Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Nilson Jr

Membros
  • Total de itens

    29
  • Registro em

  • Última visita

  • Dias Ganhos

    1

Nilson Jr venceu a última vez em Janeiro 30

recebeu vários likes pelo conteúdo postado!

Reputação

26 Excelente

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. Eu tenho problemas de coluna também, mas nessa época eu estava melhor. Teve dias que tomei tramal à noite pra dormir. Andava muito por essas dunas... Tudo tão lindo. Sobre a segurança nos rios e mares você está certinha. Um passeio desses pode ser tornar tragédia. Ano passado fui a Boipeba, Morro de São Paulo e depois Salvador... Meses depois aconteceu um desastre por aquelas bandas com embarcação semelhante a que eu peguei.
  2. Valeu Dan. Já era pra eu ter feito esse há tempos. Vou fazer de Boipeba, Morro de a São Paulo e Salvador que fui ano passado. Abraços
  3. Esqueci dos preços cobrados pelas diárias no período. -(Barreirinhas) Pousada Paraíso dos Lençóis custou 165 reais a diária; -(Santo Amaro) Pousada Lagoa Azul custou 130 reais a diária; e -(São Luís) Stop Hotel custou 175 reais a diária.
  4. São Luís - Alcântara (8º dia) Neste dia, acordamos cedo, pegamos um táxi no hotel em direção ao Cais Praia Grande no Centro Histórico de São Luís, de onde pegaríamos uma embarcação com destino a Alcântara. Conhecida como "a cidade que parou no tempo", Alcântara guarda um conjunto de mais de 300 construções coloniais - muitas em ruínas, como a Matriz de São Matias, cartão-postal da cidadezinha. Sobrados, igrejas e palácios são heranças do período de ouro da vila que, no século 18, teve seu apogeu com as lavouras de cana-de-açúcar e de algodão. Algumas antigas residências que pertenceram aos barões ainda exibem marcas da ostentação, como sacadas de ferro, mirantes e azulejos trazidos de Portugal. Chegando no terminal, compramos nossas pulseiras de embarque ao custo de 20 reais cada e conhecemos um guia que já estava com um casal que contratou o serviço através de uma agência. Ele nos cobrou R$: 20,00 por pessoa para nos guiar também e uma quantia bem investida. Ele é morador de Alcântara e sabe muito a história da região. Também se dispôs a tirar muitas fotos nossas durante o passeio. Quando vimos a embarcação na qual iríamos quase caímos pra trás, mas a vontade de conhecer Alcântara era maior. Demoramos uma hora e meia para chegar lá. Quem enjoa fácil, tome um remédio contra enjoos antes. Acredite, você vai precisar. A volta é ainda pior, pois o mar bate mais. Chegando em Alcântara: Gostamos muito de Alcântara. Muitas curiosidades, muita história e arquitetura. O sol lá que é de rachar. Vá com roupas leves, protetor solar e chapéu. Na hora do almoço muitos comerciantes param e só voltam depois das 14h30, esperando o sol abaixar um pouco. Conhecemos por lá também a Casa da Cultura Aeroespacial que conta a história da Base de Lançamento de Foguetes da FAB em Alcântara. Voltamos de lá no finalzinho da tarde e como o caminho de volta é por um lugar diferente, ficamos bem próximos do hotel. Fomos andando a pé até lá. A noite, voltamos para jantar na orla e tomar uma cervejinha, aproveitando assim o último dia no Maranhão. No dia seguinte partimos de volta ao Rio de Janeiro e assim encerramos nossa viagem. Gastamos menos de 7 mil reais com passagens e hospedagem incluídos.
  5. São Luís - City Tour e Centro Histórico (7º dia) Acordamos cedo, tomamos um café reforçado e pegamos a Hilux de Santo Amaro com destino a São Luís. Sofremos novamente com as estradas esburacadas e pegamos um longo engarrafamento até a capital. O motorista nos deixou num ponto de Taxi e de lá pegamos um taxi até o Stop Hotel localizado na Av. Atlântica de São Luís em Ponta D'areia. Chegamos bem antes do horário previsto do check-in, mas como o nosso quarto já estava desocupado e arrumado, deixaram-nos acomodar. Como o Hotel já tinha um belo restaurante, comemos uma picanha com acompanhamentos por lá mesmo. Custou uns 130 reais com as bebidas. Fiquei pesquisando na Internet e achei o Whatsapp de um City Tour com Centro Histórico por 70 reais por pessoa. Na mesma hora mandei uma mensagem para a tal agência, fechamos o valor, marcamos logo para aquela tarde e embarcamos para conhecer um pouco de São Luís. (Não passarei o contato, porque não gostamos muito da parte do city tour. Foi bem corrido e o motorista estressado com o trânsito não nos passava tranquilidade) E do centro de São Luís fomos ao Centro Histórico. O motorista nos deixou com outro guia e foi nos explicando sobre a história e arquitetura daquele belo local. Tem azulejos portugueses pintados à mão por toda parte. Depois o guia nos deixou no Mercado Popular do Centro Histórico para comprar lembrancinhas. Compramos uma bela e enorme tapioca de 8 reais cada. No final do passeio, voltamos ao Hotel para tomar um belo banho e já sair para caminhar na orla da Praia. Jantamos por ali mesmo num quiosque (Carne de Sol com acompanhamento ao custo de 65 reais para duas pessoas) e depois voltamos para o Hotel caminhando. Ao contrário do que nos disseram, graças a Deus, não presenciamos nenhum assalto por aquela região.
  6. Atins - em média 100 reais por pessoa (4º dia) Neste passeio pegamos a jardineira, atravessamos o Rio Preguiças, e fomos para a localidade chamada Atins. Atins está localizado à beira-mar, entre o Rio Preguiças, a praia e as dunas repletas de lagoas. O passeio pelas dunas é bem cansativo e demorado, mas as paradas nas Lagoas são recompensadoras. A primeira parada foi na praia do povoado de Atins, onde é possível ver a foz do Rio Formiga e o encontro com o mar. E de lá partimos para as Lagoas... Na parada para o almoço, em Canto dos Atins, você conhece o Famoso Camarão Grelhado reportado no Guia4Rodas e em vários blogs de viagem como o melhor camarão do Maranhão. Confesso que o que me motivou a fazer esse passeio era comer essa iguaria, pois já tinha lido muito sobre ele. Você pode escolher entre dois restaurantes para comer o Camarão Grelhado: O restaurante da Luzia (que inventou o prato) ou o restaurante do Antônio (irmão da Luzia). Dizem as más línguas que a cunhada de Luzia, esposa do Antônio, descobriu o segredo da receita e assim resolveram abrir o seu próprio restaurante com o mesmo prato. Restaurante do Antônio. Importante: Levar dinheiro, pois em muitas vezes ficam sem sinal e não conseguem passar cartão; Nesses restaurantes só tem pratos à base de peixes e frutos do mar. Não há opção com carne vermelha. Lamentável, mas é a realidade. rsrsrs O Camarão grelhado, servido também com feijão, arroz, farofa e salada de tomate sai por R$ 70,00 para 2 pessoas, mas tem outras opções com camarões e outros pratos. Depois de comer muito, tem a pausa para um descanso nas redes do próprio restaurante... A noite fomos passear na Orla do Rio Preguiças e comemos um prato maravilhoso com camarões, abacaxi, creme de leite e etc no Restaurante Bambu com música ao vivo. Foi uma noite maravilhosa comendo bem e ouvindo MPB. Santo Amaro - Passeio para Lagoa da Gaivota e Lagoa das Andorinhas (5ºdia) Li muitos relatos e blogs na internet logo que planejei fazer essa viagem e por essa razão já tinha colocado na cabeça que ficaria pelo menos uns dois dias em Santo Amaro. Queria muito conhecer o pequeno povoado de lá e estava muito curioso para descobrir as lagoas consideradas por muitos com as mais bonitas e profundas dos Lençóis Maranhenses. Aí fechei um passeio só de ida de Barreirinhas para Santo Amaro, já que queria ficar por lá e aproveitar melhor o povoado e suas lagoas. E assim foi feito! Acordamos cedo, tomamos um café reforçado, fizemos o check-out na Pousada Paraíso dos Lençóis, fizemos todas as malas e embarcamos na jardineira em direção a Santo Amaro. A viagem de Barreirinhas para Santo Amaro demora quase 3 horas de viagem. No início da viagem, o veículo segue por uma boa rodovia pavimentada até o povoado chamando Sangue. De Sangue até Santo Amaro leva entre 1h30min à 2hs, numa estrada de terra e aí são muitos solavancos, buracos, ponte de madeira, lama, rio e etc. Uma verdadeira aventura. A obra de pavimentação dessa estrada principal não se concretiza e como de costume em nosso país, conta com desvios de recursos, superfaturamento e escândalos de corrupção. Enquanto isso o povo de Santo Amaro continua sofrendo. Chegando no pequeno povoado você dá de frente com um rio que não tem ponte para atravessá-lo. Os carros 4x4 entram na parte mais rasa desse rio para acessar a cidade, não tem outro jeito. Foto da travessia do Rio Alegre - Foto do relato de Belle Castillo Outra margem do Rio - Visto já de dentro do povoado de Santo Amaro. Depois de sofrer muito sacolejando no caminho, chegamos enfim no circuito das Lagoas de Santo Amaro... Era de fato tudo aquilo que eu li. As Lagoas mais lindas e mais profundas. Para quem vai depois da temporada, estas lagoas também são as últimas a secarem. Lagoa da Gaivota / Lagoa das Andorinhas Lagoa das Esmeraldas Depois de curtir as mais famosas Lagoas de Santo Amaro, fomos levados para o Restaurante da Pousada Água Doce para almoçarmos. Comemos um belo peixe ao molho de camarões e tomamos suco de cupuaçu. Gastamos uns 120 reais no almoço todo. Pousada Água Doce Depois do almoço, o guia/motorista do passeio nos levou para a nossa pousada, a Pousada Lagoa Azul, e de lá o passeio voltou com os outros passageiros para Barreirinhas. Como o povoado é pequeno, tem poucas pousadas por lá na internet e a pousada mais bem avaliada na época estava com todos os quartos reservados. (Era justamente a Pousada Água Doce em que almoçamos) As pousadas de lá também são mais caras que as de Barreirinhas e oferecem menos. Confesso que não li nada sobre a pousada Lagoa Azul e quando cheguei lá fiquei meio receoso com a simplicidade extrema da mesma, mas foi só a proprietária Dona Neuza vir nos receber com aquele sorrisão no rosto, que o receio passou. Deixei para fechar a pousada de Santo Amaro muito em cima da hora e fiquei sem opção. A pousada foi adaptada dentro