Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

wesley_nu_bu

Membros
  • Total de itens

    15
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

0 Neutra

Sobre wesley_nu_bu

  • Data de Nascimento 04-07-1991

Outras informações

  • Lugares que já visitei
    França, Inglaterra, Portugal, Holanda, Bélgica, Paraguai, Estados Unidos, Argentina, Litoral Brasileiro.
  • Próximo Destino
    México
  • Ocupação
    Analista Previdenciário e de Departamento Pessoal na empresa Datacont Assessoria Contábil. Estudante de Direito na Universidade Estadual de Ponta Grossa.
  • Meu Blog
  1. No dia 16/02/2013 era hora de irmos para Paris, onde o meu amigo Leonardo estaria nos esperando para passarmos um tempo juntos e curtirmos um pouco mais. Pegamos um ônibus bem ao lado do hostel, onde não havia quase ninguém pelo sábado de manhã. Já havíamos comprado as passagens para Paris em Bruxelas e já sabíamos o que devíamos fazer. Chegamos na Gare Central de Amsterdam em torno de 1 hora antes do horário do nosso trem e fomos conferir a plataforma exata, um funcionário muito gente boa qual falava e andava como um rapper foi muito simpático e nos mostrou onde era, também falou: Poxa, vocês são turistas, tenho um lugar especial para vocês, foi quando nos levou a uma salinha para clientes vip de uma das companhias e falou par ao funcionário, eles estão com frio lá em cima, deixa eles ficarem aqui, agradecemos imensamente pois realmente estava frio lá em cima, muito frio. De lá víamos os guardinhas expulsando várias pessoas que estavam dormindo sentadas nos bancos em outra área, era triste, nos parecia apenas cochilos inocentes. Enfim...embarcamos para Paris e tivemos uma viagem muito tranquila, chegamos lá e nosso amigo já estava nos esperando na Gare du nord. Lá era realmente muito grande e pelos preços e quantidade de banquinhas fechando, percebemos que íamos precisar de um pouco mais de dinheiro vivo, sacamos pela estação mesmo e fomos verificar qual metrô pegaríamos para ir até o nosso hotel onde tínhamos reservas, parávamos em Villers e andávamos cerca de 500 metros até o hotel, lá pelo o que pareceu o atendente/dono era árabe pois falava árabe/francês e inglês e tinha aspectos físicos semelhantes. Chegamos e ele foi bastante simpático conosco, quando pegou o meu passaporte ele gritou: "BRASILEIROS? REALLY? GGGGGGGGGGGGOOOOOOOOOOOOOLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLL DO BBBBBBBBBBBRRRRRRRRRRRAAAAAAAAAAAASSSSSSSSSSIIIIIIIIIIIIIIIILLLLLLLLLLLLLL". me assustei a ao mesmo tempo quase me caguei de rir, desse momento em diante ele só nos tratou melhor impossível. Foi muito agradável. O nosso amigo ainda não havia feito reservas e ele fez questão de oferecer um quarto por um preço muito especial, foi muito gente boa. Tirando o box do banheiro que era meio pequeno demais, o resto era perfeito, mesmo, o hotel possuía uma decoração magnífica e os quartos eram muito bonitos e organizados, o nome desse Hotel é Hotel Félicité, segue o site: http://www.hotelfelicite.com/ Já era em torno de 16 horas quando terminamos defitivamente de nos acomodar e fomos dar uma volta pela linda e bela Paris, primeiramente fomos na Sacre Couer, uma igreja que fica no ponto mais alto do bairro de Montmartre e também de toda a cidade de Paris, bairro conhecido pela famosa casa noturna Moulin Rouge. Para chegar até a igreja, haviam inúmeros degraus e inúmeros artistas de rua entre os mesmos, me lembro bem de um cara que fazia muitas peripécias e malabarismos com a bola em cima de um ponto que devia ter uma queda de uns 7 metros subímos até o topo da igreja, a 80 metros de altura do topo do Morro, qual possuía um bondinho para subida e descida, mas definitivamente não havia graça em subir pelo mesmo e sim pelos degraus. Havia milhares de caras vendendo pequenas torres souvenires e apenas passávamos e falávamos: Merci, pois eles nos seguiam e insistiam na venda, era foda. Logo depois fomos passear no Arco do Triunfo, o que me surpreendeu por ser tão grande e ter o acesso pelos túneis subterrâneos, até por que atravessar a rua que o circula, é definitivamente impossível...também passeamos e compramos coisas baratas (quase nada era) na famosa Champs Elysees, havia uma concessionária da Mercedes Benz onde um vendedor que possivelmente havia usado drogas ou não era muito completo de suas faculdades mentais pensou que eu possuía algum dinheiro e queria me vender um carro, o que me fez rir por algum tempo...depois disso comemos no McDonald's na Champs Elysees, onde era possível fazer o seu pedido em Máquinas eletrônicas que pareciam caixas eletrônicos e que o pedido era incrivelmente entregue simultaneamente ao lado, era lindo. O restaurante tinha 2 andares e era muito grande, havia muitas mesas das mais variadas formas e tamanhos, fiquei abismado com isso. Logo depois fomos aos