Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Prih Ferreira

Membros
  • Total de itens

    26
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

0 Neutra

Outras informações

  • Lugares que já visitei
    Chapada dos Veadeiros ( quintal de casa =D ) Chapada Diamantina ( essa ainda tenho muita coisa a conhecer. Eu voltarei! hhehe). Minas Gerais ( STL. Mariana. Ouro preto. Tiradentes. S. João del Rei. Diamantina. Milho Verde. Sêrro. Presidente kubitschek. Travessia Lapinha/ Tabuleiro em Março - 3 dias. Bolivia. Peru, Mochilada do sul do maranhão, lençoes maranhenses a pé, a Jeri ( essa tem relato). Sampa ( São Paulo tem me surpreendido positivamente), Floripa, Garopaba, Guarda do Embaú. E minha última, intercambio na África do Sul.
  • Próximo Destino
    Quem sabe Vale do Pai para o reveillon. :) Bora?
  • Meus Relatos de viagem
    http://www.mochileiros.com/chapada-das-mesas-trav-dos-lencois-maranhenses-jeri-t85662.html

    http://www.mochileiros.com/africa-do-sul-intercambio-na-pindaiba-e-da-solidariedade-t112177.html

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. Prih Ferreira

    relato Africa do Sul- Intercambio na pindaíba e da solidariedade

    Lindona, nem tenho mais.. já faz um tempinho e foi uma viagem tão diferente que nem sei mais..rsrrs Mas vale muito, muito, muuuuuuuuuuito a pena ir por lá. Abração e bons ventos a nós!!!
  2. Prih Ferreira

    Chapada das Mesas + Trav. dos Lençois Maranhenses + Jeri

    Obrigada!!! Foi tudo demais!! Daquelas viagens inesqueciveis.. Já fiz outras viagens incriveis tb. Mas essa foi especial!!!
  3. Prih Ferreira

    relato Africa do Sul- Intercambio na pindaíba e da solidariedade

    Ricardo, li seu relato, foi bem sucinto. Curti demais!!! E lendo os nomes dos lugares, vendo suas fotos, nooooooosssaaaaa, chega deu um aperto no coração de saudade hahahha Me lembrei de algumas noites na Long Street, dos pub's, as musicas e vibe da galera. Não foi ao Mojito?? Adorava o som de lá.. hahaha altos reggae. Siiim, muitas BOAS histórias a nós e que os bons Ventos nos guie.
  4. Prih Ferreira

    relato Africa do Sul- Intercambio na pindaíba e da solidariedade

    Ricardooo hahahahhhha Que massa, fico imaginando sua sensação no momento !!! pooo, isso rolou comigo. Não igual. Mas na volta eu já era outra, estava falando com meu "super" inglês pelos cotovelos kkkkk Ja não existia o medo, a ansiedade em pensar que alguém poderia dirigir a palavra a mim e que seria em inglês hahahhaha E não que eu tenha voltado entendendo tudo. Mas já conseguia capitar o cotexto e daí era só conduzir a conversa kkkkkkk No voo de volta sentou um cara ao meu lado, pensei que era brasileiro e era um sul africano, dai soltei mais um pouco do meu inglês. No voo de GRU --> BSB eu estava sentada entre um australiano e um chileno hahahha Foi muito bom!!! Continuei treinando o inglês. As lembranças são tão vivas ainda tenho muitas muitas saudades!!! Abraaaçãaooo e bons ventos a nós!!!
  5. Prih Ferreira

