Ir para conteúdo

Luciopmd

Membros
  • Total de itens

    419
  • Registro em

  • Última visita

Tudo que Luciopmd postou

  1. Fiz com a United e depois com a area irlandesa. mas existe um monte que faz isso. Vale apena e economico e cansa menos. Lembro que Europa EUA cerca de seis horas. Abraços
  2. Boa tarde! Estou pensando em entrar por Mexico DF descer ate palenque e de la para belize e saido pr Cancum, Vai ai minha pergunta viu alguma coisa de Palenque para Flores/Petem na Guatemala? Abraços e obrigado.
  3. Bom dia! Alguem foi a abrolhos recentemente? Se positivo sabe dizer os preços dos passeios? Estava pensando no bate volta. Abraços...
  4. Boa noite achei a Bosnia um pouquinho complicado mas nada de tão grave assim. Só evitaria noite. De Mostar Montenegro de boa. Não perca Kotor e budva destaque para o primeiro. Não deixa de visitar os inumeros mosteiros daquela regiao é de babar. Tirana é isso ai msm so vans. De tirana se der vale a pena um chego em Orhid é uma linda regiao acho que da um bate volta fiz assim na regiao porem parindo de Skopje do outro lkado da fronteira na Macedonia. Não coneço mas na descida para Athens dava um pulo em Thissalonic quem sabe acha ate um ferry, Abraços
  5. Parabens pelo relato! Gostei muito das fotos e pretendo em breve fazer um roteiro parecido. O único problema é convencer minha mãe de que não vou voltar com ebola... Sabes me dizer os valores aproximados dos traslados e entradas de parques visitados? Muito obrigado! Bom dia! Parques nas faixa de 30 solares, Agora o safari dois dias uma pernoite e umas quatro refeições por dia a partir de Livingstone com ida e volta 300 solares. Abracos
  6. Namíbia. Esse interessante país tem algumas características bem peculiares. Pertenceu a África do Sul até 1990 so então ficou independente, banhado pelo Atlântico tendo como divisa Angola ao Norte e África do Sul ao Sul. A oeste Botswuana e uma pequena divisa com Zâmbia. Ė um país com baixa densidade populacional dois milhões de habitantes . Tem uma grande população negra e pobre e os brancos ricos . A moeda é o dólar da Namíbia se fala inglês como todos os países aqui da regiã alemão tbém pela sua história. A maior parte do pais é desértica . Com o deserto da Namíbia ,o mais velho do mundo e o deserto do Kalahari . Quem primeiro chegou aqui foram os portugueses, após final do século XIX, os alemães que permaneceram até o fim da segunda guerra. Depois da segunda guerra muitos alemães vieram para cá. Windhoek , a capital tem a maioria de suas ruas nomes alemães. Cheguei na capital que é no centro do pais e me dirigirei a Walvis Bay . De lá seguirei para o sul, para conhecer o deserto da Namíbia. A região de Sossusvlei. Ta danado aqui é dirigir ãã2::'> , pois tanto aqui como as regiões que estamos visitando são mão inglesa. Eu infelizmente. Infelizmente, esqueci minha carteira estou de co piloto e hoje só de manobrar o carro para entrar na garagem fiquei tenso. Perdi toda a noção do espaço fora do carro. Perrengues !!!! Chegamos a Windhoek, se fala Vanduk, a noite e fomos pegar o carro. Eu esqueci tanto a carteira nacional quanto internacional. Perrengues! O cara queria encrespar primeiro que o vôo estava atrasado e segundo que a reserva foi feita em meu nome . Resolvido, pegamos o carro e eu dando mil pitacos e o pior, agora sentado no lugar do motorista sem o volante naquele local. Não é agradável . Realmente tenso! O hotel foi legal, jantamos e cama. Detalhe estávamos sem GPS. Perrengues de novo! Acordamos cedo para irmos para Walvis Bay a 300/400 km em direção ao Atlântico. Primeiro fomos conhecer um pouco Windhoek. Pelas fotos verão que parecíamos estar numa cidade do interior da Alemanha. Muito bonita cheia de parques com construções estilo alemã. Os prédios modernos também seguem o padrão europeu. Me senti realmente na Alemanha até porque se fala muito o alemão, apesar da língua oficial ser o inglês. Decidimos que voltaríamos mais cedo para melhor explorar esta cidade. Fomos pegar a estrada e eu de novo