Ir para conteúdo

celiosp

Membros
  • Total de itens

    50
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

0 Neutra

Sobre celiosp

  • Data de Nascimento 15-10-1961
  1. Olá Pessoal. Primeiramente é importante ressaltar minha admiração pelo Augusto e pelo Mário. Ainda não fiz o Caminho da Fé, portanto não posso dar meu “pitaco”, mas o que pude observar no Caminho de São Paulo a Aparecida pela Dutra é que cada um se organiza como pode, até porque não fosse desta forma eu mesmo não teria conseguido. Agora, se a pessoa deseja no final um “diploma” aí sim é preciso seguir as regras. O que é “pecado” é a pessoa fazer uma coisa e dizer que fez outra. Quanto às bagagens, ouvi dizer, repito, ouvi dizer de alguém que esteve no Caminho de Compostela que é de praxe e habitual os despachos de bagagens tanto para a próxima parada quanto para c Basa daquilo que não se vai faz er uso mais.
  2. Pessoal. Ops. Quando digo "a ideia é boa", isto não me inclui. Não tenho mais "idade" pra isso. rsrsrs..... Fazer a Costa Brasileira é uma boa. Inclusive já fiz, menos o litoral do RS, de Porto Alegre a Recife. Agora, isso não foi de uma só vez e nem só um meio de transporte.. É isso que estou tentando dizer. Faça um projeto inicial de ficar os 30 dias viajando e no caminho você vai moldando a viagem a seu gosto. Terminando os 30 dias, você volta para seus afazeres, e nas próximas férias retoma a viagem de onde parou. Desta forma, corre se o risco de nunca mais parar de viajar. Enquanto as férias não vem, vai lendo. atravessando-o-brasil-de-carona-t32734-30.html Um abraço Célio
  3. Olá pessoal. A ideia é boa. Já fiz isso algumas vezes. Em se tratando de período de férias ( 30 dias ) seria interessante e mais proveitoso decidir por uma região e não por um "Brasil todo". Se gostar, nas próximas férias escolhe outra região. Abraço.
  4. Grande Silvano. Seja bem vindo ao site do Mochileiros.com Parabéns pelos, no mínimo, três mil quilômetros de caminhada. Valeu pela dica da sandália "Timberland River Dog" No caminho pela Dutra, não se tem problemas com descidas ou subidas, mas já li relatos sobre o Caminho da Fé, onde o caminhante teve de abortar a viagem por conta da pressão sofrida nas unhas dos pés. Pedra no sapato. Esse não seria um problema ao se caminhar com sandálias?????? Muita gente procura companhia, legal você falar um pouco mais sobre esta caminhada. Estamos aguardando, Abraços Célio
  5. Tentando postar um vídeo, mas tá difícil. Alguns trechos da BR 116 que ligam Belo Horizonte a Salvador.
  6. Parabéns pela namorada que você tem, cara. Tá esperando o que???? Bora casar. Vamo... vamo
  7. Norte e Nordeste, só de água se vão deizão por dia.
  8. Caramba Juliana!!! Desde 1980 e em pelo menos umas 150 cidades dormindo no carro, e você só me diz agora sobre esta insegurança!!!rsrsrs Brincadeiras à parte, o fato é que depois que a pessoa aprende a dormir no carro, esta preocupação de procurar onde dormir deixa de existir. Se tem um hotelzinho legal, tudo bem. Se não tem, não tem problema, você "já está em casa". Desta forma, te dá muito mais liberdade no roteiro. Um exemplo seria o dia 07, sairia de Londrina mais tarde, cruzaria a Marginal Tietê depois da meia noite, sem trânsito, dormiria no Posto da Balança, na Dutra e seguiria logo cedo para Campos do Jordão, um pulinho. Mais tarde, já em SJC, Decatlon, Shoping e umas esfihas no Habib´s, rsrsrs. Dormiria no estacionamento da Basílica de Aparecida, independente de religião, mas se católico, aproveitaria para agradecer a viagem e contribuir com um tijolinho, rsrsrs. No dia seguinte, sem pressa, estaria no Rio. Para isto o ideal seria uma Wagon com adaptações para "cortinas" ; com direito a cadeiras de praias e rede para o merecido cochilo durante o dia, como complemento do descanso. O banho é oferecido nos Postos por R$ 5,00. Quanto a viagem, uma das melhores que já vi por aqui. Parabéns. Célio
