Ir para conteúdo

cemelo

Membros
  • Total de itens

    2
  • Registro em

  • Última visita

Tudo que cemelo postou

  1. Fui passar o feriadão em Aracaju e resolvi deixar minhas impressões da cidade. Espero que o tópico ajude e incentive a conhecer a capital sergipana! Dia 01 – 12/10/12 Logo que cheguei em Aracaju, peguei um táxi em direção ao hotel e fica a dica pra vcs, procurem os táxis da 2ª fileira quando saírem do Aeroporto, ele tem um adesivo na porta informando desconto na tarifa, os da 1ª fileira são mais caros e os turistas acabam ñ sabendo disso... :'> O Aeroporto fica bem próximo da Orla de Atalaia, onde fiquei hospedado, acho que a corrida ñ durou nem 15 minutos e no total paguei R$17,00, levando se em conta que era quase 1 da manhã. Fui dormir e levantei pouco antes das 6h pra tomar um café da manhã, por sinal ótimo, do Hotel Litoral antes de partir rumo ao Cânion de Xingó. Fiz o passeio pelas Nozes Tour, paguei R$120,00, o ônibus era bom, o guia estava incluso. Ao longo do passeio vc conhece a geografia sergipana, sai do litoral, passa pelo agreste, nessa hora o povo da minha faixa etária lembra de Tieta... rsrsrs e conhece o sertão e aí vc imagina Lampião e seus cangaceiros circulando pela caatinga... Ao todo, percorre-se 14 municípios até chegar em Canindé de São Francisco, esse trajeto dura 3h. Quando chegamos no catamarã, o barco segue em destino ao cânion num caminho que dura pouco menos de 1h onde vemos paisagens bonitas, paredões esculpidos pela erosão do vento e as águas verdejantes na imensidão do Velho Chico. Quando chega-se ao local, vc pode mergulhar no rio, pagar R$5,00 pra navegar de barquinho visualizando as brechas entre os paredões das rochas, embora seja curtinho esse passeio, ñ dura nem 10 minutos, é legal, eu gostei! O catamarã fica no cânion em torno de 45, 50 minutos e quando o próximo catamarã chega no local é a hora da partida e começa a jornada de volta pra Aracaju. Apesar de ser muito cansativo, ainda mais pra quem tinha acabado de chegar após um dia trabalho, saí do hotel pouco depois das 7 e cheguei no hotel quase 20:30, mas vale a pena, todos recomendam, inclusive eu! Cheguei no hotel, tomei um banho e fui pra famosa Passarela do Caranguejo, a 15 minutos do hotel e deu pra sentir a vibe legal do local e da cidade, tem pra todos os gostos! Dia 02 – 13/10/12 Nesse dia fui conhecer a cidade de Aracaju, como estava sozinho e sou aventureiro, me informei e vi que era fácil andar de ônibus (R$2,25), nem pensei duas vezes, coloquei o pé na estrada. Minha primeira parada foi no Mirante 13 de Julho pra fazer algumas fotos, então conheci o bairro das pessoas mais endinheiradas da cidade, uma área verde agradável, com quadras, brinquedos infantis, bem típicos da orla da cidade. Fui andando em direção ao centro da cidade, é uma caminhada de meia hora, no meio do trajeto vi o Museu de Gente Sergipana que é bem interessante a visita e gratuito. Seguindo a avenida da orla, cheguei na praça principal, vi a Ponte do Imperador, o belo Palácio Olímpio Campos, as visitas são gratuitas, guiadas e duram meia hora e de lá conheci a Rua 24Horas (é o calçadão deles) e os mercados da cidade, comprei castanha doce e salgada... Saí de lá e fui pra rodoviária em direção ao Parque da Cidade, tem um teleférico legal e um zoológico legal pra crianças, tem