Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Lady Becket

Membros
  • Total de itens

    29
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

1 Neutra

Outras informações

  • Lugares que já visitei
    Brasil: RS (Santa Maria, Canela, Gramado, Uruguaiana, Porto Alegre, Pelotas, Rio Grande, São Sepé, Santa Cruz do Sul), RJ (RJ, Angra dos Reis, Cabo Frio, Saquarema, Ilha Grande, Paraty, São João da Barra), SP (SP, São José dos Campos, Campos do Jordão, Piracicaba, Aparecida, Guaratinguetá, Caraguatatuba, São Sebastião, Taubaté, Cachoeira Paulista), MG (Lavras).
    Argentina: Buenos Aires
    Peru: Cuzco, Lima
  • Próximo Destino
    Mochilão pela via-lactea.
  1. Tudo lindo. Sonho conhecer Londres desde criança e nem sei porque, simplesmente tenho a alma presa a este lugar, pode ter sido em alguma outra vida . Mas ainda não estive em Londres e nem sei se estarei algum dia, tudo muito caro. Adorei seu relato.
  2. Lady Becket

    Mochilão com Voluntariado na Europa

    Poxa, super diferente esta ideia de viajar. Adorei e admiro a coragem de vocês. Pode contar mais detalhes? Quando foram pela primeira vez, para onde foram? Como foi esta escolha?
  3. Lady Becket

    Dúvida sobre escalas

    Sim, isso mesmo. Outra dúvida, já que você está me esclarecendo tanto. Conexões/escalas nos EUA tem problema para quem não tem visto americano?
  4. Lady Becket

    Dúvida sobre escalas

    Obrigada por sua resposta. Sim, sei que não há vôos diretos SP- Praga. Minha dúvida foi se eu teria problemas com a imigração fazendo uma conexão por minha conta, ou seja, comprar passagens separadas ( SP - Lisboa e depois Lisboa - Praga) e não conexões automáticas (quando se compra SP- Praga). Desculpe se minha dúvida é ridícula, nunca fiz uma viagem assim.
  5. Lady Becket

    Dúvida sobre escalas

    Obrigada por sua resposta. Pois é, o ponto de conexão também estou estudando. Lisboa é o mais em conta, mas Lisboa - Praga é bem caro. Já ouvi falar nos vôos Low Cost.
  6. Lady Becket

    Dúvida sobre escalas

    kkkk é que dá um pouco de receio de fazer uma escala e ser barrado antes de chegar no destino final. Mas obrigada por suas respostas.
  7. Lady Becket

    Dúvida sobre escalas

    Oi, seja mais específico. O que seriam as exigências?
  8. Lady Becket

    Dúvidas sobre viagem à Lima

    Oi Jaqueline, eu estive em Lima com destino a Cusco e sim precisei fazer um novo check-in. Não sei se é esta sua pergunta.
  9. Lady Becket

    Dúvida sobre escalas

    Boa noite povo. Estou me organizando para um congresso em Praga na metade de 2019. Estou vendo os vôos e, como nunca estive na Europa, estou com dúvidas. É mais em conta se eu pudesse ir Guarulhos - Frankfurt e depois Frankfurt - Praga, porque Guarulhos - Praga é muito caro. Porém, não sei se eu posso descer em Frankfurt e embarcar para Praga sem problemas com a imigração local. Porque não seria uma escala, seria eu descer por conta própria e embarcar em outro vôo. Como funcionam essas coisas? Alguém já fez esse trajeto? Obrigada.
  10. Lady Becket

    Praga, Berlim e Budapeste - 12 dias (gastos detalhados)

    Pessoal, quero perguntar uma coisa bem básica, mas que tenho dúvida. Nestas viagens para a Europa é melhor eu estar com uma quantia boa de grana (já na moeda local) ou usar cartão? Meu cartão é BB e temo receber contas altíssimas para pagar depois que estiver no Brasil. Como é isso?
  11. Lady Becket

    relato Jerusalem: uma viagem surpreendente!

