Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

mpiffer

Membros
  • Total de itens

    31
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

0 Neutra

Outras informações

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. mpiffer

    relato De Santo André a Santos

    Inclui alguns pontos da estrada velha no Google Earth: http://lidiofin.blogsome.com/2005/09/10/estrada-velha-de-santos/ http://bbs.keyhole.com/ubb/showthreaded.php/Cat/0/Number/107036/an/0/page/4#107036
  2. mpiffer

    Facas... Qual comprar?

    Ei, galera! Achei esse site, com alguns vídeos de demonstrações de facas balisong (ou butterfly, como também são conhecidas). Vale a pena ver: http://www.balisongxtreme.com/freestyle.htm
  3. mpiffer

    Coturno Militar

    quote:Originally posted by Nilton Blz Kaoru " Um soldado feliz ,é um soldado com pés secos" id="quote">id="quote"> "Felicidade é um carregador cheio, um cantil pleno e uma ração quente." - Tom Clancy.[] Abraços.
  4. mpiffer

    relato De Santo André a Santos

    Chegamos ao perímetro urbano de Cubatão por volta das duas e meia da tarde. Paramos em um posto para telefonar; só o Paulo conseguiu. Demos um jato de água nas bikes para tirar a lama. Voltamos para a Via Anchieta. Eu sempre havia passado por ali de carro ou ônibus. Tinha a idéia de que Cubatão e Santos fossem colados um no outro - formando uma conurbação, como um amigo meu gosta de dizer. Mas não são. Tem uns bons quilômetros entre as duas cidades e nada é perto depois de se ter pedalado por seis horas seguidas. Passamos na rodoviária para comprar as passagens de volta. Encontramos apenas uma empresa (a Ultra) que não implicava nem cobrava para trazer as bicicletas. Saímos em busca de um lugar para comer. Enquanto procurávamos, finalmente consegui ligar para casa. Eram vinte para as quatro. Pedalamos, pedalamos e paramos em um pé-sujo que fazia um PF por vinte e cinco mil cruzeiros (não tenho nem idéia de quanto isso valeria hoje, com certeza não era caro). Arroz, legumes, feijão, farofa, salada e dois bifes. E uma porção gigantesca de batata frita para os quatro. Era a primeira vez que parávamos de verdade desde às nove da manhã. Depois do almoço nababesco, Coca-cola, cervejas, sorvete, chocolates e chicletes, nos pusemos a pedalar de novo. Muito saudável! O Paulo já foi dali para a rodoviária. Ele tinha uma festa para ir em São Paulo e não queria perdê-la. Agora em três, resolvemos ir até a praia. Descer a serra e não ver o mar é a mesma coisa que ficar dando voltas perto de casa. Foi quando o Piloto se lembrou que a mãe dele tinha uma amiga em Santos. Ele só não se lembrava exatamente onde. Até que não demoramos para achar o endereço da cidadã. Aparecemos na casa dela na maior cara-de-pau e pedimos para tomar banho. Não só tomamos banho como também comemos mais ainda. Voltamos para a rodoviária; o ônibus já estava de saída. Pensei que as aventuras do dia já haviam terminado. Mera ilusão. O trânsito estava ruim e chegamos ao Terminal do Jabaquara quase nove horas da noite. A partir daí, nossa cara-de-pau não ajudou mais. Não conseguimos sensibilizar nem o pessoal do metrô, nem do tróleibus. Telefonamos para várias pessoas. Ninguém poderia nos salvar. O Mogli seguiu sozinho para a sua casa. Eram nove e quinze. Hora de encarar quase trinta quilômetros do Jabaquara até Santo André. Minhas pernas não acreditaram que eu iria fazer isso com elas, mas não teve jeito... Viemos pedalando pela linha do Tróleibus, sem parar um só segundo. Atravessar Diadema inteira àquela hora da noite não é muito seguro. Às dez e meia, depois de cento e trinta quilômetros pedalados, com as pernas tremendo, meio metro de língua para fora e a bike e a mochila já fazendo parte do meu corpo, lar, doce, lar.
  5. mpiffer

