Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

ianbrasil

Membros
  • Total de itens

    14
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

0 Neutra
  1. E aí Helder! Cara, o trekking no glaciar está fechado, mas as trilhas dos parques estão todas abertas, principalmente El Chatén. Muita trilha boa lá e com certeza muito o que fazer em 3 dias... Inclusive há pessoas que vão lá só pra fazer trilhas no inverno. Só tem que preparar alguns apetrechos de vestimentas (como caneleiras e um conjunto térmico decente) e aumentar uns 20 a 30% no tempo previsto de trilha por causa da neve... mas a paisagem é muito foda. Só não vi ninguém fazendo trilhas mais longas com acampamento, mas acho que até dá... hehehe Agora se tua idéia é ainda ir para Ushuaia, lá o pessoal gasta um bom tempo no esqui também, que dá pra passar vários dias fazendo. Tem um relato meu em Ushuaia nesta mesma época que você pode olhar pra ter uma ideia! Valew e boa viagem!
  2. Olhaí que beleza! Com o Fitz no fundo e tudo! Estava uns -5 graus na Laguna esse dia...
  3. Muito obrigado! O lugar é bonito mesmo!!!
  4. Em julho de 2014 fomos pra El Calafate, passar 7 dias completos, ou seja, em princípio bastante tempo para fazer todos vários passeios na região. Até porque a região é conhecida por ter diversas de suas atividades turísticas suspensas no período de inverno, bem, é verdade, mas pra quem quer “travar contato” direto com a neve e o “frio polar” é uma ótima época! A CIDADE: A paisagem em El Calafate é realmente muito bonita. A vista do lago argentino, (um lago gigantesco formado pelo derretimento dos glaciares) com a cordilheira dos andes no fundo é de doer os olhos. A cidade fica em uma região considerada de estepes, com índice pluviométrico menor que 400 mm por ano. A vegetação é em sua maioria arbustiva (as árvores maiores foram plantadas pelos moradores da cidade no entorno das casas, para reduzir o vento), daí o nome da cidade proveniente de um arbusto abundante na região, que dá uma frutinha escura com a qual se faz geleias e licores, disponíveis nos restaurantes e lojas da cidade para os “turistas” interessados. Para quem não “frequenta” muito a neve (e pra quem frequenta também!) é bom ir bem preparado pro frio nesta época, indumentária completa - segunda pele, sweter/casaco parrudo e casaco impermeável, calça térmica, e calça parruda – calça jeans é o mesmo de ir de sunga... Para mais detalhes pode ler o relato sobre Ushuaia que fiz, tem mais detalhes. O preço das roupas lá na cidade é alto, pois a cidade é um pouco isolada e, em sua região, não há redução de imposto como em Ushuaia. Porém, para quem esqueceu ou quer comprar alguma luva, meia térmica, segunda pele e até casacos impermeáveis bem baratos (de baixa qualidade mas duram uma semana fácil!) pode ir no La Anonima “grande” que fica no alto de uma subida (não é o pequeno La Anonima da San Martin!). É importante trocar o seu real por peso em Buenos aires (pode ser o banco de la nacion no aeroporto mesmo) pois os bancos lá NÃO trocam real, só tem um lugar que troca (THALLER na San Martin) e estava abrindo outro no Banco Santa Cruz. E este THALLER ainda fez o favor de estar de férias em julho e agosto, logo, se não levar dinheiro vivo, só trocando no hotel por uma mixaria sacando no caixa eletrônico com cartão de crédito, pagando todas as taxas da operação e ainda por cima o IOF. Não acho interessante levar dólar pra trocar, pois, apesar dos bancos aceitarem, você tem que fazer o câmbio duas vezes (REAL – DÓLAR e DÓLAR - PESO), com isso você paga o ágil da casa de câmbio duas vezes também... Lembrando que alguns passeios só aceitam dinheiro para pagamento. Por falar em férias, realmente no período do inverno pesado, muitas atividades estão fechadas ou restritas (Big Ice, trekking, El Chaten) e com o movimento de turistas menor (o que por um lado é bom!) muitos