Ir para conteúdo

patriciatc

Membros
  • Total de itens

    13
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

1 Neutra

Sobre patriciatc

  • Data de Nascimento 20-09-1984
  1. Olá Karen. O tour que eu fiz foi meio que um rolê por boa parte da Africa do Sul. Esse aqui: https://nomadtours.co.za/this-year/south-african-explorer-south/#camping As impressões vai muito do que vc espera do tour. Eu esperava uma coisa um pouco mais aventura do que foi. Pro que esse tour foi, só valeu a pena mesmo pq eu estava sozinha, pq se tivesse com mais gente, teria valido mais a pena alugar um carro e fazer o mesmo roteiro por conta própria. Eu gastaria menos e comeria melhor. Mas isso pq esse tour foi pela Africa do Sul, acho que nos outros países isso de ir por conta própria pode ser mais complicado. Esse tour tinha opcao camping e hospedagem. Optei pelo camping , mas mesmo assim algumas noites seriam em hospedagem. Os locais de camping desse tour eram quase todos muito bons. De hospedagem também. Mas a barraca era meio chatinha de montar e desmontar. Os guias dao uma ajuda nos primeiros dias, mas a ideia é que vc e a pessoa que ficar contigo na barraca desmontem sozinhos. No meu tour, a maioria ficou em quartos, entao como tinha barraca sobrando, pude ficar com uma só pra mim. Mas o tour depende muito da combinação de quem sao os guias e as pessoas do grupo. O grupo que foi comigo tinha gente de todas as idades. As pessoas muito gente boa, mas a galera muito parada. Mas mesmo a galera mais nova, até bem mais nova que eu, a maioria ficou em quarto e nao acampando e o pessoal nao era muito animado. Eu sou uma pessoa hiperativa e gosto de fazer muita coisa quando estou viajando. Descansar pra mim só na hora de dormir mesmo. E achei que em alguns momentos ficamos muito tempo de bobeira, sem nada pra fazer. Se o grupo é muito legal, acho que distrai mais. Mas o tour deles que eu queria mesmo ter feito era o Cape Town até Victoria Falls, mas a data nao era boa pra mim. Esse parece que atrai galera mais jovem, na versao camping ao menos. E acho que era um tour que eu teria mais dificuldade de fazer por conta própria.
  2. A internet pegava em alguns pontos mas nao em todos. Mas nao use mapa de google maps, confie mais nos mapas impressos que vc pode comprar lá (ou tentar arrumar na internet, sei lá). Com esses mapas vc se orienta e lá dentro tem sinalizacao. Quanto às estradas de terra, passei por algumas mas nao muitas. As q eu passei eram muito boas. Tudo lá é mão dupla, então se achar q o caminho tá ficando ruim, dá meia volta e pega outro. Nao tive situcao de travessia de rios, mas como eu disse circulei por poucos caminhos lá dentro.
  3. Oi Lucas. Então, vamos por partes. Chip - Prefira usar o termo SIM Card tanto em Moçambique e principalmente na Africa do Sul. Eles não entendem o termo chip. Sim, é um pré pago. Vc pergunta que opções de pacotes eles tem. Tipo, o meu foco era basicamente internet, mas pedi um pequeno credito pra ligações caso eu precisasse. Então, uma amiga já estava com o chip de Moçambique que ela comprou lá no aeroporto mesmo com outra empresa que tinha stand lá e que não era a Vodacom (esqueci o nome), não era muito barato mas acho que vale a pena se vc for ficar algum tempo em Moçambique. Ai usamos o chip dela no telefone dela, pra nos guiar no google maps. Depois que cruzamos a fronteira, esse chip parou de funcionar, mas o google maps já estava com o trajeto traçado então foi tranquilo. Ai já na cidade de Komatipoort na Africa do Sul eu parei na loja da Vodacom que ficava em um desses "shoppings" e comprei um chip da Africa do Sul, pq depois eu ia passar mto tempo lá. Tome cuidado pois em alguns celulares a internet nao ativa logo de cara, tem que mexer nas configuracoes de ponto de acesso. Isso aconteceu comigo na Italia, lá na Africa do Sul e até aqui no