Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

goribro

Membros
  • Total de itens

    11
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

0 Neutra
  1. Pessoal entendido. Tenho uns 300 Euros no cartão global travel card, da última viagem que fiz a Europa. Gostaria de saber se trocando na agência do Citi ou HSBC do Ezeiza, vou perder muito. Como esse dinheiro está parado e sobrando, seria o suficiente para eu passar os 5 dias que vou passar lá, já que não vou gastar com hospedagem. Quanto acham que consigo? Vi que o Dólar tá indo a 6, certo? Pensei se o Euro não vai a uns 8? Pois o comprei a 2,80 e, se for desvantajoso, acabo levando dólares mesmo (que ganho de familiares) e guardo meus euros. Resumo da ópera: ganharei dólares. Troco euro ou dólar?
  2. Não li o tópico. Na verdade, li antes do meu primeiro mochilão, em Setembro de 2012. Sozinho. Vou ser sincero: PESQUISAR é a melhor coisa a se fazer. Decida o que você quer fazer de viagem (uma viagem de museus, uma viagem de noitadas, uma viagem específica - como conhecer estádios de futebol pela europa - o que quiser) e pesquise a fundo sobre isso. Pesquise sobre as cidades, vida de dia, vida de noite, transporte, segurança, possíveis scams, receptividade do povo, línguas BEM faladas etc. Monte um planejamento (não a ponto de restringir sua viagem, mas a ponto de você estar preparado para alguns pontos importantes: logística - deve ser horrível você ir sem estudar a logística de movimentação, do tipo que você pode acabar cruzando a cidade diversas vezes todos os dias, enquanto, se estudasse, poderia economizar tempo e esforço, visitando atrações próximas e nas mesmas áreas; financeira - um bom planejamento na ponta do papel evita surpresas desagradáveis e, no meu caso, pelo contrário, ainda me deu uma surpresa positiva, 280 Euros sobrando no final das contas - ok que eu sempre faço a conta com "mais", mas mesmo assim...) Mesmo que você queira fazer uma viagem mais "livre", não precisa reservar hostel, mas tenha pesquisado 3-4 opções de hostels em cada cidade, para você não correr risco de pegar algum lotado ou ter que se submeter a um quarto de "100" pessoas. Pra você que gosta do turismo noturno (passar nas partes obscuras, onde existe prostituição etc), pesquisar continua sendo a alma do negócio. Quando viajei, fiz questão de conhecer tanto o turismo "clássico", de dia, quanto as noitadas e esse lado "obscuro". Claro, um pouco de cuidado não faz mal a ninguém. Informação na cabeça, olhar atento e algumas medidas básicas (pra alguém do RJ, é mole estar ligado nisso) e você não será assaltado/sequestrado. Lembrete: procure sobre scams nas cidades. Enfim, essas são as dicas que eu acho mais importante. Viajar sozinho é demais, é uma oportunidade de ficar mais próximo ainda de você mesmo e de conhecer muita gente nova e interessante, além de mergulhar na cultura do local, evitando querer "montar um mini-Brasil fora dele". Claro, isso é um homem falando. Pra mulher, pode ser mais perigoso, mas ainda assim é possível e bem possível. Estou preparando meu do leste "de verdade" e vou seguir o mesmo roteiro. Pesquisar. Muito. E isso vale pra todos os lugares. Vou pra Argentina agora em Maio e fiz a mesma coisa: pesquisei adoidado!
  3. Realmente. Gostei dos relatos e não vejo a hora de ler sobre Budapeste. Entrei no post por causa da Cracóvia e Budapeste, que são lugares que passarei no próximo mochilão do meio do ano.