urso, leão, onça, etc., o lugar é agradável. Quando chega-se ao ponto alto do teleférico, pegue a trilha em que as pessoas praticam voo livre, de lá é possível ter uma vista muito legal da cidade, vc avista o Rio Sergipe, a ponte que interliga Aracaju-Barra dos Coqueiros e a cidade, se o tempo estiver bom vc garante boas fotos! Saí de lá e fui pra Colina de Santo Antonio, uma igreja que tem um mirante que ñ é lá grande coisa, mas pra quem gosta de bater perna feito eu, pode ser interessante fazer mais fotos, mas é um lugar que vc não perde muito tempo. Depois fui caminhar e fazer fotos da Orla de Atalaia aproveitando o bom tempo do dia, vi o Farol e é uma pena ñ ser aberto a visitação e voltei pra descansar um pouquinho no hotel. A noite peguei um táxi e fui fazer fotos da ponte intermunicipal iluminada e o Palácio Olimpio Campos, nessa corrida conheci um taxista gente fina, o Oliveira, que me deu dicas e contou muito da história de Aracaju gratuitamente, foi 10! Jantei e fui descansar, amanhã seria meu último dia em Sergipe e queria aproveitar o máximo possível do dia. Dia 03 – 14/10/12 Comecei indo pra São Cristóvão, uma cidade histórica que fica a meia hora de Aracaju e é a 4ª mais antiga do Brasil. Fechei a corrida com o Oliveira e conheci museus, igrejas e só não pude ir ao convento, costuma ter retiro, encontro de casais nos finais de semana e aí ñ é possível a visitação. Tudo é simples, mas acho muito legal conhecer esses lugares que pararam no tempo, dá pra se imaginar em outras épocas. É uma cidade que vc ñ perde mais de 2h caso queira visitar todos os lugares e ouvir tudo que os guias falam nos lugares. Voltei pra Aracaju e fui ao Oceanário, o ingresso custa R$12,00, estudante e idosos pagam meia entrada, o lugar é pequeno, a atração principal são os tubarões, no mais, o lugar é bem direcionado para as crianças, elas adoram! Almocei e fui trocar de roupa no hotel, queria curtir a praia, fui em Atalaia mesmo, é uma praia frequentada pelo povo local e foi divertido. Voltei para o hotel e precisava descansar, meu voo partia às 3:50 da manhã e ia direto para o trabalho, mas compensou! Notas gerais: Aracaju é uma cidade pequena, uma capital com ar interiorano, mas isso não é motivo pra ñ conhecer o lugar. É uma cidade que não conta com boa infra estrutura quando comparada a outras capitais de maior destino turístico, mas o povo é muito simpático e gentil, fui bem sortudo nisso! É uma cidade pra se ficar no máximo 3 dias, se quiser ficar mais que isso, vc vai ter que fazer outros passeios pelos arredores (cidades históricas, Mangue Seco, cânion, etc.). Pode não ter a cor do mar mais bonita do nordeste, falam que por ter um mar muito raso, as águas refletem a cor da areia, mas o destino merece ser visitado, explorado, pois oferece bom preço e tem o seu charme! Me disseram que a melhor praia da cidade é Parati, eu não conheci devido ao pouco tempo que fiquei e dizem que o público frequentador é melhor que as outras praias. Em relação ao Hotel Litoral, gostei muito da limpeza, as acomodações, a atenção dos funcionários, a localização e o preço. Só preciso mencionar que ñ tem elevador e pode ser um problema pra quem tem dificuldade de se locomover, além de poucas vagas no estacionamento pra quem vem de carro. Visitem Aracaju e qualquer coisa é só perguntar!!!