Brasil. Já com o telefone da minha amiga nao precisou. Se vc ver que o sinal da operadora já esta funcionando mas está sem internet pode ter quase certeza que o problema é esse. E por isso é melhor estar ainda na loja para as pessoas te ajudarem a resolver. lá na Africa do Sul é possivel comprar esse chip pre-pago em vendinhas e outros comercios, mas se der algum problema de configuracao é bem capaz de nao saberem te ajudar. Fique sempre atento aos horários de funcionamento das lojas. As coisas fecham cedo. - Locacao do carro: não achei tao caro comparando com outros lugares pelo qual viajei e especialmente pq a atendente estava de bom humor e dobrou a km limitada pra gente (ao inves de 100km por dia, ela botou 200km por dia), como nao passei do limite, foi tranquilo. Nao pesquisei o preço do aluguel em Nelspruit mas acho que lá costuma ser km ilimitado. Alugamos na Sixt do aeroporto de Maputo. De repente vale fazer uma cotacao pela internet, mas a verdade é que conseguimos na hora essa boa, sem reservar nem nada. Vc vai estar sozinho ou com mais gente? Onde vc vai rodar do Kruger? Se vc estiver indo com mais alguém que te ajude na navegação em Moçambique e estiver indo pro Kruger apenas perto da fronteira sugiro alugar em Maputo mesmo, pra não ficar preso aos horários dos ônibus que costumam sair só de manha cedo. Mas dependendo da localização que vc queira visitar no Kruger e o tamanho do rolé, talvez valha mais alugar em Nelspruit. Seria melhor vc pesquisar o preço do aluguel em cada, o preço do km extra e os preços dos ônibus (site da Intercape ou Translux ou Greyhound) pra decidir. Fronteira - Esse lance dos carinhas foi na saída, não teve nada a ver com o visto, pq eles só olham o visto na entrada. Foi só gente tentando ganhar dinheiro fácil, pois não tem mistério nenhum pra dar saida, mas nao se engane com pessoas de colete tipo flanelinha no Rio de Janeiro. Eles não são oficiais de lá, embora o colete tenha me enganado. Mas é bem diferente de um uniforme policial. Em relação ao visto, eu tbm só tinha tirado uma entrada única e depois resolvi que voltaria pra Moçambique pra depois voltar pra Africa do Sul de novo (entre e sai 4x da Africa do Sul em um mes ). Ai tb tive que tirar na hora de voltar a Maputo nessa mesma fronteira ai. Foi bem tranquilo pois fui direto na seção correta mas leva um tempinho mesmo se não tiver fila (fiquei uma meia hora esperando pra eles finalizarem meu visto). Mas não se preocupe com isso na saída, só na hora de entrar mesmo. Eu passei lá no começo da tarde, não sei se esse serviço funciona o tempo todo lá e como q é quando a pessoa está de ônibus, mas acho que o ônibus espera (é bom confirmar).
  4. Oi Amanda. De que aluguel e de que passeios vc está se referindo? Aluguel do carro? Alugamos em Maputo e pagamos cerca de 270 reais por duas diárias com 200 km por dia, que para o que nós queríamos foi mais do que suficiente. Os passeios no caso foram os safaris (game drives): o drive noturno custou 230 rands, o de sunset custou 320 rands e o de sunrise custou 390. Tudo por pessoa, naquele esquema que contei no depoimento. A tenda para nós duas foi 565 rands e o bungalow foi 1282 rands, por noite. O bungalow cabia 3 pessoas. Acho q tinha menor mas esse foi o unico com vaga. As hospedagens e os game drives pagamos com cartão aqui do Brasil pq na época q fomos ficamos com medo de estar cheio na hora, mas acho que muita gente reserva os drives lá mesmo, no dia ou na véspera. Além disso, tem a taxa de visitacao do Kruger que foi 304 rands por diária por adulto (entrei dia 2 e sai dia 4 paguei 2 diárias, mas pode entrar e sair do parque que nao faz diferenca). Resumindo, cada uma de nós duas gastamos no Kruger nesses dois dias 2472 rands (mas podia ter sido menos se tivesse conseguido tenda pras duas noites ao inves de uma no bungalo), o que deu na minha conversao uns 665 reais. Mais 130 do aluguel do carro e mais a comida e o combustível, que nao sei agora direito o quanto gastamos mas nao era caro. Levei dolares americanos, mas ja tinha pago muita coisa daqui. Troquei os dolares por rands em um banco na cidade de Komatipoort, mas é um processo um pouco demorado. Não tinha casa de cambio, mas parece que na fronteira dava pra ter tentado trocar com umas pessoas. No parque dá pra pagar tudo com cartão.