    Sempre leio relatos que elogiam Israel e as fotos comprovam isso muito bem. Porém, admito com certa vergonha, eu tenho um bocado de medo de ir a Israel (apesar de querer muito). Tenho medo dos conflitos naquela região. Como é isso? É seguro viajar de um ponto ao outro em Israel?
  12. Lady Becket

    Israel - Perguntas e Respostas

    Amigos, antes de tudo, desculpem minha total ignorância, nunca estive na Europa/Oriente médio e afins, mas tenho visto boas oportunidade de trabalho em Israel, mas tenho receio de investir porque tenho um pouco de medo de morar em Israel. Não quero ofender ninguém aqui, é curiosidade mesmo, a TV mostra tanta violência neste lugar que sinto receio em me mudar para lá. Como é, de fato, viver neste país? É seguro? Mulheres são tratadas igualmente aos homens? Obrigada
  13. Só para colaborar. Estive em Machu Pichhu em setembro/2014 e é verdade quanto ao aeroporto de Lima, tem que fazer um "novo" check in para seguir para Cusco. Eu passei muito frio em Cusco, apesar de ser gaúcha e amar o inverno, lá é alto e venta frio mesmo. Tomem cuidado com isso. Outra coisa que aconselho é fazer um seguro saúde, pois caso venham a passar mal por algum problema relacionado a altitude (que em geral dá dor de cabeça, vômitos e etc...) ou a culinária local é bom saber que pode ter atendimento médico.
  14. Oi Fred. Obrigada. Acredito que sim. Não exploramos muito Mariana, mas acho que se acordar cedo e começar os passeios cedo, consegue-se conhecer bastante coisa em um único dia. Bom passeio.
  15. Sei que tem muitos relatos sobre OP aqui no site, mas achei interessante colocar um breve relato até para atualizar as pessoas dos preços. É meu primeiro relato aqui Eu e meu noivo estivemos em Ouro Preto em uma breve viagem de 2 dias (Feriadão de 09 de Julho de 2015). Fomos de ônibus (Viação UTIL) saindo de SP com destino a Ouro Preto. Detalhes da ida: Horário: Saída as 15h30min do Terminal do Tietê e chegando as 4h em Ouro Preto. Valor: R$ 100, 63 Tem outro ônibus saindo as 20h de SP e custa R$143,08. Detalhes da Volta: Horário: Saída de OP as 19h30min e chegada em SP as 7h. Valor: R$ 177,00 (Sim, caríssimo e a desculpa era por ser um carro com A/C. Esse carro é extra, acredito que tenha sido por conta do feriado estadual de SP que levou muita gente para OP naquele final de semana). OBS.: Durante o trajeto o ônibus faz paradas a cada 3h (15 minutos cada) nos caríssimos Graal que tem pelas rodovias, além das paradas nas rodoviárias para os embarques. Assim que chegamos à rodoviária pegamos um taxi até a pousada. O taxi custou R$ 20,00 e não vi taxímetro, me pareceu um valor tabelado ou sei lá o que. Achei caro, porque a pousada era relativamente perto (digo isso depois de conhecer a cidade, porque quando chegamos ñ tinha muita idéia se era longe ou não e também que estava frio e tinha poucas pessoas por perto). Hospedagem: Ficamos na pousada Ciclo do Ouro (http://www.pousadaciclodoouro.com.br/). Pagamos R$ 65,00 por pessoa/por noite em cabana com banheiro privativo. A pousada fica a 5 minutos a pé da Praça Tiradentes. É bem simples, mas aconchegante. Detalhe para a rede que tem na varanda da cabana, muito boa. A Pousada oferece café da manhã (das 7h as 10h). O café é bom, com variedades e muito bem servido. Ponto positivo para os atendentes, todos muito simpáticos e prestativos. Os donos da pousada sempre por perto, igualmente gentis, dão informações, gostam de conversar. Me senti um pouco em casa. Recomendo. Dormimos algumas horas e bem cedo já estávamos batendo perna pela cidade. Pegamos um mapa (grátis) no setor de informações da Praça Tiradentes e fomos fazendo a rota das igrejas. Passamos por todas que o mapa indicava e fomos marcando cada uma delas. Pode parecer bobagem, mas depois que você já viu muitas igrejas começa a confundir os nomes e se já visitou ou não ( ). Não entramos em todas, porque a visitação é paga (nada contra ser pago, é que estávamos com pouca grana mesmo ). Os valores variam, acredito que seja pela importância histórica ou em valores materiais mesmo (me corrijam se estiver errada). Entramos em duas, a Igreja Nossa Senhora Pilar (a matriz, visitação indispensável), vale muito a pena. Pagamos R$ 10,00]/b] por pessoa sem limite de tempo para visitação. Também visitamos o interior da São Francisco de Assis (R$ 3,00). Observação: NÃO PODE FOTOGRAFAR NADA dentro das igrejas. Gastronomia: Quem gosta de comer (nosso caso) não vai passar sufoco em OP. A