arredores da Tour Eiffel, ela era tão magnífica, simplesmente inacreditável com a sua luz amarelada estonteante, fiquei por alguns minutos admirando a grandeza da obra e suas luzes brilhantes que piscavam com alguma frequência. Tiramos muitas fotos e pegamos um café para tomar olhando aquela belezura. Atravessamos a ponte sobre o Rio Sena, onde passavam inúmeras embarcações cheios de turistas com muito frio e nos mandavam saudações o/ chegamos ao Trocadero onde admiramos mais um bom tempo aquela maravilha, lembro-me bem de realmente sentir muita emoção por estar em um lugar tão lindo e grandioso. Olhando agora no google maps percebi que definitivamente estávamos parando na estação de metrô errada para ir até a Torre sAHUSAUsASuHSuHSHUAS, parávamos em Bir Hakein quando devíamos parar simplesmente no Trocadero, enfim, já passou...sAHSUHASUHShusS...depois desse tour pela linda Paris, decidimos voltar para o Hotel para acordar muito cedo no outro dia para aproveitarmos mais ainda essa cidade maravilhosa. Ainda temos 3 dias em Paris ;D (As fotos desse dia não estou conseguindo postar, vou verificar se consigo no post seguinte)
  2. Ei GraPessini de nada, obrigado você por estar lendo as minhas histórias mais toscas impossíveis ;D O Hostel de Amsterdam é esse: https://maps.google.com.br/maps?ie=UTF-8&q=stayokay+amsterdam+zeeburg&fb=1&gl=br&hq=stayokay&hnear=0x47c60949b31c2851:0x19ec4c0ebfbfa718,Zeeburg,+Amsterdam,+The+Netherlands&cid=0,0,7676061020480867128&ei=UCRiUdvBEKW70gHerIHgDg&ved=0CIYCEPwSMAA Demais mesmo! Muito bom o local, não era tão perto dos canais quanto esperávamos, uns 2 km pelo menos, mas havia ônibus e bondes por toda a volta dele, barato e com o café da manhã excelente! Fiz na verdade Bruxelas - Amsterdam com a SNBC e de Amsterdam - Paris também com a SNBC. Já de Paris - Londres usamos a Eurostar. Demais demais, vou continuar o relato e chegar em Paris agora ;D
  3. Relato do dia 15/02 em Amsterdam: Acordamos cedo e fomos tomar café da manhã no Hostel, que era delicioso, sem brincadeiras, 3 tipos de pães, muitos tipos de queijos, muitos presuntos, carnes, ovos, bacon, cereais, sucos de 1432434 tipos, café e tudo incluso no preço do hostel, demais mesmo! Foi a melhor refeição que tivemos na Europa, de longe. Conhecemos um casal brasileiro que iriam ficar ainda um bom tempo lá e como só iríamos ficar esse dia mesmo, não havia muito tempo a perder. Desta forma, fomos primeiro andar um pouco pelos canais, vimos um moinho gigante logo na saída do hostel, fomos até a Heineken Experience, que por sinal é um passeio e tanto, saí bem bêbado de lá e especialista diplomado em servir o perfeito chopp ;D (Heineken Draughtmaster o/) e com algumas compras interessantes, lá conhecemos um outro brasileiro que estava morando fazia uns 15 dias lá e conhecia muito bem por lá, ele nos deixou no Red Light District onde eu realmente não tirei foto alguma, afinal, estava cheio de seguranças bruta montes e um monte de mulheres deliciosas, digo, moças bem apessoadas se exibindo lá e tal...foi interessante, lá também visitamos um Coffeeshop nos arredores, sinceramente, foi a parte mais fraca da ida a Amsterdam. Depois disso visitamos a Anne Frank House, com muitas escadas mas interessante em demasia. Foi muito interessante e as história por trás do diário remetem às memórias pré montadas que mudam totalmente com a visita. Demos umas voltas por Amsterdam em algumas praças e basicamente comemos no McDonald's. Bebemos algumas cervejas no hostel e nos preparamos para pegar o trem para Paris no dia seguinte. Penso que devia ter aproveitado mais Amsterdam, deixei muito a desejar nessa passagem por lá. O hostel de Amsterdam é o Stayokay Zeeburg - Gastamos em torno de 90 Euros para duas noites, o café da manhã está incluso e o serviço é de primeira. Lá também minha namorada comprou uma Toca muito bonita da marca Robin Ruth, por 10 euros, escrita Amsterdam bem grande e bonito. Compramos muitos chaveiros na Heineken, além de uma camiseta e toca. Pena que a lojinha é cara =/ Amanhã posto sobre a nossa ida para Paris e o início da parte que eu considero como a melhor parte da viagem, com as melhores histórias possíveis dela ;D
