Ir para conteúdo

andre amaral

Colaboradores
  • Total de itens

    378
  • Registro em

  • Última visita

Tudo que andre amaral postou

  1. O bonde 10 sai do aeroporto pra estação central direto e demora uns 35 minutos. Agora, de trem é o mesmo preço e bem mais rápido.
  2. andre amaral

    Amsterdam

    Dá uma olhada no www.9292o.nl , mas pra esse itinerário, ou pega o ônibus 197, que é praticamente direto, ou o trem até Amsterdam Lelylaan e, de lá, o Tram 1.
  3. Uma visita bacana, mesmo para quem não é chegado em cerveja é a Cervejaria Cantillon (http://www.cantillon.be). Fica a uns 15 minutos caminhando a partir da Grand Place e é quase igual a como era em 1900, quando foi fundada. A Cantillon fabrica cervejas tipo Lambic, uma cerveja exclusiva da região de Bruxelas. Diferente das Lager (baixa fermentação) e Ale (alta fermentação), a Lambic tem fermentação espontânea: eles deixam o mosto descansando por uma noite em um recipiente aberto para que as leveduras que estão no ar ajam sobre ele e fermentem. E essa levedura da Lambic só tem na região do Rio Seine, que cruza Bruxelas. Custa R$ 10, você passeia pelo meio da produção completamente artesanal e ainda tem direito a dois copos de degustação. No total, é coisa de 1:00h a 1:30h de visita.
  4. andre amaral

    Amsterdam

    Em outubro, o clima varia muito na Holanda. Espere chuva e uma temperatura na casa dos 5oC a 18oC; por outro lado, os parques ficam muito bonitos com o outono. Pra ir do aeroporto ao centro, o mais fácil é pegar o trem: a estação de trem fica dentro do aeroporto de Schiphol e a viagem sai € 3,90.
  5. andre amaral

    Bruges

    Nas proximidades de Bruges, quem gosta de cerveja tem que visitar a Westvleteren, que fica a uns 70km de distância, perto da fronteira francesa. A Westvleteren é uma das 6 abadias trapistas que fazem cerveja na Bélgica e a mais exclusiva delas. As 3 cervejas da Westvleteren são vendidas apenas na própria abadia, mas só consegue sair de lá com uma caixa quem agenda com antecedência e dá placa do carro e tudo. Pra turista, que não consegue fazer isso, há o In De Vrede, um bar/restaurante que fica em frente e onde se vende essa preciosidade. Dá pra comprar umas poucas garrafas pra levar, também.
  6. andre amaral

    Amsterdam

    Só cerveja e vinho.
  7. Boa sorte na jornada. Só me permita discordar de uma coisa: fotos não são pra mostrar pros outros. São também, mas o outro vê uma vez e pronto. Eu pego hoje fotos do meu primeiro mochilão pra Europa, há 15 anos, e viajo de novo. As imagens, as recordações, são pra nós mesmos; com o tempo vemos que nossa memória não é tão infalível.
  8. andre amaral

    Amsterdam

    Kleber, dá pra pegar um trem de Schiphol (o aeroporto) pra Amsterdam Centraal e dar uma volta pela cidade. Talvez pegar um daqueles barcos que fazem passeio pelos canais (saem da frente da estação) que ajuda a ver mais coisa em menos tempo. É pouco pra conhecer bem Amsterdam, mas é melhor que ficar parado no aeroporto.
  9. Felipe, deixe sempre sua picape com vidros abertos e destrancada quando estiver megulhando. Obviamente, sem nada de valor dentro. A dica é estranha, mas é isso: eles sabem que o sujeito está mergulhando e se estiver trancada, vão quebrar os vidros da picape pra ver se tem algo dentro. O carro em si não roubarão.
  10. Sobre a questão Crise e Turismo, dois pontos interessantes: - Apesar da crise estar pegando bem mais pesado pesado no sul da Europa, o que mais ouço nas ruas em cidades turísticas é gente falando espanhol (e com sotaque característico da Espanha) e italiano. - Sim, Portugal, Irlanda ou Espanha estão numa situação mais grave, mas a noção de crise do europeu é muito diferente da nossa. Eu falo pra eles como eram as coisas nos anos 80 e 90 (hiperinflação, troca da moeda de 3 em 3 anos, essas coisas...) e eles acham que estou mentindo. Mesmo os tombos que passamos com crise do México, da Argentina, da Rússia e do caramba até meados dos anos 2000, o que se vê aqui é fichinha perto disso. Bem ou mal, as coisas funcionam, os serviços públicos continuam excelentes, há confiança nas instituições e tudo mais. Os problemas maiores são desemprego (e olha que viver desempregado aqui, é outra história) e o bando de arauto do apocalipse que aparecem na vida política.
  11. Opa, boa ideia. Quem tiver alguma dúvida sobre Holanda e Bélgica fora do mainstream, posso ajudar. Estou em Eindhoven, sul da Holanda, pertinho da fronteira com os vizinhos do sul. Já que a ideia é jogar conversa fora... impressão minha ou a crise não tem afetado tanto o turismo na Europa? Tudo quanto é canto que vamos, vemos voos, hoteis e cidades sempre cheias.
  12. andre amaral