  9. Olá jgnitsch 1° - Leia, releia e reflita o post do Verton na página 4. 2° - Defina o roteiro/Itinerário. 3° - Lembre-se: carona combina com rodovia e Postos de Combustíveis. Se estiver “perdido” em alguma cidade, tome um coletivo para fora do perímetro urbano. Faça um levantamento dos Postos de Combustíveis existentes na sua rota programada. As seguradoras de cargas fornecem às transportadoras uma lista com todos os Postos considerados seguros. Nestes Postos geralmente há grande circulação de caminhões e funcionam 24 h. Consiga uma cópia desta lista com algum caminhoneiro da sua cidade. Complemente a lista com outros Postos indicados pelos motoristas pelo caminho. Se programe para que a última carona do dia termine em um dos postos. Se preciso, pare antes a ficar em algum trevo no meio do nada. Caso não teve jeito e acabou ficando na cidade, procure abrigo na rodoviária. Vai ser uma noite difícil, mas passa. 4° - No Posto, “cara limpa” e educação ajudam muito. Caso contrário, nada pode. Procure se identificar ao responsável pelo estabelecimento e seus motivos de sua passagem por lá. Muito provável você conseguirá armar sua barraca ( no bom sentido, claro ) nas dependências do posto, áreas de oficina, borracharia, carroceria de caminhão, etc., no nordeste, noites quentes, rede debaixo de carroceria de carreta é uma opção. Isto facilita quando o motorista gostaria da companhia do carona mas não quer dividir o espaço sagrado da boleia. Sabendo que o carona “se vira nos 30”, não precisa despachar o mala dando uma desculpa qualquer e seguem viagem juntos no dia seguinte. O banho, obrigatório juntamente com um desodorizante de qualidade e uma camisa limpa, deve custar entre 3 e 5,00. 5° - As melhores caronas geralmente são as mais demoradas, conseguidas na estrada, onde o motorista para pelo prazer da companhia. Provavelmente ele dirá que está indo até a próxima cidade. A relação entre motorista e carona é que define se para ou continua e por fim como diz a minha mãe de 74 anos no face dela: “Qui bom se sesse acim tão sertinho.” Boa sorte e volte para postar a experiência
  10. Olá Ana. Dê uma olhadinha no tópico abaixo e envie uma mensagem privada para a veronica. Quem sabe. fortaleza-x-caruaru-nova-jerusalem-pe-t78694.html veronicamds Espírito do fórum: Neste tópico abaixo, talvez você ajude quem precisa. viagem-de-carro-campinas-sp-para-fortaleza-ce-t87636.html De qualquer forma, de Brasília a Ivaiporã é supertranquilo quanto ao “deserto”. Você não estará sozinha. Fiz, há muito tempo atrás, este caminho inverso, de carona, 28 no total. Hoje deve estar muito melhor. Um Abraço
  11. Olá Augusto. Já fiz a caminhada da Dutra, sozinho, em 2011 e 2012 e este ano estava aguardando a formação de um grupo saindo do Rio, mas parece que não vai vingar. Agora, lendo estes relatos do Caminho da Fé, já fico me coçando todo. Devo estar de miolo mole mesmo. O que me preocupa é que por conta de um Fascite Plantar, eu uso exclusivamente tênis com amortecimento, o que poderá ser um problema “fora de estrada”. O que me deixa ainda mais com um pé atrás é que sou bastante arredio nesta questão de cronometrar passeio. O que é para ser diversão, acaba virando preocupação Digamos que eu consiga reunir uma meia dúzia de seis que queiram “morar” no Caminho por uns 25 dias, é possível usar um carro de apoio? Abraço e até mais.