  4. Opa Frederico! Obrigado pelo elogio e por acompanhar, contar as histórias é quase viver novamente a viagem, muito legal mesmo. Pois então cara, sabe o que eu curti mais em Paris? A presença do meu amigo que falava francês e pudemos desfrutar necessariamente de programas um pouco menos turistas e pelo fato da cidade ser muito menor e oferecer atrações tanto quanto Londres. O glamour da cidade em si é demais, os prédios da cidade são todos naquele estilo meio bucólico/cinzento, a sensação de estar na cidade por si só já valia a pena, em Londres não tive tanto esse feeling sacas? Também gostei muito o modo das pessoas se vestirem, curti demais o Louvre e o Rodin, consegui apreciar muito as obras e afins, o que não aconteceu tanto por exemplo no British Museum em Londres. O Metrô também achei um pouco mais acessível ao turista do que o de Londres. Não cultuo tanto a família Real Inglesa e meio que tudo em Londres remete a ela e tal. O problema também que pelo fato de ser apenas turista em Londres, não acessei tanto a cultura informal, o rock n' roll londrino e aquele clichês ingleses, estou pensando em organizar uma ida para ano que vem novamente e tentar curtir um pouco mais Londres. Eu achei adorável até ir no McDonald´s na Champs Elysees, me senti um pouco "estando em Paris, em um lugar cheio de magias e tal". Sinceramente, o que acho que deixaria Paris perfeita? Importar um pouco da paixão por futebol dos ingleses. Coisa que percebi muito em Londres, todos AMAM futebol, assim como eu. Detalhe cara, reforçando o que você disse sobre os gostos, minha namorada também preferiu Londres. Isso é tudo muito pessoal. De qualquer forma, eu também gostei muito de Londres, mas Paris eu definitivamente escolheria para morar se pudesse.
  5. Pois bem, meu relato continua com o dia 14/02, dia em que embarcamos para Amsterdam. Saímos bem cedo do Hostel em Bruxelas - Hello Hostel Brussels, este muito próximo a uma estação de metrô, qual nos levou até a Gare Central, onde compramos passagens para Antuérpia na Bélgica (uma estação muito linda por sinal nessa cidade, fotos em anexo). Lá compramos facilmente passagens para Amsterdam, quais ficamos em mãos durante o trajeto e ninguém veio para "furar" e conferir os nossos bilhetes. Compramos também uma comida chinesa que tinha muito alho lá, mas foi o nosso almoço, era uma espécie de Yakisoba, mas com alho em demasia. Enfim. A viagem foi linda e a paisagem melhor ainda, em Bruxelas estava mais frio, mas a paisagem foi ficando nevada assim que nos aproximávamos de Amsterdam, chegamos a estação e estava uma neve gigantesca e muita, mas muita gente por lá, visto que era em torno de 15:00 horas de lá e uma quinta feira. As passagens saíram meio salgadinhas no final das contas, uns 40 euros por cabeça. Chegando a estação central, o prédio da mesma era muito lindo, e a paisagem nevada estava deixando aquilo muito mais lindo. Exceto pelos bondes que insistiam em nos atropelar no meio da rua, o resto estava perfeito. Perguntamos na estação sobre o hostel qual ficaríamos, Stayokay Hostel, um hostel que mais parecia um hotel de 3 estrelas brasileiro. Era demais, banheiros grandes, tudo limpo, água super quentinha, café da manhã de primeira e preço agradável. Pegamos o "tram"de número 26 com orientação de uma mulher no guichê de informações, mas a operadora do bondinho não falava inglês e não soube nos ajudar quanto a compra das passagens, estávamos tão cansados que fingimos que não entendemos e realmente não havíamos entendido e entramos. Tentamos perguntar para umas pessoas sobre o hostel, mas quase ninguém falava nada fora do francês e holandês, um cara muito simpático nos ajudou nos explicando onde descer e dizendo que ele também desceria lá perto, falamos que não tínhamos tickets para sair do bonde, ele riu e pagou nossas passagens com o cartão dele, pois falou que ganhava da prefeitura os créditos. Tentei pagar pelas passagens, mas ele não aceitou. Infelizmente, ele nos deixou a pé em um lugar que dava quase 1 km do hostel, tentamos ir perguntando e enfim chegamos no hostel, depois de umas 2 horas caminhando =/ e cansados com as mochilas. Tomamos banho e saímos em busca de comida, achamos um mercado ali pertinho, que era gigante, mas não aceitava cartões --' de qualquer forma fomos lá e compramos algumas coisas, comemos novamente em um Kebab, que eu fiquei curioso para entrar pelo fato de que o nome do estabelecimento era: Kebab do Osman, meu pai também se chama Osman, fiquei curioso, nada demais, nunca tinha conhecido nenhum outro Osman e garanto que existem poucos no Brasil (nome turco e tal, apesar de não sermos turcos shAUShAUSHS). Voltamos ao hotel e sincronizamos a wi-fi, no bar do hostel estava rolando uma baladinha com algumas músicas clichê tal, o povo apesar de estar em uma rodinha não parecia muito animado, até começar a tocar: Barabarabara - BereBerebere, aquela música sertaneja chata que não faz o menor sentido, todos os gringos ficaram LOUCOS, começaram a pular, gritar e dançar a música como se não houvesse amanhã , fiquei com certo receio, mas aproveitei para mostrar meus dotes dançarinos e dançar um sertanejo, o que impressionou muito eles (não que eu dance bem, mas ninguém lá sabia dançar o mesmo ;D) quando foi ficando tarde, resolvemos ir dormir, afinal, no dia seguinte iríamos para o Red Light District - Heineken Experience - Anne Frank House e afins. À noite conto a saga do dia 15/02. A faculdade e o escritório estão me acabando nessa época =/ Até mais!