  2. Pessoal, Como o Mochileiros colaborou e muito para minha viagem, estou deixando um relato de como foi e alguns valores para ajudar os futuros mochileiros ao México! 03/02 – Rio/México Cheguei na capital mexicana por volta das 16h, dei uma voltinha na cidade acabei vendo Mary Poppins com cast da Broadway no Auditorio Nacional, um mundo de grande e valeu a pena pagar 400 pesos, apesar do frio enorme que passei. Taxi Aeroporto / Hostal Moneda: 194 pesos 04/02 – Chapultepec Castelo: A entrada custou 57 pesos e pensava que fosse maior e fiquei abismado com a limpeza e a excelente conservação de tudo, de lá se tem uma vista bem legal da cidade. Museu Nacional de Antropologia: Que acervo, ali comprovei quão rico culturalmente é o México, um dia é pouco pra quem quer conhecer a história, a entrada também foi 57 pesos. Passeei pelo lago do parque, um lugar bem legal, super familiar e depois avistei ao longe o Anjo da independência e então fui ver de perto, só o via em novelas mexicanas e foi ótimo caminhar pela Zona Rosa. Peguei o metrô (3,00) e comprei ingressos para o Ballet Folclórico no México no Bellas Artes e aí comi quesadillas (10,00) e taco (10,00) na praça e mais cedo mandei ver no chicharrone (32,00) e pierna adobada (32,00), todos são deliciosos, fui dormir cedo, ainda pesa o cansaço da viagem. 05/02 – Templo Mayor e Centro A andança foi boa, comecei pelo Templo Mayor. Saí de lá e fui ver os arredores do albergue... Uma exposição linda sobre a Espanha no Palácio Nacional e “di grátis”. Conheci a Catedral e o Zocalo, com direito a foto em cima do carro de bombeiros... Segui em direção ao museu Diego Rivera para ver apenas um mural e olha que a caminhada foi grande, mas valeu a pena, ao menos conheci o comércio mexicano, que por sinal é increíble! Durante a andança, avistei um monumento em forma de Arcos e para minha surpresa era o monumento a pátria, um mirante fantástico que tive que deixar pra outro dia, começou a chover e então a entrada é fechada, esperei passar no Museu subterrâneo de lá mesmo. Voltei para o Albergue e mais tarde fui ver o Ballet Folclórico no Bellas Artes, era um show pra turistas e nunca compre na primeira fila nos pisos superiores se for ao Palacio Bellas Artes, os refletores atrapalham a visão, mas troquei de lugar sem problemas. Quando acabou fui pra casa, caía uma chuva fina e tinha que descansar pra amanhã levantar cedo e cumprir um roteiro mais distante. 06/02 – Tula Meu dia começou às 6:30, fui ver como estava o tempo, fazia frio, o dia estava completamente cinza, mas resolvi pagar pra ver, mochila feita e pé na estrada. Peguei o metrô para Central Autobuses Norte e não tive problemas para chegar em Tula. A viagem dura pouco mais de 1h e chegando lá, peguei um ônibus para a Zona Arqueológica. O motorista acabou passando do ponto, mas me colocou num ônibus que fazia a volta. O sítio tem seus encantos, ñ é muito grande e as estátuas são o ponto alto, tem campo de futebol, labirinto de colunas e pra melhorar o sol brilhou para deixar mais bonitas minhas fotos. Conheci o sítio e o museu em 2h, quando saí de lá dei uma volta pelo centro da cidade, comi papa com chorizo e depois disso foi um rolo só pra achar a rodoviária, parecia que andava em círculos... Peguei o ônibus para México DF e fui para o albergue, comi macarrão com salsicha e direto pra cama, era preciso ter muita disposição para conhecer o maior império asteca da terra. 