Ir para conteúdo

matheus4ibi

Membros
  • Total de itens

    1
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

0 Neutra
  1. Vou descrever aqui minha experiência em Janeiro agora na Rússia. Com a “não necessidade” de visto para Brasileiros para a Rússia, o país se tornou um destino mais procurado por nós de uns meses para cá, por isso inclusive estou criando esse tópico para descrever um pouco a todos como que foi a minha viagem a esse país, para alertá-los de algumas coisas. Organizei uma viagem para Rússia e Escaninávia, via Dubai... o roteiro foi Moscou – Oslo (avião) – Estocolmo (avião) – Helsinki (ferry) – São Petersburgo (trem) – Moscou (trem). Moscou e principalmente São Petersburgo são cidades lindas, principalmente São Petersburgo, que sem dúvida nenhuma é um dos lugares mais bonitos que já conheci. Porém, viajar a Rússia é muito complicado. Detalho abaixo problemas que tive: - Arrombaram minhas malas e furtaram coisas nas DUAS vezes que decolei de Moscou (Aeroporto de Domodedovo - para Oslo, e na volta para Dubai), e não somente a minha. Tinha uma fila de passageiros do meu vôo no balcão de reclamação da Emirates em Dubai no meu retorno, todos com malas sem o puxador do zíper (sim, não adianta ter cadeado com chave universal – eles arrombaram os puxadores, mais “prático”) e semiabertas. Todos os passageiros quando viram as malas arrombadas, obviamente as checaram alí mesmo no aeroporto, e faltavam coisas nas malas. Na minha mala, perfumes, um HD externo (confesso que fui burro em ter despachado mas OK), e uma camisa faltando. Na mala de uma britânica, perfumes, maquiagens, sapatos. Os demais, não esperei prá ver. Fora o dano com a mala em si. Cia aérea não se responsabiliza por bens extraviados de mala despachada, saibam disso. Isso foi no aeroporto já na minha volta, vou voltar um pouco no tempo agora, contar do dia-a-dia, tanto em Moscou quanto em São Petersburgo: - Pouquíssimas pessoas falam inglês nas ruas (se tiver mais que 40 anos, necessariamente não fala inglês). Sinalizações em Inglês são pouquíssimas. Pegar metrô, trem, pedir informação é algo muito complicado prá não dizer quase impossível. Se fala algum inglês em hotéis, restaurantes (só os melhores), lojas de souvenirs, e só. Sou bem viajado, já estive nos lugares mais remotos do sudeste asiático inclusive, e mesmo nesses lugares nunca tinha visto nada parecido. Um “hello”, um “trank you”, nada disso é falado. Pegar o trem de São Petersburgo para Moscou foi um pesadelo. Ninguém podia dar informação pois não falavam inglês, os paineis com os trens e plataformas estavam escritos somente em Russo, minha sorte é que o trem que peguei era o “bala” deles, um trem diferente, o localizei correndo pelas plataformas. O ticket foi comprado pelo concierge do hotel, também estava somente em Russo, porém eu sabia o vagão e assentos já que ele me escreveu separado (comprar ticket na estação – impossível). - Eu sempre tomo cuidado para não generalizar qualquer coisa. Mas se tratando de russo, posso dizer que é um povo grosso e estúpido na sua enorme maioria. Te tratam mal, te olham feio, não fazem questão nenhuma de ser legais com o turista, mesmo que por mímica (único meio de comunicação na maioria das vezes). Te empurram se vc não estiver com a pressa deles, furam fila na tua frente ao perceber que é turista. Experimente entrar em uma loja e não comprar nada prá ver a gentileza deles. Ao perguntar “do you speak English”, parece que estamos os ofendendo, viram as costas prá vc e respondem algo em Russo que pela cara deles não é algo gentil. - Todo o turista é tratado como suspeito de alguma coisa. Em toda a loja tem um segurança brucutú que o segue prá onde for dentro da loja, ou se não o fizer, fica de olho em você... mesmo nos hotéis tem. Péssimo, é uma sensação de ser um ladrão em potencial. - Não existe táxi como conhecemos na Rússia, pelo menos não em São Petersburgo nem em Moscou. O que existem são carros normais (alguns identificados, na maioria “Ladas” ou carros caíndo aos pedaços) que páram e perguntam se quer carona, e cobram o quanto quiserem, não existe taxímetro. E você tem que ter um mapa de ruas com destino bem assinalado em mãos (esses taxistas, ou melhor, motoristas, na sua maioria não falam nem entendem inglês) e com as ruas escritas em russo (há dificuldade deles em conseguir entender um mapa, mesmo sendo o mapa da cidade deles, com ruas escritas em letras romanas). O que eles sabem dizer é “four hundred”, ou o preço da viagem que vc terá que pagar. - Rússia não é um país seguro, tome cuidado para onde vai dependendo do horário. Muitas ruas escuras, muita gente mal encarada. - Depois da bomba que explodiu em Domodedovo, embarcar por aquele aeroporto ou em qualquer outro no país virou um tormento. Você passa por um primeiro Raio-X antes de entrar de toda sua bagagem, uma fila enorme, e é revistado por um Policial estúpido (ah, esqueci de falar – todo Policial, além de não falar inglês é extremamente estúpido. Se você precisar da ajuda de um policial, considere-se lascado). Despachada a bagagem, passa por mais 2 raio-X até entrar no avião, inclusive o polêmico que o vê “na intimidade”. Bem, resumidamente é isso. Se ainda assim alguém aqui fizer muita questão de ir a Russia, sugiro que o faça somente a São Petersburgo, que é mais bonita e tem povo menos ignorante que Moscou (menos ignorante não quero dizer "não ignorante"). Tenha um dicionário Português ou Inglês – Russo em mãos sempre, e não tenha absolutamente NADA de algum valor nas malas, mesmo uma roupa melhorzinha. Esteja preparado para “absorver” ou “relevar” possíveis (ou melhor dizendo, prováveis) estupidezes. Não sou adepto a viagens com guia ou pacotes CVC da vida. Mas se tratando de Rússia, receio que essa seja a melhor forma de visitar o país. Em tempo, estou falando da minha viagem e de Russos da Rússia. Se você fez uma viagem prá lá, não teve problemas nenhum, bacana, sorte sua. Se você tem amigos russos excelentes pessoas, eu também tenho, de novo, estou falando dos “locais”. Abraço a todos!
×
×
  • Criar Novo...