Ir para conteúdo

surfju

Membros
  • Total de itens

    4
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

0 Neutra
  1. Desculpe a demora! Gostamos muito de Playa Negra e Santa Teresa. Valeu muito a pena.
  2. Olá, então achamos necessário sim, pois mesmo sendo estação seca passamos por dentro de alguns rios rasos e muiiiiiiita estrada de chão! Concerteza foi mais comodo e o medinho de passar pelos rios mesmo não estando cheios foi bem menor hehe Mas caso vc não passe por essa estradinha que vai costeando todo o litoral acho que um sem 4x4 daria. beijos
  3. Oi Pessoal eu e meu namorado fizemos uma viagem para a Costa Rica do dia 21/12/12 a 05/01/13 Fomos em busca de ondas. Gostaria de compartinhar com vcs nossa experiência. Espero que possa ajudar em alguma coisa assim como vcs tbm me ajudaram! Acabei de escrever e estou com muita preguiça de revisar, então não reparem hehe QQ pergunta estou a disposição. Lmebrando que postei em companhia para viajar, vamos para o méxico dia 20/12/13 e voltamos dia 04/01/13, ainda estamos montando o roteiro mas já é certo que irá contemplar surf. Se alguém estiver afim dá um toque. Beijos Ah eu tenho um lado meio fantasiado para escrever ehhehe Costa Rica 21 Dezembro 2012 a 6 Janeiro de 2013 O início de nossa viagem começo com uma coleta de dados sobre o pais o qual iriamos conhecer. Pensamos na Costa Rica primeiramente pelas ondas, pois, Felipe meu namorado surfa. Quando começamos a pesquisar vimos que a Costa Rica era muito mais do que boas ondas. Sua beleza natural é espetacular. Traçamos o roteiro através das pesquisas na internet e por uns amigos que já haviam ido até lá. O site mochileiros foi um grande amigo nessas buscas. Podemos dizer em particular, que roteiro traçado não é roteiro cumprido! Nossa viagem foi mais ou menos assim... Fomos até Porto Alegre de onde pegaríamos o voo para o O Aeroporto Internacional Juan Santamaría que é o principal aeroporto da Costa Rica. Está situado na província de Alajuela, a 18km da cidade de San José. Depois de uma bela viagem pela Taca, que nos serviu muito bem, pousamos no aeroporto Juan Santamaria e para começar fomos logo tirando os dólares do bolso para trocar por colones, moeda local. E que dinheiro bacana tarjado de vários animais. Nosso foco agora seria encontrar a van que nos levaria até o locadora de carros Thrifty, na qual já havíamos reservado aqui pelo Brasil com a agência de turismo MGM. O pagamento do carro que incluía rack, uma caixa térmica para bebidas e o glorioso GPS foi feito também no Brasil, o seguro básico pagamos no momento da retirada do carro em cartão de crédito. Muitas vans e depois transportes aguardam por passageiros na saída do aeroporto, é de dar risadas, não sabia para onde olhar, até que depois da muvuca estava lá nossa van azul. Tivemos que esperar pois mais pessoas estavam com pranchas assim não cambiam todos. Aproveitei para ligar para casa de um telefone público, mas quem disse que eu saberia fazer uma ligação a cobrar para o Brasil. Pedi ajudar para um garoto um tio mas nada funcionava. Em fim desisti. Chegando a locadora de veículos bem próxima ao aeroporto, pedi para a atendente fazer a ligação para mim, foi ai que descobrir que a Costa Rica e o Brasil não possuem tal acordo de ligações a cobrar. Não sei nada sobre isso haha mas foi o que a telefonista disse a atendente. Feito todos os pagamentos fomos colocar as mochilas em nosso carrinho um Diatsu Bego 4x4. Feliz com o carro que nos levaria para desfrutar de tudo que a Costa Rica tinha para nos oferecer pegamos a estrada! No GPS JACÓ. Ao chegarmos em Jacó, depois de umas horas na estrada rodeados de verde e mais verde, fomos procurar o hostel que já tínhamos feito a reserva JACOINN. Com a ajuda do GPS tudo ficava mais simples e ajudar o lugar foi fácil. Gostamos do hostel bem tranquilo apesar de ser localizado em meio a tantas lojas e restaurantes. Fizemos uma