    relato De Santo André a Santos

    O tempo estava fechando. Voltamos, procurando por um galpão em construção. Chegamos até a represa Billings. Concluímos, coerentemente, que a trilha não pode ser grande a ponto de contornar a represa. Nesse meio tempo, eu estava com o bike do Mogli e ele com a minha. A dele era indecentemente mais leve. Voltamos um pouco e descobrimos o tal galpão. Não o havíamos visto por culpa da neblina. Analisamos bem o croqui e não descobrimos nada. Demos algumas voltas e topamos com dois motociclistas. Eles nos explicaram mais ou menos por onde era. E entramos na lama. Eu já estava com a minha bike de novo e vi que o upgrade que eu havia feito valeu a pena. O caminho era horrível, só eu que pude ir pedalando; até que chegou a hora em que a roda afundou até o eixo. A partir daí, fui carregando a bike, como os outros. Seguindo as indicações do croqui - ou o que achávamos que ele dizia -, saímos na represa. Começou a chover e a visibilidade era de poucos metros. Pedimos informações para uns pescadores, mas eles não ajudaram em nada. Voltamos até a última bifurcação e seguimos para o outro lado. Chegamos a um trecho calçado. Devia ser a Calçada de Lorena. Essa calçada, toda em pedra, foi construída em meados do século XIX (e restaurada alguns meses antes da nossa aventura), para que as tropas de mulas levassem o café das fazendas de São Paulo até o porto de Santos. E o melhor de tudo: ela chegava até a Estrada Velha! Na verdade, ela serpenteava, chegando até a base da serra, mas não tinha sido restaurada em toda a sua extensão. A Estrada Velha, construída bem depois, a cortava em vários pontos. Na calçada era difícil ficar em cima da bicicleta. Além de irregular, o piso estava escorregadio devido a chuva. Solidário com os outros, fui empurrando a bike. A calçada foi subindo até um mirante de onde, com tempo bom, daria para ver Cubatão e Santos. Bebemos um pouco de água. Ali começava a descida. Encontramos com um grupo que vinha subindo. Disseram que a estrada estava a quarenta minutos. Chegamos em vinte e cinco. Finalmente, a estrada, só para nós. Paramos um pouco para descansar, limpar os pneus e ajustar os freios. Aquele cara gordo com quem havíamos conversado estava passando por ali e veio ter conosco, feliz em ver que tínhamos achado o caminho. Disse que a Polícia Rodoviária tinha acabado de subir. Resolvemos descer logo, antes que ela voltasse. A descida é mais íngreme do que eu imaginava. Em menos de cem metros eu já estava na marcha mais pesada e numa velocidade que nunca tinha atingido na bike (eu não tinha velocímetro na bicicleta, o Mogli disse que, em alguns trechos, descemos entre 70 e 75 km/h). Pela primeira vez, tive que me preocupar com o controle da bicicleta. Frear na hora certa, buscar o ponto de tangência nas curvas, cuidar da inclinação para não derrapar. Havia curvas com mais de noventa graus. Usávamos toda a pista, passando a centímetros do barranco ou da proteção lateral da pista. Conforme fomos descendo, a chuva parou e a neblina se dissipou. Demos uma parada para ver a paisagem - e não tínhamos máquina fotográfica! Não sei quanto tempo levou, nem quantos quilômetros tinha a descida; foi muito rápido. Chegamos ao pé da serra, o Mogli e o Paulo uns trezentos metros à minha frente e o Piloto, uns duzentos metros atrás. O final da estrada era uma reta plana, com uns quinhentos metros de extensão e uma cancela no final. Tentamos passar bem rápido para o guarda não nos ver. Claro que não funcionou. Ele nos parou e perguntou o que estávamos fazendo ali. "Andando de bicicleta." "Mas não podem descer por aqui!" "Não? Não sabíamos." - que cara de pau! "Como passaram pela cancela lá em cima?" "Que cancela? Descemos pela Calçada de Lorena..." "Tá bom. Vão embora, vão!" "O senhor tem um pouco de água aí?" Logo em frente, ficava a refinaria. O pai do Piloto, que trabalhou a vida inteira em refinarias, disse que os caminhões que sobem a serra sempre dão carona. Mas não havia nenhum subindo.
  6. mpiffer

    relato De Santo André a Santos

    Atendendo a pedidos: Santo André/SP Domingo, 24 de janeiro de 1993 Na sexta-feira, o Piloto me ligou e disse que ele e mais dois amigos iriam tentar descer a Serra do Mar de bicicleta pela Estrada Velha. Vou junto! Arrumei minha mochila recém comprada com algumas poucas coisas e fui dar uma ajeitada na bicicleta, que também tinha passado por um upgrade recentemente. Fui para a casa do Piloto e saímos os quatro pouco depois das nove horas. Paramos em um posto para calibrar os pneus. O Mogli e o Paulo tinham vindo de São Paulo durante a madrugada. Não deu nem cinco minutos e quase ocorreu a tragédia: o Piloto pedalando e olhando para um lado, um motorista num Corcel dirigindo e olhando para o outro. Quando se viram, já era tarde demais. O Piloto teve que chutar o carro para não bater na bike. Os dois se xingaram um pouco e ficou por isso mesmo. Ainda bem que o motorista não viu que o Piloto arrancou um pedaço do pára-choque dele. Continuamos pedalando na direção de São Bernardo. Eu era o único com uma Mountain Bike. Os outros três estavam com bicicletas do tipo Speedy. A do Paulo era muito legal, novinha, com quase todos os componentes (inclusive o cara que pedalava) japoneses. Aliás, o Mogli e o Paulo treinavam ciclismo com seriedade e tinham todos os equipamentos que um ciclista sério deve ter: capacetes, luvas, bermudas, óculos, etc. Na época, eu tinha apenas meu capacete e já achava muito bom. Chegamos à Via Anchieta. O motorista de um Gol disse para passarmos rápido em frente à fábrica da Volkswagem, pois estavam roubando bicicletas por lá. A subida da Anchieta me pareceu bem maior do que quando passava por lá de carro. Dez quilômetros depois chegamos à estrada do Riacho Grande. Foi a parte mais difícil. Além do meu preparo físico não colaborar muito, a minha bike era a mais pesada. Vira-e-mexe, os outros tinham que parar para me esperar. Passados esses sofridos quatorze quilômetros, finalmente chegamos à Casa Velha (ou Casa de Pedra ou outro nome qualquer). É onde começa a descida da serra. Como já era esperado, a cancela estava fechada e o guarda não nos deixou descer. Resolvemos dar uma relaxada (ainda bem!). Prendemos as bikes e descemos pela trilha que vai da Casa de Pedra até o fundo do vale, uns duzentos metros abaixo. Lá, descansamos um pouco, comemos alguns chocolates e bolachas que havíamos levado e subimos de volta. Na Casa, um cara gordo nos disse que tinha visto uma meia dúzia de ciclistas descendo a estrada. Eles haviam contornado a cancela pelo meio do mato e saído já bem embaixo. Falamos com mais gente, procurando alguém que soubesse mais a respeito desse caminho que contornava a Casa de Pedra. Quando já íamos voltando, tristes e cabisbaixos - eu, bem lá no fundo, agradecendo por ter que pedalar só mais uns trinta e cinco quilômetros até chegar em casa -, um dos guardas chamou o Paulo num canto. Cinco minutos depois, o Paulo voltou com um bosquejo, desenhado num pedaço de papelão marrom. Esse mapinha dava as indicações sobre como chegar à trilha. O guarda não podia nos deixar passar pela cancela. Mas se descêssemos sem passar pela cancela...
  7. mpiffer