  12. Olá Augusto. Parabéns pela caminhada. O relato está à altura, um verdadeiro “manual de instruções”. Mas a minha visita é para esclarecer sobre os comentários seguintes: opalala pag 3 “...a muito estou pesquisando uma forma de fazer esta caminhada até Aparecida, mas não queria ir pela Dutra uma vez que moro em Sampa”. Silviane Almeida pag 3 “...pelo caminho da Fé ou a Dutra?” Quando eles se referiram à Dutra, eles estavam falando sobre caminhar pela rodovia partindo de São Paulo Sim, muita gente faz este caminho. Para se ter uma ideia, a Romaria de Barueri está no seu 29° ano. Na semana de outubro entre os dias 06 e 12 é o ponto forte da caminhada. Agora vou de “marioluc”: Está convidadíssimo. Abraço
  13. Muito bom, cypriano. Tem um tópico próprio no site. cameras-on-line-t79955.html Se puder cola por lá tbem. Abraço
  14. Bom, pessoal. Dando continuidade... Agora com a escolha do Vomero da Nike ( comprado em uma Story pela metade do preço ), comecei a acreditar que a caminhada seria possível, sim. Lendo o relato do Francisco_Prado,http://www.mochileiros.com/cuidado-com-trajeto-sao-paulo-aparecida-do-norte-t39364.html e pra não correr o risco de ter a viagem abortada, decidi comprar um novo par de tênis, amaciar e deixar na reserva. Desta vez a escolha foi um Nimbus 12 da Asics, fim de coleção, é claro, muito mais barato. Alternando os treinos entre o Vomero e o Nimbus, resolvi levar os dois na caminhada. Nesta situação de sobrepeso, resiliência, asfalto quente, e longa distancia, o Nimbus se mostrou muito superior.
  15. Dicas postadas originalmente em: aparecida-a-pe-de-sp-t77084.html São Paulo – Aparecida – Dutra – Outubro O sol da manhã vai estar a 45 graus à sua direita. Portanto usar boné com aba adaptada para proteger a orelha direita, porta garrafa à esquerda nas costas e caminhar no sentido dos carros. O vento dos caminhões te impulsiona para frente e não tira o boné. De quebra, aproveita-se ainda sombras de barrancos altos e algumas árvores. Meio dia, salve-se quem puder. O asfalto fritando ovos e cozinhando os pés. À tarde, o inverso. Aproveitando algumas sombras, boné protegendo nuca e orelha esquerda, água à direita na frente para não ferver, porque quente ela vai estar de qualquer jeito e caminhar no sentido oposto dos carros. É mais cansativo, pois o vento empurra para trás, mas o boné não sai e corrige a diferença de nivelamento do acostamento. O acostamento no sentido dos carros tem desnível para a direita, portanto sua perna esquerda fica mais “curta” e a direita mais “longa”. No sentido oposto aos carros, o desnível do acostamento é para esquerda. Neste caso a perna esquerda é mais “longa” e a direita mais “curta” Em caminhadas curtas, não se percebe esta diferença, em se tratando de 240.000 passos o resultado poderá ser uma inflamação na cabeça do femur. “É preferível sempre caminhar em área plana, jamais em desnível, pois prejudica a coluna por forçar apenas um lado do corpo”. http://www.engeplus.com.br/0,,55066,Dic ... ramar.html O calçado correto, com a pisada correta, é meio caminho andado. A meia correta evita a maioria das bolhas. Bermuda térmica ou cueca boxer de poliamida com perna longa evita assadura. A cada 2 horas, parada de 15 minutos, para alongamento e alimentação. Mesmo não pretendendo caminhar à noite, é bom sempre ter à mão uma pequena lanterna e um colete refletivo (tipo suspensório), para qualquer eventualidade. Alguns tênis e calças de agasalho já vem com este recurso. Para não sujar a roupa na hora do merecido descanso à sombra de uma árvore ( geralmente não tem grama na sombra ), levar um pedaço de plástico bolha recortado no tamanho do corpo. Capa de chuva é importante, mesmo que seja uma descartável. Com chuva, caminhar no sentido dos carros, devido ao spray d'água, principalmente para aqueles que usam óculos. O ideal é que a capa cubra também a mochila, mas caso não seja possível e a dita cuja não é “Aquela Mochila”, tudo o que não pode ser molhado deverá estar dentro de um saco plástico bem vedado, dentro da mochila.
×
×
  • Criar Novo...