Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

QUERUBA

Membros
  • Total de itens

    39
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

0 Neutra

Sobre QUERUBA

  • Data de Nascimento Julho 14

Outras informações

  • Lugares que já visitei
    Parque Nacional do Itatiaia, Serra do Caparaó, Serra da Canastra, Carrancas
  • Meus Relatos de viagem
    http://subiaserra.blogspot.com.br/2015/05/primeiro-dia-prainhas-do-sao-francisco.html
    http://subiaserra.blogspot.com.br/2015/05/serra-da-canastra-parte-alta-i.html
    http://subiaserra.blogspot.com.br/2015/05/serra-da-canastra-parte-alta-ii.html
    http://subiaserra.blogspot.com.br/2015/05/serra-da-canastra-como-chegar.html
  • Ocupação
    JORNALISTA
  • Meu Blog
  1. QUERUBA

    Chapada Diamantina

    Bacana Beto! Vou falar com você lá. Já te achei no Facebook também hehe. Nossa estadia vai coincidir em Lençóis. Podemos dividir custos da ida de carro pros passeios por lá. Mais alguém afim aí? Tem também o período em Mucugê para fazer os passeios por lá! Bora compartilhar os custos e essa experiência mochileiros! hehe. Abração moçada!
  2. QUERUBA

    Chapada Diamantina

    Boa tarde de domingo mochileiros! Tô indo sozinho pra Chapada de 05 a 14 de Abril (mês que vem). Pretendo alugar um carro em Lençóis por 2 dias (06 e 07-04) para fazer os passeios na região de Lençóis e depois por 3 dias (10, 11 e 12-04) para fazer os passeios na região de Mucugê. Se alguém estiver com um roteiro parecido e quiser dividir custos da locação do carro... Só fazer contato. Aproveito aqui para pedir indicação de guias para fazer passeios em Lençóis, Vale do Capão e Mucugê. Querendo preços mais em conta, de preferência com locais. Abraço e boa viagem mochileiros!
  3. Obrigado Fernando! Gostei da dica de Travessia da Serra da Bocaina. Ainda quero fazer. Só não consigo agora. Envolvido com outros projetos de viagem. Mas esse passeio tá na minha lista futura. Abraço e boa trilha!
  4. Obrigado pela mensagem Ghaidy! Quanto a publicação, eu já postei o mesmo relato num outro blog. De qualquer forma agradeço pelo interesse.
  5. Olá Vagner! Não consigo te ajudar nessas respostas porque não fiz o percurso na madruga. Também não acampei no Terreirão e, por isso, não precisei desses equipamentos. Talvez alguém aqui possa te ajudar nessa. Alguém que já tenha feito esse esquema de acampar e subir à noite. Ainda quero fazer esse roteiro também. As fotos que eu vi do nascer do sol lá em cima são de arrepiar!
  6. Obrigado Andre! Que bom que o relato tem ajudado outros aventureiros. Realmente, quando fica muito cheio, o barulho acaba sendo inevitável. Importante é ter bom senso né! Ouvir a natureza é uma experiência fantástica também e vale a pena aproveitar. Eu quando estou em trilhas acabo me afastando às vezes dos grupos só pra ouvir o vento nas árvores, o som da mata, os bichos...
  7. Obrigado Chayder! Que bom que o relato ajudou na sua preparação. Boa subida pra vocês em agosto! A essa altura talvez até vocês já tenham subido né? Abraço!
  8. QUERUBA

    Chapada dos Veadeiros

    Oi Alex! Fico só os 2 primeiros dias do feriadão (dia 21 inteiro e manhã do dia 22) em Alto Paraíso. Você vai locar o carro em Brasília ou em Alto Paraíso? Também tô a procura de quem tope dividir os valores que os guias cobram para levar de Alto Paraíso para Cachoeira Santa Bárbara (Cavalcante) e de Alto Paraíso para Mirante da Janela (São Jorge). Abraço galera!
  9. QUERUBA

    Chapada dos Veadeiros

    Valeu demais pelas dicas Helio Jr! Vou puxar conversa com todo mundo lá pra tentar formar esses grupos de passeios haha Abraço cara!
  10. QUERUBA

    Chapada dos Veadeiros

    Helio Jr e restante do pessoal, Gostaria de uns conselhos de vocês também! Estou indo sozinho e só achei hospedagem em Alto Paraíso de Goiás. Tô afim de fazer o seguinte roteiro: 19-04 (Terça-feira) - Cachoeira Santa Bárbara (Cavalcante) 20-04 (Quarta-feira) - Janela/Cachoeira do Abismo (São Jorge) 21-04 (Quinta-feira) - Vale da Lua (São Jorge) Será que acho guia que leva grupos de carro até Cavalcante? Não tem ônibus que faz a linha Alto Paraíso/Cavalcante? Qualquer sugestão é bem-vinda! Obrigado galera!
  11. QUERUBA

