Ir para conteúdo

Ariadne Maia

Membros
  • Total de itens

    3
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

0 Neutra
  1. 2ª parada : Edimburgo ( Escócia) Dia 1: Trem Londres- Edimburg Saimos do hotel bem cedinho e fomos em direção a estação London Euston para pegar o trem para Edimburgo. Pegamos um trecho de 2 horas até Preston e lá fizemos a troca do trem sentido a Edimburgo. No total foram 5 horas de viagem. Compramos as passagens pela Virgin Trains, achei a viagem muito boa e tranquila. Quando estávamos pesquisando sobre os meios de transporte, rolou aquela duvida se iriamos de trem ou avião. Enfim, a maior vantagem que vimos foi o preço tanto da passagem quanto ao fato de não ter problema de excesso de bagagem. Porém aconselho a chegar assim que possível no trem pois o local para colocar a bagagem não é muito grande e o ideal é que vc entre assim que liberado para garantir um espacinho para sua mala. Assim que chegamos na estação de Edimburg, fomos tratar de achar o Hostel. Ficamos no Haggis Hostel e já sabiamos que era bem pertinho da estação, dando para ir a pé mesmo. Assim que achamos, enfrentamos uma boa quantidade de escadas ( com malas grandes e pesadas) e já rolou uma pequena tensão. Na verdade eu já estava um pouco preocupada pelo fato do banheiro ser compartilhado, mas pasmem, me surpreendeu. Pegamos um quarto ( que cabiam ) para nós três. Para ter privacidade e não ficar preocupada com as malas. Ainda assim o valor valia a pena. Mas voltando a questão do banheiro, além de ser compartilhado, era fora do quarto. mas como disse, fiquei surpresa, banheiros muito limpos e branquinhos adorei. Não sofri nem um pouco e o chuveiro era top também. mas quando chegamos, nosso quarto ainda não estava pronto, então deixamos a bagagem e saimos para fazer um reconhecimento da área. Ficamos bem localizadas mesmo, muito próximo da Princess Street. Tinha de tudo um pouco, restaurantes, lojas de departamento, vista dos castelos... Almoçamos e demos uma voltinha pela área e mais tarde voltamos para o hotel para descansar. Dia 2: Conhecendo Edimburg Esse dia acordamos um pouco mais tarde e fomos encontrar o pessoal do free tour que sairia as 8:00. A maior vantagem do free tour( além de ser 0800), é que normalmente os guias te levam para locais bem turísticos mas com um toque especial. Passam por alguns lugares diferentes, contam a história que realmente importa. Eu fiquei apaixonada pelos becos da cidade, também conhecidos como “Close”. Você vai ver vários ao longo das ruas e sinceramente, se fosse por conta própria eu não entraria pelo simples fato de ser um beco. Mas depois de entrarmos em vários eu me apaixonei. Cada beco é um historia, é uma coisa diferente. Enfim, o tour não durou muito tempo não, foi por volta de 1 a 1:30 hr. De lá, retornamos no Museus Nacional de Edimburgo. O top do museu é ficar de cara com a ovelha mais famosa do mundo, a Dolly. Para os que não sabem, a Dolly foi o primeiro mamífero a ser clonado de uma célula adulta. O esquema do museu foi o mesmo dos de Londres, não é obrigatório pagar, mas eles contam com a sua contribuição. Depois, seguimos para as ruas, olhando lojinhas. Voltamos mais cedo pro hostel para nos arrumar para esse dia era o dia da maldade e a noite uma criança. A ideia era encontrar o pessoal do Pub Crawl, maaaas, chegamos um pouco atrasadas e não me lembro muito pq acabamos não seguindo com eles, o que foi ótimo. No final das contas acabamos resolvendo ir para o Frankstein Pub, que funciona numa antiga igreja ( pasmem). No caminho para o pub, passamos pela estátua do Greysfriars Kirk que foi feita em homenagem a um cachorrinho bem famoso da cidade. Chegando no pub, tava beeem animado , já tratamos de pegar uma cerveja ( 5 elizabeths cada), mas tá na chuva é pra se molhar né. Ficamos curtindo a musica até que para nossa surpresa, surge um Frankstein bem acima das nossa cabeças, muito maneiro. Foi a sensação do momento, todo mundo parado e olhando para aquela “pessoa” haha top. Dia 3: Conhecendo