  5. Olá pessoas. Voltei a pouco da África e vim aqui retribuir as dicas que sempre obtenho nesse fórum maravilhoso. Vou falar do Kruger, mas sei que em outros parques nacionais para fazer safári o esquema é bem semelhante, como o Addo Elephant. Entendendo os safáris e as hospedagens Antes de ir pra África do Sul, fiquei um tempão tentando entender como que funciona essa coisa de safári (eles chamam de Game Drive, não me perguntem o porquê) e tours, pois sempre que jogava o nome Kruger no Google apareciam vários sites, especialmente: http://www.sanparks.org/parks/kruger/ http://www.krugerpark.co.za http://www.krugerpark.com Demorei um tempo pra entender que o primeiro é o site oficial da South African National Parks (SAN Parks), que é o órgão do governo responsável pelos parques nacionais da África do Sul (tipo um ICMBio). E o segundo e o terceiro são sites de agências turismo. Não tenho nenhum conhecimento sobre essas agências, mas elas tornam as coisas um pouco confusas porque o endereço da web não parece de uma agencia, e no caso do segundo (Agencia Siyabona) fica realmente parecendo que é o site oficial pelo tanto de informações que oferece (bastante interessantes, aliás). Ai se vc vai alugar um carro para chegar ao parque e quer se hospedar em um dos “rest camps” dentro dos parques, vc pode fazer reserva diretamente pelo site da sanparks, sem precisar de agência, o que provavelmente sai mais barato. Além disso, pelo que eu reparei lá, parece que a grande maioria das agencias que fazem tours no Kruger não reservam hospedagem pra vc em um dos “rest camps/lodges” do SAN Parks e sim em “camps/lodges” privados bem próximos ao parque, alguns que inclusive ficam em Game Reserves privadas, onde também rola safári. Mas atenção: também existem lodges privados dentro dos parques. Nos “rest camps” oficiais da SAN Parks no Kruger existem serviços com preços tabelados, como várias categorias de hospedagem e safáris oferecidos pelo parque. Voces vão ver no relato abaixo que na minha experiência valeu a pena ter reservado o Game Drive do Rest Camp. Os rest camps são bem diferentes entre si, alguns parecem uma cidade de tão grande, como é o caso do Skukuza. Ficar em lodges privados (dentro ou fora) tem vantagens e desvantagens. Um delas é que o preço pode ser até parecido com o do bangalô do Rest Camp da SAN Park e ainda pode incluir refeicoes (ou vc ter a possibilidade de contratar por fora), vários deles tem piscina e são bem bonitinhos... Pode ser interessante pra quem esta procurando comodidade. E alguns tem até opção camping. A desvantagem que identifiquei foi que os safáris de 4x4 oferecidos pelo SAN Parks são bem mais baratos que os oferecidos pelo Rest Camp privado que fiquei. Mas pode ter sido apenas azar meu, e ter outros rest camps privados que ofereçam preços menores. Para conhecer sobre as opções de Rest Camp (os públicos e alguns dos privados) vc entra no site da SAN Parks, escolhe o parque que vc quer ir, no caso o Kruger: http://www.sanparks.org/parks/kruger/ Depois no canto esquerdo superior, vc vai em “Select Camp” e vai fuçando as opções, especialmente os Main Rest Camps, ai vai entrando no que vc quiser de acordo com a localização que vc quer ficar lá dentro. Depois que selecionar o Rest Camp, vc vai na barra verde escura para ver as informações gerais, as informações sobre os tipos e DISPONIBILIDADE de