Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

TaSoletti

Membros
  • Total de itens

    16
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

0 Neutra

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. Ce_fukuma, que bom que gostou do relato! Também me assustei com o número de homeless, é beeem elevado mesmo nessa região, mas dizem que próximo do Centro Cívico é pior ainda. Apesar de tudo, me senti segura por lá, e pretendo voltar com meu marido. Uniqlo é tudooo!
  2. Oi pessoal, tudo bem? Vim compartilhar com vocês a minha experiência de 8 dias em San Francisco. Primeiro, porque eu amo escrever e falar sobre viagens, mesmo viajando tão pouco. E também porque peguei muita informação e acho justo retribuir. Esta foi também a minha viagem sozinha (o marido não pode me acompanhar), e teve muito significado pra mim: aprendi que mesmo os mais perdidos conseguem se achar quanto há vontade/necessidade envolvidas. Eu tinha uma quantidade razoável de dólar comprado, que sobrou de outra viagem, o que amaciou a crueldade do dólar a 4,20. E ainda por cima, veio Murphy esfregando sua lei no meu nariz, e com uma pá de cal na minha cabeça pra mostrar quinhé que manda: foi só chegar lá que o dólar baixou pra R$ 3,70. Vôo: Consegui uma promoção da American Airlines. Não, não foi o bug das passagens por R$ 400,00, mas foi um preço razoável. Não tive correrias nem na ida e nem na volta, pois foram escalas de mais de 3 horas e meia em LA. Chegada e saída do aeroporto GRU – SP. O vôo de ida atrasou: saída programada às 22:00 horas, mas só saiu às 5 da manhã do outro dia. A AA resolveu tudo e nos encaminhou a um hotel ótimo, acho que nunca fiquei num quarto tão luxuoso antes, e enviou ônibus para buscar os passageiros. Ofereceu também voucher de refeição, e táxi se precisasse. E eu ainda cheguei mais cedo em San Francisco do que se tivesse pego o vôo normal. Hospedagem: com o dólar nas alturas, e com o precinho das hospedagens em SF, achei de grande valia ficar em hostel. Nunca tinha ficado, então a escolha foi basicamente pela localização, sempre levando muito em conta relatos de quem já se hospedou lá. Fechei com o HI Downtown e pra mim foi perfeito. Não sei se existe uma opção melhor em SF em termos de hostel, mas este fica bem próximo de muitas conveniências pra quem quer fazer compras (Ross, Marshall’s, Target, Macy's, Uniqlo, etc), comer bem (SoMa ou South of Market e redondezas), ou pegar transporte público. Se eu, que sou conhecida por me perder até em garagem de prédio pequeno, consegui me achar, pode ter certeza de que você irá sobreviver. Além disso, achei o pessoal do hostel ótimo e muito organizado, souberam me informar tudo o que precisei, inclusive tinham alicate pra abrir os cadeados das malas no dia em que perdi as chave. Fiquei em um quarto compartilhado feminino com banheiro privativo e não tenho queixas. No espaço embaixo da cama cabe uma mala média, se você for com mais de uma mala, eu aconselho a levar alguma coisa tipo uma correntinha pra prender a mala com cadeado. No quarto em que fiquei não havia o lock pequeno para documentos e não há este tipo de serviço na portaria (cofre, etc), mas achei tudo muito tranquilo e passando o cadeado não há problema algum. Prós de ficar em quarto compartilhado: ganhei uma amiga e coloquei o spoken english pra funcionar. Contras: dividir quarto e banheiro. A cozinha é muito bem equipada e tem café da manhã, que não é variado, mas perfeitamente aceitável pelo preço e levando em conta o quanto a nossa moeda está desvalorizada. E sempre tem café quente, o que pra mim é bem importante! Você pode, ainda, comprar suas coisas e deixar com etiquetas para cozinhar ou incrementar o café da manhã, ou tomar café fora, como fiz várias vezes. Ao lado do hostel tem uma unidade da Lori's, e muito perto vi outras opções, incluindo um Starbucks. Locomoção: andei três quadras até a estação Powell-Market e, do lado de fora dela, bem na frente de quem desce a escada rolante, tem um centro