    relato Africa do Sul- Intercambio na pindaíba e da solidariedade

    Olá Perio, Tranquilo. Não li isso como uma tentativa de dar nenhuma lição de moral Mas apenas como mais um ponto de vista que merece também ser observado por quem pretende se aventurar em países que não falam o português e que não tenha o domínio básico da língua. Como disse no relato, eu "paguei para ver". Sabia onde estava diante do meu praticamente 0 em inglês . E é mesmo um processo cansativo e por vezes pode se tornar doloroso. Mas acredito que para pessoas que são como eu, que não conseguem absorver bem essas aulas de cursinhos de inglês aqui no Brasil, vale a pena "enfiar a cara". Maaaaas, concordo que será menos penoso se ao menos fizer um intensivão. Nem falo de um ano, pode ser uns meses.. 3 meses.. algo assim, pegar firme no vocabulário como vc disse. Tem altas dicas em paginas na internet que valem a pena serem seguidas.. Pq o trem de verdade vai só aprender lá, no dia a dia. E não tem pra onde fugir. Escutei de muitas pessoas que já falavam o inglês aqui, tendo suas consideráveis dificuldades por lá. São processos, onde cada um com seu nível de inglês junto com sua capacidade de desenvoltura e de oportunidade de bem aproveitar seu tempo no lugar, podem fazer melhor passar por essa 'dolorosa' fase. Mas cada um é cada um. Cada um com seu espirito, coragem, vontade e disposição. E isso sem duvidas tem que ser respeitado, é particular. Cada pessoa tem a sua medida, e não é questão do outro ser pior ou melhor, mas que apensa tem um processo de aprendizagem diferente. Conheci um cara que foi também com quaase nada de inglês. Ele se afastou mesmo de todos os brasucas, qdo encontrava um evitava falar em português. E ao fim dos 3 meses ele estava suuuper bem no inglês. Isso foi bem bacana de presenciar. Heem, mas é fantástcio né, qdo passamos da fase de ficar traduzindo tudo.. hahahha quando a mente consegue entender mais prontamente o que está sendo falado.. É emocionante!!! Pq no começo pensei que não ia aprender aquilo. Mas depois palavras, expressões que eram penosas a minha cabeça começavam a fluir naturalmente. Até sonhar em inglês rolou hahahha Muito bom!! E que bom que gostou. Não foi facil escreve-lo, pq tem varias vertentes um acontecido como esse. Mas o ponto mesmo que queria passar está ficando: que tem muita gente boa por aí. Um fooorte abraçãaooo e tudo de melhor a nós!!!
  6. Meu Deeeeus!!! Eu tinha começado a rascunhar esse relato com uma ar de novela dramática que “deusmelivreee”..hahahha Típico de uma autobiografia que não serve para o momento... Então pra combinar com tudo de bom e sentimentos e experiências incríveis que vivi na África do Sul começo assim: Se puder, solta o som [media] [/media] Essa era uma das músicas embalavam a cozinha do Hostel Green Elephant que fica no bairro Observatory em Cape Town, a uns 15 min de mini-bus do centro, um bairro tipicamente estudantil ( galera ‘a lot’ de várias partes do nosso mundo passam por ali para estudar no Groote Schuur Hospital que é referencia em transplantes de coração, o qual foi o primeiro a fazer um no mundo). Todas as quintas feiras era esse som que embalava a cozinha enquanto preparavam as pizzas para a “Nigth da pizza” e eu adoravaaa. Cá pra nós as músicas da cozinha eram melhores que as do bar hahahha UP na vida, vibe muito boa!!! E nesse hostel passei praticamente meus três incríveis, únicos, loucos com experiências impensadas meses nesse país que transborda vida e possibilidades de expandir e melhorar nossa muitas vezes medíocre forma de ver e entender o que é a vida ( claro, pra quem está aberto a isso) Deixa eu fazer uma resenha do resumo do começo de planejamento.. Poxa, foram 3 meses e antecedentes meses de pesquisas e conversas e blá blá.. n dá pra contar só em um relato..rsrrsrs O que faltar completo depois ou me perguntam e eu respondo.. Belezas???!!! 1 – Agosto de 2013 comecei a pensar em ir para África do Sul para estudar inglês. Por que? Desde pequena me encanta a África. Depois, já maior, a cultura me chamou atenção e suas paisagens naturais eeee claro o inglês por uma questão de ser mais barato estudar lá ( não falo de escolas baratas, mas a permanência é mais barata). 2- Tinha um carro e um emprego que não gostava e estava perdendo a saúde mental. Tinha dinheiro bom para alguém solteiro, mas não estava valendo o desgaste mental e ficando toda cheia de ‘nhenhenhen’ Nãaaaaao!! A vida é mais que isso! TEM que ser! Então como era esse emprego que pagava o carro, vendi o carro só para me livrar da divida e em outubro/2013 se foi meu ‘neguin guerreiro’( o jeito carinhoso que eu chamava o carro) .. n foi fácil... 3- Pensei: agora guardo grana para o intercambio, terei 4 meses para isso. Tranquilo!!?? Nãaao foi tranquilo.. Viajei em janeiro, entãaao n guardei grana e trabalhei em março/14 para poder ajudar na viagem já que eu queria ir em abril. 4- Calculei no inicio uns 10 mil reais para os 3 meses. Depois me dei conta que teria 7 mil... depois 5 mil... depois.... ops!! Passagens sugaram 2700 numa bocada só... 5- Não tinha pagado nada, nem hospedagem, nem escola.. nadinha... Tinha passagem para 3 meses com uma grana para 2 meses se eu não me movesse muito do lugar rsrrss 6- Sim! LOUCURA! Mas assumi o risco e os pós risco quando voltasse para casa. Não estava contente e nem mais ânimo para tentar o diferente por aqui eu tinha. Precisava estudar inglês em um lugar que fosse obrigada a aprender. Adoooro conversar, partilhar e sendo essa língua a forma de socializar foi uma forma que pensei de apressar esse aprendizado. E voltar para o Brasil com uma BOA experiência em algum projeto social na África faria toda diferença no currículo. 7- Pensei: Se rolar os dois meses, na metade do segundo talvez já poderei tentar algum trabalho para conseguir ficar o terceiro mês também ou se chegando lá eu perceber que não rola com essa grana nem 2 meses, eu faço o que tenho que fazer sem focar no inglês, faço o meu safari e volto...rs Eu estava arriscando e arriscando alto, eu sei. 8 - Meu nível de inglês??? Se você foi daqueles que começou estudar inglês na sétima série e fazia as provas para passar de ano, vai saber o nível que era meu inglês hahahhaha tipo eu sabia “ hello” “ how are you” “my name is...” essas coisas formadas e só..rsrrs Aah e claro algumas palavras soltas...bem soltas... 8.1 Não! Não fechei escola daqui, pesquisei varias, mas diante de orçamento e “desnível” de inglês que eu tinha resolvi não pagar pra ter um basicão de inglês. Seria quase desesperador a professora falando e eu nem conseguindo entender o que ela queria que eu entendesse. Então para esse basicão resolvi fazer como estava fazendo na minha casa no Brasil, estudando por conta, mas estando em um lugar onde estaria praticando diariamente o conteúdo estudado, estando atenta as minhas necessidades. Pensei em fazer, mas seria qdo já entendesse algo considerável que valesse pagar uma escola. Só pensei..rsrs 9 - Mas daqui do Brasil, pesquisei sites para trabalho em troca de hospedagem, entrei em contato com algumas organizações brasileiras que atuam fora, fuceeei a internet... pesquisei sobre procedências.. essas coisas.. Está indo sozinha para um país que você não domina nem o som o ‘r’ que é um saco para aprender hahahha não é brinquedo não... da medinho sim! Mas o medo de ficar aqui e ser tudo igual era maior. 10 – Resolvi não fechar nada por muito tempo ainda estando no Brasil. Geralmente quando chegamos no lugar descobrimos outros lugares mais baratos, ou melhores... Mas para ter para onde ir, fechei 15 dias no Green Elephant Backpackers onde estava já um brasuca que estava me passando algumas coordenadas. 11- Fui sozinha, mas não fui na cegueira..rsrrs Procurei sites e grupos com o mesmo interesse. Busquei ter contato com pessoas que estavam lá ou que pretendiam também.E que elas soubesses que eu estava indo. Troquei muitas, muitas informações. Algumas pessoas tive mais afinidade e consegui ainda manter contato quando já estavam por lá e isso foi importante para eu escolher o meu primeiro hostel já que eu não falava frases em inglês hahahha Precisava de alguém que fosse a ‘porta de boas vindas’ em português. Obrigada Gregory Acho que os pontos basicõooes são esses. Então Simbooora pra Africa do Sul... Dia 20 de Abril embarquei e de Brasilia fui para Guarulhos e de lá peguei o vôo internacional... Pisei no avião e os comissários já recebem você em inglês. Aaaaaaaaaaaaaai!!! Naquele momento pensei no que estava fazendo ali, comecei a ter noção do que eu tinha me metido hahahahha Não entendi nadaaaaaaa.. Ops!! O ‘boa noite’ entendi..oras..hahhaha Durante o voo tinha um brasuca que tb não sabia muita coisa ao meu lado.. foi divertida a ida.. A palavra água em inglês também rolava numa boa.. aaha e suco tb..hahahha As duas primeiras semanas são puxadas, acredito que até pra quem fala algum inglês. Aqui não falamos em inglês e muito menos passamos se quer metade de um dia ouvindo o idioma. E lá é o tempo todo, claro! E essa adaptação pra cabeça é cansativa... Quantos dias passei sem querer levantar da cama...rs por mim ficaria lá imóvel para ninguém inventar de falar comigo..rsrrs Mas como paguei para isso, e sabia que fazia parte do processo. Então, enfrenta-se. Quantas vezes o sentimento de que você é um ‘bocó’ em meio a outros rola..hahaha geral falando, conversando e você igual uma criança que não entende nada do que é falado e enquanto conversam você fica lá pensando sobre a sua vida, sobre o momento que você irá entender o que estão falando..hahahhaha Olhando com aqueles olhar compenetrado com jeito de quem se esforça para entender, mas na verdade você esta só de corpo presente... Dai eu pensava: Isso uma hora vai melhorar... amanhã será melhor...o que estou fazendo aqui??.. Essas coisas hahahhaha No meu quarto havia uma holandesa que foi uma fofa comigo. Mesmo eu sem entender praticamente nada do que ela falava. Pq além de tudo ela falava rápido rsrsrs Ela com toda a paciência tentava me explicar algumas coisas, palavras, me chamava pra ir a praia, restaurante...fazia mimicas hahahha eu andava colada com o google tradutor, então qse o tempo todo a conversa rolava por ali...hahhaha Sim galera! Existem pessoas fofas e cheia da paciência para ajudar o outro... Com isso, pela internet começou uma comunicação entre eu e mais dois brasucas que estavam com pré depressão do “sabe de nada inocente” hahahha Eles foram até meu hostel e assim nos conhecemos e partilhamos. E como foi importante isso!!! Pq era muito ruim você se sentir isolado, sem conseguir se comunicar, se sentindo sozinho... Um foi animando o outro, confortando. É bom saber que o que passa com você não é exclusivo. Melhor ainda além de saber disso é ter as pessoas certas para você entender isso. E naquele e em tantos outros momentos que ainda