Ir para conteúdo

VitorFTM

Membros
  • Total de itens

    41
  • Registro em

  • Última visita

Tudo que VitorFTM postou

  1. Comprei para fazer o Circuito O de TdP por conta própria. Comida para 4 dias que durou 9. Vantagens: - Tabela nutricional relativamente boa para o tipo de comida; - Absurdamente leve; - Textura e gosto muito bom; - Praticidade (basta despejar água fervente, mexer e aguardar. Pouco sujeira e dá pra fechar caso queira comer mais tarde também); - Diversas opções de sabores/comidas; Desvantagens: - Não se acha pra vender em qualquer lugar; - Preço elevado; - Necessidade de possuir bastante água disponível nas trilhas devido à quantidade de sódio elevada; - Complementação de calorias. O que eu fazia? Fazia o café da manhã e comida metade na hora, metade mais tarde. Mesma coisa com almoço, sendo que complementava com alguns doces de alto valor calórico (paçoca, bananada, etc. Isso ajuda moralmente também hehehe) Acho que é isso. abraço
  2. Compramos la. O que levar daqui, vai perder. Comida liofilizada eh tranquilo. Soh explicar para o rapaz da aduana. O que nao pode eh comida in natura, enlatados, etc.
  3. Cara, lembro que paramos lá quando fizemos a base das torres. Um alfajor xexél que tinha lá custava em torno de 7 reais! Como havia sobrado um dinheirinho e estávamos no último dia do circuito "O", resolvemos mandar bala ehehe
  4. Hahahahaha o pior que é que estava muito bom (ou eu estava com muita fome kkkkk) Levem sim. salame é uma boa, para quem come carne, claro
  5. Se for comprar no quiosque deles, vai pagar uma paulada! rs
  6. Olha, sendo que eles já falaram, eu levaria uma comida seca só pra suportar esse dia nesse camping. Lembro que lá tinha lugar pra fazer comida. Frescura tirarem
  7. Água você encontra em todo lugar! Eu bebia de qualquer água corrente que visse. Mas lembre-se, sempre corrente! Eu sugiro uma garrafa de 1 litro. A cada uma ou duas horas você encontra água! Coragem ir em outubro! hahaha Depois relata aí pra saber pelo que passaram! Não. Fui para os EUA e aproveitei para comprar. Na verdade eu já tinha desistido, mas apareceu uma promoção que não deixei passar rsrs. Na real não precisa de comida liofilizada. Ela só eleva o moral! Se quiser economizar mais ainda, leve bastante comida calórica. Chocolate, salames, macarrão instantâneo, etc Eu cheguei a comer ovos mexidos com leite condensado! hahahahaha Naquele momento, pra mim, estava uma delícia!
  8. Balela... pode cozinhar sim. Tem umas mesas de piquenique lá. Só proteger a chama do vento e manda bala!
  9. Pessoal, sugestão: 1º Tracem um Plano B (El Calafete, El Chalten, Ushuaia, etc). Essas 3 "empresas" são ABSURDAMENTE enroladas e problemáticas. Palavras de quem passou perrengue. 2º: Fiquem calmos e vão tentando ligar, mandar msg no FB, e-mail. Se não conseguirem nenhum retorno, levantem a possibilidade de fazer um trecho maior num determinado dia.
  10. 8º dia: Camp Francês - Camp Central Esse dia foi um dos mais tranquilos. Acordamos sem pressa, pois sabíamos que a variação de altura ao longo do trajeto seria tranquilo e a distância seria de apenas 15 km. Pegando um bom dia ensolarado, esse percurso é absurdamente bonito! Com a maior parte do tempo margeando o Lago Nordenskjold, fomos fazendo várias paradas para fotos e descansos. O objetivo era chegar no Camp Central para passar a noite, com tranquilidade. Não iriamos tentar subir até a Base das Torres no mesmo dia. Não valia a pena e a chance de pegar o céu nublado aumenta da metade do dia em diante. Além do mais, é uma subida cansativa e vale a pena pegar o nascer no sol na trilha. Mas voltando à parte do Francês ao Central... Durante a trilha, tem um trecho que chega praticamente na água. Aproveitamos para encher as garrafas, mas não aconselhamos isso. A maior parte de todo o circuito, a natureza oferece água corrente vindo do degelo das montanhas. Água muito mais limpa que essa do lago. Inclusive, ouvimos relatos de pessoas que tomaram essa água e ficam com diarreia todo o resto do período (ninguém vai querer ficar assim acampando né? rsrs). Felizmente não tivemos nenhum azar desse tipo. No circuito W, como já falado, mais estruturado, tem até uns chalés com vistas para o Lago. Não sabemos o preço. No dia que passamos não havia nenhum atendente por conta da greve... Chegando no Camp central, começamos a observar o glamour daqueles que vão só passear no fds por lá. Nem quisemos saber o preço kkkk Assim que nos apresentamos e fizemos o check-in para a área de camping, fomos comer e tomar um banho. Nesse lugar o banheiro é MUITO bom! Chuveiro quente e bem gostoso. O único problema era que algumas pessoas deixavam a porta aberta e acabava circulando um vento absurdamente gelado. Ah, nesse lugar NÃO TEM LUGAR para cozinhar. Chegamos ao ponto de fazer um "castelo" de pedras em volta do fogareiro porque o vento castigava sem parar!
  11. @norma.soto Então, 18km num dia está tranquilo! Só saírem bem cedinho que a quantidade de horas com sol vai ajudar muito! Sem contar que quanto mais cedo, mais tranquila pode ser a caminhada e mais pontos de descanso. Em P.Natales ficamos num hotelzinho que achamo no booking. Nada de mais... café fraco. Como provavelmente você vai sair cedinho no dia que for para TdP, qualquer um que tenha uma cama e chuveiro quente será suficiente rsrs Era uns 50 reais a diária nesse hotel. De boas até
  12. Olha, foi tudo em cima da hora, tudo. É tudo uma bagunça, pra ser sincero. Foi questão de poucos dias antes, mas o site funcionava numa boa, apenas não tinham vagas mesmo. Já deixamos um segundo plano pronto também, caso nao conseguíssemos.
  13. Nos grátis você entra no site da CONAF ( http://www.parquetorresdelpaine.cl/en/sistema-de-reserva-de-campamentos-1 ). A reserva, quando fizemos, sai na hora. Você recebe no e-mail a confirmação. Detalhe: tenha sempre impresso e impermeabilizada. Nós só tivemos que apresentar uma única vez, que foi pra conseguir continuar a trilha entre o Serón e o Refugio Dickson, mas pode ser que te cobrem em todos os lugares. É uma quizumba essas empresas, incluindo a CONAF, que é governamental. Vale a pena ter tranquilidade e paciência. No pior dos casos, faça como nós: apareça direto na empresa lá no Chile ou tente ligar. E tenha até um plano B, do tipo seguir para El Chaltén e não perder a ida até a Patagônia...