da casa da proprietária, mas é tudo limpinho e arrumado. Tem ar-condicionado, TV, banheiro e fica bem localizada no povoado. O café da manhã está incluído na hospedagem, mas você pode combinar também o almoço ou janta do seu agrado com a proprietária que ela faz tudo fresquinho na hora que pedir. Dona Neuza nos apresentou seu filho e o seu esposo que trabalham fazendo passeios pela região. O seu esposo, Senhor Antoninho, faz passeios de Jardineira e o seu filho faz passeios de Pickup Hilux. Marcamos então um passeio com o filho dela para Lagoa Betânia no dia seguinte. Guardamos nossas coisas, tomamos banho e voltamos logo para conhecer a cidade. Pracinha de Santo Amaro. Santo Amaro é um povoado minúsculo e não tem muita estrutura para o recebimento de turistas. De dia você se esbalda nos passeios para as Lagoas, mas durante a noite só tem um forró para ir na beira do rio ou movimento das pessoas na pracinha no centrinho. Telefonia móvel só pega uma operadora e Wi-fi em pousadas é bem raro. Lá é um lugar para você se isolar e esquecer do resto do mundo. Grande parte das agências de turismo só tem pacotes para Barreirinhas quando se fala em Lençóis Maranhenses, por isso Santo Amaro é pouca conhecida e não recebeu muito investimento em restaurantes, hotéis, pousadas e em estrutura. Santo Amaro - Passeio para Lagoa da Betânia (6º dia) Pegamos logo cedo a Hilux num passeio privativo da Pousada Lagoa Azul em direção a famosa Lagoa da Betânia. Depois de muito sacolejo em estrada de areia, lama e pedra, conseguimos chegar até Restaurante Cantinho da Felicidade. Ele funciona como uma espécie de receptivo da Lagoa Betânia. Ali você deixa o pedido do seu almoço feito (peixe, frango ou cabrito) e vai para a trilha das Lagoas. Restaurante Cantinho da Felicidade - servem peixe, frango ou cabrito. Bééééé Logo no começo da trilha, você precisa atravessar um rio existente na frente do restaurante, para isso existe um serviço custando R$: 2,00 por pessoa para fazer a travessia de barco. Depois do barco você anda um pouquinho e já chega nas Lagoas Depois de aproveitar bastante as Lagoas, voltamos para almoçar um belo peixe com acompanhamentos no restaurante. Gastamos uns 90 reais em tudo. Depois do almoço, ficamos tomando banho no próprio rio. A água estava uma delícia e embora de coloração avermelhada, bem transparente. Ficamos ali até o final da tarde e depois voltamos ao povoado de Santo Amaro. Chegamos lá já estava anoitecendo. Passeamos pelo centrinho e jantamos no Restaurante da Pousada Água Doce. Quando voltamos a pousada, descobrimos que o filho da proprietária estaria indo para São Luís no dia seguinte resolver pendências no Detran de lá. Como tinha vaga no carro, já acertamos com ele a nossa partida para a última parte de nossa viagem antes de voltamos para casa.
  7. Relatos de Viagem – Lençóis Maranhenses e São Luís Olá. Como forma de retribuir as dicas que sempre recebo aqui vou deixar meu relato de viagem aos Lençóis Maranhenses (Barreirinhas e Santo Amaro) e a São Luís. Os Lençóis Maranhenses são realmente aquilo tudo que você vê nas fotos, desde que você planeje ir na época certa (Logo depois das chuvas - entre junho e o início de setembro). Eu fui em Maio de 2016 e dei muita sorte. Para se ter acesso aos Lençóis você pode acessá-lo por três localidades: -Barreirinhas - Para onde vão a maioria dos Turistas e por isso tem uma maior estrutura e opções de lazer); -Santo Amaro - Localidade muito pouco desenvolvida onde só tem acesso a ela em carros 4x4 para atravessar um Rio que a cerca. O munício não tem estrutura para receber turistas, sem opções de lazer a noite (Só Forró na beira do Rio) e só pega uma operadora de telefonia; e -Atins - Também com pouca estrutura e pouco desenvolvida. Não aconselho essa viagem para pessoas com bebê ou pessoas com problemas de coluna, reumatismo e etc. Você tem que andar muito pelas Dunas de areia fofa num sol escaldante. Antes da viagem eu já havia contratado um transfer de VAN do aeroporto de São Luís para Barreirinhas, mas também existe esses transfers oferecidos diretamente no aeroporto. Cheguei lá o motorista já estava me esperando com uma folha com meu nome e de minha esposa. Embarquei nessa van por volta de 15h30 da tarde e só cheguei a Barreirinhas à noite. São quase 250 km em 4 horas de viagem. A empresa que fechei o transfer foi a G.I CONECT, Fone: +5598 3254 0328 / email [email protected], e custou 60 reais por pessoa somente a ida em maio de 2016. BARREIRINHAS A Pousada que fiquei chama-se Paraíso dos Lençóis e fica muito bem localizada numa das principais ruas de Barreirinhas. A pousada é nova, com boas instalações e com um café da manhã perfeito. Com muita variedade. A proprietária, muito educada e prestativa, explicou tudo sobre o lugar e os passeios. Fachada da Pousada Paraíso dos Lençóis: Café da manhã na Pousada: Na VAN, o motorista nos indicou uma agência de turismo chamada Ilha Turismo, (Tel 98 3349-1985 / email [email protected]), com preços muito bons. Fiz logo um pacote com todos os passeios que eu tinha em mente e por essa razão pude pechinchar ainda mais o valor. Os passeios que fiz foram: 18/05 - (Dois passeios no mesmo dia) Circuito Lagoa Azul às 9h30 e Circuito Lagoa Bonita às 14h00; 19/05 - Quadriciclo às 8h30 (Com passeio ao Farol de Barreirinhas localizado no povoado de Mandacaru por barco incluído neste); e 20/05 - Atins; e 21/05 – Santo Amaro (Fiz esse passeio e aproveitei e levei minhas bagagens na VAN e fiquei logo lá em outra pousada. Esse passeio não tem sempre, pois é mais caro e bem longe. Tem que deixar o nome e ficar na esperança de formar o grupo. Tinham outros passeios também, mas como o meu tempo era curto, fechei esses que eu considerava como imperdíveis. Circuito Lagoa Azul - 2º DIA (R$ 70 a 90 por pessoa) Esse passeio foi o mais movimentado que fizemos, pois é o principal passeio para aqueles que realizam o bate e volta São Luís x Barreirinhas. Pegamos a “Jardineira” na frente da agência de turismo (Veículo 4x4 antigo com adaptação com bancos de madeira para passageiros na carroceria) e andamos por muito tempo dentro das matas, enfrentando rios e muita areia fofa dentro de caminhos improvisados no meio da vegetação. São 12km sacudindo e por no mínimo 1 hora numa velocidade quase que constante para não atolar. Por isso torna-se tenso também para crianças, idosos e pessoas com problemas de coluna. Se você ficar na ponta do banco toma muita “galhada” no braço e se der mole até na cara. O primeiro passo é desembarcar da jardineira e colocá-la sobre uma balsa para atravessar um rio. Depois é só aventura até chegar no ponto de início do passeio. Atravessando o Rio das Preguiças pela balsa: A Lagoa Azul é a principal e mais famosa dos Lençóis, mas você vai ver muitas lagoas no caminho como as Lagoas da Preguiça, da Esmeralda, do Peixe e da Paz. Circuito Lagoa Bonita - 2º DIA (R$ 70 a 90 por pessoa) Fomos à tarde, assim que almoçamos no Centro de Barrerinhas, na volta do passeio do Circuito Lagoa Azul. Tratamos tudo com o guia e a jardineira foi nos pegar no próprio restaurante. O Circuito da Lagoa Bonita é composto pela Lagoa do Maçarico, Lagoa do Descanso, Lagoa do Clone (onde foram gravadas cenas da novela global O Clone) e a Lagoa Bonita. O Circuito da Lagoa Bonita proporciona ao turista uma visão mais ampla dos Lençóis Maranhenses. Do alto das dunas, você irá avistar muitas outras dunas e lagoas, formando imensos oásis. O difícil é subir na duna principal que dá acesso a essas lagoas, principalmente para quem não tem um bom preparo físico. O desafio enfrentado é subir uma duna íngreme com 30 metros de altura. Tem até uma corda para ajudar na subida. Subida íngreme de 30 metros. Lá embaixo ficam as barraquinhas com artesanato e comidas típicas. Ficam também estacionadas as jardineiras que transportam os turistas. Quando você chega lá em cima é difícil não comemorar... mas o esforço é logo recompensado pela linda vista. O pôr-do-sol de cima da maior duna é realmente fascinante no final do passeio. Voltamos exaustos no final da tarde para casa. A noite fomos andando a pé até a orla do Rio Preguiças, o local mais badalado de Barreirinhas à noite, onde ficam os bares e restaurantes... Lanchamos no Subway nesse dia. Passeio de Quadriciclo - 3ºDIA (300 a 350 por quadriciclo) Já fiz muitos passeios de quadriciclos pelo Nordeste, mas esse sem dúvida foi o melhor deles. O circuito é muito legal por ser cheio de desafios, como passar com o quadriciclo no meio de riachos e pequenas lagoas, como também enfrentar dunas bem íngremes. Usamos a tração 4x4 em várias situações. Fora que você anda por horas e por paisagens deslumbrantes. Vi que nessa minha agência você pode mesclar passeios para ganhar tempo. Tipo, pode fazer passeio de lancha pelo Rio Preguiças, descer no último ponto do passeio, e voltar de quadriciclo. Teve um casal que conhecemos que optou por essa modalidade. Esse passeio sai logo por volta de 8h30, tem parada para almoço na Praia de Caburé e volta pela tarde. Fomos avançando pelos pequenos lençóis até a Praia de Caburé, onde almoçamos... Deixamos os quadriciclos nesse restaurante, pegamos uma pequena embarcação para conhecer o pequeno povoado de Mandacaru e o famoso Farol de Preguiças. Voltamos ao restaurante, pegamos os quadriciclos, e fomos para a localidade chamada Vassouras. Lá tem uma estrutura para recepção de turistas com comidas, bebidas e artesanato. (Essa parada faz parte do passeio de lancha pelo Rio Preguiças e do passeio de quadriciclo) Paramos para descansar, beber água de coco e o mais legal: alimentar os macaquinhos. Lá é vendida a 2 reais pequenas porções de bananas cortadas para os turistas alimentarem os mesmos. Passamos por uma lagoa linda com redes na água. Lembramos na hora da Lagoa do Paraíso em Jericoacoara – CE. Que saudade... A noite fomos passear na Orla do Rio Preguiças e comemos um Baião de Dois no Restaurante Barlavento. A comida estava perfeita e bem servida.
  8. Nilson Jr

    relato Natal-RN em 8 dias (Com fotos)