restaurantes e lojas estão fechados para dar férias para os funcionários, porém, isso é só uma observação, pois haviam diversos restaurantes abertos muito bons, inclusive para comer o viciante cordeiro patagônico. PASSEIOS: Bem, no primeiro dia fizemos um passeio forçado pois, como estava com tempestade de neve em El Calafate, o avião desceu em Rio Gallegos e pegamos um ônibus de umas 3h30 para El Calafate. Foi bom para admirarmos a estrada nevada e a região das estepes. É bastante interessante planejar seus passeios olhando a previsão do tempo, no nosso caso ela foi bem precisa, acertando até os horários que ia nevar ou não! Glaciar Perito Moreno Carro chefe da região, foi por causa dele que iniciaram as atividades turísticas da cidade. Formado entre as montanhas pelo acúmulo de neve em seus vales mais altos que pressiona o deslocamento lento e constante de uma gigantesca parede de gelo em direção a terra (península de magalhães). A vista é impressionante mesmo. Você pode pegar um transfer para o glaciar (têm vários na cidade) pagar a entrada do parque (150 pesos para Brasileiros - 80 para argentinos e para gringos 215) e fica livre para tirar fotos e fazer os três percursos de passarelas até fechar. No site do parque têm mais informações. A estrutura de passarelas ajuda a ter uma ótima visão da extensão do glaciar. Existe também um passeio de barco que pode ser feito antes de chegar às passarelas. Sinceramente não achei nada de mais... O barco é lotado, a vista é constantemente obstruída por neblinas matinais e a vista da passarela, principalmente as mais próximas, são bem mais amplas, tranquilas e bonitas do glaciar... Quem não fizer o barco não perde nada. Passeio de barco Glaciar Upsala e Spegazzini Além do Glaciar Perito Moreno, existem diversos outros na região. Dentro do parque dos glaciares, saindo de barco de um outro porto que fica às margens do lago argentino (não é o mesmo porto de onde sai o passeio fraco de barco) você tem acesso a outros glaciares, mais especificamente o glaciar Uppsala, o Glaciar Seco e o Spegazzini. Todos são belíssimos, mas não tem a estrutura de passarelas e comodidades do Perito Moreno, por isso deve-se ir de barco. É um ótimo passeio para fazer com crianças ou idosos, confortável e aquecido. A multidão do barco e o preço são os pontos negativos (1000 pesos p/p aproximadamente) e novamente achei as passarelas do Perito Morento o jeito mais bacana de admirar um glaciar. Só não esqueça de levar lanche, pois a duração do passeio e deslocamento é de aproximadamente 8 horas! 4x4 É um passeio de 3 horas que dá para fazer com outro (Glaciarium, City Tour ou até o Perito Moreno no verão, pois o parque fecha só às 20h). A empresa nos pegou no hotél e foi até a orla do lago argentino, onde andamos em uma praia com possibilidade de belas fotos. Após isso o jipão colocou correntes nas rodas e subiu uma elevação coberta de neve, descendo pela encosta oposta, novamente ótimas fotos. Depois ele segue para um pequeno telheiro na margem do rio "centinela" onde é feito um lanche na hora (hamburguer com refri) e ainda tem uma tirolesa free para fazer quantas vezes quiser o frio deixar. Este passeio é legal (440 pesos p/p) e bastante lúdico. Mesmo com poucos animais expostos no inverno pudemos avistar lebres, guanacos e falcões, bem como muitas pegadas de raposa. O único problema é a falta de banheiro (principalmente feminino) até a volta! Se der vontade, vai ter que ir ver de perto a moita de calafate com neve até o joelho! hehehe... Glaciarium Museu novo bem estruturado que fala tudo sobre neve e glaciares. Também uma visita rápida de aprox. 