Ir para conteúdo

barbara.hernandes

Colaboradores
  • Total de itens

    43
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

1 Neutra

Sobre barbara.hernandes

  • Data de Nascimento 01-12-1987

Outras informações

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. Ahhhh, Santiago, que cidade linda! Nós ficamos efetivamente somente dois dias inteiros na capital chilena, e foi bem ok pra conhecer alguns lugares por lá que queríamos conhecer. Claro que faltaram algumas coisas, e eu adoraria ter feito algum walking tour ou algo assim pra aprender mais sobre a história da cidade, mas vim embora super satisfeita com o que vi. Santiago é uma cidade com aproximadamente 6 milhões de pessoas e fica ao lado da cordilheira dos Andes, o que por si só já causa um impacto no olhar quando você chega na cidade. Lembro de ver as montanhas ainda no carro saindo do ae
  2. Olha, difícil ter uma viagem onde tudo, absolutamente tudo, dê certo. Sempre tem algum plano que você tem que mudar, um horário, um trajeto, alguma coisa. Tem também aqueles mega problemas tipo ser assaltado, perder algo de valor, e nesse sentido já adianto que não aconteceu nada de mal. Mas essa viagem pro Chile teve perrengue e planos furados - alguns por puro azar, outros por sacanagem de outros, e finalmente, alguns simplesmente pela época do ano em que estivemos por lá. Sem mais delongas, vamos tirar o elefante da sala e falar de todos os perrengues de uma vez.
  3. Oi, Marcelo! Meu blog mudou de endereço mas continua super ativo! www.barbaridades.net Obrigada!
  4. Desembarcamos em Oslo num fim de tarde de uma sexta-feira. Ficamos num apartamento reservado pelo AirBnb e já havíamos comprado também o ticket do ônibus que te leva do aeroporto (Rygge) até à estação central, o que dá em torno de uma hora. O apartamento que alugamos ficava perto de uma estação de metrô, que por sua vez ficava à 15 minutos do centro (três estações pra ser mais exata). Acomodação em Oslo pode ser bem cara e apesar desse apê não ter sido exatamente baratíssimo, foi muito bom pois pudemos fazer compras no mercado e fazer algumas refeições "em casa", o que nos ajudou a economi
  5. Para ler o relato completo e também outras viagens pela Europa, acesse meu blog! http://www.barbarahernandes.com/2016/01/lillehammer-uma-visita-que-vale-pena.html A ideia de visitar Lillehammer veio por dois motivos: eu sabia que não estaria frio o suficiente para ver neve na capital norueguesa, Oslo. O segundo motivo? Bem, eu adoro o seriado Lillyhammer (tem na Netflix!) e juntei o útil ao agradável. Pegamos um trem bem cedo na estação cetral de Oslo e em duas horas desembarcamos na pequena estação da cidade. Lillehammer é uma cidade com pouco mais de 26 mil habitantes, o que é g
  6. Eu ainda tinha uma semana de férias pra tirar esse ano e junto com o R. conseguimos bolar um plano que unisse nossos dias disponíveis + passeios baratos + visitar amigos: o resultado foi Bristol, onde um dos amigos do R. mora e cidade que abriga um festival de balões todo ano, em agosto. Eu já sabia desse festival desde a época que estava vindo pra Irlanda, quando pesquisei sobre o passeio de balão na Turquia (pra quem não sabe, vim de São Paulo e parei em Istambul por 4 dias antes de seguir pra Dublin). Como não daria pra fazer o passeio na Capadócia, pensei que morando na Irlanda seria m
  7. Nas nossas férias de Agosto tivemos a oportunidade de encaixar uma rápida visita à capital do País de Gales - graças à proximidade do local com a cidade onde estávamos antes, Bristol, na Inglaterra. Compramos a passagem de ônibus pela internet (10 libras ida e volta) e em mais ou menos 1h chegamos em Cardiff - numa segunda-feira extremamente cinza e chuvosa! A gente achava que ia ser deixado na estação de ônibus, mas poucos dias antes de estarmos lá a National Express (cia de ônibus) mudou algumas rotas e acabou mudando a parada final de Cardiff - fomos deixados no Bute Park. Só que não sa