    Viagem a Natal em 8 dias (Maio/ Junho de 2015) Geralmente eu gosto de ficar em pousadas ou hotéis para ter a facilidade de acordar com o café da manhã pronto, mas dessa vez optei por ficar em um flat em Ponta Negra e gostei muito. O bom de ficar em Ponta Negra é que você pode ir à praia andando, visitar o Morro do Careca, ter facilidades para arrumar os passeios durante o dia e aproveitar a vida noturna nos bares da orla. *Primeiro Dia: Cheguei ao aeroporto de Natal com a esposa depois do almoço e um amigo que mora lá atualmente já estava a nossa espera, de carro. O aeroporto atualmente fica em São Gonçalo do Amarante distante 36km de Ponta Negra. Esse trajeto de táxi (Aeroporto x Ponta Negra) custava na época 120 reais ou até mais devido a essa distância. Existem ônibus executivos que faziam esse trajeto por 40 reais. Esse meu amigo nos levou até o Atlântico Flat em Ponta Negra onde ficaríamos hospedados. A diária do apartamento, em que fiquei no “Atlântico Flat”, custou menos de duzentos reais por ser fora da alta temporada e achei esse imóvel no site: https://www.aluguetemporada.com.br/. O imóvel que fiquei tem o número: #3466599 no site. Nesse prédio, a maioria dos apartamentos são de proprietários que nem moram no RN e deixam para alugar para temporadas ao longo do ano. A negociação fechei toda por email com o Sr. Mairon e só liguei para a recepção do prédio para confirmar a veracidade das informações e enfim fechar o pagamento. Fachada do Atlântico Flat flat by Nilson Jr, no Flickr Parte traseira do Atlântico Flat tem passagem para a praia e é possível ver o Morro do Careca, cartão postal de Natal flat3 by Nilson Jr, no Flickr Piscina flat 2 by Nilson Jr, no Flickr Deixamos as malas em casa e fomos direto para orla conhecer a região e já pesquisar os preços dos passeios para o dia seguinte. Peguei diversos folders de várias agências de passeios pela orla e os levei comigo para efetuar contato mais tarde e buscar descontos fechando pacotes. Na volta para o apartamento, decidimos vir andando pela Av. Engenheiro Roberto Freire e encontramos no número 8984 a agência CBT, Central Buggy Turismo. Quem nos atendeu foi o proprietário chamado Ronaldo que logo nos mostrou os passeios e descontos caso fizéssemos um pacote com eles. (((WhatsApp do Ronaldo: 84 9862-7112))) Ganhamos um bom desconto e fechamos os seguintes passeios: - Buggy pelas Dunas de Genipabu; - Passeio para Galinhos; - Maracajaú; - Pipa; - Quadriciclos; e - Circuito das Lagoas; A noite chamamos um taxi para nos levar ao mercado para abastecer nosso frigobar com comidas e bebidas. E depois das compras feitas, ligamos para o Restaurante Rio e fizemos uma reserva para jantar. Eles têm um serviço gratuito com VAN que nos transporta de casa para o restaurante e vice versa. Os pratos para duas pessoas são super generosos. Peça a carne de sol com queijo coalho e macaxeira. Uma delícia. O jantar se tornou melhor ainda com a presença de uma cantora local que cantava MPB. Restaurante Rio. 20150531_202856 by Nilson Jr, no Flickr *Segundo Dia: Buggy pelas Dunas de Genipabu No dia seguinte, às 8h30, embarcamos no bugre para Genipabu. Esse passeio é imperdível em Natal. O roteiro inclui praias, parques de dunas e lagoas. Tem também paradas para as brincadeiras de aerobunda, esquibunda e passeio com dromedários, além das paradas para banho, fotos e almoço. (Além do passeio, você paga separado a balsa para atravessar o bugre – R$: 10,00) Paguei 220 reais pelo bugre podendo ir até 4 pessoas. Acredito que agora esse valor passe de 300 reais. O ideal para economizar neste passeio é encontrar outro casal para dividir o valor total do passeio de buggy. Preferimos neste dia ficarmos mais à vontade sozinhos e escolher o passeio “com emoção” como os motoristas o chamam. Nesta modalidade são feitas subidas e descidas nas dunas em altas velocidades tornando o passeio bem mais emocionantes. Travessia de Balsa G0060516 by Nilson Jr, no Flickr Nosso motorista DSC05703 by Nilson Jr, no Flickr Nas paradas para fotos sempre tem alguém querendo tirar fotos criativas com sua câmera para ganhar uns bons trocados DSC05547 by Nilson Jr, no Flickr DSC05622 by Nilson Jr, no Flickr Parada para passeios nos dromedários. Este passeio custava R$: 50,00 por cabeça durante somente 15 minutos. camelo 1 by Nilson Jr, no Flickr Parada para banho na Lagoa de Pitangui. Ficamos no Bar da Lagoa onde tomamos cerveja e água de coco. DSC02181 by Nilson Jr, no Flickr DSC05595 by Nilson Jr, no Flickr Parada para o “aerobunda” DSC05658 by Nilson Jr, no Flickr IMG_9171 by Nilson Jr, no Flickr Depois eles te pegam de balsa onde você cair... rsrs IMG_9210 by Nilson Jr, no Flickr Esse de prancha de bodyboard é o mais emocionante. Chama-se Kamikaze. Recomendo! https://www.youtube.com/embed/JHsKlISNz9Q DSC05692 by Nilson Jr, no Flickr Pausa para o almoço no restaurante Mirante de Muriú. Além da vista maravilhosa, ainda tem a piscina para os clientes aproveitarem enquanto esperam o almoço. DSC05733 by Nilson Jr, no Flickr Na volta ficamos o resto da tarde na piscina do Atlântico Flat DSC05747 by Nilson Jr, no Flickr A noite, passamos no Shopping de Artesanato Potiguar em Ponta Negra mesmo para comprar lembrancinhas... 20150530_210838 by Nilson Jr, no Flickr 20150530_211909 by Nilson Jr, no Flickr Depois dali, fomos ao Shopping Ponta Negra e tomamos chopp assistindo música ao vivo para encerrar a noite. Lanchamos no Habib´s. *Terceiro Dia: Passeio para Galinhos Na época esse passeio custava de 80 a 100 reais por pessoa. Esse passeio é feito de VAN que te pega no hotel / pousada e percorre 180km até chegar no município chamado Galinhos. De lá você faz um passeio de barco maravilhoso pelo braço do mar que até parece um rio, conhece salinas, mangues... Vale muito a pena. Agora, prepare o filtro solar. Lá faz muito calor e o sol não dá trégua. Partimos pela manhã rumo a Galinhos. A VAN nos deixa no píer de Galinhos para embarcarmos no barco que faz os passeios pelo braço de mar que preenche o espaço entre a península e o "continente", vamos dizer assim. Píer de embarque DSC05759 by Nilson Jr, no Flickr Já no barco com a tripulação, o guia e demais passageiros G0040799 by Nilson Jr, no Flickr Imensas montanhas de sal transformam a paisagem... de longe parece neve. DSC05783 by Nilson Jr, no Flickr Pedra de sal DSC05793 by Nilson Jr, no Flickr Parque eólico. Triste saber que existem tantos no Nordeste e a energia gerada (muito mais “limpa” e barata) não é repassa aos usuários pois não existem linhas de transmissão para levá-la das turbinas até as casas. Esse assunto esbarra na “burrocracia” brasileira, nos órgãos de regulamentação, na corrupção, na ambição de empresários e etc. Turbinas que custaram milhões cada, servem apenas de enfeite. DSC05801 by Nilson Jr, no Flickr Parada para banho, fotos e passeio de bugre (Opcional pago à parte) DSC05808 by Nilson Jr, no Flickr G0060812 by Nilson Jr, no Flickr DSC05823 by Nilson Jr, no Flickr Passeio de buggy DSC05845 by Nilson Jr, no Flickr DSC05881 by Nilson Jr, no Flickr Parada do passeio de Buggy para fotos DSC05919 by Nilson Jr, no Flickr DSC05902 by Nilson Jr, no Flickr Parada do passeio de buggy na praia e barzinho de apoio DSC05912 by Nilson Jr, no Flickr Na volta do passeio nós paramos no Restaurante da Irene, onde todos nós almoçamos. Comida simples, mas variada e com preço fixo. Era 15 reais cada. DSC05947 by Nilson Jr, no Flickr Depois do almoço, opcionalmente, você pode fazer um passeio de charrete para conhecer a região. DSC05954 by Nilson Jr, no Flickr G0201070 by Nilson Jr, no Flickr Parada no passeio de charrete para conhecer o farol DSC05963 by Nilson Jr, no Flickr Depois disso voltamos de barco para o píer onde começamos o passeio. A VAN nos trouxe pro hotel pelos longos 180km. A noite fomos ao Paprika Pizzaria & Restaurante em Ponta Negra mesmo. Adoramos a pizza de lá: Fininha e bem recheada. Só não é barato. No dia em que fomos estava lotado, pois teve show de “stand up comedy”. Assistimos ao show tomando chopp... 20150603_213142 by Nilson Jr, no Flickr ...e depois fomos para a traseira do Restaurante comer uma pizza. Mais reservado, mais aconchegante e com um lindo jardim em volta. 20150603_202644 by Nilson Jr, no Flickr *Quarto Dia: Passeio para Maracajaú (Imperdível) O chamado Caribe do Rio Grande do Norte. É comunidade costeira localizada no município de Maxaranguape distante a uns 60km de Natal. De lá saem os passeios para as piscinas naturais de Maracajaú. O passeio para essa localidade foi feito de micro-ônibus e custou na época 120 por pessoa e consiste no transporte até a localidade + passeio de barco até as piscinas naturais (Parrachos) onde acontecerão os mergulhos para ver os peixes (máscara e snorkel inclusos) + passeio para Barra do Punaú onde você almoçará (opcional). Em Maracajaú existe a possibilidade de alugar câmeras actions como GoPro por 60 reais ou SJcam por 40 reais na época. Você consegue também um CD de fotos e/ou filmagem de seu mergulho, também pago a parte. Você pode alugar por 10 reais uma camisa de nylon com mangas cumpridas para evitar se arranhar no mergulho com cilindro. O primeiro destino é Parrachos Praia Clube em Maracajaú. Lá tem toda a estrutura dos passeios para as piscinas naturais chamadas Parrachos. Neste local você aluga as câmeras, contrata mergulho com cilindro no modo “batismo” e etc. DSC05969 by Nilson Jr, no Flickr Depois de preencher um formulário no Parrachos Praia Clube e pegar sua pulseira é hora de ir para praia embarcar no barquinho que te levará para as piscinas naturais, os Parrachos. G0011107 by Nilson Jr, no Flickr Rumo às piscinas naturais... DSC02235 by Nilson Jr, no Flickr Chegando nos Parrachos, os barcos ficam fundeados em volta de uma plataforma de madeira. Todos desembarcam nessa plataforma e ficam mergulhando ali em volta dela. Como eu havia contratado opcionalmente o mergulho de batismo, fui logo para o “briefing”. O mergulhou custou R$: 100,00 na época. DSC02258 by Nilson Jr, no Flickr Mergulho G0081177 by Nilson Jr, no Flickr Foto do mergulho (Fotos pagas à parte em um CD custou R$: 50,00 na época) IMG_0206 by Nilson Jr, no Flickr Quem não quiser fazer o mergulho com cilindro, fica mergulhando ali na área com máscara e snorkel em volta da plataforma e embarcações. DSC02336 by Nilson Jr, no Flickr G0141294 by Nilson Jr, no Flickr Depois os barcos nos trazem de volta para o Parrachos Praia Clube, tomamos um banho de água doce nos diversos chuveirões existentes e partimos no micro-ônibus para a Barra do Punaú no município de Rio do