendo que é "raro" alguém ficar do jeito que eu fiquei. O que posso aconselhar é: se passar muito mal, baixe imediatamente não faça como o burro aqui (eu ) PS3: Talvez não tenha sido tudo isso, meu psicológico pode ter "exagerado" um pouco. A questão é que pessoas com experiência (no caso o guia, os montanhistas colombianos, e os europeus) tavam desesperados também
  6. Galera, tenho que deixar um relato pequeno (pelo menos pra agora) sobre minha experiência com o soroche... Eu que perguntei muito à galera o que fazer, o que tomar, como aclimatar e etc. Fiz meu primeiro mochilão agora em julho, tendo como destino a Bolívia. Fui por terra, por Corumbá, Santa Cruz, depois Cochabamba e La Paz. Nos primeiros dois dias em La Paz, não senti absolutamente nada, apenas o cansaço depois de subir e descer as ladeiras da cidade. Depois desses dois dias em La Paz, fui a Uyuni pra fazer uma aclimatação, já que tentaria fazer alta montanha. Chegando em Uyuni (4000m +- e -10°C), estava MORRENDO. Muito frio, uma dor de cabeça que nunca tinha tido, MUITO forte, enjôo. Enfim... Tomei um chá de coca (já tinha mascado durante o trajeto La Paz-Uyuni, não fez efeito algum), alguns remédios e melhorei um pouco (um pouco mesmo, estava muito mal ainda). Fui pro tour de 3 dias. No final do primeiro dia já me sentia melhor. Conseguia alimentar normal, continuava tomando os remédios e mascando a folha de coca. Dormimos no hotel de sal nesse dia e eu me sentia bem. Quando acordei, estava MUITO mal de novo. Muito enjôo e a dor de cabeça infernal... Aí eu comecei a me desesperar, porque a dor era realmente muito grande, algo que nunca tinha sentido. Passou o dia e eu não melhorei. No final desse segundo dia, chegamos ao Parque da Laguna Colorada (+- 4500m de altitude), fui direto pra cama, estava realmente mal. Não tinha ânimo e nem físico pra me alimentar, ficar sentado ou algo do tipo. E essa noite foi a pior, disparado. Não conseguia dormir, a dor de cabeça que não passava, calafrios, mesmo depois de vários analgésicos, ibuprofeno... E o mais desesperador: começou a dificuldade de respirar. Aí que eu caí de vez. Comecei a ficar desesperado e já pensava em HACE, HAPE, e afins. Se é que me entendem. Tinha muita gente preocupada comigo, meu guia (que me deu um chá de uma planta nativa, não sei até hoje o que era), outros mochileiros, companheiros de tour. E não tinha o que eu fazer, estava em um local muito isolado. Talvez eu devesse pedir pro guia me levar imediatamente pro Chile e baixar de altitude (já que estávamos "próximos" à fronteira do Chile). No calor do momento nem consegui pensar nada, fiquei lá estirado na cama com uma pilha de cobertores. O jeito era rezar pra acordar no outro dia, e se tivesse no mesmo estado, teria que mudar todo o roteiro e ir pro Chile, até o nível do mar. Acordei como no primeiro dia, muito enjôo e dor de cabeça (mas melhor que na noite anterior, quase morrendo -e morrendo mesmo) e o guia informava que iríamos aos gêiseres, que ficam numa altitude maior ainda (5000m aprox.). O medo era grande, se a 4500m eu passei MUITO mal, o que poderia acontecer a 5000m? Confesso que foi uma total falta de responsabilidade me deixarem levar até lá, mas aí eu comprometeria todo o tour dos mochileiros que iam comigo. Enfim, nem pensei em pedir pra voltarmos e baixarmos imediatamente a Uyuni. Graças a Deus (a Deus mesmo) não piorei, na região dos gêiseres. Não saí do carro pois ainda me sentia mal, mas não sentia piora do meu estado. Mesmo mal, estava extremamente aliviado. Eu e principalmente os que me acompanhavam. Segundo eles, tiveram medo de eu literalmente morrer. O guia contava uma história de um alemão que estava no mesmo estado que eu, mas não acordou Chegando a Uyuni, já bem mais baixo, já me sentia melhor. Não lembro dos nomes dos mochileiros brasileiros que me ajudaram na noite da Laguna Colorada mas sou grato demais a eles. Enfim, o tour de 3 dias de Uyuni terei que fazer outra vez, não consegui aproveitar absolutamente nada... PS: Não sei se vocês vão acreditar em mim, mas depois de Uyuni, voltei a La Paz e fiz cume de 3 montanhas com mais de 5000m de altitude. Uma delas o Huayna Potosí, cume a 6088m.
  7. mrcsmkt