07/02 – Teotihuacan Mais uma vez levantei às 6:30 e parti para a estação de metrô Indios Verdes e de lá peguei o ônibus para Teotihuacan. O trajeto dura pouco mais de 1h e passei o dia inteiro no maior sítio asteca existente. Ñ tinha quase ninguém, cheguei muito cedo e foi melhor pra sentir o clima do local, parecia estar num outro planeta. O lugar é grandioso e completamente místico e haja disposição para subir e descer escadas. Após caminhar mais ou menos uns 5km, fiz o passeio em 5h, saí de lá por volta de 14:30 e voltei sem problemas pra capital. Retornei ruborizado de lá e olha que fez um mormaço que pra mim era fraco! Dica: Se for a alguma zona arqueológica, ñ deixe de levar boné, óculos escuros, garrafa de água e protetor solar... Tudo é aberto, ñ tem sombra e se vc pegar sol forte, vai ser um sufoco e procure estar com roupas leves, dependendo da época que for. Resultado dos custos: Ônibus para as pirâmides: 36 pesos Ingresso ao parque: 57 pesos Restaurante: 130 pesos 08/02 – Xochimilco Hoje foi o último dia na 1º fase na capital e parti em direção aos canais de Xochimilco. Fui de metrô até Tasqueña e de lá peguei um trem ligeiro até a estação final. O passeio de 90 minutos custou 300 pesos, o lugar é bem agradável, música típica em alguns barcos, famílias fazem festa nos barcos no lugar que preserva como era a cidade do México anos atrás, repleta de lagos. Estava vazio e meu condutor disse que é uma loucura nos finais de semana, onde os barcos coloridos colorem todo o lago. Depois que saí de lá fui para Coyoacan de metrô e andei perdido pelo bairro em direção aos museus Frida Kahlo (65,00) e Trotsky (45,00). O bairro é super charmoso, colorido, com casas bonitas e muito residencial, o acervo da casa de Frida Kahlo é interessante e a casa de Trotsky está muito bem conservada. Fui para o albergue pegar as coisas para partir em direção a Merida, resolvi ir de metrô para o Aeroporto, passei um perrengue inesquecível no percurso, foi na hora do rush, entrei na base da porrada no vagão com bolsa pesada e grande, igualzinho a metrô na Central do Brasil e Sé... O voo foi tranquilo e a primeira impressão de Merida foi ótima, o ar é muito melhor e nem faz tanto frio a noite!!!! 09/02 – Cenotes Cuzama Acordei às 7:30, o albergue está cheio, 80% dos turistas são europeus, típicos daquela região e o café é bom, apesar de ser meio confuso. Decidi ir a 3 cenotes numa fazenda em Cuzama. O primeiro já deslumbra a todos, é cenário de filme paradisíaco, água azul e quente numa gruta, ñ hesitei em cair logo na água. O segundo desbunda qualquer um devido a enorme cavidade de luz solar que adentra na gruta e ali você vê a coloração azul da água, parece mentira! O terceiro tem a impressão de ser o maior, tem a menor cavidade dos três para a entrada de luz solar e um trampolim ótimo para mergulho... A m... nesse dia foi que minha câmera descarregou e deixei de fazer muitas fotos naqueles lindíssimos cenotes.  Conheci na van (20,00) para a fazenda a Amanzine e o Karsten, turistas europeus e rachamos a carruagem férrea puxada por um burrinho na chegada aos cenotes no valor total de 250,00 divididos entre nós. No jantar comi um parvo delicioso com molho muito, mas muito apimentado, na volta para o quarto caía uma chuva fina, apaguei quando deitei, foi divertido! 10/02 – Uxmal Hoje o destino foi Uxmal, peguei um busão (45,00) em Merida mesmo e a viagem durou mais ou menos 1h e meia, a zona arqueológica (177,00) é lindíssima, adorei o lugar, super arborizado e repleto de iguanas. O calor castigou, minha roupa ñ ornou, sofri bravamente a cada gota de suor, o dia estava lindo, minhas fotos ficaram ótimas, comi um sanduíche natural no topo da pirâmide em meio àquela energia maravilhosa e um grupo de turistas alemães ainda me cumprimentou em grego achando que eu fosse grego devido estar com a camisa da seleção grega... Pode? No retorno, o passeio virou um programa de índio, fiquei mais de 1h no ponto esperando o ônibus, um sol na lata e então veio uma van de tour fechado com vaga para 2 pessoas, nem pensei 2 vezes, paguei 50,00, entrei e ainda fiz amizade com os mexicanos, morri de rir com eles, eles elogiaram as "nadegonas" das brasileiras... Mais tarde dei uma volta na praça e nos arredores, a cidade de Merida merecia mais tempo, mas a estadia por aqui tá acabando e vai deixar muitas saudades. 