Fogo, onde as águas do rio Punaú e do mar se encontram. Lindo demais! No Restaurante Punaú Praia Hotel. Fizemos o pedido de nosso almoço. DSC05973 by Nilson Jr, no Flickr Almoço G0171317 by Nilson Jr, no Flickr Preços praticados em 2015 DSC05975copia by Nilson Jr, no Flickr Encontro do Rio Punaú com as águas do mar G0181325 by Nilson Jr, no Flickr DSC05983 by Nilson Jr, no Flickr No Punaú Praia Hotel além do restaurante, também tem atividades opcionais como Caiaque, aerobunda, esquibunda, quadricíclo e buggy. DSC05991 by Nilson Jr, no Flickr Eu fiz questão de fazer o aerobunda... Acho que era 6 reais cada descida. Passamos o resto da tarde lá e voltamos por volta de 17h30 exaustos para Ponta Negra. O jantar foi em um dos melhores restaurantes de Natal, o CAMARÕES RESTAURANTE. Comida excelente, serviço de primeira e um preço bom. Gastamos uns 120 reais e comemos muito bem. Virei fã. Entrada do Camarões Restaurante 20150601_214230 by Nilson Jr, no Flickr *Quinto Dia: Passeio a Pipa Este passeio é feito de Van para a Praia da Pipa e tem duração média de 08 horas, incluindo paradas na Lagoa de Guaraíras em Tibau do Sul, Falésias da Praia de Cacimbinhas, finalizando o roteiro no charmoso centro da Praia da Pipa. Custava em média em 2015 cerca de R$: 70,00 por pessoa. A Van nos pegou 8h00 no apartamento e a primeira parada foi no Centro de Lançamento da Barreira do Inferno da Força Aérea Brasileira. Neste local existe um Centro de Cultura Espacial e Informações Turísticas. DSC06109 by Nilson Jr, no Flickr Depois disso a parada foi no Cajueiro de Pirangi: O maior cajueiro do mundo é uma árvore gigante localizada na praia de Pirangi do Norte no município de Parnamirim, a doze quilômetros ao sul de Natal. A árvore cobre uma área de aproximadamente 8.500 m², com um perímetro de aproximadamente 500 m e produz cerca de 70 a 80 mil cajus na safra, o equivalente a 2,5 toneladas. Impressionante. Neste local existe um pequeno comércio com artesanato e lanches. G0021381 by Nilson Jr, no Flickr Dá para acreditar que toda essa copa atrás de mim pertence a um só cajueiro? G0031391 by Nilson Jr, no Flickr De lá partimos para Tibau do Sul, mais precisamente para a Lagoa de Guaraíras. Antigamente suas águas eram puramente doces, mas devido aos desígnios da natureza foi aberta ao mar. Chegando lá já escolhemos o nosso almoço na Barraca da Marinas... DSC02434 by Nilson Jr, no Flickr Enquanto nosso almoço era preparado, partimos para um passeio de Lancha da Katita’s Tour ao preço de 30 reais por pessoa na época. G0041402 by Nilson Jr, no Flickr Nesse passeio, daríamos uma volta na Lagoa de Guaraíras, conheceríamos o manguezal e ainda iríamos apreciar os golfinhos que sempre aparecem na região para se alimentarem. G0071422 by Nilson Jr, no Flickr Parada do passeio de lancha DSC02470 by Nilson Jr, no Flickr Golfinhos DSC06111copia by Nilson Jr, no Flickr Na volta a peixada com molho de camarões na Barraca Marinas já estava pronta. Lembro que gastei uns 90 reais lá. DSC06172 by Nilson Jr, no Flickr Ficamos ali apreciando a vista e nos banhando DSC06174 by Nilson Jr, no Flickr Depois do descanso na Lagoa dos Guaraíras partimos finalmente para Praia de Pipa. Achei a localidade muito bonitinha... Rústica com ruas de pedras, semelhante a Búzios no Litoral Norte do Rio de Janeiro. Praia de Pipa DSC06274 by Nilson Jr, no Flickr Falésias de Pipa DSC06283 by Nilson Jr, no Flickr Parada no Centrinho de Pipa para um Açaí e Paletas Mexicanas G0191587 by Nilson Jr, no Flickr A tarde, saímos de Pipa na van e paramos para ver o Pôr do Sol na Praia do Amor DSC06316 by Nilson Jr, no Flickr Gostamos de Pipa e na próxima vez que voltarmos, pretendemos dormir por lá para aproveitar a vida noturna da região. De lá voltamos para o apartamento em Ponta Negra. A noite fomos ao Shopping e ficamos petiscando assistindo música ao vivo no Shopping de Ponta Negra. *Sexto Dia: Passeio de Quadriciclos (Imperdível) Adoramos este passeio por termos visitado lindas lagoas pelo caminho como a Lagoa do Alcaçuz, Lagoa Amarela e Lagoa da Juventude. Como este passeio é só por meio período você pode escolhê-lo fazer no período da manhã ou da tarde. Como queríamos dormir até tarde pelo menos em um dia, escolhemos a tarde. Pagamos na época R$: 140,00 para duas pessoas em um quadriciclo. A Van da agência nos pegou depois do almoço no apartamento e nos levou para a agência de passeios “Terra Molhada” em Alcaçuz na Nísia Floresta. De todas as vezes que fiz passeios de quadriciclo no Nordeste, esta agência é a mais comprometida com qualidade e segurança de seus clientes. Logo que chegamos lá fomos para o briefing sobre o passeio, assistimos um vídeo sobre segurança, modo de pilotagem e todo o caminho que percorreríamos. Pegamos os quadriciclos, testamos na rua da agência mesmo e fomos embora atrás dos guias de motos. A primeira parada é na linda e pequena Lagoa da Juventude. Lagoa da Juventude G0071638 by Nilson Jr, no Flickr SAM_7490 by Nilson Jr, no Flickr Lagoa Amarela. Neste ponto por ser um trecho mais tranquilo, você pode trocar com a pessoa menos experiente para ela pilotar também. G0081657 by Nilson Jr, no Flickr SAM_7549 by Nilson Jr, no Flickr Próxima parada, Lagoa do Alcaçuz. DSC06340 by Nilson Jr, no Flickr G0091666 by Nilson Jr, no Flickr Voltando... SAM_7419 by Nilson Jr, no Flickr SAM_7518 by Nilson Jr, no Flickr De volta a Agência Terra Molhada, nós ficamos no barzinho dentro da mesma tomando cerveja e petiscando camarões fritos. 20150602_152807 by Nilson Jr, no Flickr Voltamos pra casa. Passeamos na orla de Ponta Negra a noite e jantamos nos Camarões novamente. *Sétimo Dia: Circuito de Lagoas Eu estava muito a fim de conhecer a Lagoa do Carcará e solicitei um passeio ao Ronaldo da CBT Turismo. Aí ele já tinha outro casal interessado também em Lagoas e fechou pra gente um carro com um guia com os destinos: Lagoa do Carcará, Lagoa do Arituba, Praia de Camarupim e Baía dos Golfinhos. Acho que pagamos 100 por cabeça no carro com motorista guia. Como era caminho, paramos novamente no maior cajueiro do mundo: O cajueiro de Pirangi. Na primeira vez que vimos estava chovendo bastante por essas bandas. DSC06375 by N.ilson Jr, no Flickr Depois, partimos para Lagoa do Arituba. Fácil acesso, águas muito transparentes e de boa temperatura. Na frente tem um restaurante pequeno ainda de apoio. Perfeito. DSC06385 by Nilson Jr, no Flickr DSC06417 by Nilson Jr, no Flickr A próxima parada foi a Praia de Camarupim. A Praia Camurupim tem águas super tranquilas porque é cercada de arrecifes. Tem águas ideais para crianças e idosos tornando banho bem agradável. Também fica no litoral sul a 30 km de Natal. Com a maré baixa é possível caminhar e tirar belíssimas fotos sobre os arrecifes da região. DSC06465 by Nilson Jr, no Flickr Almoçamos por lá no restaurante Camurutaba. A comida não foi cara, mas a qualidade foi apenas “mediana”. O legal desse restaurante que tem wi-fi e você pode acessar até mesmo da praia. DSC06510 by Nilson Jr, no Flickr Descansamos o almoço e depois partimos para a tão esperada Lagoa do Carcará. Achei o caminho para Lagoa do Carcará muito ruim. Rua de chão batido cheia de buracos e inóspita. Cuidado ao alugar um carro e ir sozinho. Acho fundamental contratar um guia se não conhece o local. Vista da Lagoa do Carcará DSC06511 by Nilson Jr, no Flickr DSC06580 by Nilson Jr, no Flickr Além do pedalinho, lá tem a opção de alugar o material de “stand up paddle”. Era 15 reais e como estava vazio, a menina que alugava deixou o material com a gente pela tarde toda. Ficamos exaustos nos revezando. DSC06571 by Nilson Jr, no Flickr Ficamos por lá o resto da tarde tomando cerveja, água de coco e comendo pastéis. Saindo de lá passamos para tirar fotos na Baía dos Golfinhos. DSC06593 by Nilson Jr, no Flickr Esqueci de mencionar também que paramos na Praia de Búzios, mas nem tomamos banho. Passamos rápido só mesmo para conhecer. À noite fomos a orla, comemos uma mega tapioca com o famoso suco de mangaba e voltamos pra casa. *Oitavo Dia: Ponta Negra Como esse era o nosso último dia em Natal, deixei para ficar na Praia de Ponta Negra durante o dia. Praia de Ponta Negra com Morro do Careca ao fundo DSC06624 by Nilson Jr, no Flickr DSC06652 by Nilson Jr, no Flickr Na Praia de Ponta Negra sai uma pequena embarcação chamada “Jangalancha” com destino a praia protegida pela FAB chamada de Praia das Tartarugas. Essa praia fica praticamente atrás do Morro do Careca. Lá é uma área de preservação ambiental onde o projeto Tamar atua ajudando no processo de desova das tartarugas. Assistimos lá também a atuação dos pescadores de Lagostas. (O passeio custava 30 reais por pessoa, mas consegui a 50 o casal) Na Jangalancha G0352224 by Nilson Jr, no Flickr G0412335 by Nilson Jr, no Flickr Na Praia das Tartarugas G0372254 by Nilson Jr, no Flickr Na volta almoçamos na praia de Ponta Negra em um quiosque. Não lembro o nome, mas a comida estava horrível e não valia o valor pedido. DSC06656 by Nilson Jr, no Flickr Descansamos e depois voltamos ao apartamento para tomar um banho. De lá partimos de táxi para o Centro de Artesanato da Praia dos Artistas. Gastamos 60 reais de taxi e chegando lá que fui descobrir que nos feriados os ônibus têm meia tarifa. Era para eu ter gastado somente R$: 1,00. 20150604_172440 by Nilson Jr, no Flickr Depois das compras de mais lembrancinhas, meu amigo foi lá nos buscar e nos levou para conhecer o Restaurante e Lanchonete “Pastelouco” em Nova Parnamirim. Lá tem Pastéis, sanduíches, açaís e etc. Você fica muito tempo tentando escolher entre tantos sabores de pastéis. Grandes e deliciosos! 20150604_200336 by Nilson Jr, no Flickr Saímos de lá e fomos para casa exaustos. No dia seguinte sairíamos na madruga para o aeroporto. Mais uma vez o Ronaldo da agência CTB foi fundamental. Arrumou um carro com um motorista para nos levar com um preço bem menor que os praticados pelos taxistas: R$: 70 na época. Gostei muito de Natal e espero voltar para conhecer o Forte dos Reis Magos que não deu tempo. Recomendo muito essa viagem. No final gastei aproximadamente uns 6 mil reais contando a hospedagem, passeios e demais gastos.
  9. SERVIÇOS RECOMENDADOS. - A Agência que fiz os passeios em Porto de Galinhas foi a Porto Passeios. A agência fica no mini Shopping dentro do centrinho de Porto mesmo. Ela faz passeios para Carneiros, Calhetas, Recife e Olinda... 81 9266-9104 / 8529-1220 / 97541670 / 9911-8696 ========================================================================================= - A Locadora de Veículos que aluguei carro em Maceió é a 4 Estações Locadora. 82 8874-3738 / 9351-2045 / 9908-9360 ========================================================================================= Pousada em Maceió foi a Pousada Hotel Maceió: http://www.pousadahotelmaceio.com.br/ Pousada em Porto de Galinhas foi a Pousada São Jorge : http://pousadasaojorge.net/index.html Pousada em Maragogi foi a Pousada das Galés: http://pousadadasgales.com/