reserva de quarto privado, não deixou de ser, porém com duas camas de solteiro. Acomodamos nossas coisas e lá passamos, acredito eu, uns 3 dias. Pegávamos o carro e íamos até Playa Hermosa. Que praia lindas, de areia escura era maravilhosa, com muitos coqueiros onde ficávamos na sombra, com a presença de Araras e muitos lagartos. Felipe surfou todos os dias, em alguns pontos da praia. Teve um dia que o surfe foi animal, pensa em um mar liso com aquelas ondas perfeitas e com um bommm tamanho. Me aconcheguei debaixo de um coqueiro com um tronco apoiando as costas para registrar os momentos dele na água. O delícia! Com relação a comida em Jacó não tivemos muita sorte, um pizzaiolo que além de fazer pizza era motoboy e caixa haha este lugar a pizza era comida com a mão, e pensa em uma pizza picante, então, era essa!! Depois comida mexicana no restaurante de um americano, tudo errado, eu sei, mas fomos tentar até porque o preço era convidativo, nunca façam isso! Haha uma droga. Sem falar na hora de fazer o pedido ninguém entendia ninguém. Mas claro que nos demos muito bem com o Subway. Em Jacó não havia ondas, caminhamos na praia, mas não achamos nada demais. Sem falar em todos aqueles prédios a Beira Mar. Com certeza Playa Hermosa dá um show! Lá em Playa Hermosa mesmo conhecemos dois polícias que nos deram dicas sobre segurança e nos alertaram sobre um de nossos destinos Cahuita no mar do Caribe. Talvez nosso roteiro seria trocado. Depois de horas conversando ká não sabíamos mais como dar tchau sem sermos maus educados haha até pegadinha do Silvio Santos o cara mostrou pelo celular haha Enfim, hostel! No hostel conhecemos um garoto de San Diego e um Engenheiro Florestal da Espanha ambos viajando sozinhos. O espanhol nos deu dicas e falou que seria legal sim conhecermos o lado do Caribe, ele mesmo tinha vindo de Puerto Viejo, e nos falou muito bem. Agora ficamos em dúvida. Já o galego de San Diego nos disse coisas muito legais de Playa Santa Tereza é que lá havia muitas ondas. Não estava em nosso roteiro, mas repensamos. Saindo de Jacó fomos pegar a estrada para nosso outro destino: Tamarindo. No caminho paramos na famosa ponte dos crocodilos, e não é que eles estavam lá mesmo. Aproveitamos para almoçar em um restaurante ao lado da ponte, muito atrativo. Começamos a olhar o cardápio me interessei por um prato que não fazia a idéia do que era, mas o nome agradou, resolvi treinar meu espanhol e resolvi perguntar, Felipe questionou e achou melhor pedir de uma vez, mas mesmo assim resolvi perguntar, foi a minha sorte! Haha quase como cérebro de porco. Por fim comemos um prato da casa que vinha: arroz, feijão, banana frita, ovo, salsicha, salada. Uma delícia. Horas viajando entre tanta natureza, chegamos a famosa praia, mas infelizmente não gostamos. Muito diferente de Hermosa, cheia de gringos e centros comerciais para todos os lados. Tínhamos reservado um hostel chamado La Oveja Negra, ao encontrarmos era tudo muito diferente do que visto pela internet. E agora o que iriamos fazer? Olhamos em nosso mapa e vimos um bonequinho de surf em Playa Negra. Ë para lá que vamos! Uma estrada sinistra de chão até chegar a praia, mas, vale muito a pena!! O lugar é lindoo! Que praia maravilhosa, com areia branquinha. Era véspera de Natal e já estava escurecendo tínhamos que arrumar um local rápido para ficar, porque andar naquela estrada sinistra anoite não ia ser nada legal. Ficamos então no primeiro hotel que vimos, por sinal na frente do pico de surf, Hotel Playa Negra. A localização era alucinante, assim como o preço 140 dólares por uma noite sem café da manhã, sem TV, sem frigobar, sem nada haha a não ser uma piscina de frente pra praia. Havia uma ceia de natal 35 dólares por pessoa. Pensa em uma comida ruim, tirando o bolo de chocolate com sorvete, mas era oq eu tínhamos para aquele dia. Não queríamos passar na estrada ou em perrengue nosso Natal. No dia seguinte