11/02 – Dzibilchaltun / Chichen Itza Às 6:45 o despertador tocou, tenho apenas ½ dia pra curtir antes de partir rumo a Chichen Itza. Resolvi ir a Dzibilchaltun (117,00), uma zona arqueológica com cenote. Foi confuso achar a condução, peguei um catacorno (6,00) e fui, o lugar fica a 30 minutos de Merida, mas o ônibus fez em 1h, uma moleza só! O sítio é pobre, só recomendo se tiver ½ dia disponível, só valeu a pena pelo cenote, totalmente a céu aberto, estilo piscina natural, com muitas pedras (machucam os pés), muitas vitórias-régias e plantas no fundo, uma água limpíssima e tem parte rasa e funda para o banho. Marquei às 12h para voltar com o moto taxi (10,00) para o centro de Dzibilchaltun e o garoto me surpreendeu com uma pontualidade inglesa e do centro, peguei uma van (6,00) para Merida, a viagem foi muito mais rápida, essa é a melhor opção de escolha se for ao local. Voltei para o albergue para buscar minhas coisas e fui para a rodoviária, outra caminhada longa e ainda por cima sem almoço, faz parte do ritual estar em jejum para absorver espiritualmente toda a energia da coisa... Peguei o ônibus (68,00) às 14h para Chichen Itza e na descida tomei um táxi para o albergue, o hostel é lindo, um luxo, deu vontade de ficar mais dias, tava pensando em dormir antes de chegar no albergue, mas qdo vi a piscina, mudei logo de ideia. Mais tarde fui ver o show de luzes (120,00) em Chichen Itza, foi pura magia, indescritível a sensação e entendi 80% do que falaram em espanhol, já tava mandando bem e amanhã vou conhecer um dos mais famosos sítios maias juntos com os mexicanos, o domingo é grátis para eles!!!! 12/02 – Chichen Itza Amanheci no hotel Villas Arqueologicas Chichen Itza e em jejum fui para a zona arqueológica, paguei a diferença de 57 pesos do dia anterior ao show de luzes. Muita coisa bem conservada, a pirâmide é linda, mas o que mais impressionou foi o comércio lá dentro, é uma feira enorme. Me brochou ñ poder explorar nenhum local, todos os acessos são fechados, ñ pode subir em nada, acabei gostando mais do show de luzes do que o sítio durante o dia, também já tinha visto várias zonas arqueológicas e acho que já tava cansando... O tempo estava ótimo, minhas fotos ficaram ótimas, consegui cumprir meu roteiro e isso é o que importa! Parti sem rumo a Tulum (120,00) de ônibus e encontrei o Karsten, acabamos fechando um quarto para 3 por 100 pesos na Av. Central de Tulum. Jantei Fajitas (arrachera) e depois fui dormir sonhando com as ruínas de Tulum. 13/02 – Tulum Acordei às 7:20 com o quadril de mal jeito, o colchão é mole, confortável, mas comprometeu minha junta e ossos... rsrsrsrs Tomei um café e que café, foi praticamente um almoço meu desjejum. Paguei 57 pesos para ver as ruínas, o local é pequeno, foi uma fortaleza murada a beira mar, um cenário incrível! A cor da água é indescritível, vários tons de azul se misturam no mar de água morna, foi uma delícia, podia ficar o dia inteiro ali, o dia estava maravilhoso! Saímos do sítio e fomos curtir uma praia pública fora da zona arqueológica, caminhamos 10 minutos e fomos a praia Santa Fé, foi a realização de um sonho, estar naquele mar azul, o sol brilhando, pelicanos caçando peixes e um vento perfeito que chega a