  10. Endereço das tábuas das marés atualizado: http://www.mar.mil.br/dhn/chm/box-previsao-mare/tabuas/index.htm
  11. Como forma de agradecer todas as informações colhidas aqui vou compartilhar a minha viagem de férias totalizando 9 dias em Maceió, Maragogi e Porto de Galinhas conhecendo também um pouco de Recife / Olinda. Viagem realizada em 2014. MARAGOGI Para quem quer fazer viagem para Maceió, Maragogi ou Porto de Galinhas visitando suas piscinas naturais é imprescindível observar a chamada “Tábua das Mares” fornecido pelo site da Marinha do Brasil: http://www.mar.mil.br/dhn/chm/tabuas/ Se a maré estiver alta não será possível curtir as piscinas naturais e observar a vida marinha ali existente. Portanto, fiz o roteiro de minha viagem baseado nos dias de maré baixa. Minhas passagens de ida e volta foram compradas para Maceió. Eu queria comprar a volta por Recife, mas deu uma diferença de preço tão grande que preferi deixar assim mesmo. Saí do RJ no dia 26 de abril de 2014, sábado, e como queria aproveitar dois dias de maré bem baixa em Maragogi a 120 km de Maceió fui direto para lá. Não existem ônibus com destino à Maragogi saindo de Maceió. Ou você paga R$: 350,00 a R$: 400 reais de traslado ou pega o Ônibus da empresa Real Alagoas saindo da rodoviária com destino à Recife e salta após duas horas em Maragogi. Escolhi a segunda opção. Meus planos iniciais deram errado por culpa da Companhia Aérea Avianca, pois eu iria chegar em Maceió às 14h45 e de lá eu seguiria de táxi até a rodoviária para pegar o Ônibus Real Alagoas com destino à Recife saindo às 16h00. Mas meu voo pela Avianca teve problemas e ao invés de chegar em Maceió às 14h45 só cheguei às 20h30 pela Azul pago pela empresa Avianca. Peguei um taxi no aeroporto com destino a rodoviária por R$: 60,00. O Taxista antes de ir para rodoviária me levou a um posto de gasolina BR em Cruz das Almas, Maceió, para ver se tinha alguma “lotada” com destino à Maragogi saindo de lá, mas sem sucesso, parti para rodoviária. Cheguei lá antes das 21h00 e comprei passagem saindo somente às 23h55 (Essa empresa trabalha com intervalos de horários terríveis). Só cheguei em Maragogi às 02h00 da madrugada saltando na rodovia numa maior escuridão procurando informações de como eu chegaria na Pousada das Galés. Como liguei avisando, cheguei na pousada cansado, tomei um banho e “capotei” na cama. A Pousada das Galés e é um ótimo custo benefício. Quartos com ar Split, TV LED e tudo limpinho. Café da manhã não tem tantas variedades, mas mesmo assim gostei muito. O dono é uma simpatia para tratar os hóspedes e dar dicas sobre a cidade. Fotos da Pousada: DSC01118 by Nilson Jr, no Flickr DSC01084 by Nilson Jr, no Flickr No domingo, acordei logo cedo e fui à praia procurar um passeio até alguma piscina natural, já que a Maré baixa (0.2) seria às 8h30. Fui logo abordado na orla por um vendedor de passeios e como não queria perder a maré baixa parti logo com ele. O passeio era em um barco pesqueiro e custava R$:50,00 por cabeça, mas pechinchei e consegui por R$: 40,00 para o Passeio até as Piscinas de Taoca. (Existem três piscinas naturais: Galés, Taocas e Barra Grande) No caminho o barato saiu caro: O barquinho de pesca deu problema no motor e ficamos à deriva por 20 minutos até que o marinheiro conseguisse consertá-lo para seguirmos até a piscina. Chegando lá nas piscinas de Taoca, o marinheiro informou que possuía máscaras com esnorkel para alugar ao custo de R$: 10,00 cada e fotos submersas à R$: 50,00. Como eu levei minhas próprias máscaras e minha câmera a prova d’agua preferi não contratar esses serviços. Neste dia a água das piscinas da Taoca não estavam tão transparentes e tinham poucos peixes. Barquinho que faz passeios DSC00206 by Nilson Jr, no Flickr Piscinas Naturais de Taoca DSC01027 by Nilson Jr, no Flickr O tempo que ficamos parados nas piscinas é de aproximadamente duas horas e meia e voltamos para Praia Principal de Maragogi. Perguntei ao vendedor de passeios / marinheiro sobre uma opção barata para almoçar e ele nos indicou um restaurante de comida simples, mas muito boa chamado “Panela de Barro” nas proximidades da rodovia. Lá você paga R$: 12,00 e pode comer a vontade, exceto as carnes que se tem direito a dois pedaços. Panela de Barro DSC00262 by Nilson Jr, no Flickr Depois do almoço passei a tarde bebendo em um restaurante que só cobra a consumação chamado “Restaurante Frutos do Mar” aproveitando a praia. DSC00309 by Nilson Jr, no Flickr DSC00292 by Nilson Jr, no Flickr A noite jantei em um restaurante chamado “Pizzeria Regina”. (Pagamos em uma Pizza Grande com suco R$: 39,00) Gostei muito da decoração rústica que deixou o lugar bem aconchegante. DSC00331 by Nilson Jr, no Flickr DSC00327 by Nilson Jr, no Flickr Na saída desta Pizzaria como eu queria fazer o passeio para as Piscinas Naturais das Galés (fiquei decepcionado com as piscinas de Taoca) fui procurando vendedores de passeios na orla e achei um vendedor muito simpático chamado “Têda” que fica em frente ao Restaurante “Ponto de Encontro”. Ele me vendeu um passeio para o dia seguinte de lancha a R$: 60, mas fechou a R$: 55 porque novamente pechinchei. O grande vantagem de ir de lancha é que elas chegam nas piscinas primeiro que as catamarãs e os outros barcos. Aí você pode aproveitar melhor as piscinas, tirar melhores fotos com os peixes sem o tumulto da galera. No dia seguinte, segunda-feira, tomamos o café e fomos direto para o Restaurante Ponto de Encontro para fazer o passeio de Lancha para as Piscinas das Galés. Gostamos muito da rapidez da lancha. Logo chegamos nas piscinas antes da “muvuca” e aproveitamos bem mais. O fotógrafo indicado pelo marinheiro da lancha cobrou R$: 50,00 por fotos debaixo d’água, mas andamos pelas piscinas e achamos um adolescente chamado Élcio que nos cobrou R$: 30 pelas fotos entregando as mesmas em CD na pousada em que estávamos. Uma dica importante é tirar essas fotos com o fotógrafo mesmo que você leve sua câmera a prova d’água, pois ele consegue as melhores poses e com muito mais peixes, já que eles os alimentam. Logo, aonde vai o fotógrafo, os peixes vão atrás. Lancha do passeio DSC00343 by Nilson Jr, no Flickr Piscinas Naturais das Galés Vanessa e Jr by Nilson Jr, no Flickr DSC01038 by Nilson Jr, no Flickr Almoçamos novamente no Restaurante “Panela de Barro” e ficamos tirando ótimas fotos aproveitando o outro lado da praia até vir uma chuva braba que nos obrigou a voltar para pousada. DSC01099 by Nilson Jr, no Flickr Saímos à noite e voltamos ao “Restaurante e Pizzeria Regina” para comer pizza. Comemos uma deliciosa pizza com metade Carne de Sol e outra metade de Filé Mignon + uma jarra de suco de cajá e pagamos R$: 49,00 incluindo taxa de serviço. Na terça-feira, acordamos cedo e fomos pela Orla ao Restaurante “Ponto de Encontro” e compramos com o vendedor Têda um passeio de Bugre para as praias do Norte de Maragogi. Este passeio custa R$: 160,00, mas fora de temporada e pechinchando, consegui a R$:120,00 o casal. Conhecemos as belíssimas praias de Burgalhau, Barra Grande, Antunes, Dourado, Ponta Mangue e Peroba já na divisa de AL com PE. DSC00478 by Nilson Jr, no Flickr 002 by Nilson Jr, no Flickr Almoçamos no restaurante Panela de Barro novamente e fomos arrumar as malas e entregar a pousada. Próxima parada: Porto de Galinhas. Uma dica valiosa para sair de Maragogi em direção à Porto de Galinhas é pegar uma VAN dessas que fazem passeios de Porto para Maragogi. O táxi de Maragogi para Porto custa no mínimo R$:150,00 e eu consegui duas vagas em uma VAN dessas à 40 reais cada. As VANs que fazem esse passeio ficam paradas próximas ao restaurante “Ponto de Encontro” na Orla esperando o pessoal que fez o passeio paras as piscinas naturais almoçarem. É só você perguntar aos motoristas se tem alguma vaga sobrando e conversar. A VAN foi me buscar na pousada às 14h00 e fomos todos para Porto de Galinhas. Depois de mais de duas horas chegamos a Porto de Galinhas e a VAN nos deixou na porta da pousada. PORTO DE GALINHAS Fizemos Check-In na Pousada São Jorge quase 17h00 da tarde. Escolhi essa pousada devido as várias avaliações positivas que li na internet, inclusive é a melhor pousada do site TripAdvisor. E foi a melhor escolha da viagem. A pousada é de uma família de portugueses e eles te dão todo o apoio, atenção e várias dicas em sua estadia em Porto. Logo quando chega você recebe o mapa de Porto de Galinhas com todas as dicas de lazer, restaurantes e etc. Os quartos são super limpos, tem TV de LCD, Ar Split e etc. O café da manhã é maravilhoso: Variado e sempre tem alguma novidade. E o mais interessante é que o que sobra do café eles deixam disponíveis para o café da tarde. Muito bom! A localização é excelente, pois você não precisa de carro para nada. Fica bem no centrinho da Aldeia de Porto. (Quem fica em Hotéis tem a desvantagem de ficar longe da Aldeia e pagar taxi toda hora para ir e voltar) (A diária foi R$: 175,00 – No dinheiro tem desconto) Pousada São Jorge São Jorge by Nilson Jr, no Flickr Proprietária da Pousada com minha esposa São Jorge 2 by Nilson Jr, no Flickr Deixamos as malas e fomos dar uma volta para conhecer o Centro da Aldeia de Porto de Galinhas e tirar fotos com as diversas galinhas espalhadas pela cidade. 