saímos do hotel e a uns metros a frente uma linda cabana de uma família da Nicarágua cm frigobar, TV, DVD, Internet por 25 dólares o casal haha ironia! Foi ai mesmo que ficamos e podemos desfrutar de mais uns dias lindos de praia naquele paraíso e surf para o Felipe, um pouco perigoso, pois era fundo de pedra. Conhecemos também Avellana uma praia ali perto, bem bonita mas não se compara a Playa Negra, O grande susto desta praia foi a presença de um BIG porco haha este por sinal foi a atração das pessoas da praia. Agora nosso roteiro foi por água abaixo, mas que bom, diga-se de passagem! Começamos a rodar por uma estradinha que costeava várias praias, já havíamos nos informado no Brasil sobre essa estrada, porém falavam que era perigoso pois cortava muitos rios que na época estavam cheios. Mas mesmo assim resolvemos tentar, já que a vontade de conhecer novas praias estava cada vez maior. Lá fomos nós. Cada vez que o GPS apitava era um susto, pois pedia para acionar a 4x4 ou seja, RIO. Mas para nossa sorte estavam secos, não totalmente claro, mas dava para passar. A não ser por um que a distância até o outro lado era grande. Fiz Felipe caminhar pelo rio para comprovar se era mesmo seguro e ter certza que não íamos ficar atolados por ali. Depois de tudo comprovado lá vamos nós haha irado! Podemos dizer que conhecemos quase todo litoral da Costa Rica pelo lado do Oceano Pacífico. Bem, pegamos nosso mapa e fomos ver onde seria nosso outro destino. Decidimos por Playa Santa Tereza por dica do galego de San Diego lá de Jacó. Paramos para abastecer e perguntamos para o frentista sobre alguma praia boa para surf naquela região, ainda estávamos longe de Playa Santa Tereza e uma paradinha no caminho seria bacana. Foi quando ele nos falou de Playa Guiones. Colocamos no GPS e seguimos a diante. Ao chegarmos gostamos muuuito do lugar. Um estilo mais rústico, muito legal. E agora onde ficar? Olhei alguns hostel mas era meio longe da praia teríamos que ir de carro e outros estavam cheios. Foi então que vimos uma placa em uma loja de surf que dizia aluguel de apartamentos. Nos demos bem, o dono da loja( apelidamos ele de He Man, pois era loiro de cabelos Chanel) era o dono dos apartamentos e ele nos levou em um muito próximo a praia, todo novinho e completo, adoramos!!! 45 dólares a diária. Ficamos 2 noites. Recebemos a visita de um animal de porte grande e não identificado na árvore ao lado de nosso apartamento. Até hoje não sabemos que bicho era aquele hehe Comemos muito bem em Playa Guiones. Nossa primeira refeição foi um casado de frango, prato típico em toda Costa Rica, tem casados por todo pais porém uns ótimos e outros bem piores! E um macarrão a carbonara. Estava tudo uma delícia, sobrou e levamos para casa, que vergonha haha marmita na Costa Rica. Era estranho nosso horário por motivo do fuso, sempre dormíamos cedo e acordávamos muito cedo, até porque lá pelo meio da manhã já não aguentávamos o sol de tão quente!! Voltamos depois do almoço e sempre pegávamos o por do sol na praia. Isso ocorreu em todas as praias da Costa Rica em que visitamos. E o que é o por do sol na Costa Rica? É perfeito! Colocando as coisas no carro mais uma vez e bora para Playa Santa Tereza. Rodando pelo litoral fomos conhecendo várias praias. Paramos para almoçar em um restaurante em frente a Playa San Miguel. Uma praia muito gostosa e sem agito. Barriga cheia seguimos nosso caminho. Passamos por uma praia chamada Manzanillo, ficamos com a quantidade de carrões fazendo farofa na praia, com direito a som, farinha, frango e rede. Parecia estar divertido! Chegando em Playa Santa Tereza, nossa! Que agito. Vamos lá, em busca de um lugar para ficar. Já estávamos ficando sem esperança, tudo cheio, lotado! Até que.... Hostel Tranquilo foi o lugar! Quarto privado com banheiro, 35 dólares com panquecas no café da manhã? Ë esse mesmo! Muito bacana o lugar, Luiz era o nome do Severino. Um