Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

ms.priscila

Membros
  • Total de itens

    4
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

2 Neutra
  1. GUIANA Passaporte: apenas precisa estar válido durante sua estada Visto: não é necessário Moeda: dólar da Guiana $ (GYD) Cod. telefone: +592 Idioma oficial: Ingles Capital: Georgetown Hospedagem: Twenty4 Guesthouse, Hotel Palácio, Hotel RitzZ Georgetown é a capital da Guiana, assim chamado o país desde 1966, data de sua independência! Antes, era conhecido como Guiana Inglesa. Cidadezinha com cara de interior, possui vários canais com esgoto a céu aberto, mas que não imprimem ao local um cheiro fétido. O povo é extremamente simpático, com música alta por todo canto. Apesar de nos alertarem sobre furtos e roubos na região, andamos por toda a cidade, a pé, sem problemas, apenas evitando caminhar à noite! LOCOMOÇÃO NA GUIANA O transporte público na Guiana é feito através de vans, que estão numeradas, indicando o local para onde se deslocam. SURINAME Passaporte: precisa ter validade de pelo menos 6 meses Visto: é necessário para os estrangeiros não pertencestes ao Caricom; pode-se obter na fronteira Moeda: dólar do Suriname SUR (SRD) Cod. telefone: +597 Idioma oficial: holandês Capital: Paramaribo Paramaribo é uma simpática cidade que se divide entre áreas menos desenvolvidas e áreas com discretos traços da sua parente distante Holanda! O feio e o bonito estão separados por poucas quadras! Apresenta um crescimento mais organizado do que sua vizinha Georgetown e lindos pontos turísticos! ROTEIRO DIA A DIA 09/01 08:30h: saída de Manaus (existem saídas diárias às 8h e as 20h) com destino a Boa Vista. Ônibus semi-leito, com banheiro e Wi-Fi por R$200, pago na data da viagem. No lado direito à saída da rodoviária, existe um café da manhã, onde se pode tomar um desayuno! 13:30h: única parada para o almoço na Cidade de Equador-RR 14h: continuação da viagem 19h: chegada em Boa Vista 10/01 9h: Uber para o Terminal de Caimbe (no aplicativo informe como destino o “Centro de Atendimento ao Cidadão João Firmino Neto”), de onde saem os táxis para Bomfim-RR, fronteira com Lethem-Guiana! Os táxi-lotação cobram R$35 por pessoa até Bomfim e R$40 até a fronteira! Como estava demorando demais para completar a Van, decidimos ir para a rodoviária e pegar um ônibus, que custou R$25 e leva 2h até Bomfim! 10h: saída do ônibus de Boa Vista até Bomfim. Obs importante: não desça na rodoviária pois o ônibus vai até a fronteira. A fronteira funciona de 8-18h, fechando para o almoco de 12-14h. Em frente ao posto federal, existe um restaurante ao preço de R$15! Obs.: na fronteira já existem táxis que oferecem a corrida até o posto de imigração, troca de dinheiro e viagem nas vans (minibus n. 94) para Georgetown ao valor de $12.000-$14.000 por pessoa! São 16h de viagem na van! 18:30h: saída de Lethem para Georgetown 21:30 parada para descanso até as 4h da manhã! No local, pode-se alugar redes pelo valor de $500! Dia 11/01 6-13h: viagem até Linden em estrada extremamente acidentada (carros pequenos não conseguem atravessar) 14h: saída de Linden em direção à Georgetown 16h: chegada a Georgetown e hospedagem no Julian’s Guest House por R$100 apto duplo sem café Passeio principal: Cachoeiras Kaieteur por 125USD Dia 12/01 10h: saímos do hotel e andamos a pé pelo Parliament Building, Stabroek Market, St George Cathedral, National Library, Main Street, Georgetown Lighthouse (seg-sex de 