  14. 7º dia: Paine Grande - Camp Francês Esse foi outro dia bem tranquilo. Fizemos uns 10km apenas. O dia começou bem frio e com o vento relativamente calmo. Assim que abrimos a barraca, uma vista magnífica com as montanhas ao fundo e o lago Pehoé em frente: Esse é um trajeto bem plano, o que permitiu que economizássemos energia para a subida ao Vale Francês. A maior parte do trajeto é assim, sem[re contornando as montanhas: Essa noite iríamos pernoitar no Camp Francês e não compensava ir até lá para deixar as mochilas e subir o Vale Francês. Mas não tem problema!!! No próprio Camp Italiano, ao lado da Guarderia, tem um lugar que todos deixam as mochilas. Apesar de não ter quem fique olhando ou de ficarem abrigadas, não sentimos insegurança, tendo em vista que a maioria das pessoas que por ali passam, já estão com uma mochila. A Infraestrutura do camp italiano é bem fraquinha. Tem um lugar para se acampar (um pouco mais retirado do caminho que todos os turistas tem que fazer para subir ou não o Vale Francês), uma ou duas mesinhas para cozinhar e um abrigo do vento, que não é fechado, para se aquecer/cozinhar: Após fazermos a refeição, guardamos tudo nas mochilas que ficariam ao lado da guarderia e seguimos apenas com a mochila de ataque e uma refeição dentro. Vale ressaltar que essa subida castiga um pouco devido à grande diferença de altura que se tem em poucos metros de trilha e de que no começo o trajeto é todo em cima de pedras soltas. A quantidade de turistas também atrapalha, já que existem muitos idosos e as trilhas são muito estreitas. Aqui, já deixo a dica para quem fará a subida no mesmo dia que sair de Paine grande: Saiam bem cedo de Paine Grande ou então podem ter problemas para chegar até o final. Nós, por pouco, não estouramos o horário limite para sair da trilha do Francês. Não sei como, mas quando estávamos descendo, havia gente subindo ainda. Provavelmente, se chegaram até o final, na volta tomaram alguma bronca dos Guarda parques rsrs. Uma sugestão de tempo que leva para se fazer a trilha e os horários que o caminho se fecha: Em poucos km de trilha, já se pode olhar para trás e ter uma vista maravilhosa (pena que o sol sempre deixa a desejar no vale): No final do vale, no mirador, tomem MUITO cuidado com a neve e a lama. Fica MUITO escorregadio e a chegada até o mirador é um pouco íngreme. Vimos muitas pessoas caindo. Nessa hora o bastão ajuda bastante! Nessa foto panorâmica não dá pra perceber muito, mas é uma visão 360 de todo o vale. Se tivesse sol, seria outra beleza à parte! Durante a descida, foi a hora que os joelhos começaram a gritar. A descida foi MUITO tranquila/lenta pra tentar poupá-los o máximo possível, sabendo que ainda tinha a subida até a base das torres daqui dois dias. **Tínhamos programado para subir o Vale Francês apenas no dia seguinte, mas como vimos que chegamos cedo, acabamos adiantando a nossa subida. Com isso, ganhamos um dia de tranquilidade Após a descida, pegamos nossas mochilas e prosseguimos para o pernoite no Camp Francês. Teríamos que andar uns 2 ou 3 km ainda, mas era um trajeto bem plano, o que ajudou nas dores. Chegando no acampamento, era uma decepção atrás da outra: Não havia atendentes. Devido ao baixo valor do salário, os trabalhadores estavam fazendo greve. Vale ressaltar que nesse acampamento são raros os lugares para instalar a barraca no chão. A maioria é em cima de plataformas, pois o terreno é bem inclinado. Por isso, se sua barraca usa estacas apenas, sugerimos levarem vários pedaços de Paracord ou qualquer tipo de corda para que consigam amarrá-la. Depois disso, saímos procurar um lugar para cozinhar: Praticamente não existia lugar abrigado do vento. O que achamos batia muito vento e tínhamos que ficar em pé (isso meio que é o de menos, mas todo mundo quer, depois de um dia de caminhada e com o joelho estourado, comer num lugar abrigado do vento e sentado né? rsrs). Infelizmente, no dia seguinte, achamos uma mesa entre os banheiros. Ajudava na questão de comer sentado, mas não no vento kkkk O banheiro ficava muito longe do acampamento. Então cada ida tinha que ser o mais eficiente possível. Na hora do banho, ao abrir a torneira, senti que a água havia esquentado um pouco... nessa hora comecei a ficar feliz. Pra quê... em 30 segundos a água esfriou. Mais 15 segundos a água esquentava, e assim foi, até que desisti do banho quente. Maaaaaas já que estava cheio de shampoo na cabeça, tomei na água gelada mesmo. Pra ajudar a esquentar, ficava pulando de baixo do chuveiro hahahahaha. Foi o tempo suficiente pra tirar o shampoo e colocar uma roupa quentinha!