  6. Lorena Carvalho - obrigado por acompanhar, amanhã na hora do almoço postarei sobre a ida para Amsterdam e continuação da viagem.
  7. GraPessini, pois bem, quer um conselho? Deixe 10 dias para Paris e os outros 10 dias, fique 6 dias em Londres e 4 dias em Amsterdam, não sei qual é ao certo o seu interesse na viagem, mas visto que está pensando em comprar o Paris Museum Pass é interessante que reserve mais dias que o normal para Paris, ela tem muito mais a oferecer em cultura formal (igrejas, museus e monumentos), do que Londres e a sua demasiada cultura informal (pub's, parques e afins). Visto que só o Museu Rodin e o Museu do Louvre, o ideal é uns 3 dias para ver tudo, interessante gastar um bom tempo por lá, até por que ainda há: Notre Dame - Torre Eiffel - Champs de Mars - Champs Elyses e suas lojas, Arco do Triunfo - Sacre Couer - Chateau Versalles - Disney e afins. Pra mim a melhor cidade foi Paris, logo logo chegarei no relato dela. Quanto ao transporte, o trem é usado mesmo para se deslocar fora da região metropolitana e para as outras cidades, o metrô de Paris e de Londres são magníficos. Para se ter ideia, em Londres há 408 km de malha metroviária, em Paris há 212 km da mesma. Para efeitos de comparação, São Paulo (cidade mais populosa que ambas, muito mais que Paris e um tanto quanto mais que Londres), possui apenas 60 km de malha. Percebe? Dá pra fazer tudo de Metrô, escolher as próprias rotas, variadas delas e é absurdamente fácil de se usar. Eu comprei tickets de 24 horas ou de 48 horas, visto que o máximo de dias foi em Paris que fiquei e não foram muitos. Portanto, se for ficar mais tempo, estude a compra do ticket para 7 dias e afins. Sai relativamente barato, em Paris me lembro que eram 7 euros por dia, ilimitado e o mais interessante que em Paris, visto que é uma cidade mais turística propriamente que Londres (Londres sobrevive de muitas outras atividades, ao contrário de Paris, que é uma cidade principalmente turística), no próprio mapa em todas as estações quais são paradas para pontos turísticos há desenhos dos mesmos indicando no mapa onde é cada qual, é muito simples de se usar e nem precisa fazer roteiros, já em Londres, pelo fato da grande extensão da malha, o interessante é apenas saber qual Ponto de metrô corresponde ao local que você queira visitar. Dessa forma, não há erro, é muito mais fácil que escolher uma cerveja em um pub belga, isso sim é uma complicação imensa, verá mais adiante.