viriam rsrsrrs fomos uns para os outros um abraço confortante. Na primeira semana fui subir a Lions Head – Uma das paisagens marcantes e que retratam bem quando se fala em Cape Town. A dificuldade não é elevada, mas para quem chega sem preparo, ou menor costume ooou paradão a muito tempo da pra sentir a subidinha que alguns bem preparados sobem correndo e descem “saltitando” hehhe enquanto você está lá fazendo controle da respiração..hahahha Precisa falar mais alguma coisa - segue imagens. Logo na ooooutra semana resolvi subir a Table Mountain fazendo Hakking ( ou subi a pé mesmo). Você pode utilizar o Table Car que me parece ser fantástico também. Marcamos de nos encontrar cedo na Long Street, sai cedo para não me atrasar e acabei não tomando café da manhã. Então enquanto o povo não aparecia fui no KFC e com quatro clientes que tentavam entender o que queria comer.. pq não bastava eu só apontar e pagar. Não! Eu queria o pão de uma combinação e o café de outra combinação, veio clientes tentar ajudar a atendente a me entender kkkkk nisso a conta deu mais caro e eu cansada de tentar me comunicar, dei meu OK! Tinha levado meu cartão Travel e 50 rands, o lanche deu quarenta e poucos Fui pagar com o cartão quando a senha resolveu passear longe da minha memoria.. aaaaaaaahh.. esqueci a senha que sempre para mim foi lógica, sempre ali, ela sumiu.. putz!!! Paguei com o dinheiro. E a galera apareceu, no que sentei e comecei a comer a senha apareceu.. aaafff Como iriamos de taxi para a base da montanha precisei pegar dinheiro. A menina que estava comigo disse para irmos num caixa que ela sempre tirava. Aqueles caixas virado para a rua, os quais são altamente não indicados por questões de segurança. Nisso resolvi ir no shopping do Pinck and Pay próximo dali, o que era mais indicado. E na busca pela segurança, eis que acontece. Copiei o que escrevi na minha pagina no facebook: Questoes de seguranca - dia 01 de maio estava na Long Street de manha para encontrar um pessoal para subir a Table Montain (lindissima). Precisei sacar diheiro e fui em um shopping por ser mais seguro. Contudo la fui vitima de uma quadrilha, que armou uma confusao no caixa e disseram q iriam ajudar pois a maquna n funcionava...tudo simulado...puxaram o cartao e colocaram na maquina...se afastaram e digitei a senha..n deu nda..Tudo em qustao de segundos..qdo percebi q o cartao n estava na maquina foi uma correria...outros homens da quadrilha aumentavam a confusao dizendo q eles foram por caminhos diferentes... No Brasil nunca dexei ninguem se aproximar e aqui cometi esse baita vacilo ... Mas o ponto principal foi o momento de cancelar o cartao... Tive acesso aos videos de seguranca do shopping.. 'as 09:18am eu corria atras deles.. 09:20 comecava a ligar para o BANCO BONSUCESSO que NAO DISPONBILIZA CANAIS PARA LIGACAO A COBRAR vc tem que ter credito. O sistema eletronico atende vc onde leva boom tempo ouvindo uma musica irritante, qdo o atendente atende ele 'e incrivelmente educado e lento, vc pede para ele te retornar a ligacao..explica a situacao e ele ai ver se pode te retrornar... nsso a ligacao caiu, creditos acabaram... Pessoas na rua me emprestam seus telefones, alguns n deram certo,outros caimos na musica e o credito acaba...at'e q consigo falar, eles me retornam e bloqueio o cartao. ESse atendimeto 'e feito entre "aguarde na linha" e maaais musicas eternas. Ok. Bloqueio efetuado e extrato verificado que n tinham efetuado saques. NAda mais a fazer fui fazer meu passeio... Dia seguinte ligo para pedir segunda via de cartao, q custa 50 DOLARES para envio. Atendimento que levou mais de 20 minutos e me informaram que em instantes alguem me ligaria p dzer o tempo de entrega. NUnca ligaram e nem me disseram q eu n tinha grana p isso, e 5 dias depois consegui acessar minha conta online e descubro que nao tinha dinnhero. No mesmo dia do roubo, enquanto eu tentava falar com o banco os bandidos rasparam minha conta. Passei o dia tentado falar com eles, coisa que n tratam pelo atendimento online. O negocio foi assim, as 9:18 roubo; 9:20 primeira ligacao; 9:27 ultimo saque feito pelos bandidos na minha cona; 9:33 quando consegui bloquear o cartao depois de varias tentativas... Atentendes confusos, nao saber informar o que precisa ser informado. Tenho os emails que eles me mandaram me culpando pelo que aconteceu.. claro, a sennha ter sido vista 'e miha culpa, mas nao sou culpadda pelo pessimo sistema deles e 'e nesse ponto que bato na tecla. Eu lguei a tempo de nda ter acontecido ou o dano ser menor. Respostas dignas de uma empresa que nao sabe lhe dar com esse tipo de situacao. Situacao serissma que pode acabar com tda uma viagem. Estou aqui com ajuda de amigos, perdi tdo dinheiro da viagem, mas conheci pessoas incriveis.. Ainda nao quero voltar e vejo chances de ainda dar certo. Como dira a musica do Engenheiros do Hawai: ' nao vim ate aqui pra desistir agora..." Segue a foto da subida a Table Mountain que fiz no dia do roubo, já que o banco falou que meu dinheiro estava ainda lá, não ia mais perder o dia por conta disso. Segue uma das fotos que mais gosto. Da Table você vê a Lions Read e a Ilha Robben onde Mandela esteve preso por quase duas décadas Não foi fácil! Não acreditava que aquilo estava acontecendo comigo. No hostel eu só tinha um pouco mais de 1000 rands. Ainda não havia pago o hostel que estava, e só tinha duas semanas que eu estava lá. Ou seja estava sem dinheiro e sem inglês... Mas ai começa uma nova, incrível, por vezes cansativa mentalmente e impensada experiência nesse país... Dai peguei o orgulho e o engoli, em doses homeopáticas. Não há tanta dificuldade quando precisamos de uma ajuda para simples coisas, ou ajudas momentâneas, pontuais, como dinheiro de passagem, comida.. etc.. Outra coisa é precisar da ajuda dos outros para tudo. Eu estava nesse ponto. Resolvi não comunicar minha família de imediato, não queria preocupa-los e ficariam um tanto desesperados talvez sabendo que estava sem grana num país estranho o qual eu não falo a língua. Procurei me acalmar e ter visão do que eu poderia fazer pois mais do que ficar lá tinha antes que pagar o tempo que estava no hostel. Não aceitava a ideia de voltar para o Brasil. Havia acabado de chegar, e tinha apostado alto para estar ali. Era inaceitável voltar assim. Queria tentar o que desse para fazer a viagem acontecer. Muito escutamos um famoso pensamento popular: “ninguém te ajuda de graça”. E não tiro a razão popular. Ela é muito sábia. Mas a Vida e seus acontecimentos podem serem exemplificados como um velho e sábio ancião que fica só ali observando e no momento certo mostra-nos que tudo que sabemos ou pensamos que sabemos sobre a vida é apenas um grão diante da sua grandeza e mistérios. A vida e suas conexões!!! Tive ajudas pontuais que me ajudaram a pagar comida, e hospedagem. E tive ajudas que falo que são ajudas de “travessia”, pois por meio dessas pude bem aproveitar meu tempo por lá, e não apenas sobreviver. Os primeiros que recorri foi a galera dos “Perrengueiros”, uma galera que conheci na travessia de Lapinha a Tabuleiro, Minas Gerais, caminhos cruzados graças ao grupo do face dos Mochileiros.com. Temos um grupo com esse nome, e já devem imaginar o pq, né?! Hahahha E eles fizeram a “vaquinha da Pri” e me ajudaram. Nossa!!! Me emociono só de lembrar essa atitude deles. Gratidão eterna! Foi um abraço consolador ali. Mas seria apenas o primeiro. Com essa grana pude pagar o tempo que eu já estava e mais alguns dias pra frente. Tive muitos abraços consoladores ali. A Safyha que foi como uma mãezona ali no primeiro momento. Ela chegou a mim por meio de um outro contato com uma moça que tinha feito pela internet antes de viajar. E além de abraço, chegou tb com mantimentos... Comecei a estocar. Daí podem pensar: aah aposto que só brasuca apareceu para ajudar. Mas não!!! Pessoas que talvez nunca mais veja novamente, que nunca venham aprender o português e naquele momento mesmo sem entender uma palavra do que eu falava e eu do que elas falavam ( lembram, eu ainda não falava nada de inglês). Se disponibilizaram a ajudar e ajudaram. Aconteceram muuitas coisas e fica difícil contar tudo aqui. Coisas que foram muito muito significantivas, detalhes que fizeram a diferença... Mas isso aqui viraria um livro..rsrs Segue algumas fotos com essas pessoas que foram bem especiais Foto tirada na feira gastronomica que acontece aos sabados no bairro de Woodstock Lindo né!? O Sandy me levou de motoca pra conhecer a Good Hope..hahaha Foi um lindão passeio. Um anjo, pronta a ajudar. Mais anjinhos.. My angels São muitas as fotos. No final do relato vou disponibilizar o link do meu álbum no face para vocês darem uma espiada.[/color] No dia das mães liguei para casa. E no final da conversa soltei um “ estou bem, aconteceu uma coisinha aqui, mas depois eu falo”.. Já era né.. claro que não deixaram eu falar depois.. Mas como estava com a situação mais equilibrada ( se é que posso dizer isso), contei com calma e com voz de controle sobre a situação. A principio não ficaram desesperados. Mas lógico que um tanto preocupados. A questão é que não sabia como pagaria meus dias ali no hostel. E nem por quanto tempo conseguiria me manter com o pouco dinheiro que ainda tinha. Minha família não estava boas condições para me enviar ajuda de forma aliviar minhas tensões bem ali no continente ao lado. Mas tinha que tentar ter a cabeça boa. Precisava ainda aprender o inglês. Fui lá para isso e não podia perder tempo me lamentando pelo dinheiro que já nem tinha mais. Comecei a viver da providencia e dos cuidados do dia pós dia... E em nenhum momento me faltou coisa alguma. Não tinha nenhum alto falante gritando para os ventos que tinha sido roubada. No começo até comentava mais. Pedi ajuda para algumas pessoas. Mas depois fiquei de saco cheio dessa ladainha e parei. Mas naturalmente esse acontecido já tinha corrido um tanto o que ajudou a outros me ajudarem. Esses são as abençoadas ajudas de “travessia” que falei antes. Não foi fácil manter uma cabeça boa. Não me desesperei nenhum momento, mas isso não quer dizer que eu não tenha chorado... Houve momentos que chorei mesmo!!! Precisava colocar pra fora minha frustração com o que aconteceu. Na verdade não chorava pelo roubo em si, mas juntou tudo na minha cabeça, meus últimos anos em um trabalho que muito me roubou a saúde mental ( ok, pagou as viagens tb!! ), as coisas que lutei para ter e elas escorreram pela minhas mãos, seja por sacanagem de outros, inexperiência, ansiedade... Em alguns momentos a cabeça ficava um tanto parada, sem ação... Era uma luta mental e emocional. Precisava me manter de pé. Mas essa luta fez também minha cabeça dar uma travada: não agi com mais vitalidade, como uma brava guerreira que alguns esperavam mesmo estes tendo falado para mim: “ Nossa, eu já teria