  15. Tá seguindo abaixoooo! hahahaha Bom pessoal, continuando então! Desculpem pelo vacilo... 6º Dia - Grey - Paine Grande Depois de termos sobrevivido ao pior dia do parque, demos continuidade no trajeto... Como já dito, esse acampamento era relativamente bom. Como já havíamos passado boa parte do circuito em acampamentos piores, nem nos importávamos mais com isso. Tendo abrigo do vento pra poder comer com tranquilidade, já estava suficiente para nós! É no Camp Grey que se faz possível chegar com o Catamarã! Não sabemos o preço, mas provavelmente não deve caber num bolso mochileiro hahahaha Como faz parte do circuito "W", o Camp Grey já possui algumas facilidades, como loja de conveniências, loja para aluguel de barracas, sacos de dormir e isolantes térmicos. Enquanto tomávamos café da manhã para poder seguir na caminhada, vimos uma raposa passeando tranquilamente próxima ao refeitório: Depois do café, hora de por o pé na estrada! Nesse trajeto existia um mirador que era possível olhar parte do Glaciar Grey, mas como estava muito frio e ventando, acabamos desistindo de tirar fotos. Apenas contemplamos a paisagem O interessante dessa parte é a quantidade de árvores queimadas que havia. Alguns quilômetros de floresta destruídas faziam com que o vento castigasse a maior parte da caminhada: É nessa parte que se começa a encontrar muitos e muitos turistas fazendo o circuito W. Havia um lago bem bonito que não consegui traduzir na foto pela falta de luz. Observem o tamanho das ondas/marolas devido à força do vento: O lago no fundo já era o Lago Pehoé, próximo do Camp Paine Grande: Chegando em Paine grande, fizemos nosso check-in, necessário para entrar na zona das barracas. Eles entregam uma etiqueta com a sua data de entrada e a de saída daquele acampamento. Apesar disso, não vimos ninguém verificando as tais etiquetas. Como já dito, a infraestrutura do circuito W era infinitamente melhor do que do "O". Para quem não consegue se desligar e esquecer o mundo por alguns dias, existe até a possibilidade de acessar o Wi-Fi a uma preço pouco acessível hehehehe E para quem vai fazer um bate-volta, seguem os preços do aluguel de equipamentos e refeições para a época que fomos: O local de refeições era muito aconchegante. Dispunha de muitas mesas e era uma excelente local pra bater um papo com pessoas diferentes Nesse refeitório, um guia havia feito diversas torradas com geleia que mais pareciam as nossas tapiocas, mas abertas. Entretanto, para a nossa felicidade, as turistas que eles acompanhavam não gostavam e ele saiu oferecendo para as mesas ao lado. Como estávamos mais próximos, nos ofereceu várias vezes, mas como estávamos sendo "educados" pegamos apenas uma vez e não parávamos de ficar secando a bendita torrada hahahahaa. Era MUITO boa. Acho que foi o maior arrependimento da viagem kkkk. Ou seja, quando oferecem, comam mesmo! kkkkk Depois de comermos, fomos montar nossa barraca. Existe um cercadinho que apenas as barracas deles poderiam ser montadas, mas como não atrapalharia e era um dos únicos locais abrigado do vento, montamos a nossa ali dentro também: Vale lembrar que no Camp Paine Grande o vento castiga muito! Vimos várias barracas "se desfazendo" (quebrando, envergando, rasgando). Como disse anteriormente, procurem um local mais abrigado possível e não permitam que o vento entre por baixo da barraco ou ela dificilmente resistirá! Na nossa, cercamos as saias laterais com essas pedras da foto! Lição aprendida desse dia: Se alguém está te oferecendo algo porque "sobrou", aceitem e não fiquem com vergonha!! kkkk Ou vocês também se arrependerão quando bater aquela fome antes de dormir.... kkkkk To be continued.... (Dessa vez eu JURO que não haverá esquecimento rsrs)
  16. Sugiro comprar por lá! Indo para TdP, meu amigo perdeu uns 4kg de salame. Apesar de ser alimento processado, oferece riscos e o Chile é beeeem chato com isso. É basicamente o mesmo preço do Brasil, fica traquila
  17. Olha, o vento vai ter sem parar, mas com um corta vento qualquer já resolve a vida. Lembre de se vestir em camadas! Acho que em novembro estará mais frio ainda do que dezembro/janeiro. hehehehe
  18. Olha, tranquilo ir solo... não tem estresse nenhum. Trilha muito bem sinalizada. A ideia de contratar alguma equipe seria apenas para levar seus equipamentos, coisa que eu particularmente não gosto. Mas isso é gosto. Precisar não precisa Só aconselho que, se pegar uma nevasca igual pegamos, regresse e não complete o trajeto sozinha. Qq coisa até se junte a algum outro grupo que esteja passando, mas em hipótese alguma vá sozinha.
  19. PESSOAL, me perdoem pelo vacilo. Tive uns problemas pessoais e acabei esquecendo. Vou continuar o relato de acordo com as anotações! Novamente, desculpem-me vamos que vamos Também! E elevei uma básica 18-55mm. Olha, tripé é muito trabalho e espaço que ocupa e o vento raramente vai deixar voce trabalhar bem com um tripé rsrs. Abraço Passei sim, tranquilo. O cara só parou e perguntou o que era. Eu disse que era tipo um "miojo" ou macarrão, só necessitando colocar água.
  20. Bom pessoal, depois de deixar de relatar diversos mochilões porque demorava a escrever e esquecia muuuuitas informações, resolvi começar logo o relato dessa trip que eu e meu amigo (Diego) fizemos para esse lugar absolutamente incrível que possuímos aqui do ladinho de nossas casas!!! O objetivo desse relato não é apenas o de passar as informações, mas de tentar MOTIVAR o maior número de pessoas a irem a esse local que é FANTÁSTICO e que AINDA (mas em processo de) não é sugado pelas empresas. Fiquem a vontade para tirar QUAISQUER dúvidas. Se algo ficou meio difícil de entender, só falar que tento explicar de outra forma EDIT 1 (28/07/18): ADICIONADO MAPA DA TOPOGRAFIA E DISTÂNCIAS Nesse mapa abaixo, as estrelas vermelhas são os possíveis locais de entrada no parque. Exceto a seta que está escrito "Camp Fracês", que é um acampamento que não estava plotado no mapa! O QUE LEVAR? Pra dar um norte a alguns que não tem ideia do que levar, aqui vai a lista do que levei e do que poderia ter deixado para trás ou levado a mais: - Mochila Quechua de 75L; - Mochila de ataque levada no peito (não façam isso de levar uma mochila na frente, por favor kkkkk. Foi a pior burrice por um lado, mas por outro a câmera estava a todo momento protegida e de fácil acesso. Todavia, se eu voltasse lá, não faria isso kkkk); - 2 bastões de caminhada (ajudam ABSURDO, ainda mais para passar em determinados locais inundados ou com barro); - Comida liofilizada Moutain House (MUITO boa, mas não é fundamental), salame, chocolate, frutas