  8. Obrigado Juliana, não sabia que relatar era tão divertido! Parece que estou revivendo a viagem contando as histórias. Pois bem, não comprei o passe. Comprei passagens individuais mesmo pela Talys: www.raileurope.com.br saiu relativamente caro, mas era o que eu tinha, não havia me planejado. Em todo caso deu tudo certo, mas foi caro, é interessante se planejar nessas viagens internas com antecedência também, foi a única coisa que deixei para ver na hora, um grande erro. Debitaram os € 150,00 na hora e fiquei sem a bicicleta, mas quando cheguei no Brasil, enviei um e-mail para a empresa gestora das bicicletas, verifiquei uma semana depois do envio do e-mail e eles devolveram, pois constataram o erro do débito, sorte que eu guardei o comprovante que saiu da maquininha. Depois vendi os euros e tomei umas boas cervejas por aqui mesmo, afinal, era 380 pilas que eu não estava mais contando. Fiquei radiante com a graninha entrando e com a cerveja pintando. É como achar dinheiro em um bolso de uma calça que você usou a algumas semanas e foi para lavar, passar e depois ainda a grana está lá, e você não lembrava mais dela, sabe né? *------* Beijos
  9. Dia 12/02/2013 - Chegamos ao Aeroporto Internacional Afonso Pena em São José dos Pinhais por volta das 16:00, visto que nosso vôo para Belo Horizonte era às 19:00, embarcamos nossas malas que à princípio pegaríamos apenas em Bruxelas (Mentira), e fomos para o embarque, confesso que o piloto do vôo Gol era meio bruto demais e fez com que a aeronave fizesse um pouso meio estranho em Belo Horizonte, onde pegaríamos um vôo de 10 horas até Lisboa Portugal, em um avião muito maior e cheio de regalias com o serviço de bordo, visto que o vôo saiu era 00:00 do dia 13/02 e todas as pessoas quase já começaram a dormir, dessa forma, o que pedimos durante a madrugada para os comissários da Tap Air Portugal, fomos atendidos prontamente, acho que tomei quase 1,5L de vinho durante a ida, sem maiores problemas, por que abonei quase todos os que não tomaram do néctar ;D sHAUShAUSHUSHSUAS, um fato engraçado aconteceu na sala de embarque do aeroporto de Belo Horizonte, onde quando eu estava no Duty Free querendo comprar um Whisky mais barato, já na fila do caixa, passaram toda a tripulação do vôo na minha frente, pois eles tinham prioridade no Duty Free, o que me deixou pelo menos uns 10 minutos esperando na fila novamente, todos estavam comprando caixas e mais caixas de cigarro (Os europeus fumam pra valer). Chegamos em Lisboa por volta das 11:00 horário de Lisboa (Não lembro ao certo o horário de Brasília), para quem havia saído de Belo Horizonte, chegar em Lisboa, foi um choque de realidade da temperatura, mas nada que assuste um morador do Sul do Brasil, estava uns 9 ºC com um ventinho leve. Nada que exigisse mais que um moletom. Passamos pela imigração só fomos questionados qual era o motivo da viagem, nada demais, afinal, éramos turistas do bem e nem tínhamos caras de terroristas. Ficamos na área de embarque para Bruxelas até as 14:00, comemos (fomos assaltados) no McDonald's, onde uma McOferta era o equivalente a R$ 30,00 mas em compensação achamos um óculos RayBan no Duty Free por 100 euros, um modelo que no Brasil custaria o equivalente a R$ 600,00. Pegamos um avião do mesmo porte do vôo da Gol no Brasil para Bruxelas (o que me fez constatar que o piloto brasileiro realmente havia feito cagada no pouso em Belo horizonte, onde quase quebrou tudo), também da Tap Air Portugal para Bruxelas, cheio de pessoas muito bem arrumadas com seus ternos de R$ 2000,00 e cabelos impecáveis (Bruxelas é como a nossa Brasília, cheia de engravatados e capital política da União Européia), detalhe, o avião quando estava pousando, empinou o nariz novamente e falou que havia um avião na pista, e estava ainda meio perto, o que me fez ficar com um pouco de medo, visto que antes de viajar eu havia assistido o filme O Vôo com Denzel Washington e lido um pouco sobre os grandes acidentes aéreos da história (Eu sei que fui burro, ok), depois de mais uns 10 minutos de Vôo aterrissamos suavemente em um Aeroporto muito bonito, que fora a presença de policiais com armas que pareciam estar lá direto dos filmes de guerra, estava tudo dentro do normal, um monte de pessoas correndo, tv's e duty free's por lá (chegamos na semana em que houve o maior roubo de diamantes da história nesse mesmo aeroporto, por isso a presença de tanta gente armada). Depois de quase meia hora esperando as malas chegarem as esteiras e já um tanto quanto cansados da viagem, conseguimos sair do aeroporto e pegar um taxi de lá mesmo, aí sim o frio já era de verdade, fazia uns -5 ºC lá fora e um vento de cortar a alma. Fomos até o Hostel, o que deu em torno de 50 Euros a corrida, uma grande besteira da nossa parte, visto que o Metrô era por ali mesmo =X saushausAUuSUS, enfim, estávamos cansados. Deixamos nossas coisas, tomamos banho e pegamos a direção do hotel onde nosso amigo estava hospedado (estava participando de um programa de jovens dentro do Parlamento Belga, coisa importante), fizemos surpresa para ele, tomamos algumas cervejas belgas e demos uma volta pela cidade, fomos a uma Pub típido irlândes, perto da Grand Place (Que não é tão grande assim, mas é muito linda), chamado Celtica, onde havia uma garçonete brasileira muito simpática e um povo gente boa. A cerveja era um tanto quanto barata, no máximo 2 euros um pit de 500 ml, bem interessante para encher a cara. O único problema era que as pessoas não ligavam muito de vomitar no chão, a toda hora. sAUSHAUSHUAHSSUS, enfim, coisas de lá. Comemos um Kebab em um restaurante bem bonito e barato também. Pegamos um taxi, que deu uns 12 euros e quando fomos pagar com uma nota de 50 euros, o taxista começou a gritar a única frase que ele sabia pelo jeito: IT'S NOT MY FAULT! IT'S NOT MY FAULT! IT'S NOT MY FAULT! IT IS YOUR FAULT! AAAHHHHHHH! Fiquei com um pouco de medo, visto que ele tinha um jeito extremista islâmico e poderia nos matar a qualquer hora com a sua AK-47, visto que realmente estava possuído pela ira. Trocamos o dinheiro com um outro carinha no hostel, que só falava francês, mas entendeu quando eu falei: CHANGE PLEASE! I NEED FOR TAXI! shAUHSUAHSUAHUSs, pagamos e deixamos que ele fosse explodir outro prédio com o seu Taxi bomba. Conhecemos duas brasileiras do Rio de Janeiro no bar do Hostel ainda nessa madrugada e depois fomos dormir, afinal, pela manhã pegaríamos um trem para Amsterdam, passando por Antuérpia. Ah! Me esqueci de uma coisa, fui tentar alugar uma bicicleta naquelas máquinas que elas ficam na rua e além de não conseguir tirá-la do lugar, fui debitado em 150 euros o meu cartão, pois a máquina entendeu que eu havia extraviado a mesma enfim, estava tudo em francês, o que me ferrou e muito. Mais tarde posto da viagem até Amsterdam, a cidade da liberdade, do pecado e o que queriam associar a ela.