    relato Prado a Porto Seguro

    Nessa noite foi o nosso dia de fazer o programa. Levamos as meninas para o centro histórico, subimos uma enorme escadaria e ficamos na mureta da igreja mais alta para ver a lua cheia nascer e falar para elas coisas da terra, do céu e do mar. Voltamos para o Albergue e fomos fazer a gororoba de despedida; elas iriam embora no dia seguinte. Aí começaram os problemas que acabam com a noite de qualquer um. Nossa idéia era fazer o jantar e comer na beira piscina do Albergue. Só que a piscina fechava as oito da noite. Fomos falar com a Telma, a mãe do Albergue. Ela não deixou. Não que quiséssemos fazer uma suruba no Albergue, mas não podíamos entrar no andar das meninas nem para chamá-las para sair. Voltando ao problema do jantar na beira da piscina, argumentamos filosoficamente, enfocando a nossa liberdade enquanto seres humanos e a total falta de propósito de se fechar a piscina a partir das oito da noite. Mas não deu certo. Who dares, wins. Resolvemos fazer o jantar no nosso quarto. Porém surgiram outros dois problemas: como levar a comida para o quarto (era proibido comer nos quartos) e como levar as meninas para lá. O primeiro nós resolvemos, o segundo, deixamos elas se virarem um pouco também. Usar a precária cozinha do Albergue foi a única concessão que conseguimos da Telma. Havia uma pequena janela que dava num banheiro. Eu fiquei com as panelas no fogão e o Piloto, fingindo uma VRC (vontade repentina de cagar), entrou no banheiro, com mochila e tudo. Eu, mais do que esperto, passei as panelas para ele pela janelinha e ele as levou para o quarto. O problema é que na mochila não cabiam todas e ele teve que voltar ao banheiro umas três vezes em dez minutos, sempre com a mochila. Simples e discreto. Passadas todas as panelas, saí da cozinha com a minha rematada cara-de-pau e fui para o quarto também. Arrumamos as coisas e interfonamos para as gurias. O cardápio da noite constava de arroz, strogonoff de frango, salada e Tang. Para dar um ar mais rústico ao evento, o jantar era no chão mesmo forrado com uma manta de velame de pára-quedas, iluminado com um lampiãozinho de vela de citronela e o suco estava no cantil prateado de cinco litros. E elas gostaram ainda. Depois do jantar, ainda demos uma saidinha. Fomos ao bar do Cabral, um bar de portugueses, como sugere o nome. No dia seguinte, logo cedo, partia o ônibus das meninas. Elas iam ainda para Cumuruxatiba. Levamo-las até a Rodoviária e voltamos para o Albergue. Nosso ônibus era só à tarde. Ficamos lá naquela situação pastosa, sem nada para fazer até a hora de partirmos. A volta de vinte e quatro horas de ônibus nem merece ser contada. Assim terminava o maior programa de índio que eu fiz até agora. Valeu a pena? Tudo vale a pena, Se a alma não é pequena. Quem quere passar além do Bojador, Tem que passar além da dor. Deus, ao mar, o perigo e o abysmo deu, Mas nelle espelhou o céu. F.P. F I M
  8. mpiffer

    relato Prado a Porto Seguro

    Quatro quilômetros de estrada e chegamos à balsa. Atravessamos para o outro lado e enfim Porto Seguro! Prado estava há dez dias e cento e cinqüenta e cinco quilômetros de distância. Fizemos cinqüenta e quatro quilômetros de barco e cento e um a pé. Chegando em Porto Seguro, telefonamos para o Albergue da Juventude de lá. Havíamos combinado de encontrar a Denise, a Fabi e a Cris lá. Só que elas não estavam. Só pegamos o endereço. Era do outro lado da cidade! Bem que podia ser mais perto... Mas, o que é uma chaga a mais para um lazarento? Fomos andando e aproveitamos para conhecer a cidade. Não sei o que o povo vê em Porto Seguro. A cidade é feia e suja, a praia é mais suja ainda. Para todo lado só se vê turistas com camisetas do tipo "estive em Porto Seguro e lembrei de você", com algum desenho obsceno nas costas. Lá foi o primeiro lugar que eu vi aqueles orelhões temáticos. Os de lá eram em forma de berimbau ou de coqueiro. Havia pelas ruas também as baianas vendendo acarajés que não inspiravam a mínima confiança; não serviam nem para experimentar por curiosidade antropológica. Conseguimos chegar ao Albergue. Parecia mais um hotel, todo arrumadinho e cheio de formalidades. Tinha horário para isso e para aquilo, tinha uma fitinha para amarrar no braço para o segurança nos deixar entrar, tinha andares separados para homens e mulheres. Não tinha cozinha, mas tinha uma cantina meio cara para um albergue da juventude. Os outros albergues que eu conhecia eram um pouco mais bagunçados, o que dá um ar mais "da juventude", mas nem sempre é uma vantagem. Ficamos lá mesmo. As meninas tinham ido para a praia, menos a Fabi, que já tinha voltado para Sampa. Uma pena; queríamos tê-la encontrado, para contar as aventuras desde que tínhamos nos separado, em Caraívas. Deixamos nossas coisas no quarto (que tinha até telefone!) e saímos para almoçar. Procuramos por um PF bem grande e barato, daqueles de caminhoneiro mesmo. Demorou, mas encontramos. Enquanto comíamos, discutimos sobre como existiam lugares bem arrumados e que não tinham o mínimo charme (o Albergue de Porto Seguro), lugares bem simples, mas super legais (a Pousada Sol da Manhã, em Trancoso) e lugares muito simples, feios, sem charme nenhum e com comida ruim (o lugar onde estávamos). Para se ter uma idéia, não tinha nem Coca-Cola; só Crush. A próxima dificuldade foi encontrar o caminho de volta para o Albergue. Quan­do achamos, as meninas não tinham chegado ainda. Fomos para o quarto e na falta de algo melhor para fazer, ficamos falando com as meninas do quarto de cima pelo telefone. O Piloto ligou e disse que era o "Louco por Lee", vê se pode uma coisa dessas! Aproveitamos também para dar uma passada na parte histórica da cidade, que fica bem em frente ao Albergue. Lá pelas três ou quatro da tarde, a Denise e Cris chegaram. A Cris era a troncudinha amiga de faculdade da Denise, que a gente conhecia de nome, mas não sabia como era a cara. E era aniversário dela. Parabéns! Pusemos em dia as nossas histórias e elas nos apresentaram um cara que conheceram por lá. Era um oficial temporário de Material Bélico que dizia que a única utilidade dele ser oficial do Exército era poder entrar nas baladas sem pagar! Isso revolta quem tinha acabado de se formar depois de quatro anos de ralação na Academia Militar. À noite, as meninas levaram a gente para conhecer a cidade. O point de lá é a tal da passarela do álcool, a avenida principal da cidade que, à noite, vira uma Sodoma e Gomorra. Andamos para lá e para cá, sem parar em lugar nenhum. As meninas ainda encararam uma boate, mas nós, sem grana nenhuma, voltamos para o Albergue. No dia seguinte, as meninas acordaram antes da gente. Tomamos o café e fomos para praia do Virasol. A praia era longe, mas com a Denise e seus atributos, conseguimos carona rapidinho. Como eu já falei, as praias de Porto Seguro não são as mais bonitas. O povo vai para lá por causa de festa que fazem. Virasol não era diferente. Tem até um palco na praia. O que estava mais na moda era a música do Tchan, que tinha sido lançada ali mesmo. Mas tocavam também a Dança da Garrafa, o Rala-Pinto e outras obscenidades do mesmo calibre. E o povo ainda subia no palco para dançar! Eu não nasci para isso. Os garçons dos bares fazem um show à parte, cada um berrando e batendo nas bandejas mais que o outro. Voltamos de lá já tarde e fomos almoçar só às cinco da tarde. Almoçamos num restaurante self-service por quilo, ao lado do Albergue, que dava desconto para quem estava hospedado lá.
  9. mpiffer

