Ir para conteúdo

Haialla

Membros
  • Total de itens

    5
  • Registro em

  • Última visita

Tudo que Haialla postou

  1. Tenho um ex namorado indiano e quando fui a India fiquei hospedada na casa da familia dele. É uma cultura muito interessante! Os indianos por norma não namoram e o meu caso foi por ele já não morar mais na India há muitos anos. Quando eu resolvi conhecer a India o namoro já tinha acabado, mas quando cheguei na casa da familia dele (em Chandigarh) fui tratada como nora/cunhada. Deram-me os tradicionais presentes que dão as noras (roupas tradicionais e jóias), meus ex-cunhados chamavam-me "didi" ("irmã mais velha", na India a esposa passa a ser da familia) e na rua, as pessoas são muito curiosas e quando perguntavam a resposta era "my brother's fiancee" Durante minha estadia fui tratada como princesa, tinha empregados a fazer-me coisas e não me deixaram gastar uma rupia com nada. Compravam-me, além de roupas e jóias, sandálias, make, lenços, acessórios... Levaram a vários lugares de carro. Não experimentei o famoso transporte publico da India, apenas o tuck tuck por insistência minha. Não saía sozinha para lugar nenhum e o meu ex ligava 4 vezes por dia para ter a certeza que eu não tinha saído sozinha. LOL Amei, amei. Já tinha paixão pela India, agora que ganhei lá uma família nem se fala. Em novembro a irmã dele vai casar e ela me quer lá, fazendo o papel da irmã mais velha... Adorei o seu relato e quando li que ficou em Chandigarh senti muita nostalgia... Sukhna Lake, Rocks Garden, Sector 17 ... Vivi como eles, comendo com as mãos, acordando com o chai e tomando aquele café da manhã que mais parece um almoço, aprendi a fazer pulao e roti com a empregada da casa, ia aos templos e repetia os rituais com eles sem saber bem o que significava e amei, mas confesso que queria ter vivido assim como vc fez, com mochila às costas e se jogando em tudo, mesmo como turista, é mais a minha cara (por isso meu ex ligava, já sabe como sou). Vou seguir seu blog. Bjs
  2. o relato da minha viagem está todo aqui http://haialla-india.blogspot.pt espero q gostem
  3. Haialla