de informação ao turista. Lá, paguei $35 pelo transporte ilimitado para 7 dias, e mais um informativo bem útil sobre a cidade. Quando você paga, ganha este cartãozinho ali embaixo, e é preciso raspar com a unha ou uma moeda o mês e os 7 dias consecutivos em que o cartão será usado. A menos que vc compre menos dias, aí raspa menos dias, obviamente. Atenção: o Centro de Informação abre às 9 a.m. Na Powell St., do lado da estação, é o ponto de saída dos bondinhos (cable-cars), cujo passe está incluso neste cartão que acabei de mencionar. Ali é possível ver a manobra dos bondinhos, o que é bem interessante, já que a força que gira o bonde é a do motorista e de seu ajudante; na Market St., a avenida grande e movimentada que intercepta a Powell, passa a linha F dos ônibus elétricos, que percorre boa parte da Market e até o Fisherman’s Wharf, passando pelo Ferry Building, e pelos Piers, inclusive o 33, de onde saem os cruzeiros para Alcatraz. Segurança: li muita coisa, mas uma amiga que mora lá e conhece a cidade há muitos anos me tranquilizou muito. A cidade é tranquila e completamente possível explora-la sozinha, me senti muito mais segura no centro de SF, a milhares de km de casa, do que aqui andando sozinha no centro da minha cidade (Campinas-SP). Compras: Com o dólar nas alturas, porém, não achei a cidade interessante para compras, o que eu comprei foi no Wallmart que fica fora da cidade, aí achei que algumas coisas compensaram.Eu gosto de comprar algumas coisas em algumas lojas específicas, tipo Banana Republic (gosto muito das roupas de lá, combinam comigo), Uniqlo (amo), Sur Le Table (coisas para casa) e coisas de supermercado municipal. Isso, claro, sem deixar de garantir as passadinhas na farmácia e supermercados e também nas lojas baratas, tipo Marshall's, Ross, Target. Fiz bons achados lá, mas consomem um tempo razoável. Passeios: fiquei 8 dias, já descontadas as chegadas e saídas. Eu gosto bastante de ficar o máximo que eu puder numa cidade só, não curto a idéia de ficar dois dias em cada cidade, nunca fiz e provavelmente não farei no que depender de mim, é claro. O esquema dos ônibus é bem intuitivo e fácil de entender. Descontei um dia para um passeio no Big Sur, como eu gosto muito de visitar supermercados e farmácias nos lugares que visito, pude gastar um bom tempo checando estas coisas. Mas se você não gosta, ótimo também, porque vai ganhar ainda mais tempo! San Francisco é uma cidade que tem muito pra oferecer, e muitos homeless nas ruas. Os da região em que fiquei hospedada não me ofereceram perigo, mas eu costumava estar às 20 horas no hostel se estivesse sozinha. Nos dias em que estiquei mais no jantar e precisei voltar, estava há poucas quadras de distância e também não tive problemas. Depois de NY, eu adotei uma política bem radical de relacionamento interpessoal em viagens: fico bem ligada sempre pra ver se a pessoa é daqueles cri-cris que vão implicar com tudo (acredite, no primeiro mundo tem disso e muito), e também passo longe dos doidinhos. Não é preconceito, é autopreservação! Se você me acha chata ou pensa que julgo o livro pela capa, pega um desses e leva pra cuidar em casa, você vai ver que delícia que é rs. Minha tática funcionou muito bem, obrigada! Eu sigo o meu caminho, desvio dos malucos e não olho pra trás! Estou organizando um post com dicas de relevo, digo, de locomoção na cidade. Preciso ver mapas pra entender as coisas e vai que tem gente igual a mim perdida por aí né? Então fiz até com figurinhas rs. Depois compartilho com vocês. Obrigada a todos e espero ter ajudado em algo Vou postar mais informações, pessoal. Estou precisando de tempo pra escrever e, mais importante, organizar as diféias. Fiz um relato um pouco mais completo (na verdade, o que tem a mais são as fotos), quem quiser/tiver interesse basta clicar aqui: http://sobrecorespinceisepasteis.blogspot.com.br/2015/10/um-breve-relato-san-francisco-ca-2015.html San Francisco é linda, é especial, e vale muito a pena! Gratidão!