desmoronado, enlouquecido...” “ voltaria de imediato para casa”... Mas também sei que alguns mesmo que falavam isso, também pensavam o pq não me movia para ir atrás de um emprego. É muito doido isso!!! Exigem de você uma força que nem eles teriam tido para se quer ficar de pé... coisas de seres humanos..rsrrs Depois fui em alguns lugares tentar algum trabalho. Mas nem a palavra “limpeza” eu ainda sabia falar em inglês, usava os gestos.. rsrsrrs Que merda né!!! Em uma prosa com Deus, havia falado com Ele que não queria ficar sobrevivendo ali. Se fosse para ser assim, eu voltaria para casa. Queria aproveitar meu tempo ali, me divertir, sair, beber, dançar... O que desse para fazer de forma mais modesta que fosse. E assim aconteceu! Me diverti muito, ri muito também, mesmo as vezes chorando na cama... Dancei, conheci pessoas lindaaas, divertidas. Comecei a me comunicar melhor no inglês, tive meus romances ui ui ui... O melhor é que quem me ajudava sabia que o dinheiro não seria só para sobrevivência. Quem ajudou queria também que eu me divertisse, tivesse alguns prazeres saciados. Como a linda da Deh me disse: “ Pri, o dinheiro é seu.” Lógico que eu tinha que ter o meio termo por conta da minha situação. E isso eu tive!!! Mas não posso reclamar, diversão não faltou. Parei no Hostel certo!! Pessoas lindas que me acolheram como uma família. Não! A hospedagem não saiu de graça..rsrs Mas aliviaram muito meu lado. Não ficavam cobrando as diárias com antecedência. Pude ajudar na Noite da Pizza e garantir uns bons pedaços de pizzas, ou na organização do buffet de uns americanos e garantir um ótimo prato de janta, e como me ajudaram no inglês. Chamavam até atenção de quem falasse só em português comigo. Hahahha Diziam: “ assim ela não vai aprender” hahaha Aaah que saudades deles!!!! Conheci muitas pessoas legais nesse hostel. Que sabiam que eu não sabia o inglês direito e me corrigiam, alguns sentavam comigo e me ensinavam algo. E não, não falo de só brasileiros, muitas pessoas de outros países me ajudaram também. Pessoal do Staff do Green Elephant Na busca de trocar trabalho por comida, ou hospedagem. A Marilia que trabalha com intercambio de brasucas, me deu a ideia de tentar um estágio em escolas de inglês. A ideia era mais especificamente para trocar trabalho por aulas. E comecei a enviar email relatando minha situação e me oferecendo para trabalhar em troca de hospedagem. Falei nos e-mails do meu inglês insuficiente. Entre algumas respostas, tive uma positiva. Fui para a entrevista sozinha, sem ninguém para intermediar, ajudar no inglês. E deu certo!!! Nossaa!!! O cara me entendeu eu entendi ele... E ainda saí dali com a chance de pensar se queria ou não o que me ofereciam: aulas em troca de trabalho. Parece absurdo né, eu ainda querer pensar se aceitaria ou não. Mas não tinha muito dinheiro. Teria que bancar 4 passagens de onibus diárias. Mas aceitei. Isso eu já estava a quase dois meses lá. E no mesmo esquema, sem saber como seria meus próximos dias. Em um belo domingo fomos a missa. E na volta, quando cheguei, um homem do Zimbabwe que estava hospedado lá me chamou e queria saber o que eu precisava. Ele queria muito me ajudar. E de fato o estoque de comida estava baixo. Com aquele orgulho descendo goela abaixo aceitei a ajuda. Ele saiu e depois de um tempo voltou do supermercado com duas generosas sacolas com comidas. Nossa!! Nem acreditava no que via. Foi comida que me manteve até o final da viagem! Nesse mesmo dia conversando com uma amiga pela internet, ela soube o que tinha acontecido comigo e quis me ajudar. Disse que admirava minha coragem e não queria que eu voltasse antes do tempo, e ficou de me ajudar com quase um mês de hospedagem... Nossa!!! Quanta graça para um dia só! My angel. Loyd, ele é de Zimbabwe, mas está a uns meses morando em CT a trabalho. Meus pais conseguiram me enviar uma quantia em dinheiro que somado com o que ela enviaria, daria para pagar o mês que tinha se passado e sobraria alguma coisa para pagar mais uns dias pra frente. E entre as tantas ajudas tive a ajuda inesperada de um rapaz muito especial que tinha conhecido na viagem que fiz nesse mesmo ano. Entre final de dezembro e mês de janeiro, estive em São Paulo e Florianopolis, Garopaba..etc... Fazendo o caminho de voltam resolvi passar em São Paulo novamente e comemorar meu aniversario por lá. E no Canto da Ema em meio a passos de um forró pé de serra do bom, conheci esse rapaz Belga que falava um bom português, que mudou a minha forma de olhar para os relacionamentos ‘amorosos’ que eu me metia.. ( bom, isso já seria outro relato hahahha) Mas além de uma linda história que vivemos. Ele ao saber que tinha acontecido, quis me ajudar e ajudou de forma generosa. Me mandou o dinheiro pelo Western Union. Ta aí uma ótima e rápida forma de enviar ou receber dinheiro no exterior. Agora, eu tinha quase um mês pela frente e o restante da grana da ajuda da minha amiga e a grana que ele me enviou. Somando o valor era quase o mesmo que tinha sido roubado no inicio da viagem O intership era bom. As aulas eram ótimas. Professora um amor de pessoa. Faltavam pouco menos de um mês agora para meu tempo acabar ali. O dinheiro pagaria mais uns dias que estava em debito para trás e o um mês sem problemas. Mas já não tinha muito mais o que fazer ali em Cape Town. Com o pensamento de estar vivendo uma oportunidade única, de “sabe-se lá se vou ter a oportunidade de voltar”. Com muitos cálculos e conversa com o povo lá, resolvi não pagar mais o hostel, comida, transporte e etc em CT. Fiz um roteiro para conhecer outras cidades, de forma que o destino final fosse Johanesburgo onde pegaria meu voo de volta ao Brasil. Peguei minhas ultimas semanas para conhecer um pouco da costa do país. Fui aconselhada a contratar o serviço da BazBus. Eles te pegam no seu hostel e te deixam em qqr hostel conveniado em outra cidade que também já é previsto pelo programa deles. Você paga valores diferenciados para ter 7, 14 ou 21 dias dos serviços deles de transporte a disposição. A parte boa é que te pegam e te deixam na porta do hostels. Ruim que se você quiser ficar um dia a mais, ou dias a mais no lugar terá que ter muito cuidado e ver se os dias a mais não saem dos dias pagos por você E se no dia que você quer sair do hostel, o BaZbUS passará pela cidade com destino a sua próxima parada. Comigo não deu muito certo. Comecei a contar os dias como fazemos qdo nos hospedamos onde cada noite é uma diária. Mas no BazBus não é assim. No dia que ele te pega no hostel, já é um dia. Ou seja, se te pegaram de manhã no seu , hostel e o que você vai ficar a previsão de chegada sendo de manhã ou noite, aí já se foi um dia. Mas mesmo refazendo os cálculos do dias, eu ainda teria como pegar o bus, mas eles tem uma logística dos dias que irão passar em tal cidade. Muita gente calcula errado e dança. Eu dancei. Não era para ter perrengue de grana, já que eu n gastava muito. Mas por conta da passagem de ônibus interestadual que tive que pagar a parte para chegar Johanesburgo, passei aperto. Incrivelmente o que me salvou, foi os 15 dolares que quando voltei de uma viagem que fiz ao Peru não tinha cambiado e estava esquecida dentro da carteira... Era um domingo, tudo fechado e logo eu iria embora e não tinha como pagar o taxi para o aeroporto. Uma turista que estava no hostel já em Johanesburgo, trocou por Rands para mim sem taxas. Bom, antes desse fato, tive a abençoada sorte de fazem um pit stop em Jeffreys Bay e ver um pouco do campeonato mundial de surf, conhecer o Gabriel Medina e o Mineirinho, ver o Kelly Slater entre outros e mais especial ainda, ver uma galera de golfinhos “surfando” junto com a galera. Geeentee!! Que sonho foi aquilo. Vaaaai Medinaaa Espia só os golfinhos pegando a onda Passei por Port Elizabeth, que mais parece que só tem casa para temporada. Um tanto vazia. Mas, uma garcinha lá. E fui para Durban, que tem um ótimo clima. Praias mais quentinhas se comparadas as de CT..hehhe Fiquei no hostel Tekweni Backpackers. Que vibe maravilhosa ali. Nossa! Fui positivamente surpreendida. Gostei muito de lá, do atendimento, da galera que se formou ali, canadense, israelense, koreano, americano, argentino, entre outros que passaram. Senti muita dor no estomago de tanto rir kkkkkkkkk Tenho fotos do estádio em Durban e outros pontos. Mas não estou conseguindo carregar aqui. Em minha ultima tarde, sai com um koreano recém chegado ao hostel para mostrar a praia a ele. La pude olhar a ultima vez o mar africano. Pude me despedir. Quanta emoção! Imagina, durante três meses lutei para fazer aquele intercambio dar certo. Tomei como minha vida. E foi a minha vida durante esse tempo, e agora eu tinha que me despedir. Minha cabeça cansada pedia para voltar para casa e descansar. Afinal foram 3 meses de luta mental. Mas por outro lado gostaria de ter mais tempo ali. Meu inglês finalmente estava alavancando, logo agora teria que voltar. Quando cheguei em Johanesburgo foi um choque. Cheguei a noite na rodoviária. Nada bonita a cidade, pelo menos a parte que passei..putz! Taxistas mau humorados, nem olhavam no seu rosto quando você tentava negociar o preço que achei absurdamente caro. Bem diferente de CT, em preço e atendimento. Fiquei no hostel ???? Simples. Bom só para passagem, mas um bom atendimento. Cheguei sábado a noite e domingo a noite #partiubrasil. Viajei na busca de crescimento pessoal e profissional. Apostei firme nisso. Ao voltar para o Brasil não aconteceu como eu imaginei. Não, não pensei que teria rápidas respostas profissionais. Joguei alto sabendo o que estava em jogo. Estou terminando depois de meses esse relato. Antes de ontem fez um ano que parti rumo a África do Sul. Não tem sido fácil desde que voltei. É uma busca contínua de fazer a vida entrar num ritmo que por vezes percebo que não depende só de mim para acontecer, por mais que eu busque. Há uma força maior agindo e quero seguir acreditando que é uma força benéfica que está me direcionando onde poderei ser melhor para a vida. Em nenhum milésimo de segundo me arrependo de ter deixado o serviço para fazer o intercambio. Eu já iria sair de qualquer jeito do trabalho. Não havia mais condições psicológicas para estar a frente de uma turma. O dinheiro que gastei para fazer o intercambio não pagaria as dividas que eu tinha. No final das contas se não tivesse ido estaria exatamente onde eu estou e ainda sem ter pra contar a experiência ÚNICA que tive na África do Sul. De olhar para aqueles que tem um olhar altivo cheio de preconceitos para esse país e pensar “ perdoa Pai, eles não sabem o que dizem”. Olha só, esse relato não está passando preços, referencias, lugares etc. Meu tempo lá foi bem diferente de um intercambio normal. Tendo dúvidas, podem perguntar e vou respondendo. Belezas?! Abração e tudo de melhor no seu caminho
  7. Prih Ferreira