    relato Prado a Porto Seguro

    Arraial já é totalmente civilizada. Aliás, é civilizada até demais. A praia é cheia de barzinhos e toda suja. Para chegar à cidade, a última provação: uma enorme ladeira. Subindo, o Piloto até encontrou um cara que estudava francês com ele. Chegamos e começamos a procurar um lugar para ficar. O bom é que a cidade, além das pousadas, é cheias de campings; todo mundo que tem um quintal grande monta um. Dessa vez o Piloto que saiu para procurar primeiro. Pôs a sua camiseta da sorte e eu fiquei na praça, cuidando das mochilas. O Piloto foi em um que não gostou; disse que o santo não bateu. Agora o segundo que ele viu foi excelente: um lugar massa, com sombra, bon marché, dentro de um convento de freiras carmelitas. Segundo os experts, as carmelitas é que são as mais fogosas. Que idéia, montar um convento em Arraial d'Ajuda... Melhor ainda, na barraca ao nosso lado estavam duas loiras criadas no Toddy. Eu, como profundo conhecedor do assunto, chutei que eram de Santa Catarina. Almoçamos torradas com patê de salmão (estamos no mato, mas não perdemos a classe, como diria a Fabi) e fomos dar um rolê pela cidade. Compramos e escrevemos postais e fomos para a praia. Na praia, sentamos num barzinho. Uma coroa de Belo Horizonte veio puxar papo conosco. O Piloto percebeu que ela estava nos usando sexualmente, para fazer ciúmes para o dono do bar, com quem ela estava conversando antes. Chegamos ao um consenso que, com a fome e a falta de dinheiro que estávamos, até venderíamos nossos corpos jovens por uma Coca-Cola. Só que não deu certo. A coroa queria ação e o dono do bar queria ficar olhando a lua. Continuamos o papo com a coroa. Era daquelas que vêm de avião para Porto Seguro e de táxi para Arraial. E estava na pousada mais cara da cidade. Continuamos enrolando a dita-cuja, só que nem um jantar ela ofereceu. Voltamos para o camping. O jantar se resumiu a capuccino com uns restos de torrada e o que sobrou do patê. Fomos falar com as loiras. Eram a Rosita e a Daniela, as duas de Blumenau - acertei! Sou bom nisso. Ficamos um tempão falando com elas e, já bem tarde, saímos. Demos umas voltas pela cidade, vimos um cara que também estava acampado lá no convento tocando em um bar e paramos na Broadway. Essa rua é o point de Arraial, para onde vai todo mundo que quer ver e ser visto. O Piloto tomou um capeta e eu fiquei no sorvete mesmo. Ficamos batendo um papo filosófico até tarde da noite. Voltamos para o Convento. A Rosita e a Dani já tinham dormido. Bah! Fiquei ainda um tempo acordado escrevendo essas coisas que vocês estão lendo agora, dez anos depois, mas o Piloto desmaiou. No dia seguinte, fomos acordados da maneira mais pitoresca dessa viagem: com os grunhidos e sussurros do cantor do bar e da namorada dele que estavam fazendo sabe-se lá o quê dentro da barraca. Acertamos nossas contas e partimos, decepcionados com as carmelitas, que nem deram o ar de sua graça. Estávamos com um problema muito sério: nosso dinheiro e nossa comida estavam acabando. Dessa vez teríamos que desvirtuar a nossa empreitada. Para chegar a Porto Seguro, teríamos que apanhar uma balsa, e só dá para chegar até ela pela estrada e não pela praia.
  10. mpiffer