  3. TaSoletti

    San Francisco - outubro

    Oi pessoal! Estou com o roteiro praticamente montado para SF em outubro (05 a 13), eu a princípio iria em dezembro, e ainda irei caso não consiga ir em outubro. Estou viajando sozinha, mas tenho conhecidos na cidade, já estou bem familiarizada com a geografia do lugar. É a minha primeira viagem internacional sozinha, e por isso bate um pouco de insegurança, espero que os mais experientes tenham paciência com esta iniciante! O que preciso saber: Alguém aqui tem alguma ressalva sobre o hostel HI San Francisco Downton? Vi que é a segunda melhor nota do booking, mas que fica numa área não muito recomendada por causa dos homeless, mas próximo de tudo o que eu preciso. Não pretendo sair à noite, a não ser que meus amigos possam me acompanhar. Como proceder com o passaporte e dinheiro em espécie no dia a dia? Posso andar com câmera grande lá? Alguém recomenda o serviço de shuttle pra ir e voltar do aeroporto? Estudei muito a coisa toda pra tentar arriscar o BART mas n entendi o esquema. E por último: tirando a estadia (já paga), quanto dinheiro vocês recomendam para passar o dia? Uma média. Nada que vá me matar de dor de barriga e nada de restaurante 5 estrelas. Eu não faço questão de fazer refeições completas. Posso usar a mesma base de cálculo que usei para NYC? Desde já, agradecida! Prometo voltar e contribuir com dicas e agradecer pelos conselhos úteis.
  4. Oi Mau É esse aqui: https://www.airbnb.com.br/rooms/166006 Fica bem longe de Midtown, como você vai ver no mapa, e vai precisar de metrô para fazer muita coisa. Mas vale demais a pena! Nunca vi um apartamento tão limpo!
  5. Olá pessoal Estou um pouco angustiada porque a única data que terei para viajar e´final de dezembro e comecinho de janeiro. A minha primeira opção era realmente San Francisco e a Costa da California, parando em LA. Ia tirar um dia para o Yosemite também. Mas li, reli, e pelo que vi, em dezembro chove em SF, o que me deixou preocupada. Agora estou tentando montar um roteiro LA - LV - SD, e deixaria SF e a costa para uma próxima oportunidade, com o clima mais favorável. Eu nunca quis conhecer nenhuma dessas três cidades, mas as outras opções envolvem neve, frio abaixo de zero, comprar roupas pesadas que ficarão ocupando espaço aqui em casa. Ajuda?
  6. Evandro, obrigada! Quase desisti porque achei que fosse ser muito complicado, e também desisti de Toronto por conta do frio intenso, mas vou recomeçar a roteirar sobre San Francisco. Abraço!
  7. Oi Gláucia, obrigada pelo toque, vou arrumar o link! Bjs
  8. Oi, pessoal! Estou com planos de fazer São Francisco e a Costa entre 20/12/2015 a 3 de janeiro de 2016. Vocês acham complicado por conta dos feriados? Complicações do tipo pegar lugares fechados, não poder fazer alguns passeios, etc? Pretendo ficar os 5 primeiros dias em São Francisco, reservando um para ir ao Yosemite. Depois, fazer o Big Sur até LA, de onde voltaremos para o BR. Não faço questão de ficar muitos dias em LA, e desta vez deixarei San Diego de fora do roteiro. A minha maior inquietação é em relação ao clima e aos feriados. Agradeço se alguém quiser dividir comigo as experiências que teve neste período do específico, que eu li que pode ser chuvoso.
  9. Obrigada Gláucia, vou corrigir! Fico feliz que tenha gostado do relato. Bjs
  10. Oi Flavia! Desculpe, esqueci mesmo de colocar o link. Está tudo separado por dias, tem fotos, com algumas observações minhas, neste blog: http://www.sobrecorespinceisepasteis.bl ... dia-1.html Fico feliz que tenha gostado e que meu relato tenha sido útil.
  11. Oi Flavia! Desculpe, esqueci mesmo de colocar o link. Está tudo separado por dias, tem fotos, com algumas observações minhas, neste blog: http://www.sobrecorespinceisepasteis.blogspot.com.br/2015/01/viagem-para-ny-dia-1.html Fico feliz que tenha gostado e que meu relato tenha sido útil.