2 horas para o museu e o bar de gelo. Fica um pouco afastado da cidade porém tem transfer free, saindo de hora em hora de uma pequena rodoviária próximo a um restaurante chamado La Lechuza (A Coruja). Tem 3 desses restaurantes na cidade, mas se vc perguntar de onde sai o ônibus pro Glaciarium todos te falam. Agora se vc não estiver interessado em museu pode ir também pois no mesmo lugar tem um bar todo de gelo que fica o ano inteiro a -10°C, muito bom para tirar fotos e para experimentar umas biritinhas num copo feito de gelo. Pode ir com roupa "normal" que lá eles te colocam um mega sobretudo de pelo e uma luva que "quase" não te deixa passar frio... Existem fotos no site também. A bebida é liberada mas você tem que ser rápido, pois o tempo de permanência é só de 25 minutos (por 160 pesos museu + 140 pesos bar) . Calafate Mountain Park É um parque com diversas atividades de inverno e verão (as disponíveis vc pode ver no site). Bom para crianças e para adultos. Como não há estações de esqui na região, é um bom lugar para ir aprender ou mesmo esquiar (para iniciantes). A pista tem apenas algumas centenas de metros de extensão mas dá para praticar. Também estão disponíveis motos de neve e boias de borracha para a prática de tubing. Eu fiquei só no esqui mesmo, mas pra quem não quer "tentar a sorte" com esquis, o tubing parece muito bacana! Agora o melhor do parque foi o teleférico, principalmente na descida pois vc fica de frente para o lago e para uma paisagem muito bonita da região. Só se prepare pro frio pois quando fomos estavam agradáveis -8°C com vento de 12 nós! Parecia as dunas do inferno antátido... mas tava bem bonito! O preço varia muito de acordo com a atividade que queira fazer (aluguel equipo 160 pesos p/p teleférico + entrada 240 pesos p/p). City Tour + Cueva de Las Manos Também um passeio rápido, para conhecer a história (e a pré história) da região, você visita os locais onde os primeiros povos habitaram a patagônia, a aprox. 4000 anos e ainda conhece a história da colonização da cidade. Mas você tem que gostar bastante de conhecer história ou então ter um dia completamente ocioso, pois o passeio sinceramente é meio fraco... Na cidade ainda tem dois museus, o municipal que é praticamente uma pequena sala (a parte de taxidermia é legal para ver os animais que não houve oportunidade de conhecer na natureza) que é de graça (IÊÊÊÊÊÊ!) e um outro que conta a história dos animais da região e dos índios (muito mais interessante com montagem de esqueletos de dinossauro e tudo!) por 80 pesos p/p. Fazendo todos esse passeios no mesmo dia você praticamente esgota a história do lugar e tem um dia bastante cultural! El Chatén Aproveitando o tempo disponível fomos checar nossas opções e descobrimos que havia um ônibus que saía às 8h da rodoviária com destino à El Chatén e retornava às 20h (saida as 17h de El Chatén). No inverno só há um ônibus diário, no verão são vários, pode-se ver no site da cidade. Resolvemos ir. El Chatén é uma pequena cidade de 1.000 habitantes a 3h de ônibus de El Calafate. É conhecida por ser ponto de partida para diversas trilhas, entre elas a de escalada al monte Fitz Roy, considerado um grande desafio para os alpinistas e diversos caminhos a pé para glaciares. As trilhas estavam todas com neve até o joelho em alguns trechos o que causa muito desgaste para caminhar, logo, as opções para o tempo disponível de 4h de caminhada ida e volta eram duas: um grande lago congelado (Laguna Capri) ou um mirante próximo (mirante do condor) + uma cachoeira (chorrillo do Salto). Fomos para a Laguna. Para quem gosta de fazer trilhas como nós, é uma ótima oportunidade de admirar belas paisagens e fazer trilhas em ambientes extrordinários. Realmente é uma cidade que dá pra ficar fácil uns 3 dias (no mínimo) fazendo trilhas e admirando o lugar. O único problema (que pode virar vantagem!) do inverno é que há pouquíssimos turistas na cidade, devido ao frio (muito penoso para acampar) e a dificuldade de caminhar na neve (diminui o rendimento diário de caminhadas). Bem, essa foi a saga. Espero ter ajudado e BOA VIAGEM!!!
  5. ianbrasil