Edimburg Esse era o último dia de Edimburg e ainda faltava muita coisa para conhecer. A cidade é pequena, mas tem muita historia para contar. Logo cedo, tomamos café e fomos para o castelo de Edimburgo. Aconselho a chegar bem cedo. Nos chegamos cedo e já tinha muita gente na fila para comprar o ingresso. Pegamos um áudio guia que não foi dos melhores, mas era melhor do que nada. Pelo menos vai explicando algumas coisinhas. Separamos a manhã toda só para o castelo que realmente é gigante. Vale a pena. Depois pegamos a rua Lawnmarket e fomos em sentido totalmente oposto ao castelo que visitamos. No meio do caminho já foi rolando algumas comprinhas de lembrancinhas que não podiam faltar. E o melhor foi que acabamos encontrando com o escocês super mega caracterizado tocando a gaita de fole. Eu não resisti e fui lá tirar uma foto com ele. É até bem fofo eles manterem essa cultura das saias e no final do dia eu até sentia falta de escutar musica de gaita de fole, por mais sem sentido que ela tenha para mim, ele é bem animadinha. O lance das sainha é levado à serio. Aliás é até bem cara. E o xadrex nunca sai de moda!! Seguimos para o Palacio de Holyroodhouse que é nada mais nada menos que a casa de verão da Rainha. Tinha que pagar para entrar, mas sinceramente, já tinha estourado minha cota de Rainhas e castelos hahaha, já tinha vistos muitos até agora. De lá seguimos para a Calton Hill que é tipo um mirante da cidade. Super recomendo, a vista é maravilhosa tem um monumentos bem bonitos lá de cima também. Detalhe para o monumento do Nelson ( best friend da viagem). Não economizem nas fotos!!! Foi rapidinho, mas Escócia foi além das minhas expectativas. Voltaria fácil. No dia seguinte, pegamos um onibus direto para o aeroporto. Pegamos as informações no próprio hostel e o onibus passava bem pertinho que até fomos a pé. Informações importantes de Edimburg: Dá para fazer td a pé. Exceto o aeroporto lógico. Quando a valores, não achei nada absurdo, o mesmo que Londres. Tava bem frio , e não era para pouco, Edimburg fica bem ao norte. Teve dia que tava marcando 5º.
  2. Boa noite, Só passando para compartilhar minhas últimas ferias. Já tinha um tempinho que eu e minhas amigas estávamos pensando em fazer um passeio mais ousado, e ousado eu digo caro mesmo. Já tinhamos alguns locais em mente, mas a vontade de ir para o Reino Unido era mais forte. Logo começamos a fazer as pesquisas de datas e preços. Em resumo, só para vocês terem um noção do que foi a viagem: 11 dias , separados em: 5 dias Londres / 3 dias Edimburgo / 2 dias Dublin Passagem internacional pela KLM - R$ 3.000,00 Passagens internas - R$ 600,00 Hospedagem - R$ 1.500,00 Alimentação - R$ 1.000,00 Passeios e goods- R$ 1.300,00 Comprei a libra na cotação de 1 libra= 4,63 reais *Detalhe - Londres e Edimburgo a moeda é a Libra. Em Dublin é Euro 1ª parada : Londres Dia 1: Vôo Bh- Londres Pegamos um vôo saindo de BH, eu, Nathy e Paulinha. Vôo partiu BH- Galeão RJ-Amsterdã - Londres . Voo foi tenso entre RJ e Amsterdã, nunca tinha ficado tanto tempo num voo direto, se não me engano foram umas 12 horas. Pegamos um pouco de turbulência no inicio da viagem deixando td mundo meio tenso, mas no geral foi bem tranquilo. Fizemos o voo pela KLM empresa holandesa. Achei muito boa, bons assentos, filmes atuais, comida boa.Recomendo!! Chegando em Londres aeroporto Heathrow, pegamos nossas bagagens e iniciamos a saga para descobrir como ir para o hotel. Na verdade a minha amiga Nathy ( guia da viagem), já tinha feito algumas pesquisas que uma maneira segura e barata seria pegar o metro. Para quem não sabe, o metro em Londres passa por todos os lugares imagináveis da cidade. Assim que chegamos na estação do metro, providenciamos o Oyster Card. Ele é tipo um cartão coringa que serve tanto para metro quanto para os famosos ônibus vermelhos da cidade. Você paga 5 libras pelo cartão e faz um carga. No próprio totem tinha a sugestão de valor para a qtde de dias que fosse utilizar o cartão. No nosso caso, para os 5 dias, 30 