    Barcelona

    Quatro dias é uma boa conta. Quando fui, fiquei 5, mas um deles numa day trip para Girona e Costa Brava, e deu pra conhecer legal.
  13. Pra quem estiver vindo pra Holanda e Bélgica esses dias e pretende usar os trens entre as duas, prepare-se. Em dezembro, o serviço regular foi substituído pelo Fyra, um serviço de alta velocidade que melhoraria o transporte entre os dois países. O antigo InterCity foi desativado, mas o novo Fyra está um caos: trens danificados pela neve e gelo, linha com problemas e o serviço entre Amsterdam e Bruxelas altamente prejudicado, com muitos atrasos, cancelamentos e baldeações de ônibus em alguns trechos. Está uma revolução entre políticos, ferroviários, população e as empresas de trem. Na melhor das hipóteses esperam regularizar tudo em 3 semanas, até lá, quem precisar pegar um trem, vai ter qu ter muita paciência.
  14. andre amaral

    Bruges

    Nessa, passe pelo 't Brugse Beertje (literalmente O Ursinho de Bruges... http://www.brugsbeertje.be/index_en.htm), que possui uma carta de cervejas bem extensa. Também faça uma visita na cervejaria De Halve Maan, onde fabricam a Brugse Zot e a Straffe Hendrik. A visita em si é muito bacana.
  15. Obrigado pelas dicas e sugestões, mas a viagem ficou adiada pro final do ano, quando será mais fácil termos as semanas necessárias. Valeu!
  16. Só um adendo também: Place de La Bastille, não tem nada pra ver lá, é uma praça comum. Já que está nas cercanias da Notre Dame, dê uma volta pelo Quai de St Michel, nas margens do Sena.
  17. De Amsterdam a Bruges, pode comprar na hora; veja horários no http://www.nshispeed.nl. De Bruges a Londres, compre antecipado. Não sei se você compra direto Bruges-Londres, pois certamente passará por Bruxelas. Portanto, veja horários a partir de Bruxelas; de Bruges pra lá, também dá pra comprar na hora e tem trens horários, se não me engano; veja em http://www.b-rail.be
  18. Metrô, não tem pro Vondelpark, mas tem bonde e vários devem fazer o trajeto a partir da AMS Centraal, que é ponto final de quase todos os bondes da cidade. Pra saber qual, veja no http://www.9292ov.nl/en. Os bondes saem todos da frente da Centraal, alguns do lado esquerdo, outros do direito, só vendo na hora.
  19. andre amaral

    Amsterdam

    Heitor, tem trem de AMS Centraal pra Schiphol a madrugada toda, só diminui a frequência pra 1 por hora. Dá uma olhada no http://www.ns.nl. Pra barzinhos em geral, a maior concentração é na Leidseplein, mas não saberia recomendar nenhum específico pra altas horas.
  20. Carioca, é só uma questão de rebalancear: seus dias 1 e 2 estão muito cheios. Dias 4 e 5 bem vazios, mas esse balanço talvez você faça por lá. Eu acho que vale bem a pena subir no Arco do Triunfo, ver o alinhamento da cidade e a loucura do trânsito na rotatória. Não conte em entrar rapidinho no D'Orsay: além da linda arquitetura, é um museu que atrai mesmo quem não gosta de arte, é pra se perder no mínimo dos mínimo, 1:30h.
  21. Até 17/02/13 está ocorrendo uma exposição dos Guerreiros de Terracota de Xian, no prédio da Bolsa (Bourse), ao lado da Grand Place. Quem estiver por lá nessa época, vale bem a pena.
  22. Não sei a Olympus, mas sobre as Canon: são duas câmeras excelentes, pelo menos os modelos anteriores (eu tenho uma S90 e já usei um pouco uma G10 da minha sogra). A série G é claramente mais câmera, com mais recursos, mas a série S (e isso me fez decidir por ela) é mais compacta, cabe num bolso de calça jeans, e ainda tem boa parte dos recusros da G. Se um tamanho compacto é importante pra você, sou mais a S100. Se não for fundamental, a diferença de preço paga a melhor qualidade da G12. Você teve a chance de manusear ambas? Enfim, no dois casos, ótimas compras.
  23. Para comer, duas dicas fáceis: - Perto do Grote Markt/Grand Place, vá na Petit Rue des Bouchers ou Korte Beenhouwersstraat (Ruela dos açougueiros): é um restaurante atrás do outro com menus a diversos preços. Melhor lugar para um típico Marisco com Fritas, além de outros pratos. - Na região da igreja de Santa Catarina, mais ou menos perto da Grand Place, também tem um monte de restaurante, um atrás do outro, especializados em frutos do mar.
  24. Bom, deixa eu contribuir com algumas coisas interessantes, mas menos citadas por aí: - No Parc du Cinquantenaire - que por si só, vale a visita - subindo até o Arco do Triunfo, naquela praça tem o Autoworld, um museu de carros antigos com mais de 300 modelos em exposição e boa parte deles, dos anos 40 pra trás. Não precisa nem ser aficcionado por carros pra gostar. - Um parque bem agradável de dar uma volta, ao lado do Cinquantenaire, é o Parc Leopold. - Museu de Belas Artes, com muito de arte flamenga dos séculos XVI a XVIII. Junto, tem o Museu Magritte, de arte moderna, mas não visitei. - Uma caminhada interessante é saindo do Parc Bruxelles, pela Rue Royale, passando pelo palácio real, praça Grand Sablon, o parque Petit Sablon (esse, muito bacana), de quebra a catedral do Sablon, chegando no Palais de Justice. Dali, desce o elevador para a parte baixa e siga a Rue Haute até a Porte de Halle e seu pequeno parque, última parte da antiga muralha da cidade que sobrevive. - Ouvi falar muito bem do Museu Horta, a casa que morava o arquiteto Victor Horta, um dos maiores nomes da Art Nouveau. - Além do Delirium Bar, o mais recomendado de Bruxelas, mesmo, vale uma ida ao Bar Mort Subite, que tem um clima totalmente oposto, mais para um café parisiense do século XIX.
×
×
  • Criar Novo...