comida é MARAVILHOSA e, apesar da economia em recessão, achamos muito em conta. No primeiro dia almoçamos perto da Praça Tiradentes num restaurante chamado Tiradentes com valor de R$15,00 por pessoa a vontade (bebidas a parte) e com todas (ou quase todas) delícias da culinária mineira. Recomendo. A noite, jantamos no restaurante Forno de Barro (na Praça Tiradentes). Ainda melhor que o outro, com mais variedades: R$ 20,00 por pessoa a vontade no jantar e R$ 18,90 por pessoa a vontade no almoço (bebidas e doces a parte). A noite servem caldos, uma ótima opção, pois fez noites um tanto frias. Tem muitas lojas que vendem chocolates, licores, cachaças, a maioria delas estão na rua Direita (ou rua Conde de Bobadela), uma ladeira repleta de fachadas históricas e muitas lojas. Passeio de Trem: Fizemos o passeio de trem de OP para Mariana. Tem algumas opções: • R$ 40,00 somente ida ou R$ 56,00 ida e volta em vagão normal. • R$ 80,00 em vagão panorâmico (tem menos lugares). Estudante paga meia mediante apresentação de documento válido. Optamos apenas pela ida e compramos o bilhete na estação mesmo, sábado de manhã para a saída as 14h30min. O trajeto dura em torno de 1h. O ponto negativo que vale ressaltar é que tem filas enormes para comprar bilhete e o atendimento demorou. Numa cidade turística e cheia de ladeiras, ficar quase 30 minutos numa fila para comprar bilhete de trem não me parece uma coisa muito inteligente. ACEITAM CARTÕES. Ao contrário do que muitas pessoas aconselham, eu não achei o passeio interessante, talvez seja legal para quem nunca viajou de trem e tem curiosidade. É lento e se você já está cansado de andar é capaz de dormir (rsrs). Mas, para quem for, aconselho se acomodar no lado direito do trem (no sentido OP-Mariana), verá mais coisas. Voltamos para OP de ônibus, tem um ônibus a cada 30 min e custa R$3,70 o bilhete pago ao trocador mesmo dentro do ônibus. Esse ônibus vai até o terminal 08 de Julho (Rodoviária de OP) e passa pela Praça Tiradentes. No sábado, nosso último dia na cidade, pela manhã visitamos a Mina do Jejê (indicação dos donos da pousada que costumam levar grupos de hóspedes até lá, gratuitamente). Aconselho muito esse passeio, custa R$ 25,00 por pessoa para ouvir a explicação sobre a extração dos minérios naquela mina e também na cidade e depois entrar na Mina acompanhada de um gruía. Tem equipamento de segurança. Achei a experiência emocionante, mas não aconselho para quem sofre de claustrofobia. O pessoal que trabalha no turismo da Mina são muito gentis, simpáticos e adoram uma prosa. Quem quiser pode comprar jóias, bijus entre outras coisas em lojinhas que ficam no pátio da Mina. A tarde vistamos o Museu da Inconfidência que fica na Praça Tiradentes, custa R$ 10,00 por pessoa e tem meia entrada para estudante mediante apresentação de documento válido. RECOMENDO esse passeio, vale muito a pena e tem muitas informações. Quem quiser, tem a opção de vista guiada por áudio em fones de ouvidos, não usei esse recurso, mas soube que custa um adicional de R$8,00 por pessoa. NÃO É PERMITIDO FOTOGRAFAR NADA DENTRO DO MUSEU. Seus pertences ficam dentro de um armário com chave e só podem ser retirados na saída. Após o almoço no restaurante Forno de Barro (comentado antes), visitamos a Casa dos Contos, super recomendo a visita. É grátis e PODE FOTOGRAFAR, apenas a senzala, que fica no subsolo, não é permitido o uso de câmeras fotográficas. Observações: A cidade tem muitas lojinhas de souvenir, a preços bastante variados. Achamos artigos mais em conta quando mais afastado da Praça Tiradentes. Como todos devem saber, a cidade fica em terreno acidentado, ou seja, cheia de ladeiras com ruas calçadas, logo VÃO DE TÊNIS. Minha panturrilha ficou doendo uns 2 dias depois que voltei de OP, devido ao constante esforço físico. Tem ônibus que passa dentro da cidade, quem quiser pode se livrar das ladeiras, mas vivenciar o “clima” da cidade, ao meu ver, é subir e descer ladeiras mesmo. Resumindo: Adoramos OP, adoramos o pessoal da cidade, a culinária, artesanato. Ficamos muito satisfeitos e impressionados com o carinho que os nativos e demais moradores têm pela cidade e o esforço deles em aprender o máximo possível para informar e acolher os turistas. É lindo ver um patrimônio histórico preservado e mantido com tanto orgulho. Dentre tantas certeza ficou a que voltaremos a OP e dessa vez para ficar mais dias, fazer trilhas, conhecer o sítio arqueológico e claro COMER muito bem.
×