  12. Correção importante: alugamos apartamento no Upper West Side e não no West Village, como consta. Sorry!
  13. Oi pessoal! Com um pouco de atraso, é verdade, venho dividir com o grupo a nossa experiência em NY (setembro/2014), em retribuição a tanta informação que obtive quando estava roteirando. O roteiro foi todo feito pela gente, listando os lugares que queríamos muito conhecer. Somos um casal jovem, sem filhos, gostamos muito de caminhar, não fazemos muita questão de luxos, mas gostamos de conforto. Não fiz todas as refeições completas. Deixei um roteiro mais completo no blog que divido com minha irmã, que morou 2,4 anos em NH e vai dividir a experiência por lá também. Quem quiser fazer perguntas mais pontuais, fique à vontade para fazê-lo, que irei responder com atenção tudo o que souber. Passagens: compramos passagens saindo de Guarulhos, pela AA, vôo direto. Não tenho reclamações do vôo, foi tudo ok. Compramos com 3 meses de antecedência e conseguimos por um pouco mais de R$ 4.000,00, para duas pessoas. Hospedagem: alugamos um apartamento no Upper West Side, mais para os lados do Morningside Park, bem perto da Columbia. Apartamento com dois quartos (minha irmã foi passar 3 dias com a gente lá), limpíssimo, completo. Nos custou R$4.400,00 aproximadamente, com todas as taxas inclusas. Como ficamos fora do centro, usamos e abusamos do metrô! Eu precisei recarregar o cartão ilimitado de 7 dias, enquanto o marido herdou o cartão da minha irmã (ela usou apenas por três dias). Nós tivemos uma pequena dificuldade para lidar com o esquema de abrir o apto, pois não vimos o anfitrião e nem o seu auxiliar, em nenhum momento. Vou descrever porque pode ser novidade pra mais gente: a chave fica dentro de um cadeado giga, presa na grade, do lado de fora do prédio. De posse da senha numérica, abre-se o tal cadeado, pega-se a chave que está dentro, e assim terá acesso ao prédio. Esta senha é fornecida aos guests juntamente com outras informações após confirmada a reserva no AirBnB. Mas claro que na prática não foi bem assim, vou dar a desculpa do vôo longo, confusão mental e tal. No fim, deu certo, não sem antes a gente pensar que ficaria a)fechado pra fora do prédio e b)fechado pra fora do apto, já que a chave do apto gira para o lado contrário e deu tipo um ‘tranco’ na hora de abrir a porta. Mochileiros experientes vão rir da minha cara hehe... Deslocamento do aeroporto até o apartamento: via Air Train saindo do JFK em direção à Howard Station, onde descemos e pegamos o metrô linha azul C (e ali compramos o passe ilimitado para 7 dias, por $31 cada) que parava na 110 W St. Dia 1 (Chegamos lá perto do almoço, no dia 7 de setembro). Deixar as malas no apto, e depois, fazer um breve reconhecimento o centro. Fomos para Midtown, para comprar o chip do celular na T-Mobile - $60 para 30 dias com acessoa internet e mensagens de texto, mas não cobre ligações internacionais. Verificar no site deles quais os aparelhos de celular são compatíveis com o chip. Almoço - Wendy's A gente fez um trajeto a pé percorrendo as ruas 31, 33, 34 e 37 em suas porções entre a 5th Ave e a 7th ave, e aqui vale o que cada um decidir, já que o lugar é lindo, tem aquela coisa de cidade grande movimentada, porém com um certo charme e passando por alguns dos famosos pontos turísticos queridinhos dos brasileiros (Empire State, Macy's, etc). Paramos na loja da MM's. B&H Photo e Video - a loja é completa, mas fecha ao entardecer de sexta-feira até a noite do sábado. Primeira noite na Times Square. Dia 2 Fomos ao Whole Foods e fizemos compras para café da manhã e lanches. O supermercado não é dos mais baratos, mas a qualidade certamente compensa. Voltamos a pé (ficava a poucas quadras de casa) para deixar as compras. Café da manhã: Starbucks Soho - Nós descemos na estação da Spring St. (a linha azul passa por lá) e seguimos por ela observando as lojas, os cafés, seus prédios com escadas de incêndio, as livrarias (Kate’s e Papyrus), e também pela Broome St e outras ao redor, passando pela Sur La Table, uma loja fofinha pra quem quer comprar coisas para casa e temperos. Nolita/ Little Italy - Puro charme. Andar por ali é tão agradável! East Village: Atravessando a Bowery, uma rua bem larga, não posso negar que o bairro punk tem história e personalidade de sobra! Eu estava de olho na cultura, nas pessoas, mas queria também achar a Economy Candy, uma loja de doces toda apertada e entulhada de açúcar em suas mais diversas formas e texturas. A loja não é uma lindeza feito a prima (de terceiro grau) rica Dylan’s Candy, mas os preços aqui são muito melhores, a ponto de achar barra grande de Lindt de 300g por $6,99 cada. Almoço na Katz Delicatessen: menos de $30 para duas pessoas. O sanduíche de pastrami pode ser dividido em dois caso peça mais pratos, como foi nosso caso. Super indico o Matzo Ball. Caminhamos até o Flatiron Building, que tem uma loja da MAC em seu andar térreo, e a seu lado uma pracinha com vista incrível do Empire Bd. Eu consegui ainda visitar a DSW, da qual tive indicações para comprar sapatos e bolsas, ali pertinho, e fomos também ao Eataly para comprar algumas coisinhas. Visitamos a Best Buy nas redondezas, procurando por laptop e mochila. É bom olhar o site da loja, porque muitas vezes o site é mais completo do que a loja física. Arrependimento do dia: não ter parado na chocolateria Max Brenner, ali pertíssimo. Dia 3: Empire State Building (bem cedinho, estava ventando muito lá em cima). Metrô até a estação Chambers St. pertinho do começo da ponte do Brooklyn e pertinho do centro cívico. A gente aproveitou pra pedir waffles num carrinho numa praça ali perto. Muito bons e custaram cerca de $6,00 cada, pertíssimo da 21th Century, onde fiz compras. Almoço: 5 Guys Passeio e compras em Midtown: Sephora, farmácias, loja da Lindt na 5th Ave. Tem Godiva perto. Fomos de metrô para o apartamento para deixar as compras que acumulamos ao longo do dia (as da 21th Century pesaram, os 5 kg de trufas também). MetLife Statium: trajeto entre o apartamento e o estádio envolve metrô, trem saindo da Penn Station, ônibus e depois o contrário para a volta. Quando você desce do trem, até um certo horário, tem uma fila de ônibus esperando para levar ao estádio. Importante: você não pode entrar com mochilas no estádio. Em contrapartida, ele forneceram um lugar para deixar nossa mochila e não cobraram nada por isso. Se fosse no BR, já sabem... Nós ficamos nas arquibancadas bem no alto, então encaramos lances intermináveis de escada e, já sentados, dá uma tontura olhar pra baixo! As fileiras de assentos tem pouco espaço entre si, se vc tiver de chegar ou sair vai atrapalhar um monte de gente, então não fique bebendo refri, ou compre o assento bem do comecinho da fila rs. Fomos com uma amiga, e não tivemos problemas com segurança. O jogo foi ruim, mas nos divertimos muito nesta noite, valeu demais! Dia 4: Norte do Central Park, saindo a pé do apartamento, que fica a duas ou três quadras do parque. Upper East Side - aqui achei as farmácias mais sortidas pra comprar, se comparar com as de Midtown. Quando atravessamos o CP, nós seguimos em direção ao norte da ilha, 'costurando' entre a 5the Ave e a 1th Ave em alguns pontos. David's Tea - Baked By Melissa - Dylan's Candy - Fao Schwarz - Radio City Hall e arredores. Almoço no KFC (que nem achei tão perto assim). Voltamos para o apartamento, nos arrumamos e pegamos o metrô para o Chelsea, para ver o off off-Broadway Sleep No more. $80 a $100 pp, dependendo do dia e horário. Não pode furar fila, não pode fotografar, não pode entrar com bolsa e nem mexer no celular. O espetáculo é de-mais! Dia 5: Jersey Garden's - ós saímos de Port Authority - pegamos o bus da linha 115, que nos deixou na porta do outlet. Mesmo caminho para voltar. Quem quiser saber preços e lojas que gostei mais, pode perguntar que respondo. À noite, Midtown (minha irmã chegou neste dia). Dia 6 High Line Chelsea Marketplace - A antiga fábrica da Nabisco que agora é um mercado que vende produtos de ótima qualidade! Tem empórios, restaurantes, padarias, etc. Comprei petiscos deliciosos lá. No outro lado da rua, uma Starbucks linda, não vamos esquecer que aqui é um dos lugares mais cools de NYC, incrível