    Chapada dos Veadeiros

    Também vou pra lá, entre os dias 18 e 22 de abril. Vou definir o roteiro ao longo dessa semana. Tô lendo tudo que encontro sobre a Chapada! Vou ficar em Alto Paraíso de Goiás e vocês?
  12. Obrigado Igor! Qualquer hora volto lá para fazer uma travessia entre o lado mineiro e o capixaba acampando na Serra. Já fez? Boa subida cara! Abraço
  13. Serra do Caparaó – Informações O Pico da Bandeira ganhou esse nome em 1859. Isso porque Dom Pedro II mandou colocar uma bandeira do Império no monte mais alto do país. Naquela época esse era considerado o ponto mais alto do Brasil, a 2.892 metros de altura. Anos mais tarde o Pico da Bandeira perderia o posto para o Pico da Neblina (Amazonas, 2.993 metros) e o Pico 31 de Março (Amazonas, 2.972 metros). A Serra do Caparaó fica bem na divisa de Minas Gerais com o Espírito Santo. A maior parte da cadeia de montanhas é no lado capixaba. A subida pelo lado mineiro é mais curta. São quase 7 km de caminhada até o Pico da Bandeira. Do lado mineiro, a cidade mais próxima é Alto Caparaó. O município tem menos de 6 mil habitantes, segundo o último censo do IBGE. De São Paulo até Alto Caparaó são 747 quilômetros. Aproximadamente 11h de viagem de carro. A distância é grande, mas revezando o volante fica menos cansativo. A primeira parte do caminho até Volta Redonda foi pela rodovia Presidente Dutra. Depois seguimos pela rodovia Rio Bahia até Fervedouro. De lá seguimos pela rodovia que leva até Alto Caparaó. A sequência das principais cidades foi esta: São Paulo/São José dos Campos/Guaratinguetá/Volta Redonda/Três Rios/Além Paraíba/Leopoldina/Fervedouro/Carangola/AltoCaparaó A viagem durou 2 dias. Chegamos no dia 16 de fevereiro, uma segunda-feira. Subimos o Pico da Bandeira na terça-feira de Carnaval, 17 de fevereiro. Alguns gastos da viagem: Entrada no Parque –--- R$ 12,50 Diária da Pousada –---- R$ 70,00 Lembranças –------------- R$ 75,00 Pedágios ------------------- R$ 25,00 Ainda quero voltar lá para acampar e seguir o trecho final de madrugada. Quero viver a sensação de ver o sol nascer lá do alto. É isso galera! Feliz em dizer que subi a Serra do Caparaó e que foi uma aventura e tanto.
  14. Serra do Caparaó – Pico da Bandeira III É hora de ficar em pé de novo. Nos despedimos da grama do Terreirão e voltamos para a trilha de pedras que segue morro acima. À medida que o tempo passa, a subida fica mais puxada. Em vários momentos, é possível avistar o topo do Pico da Bandeira. Mas aí aparece outra montanha pra subir e outra, e outra... O importante é não desistir. Entre o Terreirão e o Pico da Bandeira são 3,2 km de distância. Como a altitude vai ficando maior, o cansaço também aumenta. Por isso, uma das pedreiras que encontramos pelo caminho serviu de “cama” para um descanso rápido de uns 20 minutos. Repouso que ajudou a vencer o trecho mais difícil de toda a aventura. O último percurso tem uma certa dose de escalada. Em alguns momentos, o visitante precisa usar as mãos para avançar. Nessa hora, fiquei imaginando a aventura que deve ser subir ali de madrugada para ver o sol nascer. Vez ou outra, as nuvens encobriam nossa subida. A tarde estava nublada, mas nada que diminuísse a emoção daquele momento. Depois de 2 horas de caminhada, finalmente a recompensa para tanto esforço. Alcançamos o terceiro ponto mais alto do Brasil, a 2.892 metros. Diferente de outros picos que já visitei, o da Bandeira é extenso lá em cima. Numa ponta há uma armação (que lembra uma antena) e uma imagem de Cristo de braços abertos. Na outra ponta – essa mais alta – existe um crucifixo feito de cimento em cima da rocha. É onde muita gente tira a tradicional foto com a bandeira do Brasil. Como há espaço, uma plateia consegue assistir o sol nascer aqui de cima. Plantas que crescem em grandes altitudes podem ser vistas ali. Elas brotam entre uma rocha e outra. Ao redor do Pico, um mar de morros a perder de vista. Tanto do lado mineiro, quanto do capixaba. Havia muitas nuvens mas, com paciência, surgiam buracos no meio delas e a paisagem era de arrepiar. A