secas + amendoim; - Barraca Azteq Nepal 2 (frente a outras que vimos por lá, aguentou ABSURDAMENTE bem); - Isolante inflável Thermarest; - Saco de dormir North Face Aleutian (Conforto: -3ºC, Limite: -9ºC e extremo: -28ºC. Um bom saco de dormir faz sua noite ser absurdamente agradável. O Diego usou um que não era para temperaturas tão baixas e passou algumas noites de desconforto); - Capa protetora da mochila (que se foi com o vento e é desnecessária. Como já tive vários estresses despachando mochilão, resolvi colocá-la para despachar e passei um rolo de papel filme – aqueles de comida mesmo – em volta, mas não adiantou. A proteção já chegou com alguns furos no destino); - Fogareiro JetBoil (muito bom pra economia de gás, praticidade, fazer um chá/café de forma bem rápida (e na “potência” mínima do gás), levando de 2 a 3 minutos para ferver 400ml de água com temperatura entre 0 e 5ºC); - Corta vento (superior e inferior); - Máscara facial + touca (grazadeus o Diego tinha um sobrando, pois esqueci o meu rsrs) - Luvas (nos salvou de voltar para casa com todos os dedos, mesmo que ainda não estejam 100%); - 2 Fleece (um eu nem usei e sumiu L. Ou seja, 1 dá conta do recado) - 15 cuecas (-.- ... isso se deve a um aperto que passei em uma viagem, mas TOTALMENTE desnecessário essa quantidade. Umas 5 ou 6 já está ótimo); - Calça térmica (te permite usar uma bermuda por cima, daí nos locais que começa a esquentar demais – dentro de florestas –, fica bom, não aquece muito); - Duas bermudas (aquelas de academia – uma seria o suficiente); - 6 Camisetas (3 ou 4 seriam suficientes); - Botas de caminhada (ajudou MUITO. Não faria de forma diferente); - Chinelos (ao chegar ao acampamento, ajudam a deixar o pé “respirar”); - Óculos de sol - Kit Emergência (diversos remédios, agulha e linha “cirúrgica”, tesoura, pinça, etc); - Kit Banho + creme hidratante (Isso ajuda MUITO a noite antes de dormir. A pele fica absurdamente seca devido ao vento incessante) - Protetor Solar (Não usamos muito, mas dependendo do dia pode ajudar bastante); - Chapéu pra proteger do sol (nem encostei nele, kkkk. Era o tempo todo de touca e máscara); - Lanterna de cabeça (Foi totalmente desnecessária, mas numa emergência pode ajudar. Lá temos em torno de 16h de luz, então 22:30h ainda está relativamente claro); - Kit de fotografia (T5i, 18-55mm, 70-200mm, limpa lentes – importante -, duas baterias – não foi nem metade de uma –, carregador, adaptador, 2 SD card de 16 gb cada e 1 de 32 gb. No total foram umas 1300 fotos em .RAW) - Sugiro colocar separadamente as coisas de dentro do mochilão em SACOS DE GELO, isso mesmo. Tudo ficará impermeabilizado e você não terá que se preocupar com isso pelo resto da viagem (lógico que eu não fiz isso – vacilei –, mas o Diego fez e teve uma tranquilidade absurda com relação à chuva durante todo o circuito). A MOTIVAÇÃO: Essa vontade de conhecer Torres del Paine veio depois de fazer um mochilão pela Patagônia (chilena e argentina) há 4 anos atrás. Eu e minha esposa fizemos algumas trilhas em El Chaltén, visitamos El Calafate, etc. Durante as pesquisas, me interessei por TdP, mas como estávamos com pouco tempo para esse mochilão, resolvemos deixar para outra vez, mas JUREI que iria voltar e fazer o circuito O um dia. AS EMPRESAS: Vocês não podem deixar de saber que antes de ir pra lá, vocês precisam de antecipação, planejamento e muita, mas MUITA paciência. Lá existem 3 empresas para se reservar as áreas de camping ou os “lodges”. São elas: Fantástico Sur, Vértice Patagonia e CONAF, sendo esta última governamental e responsável pela gestão de vários parques nacionais, incluindo TdP. Definidas as datas dos voos de ida e volta, começamos a correr atrás das reservas dos campings. Nesse ponto, vale um adendo: · O Circuito O só pode ser feito no sentido Anti-horário. Logo, deve-se fazer as reservas dos campings nesse mesmo sentido. Conseguimos fazer as reservas com a Fantastico Sur sem problema algum. Não havíamos decidido por nenhum acampamento da CONAF (que são de graça, todos). As reservas que faltavam eram apenas as da VERTICE PATAGONIA e é aí que começa a dor de cabeça. Um a dois meses antes da viagem, começamos a fazer as reservas. Inicialmente a Vertice estava com a página em manutenção. Ao voltar, possuía um sistema de reservas pelo próprio site, mas que desde o primeiro dia (literalmente), não funcionava. Então, a outra forma seria enviando um e-mail com o número de pessoas, data e locais que gostaria de reservar e, se eles lessem o seu e-mail, te responderiam com o passo-a-passo para realizar o pagamento. Bom, enviávamos o e-mail e nada. Como foi chegando o dia do voo de ida, começamos a procurar informações no Tripadvisor e lá uma pessoa havia informado que eles possuíam mais 7 e-mails. Começamos a bombardeá-los com e-mails, mas não obtivemos nenhuma resposta (havia a confirmação de leitura, mas não nos respondiam). Apesar de vermos várias pessoas mudando as datas da viagem ou até cancelando o voo, decidimos ir e lá procuraríamos a agência física da empresa (nem o telefone eles atendiam). Caso não conseguíssemos fazer a reserva pela Vertice, faríamos apenas o circuito W (que já estava reservado pela Fantastico Sur) e iríamos para El chaltén, uma cidadezinha argentina bem pequena e aconchegante que fica a 400km de Puerto Natales e que tem vários trekkings de dificuldade variada e de vários dias, ou seja, tem para todos os gostos! Dia 1 – Porto Alegre – Punta Arenas – Puerto Natales Embarcamos em POA para a conexão em Buenos Aires e Santiago com a ideia firmada que iríamos tentar chegar à cidade e ir à agência física da Vértice (o Google informava que estava permanentemente fechada e não atendiam o telefone. MAS, não confiem nesse tipo de informação do Google!!!). Bom, como desgraça pouca é bobagem, o voo de POA para Buenos Aires atrasou e perdemos a conexão para Santiago!!! Maravilha, que mais podia dar errado?! Maaas há males que vem para o bem! Nesse meio tempo de espera no aeroporto de Buenos Aires enviamos mais um e-mail para essa maldita empresa e embarcamos para Santiago. Eis que, ao pousar em terras chilenas, abrimos o e-mail e vimos uma resposta dizendo que nossas reservas estavam feitas mas para garanti-las teríamos que pagar em 48h. Como chegaríamos em Puerto Natales no dia seguinte, deixamos para efetuar o pagamento in loco e não ter mais nenhum estresse. Aqui vale ressaltar sobre a aduana chilena que são bem chatos com comidas e/ou qualquer coisa de origem vegetal ou animal (eu já havia sentido na pele isso alguns anos atrás). Sabendo disso, resolvemos declarar o que trazíamos