  4. Também acho a Matrix legal, mas o que não falta é alemão falando mal da Matrix. Deve ser porque é "coisa de turista". Tanto que não peguei nenhuma alemã na Matrix, tudo gringas. E define pra mim o que você chama de baladas: algo mais "clubber", como a moça lá em cima deu dicas, ou pegação com outro estilo de música? Porque, por exemplo, em Praga, todos falam da Karlovy, mas eu aconselho seriamente e você ir sextas-e-sábados numa boate da Wencesla Square, esqueci o nome agora, depois te relembro, mas é uma que toca 80s-90s nesses dias, LOTA DE LOCAIS e todas muito receptivas (e lindas, com aquele inglês com sotaque do leste europeu). LEMBREI O NOME: LUCERNA (ou Lucerna Music Bar? Algo assim!). Só se prepare pras filas pra deixar coisas guardadas ou pra cerveja.
  5. Masss, se você gosta de viajar assim, ótimo. A gente avisa apenas pro caso da pessoa não saber. Pessoalmente, prefiro ficar o maior tempo possível viajando. Isso te permite aproveitar melhor a passagem que já gastou daqui do Brasil, um dos aspectos mais caros da viagem. Então com tempo e grana, eu faria um mochilão só. Isso é, se aguentasse ficar tanto tempo viajando sem parar. Acho que aguentaria. Mas não é qualquer um que aguenta, tem que se conhecer bem. No meu caso, pego as passagens por 100% milhagem, então sai "de graça" esse lado mais caro da viagem. Esse lado do "turista já-que" eu realmente tenho: queria conhecer "todos" os países (Europa + Américas) antes dos 30. Bom, ao final do 1 mês viajando, tudo que eu queria era mais. Como não tenho muito apego a nada aqui, passar o triplo do tempo me parece possível (não vou falar fácil, seria exagero).
  6. Opa, vamos por partes: Não tem motivo especial para ser feita em capitais. Como eu disse, as cidades ainda serão revisadas e pesquisas serão feitas para confirmar tudo, isso é um brainstorming. O maior motivo pro eu ter colocado as capitais são porque eu considero que, nelas, tenho mais facilidade de vida e melhor acesso ao que eu procuro (um mix entre cultura do país/locais turísticos/diversão-noitadas, sou jovem e preciso disso, o que eu chamo de cidade atrativa turisticamente "de dia e de noite"). Sobre a Polônia, tenho amigo que mora lá, esse é o motivo especial. Sobre ser cópia de guia de viajante independente: nunca me referencio por guias. Faço as minhas pesquisas e, por mim mesmo, decido. Alguns países foram incluídos apenas pela logística: a Bulgaria fica no meio de caminho entre um país e outro. Por que não passar um tempo lá? Acho que 4-5 dias para cada cidade é bem suficiente, no meu mochilão anterior, segui essa estratégia e não me arrependi. Consegui absorver o necessário de cada local. Entretanto, você até me deu uma sugestão boa: adicionar mais cidades de um mesmo país e retirar algumas (por exemplo, na França, tenho curiosidade de ver Marseille e Lyon; na Espanha, Oviedo; na Alemanha, queria ver Stuttgart e Frankfurt - já vi Munchen). O problema seria retirar quais cidades, pois as "menos interessantes" se tornam cidades de passagem. Outra opção é de dividir em dois mochilões. Isso tornaria mais fácil o fato de necessitar de menos dinheiro e, além disso, eu conseguiria uma melhor logística. Em vez de 1 mochilão de 75 dias, fazer dois de 35-40. Isso é bom por esse lado, mas tenho que analisar o trade-off: 75 dias mergulhados na Europa me dão uma imersão muito melhor do que dois períodos de 35 dias. Continuem. Ideias podem surgir.
  7. É, acabei de ver no site da EuRail e a logística fica fácil com mais um EuRail Global Pass. A diferença agora é arrumar de modo a conseguir usar apenas um passe de 15 viagens em 2 meses, pois o mochilão terá duração superior a 2 meses, o que me faria gastar uma boa grana em EuRail Pass (dois!). Só Rússia e Ucrânia que não são possíveis de ir com o passe. E como não gosto de correr risco de bagagem extraviada/tempo ruim para voo, mesmo mais caro, penso seriamente em pegar o trem. Ainda mais que, dessa vez, é first class (pro causa da idade, haha).