cara com voz mansa que andava de pé descalço pelo hostel e vinha da Alemanha. Gente fina ficou me devendo 2 dólares! Acomodados, bora pro surf! Surfamos em Playa Carmen. Nossa a água do mar era muito quentinha, Felipe se realizou, surfou todos os dias de bermudas, assim como nas outras praias. Era só acomodar euzinha na praia com a máquina e entrar no mar. Também surfei nesta praia, e tinha uma coisa muito interessante, os pássaros também surfavam as ondas em voos rasantes pelos lipes, imagem para foto! Ao passear pela praia paramos em um restaurante de frente para o mar. Pedimos um prato com batatas recheadas e peixe, claro uma cervejinha para brindar. Estava tudo uma delícia. Já no hostel panquecas, e quem fazia a massa dessas panquecas? Quando acordávamos já estava lá, era só encher a concha e fritar! Posso dizer que já comi coisas piores haha, mas dava uma sustância legal! Comemos em restaurantes bem bacanas uns mais finos outros mais roots, tinha para todos os gostos e bolsos. Mas admito que nunca comi tantos nachos haha Felipe já não aguenta mais sentir o cheiro, me arrisquei até em fazer um guacamole, que por sinal ficou gostoso. Fizemos amizade com o segurança do hostel, ou será recepcionista ou quem sabe cozinheiro? SIM era o segurança quem fazia as panquecas! Felipe conversou com ele, era gente boa e usava uma camiseta da Argentina presente de um hospede. No meio da conversa POW, nossa que barulho foi esse? Apenas uma iguana que havia caído do telhado haha Lá é assim chove iguanas! Surf, surf e surf esse foi o roteiro de todos os dias. Estávamos em dúvida de onde passaríamos nosso réveillon. Resolvemos ir para um destino já marcado no Brasil, La Fortuna. Lá veríamos as águas termais, Cachoeira La Fortuna e o vulcão Arenal. Tudo pronto! Lá vamos nós para a estrada. Tínhamos que seguir até Paquera para de lá pegar o Ferry Boat que nos levaria para o outro lado e seguíamos para La Fortuna. Tudo certo, carro estacionado dentro do Ferry e lá fomos nós para uma viagem de uma hora. A vista era bonita e a viagem foi rápida. Seguimos para La Fortuna, uma estradinha bem tranquila, almoçamos em um Restaurante que se eu não me engano chamava-se Los Lagos. Muito atraente, bem familiar. A comida estava maravilhosa! Éramos os únicos no restaurante. Barriga cheia focar no objetivo. Todas as estradas que havíamos passado desde o início de nossa viagem deixava nosso projeto cada vez mais bonito, sempre com muitos rios cortando as rodovias com águas claras. Muita vegetação e é claro iguanas! Próximo a nosso destino comecei a ligar para hotéis, tínhamos um folder do lugar com várias acomodações, tudo cheio e o que estava vago era caro! Então deixamos para resolver isso no local. Chegamos em La fortuna e fomos direto para o Vulcão Arenal, já estava ficando tarde e só tínhamos aquela tarde e a manhã seguinte para nossos passeios. Tempo curto mais muito bem aproveitado. Fizemos a trilha até o vulcão, resolvemos ir sem guia mesmo, para este nos acompanhar eram 30 dólares, não obrigada! Graveto na mão e lá vamos nós. Final da trilha, an? Que? Haha Ficávamos muito longe do vulcão, porém em cima de suas lavas da erupção de 1992. Se naquela distância já sentíamos sua veracidade imagina de mais perto. Felipe ficou deslumbrado, o vulcão parecia desafiador. Voltamos por uma outra trilha, essa sim demorou, nossa! No caminho encontramos uma árvore gigantesca, estilo as árvores do filme Avatar. Registramos! Ao final da trilha bati em um troco que me rendeu um roxo ainda no Brasil. Retornando do passeio pelo vulcão, vimos muitos carros parados nas estradas e um barulho de água muito forte, os curiosos pararam claro! Seguimos o barulho, este vinha debaixo de uma ponte, onde pessoas tomavam banho em águas ferventes. Nos assustamos haha e não tivemos coragem de participar do ritual. Fomos em busca de um local para passar a noite, foi fácil, 50 dólares o casal com ar