hospedagem, sobre os serviços, as tarifas, entre outras. Para reservar os safáris organizados pela SAN Parks, ou outras atividades como caminhadas e trekkings, solicita-se que entre em contato o Rest Camp que vai ficar, por e-mail ou telefone (links abaixo): https://www.sanparks.org/parks/kruger/tourism/activities/drives.php https://www.sanparks.org/parks/kruger/tourism/activities/guided_walks.php Entendi que pessoas que estão hospedadas fora do parque também podem reservar estas atividades, mas não sei se vale pra todos os camps ou só pros que ficam junto a portões, pois se não pode circular dentro do parque depois de determinada hora, como que faz pra sair após um sunset drive ou pra chegar antes de um sunrise drive?! Isso não sei como funciona. Eu e minha amiga queríamos ir no comecinho de janeiro, uma época que já é bem concorrida, e ainda por cima resolvemos ver isso só no fim de novembro/começo de dezembro. Entramos algumas vezes no site e acabamos encontrando opções vagas que, dias anteriores, estavam ocupadas. Então não desista tão fácil. Como a ideia era ficar no Crocodile Bridge Rest Camp, as opções eram acampar (seja com sua barraca ou trailer), ficar em uma “Tent” ou em um “Bungalow”. Em outros camps existem ainda mais opções de hospedagem, como casas pra grupos maiores. Eu achei o preço de camping e tent muito bons. A tent tinha duas camas, geladeira, armário, varanda com mesinha, ventilador mas não tem banheiro, tem que usar o banheiro do camping que é muito bom (acampar lá é quase esquema luxo pra quem está acostumado com os campings brasileiros). Pra cozinhar tbm tem que ser nas dependências do camping. Na cozinha do camping tem fogão mas não achei apetrechos como panelas, louca, talheres, etc (que podiam ser comprados na lojinha). Já o bungalow achei caro, mas o que ficamos tinha 3 camas, ar-condicionado, banheiro, cozinha externa mas própria e quase tudo de apetrecho básico de cozinha que vc possa imaginar, inclusive torradeira. Tem vários tipos de bangalôs diferentes, com preços diferentes e estruturas diferentes, alguns adaptados para cadeirantes. Olhem no caso do Skukuza por exemplo: https://www.sanparks.org/parks/kruger/camps/skukuza/tourism/availability.php Se vc quer escolher seu Rest Camp de acordo com a disponibilidade de vagas numa data específica, vc pode ir em “Where to Stay”, escolher o parque, vai em disponibilidade de acomodação. Vai abrir essa pagina pro Kruger, com a relação de rest camps: https://www.sanparks.org/parks/kruger/tourism/availability.php Ai depois mais embaixo tem “Quick availability check for ALL CAMPS in this park” que vc vê por dia escolhido onde que tem vaga. Para reservar precisa fazer cadastro no site. E é bem importante ler muitas informações que eles pedem pra vc ler antes de reservar. Outra informação importante era que não existia wifi na tent e nem no bungalow que fiquei e em nenhum outro lugar do crocodile bridge rest camp. Já no Skukuza vi que no restaurante tinha wifi. O chip da vodacom pegava, então tudo certo. Enfim, se não tiver chip, não conte com internet. Alugar carro ou fazer tour com agencia? – Um pouco da minha experiência Tive as duas experiências, embora dependendo da agencia acredito que as experiências de agencia possam ser bem diferentes. Eu fui do Brasil pra Moçambique com uma amiga e nós queríamos ir ao Kruger. Dependendo do setor/portão do parque, ele é bem mais perto de Maputo do que de Joanesburgo, muito embora, se vc só quer conhecer o Kruger acho melhor ir mesmo pela África do Sul, pois vc precisa de visto pra entrar em Moçambique (e tirando no Brasil é bem caro o visto de múltiplas entradas) e alugar carro em Maputo é mais caro nas locadoras conhecidas, além delas fazerem esquema de km limitada, o que pode sair bem caro dependendo do rolé que vc queira dar no parque, que é gigante. Depois que eu