  10. Bom, como toda história, há um começo, meio e fim, certo? Não sei, talvez. Penso que pode haver uma história apenas com o começo, sem meio e sem fim, uma história digna de carregar o adjetivo de infinita. É o que eu espero das minhas histórias, minhas histórias das minhas viagens. Essa minha história contínua relatada nesse post, começou em meados de Setembro do ano passado, quando havia já 2 meses que o meu melhor amigo, de infância, havia deixado a minha turma do curso de Direito na Universidade Estadual de Ponta Grossa, para ir morar em Bruxelas por 1 ano, realizando um sonho antigo e tendo suporte do Rotary Club International. Conversávamos todas as semanas e ele me retratava com paixão todos os fatos europeus da jornada dele. O que me foi despertando interesse pela região. Lá pelo dia 20-25 de Setembro, resolvi, eu iria usar as minhas férias laborais para ir para Europa, lugar qual até o momento não conhecia (Já havia dado alguns passos pela América do Sul e América do Norte), estas quais gozaria juntamente com as férias acadêmicas, em meados de Janeiro/Fevereiro. Conversei com a minha namorada Vanessa e ela à princípio foi resistente a ideia, visto que o período era pequeno para juntar grana e afins. Mas eu puxei a responsa pra mim e ela colaborou um tanto quanto fora do comum financeiramente, em setembro, novembro, dezembro (13 salário quebrando o galho também) e janeiro, juntamos de nossos salários o equivalente a R$ 20.000,00. O que era uma quantia significativa, mas talvez nem tanto para passar os referidos 15 dias na Europa. Visto que Apenas Bruxelas não era necessariamente um destino para 15 dias, começamos a pensar quais outras cidades visitaríamos, pensamos em Milão, Zurique, Viena, Berlin. Mas dada a nossa situação financeira um tanto quanto limitada, optamos por fazer aquele nicho de Bruxelas - Londres - Paris - Amsterdam, pareceu mais sensato. Mensalmente optamos por depositar o nosso dinheiro na conta adquirida junto a casa de câmbio Confidence - http://www.confidencecambio.com.br e possuíamos o equivalente a € 7.000,00. (Calma, ainda chegarei a parte de que esquecemos das Libras Esterlinas =X) Compramos em meados de Janeiro de 2013 às passagens aéreas com destino final Bruxelas, pela empresa Decolar - http://www.decolar.com.br pagamos o equivalente a R$ 2350,00 por pessoa nas passagens, o que me pareceu um negócio muito vantajoso, visto que os vôos com todas as conexões estavam dentro de uma faixa de 20 - 30 horas no total, o nosso itinerário foi de 19 horas apenas. Saindo de Curitiba no Paraná, chegando em Belo Horizonte em Minas Gerais - Lisboa em Portugal - Bruxelas na Bélgica, retornando de Bruxelas à Lisboa - Brasília - Curitiba. Efetuamos antecipadamente as reservas nos hostels e hotéis programados à princípio com esse cartão fornecido pela Confidence. Ele funcionava como um cartão de crédito, mas que já estava pago, simplesmente um cartão de crédito pré pago, como se fosse um cartão de débito, mas sem conta corrente. Comprei antecipadamente também entradas para o Louvre / Tour Eiffel nesse site: http://www.ticketnet.fr/ , além de entradas para a London Eye no site da própria, http://www.londoneye.com/ levando tudo impresso em folhas A4. Fiz um seguro saúde junto a uma agência de viagens da minha cidade e optamos pelo seguro Global Travel Assistance, qual era pelo menos a metade do valor do segundo seguro que tínhamos opção, atendia todas as necessidades e evidentemente, não utilizamos. Visto isso, preparei as mochilas, optamos por levar duas mochilas de 50 Litros da marca Trilhas e Rumos para caminhada e duas mochilas pequenas da marca Swissgear de 15 litros cada, estas compradas em Miami por uma pechincha, são caras no Brasil, mas muito baratas nos Estados