    Trem da Morte

    Pessoal, de Quijarro a Santa Cruz tem a opção do ônibus, como já foi muito comentado. Tem pelo menos 6 empresas que fazem esse trajeto, e o preço sai de 70 bolivianos a 150 bolivianos. Saem todos lá pelas 17:30h-18:30h, chegando mais ou menos 7:00h em Santa Cruz. Fui pela Expresso San Matias (se não me engano, era isso), por 100 bolivianos, e foi o melhor ônibus que peguei na Bolívia. Do nível de um convencional do Brasil, bem ajeitado... Peçam sempre que possível pra ver qual é o ônibus da empresa... Porque tem cada "bus cama", que meu Senhor...
  8. Erika, a pergunta foi pro Leo mas vou tentar te ajudar 1- Pelo VTM, é MUITO mais vantajoso sacar em dólares. Só que lá, nem todos os caixas eletrônicos disponibilizam saque em dólar... Em La Paz, na Sagarnaga, tem um caixa Bisa que disponibiliza (ao lado do Hotel Sagarnaga). 2- Não posso dizer muito bem, porque não levei cartão de crédito (taxas altíssimas!!!). 3- Levar dinheiro vivo é seguro sim... Se eu pudesse voltar no tempo, levava todo o dinheiro em cash. Falou!
  9. mrcsmkt

    Huayna Potosí

    Legal o seu relato, vanderdissenha! Fiz o cume do Huayna Potosí também, em 3 dias... Só posso dizer que foi incrível. A sensação de alívio, a felicidade, o cansaço, todos juntos, são indescritíveis e sensacionais, mesmo! Você lembra de todo o planejamento, todo o preparo, todo o perrengue, e a sensação de dever cumprido é a melhor do mundo, definitivamente!!! Agora sobre a ascensão em si, a "facilidade" dessa montanha é muito relativa. Pra um montanhista experiente, o Huayna realmente é fácil. Não exige praticamente experiência nenhuma, nem técnica apurada de escalada em gelo. E fica ainda menos difícil por ser o mais famoso na Bolívia: a trilha está muito bem demarcada e a neve muito compacta, facilitando MUUUITO as coisas. Mas repito, isso serve pro montanhista experiente. A gente tá falando de um 6000m+... Acho que só entende mesmo quem vai lá sentir na pele... Pra um turista, dá pra dizer que é a coisa mais difícil do mundo, sem exageros... Sem um bom condicionamento físico e uma ótima aclimatação, passa a ser quase impossível. E isso tá bem comprovado, tem muito turista indo tentar o Huayna pensando que é uma escalada do estilo do Chacaltaya... Não dá outra, muitos nem chegam no campo alto (a subida da Morrena é totalmente horrível), e dos que chegam, outros muitos desistem da ascensão. A melhor sugestão que eu daria é aclimatar bem... Tomar um, cinco ou dez remédios não dá 1% do que uma aclimatação adequada dá... Acredito que dez dias no altiplano, alimentando e se hidratando bem, deva ser suficiente... E outra coisa importante: saber os seus próprios limites... Chegar ao cume é um mero detalhe
  10. mrcsmkt