8-16h), Praia de Georgetown, Umana Yana (ponto de encontro do povo guiano), Pomerade Gardens Dia 13/01 Pegamos um barco no Mercado Stabroek, que atravessa para a cidade de Parika, de onde saem os barcos para o principal passeio da cidade, que é o Fort Island. Stabroek Market - Region 3 (de onde saem as vans para Parika): pega-se um barco que atravessa o Rio Demerara, cuja viagem dura cerca de 15min e custa $200pp (aos domingos; de seg-sab $100pp). Existem vans que saem direto de Georgetown para Parika, mas queríamos a experiência de atravessar o rio nos barcos-lotação. Van da Region 3 - Parika: $300pp Na cidade de Parika pode-se visitar uma praia com varias carcaças abandonadas; uma espécie de cemitério de navios, ao lado do Porto. Fora isso, a cidade não possui muitos atrativos. Passeio principal: Fort Island ao custo de $15.000pp Dia 14/01 Pegamos a van n.63 que vai de Georgetown até Moleson Creek. A van nos pega no hotel e custa $4.500! O trajeto completo até Paramaribo custa $9.000, mas como não sabíamos se obteríamos o visto na fronteira, preferimos pagar o transporte somente até Moleson Creek! Atravessando da Guiana para o Suriname: 1. Saídas do ferry as 9h (check-in de 6:30-8h) e 13h (check in de 10:30-12h): a viagem de ferry leva 30min 2. Compra dos bilhetes com passaporte por $3.140pp 3. Preencher um papel de saída da Guiana Chegada na Guiana por via terrestre: 1. Os residentes dos países pertencentes ao Caricom não precisam de visto, basta carimbar o passaporte; para os estrangeiros não pertencentes ao Caricom, estes devem pagar uma taxa de 42USD e obter um tourist card na fronteira, o que também pode ser obtido em Georgetown a um preço menor. Paramaribo: 12:45-16:30h: saída de van da fronteira para Paramaribo (100SUR pp) Dia 15/01 12h: saímos do hotel e andamos a pé pelo Centrale Markt, Waterkant, Presidential Palace, Independence Square, Fort Zeelandia, I Love SU Sign, Palmemtuin Garden (Jardim das Palmeiras), Catedral de São Pedro e São Paulo Dia 16/01 Retorno ao Brasil
  2. 09/01 08:30h: saída de Manaus (existem saídas diárias às 8h e as 20h) com destino a Boa Vista. Ônibus semi-leito, com banheiro e Wi-Fi por R$200, pago na data da viagem. No lado direito à saída da rodoviária, existe um café da manhã, onde se pode tomar um desayuno! 13:30h: única parada para o almoço na Cidade de Equador-RR 14h: continuação da viagem 19h: chegada em Boa Vista 10/01 9h: Uber para o Terminal de Caimbe (no aplicativo informe como destino o “Centro de Atendimento ao Cidadão João Firmino Neto”), de onde saem os táxis para Bomfim-RR, fronteira com Lethem-Guiana! Os táxi-lotação cobram R$35 por pessoa até Bomfim e R$40 até a fronteira! Como estava demorando demais para completar a Van, decidimos ir para a rodoviária e pegar um ônibus, que custou R$25 e leva 2h até Bomfim! 10h: saída do ônibus de Boa Vista até Bomfim. Obs importante: não desça na rodoviária pois o ônibus vai até a fronteira. A fronteira funciona de 8-18h, fechando para o almoco de 12-14h. Em frente ao posto federal, existe um restaurante para comer ao preço de R$15! Obs.: na fronteira já existem táxis que oferecem a corrida até o posto de imigração, troca de dinheiro e viagem nas vans (minibus n. 94) para Georgetown ao valor de $12.000-$14.000 por pessoa! São 16h de viagem na van! 18:30h: saída de Lethem para Georgetown 21:30 parada para descanso até as 4h da manhã! No local, pode-se alugar redes pelo valor de $500! GUIANA INGLESA Passaporte: apenas