Unidos, além de serem ultra confortáveis e resistentes, sim, levamos estas como bagagem de mão. Levamos também uma mala de mão com coisas para o meu amigo, enviada pelos pais dele, umas cachaças para caipirinhas e afins. Desmitificando uma coisa: Cada passageiro de vôo internacional tem direito a 2 malas até 32 KG e a mala de mão ao contrário do que dizem, não é de limite 6 kg e sim 12 kg, pelo fato de ser internacional, um funcionário da Gol me falou isso no Brasil ainda, quando eu estava preocupado com o peso da minha bagagem de mão, que dava uns 8 kg, pois levei laptop, ipad câmera e afins. Além de que ele me disse, que não há de se preocupar, por que o importante é caber no bagageiro acima ou em baixo da poltrona na sua frente. Basicamente levei roupas leves, uma camiseta/cueca/meias para cada dia, um moletom para cada 3 dias, 1 jeans para cada 3 dias também e um casaco da nike que era impermeável e leve porém não deixava passar frio algum, além de que usei aquelas calças legging, isso mesmo, de mulher mesmo, por baixo das jeans, pois fui no inverno bem rigoroso e peguei neve em quase todos os lugares lá, um cachecol, uma bota crocs e um tênis baixinho lacoste. Usava basicamente camiseta, moleton, jaquenta, legging e jeans simultaneamente todos os dias. No próximo post começarei a contar o início até o fim da viagem.
  11. Ei Aldo! Obrigado por ler! Vou começar agora na hora do almoço a fazer um relato mais completo, um relato dia a dia do que fiz, quanto tempo gastei, quanto dinheiro gastei e literalmente relatar passo a passo. Peguei um extrato do cartão internacional e farei os passos conforme os gastos, isso facilitou muito na hora de lembrar de tudo. Pode acompanhar aqui que durante a semana irei postar a viagem inteira, as histórias, gafes, enrascadas (causadas por nós mesmos, nada de grave) e enfim...obrigado a quem ler e comentar, fico muito grato por ter a oportunidade de dividir a experiência com todos.
  12. Grande parte do itinerário com a minha namorada, eu obtive no relato dessa querida moça aqui do fórum: europa-15-dias-londres-bruxelas-bruges-amsterdam-e-paris-t47084.html
  13. Quanto aos vistos de entrada e necessidade deles, todo mundo fica todo tenebroso em ser barrado nas aduanas tanto na entrada da União Européia ou Inglaterra, o importante evidentemente é ter tudo em mãos, seguro saúde, comprovação de dinheiro, passaporte em boas condições, passagens de volta. Agora, ocorre que em todos os lugares que transitamos, apenas perguntavam quais eram os fins da viagem, (lembrando que não é obrigatório o visto para a união européia para permanência inferior a três meses e com fins turísticos) satisfeitos com as respostas de turismo e em saber que tínhamos passagens de volta para o Brasil já compradas, fomos muito bem tratados em todos os lugares e não tivemos problema algum, até o policial federal de Bruxelas perguntou: Estão em Lua de Mel? Parecem com a empolgação de recém casados, lembro-me bem quando casei, ERA (enfatizando o passado) tão bom aquele tempo e caiu na gargalhada. Destaques, por cidade: Bruxelas: Grand Place, Delirium, Atomium e a aristocracia de todas as pessoas na capital política da União Européia. Paris: Torre Eiffel, Arco do Triunfo, Museu do Louvre, Basilique du Sacré-Cœur, Cathedral de Notre Dame, Avenue Champs Elysees, a moda e o bom gosto de todas as pessoas (A melhor cidade visitada na minha opinião). Londres: Camden Town, Palácio de Buckingham, Pub's, St Paul Cathedral, Tower's Bridge, London Eye, Big Ben/Parlament, coisas caríssimas. Amsterdam: Anne Frank House, Red Light District, Heineken Experience e o charme das ruas e seus canais, bicicletas por todos os lados. Bruges: Canais e Igrejinhas do século 17, souvenires absurdamente caros.