    relato MERGULHO EM BONAIRE !!!!!

    Então, Existe duas opções pra vc: A primeira é mergulhar sozinho (vc vai ver q os pontos são muuuuuito tranquilos e uma hora ou outra vai acabar mergulhando sozinho mesmo....) A segunda é, na hora de mergulhar, todos os locais de aluguel tem a opção de "procurar por duplas", vc marca o dia que vai sair e o lugar e alguém aparece pra mergulhar contigo, ou vc mergulha nos locais que tem gente com mergulho agendado. O problema é que dificilmente vai encontrar alguém falando português na ilha... Os habitantes falam um espanhol meio doido misturado com crioulo e "entendem" um português devagar, mas quem mergulha são só americanos e europeus... aí já viu! Porém nos melhores pontos (Hilma Hooker principalmente) SEMPRE vai ter gente mergulhando, então é mais fácil arranjar dupla. Se for mergulhar embarcado (todos os hotéis e várias agências na cidade agendam, tem inclusive pacotes com vários mergulhos embarcados) não terá problema com dupla, pois se não tiver eles te arranjam (ou ficam te olhando do barco - a visibilidade é maior que 30 metros!!!). Pode começar com mergulhos no recife de frente ao hotel que começam bem raso e botar tua esposa de máscara e snorkel acompanhando também, ela vai gostar muito pois mesmo fazendo flutuação vai ver bastante bicho! Não precisa fazer seguro viagem. Lá 90% é mergulho mesmo, mas tem um parque bacana (Slagbaai) que fica em uma extremidade da ilha que vale a pena perder uma tarde/manhã para dar uns passeios por lá. Vc entra com o próprio carro e faz trilhas de carro e a pé, com belas vistas. Quanto aos locais sugeridos pode ler o relato lá de cima mesmo... O que vai determinar a qtde de mergulhos q vc vai fazer é sua disposição! E os pontos são bem parecidos! O que vai mudar vai ser sua sorte cada vez que mergular no ponto . Só não deixe de mergulhar no Hilma (com dupla ou trio) e fazer algum mergulho noturno em frente ao hotel, é show! Espero ter ajudado!
  6. ianbrasil

    relato MERGULHO EM BONAIRE !!!!!

    E aí Cris! Bem, o nível de mergulho Open Water é mais que suficiente pra mergulho lá. A grande maioria dos pontos é saída de praia, bem próxima ao recife onde não há risco NENHUM de "se perder" e há um risco bem baixo de "estourar" a profundidade. Sem falar que quem tem problema com barcos (enjôo) vai gostar mais ainda de mergulhar lá! Esta chave do depósito realmente rola, vc pode pegar cilindros a noite/madrugada inteira se quiser (aguentar), e realmente é bem prático. Na hora que vc pega o cilindro vc coloca o número do quarto, o nome e assina, e fica responsável por o q tu vai fazer com ele. Eles falam diversas vezes que quem não tem curso NITROX não deve mergulhar NITROX, maaaaaaaaas, aí é contigo né. Eu não vi muita fiscalização quanto a isso (na verdade nenhuma...). Quanto ao roubo de carros, segundo eles, diminuiu bastante nos últimos anos. Mas lá eles não roubam "o carro" mas sim o q está dentro do carro. Então não é bizu levar "a bagagem" dentro da caminhonete qdo for mergulhar e (se não estiver chovendo), deixa tudo aberto, vidros e portas destrancadas etc... Aí se aparece algum ladrão, ele dá uma olhada, não acha nada e vaza. E é exatamente isso que eles recomendam lá no hotel e vc percebe q (quase) todo mundo deixa o carro aberto. Cilindro ninguém rouba... Espero ter ajudado! qq coisa estamos aí!
  7. ianbrasil

    relato MERGULHO EM BONAIRE !!!!!