  8. Não tinha pensado nessa possibilidade! Realmente, parece ser itneressante deixar uns 5 dias de viagem para poder "replanejar" tudo. O problema seria que, se eu fosse de avião, teria de comprar as passagens com antecedência e não daria para reprogramar. Vou pesquisar no site da EuRail novamente os países, para ver, porque com o passe, é mais fácil me reprogramar do que com passagens de avião. Será que 100EU/dia, no meio de 2013, ainda será uma estimativa segura? Heheh.
  9. Pessoal, fiz meu mochilão de 25 dias na Europa (5 países, 7 cidades - Madrid, Barcelona, Paris, Amsterdam, Munich, Praha e Berlin) e foi tudo bem fácil. Não sei se por eu ser planejado (e por ter lido muita coisa aqui na comunidade), mas, no final, sem passar nenhuma necessidade, sobrou ainda uns 300 euros no meu cartão (ok, eu estipulei 100EU/dia, sem contar com o Europass etc, mas, ainda sim: sobrou!). O problema é que, agora, estou planejando algo mais audacioso. Um mochilão de 75 dias, repetindo algumas cidades (Barcelona, Paris, Praha e Berlin) e inovando nas outras. Em teoria, a princípio: Barcelona Paris Milan Berlin Oslo Stockholm Helsinki St Petersburg Moscow Kiev Warsaw Praha Budapest Bucharest Sofia Istanbul Athens Rome Entendo que o Europass não me deve ser tão útil nesse caso, pois não seria uma viagem "de fronteira", mas sim bem "pulada". A ordem das cidades pode mudar, de modo a beneficiar a logística de transporte, mas ainda assim, por alto, quebrei um pouco a cabeça e não vi maneira de conectar tudo muito bem de trem, portanto, ficaria à mercê do transporte aéreo, pelo menos na maioria dos casos (poderia, sim, comprar um europass - não global, dessa vez - para fazer as cidades mais próximas, mas ainda não sei se vale, talvez valesse mais a pena eu comprar as passagens separadamente, já que planejo para Junho-Agosto de 2013). Enfim, não vou criar tópico ainda pois está tudo na pesquisa, nem mesmo sei se todas as cidades serão visitadas, estou no "pre-projeto". Minha dúvida maior era essa: há alguma diferença severa entre planejar mochilão padrão (até 30 dias) e algo 3x maior?
  10. AHHAHAHA, relaxa, o roteiro "certinho" está apenas planejado, não está reservado nada além das 2 primeiras cidades (Madri e Barcelona), ou das 3, pois talvez reserve paris. Justamente para poder ter liberdade de conhecer gente e mudar os planos. Isso é apenas para o caso de não surgir a oportunidade de mudar os planos, hahaha. Confirmado mesmo, só que vou chegar em Madrid. Até a saída pode mudar, pois vi que a logística favorece eu sair de Berlim, não mais Praga. Se são 60E/dia, acho que tá tranquilo então. Acho que joguei até tudo "muito pra cima".