ser traiçoeiro, acabei me queimando demais, há tempos ñ pegava essa cor e que bom que foi no Caribe!!! Saímos da praia e decidimos ir ao Gran Cenote (100,00) no fim da tarde, onde mergulhadores de nível avançado podem explorar, outros praticam snorkel, basta alugar os equipamentos, eu fui só pra brincar e conhecer. A caverna é grande, tem morcegos e a cor da água impressiona com os raios solares, parece um lago encantado. Esperamos passar um taxi (60,00) por uns 20 minutos e regressamos ao hostel, amanhã partiria cedo para Playa Del Carmen. Esqueci de registrar que encontrei brasileiros nas ruínas, o brasileiro é incrível, um povo maravilhoso... Uma família carioca do Catete - RJ e um casal de Salvador, me deram várias dicas de passeios que fizeram, foi o dia mais relax de toda a viagem até então! 14/02 – Playa Del Carmen Saí de Tulum às 8:30 (32,00), a viagem foi cerca de 1h, logo achamos o hostel Maria Sabina (450,00 o quarto duplo), muito bem localizado e limpinho. Fui dar uma volta, o tempo ñ tava tão aberto para ir a Cozumel e deixei pra tentar a sorte no dia seguinte, fui para a praia Mamitas, um lugar onde é permitido fazer topless, mas poucas se atreveram, adorei! Playa tem um ar de balneário europeu, tem a 5ª Avenida com lojas caras e muitos gringos, europeus, canadenses e americanos reinam circulando pela rua e quando se sai da avenida, se vê muito de cidade caiçara, com casas e ruas simples, mas que tende a crescer com o passar do tempo e o olho de empresários! A maioria dos lugares ñ aceita cartão, ter cash é muito importante e a cidade é cara nos serviços. Comi uma pizza e escrachei na tequila, tava ótima! Caminhamos pela 5ª Ave, é um charme, um mix de todo tipo de comércio e pessoas, mas caro. 15/02 – Cozumel Fechei o passeio pra Cozumel por 200 pesos e parti às 10h no ferryboat por 156 pesos. São 40 minutos de travessia, logo achei o tour, o passeio é inesquecível, ñ dá pra descrever o fundo do mar, fiz 3 paradas em 3 pontos diferentes, meu batismo ñ podia ter sido melhor, na 2ª maior barreira de recifes e corais do mundo. As paradas ñ duraram tanto como nos venderam, a segunda é a melhor em todos os aspectos, que vontade de ser “profiça” para ir de tubo ao fundo conferir de perto o fundo do mar. Saí e peguei um taxi por 140 pesos para praia San Francisco, com lindos corais e brinquedos na praia, saí de Cozumel às 18h no 3º piso do Ferryboat sentindo um ar maravilhoso... Ai que delícia!!!!! 16/02 – Cancun Levantei cedo com destino a Cancun, peguei o ônibus e a viagem dura mais ou menos 1h. Fui ao albergue e me informaram um preço diferente do site, resolvi ñ ficar e fui ao Yachiplan (250,00), foi uma tragicomédia: a porta ñ trancava e então mudei de quarto, no outro quarto estava sem luz no banheiro e água fria... Mesmo assim fiquei, seria uma noite apenas e ñ tava com vontade de ficar procurando hotel na rua carregando mala. Após a hospedagem, fui conhecer a Zona Hoteleira, me senti como se estivesse na Barra da Tijuca - RJ, uma cópia de Miami, a cor da água do mar foi a mais linda de todas as cidades da riviera maya que conheci e o sol colaborou, passei por um termômetro e marcava 34 graus e olha que era inverno lá... Saí da praia, tomei uma ducha e fui ao shopping La Isla e de lá resolvi conhecer outra praia, Tortugas, frequentada por habitantes locais, ñ entrei na água, vi o por do sol e de lá voltei para o hostel. Cancun são 2 mundos: o centro tem a simplicidade de qualquer cidade pequena de praia e a zona hoteleira tem o glamour dos resorts e as construções similares a Miami, eu preferi a animação e o ambiente do centro, é mais a minha cara! Fui dormir cedo, ia pegar o ônibus (48,00) para o Aeroporto às 5:30... Tá pensando que é mole ser mochileiro! Rsrsrsrs 17/02 – Cidade do México Peguei o ônibus cedo de madrugada para o Aeroporto e às 8h saiu meu voo e como tava frio e vazio dentro do avião. Cheguei no albergue por volta das 12h e ñ demorou muito, parti para Ciudadela, um mercado de artesanato. Comprei uns imãs de lembrança para amigos do Brasil e voltei para o albergue, andei por uma área da cidade que ainda ñ conhecia e de lá voltei para o hostel e fui dormir, tava super cansado. 