precisa estar válido durante sua estada Visto: não é necessário Moeda: dólar da Guiana $ (GYD) Cod. telefone: +592 Idioma oficial: Ingles Georgetown é a capital da Guiana, assim chamado o país desde 1966, data de sua independência! Antes, era conhecido como Guiana Inglesa. Cidadezinha com cara de interior, possui vários canais com esgoto a céu aberto, mas que não imprimem ao local um cheiro fétido. O povo é extremamente simpático, com música alta por todo canto. Apesar de nos alertarem sobre furtos e roubos na região, andamos por toda a cidade, a pé, sem problemas, apenas evitando caminhar à noite! LOCOMOÇÃO NA GUIANA O transporte público na Guiana é feito através de vans ou minibus, que estão numerados, indicando o local para onde se deslocam. Dia 11/01 6-13h: viagem até Linden em estrada extremamente acidentada (carros pequenos não conseguem atravessar) 14h: saída de Linden em direção à Georgetown 16h: chegada a Georgetown e hospedagem no Julian’s Guest House por R$100 apto duplo sem café Passeio principal: Cachoeiras Kaieteur por 125USD Dia 12/01 10h: saímos do hotel e andamos a pé pelo Parliament Building, Stabroek Market, St George Cathedral, National Library, Main Street, Georgetown Lighthouse (seg-sex de 8-16h), Praia de Georgetown, Umana Yana (ponto de encontro do povo guiano), Pomerade Gardens Dia 13/01 Pegamos um barco no Mercado Stabroek, que atravessa para a cidade de Parika, de onde saem os barcos para o principal passeio da cidade, que é o Fort Island. Stabroek Market - Region 3 (de onde saem as vans para Parika): pega-se um barco que atravessa o Rio Demerara, cuja viagem dura cerca de 15min e custa $200pp (aos domingos; de seg-sab $100pp). Existem vans que saem direto de Georgetown para Parika, mas queríamos a experiência de atravessar o rio nos barcos-lotação. Van da Region 3 - Parika: $300pp Na cidade de Parika pode-se visitar uma praia com varias carcaças abandonadas; uma espécie de cemitério de navios, ao lado do Porto. Fora isso, a cidade não possui muitos atrativos. Passeio principal: Fort Island ao custo de $15.000pp Dia 14/01 SURINAME Passaporte: precisa ter validade de pelo menos 6 meses Visto: é necessário para os estrangeiros não pertencestes ao Caricom; pode-se obter na fronteira Moeda: dólar do Suriname SUR (SRD) Cod. telefone: +597 Idioma oficial: holandês Pegamos o minibus n.63 que vai de Georgetown até Moleson Creek. A van nos pega no hotel e custa $4.500! O trajeto completo até Paramaribo custa $9.000, mas como não sabíamos se obteríamos o visto na fronteira, preferimos pagar o transporte somente até Moleson Creek! Atravessando da Guiana para o Suriname: 1. Saídas do ferry as 9h (check-in de 6:30-8h) e 13h (check in de 10:30-12h): a viagem de ferry leva 30min 2. Compra dos bilhetes com passaporte por $3.140pp 3. Preencher um papel de saída da Guiana Chegada na Guiana por via terrestre: 1. Os residentes dos países pertencentes ao Caricom não precisam de visto, basta carimbar o passaporte; para os estrangeiros não pertencentes ao Caricom, estes devem pagar uma taxa de 42USD e obter um tourist card na fronteira, o que também pode ser obtido em Georgetown a um preço menor. Paramaribo: 12:45-16:30h: saída de van da fronteira para Paramaribo (100SUR pp) Pontos turísticos: Fort Zeelandia na beira do rio suriname; Kathedraal toda feita em madeira; Sinagoga fica ao lado da Mesquita; Palmentuin parque; Cultuurtuin parque; Cemitério Judaico, entre outros. O fuso horário é o mesmo de Brasilia.