    Chapada das Mesas + Trav. dos Lençois Maranhenses + Jeri

    Que coisa BOA Rodrigo! Vc vai se apaixonar e se encantar. Mas vai ser corrido hem!! rsrs Vai de carro?? Abraçoo
  8. Prih Ferreira

    Chapada das Mesas + Trav. dos Lençois Maranhenses + Jeri

    Oii Athos... po que bom que curtiu e que vai tb te ajudar.. A ideia é essa mesma, dar ânimo e coragem a galera que tem vontade de fazer algo parecido... Seu caminho será show tb!!!! Boas viagens a nós!!!
  9. Prih Ferreira

    Chapada das Mesas + Trav. dos Lençois Maranhenses + Jeri

    hahahahha foi nadaa escondido... tu viaja demaais tb, da nem tempo de convidar sem que vc já n tenho oooutra trip marcada hehehhe Chapada Diamantina tb quero demaaais voltar por lá.. Tem muita coisa pra conhecer ainda né?! Poo.. mas qqr destino desses estará tudo muitooo booom!!! rsrs Beeeeeijoooo
  10. Prih Ferreira

    Chapada das Mesas + Trav. dos Lençois Maranhenses + Jeri

    Geeenteee.. vale MUUUITOOOO fazer uma viagem dessa... E fazer essa travessia então só melhora o que já é bom... Quem puder faça a travessia, retome a caminhada ainda de madrugada pegue o céu estrelado... Go go go gooooooo o/ Não vou falar que foi incrível pq vai ficar repetitivo hahahaha... Mas eu estava onde queria estar de fato. Nenhum outro lugar era melhor do que estar ali em cada lugar desses... foi intenso!!!
  11. Prih Ferreira