18/02 – Six Flags Fui ao Six Flags (380,00), um dos maiores parques da América Latina, adorei os brinquedos, paguei alguns ñ inclusos e apesar de ter curtido pouco devido a lotação, também escolhi um péssimo dia, sábado, enfim, a diversão foi grande! Cheguei cedo no albergue para descansar e me surpreendo com a falta d’água. Jantei, conheci um casal de gaúchos, trocamos dicas e voltei para o quarto, tomei meu banho e fui assistir ao musical Perfume de Gardenia no teatro San Rafael. Um musical bobo com figurinos típicos cafonas em alta dose de chanchada, vi vários artistas de novelas mexicanas e fiquei impressionado de como o povo participa e ovaciona os artistas. Voltei de taxi (150,00), já era mais de 0:30 e fui direto dormir. 19/02 – Puebla Peguei o ônibus (134,00) para Puebla às 10h. São 2h de viagem e quando cheguei na rodoviária, peguei um micro (6,00) para o centro da cidade. O centro é lindo, é considerado patrimônio histórico da UNESCO, dá vontade de tirar foto de todas as ruas, as casas estão muito bem conservadas, pintadas, formam um colorido lindo. Após caminhar pelos pontos turísticos do centro, almocei num hotel um prato típico que combinava frango, chocolate e pimenta... Um sabor diferente e muito gostoso! Saí em direção ao Villas Arqueologicas e para minha surpresa, ele fica num outro vilarejo, Cholula. Dei uma volta e valeu a pena dormir em uma cama boa com TV, mas o cansaço bateu legal e a melhor alternativa era dormir sem sombra de dúvida após andar muito pelas 2 cidades. 20/02 – Cholula Arrumei minhas coisas e fui conhecer a zona arqueológica da cidade. É gratuito, as partes que sobraram estão em ótimo estado de conservação, a limpeza é uma coisa que impressiona e tudo é cercado. A igreja no topo do monte é bonita e o panorama visto do alto é muito bonito, a vista tem direito a vulcão adormecido e tudo mais. Conheci outra igreja e parti para a Cidade do Mexico, foi uma viagem de 2h (144,00) e logo que cheguei peguei o metrô para visitar a Basílica de Guadalupe. O complexo de igrejas é grande, com jardins muito bem planejados e cuidados, saí de lá e tentei ir no Mirante da Revolução e mais uma vez ñ deu, era segunda feira, estava fechado. Fui ao Bellas Artes tentar achar dvd’s pra mim, só achei próximo ao Zocalo e me acabei... Na hora de pagar cadê meu dinheiro? Deixei tudo reservado para comprar antes de ir embora. 21/02 – Retorno ao Brasil Acordei cedo e acabei ñ dormindo mais, tinha muita barulheira no hostel nesse dia. Tomei meu café, ia dar uma voltinha para comprar souvenirs, meus dvd’s e depois regressar a terra adorada. Fiquei na mão em relação aos souvenirs, os camelôs ñ haviam chegado até às 11h e fiz a festa nos dvd’s... Quero só ver eu arrumar tempo pra ver tudo isso!!!! Fui para ao aeroporto em 20 minutos e olha que falavam que o trânsito da capital era ruim, imagina se fosse!!! E começa minha jornada pra casa de um lugar que deixou muitas saudades e promessas de um retorno próximo!!! Todos os valores citados estão em pesos mexicanos. E querendo alguma dica, é so perguntar, se eu souber, pode ter certeza que uma hora respondo, ok? Abraço a todos!
×
×
  • Criar Novo...