e deixar que eles decidissem. Foi nessa que o Diego perdeu 5 salames que estava trazendo para o circuito. Segundo o fiscal, o salame era defumado e só poderia entrar se fosse COZIDO. Comigo ele perguntou o que eram as comidas liofilizadas e eu disse que eram como o macarrão instantâneo (vulgo miojo ahaha). Mesmo fazendo uma cara de desconfiado, deixou passar. Passamos a noite no aeroporto de Santiago e embarcamos pela SkyAirline para Punta Arenas. · Sugiro, quando forem pegar voos domésticos no Chile, procurar por esta empresa. Apesar de não darem nenhum lanchinho (kkkk), pagamos US$120,00 Santiago-Punta Arenas (ida e volta/pessoa). Ao chegar no aeroporto de Punta Arenas, havia um ônibus indo para Torres del Paine direto do aeroporto, mas não tínhamos pesos chilenos suficientes (deixamos de trocar no aeroporto de Santiago e no de Punta Arenas não tem casa de câmbio. Aquela famosa economia porca, pois poderíamos ter trocado o suficiente para o ônibus e, em Puerto Natales, trocaríamos o resto). Então, saímos perguntando o preço para ir para o centro da cidade e ouvimos dois israelenses pechinchando com um taxista. O Taxista pedia 10.000CLP. Sugerimos que dividíssemos o valor em 4 pessoas e todos aceitaram. · Em Punta Arenas não existe uma rodoviária única a todas as empresas. Cada uma possui a sua “estação”, a sua garagem e você precisa ir naquela que irá pegar o ônibus. Ao chegar à cidade, trocamos R$900,00 a 190CLP/real, uma boa cotação e que não acharíamos mais. Todavia, a cotação do dólar pouco variou de Punta Arenas para Puerto Natales (algo em torno de 5 a 10 pesos/dólar). Trocamos o dinheiro e saímos correndo para a Buses Fernandez. Por sorte, o ônibus ainda não havia saído. Acabara de fechar as portas, apenas. Pedimos pelo amor de deus para que abrissem e nos deixassem entrar kkkkk. Com cara de bravo, deixaram. Durante o trajeto havia wi-fi no ônibus, mas era pago. E caro. Nos cobraram 8.000 CLP/pessoa o trecho. Todas as empresas giram em torno disso, não tem muita diferença não. Chegamos em Puerto Natales 3 horas depois, numa viagem LINDA. Sugerimos que se mantenham acordados hehehehe. Deixamos nossas coisas no hostal Vaiora, que já estava reservado (US$20/pessoa). Um hostal bem simples, mas limpinho e aconchegante. Erramos o caminho ao chegar. Começo do treinamento. Andamos 1km para o lado errado, mais 1km para voltar, mas pelo menos vimos esse fucking Dog fotogênico hahaha · Vale lembrar que ao pagar em dólar, não existe a necessidade de pagamento de 19% do IVA (desde que mostre o papel que recebeu na entrada ao país), um imposto que eles deixam passar para incentivar o turismo e para aumentar a quantidade de dólar americano no mercado chileno. Na sequência fomos direto à Vertice fazer o pagamento da reserva (fica na Calle Manuel Bulnes, 100. Há duas, mas a certa é essa). Ao chegarmos, os atendentes estavam lá tranquilões, como se nada estivesse acontecendo. Milhares (literalmente) de pessoas desesperadas e eles super de boa, mas ok. Dissemos que queríamos fazer o pagamento da nossa reserva para o circuito O. Inicialmente a atendente não levou a sério (não acreditou que tínhamos a “autorização” daquela reserva), então mostramos o e-mail deles próprios. Pagamos e fomos fazer as compras de equipamentos que nos faltavam. Compramos um bastão, caneca com mosquetão (super indico. A caneca era FODA. Não sabemos dizer como, mas as bebidas quentes que fazíamos nela simplesmente NÃO PERDIAM CALOR hahahaha. Também pela facilidade de deixa-la pendurada e a qualquer água corrente que víamos no circuito, parávamos para beber), poncho da NTK (pelo amor de deus, não comprem isso!!! Material de péssima qualidade. Rasgou inteiro nos 20 primeiros minutos de trekking) e gás. Aproveitamos para passar no supermercado e na loja de frutas secas para comprar as guloseimas que faltavam. · A loja de frutas secas é excelente! Tem muitas variedades e num preço bem acessível. A loja chama Itahue e fica na Rua Esmeralda, 455B. Voltamos para o hostal, deixamos tudo, tomamos um banho e saímos para jantar. Mandamos uma pizza, mas cabiam duas kkkkk. Voltamos para arrumar as mochilas e dormir. Dia 2 – P. Natales – Torres Del Paine (1ª noite: Camping Serón) Pegamos o ônibus na rodoviária por volta das 07:30 e chegamos na entrada da Laguna Amarga umas 9:20. Ao chegar, todos devem desembarcar do ônibus e fazer a entrada no parque. Nessa etapa, pega-se uma fila enorme (todos os ônibus chegam juntos). Se der sorte de ser dos primeiros ônibus, ótimo, caso contrário vai esperar um pouquinho. Caminho para TdP: Após todos fazerem a entrada e o pagamento (21000CLP ou uns US$35 – aceitam os dois), todos devem assistir a um vídeo de 2 minutos aproximadamente, falando tudo o que pode e o que não pode fazer no parque, inclusive o valor e pena das transgressões. Após isso, todos voltam para os ônibus. Os que vão ficar na Laguna Amarga já podem pegar suas mochilas e iniciar o trekking ou então pagar 3000CLP para pegar outro ônibus que andará por 15 minutos (7,5km) até a área do Camping Central/Las Torres. Fora isso, o ônibus que estava lá parado espera os que vão para as outras duas entradas (Pudeto ou Sede Administrativa) voltarem para seguir viagem. Chegando à entrada da LasTorres tem uma lojinha com alguns artefatos de trekking, para aqueles que esqueceram de algo ou para os que tem muito dinheiro. Desde esse momento percebemos como as coisas seriam absurdamente caras em qualquer lugar dentro do parque!!! Por exemplo, uma coca-cola de lata de 350ml custa 2000CLP, algo em torno de 11 reais. Uma bolacha menor que Trakinas também tem o mesmo valor. A única coisa que eu vi que era RAZOÁVEL de se pagar (mas não era barato), foi no Camping Grey, que tinha um chocolate Prestígio por 500 CLP, algo em torno de 3 reais. Não comprei, me arrependi, pois não haveria outra oportunidade desse tipo kkkkk. Bom, começamos então em direção ao Camping Serón. É meio complicado de achar o caminho inicial. Não tem NENHUMA placa indicando a direção (algo que constatamos depois, foi que o Circuito O por ser menos procurado/turístico, não tem a mesma infraestrutura do W, mas essa foi a melhor coisa que poderíamos ter! J). Ficamos esperando ver se haveria algum fluxo de pessoas para algum lugar e em alguns minutos achamos o caminho. Começou uma leve subida e, nossa fiel e inseparável CHUVA. Como ainda estávamos sem experiência no que se trata de patagônia, desesperamos e começamos a colocar os anoraks e o bendito poncho (aquele que indiquei para não comprarem). Mas por que comprei essa droga? Para proteger a mochila com material fotográfico