007 by Nilson Jr, no Flickr Na caminhada nos deparamos com um dos diversos vendedores de passeios que ficam nas proximidades do Shopping de Porto de Galinhas e fechamos dois passeios pela empresa Porto Passeios. Os passeios escolhidos foram para a Praia de Carneiros e para a Praia de Calhetas. O Passeio para a Praia de Carneiros custou R$: 40 por pessoa e para a Praia de Calhetas custou R$: 50 por pessoa. Jantamos em um dos melhores e mais bem avaliados restaurantes de Porto, o BarCaxeira. Restaurante com decoração peculiar, MPB ao vivo e comida muito bem preparada. Comemos um maravilhoso escondidinho de macaxeira, carne de sol, cebolas e muito queijo cheddar. Tomamos também uma jarra de suco de laranja e pagamos o total de R$: incluindo serviço e cover artístico por R$: 62,00. Nos fins de semana há uma imensa fila pra comer lá. DSC00119 by Nilson Jr, no Flickr No dia seguinte fomos curtir a praia do centro de Porto de Galinhas. Como sabíamos a hora exata da maré baixa não precisamos pagar os R$: 20,00 da jangada para ir da praia para as piscinas naturais. Pegamos a pulseira de acesso as piscinas distribuídas pela prefeitura e atravessamos a praia com água pela cintura até as piscinas naturais. Toda a área das piscinas é controlada pela prefeitura de acordo com a cor da pulseira de cada grupo. Só é permitida a permanência por 20 minutos para admirar a paisagem, tirar fotos e fazer mergulhos. Tem fotógrafo na área que cobra R$: 50,00 pelo CD com 30 fotos submersas. DSC01369 by Nilson Jr, no Flickr Ficamos lá curtindo a praia até que fomos abordados por um bugueiro que nos ofereceu o passeio conhecido como “de ponta a ponta” incluindo as mais belas praias de Porto a R$:120,00. (Praias de Muro Alto, Porto de Galinhas, Cupe, Maracaípe e Pontal de Maracaípe) O preço médio cobrado por casal para este passei é R$:160,00. Entramos no Bugre e lá fomos nós conhecer as belas praias de Porto. DSC01428 by Nilson Jr, no Flickr Logo no início, decidimos parar no Restaurante Barracuda na praia de Maracaípe para almoçar e depois curtir o passeio mais tranquilos. Comemos Picanha com guarnições para 2 pessoas e custou com suco e taxa de serviço R$:103,00. O restaurante é bem rústico e muito aconchegante. Comida estava gostosa e a picanha veio bem servida no fogareiro. DSC01421 by Nilson Jr, no Flickr Depois do almoço, continuamos conhecendo as praias e os resorts instalados a beira mar. A praia que achei mais bonita e aconchegante foi a Praia de Muro Alto. A praia parece uma piscina porque é toda cercada de arrecifes. Praia de Muro Alto - Cercada de arrecifes ela vira uma piscina com águas tranquilas. Ideal também para crianças. DSC01465 by Nilson Jr, no Flickr DSC01457 by Nilson Jr, no Flickr Neste passeio de Ponta a Ponta a única parada que não quis conhecer foi o Passeio de Jangada pelo Mangue do Rio Maracaípe para conhecer o habitat do Cavalo Marinho. Chegamos na pousada à tarde, fizemos um lanche por lá mesmo e só saímos à noite. Passeamos pelo Centrinho de Porto e fomos ao Subway fazer um lanche antes de voltar exaustos para pousada. Acordamos cedo, tomamos um café reforçado na pousada e embarcamos na VAN da empresa Porto Passeios que nos conduziria para a Praia de Carneiros. Esse passeio custou R$: 40 por pessoa com um passeio de Catamarã incluso. A Praia de Carneiros é linda demais. Tem uma pequena Capela de São Benedito (construída no séc XVIII) situada às margens da praia que torna o local ainda mais bonito. A Van nos deixou em restaurante receptivo chamado “Prainha dos Carneiros”. Chegando lá você recebe um cartão com um número que será usado para fazer os pedidos no restaurante e fazer o passeio de Catamarã. Uma dica é deixar o seu almoço ou petisco já agendado para que não espere muito quando voltar com fome do passeio. O passeio de Catamarã é realizado ao som de muito Forró e de instruções do Capitão Guia da embarcação. Temos 3 paradas durante o passeio: Parada nos Arrecifes, Parada no maior banco de areia Pernambucano e a última Parada é na Praia de Guadalupe onde se toma gratuitamente o Banho de Argila. Na primeira parada tiramos belíssimas fotos e mergulhamos admirando a beleza natural com snorkel e máscara. Na segunda parada ficamos admirados com o tamanho do banco de areia e nos banhamos nos pequenos lagos com águas quentinhas que se formam dentro dele. Na terceira parada na Praia de Guadalupe tomamos o banho medicinal de Argila que dizem os rejuvenescer 10 anos. Só sentimos uma leve esfoliação na pele. Rsrsrs Quando voltamos do passeio de Catamarã fomos direto para o restaurante esperar o nosso almoço. Praia de Carneiros DSC00165 by Nilson Jr, no Flickr DSC00432 by Nilson Jr, no Flickr Passeio de Catamarã DSC00182 by Nilson Jr, no Flickr Parada nos Arrecifes DSC00267 by Nilson Jr, no Flickr Parada no maior banco de areia Pernambucano DSC00298 by Nilson Jr, no Flickr Parada com banho de argila DSC00198 by Nilson Jr, no Flickr DSC00375 by Nilson Jr, no Flickr Odiei! A comida é muito cara e de péssima qualidade. Para se ter uma ideia paguei 100 reais em horríveis bifes de Filé Mignon com arroz frio e batata cozida muito dura. Recusei-me a pagar a taxa de serviço. E ainda dizem que o Restaurante e Receptivo Bora Bora é mais caro que esse. DSC00132 by Nilson Jr, no Flickr Depois do almoço fomos tirar fotos na Capela de São Benedito e ao longo da orla. Capela de São Benedito DSC00460 by Nilson Jr, no Flickr Ficamos tomando banho até a hora do término do passeio, às 15h00. Chegamos na pousada à tarde, lanchamos e só saímos apor volta de 20h00. A noite passeamos pelo Centrinho, compramos mais lembrancinhas e comemos uma pizza boa e barata no Mini Shopping de Porto. Pagamos cerca de R$: 35 reais na pizza e nas latas de suco DellVale. No dia seguinte a VAN foi nos buscar para o Passeio na Praia de Calhetas. Este passeio custou R$: 50 por pessoa. Antes de chegar na Praia conhecemos o Mirante da Praia, a casa antiga do Faroleiro e a Igreja de Nossa Senhora de Nazaré construída no século XVI e as ruínas do Convento Carmelita. Mirante DSC00560 by Nilson Jr, no Flickr Ruínas da casa antiga do Faroleiro DSC00596 by Nilson Jr, no Flickr Ruínas do Convento Carmelita DSC00618 by Nilson Jr, no Flickr Paramos também no caminho para descer de Tirolesa até a Praia de Calhetas. Custa R$: 20 por pessoa a descida e o CD com fotos sai a R$: 10,00. O CD pode ser compartilhado pelo casal custando o mesmo preço. A Tirolesa te desce na praia e te puxa de volta. DSC00647 by Nilson Jr, no Flickr Tirolesa DSC00657 by Nilson Jr, no Flickr Eu e Vanessa by Nilson Jr, no Flickr P3430064 by Nilson Jr, no Flickr Embarcamos novamente na VAN e descemos até a Praia de Calhetas. O Restaurante Receptivo é o Bar do Arthur. Bar do Arthur DSC00690 by Nilson Jr, no Flickr Antes de chegar no bar existem na descida duas lojinhas muito interessantes que valem a visita. A esquerda tem a lojinha de um Argentino muito gente boa que até se diz brasileiro por morar tanto tempo no Brasil. Tem várias lembranças e bugigangas a preços excelentes. Minha esposa comprou uma saída de praia lá por R$: 30,00. A direita tem uma lojinha de artesanato e lembrancinhas chamada “Casa de Chita”. Compramos uma boneca de barro com o melhor preço de todo Pernambuco, R$:20,00. DSC00679 by Nilson Jr, no Flickr Ficamos sentados no Bar do Arthur curtindo uma cerveja gelada ao custo de R$: 8 reais cada garrafa e almoçamos um filé mignon maravilhoso recheado com queijo e presunto acompanhados de arroz, batata frita e salada. Gastamos uns R$: 85 no almoço para duas pessoas, mas a comida estava deliciosa. DSC00714 by Nilson Jr, no Flickr A Praia de Calhetas é linda, mas por ser muito pequena talvez não seja muito bom visita-la em alta temporada. Deve lotar rápido! A noite saímos no Centrinho de Porto e só comemos tapioca na "Tapioca da Praia" recomendada pelo Guia 4Rodas. Excelente Tapiocas que custam em média R$: 6,00 a doce e R$: 8,00 a salgada. DSC00749 by Nilson Jr, no Flickr Como esse era o meu último dia em Porto de Galinhas antes de voltar para Maceió, fizemos o City Tour para Recife/Olinda pela mesma empresa Porto Passeios. Ganhamos um desconto e pagamos R$: 45 por pessoa, já que havíamos feito dois passeios com eles anteriormente. Uni o útil ao agradável, pois queria muito conhecer Recife e Olinda e ainda tratei com o motorista de me deixar na volta no Aeroporto de Recife para voltar para Maceió. Na ida já comprei a passagem de Recife para Maceió no site do Submarino Viagens pela Azul por R$: 236 o casal com as demais taxas incluídas. Desisti de voltar com de ônibus pela Empresa Real Alagoas devido a péssima impressão que tive da ida de Maceió para Maragogi. Esse City Tour começa pela Praia de Boa Viagem em Recife. Essa praia é conhecida pelos diversos ataques de tubarões aos banhistas que por ali se aventuram. Praia da Boa Viagem DSC00758 by Nilson Jr, no Flickr Depois fomos percorrendo a cidade até chegar ao “Recife Antigo” curtindo seu casario antigo preservado, os prédios antigos, o Marco Zero (ponto onde foi fundada a cidade de Recife) e as esculturas de Francisco Brennand. Recife Antigo DSC00789 by Nilson Jr, no Flickr DSC00804 by Nilson Jr, no Flickr DSC00847 by Nilson Jr, no Flickr Marco Zero DSC00793 by Nilson Jr, no Flickr Esculturas de Francisco Brennand DSC00797 by Nilson Jr, no Flickr De lá partimos para a Embaixada dos Bonecos Gigantes. É uma espécie de exibição de diversos Bonecões de Olinda e custa R$: 10 por pessoa a entrada. Tiramos várias fotos com os bonecos até não aguentarmos mais o calor do pequeno local e do grande público que por ali se amontoava. DSC00842 by Nilson Jr, no Flickr DSC00827 by Nilson Jr, no Flickr DSC00818 by Nilson Jr, no Flickr De lá fomos conhecer a Casa de Cultura de Pernambuco. O local onde se encontra este espaço foi no passado um antigo presídio / Casa de Detenção e só desativado em 1973. Engraçado percorrer as os pavilhões e as lojinhas de artesanato instaladas onde no passado funcionavam as celas. Uma das celas, digo, lojas que nos chamou atenção foi a “Caboclo de Lança” devido a imensa simpatia da vendedora. Provamos vários doces e licores. Saímos de lá com licores de Banana e Chocolate Branco. Deliciosos! Custo R$:25 cada garrafinha de 250ml. Casa de Cultura de Pernambuco DSC00896 by Nilson Jr, no Flickr DSC00867 by Nilson Jr, no Flickr Saímos de lá e fomos direto para Olinda. Paramos para almoçar no Restaurante “Self Service” Sítio das Artes. Gastamos menos de R$: 60, 00 no almoço com suco e taxa de serviço. Lá também é possível comprar artesanato. Restaurante Sítio das Artes DSC00906 by Nilson Jr, no Flickr Descansamos o almoço e começamos a percorrer as ruas importantes de Olinda a pé. Conhecemos diversas igrejas centenárias, casas coloniais, ruas estreitas e ladeiras famosas. No Alto da Sé tiramos lindas fotos panorâmicas do Mar Azul, a antiga Recife (Olinda) e a nova cidade, distante, seus rios, ilhas e etc. DSC00954 by Nilson Jr, no Flickr DSC01054 by Nilson Jr, no Flickr DSC01035 by Nilson Jr, no Flickr Alto da Sé DSC01005 by Nilson Jr, no Flickr DSC00965 by Nilson Jr, no Flickr Observatório Alto da Sé DSC00933 by Nilson Jr, no Flickr Conhecemos o Observatório Alto da Sé, A Igreja da Sé, A Caixa D’Água do Alto da Sé com vista Panorâmica de toda a cidade, A Ladeira da Misericórdia, A História do Homem da Meia-Noite e a Mulher do Meio-Dia, Igreja de São Pedro e a Igreja e Mosteiro São Bento (a Igreja mais rica de Olinda). Igreja e Mosteiro São Bento DSC01086 by Nilson