    E aí Thiago, Cara, existem as cias Insel Air, Tiara air e DAE (Dutch Antilles Express) que fazem vôos para Bonaire (e outras ilhas da região). Todas elas operam para Bonaire com aeronave (bem) pequenas. Eu fui de Insel Air, não atrasou nem um minuto e não teve histórico de atrasos com outras pessoas que estavam lá na ilha... A Tiara Air eu não conheço e a DAE teve um histórico recente de problemas, mas parece que já solucionaram. Os preços são relativamente baratos e dá pra comprar tranquilo pela internet, inclusive para planejamento de horários de seus trechos. Em Bonaire, se vc gosta de mergulhar (certificado) e tiver disposição, vale muito a pena passar dois dias. Pois lá funciona no esquema da diária. Vc paga um valor pra mergulhar e mergulha infinitas vezes num dia, aí dá pra bater os principais pontos de mergulho! Mas como eu disse tem que chegar com disposição pq saída de praia é meio cansativo... Espero ter ajudado!
  8. ianbrasil

    relato MERGULHO EM BONAIRE !!!!!

    Daniela, teve um pessoal que ficou no Coco & Palm, saiu bem em conta, mesmo com o equipamento e carro por fora (tem alguns lugares que fazem esse pacote separado). Mas pra saber se vale só mandando email e "fazendo as contas" mesmo! No site do Buddy Dive já aparece a tabela de preços completa. Em termos de comodidade vale o Buddy, devido ao quarto, ao "Drive Thru" de cilindros e ao ponto de mergulho... Mas se tiver um pouco mais de paciência e uma certa habilidade no inglês dá pra pagar uns 20% mais barato pegando hospedagem em um canto e o pacote de mergulho em outro! Ah, um lugar muito bom pra pesquisar que tem um ponto de mergulho muito bom e deve sair algo mais barato com o pacote completo é o Capitain's Don Habitat... Espero ter ajudado!
  9. ianbrasil

    Ushuaia 9 dias completo! Com aprendizado de esqui!

    Quanto ao câmbio, eu troquei no meu hotel (não oficial) mesmo! Eles fazem "jogo" em real para hóspedes... Em Ushuaia eles lá valorizam bastante o real! Só levei alguma coisa de pesos trocados pra pagar taxi e lanches no aeroporto, o resto foi maço de real mesmo... Quanto as minhas passagens, eu comprei numa promo da TAM que saiu 800 ida e volta do Rio-Ushuaia...
  10. ianbrasil

    Ushuaia 9 dias completo! Com aprendizado de esqui!

