Ir para conteúdo

mborto

Membros
  • Total de itens

    59
  • Registro em

  • Última visita

Tudo que mborto postou

  1. AÇÕES DE RETIFICAÇÃO DE NOME (mais alguns toques) Então... O Kratky perguntou sobre o tempo que demora para ter uma sentença. Eu fiz uma ação dessas no mês passado e já obtive a sentença favorável. Vou explicar: meus antepassados vieram todos de Santa Catarina, e minha família se estabeleceu em uma pequena cidade do Paraná (cerca de 30 mil habitantes). Mas eu moro em uma cidade maior, com cerca de 300 mil habitantes (10 vezes maior), aí vocês já podem ter uma idéia de que os processos são mais demorados do que naquela cidadezinha. Tudo em termos de justiça é mais demorado aqui. Acontece o seguinte: aproveitei o fato de que minha avó reside lá e dei entrada no processo por lá... Sorte a minha, porque se não fosse por isso eu teria que entrar por aqui. Agora vou explicar o que tem a minha avó a ver com a história: ela é a única pessoa viva de todas que aparecem nos registros que pretendo retificar. Na linha de meus ascendentes, ela é a única que restou, por isso pedi uma procuração dela e nós dois propusemos a ação juntos, pela comarca da cidade dela. Quem quiser retificar nomes, antes de tudo, procure um parente que more em um lugar pequeno - um parente que tenha o antepassado italiano em comum contigo, é claro. É um bom meio de minimizar a espera. Abraços a todos.
  2. Kratky, Você havia perguntado acima sobre o tempo que leva para retificar os nomes na justiça né. Pois bem, depende do tamanho da cidade. Aconselho você a verificar onde nasceram teus antepassados, e propor a ação lá mesmo, pq se por exemplo você propor a ação em uma cidade de tamanho médio é complicado, pois tudo vai demorar mais. Quanto ao VISTO, a Itália é um dos países com os quais o Brasil tem tratado sobre isso, e NÃO PRECISA DE VISTO. Basta ir com o passaporte. Valeu!
  3. MAMMA MIA!!! Que confusão!!! Ow povo! Desculpe o mau jeito, mas vocês não andaram lendo as páginas do fórum né. Mas td bem, antes de vocês lerem vou tentar ajudar um pouco: 1 - RESIDÊNCIA NA ITÁLIA para a legalização em Curitiba o certo é tentar contato com o consulado para saber como fazer prova da residência por lá. Não faça nada sem saber como eles querem. 2- Dicchiarazione di non rinuncia - esse documento é interno da administração italiana. Traduzindo: só é expedido pelo consulado a pedido do comune onde você der entrada no processo. Não adianta pedir no consulado porque eles não dão. Eu já tentei e foram bem claros quanto a isso. 3- Os 8 dias: Quando você chega na Itália, você tem 8 dias para procurar uma "questura" (delegacia polícia fed. italiana) para obter o "soggiorno" de turista. Depois você vai atrás do resto.
  4. Rod.Mar, Essa regularização de estrangeiros que o governo italiano está promovendo inclui o quê? Naturalização dos estrangeiros ou somente expedição de visto de trabalho? Isso abrange qualquer estrangeiro ou se restringe aos que residem há mais tempo no país? É que eu andei vendo no tópico sobre cidadania espanhola e parece que a Espanha tem procedido desta forma nos últimos anos. Só que ninguém esclarece o que é exatamente esta "regularização" de que tanto falam. Naturalização? Concessão de cidadania? Concessão de visto para trabalho? Obrigado por enquanto. (Se alguém mais souber, por favor informe)
  5. Ao que parece você foi no consulado de São Paulo né. Se for lá, teve um colega nosso que conseguiu todos os documentos legalizados depois de 7 meses. Isso depois de estar com todas as certidões devidamente seladas pelo tabelionato de notas de São Paulo e traduzidas pelo Patronato ACLI.