no carona. Quase batemos depois de várias mancadas. Decidi então apesar de já ter visto que era difícil, eu dirigir, pois estava tenso. Assim pegamos um estradão para Walvis Bay. Velocidade 120 km/h, sentei o pé depois de acostumar a dirigir daquele lado. Na estrada até que é fácil, mais difícil é dentro das cidades, nos cruzamento. Passamos por algumas cidades e chegamos a Swakopmund. Uma cidade colonial também estilo alemão colonia l. Falo dela mais adiante. Sempre deslumbrado com as paisagens pois estávamos atravessando o Kalahari. Mais a 33 km chegamos Walvis Bay. Walvis Bay, baia das baleias, foi um território a parte dentro deste pais , pois era um porto e esta cidade diferente da Namíbia pertenceu a Inglaterra, ou seja era um enclave dentro do pais. Inclusive Walvis Bay só veio a fazer parte da Namíbia em 1994 , enquanto a Namíbia tornou independente em 1990, apesar de ambas fazerem parte da África Do Sul nesta época. Uma cidade linda casas a beira mar que lembram muito Punta Del Leste no Uruguai. Trocentos flamingos no praia e rodeado de palmeiras estilo a Califórnia . Nosso hotel era de frente ao mar e bem transadinho. Fomos dar uma volta e de cara encontramos a brasileirada , a marinha do Brasil está fazendo um trabalho aqui e ficamos conversando com eles. Tanto eles moradores ,como nós ,estávamos encantado com o país ,e um detalhe violência zero . Além de um povo muito amigável, cortês e educado. Cervejas Wandhoek :'> para dentro e fomos dormir. Depois da Guiness :'> essa é uma das melhores cerveja que já tomei. Tradição alemã também né! Na manhã seguinte fizemos um pacote de dia inteiro . De manhã fomos para um catamarã com champagne bebidas, ostras, lulas a vontade dentro do barco . Do lado de fora focas, pelicanos, baleias, pingüins, gaivotas e golfinhos vindo nos visitar no barco . Não consegui foto das baleias e golfinhos, pois ou fotografa ou fica admirando, desculpem mas fiquei com a ultima opção. De tarde fomos fazer um passeio 4x4 nas dunas do deserto. Com emoção! Depois de sobe, desce anda de lado com várias paradas para foto das dunas e bichos do deserto fizemos uma nova parada e foi servido a mesma coisa que no barco. Já estava entupido, mas num podia deixar aquelas lulas e ostras para lá . Olho grande. Tínhamos de decidir se iríamos continuar descendo pelo deserto a uma outra região, ou se fazíamos diferente. Pois nosso carro não era 4x4 e as estradas a partir de Walvis era terra e deserto .e tbém não consegui fazer reserva na região que e desabitada. Decidimos então ficar um dia em Swakopmund e mais um em Windhoek , pois voltaríamos nesta ultima só para dormir , já que o vôo para Cape Town sairia as sete e trinta. Chegamos a Swakopmund e a dona do hotel falava uma língua muito parecida com a nossa, era uma lusitana . Fomos então conhecer a cidade, considerada como aquela que tem a melhor arquitetura colonial alemã mais bem preservada no mundo :'> . Possui um forte e várias casas e igrejas neste estilo, tem também ótimos restaurante. Fomos também a uma região a qual fizemos nossa caminhada, que é basicamente de casas de veraneio e fica bem vazio ao contrário do centro que tem mais vida. A noite fomos jantar em um restaurante ,o melhor da cidade , é em um antigo barco que trouxeram para a areia e adaptaram o restaurante. Especializado em frutos do mar, pedimos um peixe com lulas recheadas com espinafre e anéis acompanhado de legumes uma delícia e pagamos menos da metade que se fosse aí. Restaurante aqui não é caro. Acordamos mais uma caminhada, fotos, banho e enfrentar os mais de 300 km para Windhoek ãã2::'> novamente. Chegamos tarde e decidimos ir almoçar no shopping que nos recomendaram no hotel. Caidasso , além de não ter quase nenhuma loja conhecida fecha as seis . Jantamos e quando saímos tudo já estava fechado. Voltamos ao hotel, mexemos nós eletrônicos e fomos dormir, pois contratamos um city para melhor conhecer a cidade. Contratamos o city tour para este dia que não foi bom, primeiro que falou pouco da cidade e