    AGRA E TAJ MAHAL

    Estive em Agra há duas semanas e o taj mahal é realmente um deslumbre para os olhos. Mas a cidade em si consegue ser mais suja que Delhi. Cheirava tão mal! Para completar a sua descrição do Taj Mahal, conta a lenda que após o términio da construção, Shah Jahan mandou cortar as mãos de todos os operários para que nunca mais construissem algo igual ou mais bonito que o Taj Mahal...
  4. Dia 21/22 de abril, Lisboa - Dubai - Nova Delhi Minha viagem começa em um domingo super ensolarado em Lisboa. Cheguei cedo ao aeroporto e troquei euros por dhiran (moeda do Dubai) e rupias (moeda da India). Troquei apenas 25AED pois ficaria apenas 4h no aeroporto de Dubai. Viajei com a Emirates Air line, companhia aérea árabe. Já me tinham falado bastante bem desta empresa que aliás, é a 8ª melhor companhia aérea do mundo. O vôo foi super tranquilo e a comida... bem, já comecei com comida indiana!!! Caril de borrego, muito bem servido! Aliás, esqueça tudo que você sabe sobre comida de avião, pois a da Emirates tem sabor. A entrada foi salada de camarão! A parte de entretenimento conta com músicas, programas de TV e mais de 300 filmes em diversas línguas! Eu escolhi o filme de Bollywood "Namaste London", como já conhecia a música do filme resolvi assistir. Romântico e fantasioso como quase todo filme de Bollywood. Cheguei ao Dubai as 03:55 da manhã, 50 minutos antes do previsto! Passeei bastante pelo Terminal 3, que por acaso é o maior terminal de aeroporto do mundo! Tem 388 km quadrados! Eu disse kilometros! Só o terminal. Parei para tomar café com leite e croissant e paguei 28,50 dhirans (cerca de 6 euros / 15 reais) Como só tinha 25, paguei com cartão de crédito o café da manhã mais caro da minha vida. Para a minha sorte o aeroporto tem wifi gratuito e passei bem o meu tempo. O vôo para Nova Delhi era só às 9:45. Comprei uma pasta de dentes por 15AED e despachei-me pois tinha uma longa caminhada até o meu portão de embarque. Até então não sabia que por ser tão gigantesco, o aeroporto dispõe de comboios/trens para levar até os portões (até hoje eu só tinha visto aeroportos com trens para levar de um terminal a outro). No avião sentei ao lado de uma indiana muito simpática. Conversamos e rimos bastante. Aproveitei para perguntá-la como cumprimentar a familia indiana que estava me recebendo (aqui a gente se joga logo com beijos e abraços pra toda gente) e ela me explicou que nunca devo chamar nenhum indiano mais velho que eu pelo nome próprio. Aconselhou-me a chamá-los de "uncle" (tio) e "auntie" (tia). Eu estava realmente nervosa e emocionada. Nem quis acreditar quando desembarquei no Aeroporto Internacional Indira Gandhi. Passei pela imigração e fui pegar minha mala. Fui ao banheiro e descobri que a história do papel higiênico é verdadeira! Não há, simplesmente! Na India há uma pequena torneira com uma manguerinha comprida ao lado do sanitário para você se lavar. Ainda bem que tinha na bolsa lenços de papel. Se você acha estranho estar a lavar-se num banheiro público, leve lenços de papel na bolsa quando for a India. Dirigi-me para a saída, mas como o meu vôo chegou 1hora antes do previsto (às !3:50), a Manu, minha irmã indiana (que ainda não conhecia) não tinha chegado. A Monaliza (a garota que conheci no avião) veio ter comigo e ficou até a Manu chegar para me buscar. A Manu vinha sorridente, mas tímida. Abracei-a feliz da vida, nem acreditava que estava na India, uma viagem de sonho que há muito tempo queria fazer. No carro cumprimentei o rapaz que estava a conduzir e o pai dela que ia a frente. No caminho até a casa ri-me muito ao ver as vacas passeando no meio da rua, junto com os carros e ônibus, no meio de uma grande cidade como Nova Delhi. Os rickshaws (tuck tuck) são as toneladas no meio do trânsito. Aliás, que trânsito! Complicado, mas divertido! Eu estava nervosa e preocupada pensando no momento em que iria cumprimentar a "Auntie", mãe da Manu, mas quando desci do carro ela estava sorrindo com os braços já abertos dizendo "Hello Haialla". Eu então abracei-a e a partir daí já me senti muito à vontade. Disseram-me logo que eu não me preocupasse com as malas, apenas relaxasse na sala. Serviram-me chá, refrigerantes e snacks. Perguntaram sobre a viagem, a Manu deu-me uma toalha e a seguir ao banho eu descansei por algumas horas no quarto. Quando acordei conversamos um pouco, eu, a Manu e a Auntie. No jantar era tanta comida e tão deliciosa que eu não conseguia parar de comer! E quanto mais eu comia, mais eles colocavam no meu prato! Até que tive mesmo de parar! Eu adoro comida indiana e pimenta, mas aquela era realmente muito melhor do que qualquer outra comida indiana que comi. Fiquei a saber que um dos pratos foi feito pelo meu "Uncle", pai da Manu. Eles comem com as mãos, mas sabem fazê-lo! Eu atrapalhava-me e sujava-me toda! Mas eles deixaram-me tão à vontade que não me senti envergonhada. Porém ainda não me sentia à vontade o suficiente para pedir garfo e faca... Neste primeiro dia apenas comi e dormi. Eu não era uma turista convencional e sair sozinha em Nova Delhi à noite, nem pensar! Aliás, sozinha a lugar nenhum!
  5. Só uma correção: o sikhismo não é um tipo de hinduísmo, é uma religião monoteísta nova (pouco mais de 500 anos), fundada pelo Guru Nanak que era um hindu, mas é uma religião totalmente diferente do hinduísmo, que é politeísta. Os sikhs crêem em um único Deus e nos ensinamentos dos 10 gurus. É também uma religião de paz, onde todos são iguais perante Deus. Se você entrar numa Gurudwara, será bem-vindo, terá água, comida e até lugar para dormir, independente da sua religião porque eles não vão te perguntar isso. Todos os templos sikh tem 4 portas para simbolizar as 4 maiores religiões do mundo, simbolicamente dizendo que todas são bem vindas. Quanto ao turbante, não é quando casam que passam a usar o turbante maior, mas logo que passam a fase da chamada "adolescência". Parabéns pela viagem e relato. A India é uma paixão!
×
×
  • Criar Novo...