libras foram o suficiente. E no final, quando estiver indo embora você pode retornar o cartão e recebe de volta as 5 libras, da aquisição do cartão, mais o que tiver de saldo no cartão, então ninguém sai no prejuízo. Como chegamos relativamente tarde e cansadas no hotel( umas 16:00), preferimos fazer um reconhecimento do local e descansar para aproveitar melhor o dia seguinte. Ficamos hospedadas no hotel Garden Court Hotel, super bem localizado e fica próximo das estações de metro Bayswater e Queensway que ficam no setor 1 do metro. Outro detalhe importante, quanto mais distante você fica do setor 1, mais caro voce paga de transporte e mais tempo gasta para se deslocar. Quando lia depoimentos, não conseguia entender muito bem isso, mas depois que você precisa se deslocar pra caramba e percebe que quer gastar mais tempo conhecendo os lugares do que ficar se deslocando no metro, então percebe que fez a escolha certa ficar bem localizado. Bom nesse dia ficamos próximo do hotel, conhecemos o Hyde Park que me deixou de queixo caído. Primeiro porque nem chegamos direito e já demos de cara com lindos esquilos de rabinhos felpudos correndo de um lado pro outro. Simplesmente incrível e tem alguns pontos turísticos no próprio parque. Depois do parque, comemos e voltamos pro hotel para descansar. Dia 2: Conhecendo Londres Iniciamos a saga para conhecer os famosos museus de Londres. Pegamos o metro, e não se esqueça de "MIND THE GAP", acredite que você não irá se esquecer dessa frase, pior que lavagem cerebral. A maioria dos museus é 0800, mas normalmente eles pedem uma ajuda, tem várias caixinhas que solicitam uma contribuição em troca do mapa. Como disse, você não é obrigado a pagar, mas os museus são tão legais que no final você acaba deixando alguma coisa para tentar manter esses lugares fantásticos. O British Museum que foi o primeiro de muitos, simplesmente incrível. Ficamos a manhã toda por conta de desvendar os mistérios do museu. Destaque para Roseta Stone( quem tiver interesse, vale uma pesquisa no google), história egipcia ( que eu amo) e história chinesa cheia de porcelanas MA-RA-VI-LHO-SAS além de roupas de samurais entre outros. Depois do museu, demos um pulo na estação de metro King's Cross que é onde fica a estação 9 3/4 do Harry Potter. Para não perder a chance, tiramos uma fotinha igual bruxinhas indo para Hogwart. Tinha uma fila considerável e as pessoas tiram pelo menos umas 5 fotos. Fato interessante que tem um "cachecoleiro" que fica segurando o cachecol que eles disponibilizam para tirar fotos, e em uma das fotos ele grita : "jump", e vc tem que dar um saltinho. já foi o suficiente para ficar zuando o resto da viagem. Como somos muito eficientes, de lá seguimos para o centro da cidade, também para fazer um reconhecimento básico e voltamos para o hotel. Dia 3: Conhecendo a Rainha Esse dia tiramos para conhecer alguns pontos turísticos mais conhecidos. Primeira parada : Abadia Westminster. Esse local além de existem a muito tempo, fundada no ano 960, é o local onde são realizados os casamentos e funerais de pessoas extremamente importante ( reis e rainhas). Sinceramente, achei caro ( 50 elizabeths), estava lotada de gente e não achei lá essas coisas. Mas como é ponto turistico e já que estava lá eu fui. O melhor de tudo é que nesse local já é possível ver um bonitão chamado BIG BEN e outro chamado LONDON EYE. Nesse dia específico tava um sol de rachar e nós estávamos todas empacotadas até o pescoço. Segunda parada : Depois da Abadia, seguimos para a troca da guarda no Palácio de Buckingham( leia casa da Rainha). Para quem pretende assistir, tem que ficar antenado dos dias certos. De maio a julho é todos os dias e fora desse período é em dias alternados. Outro programa de índio, eu tava doida para ver, mas quando chegamos lá, tinha mais gente do que eu poderia imaginar. Mas deu para se divertir vendo os soldadinhos com aqueles chapéus bem altos. Terceira parada: The National galery Mais um museus para a lista. esse museu se destacou com as