  11. Olá, apesar de ter criado a conta apenas hoje, pesquisei MUITO por volta de 20 dias, sobre tudo possível, tanto nesse site (que me ajudou bastante, obrigado mesmo!), quanto outros lugares. Estou planejando meu mochilão para agora, 19/09 (dia de chegada na Europa), com volta dia 17 ou 18/10 (partida). Falta apenas o passaporte (sim, planejei tudo e vi que o passaporte estava com validade vencida 2 dias depois de "fechar" tudo. Espero que meu contato na PF do Galeão consiga me ajudar a tirar e não demore, não posso viajar depois do dia 22-23, pois as aulas da faculdade devem voltar da greve por volta do dia 10/10 e perder mais do que 1 semana de aula seria ruim. Enfim, sem mais delongas, vamos ao ponto principal: a avaliação do meu custo de viagem. Comprados no Brasil: Passagem (RJ-MADRID e PRAGA-RJ), Eurail Global Pass 10 dias em 2 meses (pretendo visitar 8 cidades, no máximo Auschwitz na Polônia sendo uma nona cidade, sendo que vou tentar ver se tem como ir em algum "programa turístico" da Alemanha para lá, mesmo que pague por fora) - PERGUNTA UM: Será que está apertado e seria melhor pegar 15 dias em 2 meses? A diferença nem é muito grande. Achei que 10 dias dessem, pois já chegarei em Madrid, o que me faria visitar 7 cidades: Barcelona, Paris, Amsterdã, Berlim, Munique, Viena e Praga, sendo que ainda teria espaço para adicionar Auschwitz, dando 8 dias de viagem). Transporte interno: Em todas as cidades, exceto Amsterdã, comprei o passe que cobre os dias que eu vou ficar na cidade e me dá, OU acesso free a várias atrações, OU corte de filas e desconto nas entradas. Isso daria: 52E (Madrid), 35E (Barcelona), 125E (Paris), 0E (Amsterdã, pois o único lugar "longe" que eu vou é no estádio do Ajax), 37E (Berlim), 37E (Praga), 20E (Viena), 20E (Munique). Sem contar uns trocados que gastaria em Amsterdã, daria 326 Euros de transporte interno. Hostel: vi que existem hostels bem conceituados por volta de 17-23E, sendo que Paris é a exceção, cidade bem cara, com Hostels de 23-27E. Considerei uma média de 25E para cada noite nos hostels das cidades que parecem mais caras (de acordo com o que pesquisei no hostelworld.com, Madrid, Barcelona e Paris) e 20E para as outras, totalizando 555E de hospedagem (eu reservaria o das 2 primeiras cidades e iria reservando "a cidade X", na medida que estivesse saindo da "cidade (X-2)" - Exemplo: Ao terminar minha estadia em Madrid (cidade 1), reservaria o de Paris (cidade 3). - Acham que é o suficiente? Comida: minha maior dúvida. Sei que existem os McDonald's de 7-10E, mas também quero comer um pouco de comida local, logo, reservei 25E em Madrid, Barcelona e Amsterdã, 30E para Paris e 20E para as demais, contando Auschwitz, para alimentação. 15E dá para comer comidinhas legais e locais? Sei que não vou comer no restaurante mais caro, mas se eu for pensar que 15E = 35R$ (arredondando mal), 35 reais dá pra comer "num outback" da vida. 25E suficiente, ou devo aumentar? Reservas das passagens de trens: pesquisei os preços e vi que as reservas para as passagens (que pedem pra fazer, principalmente em trem noturno), totalizariam 160E. Por essas contas, eu estaria gastando, fixo, 1655E (hostel, alimentação, transporte interno e reservas de trem). O que daria 56E/dia. De "extra" (pra lembrancinhas - quero comprar uma camisa e um chaveiro em cada cidade, mais uma entrada não coberta aqui e outra lá, uma putinha em Amsterdã - que já li que é tosco - e um bolinho mágico), pensei em levar 44E/dia, em média, o que me daria 100E/dia, sendo 1348E de extra, nesse caso. Acham que eu estipulei os gastos muito "altos" (comida e hostel)? Dá pra ir "tranquilo" assim? E uma pergunta que não cabe aqui, mas vai que posso aproveitar: ESTÁDIOS DE FUTEBOL (minha maior loucura) - sei que existem os tours pagos, mas dá pra entrar de graça para ver a arquibancada e o gramado? Senão, nos 44E/dia, teria que contabilizar esse gasto, pois vou conhecer uns 9-10 estádios nessas cidades. Sem falta. Não vou a Torre Eiffel, mas vou neles (ok, forcei).
×
×
  • Criar Novo...