  3. A viagem ocorreu entre 18abr a 03maio/2015. Durante toda a viagem, a temperatura oscilou entre 15o graus durante o dia e 5o graus a noite, diminuindo um pouco mais no deserto. Dia 18 09:50 - saída de Manaus com destino a Rio Branco 12:00 - chegada à Rio Branco Almoço no aeroporto R$17,00 12:30 - saída do aeroporto para Rodoviária de Rio Branco, de onde saem os táxis para Brasileia (R$90,00) e cerca de 45min 13:30 - saída de Rio Branco para Brasileia (R$60,00 taxi por pessoa) e 2h30 de viagem 16:00 - chegada à Brasileia e saída imediata para Assis Brasil-Iñapari (R$35,00 taxi por pessoa) e 1h20 de viagem - o táxi para na fronteira para carimbar o passaporte e nos deixa do outro lado. A fronteira dos dois países funciona de 7-19h (hora local) 17:15 - chegada em Iñapari (no local de onde saem as vans se pode trocar dinheiro - 1/0,90 reais) 18:00 - saída de Iñapari de van (S/30 por pessoa) rumo a Puerto Maldonado. A viagem deveria durar cerca de 3h, mas pegamos um péssimo motorista, que fez muitas paradas desnecessárias, atrasando a viagem em 1h. Perdemos o ônibus para Cusco. O último ônibus para Cusco sai as 21h da rodoviária. E existem várias empresas. 22:00 - chegada à Puerto Maldonado. Cidade pequena, suja, sem estrutura. Pernoite no hotel Oasis Inn (bem ruim e sem café a S/20) Dia 19 10:30 - saída de Puerto Maldonado rumo a Cusco. Tentamos tomar café no mercado central, mas tudo extremamente ruim. Pagamos cama (S/70) e uma taxa de S/2.50 pelo uso do terminal. Isso acontece em todo o Peru. Paga-se uma espécie de 'taxa de embarque', fora a passagem, mesmo no caso de ônibus. O ônibus para no caminho para almoçarmos (S/8). Comida caseira e muito boa. No trajeto, foram exibidos dois filmes. Sem Wi-Fi. 22:00 - chegada à Cusco (o ônibus atrasou). Táxi da rodoviária para o albergue (S/10). Táxi no Peru e Bolivia é muitooo barato. Pernoite em Pirwa Hostel (S/97 quarto casal com banheiro privativo): o Hostel foi mto recomendado na internet, mas particularmente não gostei. Não tinha água quente em todos os banheiros, o café extremamente fraco e limitado. Saímos as 8h pra tomar café e mtas coisas já tinham acabado. Lanche no Mc Donalds (S/18 trio big Mac) Dia 20 Trocamos dinheiro na Plaza das Armas. Melhor cotação 1-0,95 (sim, nossa moeda está desvalorizada) na Western Union 10:00 - Pegamos um ônibus see-sighting (S/20), com 1h20min de passeio, que fez o trajeto passando por Sacsayhuaman, Cristo Branco e parada em uma loja têxtil (com roupas de alpaca extremamente caras) 13:00 - almoço no Emperador (S/30 por pessoa), próximo à Plaza de Armas; comida boa e bem servida Durante o resto do dia passeamos pela cidade, até o Convento Santo Domingo S/10 (vale a pena conhecer) e compramos o bilhete para Machu Picchu (S/70 para estudante) e os bilhetes de trem de Ollanta para Águas Calientes (U$128 pela empresa Inca Rail; a Peru Rail estava esgotada e era mais cara). Aqui vale uma observação. Eu não havia percebido que o número de 2500 pessoas diárias é para Machu Picchu e não para as montanhas. As montanhas estão reduzidas a um número de 500 pessoas por dia. Por isso, quando fomos comprar o bilhete, já estava esgotado para Huayna Picchu. Pedimos, então, o bilhete para a Montanha de Machu Picchu, mas só na cidade inca percebemos que nos venderam o bilhete errado, com