  6. decomerlatto, Para iniciar o processo de cidadania na Itália, é necessário ter em mãos a Certidão Negativa de Natualização do antepassado. Essa certidão é expedida pelo Ministério da Justiça do Brasil - Divisão de Nacionalidade e Cidadania. O problema é que, para a expedição, as autoridades brasileiras estão exigindo cópia da identidade do requerente (você) e cópias das certidões de nascimento e óbito do requerido (o antepassado). Como você não tem a certidão de nascimento dele, não sei se vai conseguir a certidão. É interessante ligar lá e conversar com eles. Também é importante lembrar que, quando do envio do pedido pelo correio, é bom fazer menção a todas as variáveis possíveis do nome do antepassado no pedido, caso haja erros de grafia nos nomes. P. ex., se o nome do antepassado era "Giovanni Polentta" e mais tarde teve seu nome alterado em registro civil para "João Polenta", você deve colocar assim no pedido "Giovanni/João Polentta/Polenta". Isso para deixar bem claro quem é o requerido. Depois de conseguir a certidão, vc deve traduzí-la por meio de um tradutor juramentado pelo consulado (ou embaixada, se residir na circunscrição de Brasília) ou patronato italiano (este também localizado na circunscrição do consulado responsável pela sua área geográfica no território brasileiro). Editei o post tendo em vista a resposta do Wagner abaixo. Está mais condizente com a dúvida da Fra_Bell. Não recomendo ir para lá sem fazer um curso de italiano. Espero ter sido claro.
  7. EDITANDO MENSAGENS JÁ POSTADAS Sei que parece idiota, mas vale a pena lembrar: caso alguém não tenha visto, existe um ícone de edição das mensagens disponível aí. Ele aparece somente nas mensagens deixadas pela própria pessoa que acessa o tópico (figura do lápis e papel que aparece acima, ao lado do "PM"), assim como o ícone da lixeira. Se depois de postar a mensagem você detectar algum erro, pode corrigir o problema. BLZ?!
  8. Mephysto, Desculpe, mas a explicação que você deu está muito confusa. Dá uma lida e veja se não tem nada de errado. Por acaso você não quis dizer IRMÃO MAIS NOVO??? Além disso, para os casos em que o antepassado renunciou ou se naturalizou, existe o direito de READQUIRIR A CIDADANIA ITALIANA.
  9. Garotadailha, Quem quer obter o reconhecimento da cidadania italiana diretamente na Itália, tem que fixar residência lá. Convenhamos, é o mínimo que a pessoa tem que fazer né. Tire um tempo e leia o tópico para sanar tuas dúvidas. Sei que é difícil, e por isso PEÇO NOVAMENTE AOS COLEGAS QUE NÃO POSTEM MAIS O TEXTO DAS MENSAGENS PARA AS QUAIS ESTÃO RESPONDENDO (mensagens originais), e sim façam uma simples referência ao destinatário no início da resposta. Vamos economizar espaço. Obrigado a todos.
  10. Garotadailha, Infelizmente você terá que dar um jeito de saber onde foi que seu avô nasceu (cidade) no Uruguay. Aí, terá que pedir uma certidão de nascimento na repartição pública competente pra isso (cartório, se for o caso, ou prefeitura, pois não sei como é o sistema deles). Depois terá que legalizar essa certidão no consulado italiano no Uruguay. Atente para o fato de que aqui no Brasil os consulados exigem a autenticação da firma do próprio cartorário onde são expedidas as certidões - p. ex., em São Paulo todas as certidões têm que ter o sinal público feito em um Cartório de Notas da capital. Vc terá que saber qual o procedimento exigido pelo consulado da Itália no Uruguay (ou embaixada né, dependendo da estrutura organizacional deles). Ao mesmo tempo, é importante que você agilize a certidão de nascimento do teu antepassado italiano (bisavô) na Itália. Sem um comprovante de que ele nasceu na Itália, esqueça. Boa sorte.
  11. Wagner, Obrigado por responder. Só gostaria que você fizesse duas correções. A primeira é no post anterior a este. Corrija onde vc escreveu "Não há problema ser uma tradução feita pelo 'consulado'". A dúvida do magnogil referia-se a tradução feita por patronato. A segunda correção é com relação ao último post da página 54. Vc confundiu meu nome com o do Tiago Suppa. O Tiago usa o nick RAWPUNK. Abraços e muito obrigado pelas respostas.