que estava no meu peito. Foi só eu colocá-lo e puxar a cordinha do capuz que começou o rasga rasga. Então peguei o que sobrou desta droga e só embrulhei a mochila (6300CLP jogados fora). No final do dia iríamos perceber que não precisa desse desespero. A chuva que cai, juntamente com o clima seco e o vento forte, não é o suficiente para molhar. O que molha já seca em segundos/minutos. E todo o resto da viagem foi usando esse aprendizado, ou seja, não colocávamos mais o anorak para proteger da chuva ou neve, mas sim do vento. O caminho do Central para o Serón é bem tranquilo. Em alguns momentos tivemos que atravancar pelo mato porque estava impossível de passar pela trilha. Muito barro! Uma das coisas que ajuda a ficar assim é que muitos cavalos vão até o Serón e isso piora absurdamente a trilha, mas nada que impeça de continuar. O tempo previsto era de 4h, mas fizemos em umas 5h, fomos bem tranquilos nesse primeiro dia. Chegando no camping, largamos as mochilas num canto, definimos onde iríamos montar a barraca, a montamos e fomos comer. Nesse camping existem algumas plataformas para se montar a barraca, mas não sabemos se era para todos ou teria algum preço diferenciado (eu particularmente não gosto. Como é em campo aberto – diferente do camping Francês que só tem plataformas mas é dentro da floresta –, facilita que o vento destrua a barraca se der uma rajada muito forte e entrar por baixo da plataforma, pois ela é como se fosse um estrado de cama). Após comermos e descansarmos um pouco, demos uma andada pela área. Há um local abrigado para cozinhar, algo que ajuda bastante!!! Os campings que não possuíam isso, juntando-se ao fato de o vento não parar um segundo, faziam com que preparar a comida se tornasse algo trabalhoso e chato, já que é um momento de socializar e descansar. Após jantarmos, fomos dormir e, algumas horas depois, começou uma chuva constante que seria nossa companheira até acordarmos. Pontos negativos desse lugar: Havia UM banheiro e UM chuveiro para mais de 20 pessoas. O banheiro estava em estado deplorável... o chuveiro não sei se era quente. Não tomamos banho esse dia. 3º Dia – Camp Serón – Camp Dickson Bom, deveríamos acordar 06:00h (depois percebemos que era desnecessário), mas ficou uma chuvinha tão boa desde a meia-noite que não conseguimos acordar. Acordamos umas 07:30h e ficamos enrolando dentro da barraca até as 08h. Esse dia andaríamos bastante, cerca de 19km (~6h), mas o nível de dificuldade era tranquilo, uma vez que a maior parte seria com pouca variação de altitude (mínimo de 170m e máximo de 330m). Levantamos, arrumamos todas as coisas e deixamos só a barraca por desmontar, torcendo pela chuva parar de cair (o que mais baixava o moral era guardar a barraca com chuva, pqp! Kkkk). Enquanto comíamos, a chuva parou! Como a barraca estava molhada da chuva e de manhã é sempre bem frio, foi difícil enrolá-la, as mãos doíam de tanto frio! Mas vamos que vamooos. Nessa parte do circuito o rio Paine nos acompanha a todo o momento pela direita e também tem umas belas montanhas no começo, mas com o tempo nublado pouco conseguimos ver. Rio Paine: É nessa trilha que fica a Guarderia Coirón que vai verificar se você possui reserva no Dickson para poder prosseguir no Circuito O. Não possuindo, o guarda parque te mandará voltar. Paramos diversas vezes para comer, descansar, observar. Como sempre, chega uma hora que o vento cansa, porque não para... então ele te obriga a pegar a trilha novamente hehehe. Esse dia foi o primeiro dia que sentimos o peso da mochila. O trapézio já estava pedindo um intervalo. Como só faltavam uns 4km fizemos uma longa parada pra descansar e tirar algumas fotos! Valeu muito a pena... O Camp dickson dá pra ver de longe. Fica num lugar bem plano, circundado pelo Rio Dickson. Quase no final da trilha tem um “mirador” que se consegue ver as construções do camping, o lago e o glaciar ao fundo, mas pra chegar lá ainda tem uma subidinha bem tranquila, mas uma descida íngreme. O bonito desse lago é que diversos icebergs se desprendem do glaciar e vem parar pertinho do camping. Com uma boa luz do sol dá pra tirar ótimas fotos! Pensamos em brincar um pouco e entrar no lago, mas nessa área o vento é bem mais forte do que havíamos pego até então e como todos sabem, o problema não é NA água, é depois de sair dela kkkkk. Assim que chegamos fomos ver se tinha água quente e... TINHA! Um lugar bem apertado, mas sem problema algum. Não batia vento!! Kkkk Tomei um banho rápido, montamos a barraca e saímos bater umas fotos e conhecer os arredores. No Camp Serón não lembro de ter nada a venda; já no Dickson tinha alguns biscoitos, chocolates, etc, coisa bem básica mesmo. Nada de refeições. Voltando das fotos fomos jantar. Era mais ou menos assim as refeições: eu fazia um pacote liofilizado pela manhã, comia metade no café e guardava a outra metade para a trilha (tem um sistema ziploc na própria embalagem). Durante a trilha comia a outra metade e algumas guloseimas. A noite fazia um outro pacote para a janta e um chá bem quente antes de dormir, elevava o moral ABSURDAMENTE! fikdik heheheh. Após isso, fomos dormir e já concluímos que a medida que íamos para traz das montanhas (pensando no sentido da chegada), a temperatura diminuía e o vento aumentava. Essa noite o vento castigou, pois é uma região com árvores num dos lados, mas de onde vem o vento não tem nenhuma barreira. Dormimos mal pra caramba, mas logo logo acostumaríamos com o vento. Detalhe: No Camping Dickson, não há local abrigado para se fazer a refeição. Existem várias mesas espalhadas, mas nenhuma construção para se abrigar do vento. 4º Dia – Camp Dickson – Camp Los Perros Bom, esse dia acordamos com uma tranquilidade absurda. Teríamos que andar apenas 9km, cerca de 4h. Começamos a rotina de arrumar tudo e guardar a barraca. Aproveitamos a manhã de sol para tirar umas fotos do lago Dickson e da geleira ao seu fundo, mas as nuvens como sempre impediam a luz do sol de deixar o lugar mais bonito. Café da manhã no Dickson: Não faz maaaaal!!! O lugar já era maravilhoso por natureza! Essa caminhada foi excelente. Só o comecinho que pega bastante, pois é uma subida relativamente íngreme e parece que não acaba nunca! 