entrada somente para a cidade. Ainda, compramos um passeio turístico de Cusco-Puno, que faríamos depois de Machu Picchu (S/150). Não compensa o passeio; caro e pouco atrativo (http://www.cuscopunobus.com/) Pernoite em Pirwa Hostel (S/97 quarto casal com banheiro privativo) Dia 21 06:30 - café na padaria Panam (S/10 empanada com café), próximo à Plaza das Armas. Excelente padaria. O café no Hostel era só a partir das 7h. Fizemos check out e deixamos as mochilas grandes no Hostel. É seguro e todos fazem isso. 07:00 - saída para o tour do Vale Sagrado (S/35 pela empresa Orellana). Na chegada a Pisaq, paga-se S/70 para o bilhete turístico parcial, para visita somente para o Vale Sagrado (Pisaq, Ollantaytambo e Chinchero). Pode-se pagar ainda o bilhete integral (S/140). Para o parcial, não se aceita carteira de estudante 16:00 - terminamos o passeio em Ollanta e pegamos um tuk tuk (S/3) até o terminal de trem 16:36 - saída do trem para Águas Calientes. Não esqueçam repelente e protetor solar para Machu Picchu 19:00 - chegada em Águas Calientes (não há táxi na cidade; todos os hotéis estão ao redor...bem pertinho) Pernoite no Hostel Supertramp (S/30 dormitório misto). Excelente Hostel, com ótimo atendimento, camas confortáveis, água quente e o café é bem servido a partir das 04:30! O único problema foram as tomadas...todas frouxas, mas a recepcionista nos deixou carregar os eletrônicos na tomada da recepção Dia 22 04:30 - café no Hostel 05:00 - saída do Hostel e compra dos bilhetes do ônibus na própria parada (S/75). 05:30 - saída dos primeiros ônibus. As 05:30 a fila já estava enorme. 06:30 - início do tour em Machu Picchu. Contratamos o guia na hora por S/20. Eles tentam fazer com que você contrate no Hostel por S/30, mas não há necessidade. 08:00 - término do tour com o guia. Vale muito a pena conhecer a história, que é contada apenas na cidade de Machu Picchu. Após, estamos liberados para explorar a vontade e fazer as subidas para as montanhas. 17:00 - saída de Machu Picchu. O parque fecha neste horário. 19:00 - trem de volta para Ollanta 21:00 - chegada em Ollanta e taxi-lotação para Cusco (S/15 por pessoa) 23:00 - chegada à Cusco Pernoite em Pirwa Hostel (S/30 em dormitório misto) Dia 23 06:30 - a empresa nos buscou no Hostel e nos deixou no ônibus para Puno 17:00 - chegada a Puno Compra do passeio para o Lago Titicaca pela empresa Edgar Adventures (S/100), localizada na Calle Lima. O passeio é de 2d1n. Na Calle Lima é possível sacar dinheiro nos caixas eletrônicos e trocar moeda. Dia 24 08:00 - início do passeio pelo Lago Titicaca. A primeira parada é na ilha flutuante de Uros. La é oferecido um passeio num barco típico por S/10 13:00 - chegada à ilha de Amantani. Cada grupo é alojado na casa de uma família da ilha. Lá dormimos, almoçamos, jantamos e tomamos café do dia seguinte, tudo incluso no pacote. 16:00 - somos convidados a nos reunir no ginásio da ilha para iniciarmos a subida até o Templo do Sol (aprox. 40 min de caminhada). O ar rarefeito torna a caminhada muito difícil. 