já tinha combinado com ela, resolvi que queria ficar mais na África e paguei uma excursão pela África do Sul de 20 dias com a Nomad Tours. O inicio da excursão também ia ao Kruger, mas em outra parte que nós duas não iríamos juntas. Inicialmente eu não queria dirigir pq sabia que as locadoras em Maputo não eram baratas (mas não achei tão caro assim, acho que dizem que é caro comparando com a África do Sul), pq eu teria que dirigir na mão inglesa e pq estava achando perigoso me enfiar nas estradas do Kruger só eu e ela. Então procuramos tours ao Kruger de empresas partindo de Maputo, mas achamos bem caro. Descobrimos o esquema de fazer as reservas pelo site da San Parks e reservamos duas diárias no Crocodile Bridge Rest Camp (que já dei detalhes acima) que é bem perto da fronteira Moçambique - África do Sul e é bem na beirada do parque, então a gente achou que poderia chegar na cidadezinha da fronteira e conseguir um taxi. Reservamos também alguns safáris oferecidos pelo SAN Parks: Night Drive pro dia que chegaríamos, o Sunset Drive pro dia seguinte e o Sunrise Drive pro outro dia. Depois, vimos que esse Rest Camp é um dos que não tem restaurante e que ir sem o carro nos obrigaria a levar comida, cozinhar e ficar boa parte do dia fazendo nada (e nesse nem tinha piscina como outros), além de depender do taxi pra chegar e ir embora do Rest Camp. Acabamos então alugando um carro. Dirigir do aeroporto de Maputo até a fronteira foi bem tranquilo mas o Google maps (celular com chip de Moçambique) foi essencial na parte dentro da cidade e nas mudanças de estrada. Não lembro da sinalização ser muito boa em Moçambique. Um copiloto que realmente saiba ler o Google maps tbm ajuda bastante (bjo Camila). Dirigir na mão inglesa até que foi tranquilo também, mas acho que terem nos dado um carro automático ajudou. Camila rapidamente aprendeu a desligar o limpador de parabrisas do carro, que eu ligava toda hora que queria ligar as setas na primeira uma hora de viagem. Fazer o Safari dirigindo lá foi bem mais simples do que eu esperava. As estradas são muito boas, tanto as de asfaltos como as de terra (mas não sei como ficam depois de muitos dias de chuva, não peguei muita chuva nesses dias). Eu comprei um livrinho barato que dava informações sobre os animais e sobre todos os Rest Camps do Kruger administrados pela SAN Parks. Tinha lá as distancias entre os Camps (link abaixo), que são os lugares em que vc pode estacionar o carro, sair pra ir no banheiro, comprar uma bebida na lojinha, ir em restaurante ou lanchonete, dependendo do Rest Camp. https://www.sanparks.org/parks/kruger/get_there/travel_times.php Tbm tinha os horários de funcionamento dos portões (depois que fechar vc não pode mais entrar nem sair). Então se planejar em relação a distancia, combustível (vários rest camps tem posto de gasolina), banheiro, comida e água, e ler as regras (como não sair do carro, o que fazer quando um elefante se aproxima do seu carro, evitar chegar muito perto dos animais) ajuda bastante. Também recomendo anotar os telefones de emergência, meu telefone com chip da Vodacom pegou em muitos lugares. Quando eu fui o parque estava bem movimentado, especialmente nas estradas de asfalto, então se acontece algo com o carro e vc não tem telefone pegando, não saia do carro, espere e peca ajuda a outro carro que estiver passando para avisar nas guaritas. Mas pensando em momentos que o parque possa estar menos movimentado é melhor estar bem equipado com água, comida e casacos antes de pegar estrada, sendo precavido para um possível longa espera se der algum problema. E a principal dica é alugar um carro em boas condições. Então, além de fazer os safáris nos carros 4x4 do SAN Parks, eu e Camila também fizemos com o carro alugado duas vezes, mas nenhuma delas fomos para muito longe do Rest Camp q estávamos hospedadas