Jr, no Flickr DSC01098 by Nilson Jr, no Flickr Embarcamos na Van e o próximo ponto do City Tour seria conhecer o Museu “Instituto Ricardo Brennand”. Esse museu contém uma coleção enorme de armaria, pintura, tapeçaria e artes decorativas. Como a entrada era 20 reais por pessoa e a maioria do grupo ficou desanimada, todos optaram por não fazer esse passeio. Mas pelo que vi nas fotos, eu recomendo ir. Eu gostei de não ter ido, pois assim o motorista da VAN ia fazer outro caminho de volta e me deixar no aeroporto. Se estivéssemos ido ao Instituto Ricardo Brennand teríamos que pagar um táxi. Embarquei na aeronave minúscula e barulhenta Turbo Hélice da Azul e voltamos à Maceió. O meu voo de ida e volta foram de Maceió e como eu tinha que aproveitar a maré baixa (de acordo com a tábua das marés) eu parti logo para Maragogi, depois Porto de Galinhas e como tinha que voltar para pegar o voo de volta pra casa em Maceió decidi deixar uns dois dias para aproveitar a capital alagoana. Chegamos tarde no aeroporto e logo fomos abordados pelos taxistas. Falei que minha pousada ficava em Ponta Verde, área nobre de Maceió, para os taxistas e fui pesquisando os preços. Por fim não variava muito porque o aeroporto fica longe da cidade. Fechamos o táxi por 65 reais e partimos para a “Pousada Hotel Maceió”. A Pousada Hotel Maceió é bem simples mesmo, nada de requinte. Mas o diferencial é além do preço baixo a excelente localização. Você faz tudo a pé, fica a poucos metros da praia de Ponta Verde e consegue fácil passeios pelo litoral alagoano. Paguei R$: 100,00 a diária. DSC01560 copia by Nilson Jr, no Flickr Quarto IMG_20140503_195034 by Nilson Jr, no Flickr Deixamos as malas no quarto, colocamos roupas mais leves e partimos para conhecer a praia. A Praia de Ponta Verde é muito bonita e tem muitos bares legais ao longo da orla com música ao vivo e preços variados. Fomos andando até o bairro vizinho chamado Pajuçara. Lá encontramos uma enorme feira de artesanato e em frente um “mini shopping” também de artesanato e produtos variados chamado “Pavilhão do Artesanato”. Comemos uma enorme Tapioca ao custo de 8 reais que “encheu” mais do que um prato de comida. Bebemos suco de laranja e voltamos à pousada para descansar. Orla de Ponta Verde DSC01104 by Nilson Jr, no Flickr Pajuçara DSC01105 by Nilson Jr, no Flickr Quando chegamos na pousada ficamos folheando os panfletos de agências de passeios e vimos uma que atendia a noite toda para agenda-los (Agência Janacy Turismo). Ligamos na mesma hora e decidimos fazer o passeio em direção ao Litoral Sul de Maceió pelo preço de R$: 25 por pessoa. Este passeio passa rapidamente pelas praias do Francês e Barra de São Miguel terminando na tão conhecida e linda Praia do Gunga. Acordamos cedo, tomamos o café da pousada (simples, mas saboroso) e às 8h30 a Van da Agência nos pegou na pousada para o passeio. O motorista da Van era muito simpático e foi contanto a história da região com muito bom humor. A primeira parada foi a Praia do Francês. Ficamos só uns 15 min e só deu tempo para algumas fotos. DSC01125 by Nilson Jr, no Flickr A segunda parada foi em Barra de São Miguel. A praia é pequena, porém linda. DSC01150 by Nilson Jr, no Flickr De lá partem passeios de barco para a Praia do Gunga. Ficamos também poucos minutos para tirarmos fotos e partimos então para o destino mais demorado e desejado: A praia do Gunga. DSC01166 by Nilson Jr, no Flickr A Praia do Gunga é uma praia particular que se paga para entrar. Passamos por um caminho dentro de uma enorme plantação de coqueiros pertencente ao proprietário da praia. Deixamos a Van e fomos ao receptivo chamado “Gunga Top” que pertence ao irmão do proprietário da praia. Segundo o motorista da Van esse receptivo tem o preço mais convidativo, mas nessas praias não tem muito para onde correr. Os motoristas levam o pessoal onde lhe é mais conveniente, onde lhe trará uma comissão e comida de graça... Logo que sentamos à mesa bateu uma chuva muito forte e como tivemos que esperar a mesma passar pedimos logo nossa comida. Pedimos o prato para duas pessoas de Carne de Sol com macaxeira e acompanhamentos ao custo de R$: 45,00 e ficamos tomando água de côco esperando. A comida estava razoável, mas alimentou bem. Receptivo Gunga Top IMG_20140504_121013 by Nilson Jr, no Flickr IMG_20140504_102320 by Nilson Jr, no Flickr Logo que a chuva passou fomos conhecer a praia e decidimos fazer um passeio de barco que nos foi oferecido no receptivo ao custo de 20 reais por pessoa. Passeio de barco DSC01246 by Nilson Jr, no Flickr Fomos então passear na embarcação minúscula e como cabia mais uma pessoa resolvemos chamar uma menina chamada Eliane que estava sozinha e tínhamos conhecido na nossa Van. O passeio foi maravilhoso. Fomos levados a um grande arrecife e tiramos várias fotos alimentando os peixinhos e algumas fotos criativas tiradas pelo marinheiro do passeio. DSC01206 by Nilson Jr, no Flickr DSC01221 by Nilson Jr, no Flickr DSC01242 by Nilson Jr, no Flickr Depois ele nos levou a um imenso banco de areia que tem umas cadeiras de fibra quase que imersas na água e com uma embarcação servindo de bar flutuante. Ficamos ali relaxando por bastante tempo tomando um drink maravilhoso de abacaxi batido com vodka ao custo de R$: 15 cada. Depois o barco veio nos pegar de volta levando-nos à orla da praia. DSC01271 by Nilson Jr, no Flickr Quando chegamos a praia fomos procurar o passeio para as tão faladas “Falésias” da Praia do Gunga. Tínhamos a opção de fazer o passeio por Bugre ao custo de 40 reais por pessoa ou pagando 120 reais eu e minha esposa em um quadriciclo. Escolhemos a segunda opção e nossa amiga pagou bem mais barato porque ela foi de carona do guia em outro quadriciclo. O lugar é lindo demais, semelhante aos Grand Canyons, só que com o mar bem lindo ao lado. Tiramos muitas fotos e ficamos ali deslumbrando a paisagem até nosso guia nos chamar de volta avisando que tinha acabado o tempo. Partimos de volta ao receptivo na praia e quando chegamos, o motorista da Van estava esbravejando dizendo que ficamos muito tempo no passeio e todo o restante do pessoal já estava embarcado esperando para voltar e só estavam esperando a gente. DSC01387 by Nilson Jr, no Flickr DSC01408 by Nilson Jr, no Flickr DSC01379 by Nilson Jr, no Flickr Vista dos coqueiros da Praia do Gunga. Existe também um Mirante no Local para essas fotos, mas não tivemos tempo de visitar. Tiramos fotos deles no caminho de volta mesmo... DSC01510 by Nilson Jr, no Flickr DSC01514 by Nilson Jr, no Flickr Voltamos para Ponta Verde e no caminho perguntei ao motorista da Van se no dia seguinte tinha passeio para a praia de Angra de Ipioca pela agência dele. O mesmo informou-me que como a Praia de Angra de Ipioca é privada ela tem regras especificas de acordo com o dia da semana e no dia seguinte nenhuma van de passeio era autorizado a adentrar a praia. Perguntei se ele conhecia alguém que alugasse carros e então ele ligou para uma agência de um amigo, a 4 Estações Locadora, e fechamos por telefone mesmo, um gol 4 G5 completo para o dia seguinte ao custo de 150 reais entregando no aeroporto no outro dia. Só aí eu já economizaria 65 reais de taxi para o aeroporto. Como a nossa amiga Eliane escutou a negociação por telefone, a mesma quis rachar conosco a locação, já que queria também conhecer a famosa praia de Angra de Ipioca. Lembrando que o preço fica mais barato alugando acima de 3 diárias. Chegamos à Praia de Ponta Verde, ficamos pela Orla tomando água de coco até o sol se por. Depois fomos para a pousada, tomamos um banho e partimos para procurar o famoso Restaurante Imperador dos Camarões na orla da Praia de Pajuçara. Esse restaurante é muito conhecido na região e é recomendado pelo Guia 4Rodas. Chegando lá você tem o próprio Restaurante ao lado dos prédios com bem mais requinte e a opção de outro Restaurante de mesmo nome, só que de porte menor de frente para praia com um grande quiosque mais acolhedor e à vontade com música ao vivo. Comemos o maravilhoso e mais conhecido prato, o chiclete de Camarão, comemos camarões empanados e bebemos um balde de cervejas. A conta saiu carinha, mas tudo estava tão perfeito que compensou. Na saída descobrimos que eles têm um serviço que pega e leva os clientes em casa em uma Van com ar condicionado. Ficamos em um espaço longe esperando a Van para nos levar de volta a pousada. Chegamos cansados na pousada e dormimos feito pedra. Restaurante Camarões na Orla DSC01561 by Nilson Jr, no Flickr DSC01564 by Nilson Jr, no Flickr No dia seguinte a locadora de carros foi levar o nosso gol na pousada às 8h00. Assinamos o formulário e fomos para a pousada da amiga Eliane para busca-la e em seguida partir para Angra de Ipioca. Chegando lá ela arrumou mais duas senhoras que também queriam ir conosco fazer esse passeio e consequentemente ajudar a rachar os gastos. Uma beleza! Foram ótimas acompanhantes. DSC01892 by Nilson Jr, no Flickr Fui acompanhando as placas e o GPS do celular e achamos fácil a entrada da Praia. Chegando lá pagamos uma entrada e recebemos uma pulseira com um número. Tudo o que consumíssemos seria computado de acordo com o número da pulseira. DSC01575 by Nilson Jr, no Flickr Ficamos maravilhados com a estrutura desse receptivo na praia chamado Hibiscus. Eles contam com uma loja de artesanato, um espaço relaxante com massagens, piscinas e espreguiçadeiras. Gostamos logo de cara! DSC01609 by Nilson Jr, no Flickr DSC01698 by Nilson Jr, no Flickr DSC01800 by Nilson Jr, no Flickr DSC01859 by Nilson Jr, no Flickr Tomamos banho na praia, tiramos muitas fotos e fizemos a melhor refeição à beira do mar em nossa viagem. Pedi um contra filé com molho agridoce acompanhado de arroz, farofa e fritas muito bem confeccionado. Que delícia. DSC01795 by Nilson Jr, no Flickr Ficamos até tarde na praia aproveitando o nosso último dia de férias... Partimos pra casa e no caminho paramos na Praia da Sereia para tirar algumas fotos. A praia em si nada demais. DSC01910 by Nilson Jr, no Flickr DSC01907 by Nilson Jr, no Flickr Deixamos as senhoras e minha amiga na pousada e partimos pra nossa pousada. A noite, voltamos à Pajuçara de carro para comprar mais lembrancinhas na feira e no Pavilhão do Artesanato. Comemos tapioca à beira mar e voltamos exaustos pra pousada. No dia seguinte um funcionário da locadora foi pegar o carro e nos levar ao aeroporto pela manhã. E assim termina meu relato. Ao todo gastamos quase 6 mil reais, mas teria como gastar muito menos se procurássemos opções mais baratas e deixássemos de fazer alguns passeios.
  12. Nilson Jr