pontos turísticos. A sorte é que no primeiro dia já tínhamos ido quase em todos. Segundo nos fez a fineza de nós mostrar a parte pobre da cidade nos tirando da ilusão e mostrando a da realidade . Eles chamam essas casas de chacks são todas de telhas de alumínio tanto as laterais quanto o teto. Os mais recentes não possuem água luz ou esgoto . A cidade não da conta de acompanhar a grande quantidades de pessoas que chegam ao canto do vento, significado da palavra Windhoek. Acaba acontecendo esse crescimento desordenado como aconteceu conosco nos anos setenta e oitenta . Alguns bairros, principalmente os mais antigos são divididos por tribos, mas todas vivem em paz. Pode notar a diferença pelas vestimentas e diferenças no lenço da cabeça. Depois do city voltamos ao centro para mais uma perambulada e comprar uns artesanatos. Voltamos ao hotel, pois nosso vôo de saída era cedo precisávamos de acordar as cinco . Vida de turista é difícil! Bom minha impressão da Namíbia ,é um pais lindo com diferenças sociais, bem como toda a África, mas com certeza bem mais evoluído economicamente , melhor que os outros três pelos quais passei e em termos de beleza geográfica também. Como sempre pesquiso sobre a saúde , aqui ela é privada, não existe faculdade de medicina . Os médicos são, chineses , indianos ou cubanos. Espero que os cubanos sejam sanitaristas, pois o pais precisa . Acho esse o grande equívoco da Dilma. Os cubanos tem mais este perfil e aí no Brasil precisamos mais é de médico e eles não estão atuando em grotões , onde talvez lá sim, é preciso. Falo isso que como tal vejo inexperiência no ato deles.
  7. Como assim, que papel é esse? Pro ano que vem pretendo fazer essa rota então é bom ir me informando... Boa Tarde! Olha esta no site sobre viagens de carro na Argentina ou America Latina, aqui dos mochileiros, dê uma pesquisada q vc acha. Realmente não me lembro. Farei uma viagem no futuro para esses lugares e nas minhas pesquisas eu vi. Abraços.
  8. Sexto dia 02/10/14 Aproveitamos a manhã e caminhamos pelo centro de Livingstone , tiramos fotos . Para matar a curiosidade visitei um banco Barclays, muita gente na fila , me pareceu como o Brasil, ainda há muita necessidade de ir ao banco. Por aqui o uso da tecnologia não é intensa. Notei uma coisa neste ultimo dia, não tínhamos visto pedinte .encontramos hoje treis mães com os filhos nas costas pedindo um a um. Lu resolveu dar os kwachas que tinha, não é habito nosso, mas diante da cena. Não vimos por aqui pessoas bebendo ,em alguns supermercado a bebida é controlada fica numa sessão a parte com outro caixa,nem mesmo violência . Perguntamos na recepção e eles falaram q podíamos caminhar sem problema e assim fizemos realmente foi tudo tranquilo . Que bom!!! Andamos pelas ruas paralelas a principal, tinhamos passado de carro e no dia nos chamou a atenção a feira livre de alimentos , material de limpeza e cama, fica perto da rodoviária. Muito simples os guiches de vendas de passagens parecem uma entrada de botequim de uma porta só ,feito de parede de compensado muito caído . Vimos na estrada uma construção de uma nova rodoviária . A região é muito suja e as moscas rondam os alimentos. Por falta de geladeira, talvez ,na feira vendem uns peixes ressecados, parece defumados . Enfim voltamos pro jollyboys pra fechar a conta e aguardar o Taxi que contratamos pra nos levar ao aeroporto 50 kwachas= 8 dolres Malas prontas partimos Livingstone pra joanesburgo e de lá pra Windhoek(capital da Namíbia) chegamos umas 20 horas. Lu tinha reservado carro. Emoções á frente. Ele esqueceu sua carteira . Depois de alguns desencontros de informações alugamos no meu nome e sem Gps . Eu que ia dirigir. Veja ,transformei a ansiedade em deasafio . Acreditei no meu equilibrio e na inteligência espacial do Lu . Há esqueci de comentar aqui é mão inglesa . Aeroporto até a cidade 40 kms ãã2::'> . Tive q colocar o tico e teco muito atento, é tudo ao contrário do Brasil.Desafio encarado chegamos no hotel. Algumas tensões mas tudo bem .