  12. Allan Jones, Bem, vamos torcer para que não inventem essa agora né, pq a legge 5 febbraio 1992, n. 91 pode complicar nossas vidas. Mas eu andei pesquisando e acho que existe uma confusão nisso aí, pq o nosso direito ao reconhecimento da cidadania italiana dá-se com base no "jus sanguinis" - ou "iure/ius sanguinis", se preferir - e, a princípio, não teria de seguir o mesmo processo do direito à obtenção da cidadania por residência, que aparentemente é o caso mencionado pela resposta daquela comune qo WarFlames aí acima, pois são estes os casos: a- "jus sanguinis"; b- residência; c- por naturalização; d- por matrimônio; e- por serviço ao Estado Italiano; f- por adoção. Pode ser que o próprio pessoal da comune tenha se confundido ou seja uma manobra para desanimar os descendentes, dizendo que são necessários no mínimo 3 anos. Como disse anteriormente, estou preocupado, porque o texto da lei é confuso. Não consegui entender se, na lei, para quem é bisneto, tataraneto etc. existe o direito à cidadania com base no "jus sanguinis" - origem italiana mesmo - ou porque a pessoa tem o "ascendente nato in Italia", como por exemplo alguém seja descendente de uma pessoa nascida na Itália, mas que era filho de pais estrangeiros quando do nascimento em território italiano. Por favor, quem for descendente de italiano da terceira geração em diante, e que tenha obtido a cidadania diretamente na Itália, esclareça nossas dúvidas. Obrigado.
  13. Allan Jones, duas perguntas: o teu primo conseguiu a cidadania por aqui no Brasil ou indo pra Itália e fazendo diretamente por lá? Caso tenha conseguido direto na Itália, quanto tempo levou pra isso? Acho que o colega não questionou acerca de existir ou não o direito à cidadania. O problema, que também me preocupa, e que não vi ninguém comentar, refere-se ao tempo de residência da pessoa na Itália. Existe um site onde dúvidas são solucionadas e, quando vi o que escreveram lá, fiquei preocupado. Isso porque a lei diz são italianos os descendentes ATÉ O SEGUNDO GRAU. Isso, de acordo com o Direito, vai até o avô. Quem tinha bisavô italiano pode ser obrigado a esperar até 3 anos, de acordo com a lei. Eis aí parte do parecer: "L'art. 9 della legge n. 91 del 1992 in materia di cittadinanza, precisa che lo straniero del quale il padre o la madre o uno degli ascendenti in linea retta di secondo grado (nonni o bisnonni), sono stati cittadini per nascita (e che nel caso che il padre o la madre non lo erano più al momento della nascita) può, se risiede legalmente almeno da tre anni in Italia, chiedere la cittadinanza italiana. Pertanto per poter chiedere la cittadinanza italiana non basta poter dimostrare l'origine dei parenti, ma è necessario anche aver già instaurato una legale residenza in Italia e, quindi, avere un regolare permesso di soggiorno in Italia da almeno tre anni." - disponível em http://www.meltingpot.org/articolo3154.html. Alguém aqui do fórum, BISNETO de italianos, conseguiu obter a cidadania em poucos meses morando na Itália?? - favor responder sem citar o texto anterior.
  14. MAGNOGIL - URGENTE! Pessoal, uma pessoa (MAGNOGIL) me mandou 2 mensagens privativas aqui no fórum a alguns dias atrás, mas eu não havia visto. Sinceramente não sei o que responder no segundo caso. Vão aí as duas mensagens: Obs.: por favor nominem eventuais respostas à pessoa acima. Grazie. 1- 10/02/06 - "Sou novo no forum e como estou esperando legalizarem minhas certidões no consulado e pretendo ir para a Italia, gostaria de tirar uma dúvida sobre o seguinte: - Eu tendo adquirido minha cidadania italiana direto na Italia, meus filhos aqui no Brasil poderiam depois ser beneficiados indo diretamente no Consulado para informar que tirei na Italia? Quero dizer, poderiam usar o meu processo para pedirem a cidadania no Brasil? E meus irmãos, poderiam tambem? Grazie." 2 - 20/02/06 "Não sei se já foi comentado aqui, pois sou novo no forum, mas ontem me disseram que se a tradução para o italiano for feita pelo Patronato eu não posso tirar a cidadania na Italia, isso é verídico? Se puder me informar agradeço. Obrigado."