belíssimas pinturas. Tem para todos os gostos. Destaque para as telas de Van Gogh lindas como sempre. Quarta parada : London Eye Para fechar o dia com chave de ouro, fomos assistir o por do sol na London Eye. O que me surpreendeu e que eu nunca soube, é que a London Eye tem uma propagando fervorosa da Coca Cola e pasmem, cabem até 25 pessoas em cada cabine. Então dai você já tem um noção do tamanho do bichinho né. Tem outras atrações perto, mas fomos apenas na London Eye msm. E assim, encerramos o dia, mortas de cansaço. Dia 4: Passeios por ai - Saint Paul's Cathedral Bom, esse dia já estava um clássico dia de Londres, bem chuvoso. Meus cabelos ficaram com vários frizz nas fotos. O primeiro passeio do dia e na minha opinião a mais linda, foi a Saint Pauls cathedral, local onde a princesa Diana se casou com o principe Charles. Eu não tenho palavras para descrever o quanto a catedral é linda. O ingresso também não é dos mais baratos, mas você tem direito a um audio guia que vai explicando sobre todas as histórias fantasticas da catedral. SUPER RECOMENDO. A próxima parada foi a mais distante, visita ao meridiano de Greenwich. Não vou mentir, foi longe para regaçar. Pegamos um barquinho pelo Rio Tamisa e fomos sentido a Greenwich. é como se fosse um bairro mais afastado de Londres. Tem a universidade mais fofa que já vi. Para tirar foto com o meridiano, vc tem que pagar para entrar no museu. Eles contam a historia do observatório e tem vários relogios mas a graça mesmo é tirar a foto com a linha do meridiano. Depois ainda deu tempo de tirar umas fotos mara com a London Bridge, com todo o seu charme e fechar o dia vendo o por do sol ao lado do Tamisa tomando uma cerva. Dia 5: Beatles - Abbey Road Para fechar a viagem, fomos na Abbey Road, rua famosa em Londres onde o Beatles tiraram foto da capa de um disco. Detalhe importante : Tem um estação do metro com o mesmo nome( Abbey Road), mas NÃO é a estação correta, pois fica a quase 15 km da rua. O certo é você descer na Estação St. John’s Wood e caminhar um pouco até a famosa faixa de pedestre. Ao chegarmos lá, nos deparamos com mais um monte de fã atravessando engraçadamente a faixa, dando aquela paradinha básica para a foto não ficar tremida. Felizmente os motoristas já estão acostumados e não ficaram tão furiosos como eu imaginava e respeitavam bastante a galera posando. Próximo do local, achamos apenas 2 lojinhas vendendo coisas do Beatles, mas foi o suficiente para comprar uma lembrancinha. Para fechar Londres com chave de ouro, fomos no Museus de Historia Natural que também me surpreendeu. Castelo lindo, com coisas lindas e fantasticas. Hora de tentar fechar as malas depois de tantas comprar e pegar o trem para a Escócia sua linda, próximo parada. Dicas: 1) Se você pretende gastar um pouco menos com comida, sugiro o Pret a Manger, é tipo uma lanchonete que tem lanches naturais, sucos e um croissant de chocolate que ulalá. 2) Nos horários de pico, o metro fica mais caro e LO-TA-DO. Eu fiquei um pouco sufocada de andar no metro no horario de pico, é muita gente, mas muita gente mesmo. 3) Os londrinos são super educado, quando eles veem que existe uma possibilidade de esbarrar em você, eles já pedem desculpa. Eu tive um pouco de dificuldade com o ingles britanico, eles falam meio enrolado mesmo, como se tivessem uma batata na boca. Tomar muito cuidado com a forma que falar com eles, você perguntar um WHAAAAT?? Eles não gostam muito, tente ser sempre muito educados, de preferencia já comecem a frase com um "I'm sorry". que eles já baixam a guarda e ajudam com o maior prazer. Agora mais uma visão geral: Eu tinha uma visão que Londres era uma cidade extremamente cara. Ok , não foi a mais barata que já fui, pra quem já foi para Bolivia, tudo além é caro. Enfim, Londres tem uma moeda forte, mas mesmo transformando para o real, não achei nada absurdamente caro e exorbitante. Com planejamento, dá para fazer uma viagem bem bacana e gastando pouco. E aqui finalizo esse post de Londres. Os demais fica para breve.