    relato Prado a Porto Seguro

    Trancoso é o lugar mais cool de todo o sul da Bahia. Vira e mexe, tem um monte de gente famosa por lá. O legal de Trancoso, além das praias, é a praça central da cidade, chamada de Quadrado. Lá ficam os bares, restaurantes, pousadas, a galera que vende artesanato, os hippies, o povo que joga vôlei, os que jogam futebol, a galera cabeça que pinta e escreve poesias e os que não fazem nada disso e vão lá ver os outros fazerem (que era o nosso caso). Entrando no Quadrado, perguntamos para um bicho-grilo que vendia uns artesanatos de arame se ele conhecia uma pousada boa. Claro que ele conhecia. Era a melhor do Quadrado, com preços baixos, comida boa, quartos confortáveis. E, ainda por cima, a dona da pousada era a mãe dele. Andamos mais um pouco até que o Piloto achou a pousada mais descolada da face da Terra. Era a "Sol da Manhã". Os donos da pousada eram um holandês e uma brasileira, que tinham três filhos, que atendiam pelos singelos nomes de Sol, Manhã e Estrela. Desse povo todo, só estava lá a Estrela, uma menininha linda de uns dez aninhos. Quem cuidava da pousada era a Adelise e uma índia pataxó de uns trezentos anos, que eu não me lembro do nome. Os quartos nem cama tinham, eram só os colchões com mosquiteiros em cima. Deixamos lá nossas coisas e fomos almoçar no Quadrado. Bolachas com patê e Tang. Demos um rolê pela vila e encontramos o segundo telefone da viagem. Dessa vez, encarei a fila e consegui ligar para casa. Minha mãe já estava tensa; há oito dias que não tinha notícias minhas. Aproveitamos também para comprar as nossas passagens de volta para Sampa. Claro que o ônibus não sairia dali, mas de Porto Seguro. Sentamos de novo no Quadrado e ficamos observando as figuras raras que desfilavam por lá, com toda a sua languidez baiana. Bem ao nosso lado, tinham dois hippies, um com uma flauta e o outro com um violão, discutindo teorias musicais: "Aí, você vai entrar, mas não tão forte, é mais ou menos como um bolero sincopado"... O jantar foi na Pousada. Miojo, óbvio. Conhecemos o restante do pessoal que estava hospedado lá: os dois Rodrigos que estavam no mesmo quarto que a gente, e mais três meninas do Rio, a Marina, a Cláudia e a Giana. A Marina é filha do Sérgio Ricardo. Ele falou isso como se todo mundo soubesse quem era o tal, mas ficou um silêncio meio constrangedor porque ninguém sabia. Depois que contaram a história dele, eu até lembrei. O Sérgio Ricardo é aquele cantor que aloprou no meio de um daqueles festivais da Record em mil novecentos e bolinha e jogou o violão em cima da galera. Depois de um mico desses, não sei se ficava contando para todo mundo que ele era meu pai. Vexames à parte, ela ficou contando suas aventuras com o Chico Buarque e outras figuras da MPB. Subi para o quarto para fazer não sei o que e topei com o inseto, se é que era inseto, mais bizarro que eu já vi. Depois de porradas, facadas, tênis, panelas, travesseiros e tudo o mais que pudesse ser jogado voar por cima dele, ele morreu. A Marina disse que devia ser um caranguejo-barata. Eu acho que estava mais para caranguejo do que para barata, se bem que caranguejo não voa. Mais à noite, saímos com as meninas e com os Rodrigos. No dia seguinte, depois do café, fomos para praia. As meninas foram com a gente, mas voltaram cedo, porque já estavam de partida. Da praia, demos um pulo no tal do Rio Verde, que falaram que era legal, mas que eu não gostei muito. Não lembro o quê ou se almoçamos. À tarde, ficamos sem fazer nada no Quadrado. Jantamos na pousada e saímos com o Rodrigo mineiro (o carioca já tinha partido também). Era a noite da lua cheia e ia rolar lá em Trancoso uma rave daquelas. Aliás, não era só lá. Toda o pessoal do sul da Bahia (a Cissa aí incluída) estava aguardando a lua cheia. O Rodrigo nos incentivou a ir à festa. Disse que ele mesmo não ia porque já tinha ido numa outra e viu tanta coisa que chegou uma hora que ele já estava "desvendo". Que viagem! Agradecemos o convite, mas, como bons meninos, fomos dormir cedo. No dia seguinte, acordamos, tomamos o café (Granola com iogurte caseiro, muito bom!), acertamos nossas contas com a Adelise (reza a lenda que a índia velha saca sua borduna e corre atrás de quem não paga) e partimos também. Saindo de Trancoso, cruzamos dois rios, o Trancoso e o da Barra, ambos a pé e com a mochila na cabeça. Duas horas e meia de caminhada e chegamos à primeira praia movimentada. Paramos à sombra de um quiosque da Kibon abandonado e aproveitamos um pouco a praia. Mais quarenta minutos andando e chegamos a Arraial d'Ajuda.
  11. mpiffer

    relato Prado a Porto Seguro

    Andamos mais ainda e chegamos ao Rio do Frade. Passamos o rio de canoa - o cara nos levou de graça, por que lá não era um local de turistas - e chegamos num lugar muito, muito lindo. Parecia propaganda do Prestígio: o mar, a areia e os coqueiros. Quilômetros (literalmente) de coqueiros e mais coqueiros. Havia apenas uma casa nessa praia, a do Seu Olegário, que nos deixou acampar próximos da casa dele. Além dele e da esposa, estava também na praia um casal. O homem era alemão e a mulher, brasileira e tinham vindo de Trancoso de bicicleta. Disseram que ficava a quinze quilômetros dali. Isso significava que tínhamos andado vinte quilômetros desde Caraívas e onze desde Curuípe. Tomamos banho no rio (água doce!) e fomos montar a barraca. Deviam ser umas cinco da tarde. Raciocinamos um pouco e montamos a barraca do avesso. Dessa maneira, a parte prateada, que tinha a finalidade de não deixar o calor escapar, ficou para fora. Ficou parecendo a Priscila, a rainha do deserto, mas não esquentou tanto. Passamos um tempão ouvindo as lorotas do Seu Olegário. Acho que ele nos deixou acampar lá para ter com quem conversar. Disse até que já ofereceram para ele não sei quantos milhões de dólares para construírem um condomínio ali na Praia do Frade, mas ele não quis, para não destruírem a paisagem. Depois dessa, tivemos que ir jantar. E foi o melhor até então. Teve até marshmallow assado na fogueira de sobremesa! Comemos no mato, mas não perdemos a classe, como diria a Fabi. Na manhã seguinte, antes de partimos, pegamos, com ajuda do Seu Olegário (que conhece a técnica e tem as ferramentas), um monte de côcos. Tanto que enchemos meu cantil de cinco litros só com a água deles. E partimos da praia mais bonita da nossa viagem. Depois da Barra do Rio do Frade, ficam as praias de Itaquena, os points de nudismo da galera. Andamos uns cinco quilômetros até topar com a primeira pelada. E estava de moto ainda. Pensei até que fosse a Godiva do Irajá. Mas, logo atrás vinha o maridão e o filhinho, todos devidamente sem roupa e de moto. Descansamos um pouquinho e seguimos em frente. Já próximo de Trancoso, virou uma festa; todo mundo pelado. Pelado e feio, diga-se de passagem. Nenhuma lolitinha... Paramos por ali, decentemente trajados, e ficamos fingindo que estávamos mergulhando (deu até para ver uns corais) até umas duas da tarde. Como a maré estava subindo e ia ficar cada vez mais difícil andar na praia (e depois de me convencer que definitivamente não ia passar nenhuma ninfetinha pelada), fomos para Trancoso.
  12. mpiffer

