Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Davi Leichsenring

Membros
  • Total de itens

    655
  • Registro em

  • Última visita

  • Dias Ganhos

    2

Tudo que Davi Leichsenring postou

  1. A mochila de ataque é bem útil, dá pra sair com ela por aí na rua e quando pega avião para levar seus pertences mais valiosos.
  2. Como depende de cada um, digo o quanto eu gastei quando estive lá. Foi em 2013 ainda, mas os preços não mudaram muito, e fiz cerca de 75 euros o dia, contanto com hostel. Pra comer eu gastava cerca de 20 euros por dia, mais passeios e entradas, dava cerca de uns 50 no total (o hostel eu paguei 26 euros a diária). Consegui visitar o Versailles, subi na Eifel, e mais em uns dois museus, que me lembro.
  3. Bom, sendo que encontrar uma pessoa que fez o mesmo roteiro que pretende é 1 em 10.000, um jeito de verificar é: Abrir o Google Maps, marcar uma linha entre elas, vê as opções de ônibus/trem, calcular o tempo gasto entre elas, e por fim fazer vários rascunhos de trajetos e achar a melhor forma.
  4. Recomendo dar uma olhada na seção Relatos de Viagem, para ver como as pessoas fizeram para se locomer na Espanha e Portugal. Aconselho a fazer perguntas mais precisas, em vez de apenas pedir roteiros prontos, assim consegue repostas de sua pergunta.
  5. Eu trabalho em Milão e posso dizer que é a cidade mais sem graça da Itália, eu nem moro lá porque eu realmente não gosto. A única coisa interessante pra ver é o Duomo, Galeria Vitorio Emanuelle e Castello Sforzesco, que em 2h já consegue ver.
  6. No inverno eu daria preferência ao países mais ao sul, pra evitar muito frio. E também evitaria abraçar a Europa toda em uma viagem :). Mas, não vá pro leste no inverno, é muito frio, não tem como ficar na rua por mais de 10min. Eu já faria os países que você comentou primeiro, que o Poiuy já deu os dias ali que também acho o mesmo.
  7. Hoje em dia, com smartphone e internet por toda parte, já não passa perrengues sem falar inglês. Vai ter um pouco de dificuldade mas nada que te impeça de aproveitar a viagem sem stresse.
  8. O importante é ter uma passagem de retorno, não importa o meio, companhia aérea ou o tipo de passagem. Sendo menos de 90 dias é o que é verificado.
  9. Você precisa provar que é cidadão italiano, e sem uma carta de identidade/passaporte (a antiga Identità não conta, ou melhor, só piora, pois lá diz que você não é cidadão italiano) fica um tanto difícil, mas teoricamente você consegue. Mas pra isso você precisa fazer voo direto pra Italia primeiro, pois lá o agente pode verificar suas informações no sistema italiano. Aproveite e vá no seu comune de registro e faça sua identità, pois sem ela você não consegue fazer nada na UE como cidadão membro.
  10. Eu sou da ideia que, viagem de 7 dias ou 70 dias, o tamanho da mochila é o mesmo. Em viagem longa sempre levo roupas para até uma semana, e vou lavando no meio do caminho. Uma coisa de mochila é que, se você compra uma de 50L, vai enchê-la, se compra uma de 70L vai enchê-la, se compra uma de 90L vai enchê-la também. Eu tenho uma de 55L, já viajei com ela por 3 meses.
  11. Trens internacionais costumam ter valores diferenciados de acordo com o horário, e trens de alta velocidade também. Porém pelo que sei, é apenas na faixa horária que flutua, não fazendo muita diferença de quantos dias faltam para viagem. Mas dá pra entrar no site da Trenitalia e verificar os preços, para amanhã por exemplo, e para duas semanas, para ter uma ideia de valores.
  12. De Veneza precisa ir a Verona, que possui um trem direto a Munique, esse trem faz algumas paradas, Innsbruck é uma delas. A viagem de Verona a Munique demora 7horas
  13. O site é voltado pra viagens e turismo, recomendo procurar grupos voltado a isso pra conseguir uma resposta
  14. Na minha opinião, essas cidades mais no interior valem a pena se já estiver pelo lugar por alguns dias. Quando se pretende passar não mais que um dia, eu acho melhor uma cidade que tenha uma estrutura melhor, tanto de transporte quanto de restaurantes. Esses vilarejos nas montanhas não são simples chegar de trem, pois tem horários bem reduzidos e lentos, além de ter menos opções de comer. Além da paisagem, já que não vai fazer nenhum trekking, não tem muita coisa para ver na cidade.
  15. Mas foi obrigatório ou você pediu? Ou, quando esteve em Portugal ficou só na área internacional? Acho um tanto estranho (não estou duvidando de ti, apenas que é um modo operantis estranho da imigração). Que eu moro na Itália, e nunca passo por posto alfadegário quando viajo de avião.
  16. Lisboa -> Itália é voo doméstico, não passa mais por imigração quando chega na Itália.
  17. A Alemanha não tem Alpes, quando chega nas montanhas ou é Áustria ou Suíça. Bate volta de Munique ou Veneza acho um pouco difícil se não for de carro, pois os transportes públicos para esses locais são mais escaços. Uma ideia é pegar o trem de Verona a Munique e parar em Innsbruck, ou se hospedar Em Trento.
  18. Ter varios compartimentos ajuda bastante na organização, ambas são mochilas boas. Do ferro, depende do estilo, se for entortado pro mesmo plano das costas, é normal. Já peguei uma Deuter que tinha essa barra bem curva, fazendo a mochila não encostar nas costas, dando respiro.
  19. É tudo muito subjetivo do que é melhor, sem saber gosto pessoal. Mas, o melhor seria pesquisar sobre Veneza e outro país (sendo que existe 50 outros países na Europa) para saber por cima qual lhe agrade mais. Lembre-se que viagem não é uma ciëncia exata, é como ler um livro, cada um tem seu preferido.
  20. Há grande chances de não te deixarem entrar na Inglaterra, e assim não podendo voltar pro espaço Schengen, pois o visto está vencido, e ser deportado. O ideal é sempre respeitar as regras de outros países, já que visto de turismo não é nenhum direito nosso, apenas uma concessão do país.
  21. UK tem o visto a parte, ao entrar na Europa continental é outro visto, de 90 dias. Pra sair do país ninguém pergunta nada caso ainda esteja dentro do prazo do visto.
  22. PID ou tradução juramentada é obrigatório pela convenção de Viena. Nem sempre vão pedir, mas se pedirem, precisa mostrar.
  23. 10h é tempo sufiicente para dar uma boa volta no centro de Zurich, que não é lá tão interessante, mas bem melhor que ficar de molho no aeroporto. Em Zürich se fala alemão, porém é bem comum ter pessoas que falam inglês. Só prepare seu bolso, eu passo lá quase toda semana (vindo da Itália) e as vezes esqueço como é caro, e sempre me espanto por pagar 4 francos em um cappuccino.
  24. Sentir segurança nem sempre é estar seguro, igual europeu vir pro Brasil e não acontecer nada com ele, não quer dizer que é seguro. Johanesburgo é uma cidade um tanto perigosa, como assalto a mão armada, briga de traficantes, racismo dos dois lados, etc. Se ficar na zoa turística, é mais tranquilo, só cuidado com zonas esquisitas, e locais afastados. A cidade pode se comparar como uma metrópole brasileira.
×
×
  • Criar Novo...