  3. Olá pessoal, Pela primeira vez resolvi postar umas das minhas viagens e contribuir com um pouco da minha experiencia. Bom, pra começar, porque escolhi Colômbia??? Era o que todo mundo que eu conhecia me perguntava, meus pais quase tiveram um treco. Pra quem não sabe, Colômbia, em especial as cidades na costa como Cartagena e San Andres que é uma ilha, são banhadas pelas águas do Caribe, não existe coisa mais linda. Bogotá acabou entrando no pacote por ser a capital. Bom, pra não ficar muito cansativo, eu vou dividir o post em 3 : 1ª parada : BOGOTÁ Dia 1: Vôo Bh- Bogotá Pegamos um vôo saindo de BH, eu, Nathy e Paulinha. Vôo partiu BH- GRU-BOG . Voo foi bem tranquilo. Chegando em Bogotá, já senti os efeitos da altitude( sempre sofro), então a dica é, andar devagar e de preferência deixar o resto do dia para descansar até o corpo acostumar. Ao aguardar as bagagens na esteiras, apareceram alguns policiais, cada um com um cachorro, farejando as malas chegadas do Brasil. Na Colômbia, pra quem não sabe, era dominada pelos cartéis de drogas, a coisa era feia por lá, hoje o governo mantem a paz na cidade, mas a presença de traficantes ainda existe, muito menor é claro. Trocamos alguns reais por pesos Colombianos. Eu tinha pesquisado antes a cotação do peso e pelo site estava R$1 = COP 690, porém ao chegar lá a cotação estava bem abaixo do que eu esperava, sendo R$1 = COP 574. Não se assustem, a moeda colombiana é desvalorizada, muitos zeros, td hora me confundia com as notas de 1.000 por 10.000. Enfim, pegamos as bagagens sem problemas e pegamos um taxi para o Hostel Los Andes. *DICA: Sempre dêem uma pesquisada de quanto é o valor aproximado do taxi até os principais pontos da cidade. Como eu já sabia que o preço de taxi até a Zona Rosa era aproximadamente COP 20.000 já fiquei esperta. O primeiro taxi que perguntamos queira cobrar COP 40.000. Depois de negociar e considerando que estávamos cansadas, aceitamos o valor de COP 30.000 ( equivalente a mais ou menos 52 reais) Chegamos no Los Andes Hostel, deixamos as bagagens e fomos procurar algo para comer. Aparentemente estava deserto, mas quando viramos a rua, tinha muitos barzinhos e restaurantes abertos, a famosa Zona Rosa. Comemos e voltamos para o hostel para dar aquela dormida. Sobre o Los Andes Hostel- Pequeno e familiar. Estranhei o teto baixo parecia estava batendo na sua cabeça. Ótima localização, contudo achei que deixou algumas coisas a desejar como por exemplo a pressão do chuveiro e nem sempre a água estava bem quentinha. O café da manhã também não era dos melhores. Se você preferir gastar a grana com passeios e outras coisas, é um lugar decente para ficar, mas sem luxos e sem frescuras. Dia 2: Candelaria - Centro Historico Depois de tomar o café, saimos para fazer um reconhecimento da área de dia, pois só vimos no dia anterior e muito cansadas por causa da viagem. Tinha muitas lojas como Forever 21, Guess, Zara e mais um montão de lojas de grife. Eu fiquei toda animada, pois tinha lido que na Colômbia era possível comprar coisas com preço muito mais barato que no Brasil, mas mero engano, tudo caro. Na Forever uma calça simples ( estilo que vc compra na C&A) estava saindo em torno de R$260,00 . Só ficamos olhando mesmo, fala sério. Pegamos um taxi pra ir para o museu do Oro, mas chegamos lá e estava fechado . Pra não perder a viagem, resolvemos mudar os planos e seguir para o centro histórico na Candelaria que fica bem perto. Nesse dia em especial, estava bem frio . Pra quem não sabe, Bogotá é sempre fria devido a altitude e nessa época do ano que é bem chuvosa parece que o frio fica pior. Com mapinha em mãos, fizemos uma parada no Museu do Botero que eu adorei Acabou que fizemos o centro histórico todo, é rápido. Recomendo visitar: Museo Botero, Cathedral Primada( Se estiver aberta), Iglesia Nuetra Senora del carmen( achei linda, parece feita de doce). Uma igreja que achei muito peculiar, mas foi ótimo