    São Luis

    Pessoal, estou querendo montar meu roteiro em Maio e queria ajuda de quem já foi... Eu saio dia 17 de Maio do Rio de Janeiro e chego à São Luís por volta das 14h00. Volto no dia 25 para o Rio partindo de São Luís logo às 4h da manhã. 1 Dia - Quero fazer o passeio da Lagoa Bonita e Lagoa Azul; 2 Dia - Passeio pelo Rio das Preguiças; 3 Dia - Fazer outro passeio (Boia Cross) e seguir para Santo Amaro ( Não sei se consigo partir pra Santo Amaro pela aprte da tarde) 4 Dia - Passeio de Barco 5 Dia - Bethânia e Espigão - Lagoa do Reflexo, Lagoa das Gaivotas e Lagoa das Andorinhas ( Não sei se consigo partir pra São Luís a tarde) 6 Dia - Centro Histórico e praias litorâneas 7 Dia - Alcântara 8 Dia - Volto Às 4h para o Rio de Janeiro. As perguntas são as seguintes: - Compensa ficar em Atins ou Caburé, ou dá pra se ter uma idéia de lá partindo de algum passeio de Barreirinhas? - E os horários para achar transportes de Barreirinhas para Santo Amaro e de Santo Amaro para São Luís? São somente pela manhã ou consigo pela parte da tarde? Aceito sugestões de alterações do roteiro. Desde já agradeço.
  13. Nilson Jr

    Barreirinhas

    Pessoal, estou querendo montar meu roteiro em Maio e queria ajuda de quem já foi... Eu saio dia 17 de Maio do Rio de Janeiro e chego à São Luís por volta das 14h00. Volto no dia 25 para o Rio partindo de São Luís logo às 4h da manhã. 1 Dia - Quero fazer o passeio da Lagoa Bonita e Lagoa Azul; 2 Dia - Passeio pelo Rio das Preguiças; 3 Dia - Fazer outro passeio (Boia Cross) e seguir para Santo Amaro ( Não sei se consigo partir pra Santo Amaro pela parte da tarde) 4 Dia - Passeio de Barco 5 Dia - Bethânia e Espigão - Lagoa do Reflexo, Lagoa das Gaivotas e Lagoa das Andorinhas ( Não sei se consigo partir pra São Luís a tarde) 6 Dia - Centro Histórico e praias litorâneas 7 Dia - Alcântara 8 Dia - Volto Às 4h para o Rio de Janeiro. As perguntas são as seguintes: - Compensa ficar em Atins ou Caburé, ou dá pra se ter uma idéia de lá partindo de algum passeio de Barreirinhas? - E os horários para achar transportes de Barreirinhas para Santo Amaro e de Santo Amaro para São Luís? São somente pela manhã ou consigo pela parte da tarde? Aceito sugestões de alterações do roteiro. Desde já agradeço.
×