    Compras na Bolívia

    M.Hoffman, quando fui à Tatoo, só tinha Marmot lá, além da marca da loja. É óbvio que comprando produtos da Marmot a qualidade está 100% (ou quase) garantida. Mas eu aconselharia a comprar os equipamentos da marca Tatoo. Muitas roupas, quase todas, são fabricadas com os tecidos Polartec, Gore, etc. Os mesmíssimos utilizados em fleeces e anoraks da The North Face, Marmot, etc. etc. etc... E óbvio, com preços muito mais em conta. Falou!
  11. Fala pessoal, vou ter que fazer alguns saques em ATMs na Bolívia e to com algumas dúvidas... 1 O caixa eletrônico pode cobrar alguma taxa além das taxas "normais" (US$2,50 VTM, R$12,00 cartão de débito, IOF)? 2 Existe a possibilidade de sacar dólares? 3 Se eu sacar em bolivianos, aparece no instante qual é a cotação utilizada? (dólar -> bol. ou real -> bol.) 4 No caso de pagamento em dólar no débito, o estabelecimento (restaurante, hostel, etc.) fará a conversão ou a conversão vai ser feita pelo banco? Valeu!!!
  12. mrcsmkt

    Trem da Morte

    Muito obrigado presteslopes!!! Em último caso vou pegar esse ônibus aí, espero que ele exista! Hehe Té
  13. mrcsmkt