sentar dentro dela foi a Iglesia de la Candelaria. Ela é extremamente simples, mas como eu curto construções ( sou engenheira civil) fico reparando em tudo. No mesmo dia, resolvemos dar um pulo em MontSerrat. Pegamos um taxi até lá, ficou bem baratinho. taxi na colombia é barato, mas sempre fique de olho e peça para o taxista ligar o taximetro. Montserrat é um lugar super alto onde é possível ver a cidade toda. Recomendo ir na parte da tarde, tem aquele charme de por do sol. Demos muita sorte pois o sol apareceu e não estava tão frio. Em outros post pessoal sempre recomenda que quando for para Montserrat ir bem agasalhado pois faz muito frio. Para subir, tem 2 opções: teleférico ou no funicular. O funicular descreveria como um bondinho que sobe um morro muuuuito ingreme. Até agora não consegui entender o funcionamento dele, mas enfim subimos nele pois o teleférico estava em manutenção. Ida e volta no funicular: COP 17.000 Tem a opção de comprar apenas a ida e depois descer por um caminho que tem lá, mas já vou avisando se você for descer a pé, aconselho ir com sapatos extremamente confortáveis pois é muito chão pra caminhar. Chegando no topo, além da vista incrível, tem um feira enorme que vai adentrando por um caminho por onde vc vê artesanatos e umas comidas estranhas como uns frangos beeem amarelos e no tempo, com algumas moscas voando nas proximidades eca Terminando a sessão de fotos e de apreciar a paisagem maravilhosa, foi hora de descer e pegar um táxi de volta para o hostel. Achei a Candelaria um pouco longinha da zona Rosa, mas o taxi foi relativamente barato deu COP 16.000 Dia 3: Zipaquirá - Catedral de Sal Pessoal, aqui vai a dica preciosa. Se você pretende ir para Zipaquirá, não precisa pagar a fortuna que cobram para ir. Nas minhas pesquisas eu fiquei sabendo que tinha passeios a custo de COP 220.000 de Bogotá para Zipaquirá e que era cilada Bino. Vou te ensinar um jeito fácil de chegar e melhor ainda a um preço quase de graça. Pegamos o Transmilenio que é igualzinho o MOVE de BH, sistema de onibus . A nossa estação era a HÉROES ( lê-se Rréroes para quem não sabe, por causa da pronuncia errada, ninguém me entendia). Pegue sentido Portel del Norte.( são 12 estações, mas os ônibus passam a cada 15 min e são bem rápidos, acho que não gastamos nem meia hora para chegar lá). Chegando na estação Portal del Norte, passa a catraca e procura pela placa para Zipaquirá. Na verdade chegando lá vc já vai ver um monte de gente gritando nomes de lugares inclusive Zipaquirá. Pegue um dos micro ônibus e relaxe. Dá aproximadamente 1h 10 min de viagem. Todos que perguntamos foram muito solícitos e nos ajudaram em tudo. É só perguntar qual a parada mais próxima para ir á Catedral de Sal. Descemos no ponto, a cidade pequena e já encontramos um ponto de informações turísticas. *Dica : Chegando nos lugares sempre procure por um ponto de informações turísticas e peça por um mapa.É sempre útil e vc não fica andando igual peru tonto na cidade para achar as coisas que vc quer fazer. Bom, como já estava próximo da hora do almoço, almoçamos na Praça de los Comuneros num ugar bem bacana na varandinha e depois seguimos para a Catedral de Sal. Depois de subir um mundarel de escadas, chegamos no local. Tem vários pacotes de passeio, mas com base em outros relatos e o fato de eu ser um pouco claustrofóbica, peguei o básico. Pra quem não sabe, a Catedral fica dentro de um mina de Sal, uma das maiores da América. Confesso que no inicio fiquei um pouco tensa, mas a mina é bem grande e bem segura. Fiquei boba de ver tudo o que vi lá dentro, tudo muito grande e maravilhoso, além claro de toda segurança. Há todo um monitoramento da Catedral, tendo em vista que a antiga, que era também numa mina desmoronou. Entrada na Catedral COP 25.000 aproximadamente. Sugiro levar uma água no bolso pois tem bastante coisa para ver. O passeio inclui uma guia que vai explicando tudo. Coincidiu que o restante