  9. Quinto dia 01/10 Acordamos perto de 10 partimos + uma vez pra Victoria falls , agora lado da Zâmbia, realmente mais legal de caminhar, podemos até ficar no rio, lu nadou e eu molhei parte do corpo. Muitas fotos e mais conhecimento e contemplação . De lá avistamos a ponte q divide a Zambia e Zimbabwe, inaugurada em 12 /9/1905 à época a mais alto do mundo 198 metros, foram ingleses por interesse de comercio , eram colônias da Inglaterra até a década de sessenta. É la q se pula de bungy jumping . Meninas que estavam brincando na água pediram uma foto comigo , fato que já se repetiu algumas vezes .Retornamos de taxi compras artesanatos e super pra comprarmos o almoço . Nesta tarde estamos livres, mas preso à internet pra escrever um pouco mais . Acredito q não se deve ter rotina em viagens. Assim, a curtição tem de ser de tudo que te rodeia. Adoro observar as pessoas, suas faces e o que está a seu redor. Pena que não tenho o inglês fluente , para pontuar melhor estas impressões. Venho evoluindo, mas muito devagar. Isso não me inibi de observar e olhar cada rosto que cruzo. Fizemos um pouco de tudo que é típico de uma Guest house/backpackrs, entramos no face, bebemos cerveja(lu) , filosofamos, escutando uma música que tocava numa igreja em frente, nos lembrou um pouco aquelas tocadas nas mesquitas. E na pequena parte da piscina, que tinha uma hidro conversamos com uma inglesa e um francês. Passaram algumas experiências de Cape Town(Africa do Sul) e Lu do passeio no Park Chobe. É assim que se convive por aqui, espaços comuns, experiência múltiplas e todos de passagem. Compramos mais um lanche no Spar mercado, um tempo pra nós e banho. Retornamos ao espaço comum agora só comemos e voltamos pro quarto. Lu foi escutar uma boa música que não quis dividir comigo, mas como uma boa ouvinte escutei o som da minha cama, ele nem percebeu, mas rolou uma boa MPB e instrumental( keny G) Foi bom que escrevi com fundo musical suave . Tudo adequado ao momento. Quando se quer se aproveita tudo. Jogar um pouco de paciência dormir amanhã a caminho da Namíbia. Levo destes três países girafas e pratos de madeira, além de uma impressão q devemos fazer um mundo melhor. A velocidade com que se multiplica e muito maior com a q distribui. Porque só quando temos tanto mais é que nos dá vontade de distribuir ? Vimos isto em algumas personalidades quando percebem a essência de sua felicidade necessitam dar pra receber. A oração de São francisco já falava disto. Talvez tenhamos que pedir perdão também.
  10. Boa tarde! Fácil sim, barato não. Terá de colocar na balança e avaliar. A proposta do site é incentivar a ir por conta própria, mas óbvio se for a primeira vez, a segurança de um pacote oferece tem valor. Abraços.
  11. Gente existe um papel que você imprimi feito pelo próprio governo Argentino, que deve ser preenchido nestes casos, só de mostrar esse papel o cara se manca. Melhor é da uma lidinha por aqui mesmo tem muuuuita coisa e isso que você passou poderia ser facilmente evitável. Agora corrupção? Lamento é endêmico.