    Trem da Morte

    Pessoal, to com uma dúvida bem comum por aqui, mas que eu preciso tirar de vez da cabeça... Chego às 07:00h, uma quarta-feira, em Corumbá. Ou seja, sabe-se lá que horas estarei em Puerto Quijarro com o visto de entrada. Pra esse dia, tenho três opções: PULLMAN, PRIMERA, e FERROBUS. Pretendo pegar o PULLMAN que sai às 11:00h. Isso é possível, impossível, provável ou improvável? Chego no final de junho, então a probabilidade de não ter mais passagens é grande? Caso eu não consiga o Pullman, algum dos outros dois é garantido? E se a merda toda acontecer, tenho a possibilidade de pegar um ÔNIBUS, no mesmo dia, que vá até Santa Cruz? Alguém tem alguma informação nova sobre o tal ônibus? Porque ficar um dia em Quijarro definitivamente não está nos meus planos... Eu preciso mesmo chegar em Santa Cruz no outro dia...
  14. Olá, estarei na Bolívia em julho e pretendo fazer alta montanha... To com umas dúvidas ainda, talvez alguém possa me ajudar! Levarei entre outros ibuprofeno e diamox, estou decidindo se levo ou não citoneurin, rubranova, cibalena ou noripurum... O diamox é mais indicado pra ser tomado APÓS sentir os sintomas, certo? E tem algum problema tomar ele junto com o ibuprofeno ou o cibalena? Sobre o noripurum, alguém sabe me dizer se ele funciona mesmo, a curto prazo, na "produção" de hemoglobina? É uma boa? E nifedipina? Me aconselham a levar, ou o diamox é mais que o suficiente? Decadron eu nem to cogitando levar, pretendo me cuidar bem pra não chegar no ponto de precisar dele! Bom, por enquanto é só, valeu!!!
  15. La Paz - Uyuni tem pela TodoTurismo, 230 bolivianos. Até!
  16. Na verdade, não falava contigo não, mas agora sim Vou ficar no Wild Rovers ou no Loki. Como vou sozinho, acho que é o melhor custo-benefício (vou pagar menos de 60 bol a diária, conhece algum hostel melhor por esse preço?)... Já fiz "reserva" por site, confirmarei alguns dias antes... E você? Em qual vai ficar? Boa viage! hehe
  17. Pois é Paulo! Me expressei mal no "bem confiável" hehe. Acho que vou poder me decidir bem lá, porque chego umas 7 da manhã em Santa Cruz pelo trem da morte. Aliás, se eu me preocupasse com perrengue não estaria fazendo o trajeto com Pulmans e Asientos Camas da vida Valeu!!!
  18. Olá pessoal, confirmando: Para o trajeto Santa Cruz - La Paz de ônibus, as melhores empresas são BOLIVAR e TRANSCOPACABANA? Tem alguma outra bem confiável? Valeu!
  19. Olá alana! Tudo certo? Vi que perguntou do trajeto Uyuni - La Paz, tem uma outra alternativa que o pessoal do fórum recomenda e muito (dizem muito mais confortável), que é ir de trem de Uyuni a Oruro e aí pegar um ônibus de Oruro a La Paz. O custo do trem varia, de 30 bolivianos (imagina só o trem) a 100 bolivianos (executivo) aproximadamente. Parte de Uyuni meia-noite mais ou menos, chega em Oruro às 7 da manhã. O trajeto Oruro - La Paz leva 3-4 horas e custa de 20 a 30 bolivianos. Ou seja, o trajeto inteiro dá uns 130 bolivianos se você pegar o trem executivo, o tempo do trajeto é o mesmo e você tem muito mais conforto... A diferença do ônibus é que você sai algumas horas mais cedo, então chega de manhã ainda em La Paz. Só que esse trem de Uyuni a Oruro só tem alguns dias (segundas, quartas, quintas e sábados). Teria que ver se bate o dia, e também se você não precisa obrigatoriamente chegar de manhã em La Paz. Bom, parto dia 26 de junho pra fazer só Bolívia, quem sabe a gente se tromba em La Paz hehe. Boa viagem
  20. Opa, tudo bão? Do dia 8 ao dia 12 pretendo estar em La Paz também (na verdade, do dia 5 ao dia 16 ). Talvez nos esbarramos por lá... Boa sorte e boa viagem!
  21. CARACA. 40 reais pra uma corrida de 20 minutos!!! Isso não tava nos meus orçamentos hehe. Não tem um jeito de pegar outro táxi que não seja dos "especiais"? E ônibus, a essa hora da noite tem muito perigo, ou demora muito até a rodoviária? Eu não teria problema nenhum em pegar um ônibus, se desse ia até a pé Parabéns pelo relato, um dos melhores que li até agora
  22. (A pedidos ) Olá rpn, tudo beleza? Li o relato e vi que é de Campo Grande, talvez possa me ajudar! Chegarei no AEROPORTO de Campo Grande às 21:36 (hora prevista). Digamos que atrase só meia hora e eu chegue às 22:00, é garantido que eu chegue na RODOVIÁRIA de Campo Grande às 23:00? Quanto sai de táxi? Pretendo pegar o ônibus que sai às 23:00 (ou se não, o que sai às 23:59) em direção a Corumbá. Outra coisa, chegando às 8:00 na fronteira, acha que é garantido pegar o Pullman que sai às 11:00? Existe a possibilidade de eu chegar e não ter mais passagens? E a última coisa: como é essa zona franca de Quijarro? O que tem por lá além de Pringles ou chocolates hehe? Obrigado, e foi mal o número de perguntas!
  23. Fala Henrique, tudo beleza? Pretendo fazer alguns trekkings ou ascensões e estarei em julho também na Bolívia... Mandei e-mail para uma agência já recomendada pelo pessoal daqui do fórum, e me informaram ser possível fazer o Pico Austria + Pequeño Alpamayo em 3 dias, na região do Condoriri! Por acaso você se interessa? Um boliviano me falou que esses são dois dos picos mais tranquilos lá (e são dois 5000m+ né hehe)... Bom, se preferir me mande uma MP e vamos trocando ideia. Abraço
  24. Valeu Enrico! Fiz isso mesmo, agendei online e mandarei um e-mail quando tiver perto da chegada. Mudei bastante o roteiro... Resolvi ir primeiro pra Uyuni, depois vou a La Paz, faço primeiro o Chacaltaya que é mais de leve, aí depois o Pequeño Alpamayo (indicado por um conhecido meu) e se tudo correr bem o Huayna Potosí (que é o objetivo da viagem). Os dois primeiros serviriam como aclimatação pro terceiro. Talvez eu coloque um trekking de 3 dias no meio deles ou no lugar de algum deles, mas isso só decido lá. Acho que não vou me arriscar a fazer uns picos mais desconhecidos (tipo Mankilisani ou Tres Marias)... Esses ficam pra próxima Só uma dúvida de principiante... Tenho uma mochila muito boa mas enorme (90 lts.). Provável que eu não ocupe nem metade da mochila né. Eu queria saber se é impraticável viajar com uma mochila dessas... É impossível, horrível, ruim ou sem problemas?
  25. Legal o relato! Farei algo parecido, só Bolívia também, algo em torno de 20 dias... Passarei pelo Salar e dependendo da confiança tento o Huayna! Abraço e um joinha
×
×
  • Criar Novo...