  8. Nós já sabíamos que choveria no dia em que havíamos programado pra ir pra Amsterdã e por isso (ao menos eu) estávamos psicologicamente preparados (e meeeu, choveu o dia inteiro!). Fomos de carro da cidade de onde a Carol e o R. moram e ele estacionou no estádio olímpico, já que lá há um esquema de park & ride que sai super baratinho: você deixa seu carro lá e pega um tram até a cidade. Amsterdã não é lugar feito pra carros (e o estacionamento nas ruas de lá é o mais caro do mundo: 7 euros por hora!). Chegamos no local onde começaria o walking tour (de praxe, já que em toda cidade onde
  9. No mesmo dia em que visitamos o Keukenhof, parque das tulipas, passamos uma tarde na charmosinha e querida Rotterdam. Quer dizer, antes de seguir de Keukenhof pra lá paramos na estrada para um lanchinho rápido e tipicamente holandês: o kroket! Gente, o que dizer desse salgado que conheço há pouco tempo mas que já considero pacas? Ainda mais servido num pão gostosinho? De lá seguimos pra Rotterdam - uns 45min, 1 h de estrada mais ou menos. Ao chegar lá, já vi que Rotterdam tinha cara de cidade "normal", nada muito diferente do que eu já tenha visto por esse lado do oceano e até
  10. Se algum dia me dissessem que um dia eu visitaria o maior parque de flores do mundo, aquele que a gente vê o povo comentando e tal, eu jamais acreditaria. Se algum dia me dissessem que eu reencontraria uma amiga da época da Cultura Inglesa nesse parque, eu jamais acreditaria. Se algum dia me dissessem que eu ficaria apaixonada pela Holanda, eu jamais acreditaria. E a verdade é que tudo isso aconteceu. A Carol e o R. (pois é, o nome do namorado dela também começa com R!) foram nos buscar no aeroporto e de lá já fomos direto pro parque - se você não tem hosts maravilhosos qu
  11. [t1]3 dias em Munique e arredores[/t1] No feriado de outubro de 2015 pude finalmente colocar meus pés em terras alemãs novamente - dessa vez, pra conhecer as belezas de Munique e arredores. A ideia de ir pra Alemanha novamente não é nova e por dois motivos: o namorado morou em Munique um tempo e desde que nos conhecemos diz que queria me levar pra lá; 2) Tenho uma amiga que mora em Stuttgart e desde que ela veio, meses antes deu vir pra Irlanda, comentamos deu ir visitá-la na Alemanha. Finalmente conseguimos alinhar os astros e fizemos esse encontro acontecer! Voamos de Aer Li
  12. Susanne, eu moro na Irlanda há dois anos e posso afirmar que Dublin não é um destino legal pra quem quer APRENDER INGLÊS. De verdade. Não sei se você tem acompanhados as notícias de fechamento de escolas e mudanças pro visto de estudante por aqui... Não conheço ninguém que tenha estudado em San Diego, mas eu diria que a possibilidade de você encontrar escolas mais sérias é muito maior. Eu tenho um blog onde falo da minha vida aqui na Irlanda, às vezes tem alguma coisa por lá que te ajude a decidir! www.barbarahernandes.com
  13. Pra tirar a prova eu escolheria uns 5 destinos desses e olharia o custo da passagem individualmente, só pra ter uma média. Na Áustria, por exemplo, eu paguei coisa de 70 euros ida-e-volta de Viena pra Salzburgo, então alguns acabam saindo mais caro do que outros, né? Se cada trecho custar uns 40, 50 euros, aí o passe pra se locomover por toda a Europa acaba compensando muito (e você não terá o trabalho de comprar trechos individuais).
  14. Pra mim a melhor coisa de ter ido pra Barcelona em janeiro, fora de temporada, é que praticamente não há filas e dá pra fazer tudo com tranquilidade, sem morrer de frio ou calor. Eu não tinha comprado ingresso pra Sagrada Família, por exemplo, e fiquei uns 20 minutos na fila pra comprar, quando há relato de pessoas que passaram horas na fila no verão!
  15. Reforçando as dicas do pessoal: pra quem não tem muito tempo de passear pela Irlanda, realmente os arredores de Dublin já dão belíssimos passeios. O que mais recomendo é passar um dia em Wicklow. Além disso, tem a praia de Greystones, a cidadezinha de Bray e o castelo e jardim de Malahide, que são lindos! http://www.barbarahernandes.com/p/arredores.html
×
×
  • Criar Novo...