    relato Prado a Porto Seguro

    01 de janeiro de 1996. Acordamos e fomos para a praia. Aproveitei até para dar uma corridinha, aproveitando para paquerar as meninas que passavam. A Fabi falou que ia dar um pulo na barraca e já voltava. Eu e o Piloto ficamos lagarteando lá na praia. Eu quase dormindo quando, de repente, ouço uns berros: "Cuidado, que o jegue vai passar em cima do homi!" Abro os olhos e o homi era eu! O jegue passou e quase pisou em mim, bandido! Pois é, acabei dormindo mesmo. E só acordei quase três da tarde. Imagine só, eu, branquinho, branquinho, deitado ao sol da Bahia, das dez da manhã às três da tarde... Quase tive uma insolação. À noite, jantamos na padaria. Caraívas, coitada, estava em colapso. Não tinha mais água mineral, a padaria só tinha um tipo de lanche (não lembro se era o de queijo ou de presunto), os mercadinhos não tinham mais frutas. A situação só ia melhorar lá para o dia quatro ou cinco de janeiro, quando chegassem os mantimentos de Porto Seguro. Fomos depois até a casa da Cissa para nos despedirmos dela, pois iríamos embora no dia seguinte. A Cissa ficaria ali mais um tempo, esperando pela lua cheia. Ela tem umas dessas coisas de rituais com a lua. Cinco da matina, já estávamos em pé. A Fabi aloprou. Não agüentava mais ficar andando e carregando mochila e deciciu ir de ônibus para Porto Seguro. Fomos com ela até o outro lado do rio, onde parava o ônibus. Esse outro lado do rio é uma balbúrdia, porque a estrada termina ali. Todo mundo que vai de carro até Caraívas, deixa ele ali. São quilômetros de fila nas laterais da estrada. Uma bagunça quando alguém resolve sair ou fazer uma manobra. A Fabi embarcou no ônibus e eu e o Piloto voltamos para desmontar a barraca e partir. Sem a Fabi, aí virou programa de índio de vez. Só, nós dois andando feito dois condenados, ninguém querendo falar que estava cansado. Além do rio Caraívas, tivemos que passar por dois outros. Como eram maiorzinhos, tivemos que apelar para a molecada da canoa. Claro que não pagamos em dinheiro; eles aceitaram alguns chocolates e M&M, que a essa altura do campeonato, depois de mais de uma semana no sol da Bahia, não estavam lá muito convidativos. De Caraívas para frente, o relevo era marcado por falésias de uns trinta metros de altura, bem próximas da praia. A primeira praia depois de Caraívas é a do Espelho. Tinha umas poucas pessoas lá e duas mansões. Ficamos lá um tempinho e seguimos em frente. Chegou uma hora que a falésia fechou a praia. Tivemos que pegar uma trilha de uns quarenta minutos para sairmos do outro lado. Ali começava a Praia de Curuípe. Era bem grande e no fim havia um barzinho bem legal, com um pessoal animado. Não era para menos; tinha umas meninas lindas, lindas, de top less, na praia. As sílfides tentando nos demover de nossos propósitos mais elevados Como bons janízaros, ficamos ali só um tempinho e seguimos em frente. Aí começou a furada. Logo depois de Curuípe, havia um hotel. E com uma cerca. Terminou o hotel e começou uma fazenda, também com cerca. O problema é que essa cerca já ficava na areia. Assim não ficava uma única árvore para nós sentarmos debaixo e descansar um pouco à sombra. Certa estava a Fabi em ter ido de ônibus. Enfim, um coqueiro deu mole para fora das cercas. O Piloto trepou nele para conseguir a nossa salvação e descobriu que não basta querer, tem que saber. Tirar côcos do pé exige uma técnica apurada, que não constava no nosso rol de habilidades. Ao custo de muito suor, o Piloto ficou pendurado quase de cabeça para baixo, dando violentas facadas nos pobres côcos. Eu não sabia de quem eu devia ter pena: se dos côcos que estavam sendo brutalmente assassinados ou do inumano esforço que o Piloto estava fazendo. Mas não é só isso; depois de derrubados, vinha a segunda parte da epopéia: abrir os côcos com uma faquinha de meio palmo de lâmina. No fim, gastamos toda a energia que íamos recuperar com a água dos côcos. E a fazenda era grande. Grande mesmo. Mas, como nenhum sofrimento é eterno, uma hora ela acabou. E começou outra! Pelo menos, essa não tinha cerca de arame. Tinha uma cerca viva. Nessa praia, tinham duas menininhas brincando, que fugiram correndo quando viram a gente. Acho que estávamos meio com cara de tarados... Nessa hora, bateu o arrependimento de não termos parado lá em Curuípe mesmo. O barzinho, as sílfides de top less e a gente andando há duas horas, sem ter nenhuma sombra para parar. Quase que voltamos, mas já estava muito longe.
  13. mpiffer