    Carolina, Chapada das Mesas e região

    Oii gentee Estive fazendo Chapada das Mesas, Lençois Maranhenses e Jericoacoara E consegui fazer o relato rsrs e ta aqui.. Espero que possa ajudar a quem se interessar Abraçãaaao e tudo de melhor a nós!!! Prih http://www.mochileiros.com/chapada-das-mesas-trav-dos-lencois-maranhenses-jeri-t85662.html
  12. Olá galera do bem!!! Olha só não sou boa em escrever relatos e nem taanta paciência pra isso tenho..rs Mas me amarro em dar uma ajudinha e pitacos quando pedem. Essa viagem em especial achei válido escrever, afinal, iniciei em Imperatriz rumo a Chapada das Mesas em Carolina MA, S. Luis, Alcantara, Travessia dos Lençois Maranhenses em 3 dias rumo a Jericoacoara. Média de 16 dias com uma grana que sobrou do salário e que fiz sobrar não pagando uma conta ou outra rsrs( tudo em média, não sou de ficar anotando tudo...rsrs). No dindin tinha R$ 990 + R$ 350 no cartão de crédito + um dinheiro que entrou durante a viagem. Tive então uns R$ 1600 maaais ou menos. Disso sobrou: R$ 200 no débito, e R$ 150 no crédito e mais uns trocados comigo. Assim sendo, acredito que eu deva ter piscado em alguns detalhes importantes, entonces é só perguntar... Gosto dos ares, ventos e da gente que mora em Fortaleza e como as passagens estavam bem caras, disse que "invadiria" Fortaleza nem que fosse pelo Maranhão...hehehe E assim foi que realizei mais um dos quatro primeiros desejos de criança quando me interessei em conhecer algum lugar – conhecer os Lençois Maranhenses . ( os outros eram Machu Picchu: Ok , África e Grécia) Como bati o pé e disse que iria nem que fosse só... assim foi Aaaah e queria fazer uma viagem super econômica... Pq dinheiro não tinha guardado nenhum... Então acreditei em alguns relatos que diziam que era possível economizar..rsrs e assim fui Como comecei: *Pesquisei nos sites dos mochileiros.com as rotas e dicas *Ativei minha conta no Cauch Sourf *Criei tópico no ‘ Companhia pra vaigem’ aqui do blog. ( onde ganhei um companheiro pra fazer o Maranhão e ainda conheci mais outra pessoa que só fui encontrar já em S. Luis e depois em Jeri  ) *Criei tópico também no grupo do FB *Busquei falar com pessoas que já tinham feito roteiro, ou que moravam próximo aos locais para pegar mais informações e depois selecionar as que valiam para mim *E sempre na criação de seu roteiro fique de olho no mapa e na logística ainda mais quando o tempo é curto e tem muita coisa pra se fazer. Ter um roteiro, isso não quer dizer que serei fiel a ele custe o que custar.. mas é uma segurança a mais, pois é algo que você já tem algum conhecimento nem que seja na teoria sobre os lugares... Se as rotas alternativas que rolam no caminho não darem certo ou se derem só por um momento e você precisar saber pra onde ir, você já terá algumas informações com você... ( eu me sinto melhor fazendo assim, tem pessoas que não... O que te faz bem e te da segurança, tá bom! ) Chapada das Mesas – Sul do Maranhão Peguei voo ( R$ 125,00 - Gol) de Brasilia para Imperatriz- MA, lá quem nos recebeu foi uma família lindaa que eu encontrei graças Couch Surfing... ficamos hospedados na casa deles de domingo para segunda... Nos buscaram no aeroporto e saímos para jantar uma bela moqueca. Na segunda feira o plano era seguir para Carolina-MA que é a porta de entrada das Chapada das Mesas. Além da grande sorte que tivemos de ter ficado na casa de pessoas tão especiais, o Kássio ainda nos levou até o nosso primeiro ponto de visitação, Pedra Caída que já fica na Chapada das Mesas... Muito legal isso, né?! E econômico também...rsrs Vans saem de Imperatriz rumo a Carolina no valor de R$ 35,00. Li em um relato que elas saiam próximo a rodoviária antiga... como não precisei pegar van, essa informação atualizada não rola... Mas tb tem o busão que deve ser por volta de R$ 20,00. Primeiro atrativo – Pedra Caída. Vale MUITO conhecer, imaginem um canyon que dá acesso a um salão, uma queda d'água impactante. O guia disse que por volta das 10h o sol bate exatamente na abertura por onde a água cai. Qualquer descrição é pequena perto do que é aquele lugar... só vendo mesmo. Valor de entrada: R$ 10,00 se tiver carteirinha de estudante ou professor vc paga meia. Essa entrada da direito tb ás piscinas do lugar. Valor de visitação com guia a pedra caída – R$ 15,00 ( nessa não vale meia entrada rsrs) Antes de ir a Pedra Caida resolvemos almoçar, tudo deu R$ 60,00 reais dividido por três.. Comemos uma picanha na chapa com arroz, feijão, salada e cervejinha... Os preços n são láaa baratos né.. mas tá bão!! Depois fomos para beira da pista esperar a van para ir p carolina ou na sorte uma carona de alguém que tivesse saindo do atrativo.. Apareceu primeiro a van.. pagamos R$ 5,00 Descemos na rodoviária da cidade e dai já aparecem motoboys e taxistas pra te levarem p o centro da cidade... Numa boa, da pra ir a pé pro centro.. tipo uns 20min + ou - dependendo do passo e vontade rsrs Mas como não sabíamos... o taxista queria R$ 15,00.. no fim nos levou por R$ 10,00... Aaai começou a florecer meu ser negociador Pousadas: Não fomos com nada marcado. Geralmente o que aparece na internet é mais caro. Por isso prefiro chegar no lugar e averiguar com o próprio pessoal da cidade. Nessa o taxista nos levou a uma que seria barata. Cobrou R$ 20,00 cada um, quarto tripo e ventilador... O lugar tava um foooornooo.. não rolava.. n sou chegada a um ar condicionado, mas assim não davaaa.. Mas a senhora é super gentil, a pousadinha estava cheia e o quarto que tinha sobrado foi esse... No fim das contas paramos na pousadinha Portal da Chapada que é bem simples, o pessoal lá são umas graças, super tranquilos e sorridentes..rs No inicio queriam a tabela das pousadas lá que é em alta temporada de R$ 50,00.. dai conversando.. negociando...rs O preço baixou para R$ 30,00 a diária cada um, quarto triplo com ar condicionado e banheiro interno.. ficaríamos ali duas noites... Tinha festa na cidade, então curtimos um pouco da noite da cidade. Comida não é cara... preço normal... Passeios: Lá em Carolina tem empresas de turismo caso vc queira algo mais seguro. Mas como a grana não estava longa optei em tentar chegar em algum lugar por conta. Tem também carros particulares hilux que levam grupos para passeios... O que pode valer a pena se conseguir negociar, pois os valores podem ir de R$ 350,00 a R$ 700 para te levar ao mesmo atrativo.. Valor dividido entre todos... Então apareceu um cara querendo 450.. depois baixou pra 350.. o que ficaria 70 reais para cada..isso tendo que ir apertada no banco... E lá vai eu arriscar alto. Não topei essa, disse que tentaria ir por conta... Na manhã seguinte pegamos fomos andando para a rodoviária e pegamos uma van R$ 15,00 para Riachão... O lugar não foi nada receptivo com a gente. As pessoas te olham desconfiadas... não curti... Um homem chegou oferecendo para levar ao Poço Azul.. queríamos fazer Poço azul e outro lugar.. o dele era só poço azul, pois para ir ao outro tinha que ser carro com tração. Ele cobrou R$80,00 reais Não acreditei naquilo, pois, somados o valor de ida e volta da van fora a entrada no atrativo daria quase os R$ 70,00 que eu não quis pagar pro cara do aperto da hilux... Quando vi que não teríamos outra alternativa no momento, aceitei pagar o valor que baixou para R$ 70,00, dai pedi uma garrafinha de água de brinde pra cada um..rs pelo menos isso né... Mas olha só, ele só ia nos deixar lá e voltar, pois não poderia deixar a vendinha dele na rodoviária só... Teriamos que ver ainda como voltar. Os motoboys não fariam isso por menos de R$35,00 E eu com dinheiro contado huahuahua... Poço azul vale muito conhecer também. Tem ótimos lugares para banhos... Na volta uma família que estava por lá passeando também nos ofereceu carona... Ou seja gastamos no total 43,00 reais + a entrada que é de R$ 20,00... Uffa!! Tudo deu certo!!! Depois já em Carolina, fomos as margens de um rio que divide ali Tocantins e Maranhão para ver o por do sol. No dia seguinte tínhamos que seguir rumo a São Luis. Conseguimos saber de um busão que teria vaga saindo de Imperatriz. Pois os que passariam por Carolina já estavam cheios. Seguimos para Imperatriz por volta das 13:30h de busão, pagamos uns R$ 20,00. A van é um pouco mais cara R$ 35,00. Chegando lá a gente foi atrás da empresa que teria vagas ainda, mas já eram.. Mas naquele quase mesmo instante duas pessoas tinham desistido da viagem... Sorte para nós!! Uma senhora atrás da gente vendo o ocorrido quase não acreditou reclamando que tinha acabado de ir ali perguntar... Busão de Imperatriz MA/ S.Luis = R$ 90,00 dica: Tem o trem de passageiros da vale, o valor das passagens é bem mais em conta que pegar um busão para S. Luis... Contudo ele tem dias certos pra ir e pra vir... Segue o link com horários, dias e valores... No caso a pessoa estando em Imperatriz ou Carolina, tem que seguir para Açailândia que é onde passa o trem. http://www.vale.com/brasil/PT/business/logistics/railways/trem-passageiros/Paginas/default.aspx Se nã der certo vai no google que vai dar