  12. Boa tarde! Existem muitos ônibus especializado em compras para Colon partindo da cidade do Panamá. Vi em alguns hotéis da cidade do Panamá isto. Abraços Luciano
  13. Terceiro e quarto dia 29 e 30/10 Começamos o dia cedo ás 7:00 da manhã partimos para Botswana . Translado 1 hora até o a fronteira com Botsuana atravessando o Rio Chobe. Pacote dois dia uma noite no acampamento 260 dólares por pessoa. Cinco refeições e muita água, temperatura acima de 35 graus e boca muito seca. Mais uma alfandega de carimbos e muita gente.Fizemos o primeiro passeio pelo Rio de barco e depois em carro um safári no Park Chobe. Com direto a muitos animais, búfalos, girafas , elefantes, impalas, leões, leopardo, zebras, babus, "pumba", antílopes, hipopótamos . Foram dois dias de muito conhecimento e observação, de como os animais nos inspiram. Estão sempre em grupos e em família. Se protegem a todo momento . A relação materna e paterna com funções definidas e soberanas.A força e a amor se misturam. A simbiose entre as espécies, os babus avisam as impalas quando o leão está por perto. Os elefantes convivem com as zebras e girafas . O park é muito extenso segundo Jansen nosso guia e motorista , são 200 km de extensão. Jansen, me pareceu um good man, acima de 50 anos,seis filhos , trabalha todos os dias muito deles no acampamento, e nos deu alguns ensinamentos, olhe olho no olho quando encontrar um animal, face to face, assim também é com humanos para q a verdade e o bem estar possa reinar, e também escutar muito mais do que falar , seus ouvidos eram afiados pra os barulhos do parque , assim se conhece melhor o outro e onde está. Q sabedoria,!!!Visitamos somente parte do lado de Botswana q divide o park com a Namíbia. Este primeiro dia não poderia acabar melhor. Por do sol vermelho e caminho para um camping montado pra nós e mais 4 suecas, dentro do park. Minha maior emoção além de ser meu primeiro acampamento foi dormir em um local q dividimos com todos os animais q relatei acima . Sabia q era grande o parque mas os pensamentos voam. Jantamos uma boa comida e vinho Uma boa conversa em inglês, tanto Jansen como as 04 suecas eram muito sorridentes e faziam piada de tudo. Noite chegando, boa noite e entramos na barraca , o q me pareceu divertido no primeiro momento. Lu riu muito de mim, mas logo pegou no sono e eu escutando barulhos . Pensativa no q podia aparecer por ali, mas o sono veio chegando e adormeci. Sei q acordei várias vezes mas o sono era maior. A noite se foi e amanheceu. Despertar as 06: de novo voltas e voltas no park à procura das estrelas, leões e leopardos. Ficamos até as 15 e claro chegamos ao objetivo e vimos por último o leopardo. Realmente magnifico. Seu olhar para a caça é atraente. Findo dia despedidas do grupo. Jansen, as 4 suecas. Fizemos caminho de volta pra Zâmbia, Livingstone , Jollyboys. Novamente fomos a pizzaria, hoje tinha o pizzaolo , que ironia não tinha cheese . Brincamos parece o inferno brasileiro. Cada dia falta algo.Rsrsrs No jollyboys tentamos internet e nada até q em voz alta perguntei ao Lu a senha e uma brasileira, a primeira nesta viagem, e nos cumprimentou. Importante ,nunca fale coisas ruins em sua língua alguém q conhece pode estar por perto . Conversamos um pouco e o suficiente para identificar objetivos comuns. Está iniciando uma volta ao mundo nesta temporada por 09 meses. É brasileira e morava em Chicago,trabalhava na United Airlines triatleta, veleja e escala montanhas. Fez caminho de Santiago de Compostela, Croácia, Nepal. Está com objetivos mas também me pareceu sem rumo. Ser ou estar eis a questão! Conhecer o mundo tem q ter o why or to that?