dica de número 17 do folheto entregue lá embaixo na portaria vale muito para quem pretende registrar esse momento em vídeo. A orientação é para não fazer barulho excessivo e perturbar outros visitantes. Pois é, um grupo de meninas não cumpriu essa regra. Consegui salvar apenas 1 vídeo sem que houvesse gritos com a palavra “sofrência”. Bacana foi o piquenique improvisado com outros aventureiros lá em cima. A fome apertava a essa altura (no duplo sentido da palavra...rs). Lá estava também o casal que comemorava o aniversário de casamento com a caminhada de 6,9 km até o Pico. Comemoração com direito a parabéns cantado pelos outros visitantes. Para encerrar essa aventura, compartilho aqui a frase escrita na camiseta vendida nas lojas da cidade como lembrança da Serra do Caparaó: “Não há conquista sem sacrifício”. É com esse pensamento que você desce de lá!
  15. Serra do Caparaó – Pico da Bandeira II A trilha começa dentro de uma floresta. Neste percurso, o visitante segue por caminhos de terra batida abertos pelo vai e vem de pessoas dentro da mata. Mas logo surgem as pedras que vão dominar grande parte do percurso até o destino final de nossa aventura. Nessas pedras é que estão pintadas as setas amarelas que guiam o visitante até o Pico da Bandeira. Às vezes nem se vê uma seta, mas apenas um borrão amarelo mesmo. Se você caminhar cerca de 3 minutos e não enxergar mais o sinal amarelo é porque você saiu da rota. Aí é hora de voltar e procurar pela outra seta amarela. Essa dica nós compartilhamos com os primeiros aventureiros que encontramos pelo caminho. Era um casal que estava comemorando o aniversário de casamento com uma subida até o Pico da Bandeira. Bacana né?! Seguimos um trecho com eles mas logo passamos à frente porque nosso ritmo estava acelerado e a ansiedade era grande para vencer o desafio. Se proteger do sol é muito importante. A vegetação muda. As árvores desaparecem. Raramente você encontra uma sombra para descansar. Por isso é importante reforçar o protetor solar e usar um boné ou chapéu. As pausas também são necessárias para se hidratar e comer alguma coisa. A sensação é de isolamento. O silêncio vira um companheiro de viagem. Só era quebrado por um ou outro barulho nos arbustos. Provavelmente pequenos animais que se assustavam com nossa passagem. Mas não consegui ver nenhum bicho. Cerca de 2 horas depois de deixarmos a Tronqueira finalmente chegamos ao Terreirão. Um percurso de 3,7 Km. Terreirão Esse momento é de muito alívio. Chegamos bem cansados. Lá estavam outros aventureiros que cruzaram nosso caminho durante as pausas para descanso. O Terreirão lembra um campo de futebol. É plano e todo gramado. É aqui que muita gente monta acampamento para seguir o trecho final de madrugada e ver o sol nascer lá do alto do Pico da Bandeira. O Terreirão está a 2.370 metros de altura. Fica mais ou menos na metade do caminho entre a Tronqueira e o Pico da Bandeira. Dois agentes do Parque estavam de prontidão. Aqui existem mesas e bancos para fazer um lanche com mais conforto. Tem também tambores para colocar lixo. Mas a recomendação do Parque é trazer o seu lixo de volta. Tem também duas construções de alvenaria com banheiros para os visitantes. Outro local visitado aqui é a Casa de Pedra. Leva esse nome por causa das paredes que são feitas de pedras sobrepostas. Triste é encontrar as janelas de madeira pichadas com nomes de pessoas que estiveram ali. As pichações também estão nas pedras ao redor do Terreirão. Prefiro demonstrações de amor como a do casal que encontramos lá no começo da trilha e que a essa altura já tinha nos alcançado no Terreirão. Fizeram o caminho juntos e registraram a presença deles apenas em fotografias. Lá do Terreirão dá pra avistar o Pico da Bandeira, ainda que de longe. Mas pra isso é preciso subir numa pedra grande que fica bem no fim da trilha e ao lado da Casa de Pedra. Você consegue ver o topo do morro com uma torre em cima. Mas não se iluda. Ainda tem muito chão pela frente. Serão mais 3,2 Km de subida, incluindo o trecho mais cansativo da aventura.
×