    relato Prado a Porto Seguro

    No dia seguinte, acordamos cedinho e começamos andar. O Piloto falou que uma amiga dele, a Cissa, iria estar lá em Caraívas e que, para achar a referida, tínhamos que estar de frente para a igreja e olhar para a direita; teria uma lua desenhada na porta. O detalhe é que quando ela deu essa explicação tão esclarecedora, estavam os dois bêbados e ele não estava muito certo de que era isso mesmo. Por volta das nove horas já estávamos em Caraívas. Desisti de encontrar o fim do mundo aqui na Bahia. Caraívas, que não deixa de ser uma vila de pescadores, como eu já disse, sem água, luz ou telefone, estava entupida de turistas. Caraívas Fomos andando pela cidade, procurando a casa da Cissa. Não foi difícil encontrar a igreja, mas para encontrar a casa da Cissa já são outros quinhentos. Olhamos para direita, para esquerda, para cima, para baixo, para trás, perguntamos para o povo e nada da lua e muito menos da Cissa. Moral baixo, saímos em busca de um lugar para ficar. A Fabi ficou sentadinha perto da igreja, cuidando das coisas, enquanto o Piloto e eu saímos. Passamos por uns três campings, todos lotados, sujos e com a galera fumando umas paradas. Sem chance. Andando pela vila, cruzamos com a Maria Mariana, a tal que fez Diário de um Adolescente, Confissões de um Adolescente ou algo parecido (não sei se é um filme ou um livro). Aliás, só sei que era a tal porque o Piloto me mostrou as sobrancelhas protuberantes dela. Missão não cumprida, voltamos para a igreja. Dessa vez, saíram o Piloto e a Fabi para comprar água mineral e eu fiquei ali guardando as coisas. Saiu uma menina da casa bem onde eu estava sentado. Fiquei lembrando de como o Piloto tinha descrito a Cissa: baixinha, mas não muito; cabelos compridos claros, mas não loiros; olhos puxados, mas não orientais e com um nariz meio assim. Fiquei olhando para menina. Com uma descrição tão precisa, não tinha erro: - Cissa? Ela olhou! - Oi! Você é a Cissa? - Sou. - Da FAU? - É. Por quê? - Amiga do Renato? - Como você sabe? Grande Marcus! Achei a Cissa sem nunca antes tê-la visto! Quando o Piloto e a Fabi voltaram, eu já estava até tomando café com a Cissa e o Robson, outro amigo do Piloto. A tal da lua era um desenhozinho fajuto, feito com uma caneta Bic, no batente da porta. Nós e a Cissa A nossa idéia inicial, já que não somos bobos nem nada, era ficar na casa, junto com a Cissa. O problema era que, além dela e do Robson, estava lá também uma outra mulher, que não foi muito com a cara da gente. Também sem chance. Conversa daqui e dali, conseguimos um quintal de um morador local para montarmos a nossa barraca. E ele tinha o mais precioso dos bens de Caraívas: uma torneira que saía água! Nosso almoço foi na padaria da cidade. Havia três lanches diferentes no cardápio: pão com queijo, pão com presunto e pão com queijo e presunto. Mais para o final da tarde, fomos para praia. Achamos estranho que já estava todo mundo voltando, mas tudo bem. Quando chegamos, vimos que não estava tudo bem. Todo dia, mais ou menos àquela hora, soprava um vento muito forte na praia, areia voando, uma beleza. Para não perder a viagem, ficamos lá assim mesmo. Próximo à praia passa o rio Caraívas e a melhor praia fica do outro lado. Ali, fica uma garotada que ganha a vida levando o pessoal de um lado para o outro de canoa. Claro que fomos nadando. Aproveitando a ventania, apareceu um coroa com uma pipa enorme, de um metro e meio mais ou menos, e começou a empiná-la. No início, ele conseguiu controlá-la, aproveitando para mostrar os músculos para as meninas que ainda se arriscavam a permanecer na praia, se achando o tal. Só que passou um tempo e a pipa começou a arrasta-lo e lá se foi o coroa embora. Como eu sempre digo, passarinho que come pedra, sabe o tamanho do olho que tem. Mas quando todos achavam que o espetáculo havia terminado, o cidadão conseguiu controlar a pipa de novo, se jogou de barriga no mar e saiu esquiando! A pipa o levou para o outro lado do rio e ele foi-se embora para a cidade. Vou morrer e não vou ver tudo... Voltamos, tomamos um banho de torneira e fomos jantar. Dessa vez, foi no restaurante da Dona Fia. Novamente moqueca. O negócio em Caraívas é bem informal, para não dizer outra coisa. Jantamos na varanda da casa da dona, à luz de lampião. A filha dela saiu para comprar o refrigerante na hora em que pedimos. Quem está contando os dias desde a primeira página, sabe que estamos em 31 de dezembro, o último dia de 1995. Pois é, voltamos para a barraca, dormimos um pouco e, lá pelas onze e meia, fomos para a praia, para a passagem do ano. O point de Caraívas é o Pachá, o barzinho mais ajeitado da praia. É onde a galera se concentrou para entrar em 1996. Meia-noite, fogos, pulamos sete ondas, tudo como manda o figurino. Feliz ano novo! Ficamos com um pessoal sentados em volta de uma fogueira. Havia um cara com um violão tocando as infalíveis músicas do Legião e do Rauzito. Lá pelas duas, voltamos para a barraca.
  14. mpiffer

    relato Prado a Porto Seguro

    No dia seguinte, tomamos café e cedinho fomos para o barco, junto com o casal e com a Ana Autista. Ela não era autista de verdade, só que não falava muito, ficava no mundinho dela. - Terra à vista! A viagem de barco durou umas duas horas. O legal foi que vimos o Monte Pascoal, exatamente do jeito que Cabral deve ter visto. A Fabi não gostou muito da viagem. Eu a vi se contorcendo e fui saber o que estava acontecendo. Ela estava louca para fazer xixi e o barco era bem simples, não tinha banheiro. Para os homens era mais fácil. Era só ir lá para trás, onde não tinha ninguém e mandar ver no mar mesmo, como eu fiz. Só tinha que tomar o cuidado de não cair ao mar com uma onda mais espevitada. Agora para as mulheres já ficava mais complicado por motivos óbvios. Ela já estava pensando em fazer ali mesmo e dizer depois que era suor. Montamos o Plano B, mais audaz. Assim que o barco chegasse à praia, a Fabi sairia rapidinho do barco e daria vazão às suas águas místicas no mar. Eu ficaria encarregado de levar a mochila e as outras tralhas dela. Plano pronto, era só esperar a chegada. De longe víamos o farol da Ponta do Corumbau, mas o desgraçado nunca chegava. Olhei para cara da Fabi e achei que ela ia por em prática o primeiro plano mesmo. E haja suor! A Fabi e eu no barco do capeta Mas ela agüentou firme e nós chegamos à praia. O barco nem tinha parado ainda e lá estava a Fabi se lançando ao mar. O Belzebu não entendeu nada. Segundo depoimentos da própria, ela já estava desaguando antes mesmo de cair na água. A Ponta do Corumbau era para ser outra praia quase que deserta. Mas tinha, ora vejam só!, até um hotel cinco estrelas. De todo o trajeto, esse era o único local assinalado como um bom ponto de mergulho, cheio de recifes e com água limpinha. Não foi isso que vimos. Ficamos lá, lagarteando na praia, até umas quatro da tarde e então começamos a andar novamente. Dessa feita, a Fabi até que foi bem. Afinal tínhamos descansado por quase dois dias e só começamos a andar quando o sol já tinha baixado bastante. Caraívas ficava a apenas quinze quilômetros dali, dava para chegar nesse mesmo dia. Mas achamos melhor dormir na praia mesmo. Afinal, Caraívas era definitivamente o fim do mundo, não tinha telefone, luz elétrica ou água encanada. Chegar lá às altas horas da noite não iria dar muito certo. Passamos pela entrada da reserva dos índios Pataxó (daqueles que queimaram um em Brasília), andamos mais um pouco e montamos a nossa barraca. Fomos andando e contando histórias de terror. No final, nosso acampamento, ficou bem camuflado no meio do mato, nós morrendo de medo de algum Pataxó ficar tentado a comer a Fabi e fazer o Piloto e eu de escravos ou vice-versa. Que idéia ridícula! De onde estávamos, já dava para distinguir mais ou menos onde ficava Caraívas. Não era longe. PS. Uma foto só nossa, no barco. Está lá no blog, vou postá-la aqui...
  15. mpiffer