das pessoas do nosso grupo também eram Brasileiros, então foi bom que a guia explicou com bastante calma e pausadamente, visto que espanhol rápido pra mim entra por um ouvido e sai pelo outro, não compreendo, fica tudo embolado. Durante o passeio é possível também comprar as famosas esmeraldas colombianas. Como esse não era o foco da minha viagem, não comprei, mas fiquei na vontade. Mas fica a dica, se for comprar, deixe para comprar em Cartegena. Lá o real vale mais e tem mais possibilidade para negociação uma vez que tem mil lojinhas vendendo e todas com certificação da esmeralda. Acabado o tour, voltando para o mesmo lugar onde havíamos descido do bus e pegamos o bus de volta para Bogotá. Lanchamos na regiao do hostel mesmo e cama. Dia 4: Museo do Oro Como no primeiro dia de passeio estava fechado, resolvemos voltar para o centro e visitar o Museo do Oro. fantástico, esse é um passeio imperdível. Chegando lá vc paga COP 3.000 e fique aguardando pelo passeio guiado. Se não me engano, eram dois horários com guia, 11:00 e as 14:00, mas é bom sempre confirmar antes pois eles podem alterar. A guia explica detalhe por detalhe, cada peça mais linda do que a outra. Além disso, muitas pessoas vão visitar o local, no dia que fui tinham várias excursões. Enfim, só vendo para entender o tão bacana que é. Depois do Museo do Oro, ficamos um pouco sem oque fazer, praticamente já tínhamos ido em tudo . Então demos mais um volta no centro histórico e voltamos pro Hostel para fazer umas pesquisas pro dia seguinte. Dia 4: Usaquen Como já tinhamos passeado nas partes recomendadas, decidimos ir pra Usaquen que é um bairro pertinho da Zona Rosa conhecida como o bairro gastronômico da região. Dizem que o bom mesmo é ir em Usaquen no Domingo que é o dia que tem feirinhas de comidas e muita festa. Porém como isso não era possível, fomos em plena quinta feira para comer comer e comer mais um pouco. Chegando lá, a idéia era tomar café da manhã na Rosconeria (MARA), já que tínhamos perdido o café no hostel. Mas a Rosconeria estava fechada , então tomamos café no Star Bucks mesmo e até assistimos um pouquinho da missa na igreja da frente. Depois sentamos num dos bancos da praça e ficamos um bom tempo ali apreciando a vista, conversando e vendo o movimento. Enfim, passado um tempinho fomos almoçar, comemos as famosas empanadas e as nossas estavam maravilhosas. Em Usaquen, como disse é referencia gastronomica na Colombia, então opções para comer não faltam. Fica a critério de cada um , tem comida para todos os bolsos . Depois de comer horrores, ainda tinha espaço para o doce. Então voltamos a La Rosconeria e cada uma pediu um doce. Ao chegar no local já da pra sentir um cheirinho de pãozinho feito na hora, coisa boa demais. Os nossos eram um pão doce, recheado com gotas de chocolate e cobertura com nutela e morangos. Eu chocolatra como sou não resisto. Para sair da mesmisse de comilança, a noite fomos no Andres Carne de Res na Zona Rosa. Ouvi dizer que o tradicional fica em Chia, mas o que fomos achei bem legal. O lugar estava lotado mas rapidamente arrumaram uma mesa para nós. Para quem não sabe, o Andres Carne de Res da Zona Rosa possui 4 andares, sendo Inferno, Terra, Purgatório e Céu kkk bizarro né, além disso, tem várias personagens super bem caracterizados que ficam interagindo com os cliente. Por ser o mês das bruxas, no dia tinham várias figuras macabras como Fred Krueger, Exorcismo, Fantasma e mais um monte. Para quem gosta de uma cervejinha, eu gostei e demais da Club Colombia Roja( vermelha). Tem a dourada também, mas a Roja é top! *Dica : Se você for uma pessoa que não curte experimentar culinárias locais, super recomendo o Crepes &Waffles, tanto as comidas salgadas quanto as doces. Vale a pena ir. Dia 5: Pegar voo Bogotá - Cartagena - expectativa nas alturas!!!! Como nosso vôo era as 12:30, só tomamos café e seguimos para o Aeroporto de taxi. Mais detalhes pro próximo post.
×