pois não tínhamos muito tempo. Mas vimos pessoas que reservaram hospedagem pra cada noite em rest camps diferentes e assim passariam o dia fazendo o safári até chegar no próximo rest camp. Bem legal. Com a excursão, fiquei em um lodge (Nkambeni Safari Camp) que tinha bangalôs e camping, fora do parque mas bem perto do Numbi Gate. Incluso na excursão, eu já tinha um safári pelo Kruger de 4x4 com o lodge e um com o “onibus” da excursão no outro dia. Quem queria podia contratar os drives extras, mas no caso do sunset drive era cerca de 900 rands, enquanto eu tinha pago 390 rands no do SAN Park. Não fiz, mas parece que teve uns bons drinks no safári. Então pra quem quer fazer safári com guias experientes mas não quer gastar muito vale mais a pena se hospedar nos Rest Camps do SANParks. Nos safáris com 4x4 seja com o guias do SANPark, seja com os de lodges privados ou outras empresas, vc recebe explicações sobre os bichos, o guia tem mais experiência em achar e identificar os bichos e as vezes ainda rola uma troca de informações por radio avisando de um leão ou outro bicho mais difícil de ver. E o carro é mais alto que carros comuns, o que ajuda a fotografar. A desvantagem é que o carro é aberto e pode ficar frio com o vento enquanto o carro está andando, então levar agasalhos é importante (não subestime esse frio). Vc dirigindo o carro tem a vantagem de ter a liberdade de escolher o itinerário, fazer no seu tempo, e o principal é a emoção de vc achar sozinho os bichos. Enfim, recomendo as duas experiências e por isso acho que vale a pena alugar o carro mas reservar também ao menos um desses de 4x4. Adendo sobre cruzar a fronteira A parte de cruzar a fronteira de carro, pelo menos de Moçambique, exige cuidado. Já tinham nos avisado para ficarmos atentas que, na parte de dar a saída de Moçambique, ficam um carinhas oferecendo ajudar com os tramites da fronteira e que depois eles cobram por isso. Mesmo sabendo disso, quase caímos no golpe. Assim que chegamos na fronteira, um cara com um colete mandou a gente estacionar o carro perto de outros carros, meio longe da “casinha”(tinham outros carros estacionados mais perto da casinha). Achando que o cara fazia parte dos funcionários da fronteira e vendo outros carros ali, estacionamos. Ai ele começou a dizer que eu tinha que ir com ele pq era a motorista e que a Camila tinha que ficar ali olhando o carro, junto com outro amigo dele. Eu fui, ela ficou. Chegando dentro da casinha, eu percebi que ele era o tal carinha que avisaram, ignorei o cara e voltei pra chamar a Camila. O engraçado foi que a Camila tbm percebeu o golpe ao mesmo tempo e foi me encontrar. Ai reparamos que eles estavam diferentes do uniforme da polícia. Mas eles fazem isso na frente nos policiais lá, que não interferem. A gente estava esperando que os caras iam oferecer o serviço de ajuda alegando ser complicado, mas a verdade foi que os caras não ofereceram nada, já foram me “ajudando” logo de cara. Voltamos no carro, estacionamos no lugar certo e entramos na casinha novamente, fui logo na fila pra dar a saída do carro, preenchi o papel com os dados do carro (leve pra casinha a papelada da locadora), eles te entregam um papel que quando vc volta pra Mocambique vc tem que devolver. Ai depois fomos na parte que carimba os passaportes pra sair. Voltamos pro carro e partimos. Nada muito complicado, ainda mais pra quem fala português. Uns 200 metros depois paramos o carro de novo pra dar entrada na África do Sul e não teve ninguém tentando enganar a gente. Com o tour ou de ônibus, cruzar a fronteira é moleza, vc só segue as orientações do guia ou o fluxo dos passageiros. Geralmente sai do ônibus em um país e só entra no outro, anda os 200 metros entre um e outro a pé. Bom, acho que é tudo, espero não ter escrito nenhuma besteira, qq dúvida me perguntem.
  6. patriciatc