  14. Quanto ao site escolhido para à compra das passagens aéreas, indiscutivelmente, o melhor foi o Decolar.com Os preços muito abaixo do mercado e as companhias aéreas escolhidas atenderam muito bem as expectativas. Dentro do Brasil usamos a Gol, e para o vôo internacional Brasil - Portugal e vice e versa usamos a Tap Portugal, de Portugal até Bruxelas usamos a Tap também. De Bruxelas até Amsterdam, Amsterdam até Paris e Paris para Londres, fomos de Trem, qual foi uma opção relativamente barata, rápida e confortável, sem maiores problemas, exceto a perda de um dos trens, qual foi resolvido por um funcionário gente boa que apenas nos remanejou para um trem que sairia depois sem custo algum. De Londres para Bruxelas optamos pela Brussels Airlines, que era um tanto quanto cara as passagens, mas era a única opção do dia, e pra melhorar ainda perdemos o vôo e tivemos que comprar novamente, mas encontramos o Brian May, guitarrista do Queen no aeroporto pós perda do vôo, o que eu não diria necessariamente que valeu a pena ter perdido o vôo, mas abonou um tanto quanto o gasto excessivo de mais uma passagem para cada. À princípio nos hospedaríamos em Hostels (Albergues), mas visto as condições de vivência no primeiro dia das hospedagens, optei por cancelar as reservas e reservar Hotéis mesmo, tudo pelo site hostelworld.com com preços acessíveis. Quanto a Bruges, fomos de Bruxelas e voltamos no mesmo dia, estava nevando muito na cidade portanto não tinha tantas pessoas assim nos trens e nem na cidade. Nas refeições optamos por McDonald's e Quick (O fast food local belga/francês), além de Subway/Kebab's limpinhos e alguns restaurantes baratos em londres. Os pub's foram uma ótima opção para tomar uma boa cerveja e ver um bom futebol. Lembro-me bem de ver em Londres o Arsenal levar em casa um 3x1 do Bayern de Munique. E em um pub em Camden Town ver o Milan ganhar do Barcelona em casa de 2x0 para alegria do povo do pub. Fora é claro a fábrica da Heineken em Amsterdam e o Delirium em Bruxelas, bar certificado pelo guinness book como sendo o bar em todo o mundo com a maior variedade de cervejas (o cardápio parece um livro, são mais de 2000 marcas ) Ter dinheiro trocado para o Taxi ajuda muito, ainda mais quando se tem apenas o inglês na ponta da língua e se pega algum taxista com o holandês/francês como língua mãe. Apenas os taxistas dos aeroportos aceitam cartões de crédito ou valores altos em moeda. Fica a dica. Pode-se conseguir dinheiro em qualquer caixa eletrônico de qualquer banco pelas ruas, as taxas são pequenas e pode-se sacar até do cartão de crédito. Recomendo cartões de Euro/Libra pré pagos que podem ser conseguidos nas casas de câmbio aqui no Brasil, usei o da Confidence, muito bom, sem problemas algum, bom sempre ter um cartão reserva para caso de perda/roubo. O transporte público é muito eficiente, só não pode confiar muito em informações dos guichês caso não se fale Francês na região de Paris/Bruxelas. É bem complicado. Apesar de que o metrô de Paris/Londres são facílimos de serem usados, é muito claro e basta decorar a estação perto do seu hotel/hostel, o resto é resto, pode-se ficar a vontade e traçar as próprias rotas. Além de que o metrô de Paris, possui os pontos turísticos desenhado nos mapas e indica dentro dos vagões onde é cada ponto turístico conforme se passa por eles. Pelo fato de não ficar mais do que 4 dias no máximo em cada cidade, optamos por comprar bilhetes válidos por 24 horas ou 48 horas dependendo da cidade. Havia estações sem catraca em Bruxelas por exemplo, algo que negligenciamos sem nenhuma intenção e apesar de possuir o bilhete, só percebemos não termos usado os mesmos apenas dentro dos trens já. É muita cultura do povo para se ter tamanha abertura e confiança. Caso alguém tenha alguma pergunta ou dúvida, sintam-se a vontade de perguntar. Vou postando os relatos aqui conforme eu me lembre deles. (Em Londres compramos uma câmera profissional e de repente no meio da viagem as fotos ficaram profissionais, como em um passe de mágica, a foto em Anexo, na cidade de Bruges, com o meu melhor amigo que está morando em Bruxelas e a minha fiel escudeira, minha namorada qual foi comigo, respectivamente: ela com sua toca de Amsterdam, Eu e ele com as nossas de Brugge ou Bruges para o Português, já é com essa nova câmera) Boas viagens ;D
  15. Pretendo relatar aqui um pouco das histórias minhas e da minha namorada, da viagem ocorrida entre os dias 12/02/2013 à 27/02/2013. Esse foi o nosso itinerário: 12/02/2013 - Ponta Grossa/PR - Curitiba/PR - Belo Horizonte/MG. 13/02/2013 - Lisboa/Portugal - Bruxelas/Bélgica. 14/02/2013 - Amsterdam/Holanda. 15/02/2013 - Amsterdam/Holanda. 16/02/2013 - Paris/França. 17/02/2013 - Paris/França. 18/02/2013 - Paris/França. 19/02/2013 - Paris/França. 20/02/2013 - Londres/Inglaterra. 21/02/2013 - Londres/Inglaterra. 22/02/2013 - Londres/Inglaterra. 23/02/2013 - Bruxelas/Bélgica. 24/02/2013 - Bruges/Bélgica. 25/02/2013 - Bruxelas/Bélgica. 26/02/2013 - Bruxelas/Bélgica - Lisboa/Portugal. 27/02/2013 - Brasília/DF - Curitiba/PR - Ponta Grossa/PR.
×