19:00 - jantar 20:00 - somos convidados para participar de uma festa local. Para isso, nos vestem com roupas típicas. Não há eletricidade. Somos guiados por uma lanterna entre os morros. Dia 25 07:00 - café da manhã 08:00 - saída para a ilha de Taquile 12:00 - almoço na ilha (S/20) e retorno para Puno 16:00 - chegada à Puno À noite, também pela Edgar Adventures, compramos o passeio para Canyon del Colca, de 2d1n (S/419), incluso hotel em Chivay, guia, boleto para entrar em Chivay (S/40 para latinos e S/70 para demais estrangeiros) e passeios. Passeio adicional para as águas termais S/20. Dia 26 06:00 - saída de Puno para Chivay 13:00 - chegada à Chivay 15:00 - Almoço no Restaurante La Cabana (S/16) 18:30 - Planetário da Casa Andina (S/20): péssimo. O cara só mostrou algumas constelações, onde nos encontrávamos e alguma história dos incas. Meu amigo sabia mais. 19:30 - Jantar no El Hornito (S/35 por pessoa): apresentação de danças típicas, bandas, ótima comida e atendimento Pernoite no Hotel Colca Inn (incluso no pacote) Dia 27 06:00 - saída para o Canyon. Subimos até a Cruz do Condor, parando nos mirantes e passando pelas cidadezinhas de Maca e Cabanaconde 12:00 - chegada à Chivay para almoço no Restaurante Wititi (S/28) 13:00 - saída para Puno 19:30 - chegada à Puno Dia 28 07:30 - saída de Puno para La Paz de ônibus, com parada em Copacabana (S/40 comprados diretamente no Hostel Pirwa). O ônibus para na fronteira para imigração nos dois países e aqui podemos trocar dinheiro. O Bs vale a metade do real. 12:00 - chegada à Copacabana para almoço no restaurante El fogon de lá cabana - péssimo atendimento, uma só pessoa p atender, há indicação de Wi-Fi, mas o sinal estava cortado, tivemos q pegar os cardápios e ir diretamente no balcão fazer o pedido. 13:30 - saída de Copacabana com destino à La Paz 17:00 - chegada à La Paz 20:30 - saída de La Paz a Potosi (80Bs cama) pela empresa Trans Copacabana. Não recomendo de forma alguma. O banheiro ficou fechado boa parte da viagem, tendo o motorista parado para que os passageiros fossem ao banheiro na beira da pista. Não houve uma parada em uma viagem de 10h. Após 6h de viagem, o banheiro foi aberto. O ônibus chegou com 1h de antecedência. Dia 29 05:00 - chegada a Potosi, ouvindo Victor & Leo e Leonardo em espanhol. 07:00 - café da manhã no Café Restaurante Santa Fé: excelente atendimento e café da manhã muito bom. Aqui percebemos que estávamos perdidos. Lemos em algum site no Brasil que o Salar de Uyuni estava localizado na região de Potosi, por isso erroneamente pensamos que o passeio sairia dali e que não havia uma cidadezinha chamada Uyuni. Conclusão: perdemos o passeio. Andando pela cidade, fomos salvos pela Hellen, dona da agência de viagens Amigos da Bolívia. Recomendo muitíssimo. Extremamente atenciosa. Salvou-nos a vida. A Hellen nos comprou a passagem de Potosi-Uyuni (que sai de hora em hora e custa 40Bs), reservou o hotel La Cabana (quarto duplo com banheiro compartilhado a 60Bs) e o passeio de 3 dias pelo Salar a 850Bs. Em Uyuni estava 100Bs mais barato, mas naquela altura do campeonato foi nossa melhor opção. 