  14. Segundo dia 28/9/14 Acordamos café da manhã jolly boys 7 dólares( dois misto e um suco). Partimos pra Victória Falls, translado de ida free. Para entrar no Zimbabwe como na Zâmbia e necessário visto e pode ser tirado na fronteira. São 30 dólares do Zim e 80 o da Zâmbia. O ultimo foi mais caro porque entraremos i sairemos deste pais três vezes sendo assim pegamos o visto de múltiplas entradas. Fizemos a alfandega, muitas pessoas, muitos carimbos e pouca eficiência.sem muito interesse de informações. Entramos em Zimbabwe. Atravessamos a fronteira a pé de 1/2 km no máximo. Apesar das quedas d'água estarem na Zâmbia o Zim que se deu bem pois estão todas viradas pelo lado dele. Chupa Zâmbia junto com a Argentina no Iguaçu! Rsrsrsrs Deixo as fotos falarem por si.. As cataratas vista de lá são melhores , Lu já tinha se informado, o lado Zâmbia tem as quedas e piscinas, mas a vista pra fotos é melhor por Zimbabwe. Ao passar pela ponte q divide os dois países onde tem o bungy jumping. Vimos o salto ,que loucura. Fiquei bem perto de uma menina com seus vinte e poucos anos. Quando foi colocada na posição do salto sua mão tremia muito. Mas em segundos já estava de ponta cabeça. Parece q deve passar um filme e uma sensação de que fui. Na fronteira tem muitos ambulantes e artesanatos, pedra e madeira são suas matérias primas. São insistentes e o preço vai caindo a cada passada. Sempre compramos algo de lembrança, do Zimbabwe trouxemos dois pratos de madeira pintados a mão. Caminhamos uns 3 kms, entre indas e vindas, com sol muito quente e uma secura na boca. É possível fazer o trajeto a pé e pagar pela entrada no parque 30 dólares. Pegamos um taxi até o centro de Livingstone(40 kwacha). Vimos artesanatos, muitos animais típicos hipopótamos, girafas e esculturas negras. Livingstone me parece uma pequena cidade, estruturas simples , alguns prédio estilo comunista, vou ler um pouco mais sobre isto. População negra e simpática, só em orgãos públicos me parecem sem interesse. No caminho registramos alguns contraste , provavelmente a chegada do capitalismo ocidental . Já construídos alguns hotéis até resort, com moradias em frente simples e q contrastam com as bela novas construções . As calçadas são de terra. E não pude ver a estruturas básica, há grandes terrenos e pequenas casas instaladas. Talvez pudéssemos perguntar q de precisam estas famílias, qual sua real necessidade. Se só emprego ,estejamos no caminho certo. A percepção é q o capital chega para se multiplicar , e só muito depois pra distribuir. Depois de conhecer alguma dezenas de países a ficha cai, e muito. Agora, neste instante todos fazem alguma coisa, o q isso agrega para o outro, o q contribui para um mundo melhor? O turismo parece ser um boa economia por aqui, ainda com conceito de terceiro mundo, nunca sabemos o real valor das coisas. A tardinha cai no sono, aquele sol todo provavelmente baixou minha pressão.Depois um pouco de internet, banho e um jantarzinho, deveria ser pizza ( na pizzaria não tinha pizzaiolo) daí comemos um peixe. Muito espinho tipo tilápia. Jollyboys e cama. Amanhã temos um safári em Botswana de dois dias.vamu q vamu. Apaguei sem querer a foto da ponte na quarta quando voltar na catarata pela lado da Zâmbia a fotógrafo. Atravessamos a fronteira a pé de 1/2 km no máximo. Apesar das quedas d'água estarem na Zâmbia o Zim que se deu bem pois estão todas viradas pelo lado dele. Chupa Zâmbia junto com a Argentina no Iguaçu! Rsrsrsrs Deixo as fotos falarem por si.