condicionado, cama gostosa, frigobar, com piscina e jacuzzi. Era dia 31/12 e o nosso Reveillon? Os guias do vulcão nos deram dicas de uma boate ali perto que rolaria festa de virada, mas ainda não sabíamos o que iriamos fazer. Resolvi conversar com a mulher da recepção e comentei sobre as águas termais debaixo da ponte, ela disse que estas são as águas termais públicas e nos indicou uma privada que teria ceia de réveillon, nos interessamos e fomos. Pensa em uma água quente? Penso? Agora multiplica por 3. Era lá! O lugar era lindo com várias piscinas feitas com pedras. A ceia da virada também estava uma delícia. Fomos para o apartamento satisfeitos. Agora era só esperar os fogos! Que nada, CAMA! Capotamos e só acordamos com o barulho dos foguetes, o fuso horário era mais forte. Acordamos cedo e fomos até a cachoeira La Fortuna 10 dólares para entrar. Descemos uma trilha até a cachoeira, é maravilhosa, linda! Valeu muito a pena. Até nos arriscamos no mergulho, mas não dava para chegar muito perto a força da água era muito forte. Mas igual tomamos um banho. E ao lado da cachoeira é melhor para tomar banho, bem mais calmo. Agora pronto, podemos seguir viagem a Puerto Viejo. Esse seria nosso percurso mais distante sem muitas paradas. Mas já que estávamos no pais não tinha porque não conhecer. Tudo mudou! Puerto Viejo fico no mar do Caribe, o clima é bastante diferente do lado do Pacifico. O sol já não brilhava tão forte e a natureza já não era mais tão bela, até choveu! Enfim fomos conhecer o local, ficamos hospedados no Hotel Totem em frente a Playa Cocles com café da manhã. O surf era na frente do hotel. As ondas quebravam bem no inside e não estavam perfeitas. Felipe surfou. E surfou também em Punta Uva, uma praia mais ao lado, difícil de varar. E eu preparada com a máquina para registrar cada onda e cavalos também, isso mesmo, uma família de cavalos passeando pela praia, preto, branco, malhado e marron, registrei para mostrar para meu irmão, ele tem um cavalo haha. Na volta desse surf encontramos um macaco com o saco branco, engraçado e estranho! Paramos em um mercadinho para comprar um chocolate, foi nossa melhor aquisição de toda viagem, o que era aquilo? PERFEITO, melhor chocolate comido por nós dois em toda nossa vida haha exagero? Sim! Mas pode acreditar. Era da marca hershey's, mas aquele sabor nunca encontramos aqui no Brasil, desculpa por não lembrar o sabor, penso que a água deve estar na boca. Voltamos para o hotel para usufruir da Jacuzzi, que maravilha! Água gelada! Ah não, Felipe até conseguiu suportar uns minutos, mas eu não. Achamos melhor uma partida de ping-pong, foi disputada, mas prefiro não falar quem ganhou. Conhecemos uns Argentinos em um restaurante e comíamos sempre lá, a comida era gostosa, e eles faziam uns pasteis que Felipe gostou bastante. Em Pueto Viejo tem muito Rasta por todos os lados e eles se mostram serem locais. Parecia estarmos na Jamaica. Fizemos as compras de uns presentinhos no comercio local, não tinha muito o que levar, a maioria das coisas tem aqui no Brasil. Ah conhecemos Salsa Brava aquela onda, temida! Fundo de coral e estava rolando uns tubos. Perigoso, isso que não estava tão grande, mais assusta! Saímos de Puerto Viejo em direção a Alajuela nosso voo saia no outro dia. Nossa viagem já estava perto do fim, mas primeiro teríamos que passar por 2 km de altitude até chegar em Alajuela, nossa, foi tenso! Tinha partes em que já não enxergávamos mais nada! Ufa passou. Ficamos em um hotel próximo ao aeroporto que já havíamos reservado para nossa maior segurança na volta, nada de perder o voo. Entregamos o carro no dia seguinte e nos levaram até o aeroporto. Estávamos voltando para casa com muitas imagens na cabeça, satisfeitos com tudo que fizemos, felizes com a troca do roteiro, boas lembranças, boas ondas surfadas e com algumas moedas de colones no bolso. Beijos Juliana e Felipe.
×
×
  • Criar Novo...