11:30 - almoço 13:00 - saída de Potosi-Uyuni 17:00 - chegada a Uyuni. A moça da agência contratada nos buscou e nos levou até o Hostel. Já hospedados, saímos pra comer e conhecer o pouco que há para conhecer da cidade. Curiosidades: há caixas eletrônicos, câmbio de moedas, venda de óculos escuros e roupas de frio. Dia 30 10:30 - saída para o Salar de Uyuni 12:00 - almoço num hotel de sal 14:00 - ida para o Salar 17:00 - chegada à Ilha de Cactus 18:00 - por do sol no Salar 20:00 - chegada ao hotel de sal Los Piez para pernoite. Hotel adorável. Não há ducha quente e se paga pela toalha (Bs3) e pela ducha (Bs10) Dia 01 08:00 - visita às lagoas coloridas durante todo o dia! Almoço no caminho. Aqui, por volta das 11:00, nosso carro quebrou. Caminhamos cerca de 40 minutos até a próxima laguna e lá esperamos o carro ate por volta das 15:00 18:00 - chegada ao acampamento para o pernoite do segundo dia. Os seis integrantes do grupo ficaram hospedados no mesmo quarto. Aconselha-se alugar, ainda em Uyuni, o saco de dormir (Bs50), já que nesse acampamento, no meio do deserto, faz muito frio. Esquecemos uma garrafa de água dentro do carro e ela amanheceu congelada. 21:00 - as luzes, ligadas por gerador, se apagam as 21h da noite Na segunda noite, as agências entregam um vinho para o grupo, como cortesia pelo passeio. Mas as vezes, se os turistas não pedem, os motoristas não entregam (ouvimos histórias de motoristas que beberam o vinho) Dia 02 05:30 - café da manhã no acampamento (e aqui começaram os problemas) Deveríamos ter saído às 6h para ver os geiseres. Entretanto, simplesmente fomos impedidos de deixar o acampamento porque nosso guia não havia pago o alojamento. Enquanto estávamos no carro, com muito frio, a dona do acampamento e o motorista discutiam lá fora. As 07:30 conseguimos partir 08:00 - visita aos geiseres. No caminho para a Laguna Verde, o pneu furou. 09:30 - chegada à Laguna Verde. Novamente, o carro apresentou problemas. Conclusão: fim do passeio. As três mulheres voltaram em outra van, que parou para nos ajudar e os três rapazes ficaram com o motorista e chegaram cerca de uma hora depois em Uyuni. 17:00 - depois de muito estresse, chegada à Uyuni. O proprietário da empresa já nos esperava. Expusemos todos os problemas. As inglesas, nervosas, não conseguiam mais falar espanhol. Depois de muita discussão, o Natalio, dono da Atacama Mística nos propôs a devolução de Bs150 por pessoa, pelos transtornos do passeio. Não pudemos visitar os banhos termais. No ultimo dia, encontramos com outros dois grupos que tiveram diferentes problemas durante o tour (Esmeralda, Full Adventure e a nossa, Atacama Mística). Detalhe que todas foram recomendadas. O que nos parece é que o serviço mal prestado é lei na Bolívia. Não foi diferente em absolutamente nenhum lugar desde que cruzamos a fronteira. 20:00 - saída de Uyuni para La Paz (Bs100 pela empresa Omar: onibus com calefação, cobertor e banheiro) Dia 03 09:00 - chegada à La Paz. O ônibus deveria chegar por volta das 7h, mas incrivelmente atrasou duas horas. Nosso voo para Cobija saía às 09:50. Fizemos o check-in exatamente 05 minutos antes de fechar. Isso porque, por sorte, o aeroporto ficava ao lado de onde o ônibus nos deixou. 10:50 - chegada à Cobija. Logo na saída do aeroporto encontramos o Valdir (68 99787511), que nos ofereceu a corrida até Rio Branco, sem troca de táxis por R$ 210 para 2 pessoas. Paramos na fronteira, carimbamos os passaportes, trocamos dinheiro e entramos no Brasil 14:30 - chegada ao aeroporto de Rio Branco 15:40 - saída para Manaus
  4. ms.priscila

    Bolívia e Peru por Rio Branco

    Olá. Estou viajando em abril para o Peru por Rio Branco. Sairemos de Rio Branco de taxi até uma cidadezinha no Peru, chamada Puerto Maldonado. De lá, ônibus direto para Cusco.
×