  15. Primeiro dia 27/09/2014. Depois de oito horas e meia de Sampa a Johannesburg tres de conexão e mais duas de outro voo. Chegamos a cidade de Livingstone. Nosso primeiro dia- Livingstone vista do alto. Terras secas e vegetação rasteira também seca. Descida do avião temperatura muita alta. O aeroporto é novinho e já me causou uma boa impressão. A cidade é uma grande avenida de mais de cinco km. No centro deve ter mais umas três quadras paralelas, mas toda a cidade nada mais é que essa grande avenida. É bem ampla com vários terrenos ainda vazios e quase sem edifícios. As lojas, shoppings( não tão shoppings assim), hotéis supermercados estão nessa avenida. Nosso hotel é simplesmente atra do museu. Translado para jollyboys- Guest House / backpackrs muito bem transada e espaços alternativos com almofadas coloridas bar , piscina. Básico mais aconchegante.diária 75 dolares nosso quarto tinha banheiro e ar. Tinham quartos com ns bicamas e banheiros coletivo. Instalados fomos fazer a checagem dos passeios. Hoje começamos com um passeio de barco sunset( pôr do sol )noRio Zambezi, q divide Zâmbia e Zimbabye. Paisagem daquelas, dia lindo, hipopótamos, crocodilos e uma vista linda. Por do sol, e aqui tive q parar e agradecer por tudo. Por estar aqui, daqueles momentos q paramos e ......... Demais viver . Ja vi muitos por do sol em diversos lugares, mas nunca perderá seu encantamento. Me sinto leve, cega por toda esta luz q me cega por fora mas me ilumina por dentro. As lindas fotos q Lu fez vão. registrar este momento com certeza pra sempre. De volta ao Joll Boys.banho, hora pra dormi, estamos virados desde ontem fuso horário + 5 horas do q Brasil. Moeda 1 dolar= 6 kwacha
  16. A África possui cerca de setenta mil espécies de flores. Deste total quase setenta por cento só existe no continente africano. Fiz um álbum com 20 delas, a cada final de relato publicarei duas espero que consiga a cada final postaras vinte.
  17. Bom dia! Primeiramente meus agradecimentos ao Zervellis, Paulera e Alex_. Zambia , Zimbabwe e Botswuana Estes dois países ficam exatamente entre Moçambique e Angola, dois países de colonização Portuguesa. No século XIX, Portugal tenta estender seus domínios a esta região, porém a Inglaterra, que era a nação preponderante da época frustra os planos de Portugal. Com a chegada do missionário Dayvid Livingstone, que deu nome a cidade em que ficarei neste país e Cecil Rhodes, explorador Britânico, originou-se a Rodhesia do norte, hoje Zambia e a Rhodesia do sul, o Zimbabwe. Permaneceram colônias ate década de 60, hoje são independentes. Livingstone é uma das maiores cidades da Zambia, já na fronteira com o Zimbabwe que é margeada pelo rio Zambesi, que é a fronteira natural entre esses dois países. Aqui situa umas das três cataratas mais belas do mundo a Victoria Falls , nome dado por Livingstone em homenagem a Rainha Victoria. Uma das riquezas da Zambia são as minas de cobre daí a importância que a Inglaterra deu a esta região. Do outro lado da fronteira na Zimbabwe fica a cidade de Victoria Falls e a catarata situa-se ali também. O Zimbabwe é um país mais agrário. E o que Botswuana tem haver com isso? Assim como na nossa Iguaçu aqui também existe uma tríplice fronteira e este pais esta a menos de 100 km destas duas cidades. Em Botswuana, está programado um safári fotográfico no parque Chobe . Botswuana também foi colônia Inglesa, com independência na década de sessenta também. É um dos países que mais cresce na África cerca de 9% ao ano e tem um governo bastante atuante, que matem mais de 50% das importantes minas de diamantes deste país. Usa esse recurso para o seu desenvolvimento . Vai vendo ai Dilminha! Porém um dos grandes problemas deste país bem como toda a África é a AIDS . Seu território tem a maior parte desértica, o Kalahari e pantanos delta do Okovango e o Chobe. Visitarei neste Pais o último e farei uma parte do Kalahari pela Namíbia.
  18. Luciopmd

    Jimmy 4x4

    Bom dia ! Aguem tem o Jimmy 4x4 que possa dar informaçoes? Obrigado.
  19. Boa noite! Em Lá Paz se der vá a parte baixa da cidade no Vale de La Luna achei interessante. Chacaltaya precavenha-do soroche.
×
×
  • Criar Novo...