  15. Ow, galera... Não sou editor nem nada, e cheguei aqui bem depois de muita gente. Não levem a mal, mas seria interessante deixar o tópico bem enxuto, não acham? Que tal fazer menção ao autor e à dúvida para a qual se está respondendo, sem incluir o texto das perguntas e respostas já postadas anteriormente? Já vi gente experiente aqui comentando que os novos integrantes do fórum fazem perguntas que já foram respondidas. Temos que levar em conta que eles fazem isso simplesmente porque, quando vêem que o tópico já está na página cinqüenta e bolinhas, não têm ânimo pra encarar uma leitura tão longa, sendo que, na real, boa parte dessas páginas está com citações das citações das citações anteriores. Se acharem conveniente, fica aí a sugestão. Abraços a todos. Mborto, Esse tópico já foi enxunto 2 vezes. Dá muito trabalho, mas concordo que vamos que fazer alguma coisa aqui.
  16. Wagner, Gostaria de saber se LÁ NA ITÁLIA eu teria problemas, uma vez que os nomes em italiano e em português são bem parecidos. Não é difícil perceber que se tratam dos mesmos nomes, mas tenho receio de que possam recusar meus documentos.
  17. Se alguém puder me ajudar, agradeço. Sabemos que a alteração de sobrenome que não seja substancial, tipo repetição de letras no sobrenome, já não é mais problema hoje em dia. Mas e quando o prenome das pessoas que vieram da Itália é alterado, como por exemplo, a pessoa se chamava FRANCESCO ou PAOLO, e aqui no Brasil registraram-no como sendo FRANCISCO ou PAULO?? Isso pode gerar problemas para iniciar o processo diretamente na Itália??
  18. Traveling, Você podia especificar o que foi que deu errado? Número do quê estava errado nos vossos documentos?
  19. ledomingos, Você já tentou falar com o consulado a respeito disso? Procure informações diretamente lá, porque são poucos os que têm experiência pra te dizer como se faz. Vou te falar o que eu fiz em Curitiba. Seguindo instruções do "setor cultural" do consulado (quando vc ligar pro consulado peça para eles transferirem a ligação para esse setor), eu fui atrás do histórico escolar do 2º grau no colégio onde me formei, depois tive que ir no núcleo estadual de educação para obter um carimbo de validade do histórico, depois no cartório para reconhecer a assinatura da diretora do colégio que expediu o histórico, depois reconhecer a assinatura da pessoa que apôs o carimbo do núcleo de educação. Com relação à documentação da faculdade, tive que pedir a emissão de um histórico escolar junto à instituição na qual estudei, e depois reconhecer firma do responsável pela emissão junto ao cartório. O mesmo tive que fazer com rel. ao diploma - reconhecer a firma do reitor, NO PRÓPRIO DIPLOMA (alguns ficam com pena de colocar o carimbo e selo do cartório no próprio diploma, mas o consulado exigiu. Mas fica tudo no verso). Depois de fazer tuuuudo isso, vc envia para o tradutor juramentado ou patronato e faz a tradução de tudo. Depois de pronto, envia para o consulado para que eles emitam uma "dicchiarazione di valore" e aponham o carimbo deles em todos os documentos (inclusive no diploma também, hehehe...), e daí tive que viajar até Curitiba só pra assinar um livro de protocolos. A informação que eu tive no dia em que fui lá, é que tudo tem que ser feito através do consulado. Se você vai para a Itália, quando vc tratar com a universidade de lá, automaticamente vc e a universidade terão que se comunicar com o setor cultural do consulado aqui. Você retira toda a documentação no dia em que vai assinar o livro. Não postei nada antes pq me parece que o consulado de São Paulo exige algumas coisas diferentes do de Curitiba, e pensei que não fosse ajudar muito. Abraços e buona fortuna!!!!
  20. Ótima idéia!! E que tal bloquear aquela opção de "incluir a citação"? Acredito que economizaria bastante espaço, pq já vi respostas incluindo até 10 citações anteriores. Quem quiser responder algo que direcione seu texto nominando o destinatário, como temos feito ultimamente. Fica aí a sugestão.
  21. quote:Originally posted by ariano Quando se troca o permesso di soggiorno pelo atessa de cidadinanza pode-se voltar para o Brasil, para esperar a finalização do processo e aí voltar pra Itália? id="quote">id="quote"> Dê uma olhada nas páginas anteriores deste tópico. Depois de obter o "permesso di soggiorno per attesa di cittadinanza", o funcionári da prefeitura (vigile) visita as residências (até 2 vezes dependendo da cidade) para verificar se a pessoa realmente está residindo lá. Não é bem assim a parada lá...