90% da trilha é dentro de bosques, ou seja, algumas horinhas sem o vento de arrancar o couro da gente! A paisagem se alterna entre muitas árvores e as montanhas nevadas ao fundo e quando as copas dão uma brechinha...fica mais ou menos assim: Quase chegando ao Camp Los Perros, começa novamente uma subida, mas o problema dessa subida é que é SÓ PEDRA!! Isso acabava cansando um pouco e forçava as articulações. A dica nesse trajeto é fazer com bastante calma e tranquilidade. Fazer algumas paradas ajuda a descansar e a aproveitar a vista! J Esse trajeto é sem vento, mas quando se chega na parte mais alta, aí segurem seus gorros, óculos ou o que tiver solto: ao subir sobre a colina para observar o glaciar Los Perros ao fundo do lago, virá uma rajada de vento que desce da ravina e passa por sobre o lago, atingindo essa colina! Já na parte mais alta e pouco antes de chegar ao acampamento, tem uma geleira ao fundo. Pequena, mas com sua beleza. Uma seta dizia que o caminho estava fechado. Fomos ao acampamento deixar as mochilas e fazer o “check-in” e foi nesse momento que o guarda-parque daquele camping falou que o Paso John Gardner estava fechado e não deveria nos deixar passar, mas como já havíamos chegado até ali, seria a mesma distância de voltar e, por fim, acabou nos deixando seguir o circuito. Glaciar: Como chegamos muito cedo no acampamento e não tinha mais o que fazer, veio o ócio e, todos sabem, “mente vazia, oficina do capiroto”. Resolvemos desconsiderar o aviso e fomos até o mirador que fica em frente ao glaciar. Perigo, na real, só tem se você der mole. Basicamente é um terreno íngreme com muitas pedras soltas, à beira de uma grande queda. Se for sempre jogando o corpo para dentro do terreno e “sentindo” o chão antes de jogar o peso todo, sem problemas. Fomos, voltamos e ficou tudo bem. Seguimos para o acampamento. Esse camping é excelente! Não bate um vento, pois fica no meio das árvores. Durante a noite você ouve o vento chegando pelo barulho das copas e espera a hora de atingir a barra (como era em qualquer outro camping), mas a melhor parte é que ele nunca chegava! Hahahah. E você pode dormir tranquilamente. A partir desse dia comecei a me “acostumar” com o vento na hora de dormir, mas mesmo assim o sono não melhorou muito. Essa era a noite que teríamos que dormir o máximo possível e com mais qualidade, pois no dia seguinte seguiríamos até o Camp Grey, que daria um total de 24km (11h de caminhada, pelo mapa), incluindo a transposição do famoso e temido Paso John Gardner. 5º dia – Camp Los Perros – Camp Grey (o dia da emoção) Acordamos depois de uma noite relativamente bem dormida. Estava bem frio e chovendo, mas as árvores seguravam um pouco a água. Arrumamos as mochilas e fomos tomar café. Nós já sabíamos que esse seria o dia mais difícil (só não sabíamos que teríamos uma surpresa: uma nevasca) de todo o circuito, então comemos bastante no café da manhã e já deixamos tudo preparado para o meio da trilha. Assim que fomos tomar o café, percebemos, em cima de uma das mesas, um verdadeiro BANQUETE, com direito a tudo que imaginarem, TUDO. Naquele momento algo chamou nossa atenção: Meu deus, como alguém resolve trazer tanta comida assim para esse circuito?!?!?!? Nós estávamos contando cada grama de comida e equipamento e eles trazem tudo isso? Bom, foi nesse momento que observamos o seguinte: · Existe uma forma de contratar uma EQUIPE para fazer esse circuito O com você (ou com um grupo). Sempre vai, junto ao grupo, um guia e um ajudante. Além disso, existem mais 3 “sherpas” (sim, o mesmo nome daqueles que carregam os equipamentos dos que querem escalar o Everest) que só são responsáveis por carregar o geralzão. Como assim? Quando o grupo sai, eles ficam para trás desmontando as barracas, sacos de dormir, etc. Quando terminam, começam a correr (LITERALMENTE) até o próximo camping, para chegarem antes do grupo e montar tudo que tiver que montar. Eles levam quilos e quilos de comida e equipamento, cozinham e preparam lanches para o dia seguinte (separados em sacos ziploc) para cada integrante do grupo. Não temos ideia do quanto se paga por isso, nem perguntamos, mas não deve ser barato... Após tomarmos café, vimos vários desses guias desmontando as barracas e as levando para dentro do refeitório para que secassem e posteriormente dobrassem. Resolvemos fazer o mesmo. Já na saída do camping começam as subidas. Estas, que seriam nossas fiéis escudeiras ao longo de todo esse dia de caminhada kkkkk. Esse comecinho é totalmente dentro de um bosque, então estava bem tranquilo. Foi aí que começamos a ver granizo no chão. Já começamos a imaginar que logo logo veríamos neve. Não deu uns 20 minutos e começou a nevar sobre a gente! Maior felicidade kkkk À medida que subíamos começamos a ver maior acúmulo de neve, o que começava a dificultar a trilha. Continuamos na trilha que estava bem sinalizada, mas em um determinado momento acabamos pulando uma estaca laranja e chegamos num lugar que passava um rio por baixo do gelo! Já viu né? Frio, água e pé não combinam NADA! Paramos e começamos a olhar em volta... a estaca que então havia sido deixada para trás, estava mais para baixo e fomos até lá para evitar esse rio. Após alguns minutos de caminhada, começamos a nos dar conta do quão difícil seria o trajeto: um vento absurdo (ainda algo em torno de 60 a 70 km/h) já dificultava o nosso progresso mesmo sobre pedras e uns 30 cm de neve. E o que acontece quando se junta neve caindo e vento forte? Você não consegue olhar para a frente! O que acabávamos fazendo era seguir a trilha do grupo que estava à nossa frente (cerca de 300m), olhando para baixo, no máximo procurando a próxima marca laranja que indicava o caminho a seguir. Continuamos subindo e subindo... Não acabava nunca!!! Víamos o grupo com o guia no topo de uma montanha. Imaginávamos que aquele local seria o Paso ou estaria muito próximo dele, mas não. E pior, toda aquela neve batendo no nosso rosto, aquele vento baixando a sensação térmica e a neve acumulada aumentando, iam deixando o trajeto mais difícil ainda! Foi a partir de uma das placas que informa a distância e a elevação daquele local que a “brincadeira” começou a ficar séria... Já não víamos mais o grupo (com guia) que estava na nossa frente. As pegadas que deixavam na neve? Já haviam sumido! As estacas alaranjadas estavam começando a ficar encobertos pela neve acumulada. O vento? Só aumentava! Foi nessa hora que a CALMA falou mais alto. Paramos atrás de uma pedra, respiramos, pensamos e comemos. Retomamos a trilha... À medida que subíamos o vento aumentava numa proporção astronômica! Só conseguíamos olhar para baixo. Ao chegar numa estaca laranja, olhávamos para o horizonte, achávamos a próxima, baixávamos o rosto e íamos olhando para baixo. Lembram da subida? Ainda estava lá!!! Kkkkkk o peso das mochilas deixava TUDO mais difícil. À medida que pisávamos na neve, afundávamos. Na maior parte do tempo eram necessários dois passos no mesmo lugar para conseguir