como tem gente bonita na rua. West Village -Magnolia's Bakery, depois uma casa de fazenda cuja fachada foi preservada, condomínios fechados em plena Manhattan, o passeio vale por si só! E aqui deixo a dica de um site que achei por aí, e que me ajudou demais quando estava roteirando: Scoutingny.com. E chegamos onde a gente queria: o prédio cuja fachada foi usada na série Friends, na Grove St com a Bedford St. Algumas quadras, e chegamos à rua onde a Carrie 'morava', uma das ruas mais sensacionais que eu vi nesta viagem! No caminho para Midtown, passamos pelo Greenwich Locksmiths, um chaveiro onde foram rodadas umas cenas de Matrix. Midtown - Passamos pelo Lime Light Market, Williams-Sonoma (coisas lindasss para o lar, além de temperos e óleos e etc.). Atendimento formidável! Depois, seguimos para o almoço (Red Lobster), já estava no meio da tarde. Fizemos mais compras em Midtown, descansamos no Bryant Park (a Biblioteca Pública estava fechada) e depois fomos para casa, mortos com farofa! Dia 7 Metrô até pertinho da Brooklyn Bridge e do Centro Cívico (os dois lugares são muito próximos). Café da manhã num restaurante pé-sujo arrumadinho perto da Ponte do Brooklyn. Dois pratos serviram três pessoas, bem servidas. Gastamos cerca de $25,00 para o grupo. Travessia da Brooklyn Bridge, a pé, indo para o Brooklyn. Brooklyn Heights: já do outro lado, não tem erro... basta seguir as placas e o fluxo. Se for para o lado da Manhattan Bridge, que é praticamente paralela à Brooklyn Bridge, vai dar as caras com o DUMBO. Nós pegamos o outro lado, para conhecer o Brooklyn Heights. De lá, rumamos para a Promenade, que tem uma vista incrível da ilha, e depois para o parque que fica ao pé da ponte. Importante provar o sanduíche de óreo com uma bola de sorte no meio ($5). Depois, mais Brooklyn Heights, andamos pelas ruas lindas e milionárias até sairmos em uma rua mais central (Montague St.) com cafés, lojinhas, coisa mais linda do mundo! Loja da Mac nesta rua, segue o estilo lindinho. Rumamos para a Plymouth Church of the Pilgrims, que foi usada como hotel em Poderoso Chefão. Pegamos o metrô e descemos na estação em frente ao Barclays Center (estádio do Jay-Z), e ali fica a Target, a The Body Works e também um Shake Shack. Voltamos para Manhattan de metrô, descemos na Grand Central Terminal e paramos numa Panera Bread para um lanche. Dia 8 St. John The Divine e arredores. A igreja é linda, enorme, vitrais maravilhosos. Fomos a pé, pois é bem perto do apartamento onde ficamos. Café da manhã no Community Food and Juice - provem os ovos trufados, divinos. A St. John e a Universidade de Columbia ficam numa região chamada Morningside Heights, perto do Harlem, bem tranquilo, pelo menos para andar de dia. Só uma curiosidade: no lado Upper East, essa região de transição começa bem mais ao sul. Voltando ao roteiro, uma grande falha técnica: eu fiquei conversando muito e me distraí, esqueci (sim, por mais ridículo que possa parecer) de ir até a Columbia University. E passei a uma ou duas quadras de distância. Vontade de bater a cabeça no muro, viu? Deixei também de ver a Church of Notre Dame, a duas quadras de onde passei a caminho do Morningside Park. Menos mal: esta eu nem sabia que existia. Mas a Columbia eu coloquei no roteiro e perdi de ver. Raiva master! Fazer o que, ne? Shit happens! Fomos andando até o Lincoln Centre, aprecisando as ruas do UWS. De lá, passamos para o Columbus Circle, e depois para a Fao Schwarz de novo, já que minha irmã queria conhecer. Pertíssimo, a loja da Apple. Voltamos de metrô para o apartamento para pegar as coisas da minha irma, que voltou para NH naquele dia, e depois que ela embarcou, fomos ao Brooklyn direto de Midtown para ver o sunset. Belíssimo! Descemos na estação York, e por isso passamos por uma parte do DUMBO (e em frente à chocolateria Max Brenner) para chegar ao Brooklyn Bridge Park. Ficamos até o anoitecer, vale demais a pena! Dia 9: Balsa para Staten Island para ver a Lady Liberty. Esta balsa não para na ilha onde fica a estátua, mas passa perto e é grátis. Pegamos a próxima balsa de volta, e fomos andando até o