  22. Tomei a iniciativa e criei um novo tópico sobre MÁFIAS DE CONTRATAÇÃO DE MÃO-DE-OBRA. Quem tiver qualquer informação, por favor postar lá. O espaço também está aberto a informações sobre TRÁFICO DE PESSOAS e PROSTITUIÇÃO. Considero importante utilizar este espaço para alertar as pessoas que, na maioria dos casos, viajam para o exterior por necessidade. Abraços a todos.
  23. Alguém sabe dizer algo sobre a existência ou não de algum tipo de máfia de mão-de-obra estrangeira na Itália, mais ou menos ao estilo daquela existente no EUA e da polonesa na Inglaterra? Não sei se essas informações estão corretas. Alguém pode fz algum comentário? Acho interessante discutir um pouco sobre isso.
  24. quote:Originally posted by Alexandre Cordeiro Pra legalizar as documentos em curitiba faz-se necessário comprovar residencia da Itália? é isso mesmo? abraços id="quote">id="quote"> Infelizmente é verdade Alexandre. Mas como eu disse, o primeiro dos dois últimos comunicados do consulado está mal redigido, tanto é que, pelo que eu entendi de tudo, editaram o segundo logo em seguida pra deixar bem claro que só farão a legalização para quem já estiver lá na Itália. Obviamente, a pessoa terá que conseguir aquele certificado de residência na Itália (que eu imagino que seja o mesmo que você tenha que apresentar na questura quando do pedido do "permesso di soggiorno") e contar com alguém aqui no Brasil pra ir lá no consulado requerer a legalização. Outro jeito é efetuar somente a tradução por aqui (obviamente, por um tradutor juramentado) e iniciar tudo por lá, quando o comune fará o envio dos documentos para o consulado para legalizar, sem cobrança de taxa. Mas saber quando os documentos vão retornar, aí só Deus mesmo... Infelizmente a coisa tá feia em Curitiba. MAS QUERO RESSALTAR QUE EXISTEM OS CASOS URGENTES, que constituem exceção a essas regras. Leia os comunicados do consulado. Só não faço a mínima idéia do que seja um caso urgente para eles. AH!! QUANDO EU FUI ENTREGAR OS DOCUMENTOS PARA A LEGALIZAÇÃO, EXIGIRAM O PAGAMENTO EM ESPÉCIE (EM CÉDULAS), À VISTA, NADA DE CHEQUES OU CARTÃO. Para 11 certidões + 1 certidão negativa de naturalização paguei R$ 596,00.
  25. LEGALIZAÇÕES II Ah pessoal, eu ia me esquecendo... Até o final de 2004 havia uma "fila" para legalizações no consulado em Curitiba - legalização de documentos de registro civil para obtenção de cidadania diretamente na Itália. Os interessados deveriam aguardar nessa fila até 1 ano após deixar o nome registrado no consulado. Pois é... Quem esperou nessa bendita fila pode requerer a legalização, que sai dentro de no máximo 2 meses. PARA QUEM HAVIA SE REGISTRADO ATÉ O FINAL DE 2004, NÃO HÁ NECESSIDADE DE RESIDIR NA ITÁLIA PARA REQUERER A LEGALIZAÇÃO, como estão exigindo agora. Só se mudaram o esquema novamente, porque eu consegui obter meus documentos legalizados há pouco tempo. Não relatei nada aqui antes porque queria ver se dava certo mesmo. O que a pessoa tem que fazer é enviar um ofício dirigido ao Cônsul Geral da Itália em Curitiba. Quem quiser o modelo de ofício envie um e-mail pra mim: [email protected] Abraços a todos. Rod.Mar Obrigado por responder. Eu gostaria de saber pq vc teve que ir a Milão e passar por aquele problema todo, sendo que em Padova tbém tem questura. Por acaso foi pq vc havia feito o permesso de turismo lá em Milão quando chegou? Quando a gente desembarca em Milão, pode sair do aeroporto e fazer o permesso de turismo em outra cidade ou tem que ser lá?
×
×
  • Criar Novo...