progredir. A neve estava na altura dos joelhos já. Num determinado momento o Diego, que estava na frente, parou e me falou que estava preocupado com suas mãos. Nesse momento, me dei conta que eu também tinha mãos! Kkkkkk a partir daí, também percebi que já não sentia a ponta de todos os dedos, mesmo com a luva. Primeiramente tentei achar o problema, pensando que a luva estivesse molhada, mas não! Era a neve acumulada, juntamente com o vento, que estava baixando a temperatura. Tirei a neve, coloquei as duas mão atrás da mochila que estava no meu peito e comecei abrir e fechar as mãos. Em alguns minutos havia voltado ao normal e falei para o Diego fazer o mesmo. Entretanto, à medida que usávamos os bastões para nos ajudar na neve (e acreditem, eles fazem uma diferença ABSURDA nessa situação), as pontas dos dedos voltavam a doer absurdamente. Mantivemos o ritmo. Mais pra cima? Mais TUDO! Mais vento, mais neve... e vocês já sabem. Devido à nevasca não conseguíamos ver além de 15m e aqui deixo a minha crítica ao parque: as estacas que indicam o caminho nesse trecho (O MAIS CRÍTICO DO PARQUE) são escassas. Em alguns momentos você tem que chutar uma direção e ir. O que nos ajudou numa das situações mais críticas desse trecho foi que a neve encobria as pegadas do grupo, mas os buracos dos bastões ficavam visíveis! Seguimos os buracos e logo em seguida achamos o caminho novamente. Chegando próximo do Paso, a preocupação com as mãos aumentava, mas outra coisa estava nos tomando mais a atenção: O vento. Simplesmente não conseguíamos avançar!!! Dávamos 3 passos para a frente e o vento nos empurrava 5 para trás ou nos derrubava! Vendo que não conseguiríamos competir com ele, começamos a engatinhar até chegar próximo de uma encosta rochosa onde o vento diminuiu e conseguimos chegar ao outro lado da montanha, aonde vimos o IMENSO Glaciar Grey, em toda sua infinita extensão. Após passar pelo topo o vento diminuiu consideravelmente. Sabíamos que a partir daquele ponto seria apenas descida. A partir de então foi o inverso. Era descida que não acabava mais! Em determinado momento, não era mais possível descer caminhando, de tão escorregadio que estava. Acabamos descendo de esquibunda kkkkkk. Nesse momento, juntamos a alegria de ter sobrevivido com as brincadeiras na neve. Enquanto descansávamos, um dos sherpas estava descendo (também de esquibunda kkkk), parou e nos ofereceu um chá quentinho. Aceitamos e conversamos um pouco. Ele disse que nunca havia visto essa parte do circuito, dessa forma. Era novidade para ele, mesmo já trabalhando nisso há alguns anos. Chegamos ao Camp Paso. Tinha uma infraestrutura bem básica. Fizemos um café, dividimos uma caixinha de leite condensado inteiro e recuperamos as energias. Energia recuperada, retomamos a descida. Nesse dia meu joelho começou a gritar!! Era descida que não acabava mais... Depois de algumas horas de caminhada, chegamos às pontes que são bem conhecidas (as pessoas que fazem o W pernoitam no Grey só para poder subir até essas 3 pontes que tem entre o Camp Paso e o Camp grey). O dono do hostel que viríamos a ficar em P. Arenas trabalhou para a Vértice e disse que antigamente no lugar dessas pontes, haviam escadas. Com o derretimento do gelo, a água descia e levava a escada embora. Assim, os guarda-parques iam lá e colocavam CORDAS temporariamente. Imaginem a dificuldade de subir, através de cordas, com uns 20kg a mais de equipamento, um barranco de uns 6m. Felizmente não são mais escadas, mas 3 pontes que balançam MUITO! Como estávamos cansados da travessia, a neve não parava de cair e o vento também não parava de soprar, acabamos passando meio que batido, sem ter apreciado muito bem essa parte. Depois de algumas horas de descida chegamos ao Camp Grey. Com uma boa infraestrutura, o Grey tinha uma cozinha bem espaçosa e fechada. O banheiro masculino eram duas privadas e duas duchas (chuto que o feminino era a mesma coisa). Bem pouco, pensando que esse Camping faz parte de uma das pernas do W e fica lotado de turistas. Mirador no Camp Grey: Não saiam daí! To be continued... hahahahah
  21. Tenho conhecimento da Nepal 2. Usei em TDP e ela aguentou de forma ABSURDA. Não condensava nada (talvez pelos fortes ventos), aguentou os ventos absurdos da patagônia, rapidinha de montar. Negativo: creio ser pesada demais para a necessidade de uma pessoa.
  22. Olha, no primeiro mochilão que fiz com a minha esposa, fizemos o Sul e o Norte do Chile. Sendo bem sincero, hoje vemos o quão amadores fomos (mas lógico que nunca achamos que foi tempo perdido hehehe. Foram cerca de 20 dias). Por que? Essa mudança do Norte para o Sul ou vice-versa, vai te fazer gastar MUITO mais (tempo - ônibus - ou dinheiro - avião). Pela nossa experiência e pelo que vimos depois de fazer diversos mochilões, aprendemos que é bem válido tentar conhecer as coisas mais próximas, por exemplo: Se você escolher ir para o Sul, pode chegar em Santiago e conhecer esta região já (alguns pontos mais conhecidos: Viña del Mar, Valparaiso, vale nevado, Cajon del Maipo, etc - mas existem MUITO mais escondido que também vale a pena). Após isso, segue para o SUL e faz TDP. Se achar que vai sobrar muito tempo, dá até para fazer El calafate e El chalten (Argentina) e não vai gastar tanto. Ou então faz a região central citada ali em cima e inclui o NORTE: Deserto do atacama e até um Salar do Uyuni. Essa é minha sugestão e você verá que não ficará com tempo ocioso, deixando de aproveitar ou gastando com deslocamentos gigantes
  23. Pessoal, se baseiem nesse relato! Usei diversas informações dele para fazer o Circuito Macizo Paine ("O circuit"). Logo logo farei o relato e espero contribuir 1% do que esse relato aqui contribuiu para a minha viagem! Parabéns pelo relato!
  24. Não sou o Heineken, mas fiz o Circuito O há alguns dias atrás. Tentarei te ajudar, rs. Não entendi muito bem a pergunta, mas se você quis dizer que chegará no parque (suponho que pelo Catamaran) por Paine Grande e então subir para o Camp Grey e pernoitar, é bem tranquilo. Agora, ir DIRETO do Camp Grey para o Camp Las torres, vai ser um pouco puxado se tiver com uma cargueira RAZOAVELMENTE pesada. Se estiver só se baseando em refugios ou campings e não estiver levando praticamente nada (tudo alugado já no local), aí é até que "fazível", mas vai ser "chutado". Já para sair do Grey e subir até o mirador da base das torres, vai ficar MUITO cansativo. Só pegar qualquer mapa disponível no google e ver as distâncias e tempo para fazer a trilha (são bem fidedignas as estimadas de tempo), vai ver que fica pesado. Espero ter ajudado!
×
×
  • Criar Novo...