    Moçambique

    Alguém aqui tomou remédio preventivo de malária? Se sim, teve efeitos colaterais?
  7. patriciatc

    Moçambique

    Como eu vou com uma amiga, queríamos uma excursão de Maputo ao Kruger pois estamos inseguras de dirigir lá. Eu li que os carros pra alugar em Maputo não são bem conservados. Imagina ficar enguiçada no meio do Kruger?! Sem contar que queríamos um guia daqueles que acha os bichos. Mas realmente os poucos orçamentos que conseguimos para excursões de 2 ou 3 dias no Kruger a partir de Maputo estão absurdo de caro. Esses guias que vc falou que dá pra contratar em Maputo que levam com carro fazem isso?
  8. patriciatc

    Moçambique

    Quando pretende ir? Devo estar em Maputo dia 12 de novembro. Quanto a atravessar a fronteira e voltar da África do Sul, é tranquilo. Não há burocracia pra isso lá. Você pode sair e entrar em Moçambique quantas vezes quiser desde que pague por um novo visto de entrada. Quando você sai do país, seu visto é dado como expirado, ai pra retornar, tem que pegar outro visto. Mas isso você consegue fazer tranquilamente em qualquer fronteira. Só vi agora. Vou exatamente nas mesmas datas que a Mariana colocou aqui, no Reveillon. Sobre o visto na fronteira, ainda é assim até hoje? E no aeroporto, será que é tranquilo também? Pq mesmo tirando o visto simples aqui sai a mais de R$ 300,00 pra mim que não sou de Brasília. Se lá for tipo 35 dólares cada vez e realmente não tiver burocracia está compensando.
  9. patriciatc

    Moçambique

    O contato do hostel Base Backpackers é [email protected] . Já fiz minha reserva. Como o diogo.matias escreveu aqui, também fiquei com vontade de cancelar a passagem depois de ver isso do visto. Mas na verdade acho que valeria mais a pena ficar só em Moçambique, já que tem muita coisa pra fazer lá, mas minha amiga quer de qq forma ir no Kruger. Agora estou vendo formas de estender minha estadia lá pra poder aproveitar mais não só Moçambique como a Africa do Sul. Mas estou meio desanimada de ficar sozinha lá.
  10. patriciatc

    Moçambique

    Olá a todos. Já estou registrada aqui há milênios mas nunca escrevi nada (shame on me). Eu tbm comprei essa promoção com uma amiga e chego em Moçambique dia 27 de dezembro, mas ficamos só até dia 6 de janeiro (ela tem que voltar pra trabalhar, eu estarei de ferias e vou ver o quão caro ficar pra mudar a passagem e ficar mais ou ir pra outros países da Africa). Estamos começando a ver a coisa e esta batendo um desespero, pois além de ser um país caro pelo que estou lendo em outros tópicos aqui, é Reveillon, altissima temporada e não temos nada reservado. Sem contar que 9 dias não dá pra nada, tem muita coisa maneira pra se fazer por lá. Pdantas, vc que vai com um grupo de brasileiros no dia 30 pra Tofo, já tem hospedagem? Eu e minha amiga queremos ir nas praias ali ao sul (já q ir pro norte é impossível), queremos fazer mergulho, queremos ir no Krunger já que é ali perto, queremos ir no Parque Nacional Limpopo, queremos conhecer Maputo...Enfim, mta coisa pra pouco tempo. Estou começando minha pesquisa agora e vamos trocando informações aqui.
×
×
  • Criar Novo...