Charging Bull, que fica a uma caminhada curta de onde descemos. Lower Manhattan (Financial District) - breakfast no George's (quase 30$ para duas pessoas, panquecas delícia) e desbravamos o bairro, mas desta vez sem parar para comprar. Centro Cívico e, de lá, fomos andando até o Central Perk (no Soho) e depois, cheesecake na Eileen's, que fica a umas duas quadras ou nem isso ($4 cada). Comi vários haha... Metrô até a Union Sq - tinha feirinha neste dia e até ovo de avestruz para vender rsrsrs... Gramercy Park - fomos andando até o bairro high society, que tem um parque fechado apenas para moradores. À noite, quando passamos pela Biblioteca pública, estava acontecendo a premiere de Gotham. Dia 10 Museu de Historia Natural (a entrada sugerida é $19 mas vc pode pagar o quanto quiser/puder). Levamos aproximadamente 3 horas nesta visita ao museu. Levain Bakery - é perto do museu, fomos andando. Além dos estrelados cookies, não deixem de provar o muffin de blueberry que, pra mim, não tem a fama que merece. Fomos a pé, atravessando o Central Park, até o Metropolitan Museum, que tem, também, entrada sugerida. Investimos 3 horas lá. Depois, metrô para jantar na pizzaria do Eataly (aprox. 35$ pp, com vinho). Dia 11: Tribeca: River Terrace, Memorial da Fome Irlandesa (tirando o parque ao lado do Rio Hudson, que é coladinho ao River Terrace, não vale a pena ficar ali). O prédio onde foi filmado Caça-Fantasmas; Meatpacking District/Hell's Kitchen Intrepid Museum: Há algumas opções de pacotes no site oficial, e nós pegamos o GA - General Admission including Space Shuttle Pavilion, que dava acesso ao porta-aviões, ao submarino, e ao ônibus espacial. Dia 12 (manhã) Arrumação de malas (e correria por causa disso); entrega do apto; fomos até o JFK com a Super Shuttle. Não recomendo. - piqueniques em parques não me atraem, eis o motivo de não ter feito isso no Central Park. O mesmo para musicais. - Este é um breve relato, não tinha como contar tudo o que fizemos nestes dias, então listei os pontos principais a fim de, quem sabe, ajudar alguém com o roteiro por região/bairro. - Fui com uma mala, meio vazia, e voltei com 4, sendo uma da minha irmã, fora as bagagens de mão e bolsa, mochila. - Gasto total com a viagem (trouxemos roupas para um ano, presentes e produtos para casa) : Entre R$ 18.000,00 e R$ 20.000,00 - Gasto médico de alimentação para duas pessoas: $100/$120 por dia. O fato de estarmos em um apartamento facilitou economia, não fui a restaurantes muito estrelados e caros, mas comi bem. - Gostei de muitas lojas para roupas, fui várias vezes a algumas lojas de Midtown, mas não consegui postar tudo aqui. É muita informação, só andando por lá pra saber. Mas recomendo demais a Banana Republic para roupas de qualidade e não tão caras. A Gap da 5th Ave é ilusão, cara demais, e na parte promocional, pouca coisa me agradou. - Não listei todos os restaurantes aos quais fomos, pois não vi necessidade disso, já que cada um vai escolher de acordo com o seu gosto para comida. - Tomei litros de Haagen Daz, comi berries até cansar, fui umas mil vezes no Starbucks (que também é sinônimo de toilette grátis rs), e a vários mercadinhos e Groceries perto de casa. - Pretendo voltar para visitar Williamsburg, The Cloisters, e alguns restaurantes que não pude visitar desta vez. Quem quiser, pode mandar email para [email protected], terei prazer em compartilhar. O link correto para o blog é http://sobrecorespinceisepasteis.blogspot.com.br/ Obrigada a todos pela atenção!
  14. Thiago, confesso que não tinha planos de conhecer este lugar, até ver estas fotos com a cor absurda da água! Ao vivo deve ser uma loucura, tenho a sensação de que dificilmente uma foto conseguirá captar tamanha beleza! Gostaria de saber se é muito caro ir pra um lugar assim. Não precisa passar valores, apenas queria ter uma idéia, se há opções de hospedagem, se é do tipo de lugar que mete a faca no bolso dos turistas... Grata, Taiza.
  15. TaSoletti

    relato Dicas NYC- verão e outono

    Ótimas dicas... com certeza me ajudarão muito no planejamento da viagem! Obrigada por compartilhar!
×