    relato Prado a Porto Seguro

    Mas o horizonte é longe. Fomos andando em direção àquele ponto de luz que não chegava nunca. Enquanto andávamos, ficávamos imaginando como devia ser Cumuruxatiba. Essa era outra cidade de que também nunca tínhamos ouvido falar. De onde estávamos, só víamos uma luzinha fraca. Ficamos pensando que aquela devia ser a única luz da cidade e que íamos chegar num fim de mundo qualquer, sem lugar para comer ou dormir. Depois de muito sofrimento, chegamos a Cumuruxatiba. Eram oito horas da noite e havíamos andado praticamente trinta quilômetros desde Prado. Se eu estava cansado, ficava imaginando como a Fabi estava se sentindo. Mas tudo tem seu lado positivo. Cumuruxatiba não é o fim do mundo. Quando estávamos na praia, víamos só uma luz porque existe um morro na frente. Depois que chegamos, vimos que a cidade tem ruas iluminadas, bares, restaurantes, pousadas e todas as outras coisas que um cristão merece para descansar. Fiquei com a Fabi ali na entrada da cidade e o Piloto foi procurar um lugar para dormirmos. E não é que tinha até um Albergue da Juventude! Fomos direto para lá. A mãe do Albergue foi muito legal conosco. Só a Fabi que tinha a carteirinha de alberguista; o Piloto e eu já tínhamos desistido dos Albergues. A dona quebrou o nosso galho e nos deixou ficar com o preço reduzido, mesmo sem carteirinha. E, como tinha pouca gente, ficamos todos juntos no mesmo quarto. Tomamos um banho de verdade (eu já estava todo ardido das queimaduras de sol), comemos umas latinhas de feijoada e fomos dormir. No dia seguinte, depois de uma revigorante noite de sono e do excelente café da manhã do Albergue, fomos para a praia. O cartão postal de Cumuruxatiba é um velho píer, caindo aos pedaços. Ficamos um tempo por lá. A praia não é das mais bonitas, mas a cidade tem o seu charme. Tanto é verdade, que estava entupida de gente. Resolvemos ir para a Ponta do Corumbau, que era o nosso próximo ponto de referência, de barco. Afinal, eram cinqüenta e quatro quilômetros de praias desertas, sem nenhum atrativo especial, a não ser a própria praia. Saímos pela cidade procurando um barqueiro que nos levasse até lá. Achamos três, conversamos, enrolamos e combinamos com um deles. Ele ficou de passar à noite no Albergue para acertarmos os detalhes. Mas tinha um problema, que podia ser grave ou não, dependendo do grau de religiosidade de cada um: o barqueiro era feio como o demônio. O Piloto disse, após uma análise criteriosa do formato dos pés dele, que podia ser o propriamente dito. Voltamos, almoçamos uma maçaroca de Miojo e passamos a tarde no Albergue, dormindo e conhecendo o restante do pessoal que estava lá. À noite, o protótipo do Belzebu apareceu no Albergue e combinamos a hora da saída. Para dar uma aliviada no preço, que eu não lembro qual foi, convencemos mais um casal e a Ana Autista a irem conosco. Saímos para jantar e tentar ligar para casa. O posto telefônico de Cumuru é outra coisa pitoresca. A cidade tem poucos telefones que, durante praticamente todo o ano, dão conta do recado. O problema é quando chegam os turistas e todos eles querem contar suas aventuras pelo telefone. Fica aquele fudevu de caçarola. Não contente com isso, esse único telefone também recebe chamadas e a telefonista anota os recados para cidade inteira. Não é de se espantar que eu não conseguisse ligar. Fomos jantar num restaurante bonitinho, o Isabel - que depois ficamos sabendo que era o mais caro da cidade. Em terra de sapos, de cócoras como eles. Resolvemos pedir uma moqueca. Na indecisão em pedir uma de dendê ou de camarão ou de qualquer outra coisa, pedimos a mista. Aliás, íamos pedir duas. Como o prato era para duas pessoas e estávamos com fome, achamos que daríamos conta das duas. O garçom do restaurante disse que era muito. Teimamos e ele disse que faria uma e meia e, se faltasse, ele traria mais. Pareceu justo. A dita-cuja demorou e a fome aumentou. Mas quando chegou, vimos que podíamos estar com toda a fome do mundo que ainda não comeríamos tudo. Era um caldeirão de ferro pantagruélico, daqueles de bruxa, e a moqueca vinha borbulhando lá dentro, como se estivesse viva. Quando pusemos na boca então... Era ardida de sair lágrimas dos olhos. Como a gente quebra, mas não verga, comemos tudinho, não deixamos nada. E quase que não conseguimos levantar das cadeiras depois. A Fabi disse que estava à beira de um piriri. Voltamos correndo para o Albergue e dormimos o sono dos justos.
×