certo huahauhaua Lugares que velem a pena conhecer e não deu tempo: As grutas, passeio que vc pode perguntar lá na Pedra Caída e combinar.. o lugar é de fato lindo e não é caro o passeio.. se não me engano é R$ 40 reais.. algo assim... mas não passa disso. São Romão, Prata e Itapecurizinho ( são lugares que vc conhece num passeio só) Outra coisa que observamos que vale a pena é alugar um carro, na maioria dos atrativos vc chega com carro simples... No aeroporto em Imperatriz vc tem a opção da Localiza. São Luis – Alcantara Amanheceu, chegamos em S. Luis e fomos atrás de informações para ir ao Porto, as linhas de transportes que nos deixaria ali, pois a Dafne estava nos esperando pra conhecer Alcântara, o catamarã sairia ás 8:30.. Como tivemos ainda na rodoviária de Imperatriz um problema com o ar condicionado, foi o tempo suficiente para não a gente não chegar a tempo no porto que fica ao lado do Terminal da Praia Grande... Mas estava tudo certo, como o próximo era só ás 11:30hs, fomos ao Hostel Solar das Pedras(R$35,00) da rua da Palma pois o André resolveu pernoitar nele... Chegando lá encontrei a Suellen outra moça que conheci pelo grupo mochileiros, ela me reconheceu rsrsrs muito bacana essas coisas... Eu e a Dafne falando empolgadas sobre a travessia dos Lençois que queríamos fazer acabamos empolgando outras pessoas ali que nem sabiam que tinha isso...( atravessar parte dos lençóis maranhenses a pé). Comigo e com o André veio o Sérgio. Com a Dafne se juntou mais duas pessoas que começaria a travessia só na segunda feira...A nossa já seria no dia seguinte. Juntou-se a nós mais uma galera boa e fomos as 11:00 para o Porto (fica perto do hostel) rumo a Alcantara.. Aah!! O pessoal do hostel não quis guardar minha mochila Mas tudo bem!! Lá no porto vc paga R$ 1,00 e fica muito bem guardada até por 24hrs... Pisando em Alcantara, vários guias vem atrás com tudo.. rola uma disputa chatinha as vezes de se ver... Mas acabamos aceitando um lá, cobrou R$ 20,00 pro grupo.. ficou então baratíssimo para cada um, estávamos em mais de 5 pessoas. É interessante conhecer lá, saber um pouco da história... lá é pequeno, tem muita ruina.. parece estar esquecido...uma pena.. Barco custa R$ 20,00 pra ir e o mesmo valor pra voltar... no final lanchamos por lá, tem coisa gostosa como bolos, salgados ou peixes e não é caro... Voltamos por volta das 16:30. Valeu muito pegar o pôr do sol do barco. Eu ia dormir na casa de uma amiga de um amigo meu... Mas estava tendo manifestação, dai tava difícil pegar ônibus e o taxi estava me cobrando pra me levar ao bairro quase o valor da diária do hostel... Tentei negociar da mulher abaixar o preço pq só iria ficar ali até as 3:30h da madrugada. (Já estava tudo certo, uma van iria pegar a gente e nos levar até Sangue e de lá pegaríamos uma jardineira para chegar a Santo Amaro). Mas a mulher me indicou um albergue na rua ao lado – eu e uma outra que não queria pagar mais 35 reais fomos lá, mas já não existe... subimos as ruas atrás de hotéis mais baratos.. Ao passar em frente a um senti um cheiro de insenso ( até ai tudo bem). Mas não me senti bem. Deixei a menina á pra ver o preço e fui em outro ao lado que mesmo o cara sendo legal o preço ficou duas vezes o do hostel..hehehhe Voltei ao do cheiro de insenso, e fui ajudar na negociação. Uma senhora de rosto fechado atendia a outra moça, mesmo não curtindo os ares fui lá ajudar a abaixar o preço... Eu toda lá descontraída ( tentando trabalhar meu psicológico, imaginando ser coisa da minha cabeça estar sentindo estranho o lugar).. a mulher se mantinha sem carisma, mas abaixou o preço fazendo por R$ 20,00 (era para eu estar saltitante, né?! Era...) Me aparece no corredor um senhor negro sem camisa, de cabelos brancos andando meio ‘sei lá’ estranho em nossa direção ( cara, assim que vi ele me senti naqueles filmes de suspense..huahuaha), ele não tinha brilho de vida. Me entende? Os olhos dele não tinha brilho...era como dizem por ai ‘ cabuloso’... Dai a senhora grita uma outra pessoa que sai de um quarto ( olha, esse também era estranho, nem um pingo simpático, e também sem brilho. E não. Nem porpurina ajudaria..rsrrss ), ela pede que ele não desfaça um quarto, pois, eu e a outra moça ficaríamos ali. Ele concorda fazendo sinal com a cabeça e sai. Ela nos leva pra conhecer o quarto onde dentro dele havia um outro cômodo a parte que estava com a porta aberta. Noossa!!! Tinha garrafada no chão e velas acesas. Ela meio desconcertada fechou essa porta dizendo que era pra caso a luz acabar... medaaa... olhei para as camas e pensei: se eu deitar ai amanhã não vou consegui me levantar para fazer a travessia... fiz um sinal pra menina- como quem diz “vamos sair vooadaaas daqui”.. agradeci e disse que ia buscar a mochila e até hoje não voltei..hahahha Paguei sorrindo os R$ 30,00 no hostel.. ( a mulher me deu desconto de 5 reais huauahua) Hostel Solar das Pedras em São Luis: http://www.ajsolardaspedras.com.br/ Telefone do Denilson que te busca com a van para levar até Sangue: 8808 9190 ( eu fui com ele) Mas também tem esses outros: Thomas: 8729 3454 ou com final 50 (hehehe a pessoa me passou meio confusa esse numero) Tem ainda uma Tata:3253 3335 Deve ter outros tantos, acredito se um não tiver mais vaga te passe o contato dos outros A travessia combinei com o Biziquinho. Um guia super do bem mesmo. Aqui está o facebook dele e ai tem os numeros dele tb: https://www.facebook.com/biziquinho.lencois?fref=ts O valor: Ele havia cobrado R$ 450,00. Dai dividido por três ficava R$ 150,00. No final já em Santo Amaro nos juntamos a um grupo de franceses, uma canadense e outro brasileiro. Somamos 10 pessoas e saiu R$ 30,00 reais por pessoa em cada dia. Esse valor pode sim sair ainda menor. Importante demais acertar tudo antes de ir, ponto a ponto e possibilidades. Travessia dos Lençóis Maranhenses – Santo Amaro a Canto dos Atins Vou tentar resumir isso aqui pq é muita coisinha e acaba ficando loooongo demais... dai algo que eu tenha pulado é só perguntar... Já estava me comunicando com o Biziquinho um guia suuuper gente fina. Ele quem me passou o numero do moço da van também. O pessoal da jardineira já nos deixou em frente a casa do Biziquinho. Fomos super bem recebidos. Estavamos com fome, já era quase 10hrs e nada de café até ali. O Bizico nos levou a um lugar que olhando vc jura que não tem nada ali.. E que deliciosa surpresa, eles faziam alguns lanches na maior rapidez, ótimos sucos.. O nome não me lembro mais o Biziquinho sabe huahuaha. Como resolvemos nos juntar a um grupo de franceses e a mais uma canadense e brasileiro, resolvemos iniciar a travessia no dia seguinte... O guia então nos levou para conhecer os arredores da Santo Amaro, tomamos banho no rio.. foi bão... Fechamos também de pegar uma jardineira (R$ 10,00 por pessoa) para nos deixar mais adiantados na travessia. Você pode começar desde Santo Amaro, mas chegaríamos já a noite e durante a travessia só rola lanchinhos leves, o sol é forte, a água é só a que levamos, então não rola de ficar andando de barriga vazia... Eu e os dois parceiros estávamos de mochilão pq a nossa viagem iria continuar. Quer dizer só a minha e a do Sérgio. Após a travessia André retornaria a S. Luis para voltar pra casa. Lá vai a gente na coraaagem com essas mochilas pesando entre 8kg e pra lá de 14kg (a minha tinha 12kg). Ôooo LÔCO.. não façam isso. Fazer uma travessia na areia é MUITO diferente numa trilha de terra, pedra... areia fofa, fofa molhada, algumas vezes mais durinha exigem muitooo dos pés, e de todo resto o esforço é triplamente maior. Dica: Lá de São Luis procure despachar sua mochila já pra Barreirinhas que é o próxima parada depois que acabar a travessia. Para melhor saber pergunte ao guia que vc pretende fazer a travessia. Mas lá em Santo Amaro você pode ver com as jardineiras que passam por Canto dos Atins ( final da travessia) E lá você reencontra tuas bagagens. O preço? Não sei... Mas já iniciada a travessia, em nossa primeira pernoite na casa do guia os dois que estavam comigo depois do primeiro dia com as mochilas decidiram despacha-las com uma das alternativas achadas já no meio dos Lençois. Um rapaz as levou de moto até Canto dos Atins, cobrou R$ 40,00 reais de cada. Agora saindo de Santo Amaro não sei quanto fica. Quem sabe mais barato por lá você ter mais alternativas e algum poder de negociação por não estar no meio do deserto e exausto Durante a travessia comum é dormir em redários. O preço médio cobrado fica entre R$ 20 e R$ 25,00 dependendo do lugar. E a refeição também segue nesses valores. Em cada dia fizemos só uma refeição principal. O café da manhã é garantido...simples e beeem vindo Dicas: Umas parecem bem óbvias. Mas de tão lógicas corremos o risco de cometer 'ops' não leve seu mochilão huauahua Leve mochilinha de ataque só com protetor, ou bloqueador; Seus itens de higiene pessoal Lanchinhos, barra de cereal, biscoitinhos, goiabada ( a noite isso é um banquete tb). Kit primeiros socorros Garrafinhas de água ( eu levei duas) No ultimo dia comprei mais uma numa vendinha... Durante toda a travessia usamos a mesma roupa, não vale ficar trocando, afinal cv ta em meio a uma travessia na areia, com vento fortinho por vezes.. Mas leve uma peça a mais de roupa pra emergências..rs nunca se sabe... Cometi um ops... fiz o começo da travessia de short e fiquei com aquela marca linda que custa a sair... só depois fiquei só com o biquíni e outras vezes arrumei a canga de forma a tampar toda a perna. Uma francesa variou entre uma calça de tecido fino e biquíni tb. Hidratante Protetor labial Boné ou chapéu firmes na cabeça pra vc não sir feito doido correndo nas dunas para pega-lo de volta hehehhe A faça de chinelos. Durante a travessia vc fica variando entre ficar descalço e o chinelo. Atravessamos algumas lagoas no percurso, chinelos facilitam essas travessias... Nos três dias de travessia tomamos banho nas lagoas que estavam ótimas pra nadar. Só no último dia que a única chance era super cedo, antes do sol nascer, dai resolvi não entrar rsrsrs Era incrível o sentimento de estar ali em meio aquele deserto, e perceber que o mundo está acontecendo em volta e você rodeado de areia, aves... belezas naturais... distante de tudo. Quando era hora do sol se por nós já estávamos nos alojamentos, dai caminhávamos até as dunas pra lá de cima ver o espetáculo. E era lindo!!! Em nosso último dia acordamos as 3:30 para começar a caminhas ás 4h da madruga. Gente!!!! Foi um dos momentos mais fortes pra mim. Você olhar pro céu completamente estrelado. Depois de um tempo todos apagaram as lanternas, pois a lua mesmo se encarregou de nos iluminar. Vontade não faltou de sentar ali e ficar só apreciando, sentindo aquele ventinho, curtindo o silêncio... me emociono só de lembrar O último dia é o mais cansativo, e o menos belo se posso assim dizer. Caminhamos um pouco entre as dunas rumo ao litoral. Pegamos CHUVA, uma chuva que doía..rs Mas que valeu a pena.. afinal pegamos sol, chuva, areia, lama, céu estrelado, lua ... experiências diversas..hehehhe Pernas duidas, pés acabados, vontade de sentar e ficar ali quieta... Mas não rolava, tínhamos que terminar.. descansamos por minutinhos numa cabana de pescados desabitada, e seguimos.. sabe aquela sensação que tá chegando, você consegue ver o seu objetivo mas nunca chega? Pois é, nesse dia foi o que muito aconteceu..rs Mas CHEGAMOS! Como foi bom! Chegamos em Canto dos Atins. Lá é um restaurante, e de lá vc também pega a jardineira para Barreirinhas. Tem a opção de carro particular que cobra R$ 50,00 e isso se tiver 10 ou 13 pessoas certas de ir Conseguimos ir na jardineira mesmo que é bem mais em conta R$20,00. Obs: nessas vilas eles trabalham com sistema de vagas... uma determinada pessoa do ponto de onde vc vai pegar a van, liga p o motorista, e ele já conta com você deixando sua vaga separada. Quando a van passou o cara tinha 5 vagas. Os franceses estavam num grupo de 6 pessoas e nós já em 3. Foi a gente! De Barreirinhas o André voltou para S. Luis. Eu e o Sérgio seguiríamos rumo ao Parque das Sete cidades ou direto mesmo para Jericoacoara. Funciona assim: De Barreirinhas para Paulinio Neves, sai van só em dois horários, por volta das 8:30 da manhã e outro tanto de vans por volta de 14:00hrs. Chegamos depois das 15hrs, ou seja, já era, só no outro dia. Mas valeu muito, Barreirinhas tem uma boa estrutura, praça e restaurantes bons e preços acessiveis.. Gostei! Melhor, gostamos. Arrumamos uma pousada que a mulher queria R$ 35,00 de cada.. Dai consegui por R$ 30,00 e sem chances pra choradeira de abaixar mais o preço rsrsrs Rumo a Jericoacoara Meu banco é regional de Brasilia, um sacooo pra retirar dinheiro... Não encontrava aqueles caixas 24hrs com todos os bancos. Dai resolvi ir num posto de gasolina e pedir pra passar meu cartão no débito e eles me darem o dinheiro... os donos do posto aceitou cobrando um valor de R$ 20,00.. do jeito que eu estava precisando nem pedi pra abaixar a taxa hahahahha No outro dia seguimos Para Paulino Neves de jardineira pagando R$ 12 reais. Lá em Paulino Neves tem uns carros que cobram R$ 80,00 pra deixar vc em Parnaiba. Mas a próxima jardineira é R$ 8,00 pra Tutóia e de Tutóia para Parnaiba é uns R$ 15,00 reais n mto mais que isso... Momento de decisão: Descer para o Parque das Sete Cidades ou ir direto para Jeri?? É nesse momento em Tutóia que você pode seguir para Delta do Parnaiba ( colado em Tutóia) Ou seguir para Parnaiba e de lá decidir o que fará da vida..rs Eu tinha que decidir ir ao Parque da Sete Cidades conforme planejei ou seguir pra Jeri. Não quis conhecer o Delta do Parnaiba. Depois de tantas dunas e belezas típicas da região, eu já me sentia saciada. Dai fomos rumo a Parnaiba, e lá encontrei caixas 24hrs. Quase chorei de emoção..rsrrs e depois de certa raivinha..pois eles estavam inuteeeis... aff!!! Por conta disso, d adificuldade em retirar dinheiro, resolvi não arriscar indo para o Parque das Sete Cidades  E fiz o sacrifício de seguir direto para Jeri huahuahuha Então vou para Jeri mesmo... Os valores para Camocim ou para Piripiri não passam de R$ 18,00. Um senhor se aproximou falando que morava em Camocim e que nos levaria por R$ 20,00 cada, pois ele já estava indo pra lá mesmo... arriscamos e deu tudo certo! Senhor gente fina, tranquilo no volante. Assim que chegamos em Camocim o próximo bus pra Jeri sairia ás 23hrs e a chegaríamos lá por volta de 1h da madrugada, e como eu não tinha lugar pra ficar ainda e a estadia do Sérgio só começaria mesmo no dia seguinte, resolvemos dormir em Camocim que por sinal é uma gracinha também. Ficamos num hotel de frente pra rodoviária. O mais simples. O valor na tabela era de R$ 30 reais por pessoa e não passava cartão (outro dilema meu na viagem rsrrs). Disse que o Sérgio poderia ficar ali que eu iria procurar outro lugar pra mim... Dai a mulher que não queria baixar o preço fez R$ 20,00 cada huhuuhuhuhuhu pensa como fiquei feliz!! Hahahhaha Compramos a passagem para Jeri pra sair ás 11h da manhã. O valor foi de R$ 20,00, sendo R$ 10,00 era pro busão e restante pra mais uma jardineira que estaria esperando os passageiros da Frectar. Obs: a jardineira é opcional.. Se não quiser a jardineira da Frectar você paga só o valor do busão e lá em Jijoca você pode pegar jardineiras independentes. Jericoacoara Jeri estava com aquele movimento de férias. Mas segundo o Sérgio, era ainda menor que no mês de janeiro. Pooo.. menos de duas horas em Jeri, percebi que 7 dias ali seriam poucos... Assim que você desce da jardineira já vem váaarias pessoas oferecendo estadias e tals. Dai tinha uma pousada simples e um senhor com uma proposta indecente.. calma, calma.. nada disso que pensas..hahaha a proposta era me cobrar R$ 100 a diária seem chaances.. haha eu mesmo dividindo por dois dias ( o tempo que ele teria vago o quarto) com uma senhora que conheci na jardineira ficaria caro para mim. Então resolvi ir atras do que eu sabia que poderia sair mais barato: camping. No último caso aceitaria até redário - de novo - . Fui no hostel suuuuper bacana Jeri Hostel, mas a diária não saíria por menos de R$40,00 por conta da temporada e isso multiplicado por 7 dias era grana demais pra mim. [/url]http://www.jeribrasil.com.br/[/url], lá ainda tem o Tirol tb. Fui então ao Camping Natureza que fica quaaase ao lado do Hostel. Se eu levei barraca? Não. hehehe Cheguei no camping assim hahaha e me cobraram R$ 12,00 a diária hahahhaa fiquei assim e assim Me arrumaram uma barraca e ainda um colchão inflável..uhuhuhu lá tem banheiros e cozinha ainda e a galera e o Natureza ( nome do dono do lugar) são bem especiais. Então ficou assim, metade de mim era camping e metade era hostel rsrsrs a galera que conheci e ficamos em grupo depois estava no hostel. O Rames que cuida tb do hostel é muito bacana mesmo, super astral bom... Não deizei de fazer o passeio para o Paraiso. Comi camarão, comi muita tapioca, bebi minhas caipirinhas... Economizava um pouco aqui e depois me dava o prazer em um prato melhor ou bebidas... Fui ao forró, a padaria que abre só de 2h da madruga até ás 6h comer pão de chocolate e outros ( belisquei..rs), conheci uma galera muito especial, ótimas companhias - isso durante tooooda a viagem. Foi tudo INCRIVEEEEL e sem gastar muuita grana. Ver o pôr do sol bem ao centro da pedra, tendo essa visão ai, só ocorre pelo mês de julho Volta de Fortaleza/Bsb - R$ 200 + taxas. Boooons ventos a nós!!!
  13. Prih Ferreira

    Travessia Petrópolis - Teresópolis... 10 Dicas

    Oi Gisely... bacana o relatoo, simples e com boas informações.. quero MUITO fazer essa travessia tb.. quero tentar agora pra segunda quinzena de Agosto ou no maximo em setembro.. Valew... tudo de melhor a vc!!
  14. Prih Ferreira

    Carolina, Chapada das Mesas e região

    Oooiee Como vou antes, vou me esforçar para anotar tudo que for relevante.. pq de cabeça não rola, acabo esquecendo mesmo.. e dai faço o relato tb. Abraaçãao e tudo de melhor a nós!!
  15. Prih Ferreira

    Carolina, Chapada das Mesas e região

    Olha só... exato um mês antes ÓTIMA viagem!! Aguardo o relato
×