    Então COHELIO, quanto às suas dúvidas deixe-me ver em que posso ajudar sobre Ushuaia: Em 7 dias vai dar pra conhecer bastante coisa de lá (quase tudo na verdade) se for só pra ficar em passeios, pois a região, apesar de bonita, não tem uma infinidade de atividades. Como disse no relato, vc vai passar alguns dias indo nos centros invernales escolhendo as atividade que deseja (passeio com cachorros, esqui de fundo, esqui alpino, caminhada noturna, motos de neve etc...). Você pega um guia atualizado (na verdade algumas folhas impressas...) das atividades disponíveis nos centros invernales com telefones etc. na secretaria de turismo, que é bem no centro do centro (San Martin, 674). Aqui já dá pra ter uma noção: http://www.turismoushuaia.com . Lá os passeios não variam muito de preço de um lugar pro outro... O passeio noturno é o mais caro. Coisa de 600 pesos por pessoa, mas você faz o passeio de trenó de cachorros, a caminhada na neve e o de moto de neve, muito bacana. O aluguel da hora do esqui de fundo é 50 pesos e mais 50 da aula (1 hora). Lembrando que para ir aos centos invernales vc pega uma van ida e volta 40 pesos. Fora os centros tem o canal de beagle que é 200 pesos por pessoa, os museus (o do presídio é o mais caro 110 por pessoa - mas é o melhor), o glaciar martial que é um ótimo lugar para visitar (vc só paga o teleférico de 30 pesos) e o pq nacional (no inverno um dia só dá pra ver tudo, pois as trilhas são quase todas fechadas) que vc vai com agência e guia que fala português, uns 200 pesos por pessoa, se quiser pegar o trem do fin del mundo os "precios" tão aki http://www.trendelfindelmundo.com.ar/servicios_tarifas.php é junto com a ida ao parque. Você inclusive espera quem foi no trem chegar pra continuar o passeio. Eu não fui, fiquei batendo um papo de uns 40 minutos com o guia... Pelo fato de vc passar 7 dias, sugiro muito que vá pelo menos "tentar a sorte" no esqui, no glaciar mesmo, pois é barato e tenho certeza que vai gostar muito e aproveitar seus outros dias pra "aprimorar a técnica". E não ligue se não aprender NADA na aula de uma hora, vc aprende mesmo é tentando "sobreviver" na pista! O primeiro dia quebra qq um... Ah! E deixe pra alugar o material lá no glaciar! É mais barato que na cidade! A aula é uns 190 pesos e o material mais 100 por dia. Tem aki atualizado http://www.escuelaushuaia.com/tarifas.php . Os preços realmente lá aumentam direto. O turismo é muito forte! Pode ser que daki pra lá já tenham dado uma "atualizada"... Espero ter ajudado! Boa viagem (daki a 9 meses) hehehe!
  11. Resolvemos ir em outubro 2013 a um dos lugares mais "famosos" de mergulho do mundo com essa finalidade (quase) exclusiva, mergulho em Bonaire! Bonaire é uma ilha no Caribe, que (quase(1)) nunca sofre com tempestades tropicais e apresenta uma conservação da vida marinha muito superior a qualquer outra ilha do Caribe. Com um destaque (e criação) local que se chama Dive Freedom, criado por uma figura lendária que se chama Capitão Dom. O Dive Freedom significa que você vai pegar um carro, quantos cilindros quiser e mergulhar onde e a hora que quiser, inclusive (na maioria dos locais) usando nitrox! Quanto e quando quiser! Só tomando cuidado pra não morrer de mal descompressivo... Resolvemos, por comodidade e por falta de referências, reservar nossa estadia em um hotel com (quase(2)) tudo incluso: hospedagem, aluguel de carro e mergulhos infinitos... Existem vários hotéis nesse esquema, mas escolhemos o Buddy Dive pois um colega meu já tinha ficado lá. O hotel é excelente! Tem tudo! Quarto amplo com cozinha completa, piscina, etc... e o preço razoável (comparado com o Brasil). Totalizando 1700 dólares (7 dias) por casal. E o melhor do hotel é com certeza o ponto de mergulho que ele se encontra , o Buddy Reef que além de belíssimo ainda tem uma estrutura muito boa pra mergulho (cais, tanques para lavagem de equipamentos etc...). Nossa alimentação foi, exceto café da manhã, inteiramente feito à base de supermercado e cozinha. Tem um supemercado bem próximo ao Buddy Dive (na avenida dos hotéis) e vários no centro da cidade com preço muito bom das coisas. Só não tem "aquela" variedade, mas em se tratando de coisas diferentes do Brasil, já se torna uma grande variedade... Depois descobrimos que se ficássemos em um outro local "mais simples" escolhendo quarto com cozinha, incluindo aluguel de carro e mergulhos pagaríamos 1250 dólares... No dia da chegada já fomos a uma loja de material de mergulho para fazer as compras pois, apesar de ser tudo incluso, o que vc não tiver de equipamento tem que alugar separado (por isso o "quase(2)"!). Colete por semana 60 dólares, regulador por semana 60 dólares, máscara 30, nadadeira 30, computador 120 e cilindro/lastro free... Dentre as lojas, a que encontramos mais barata foi a que fica no hotel chamado Caribb Inn, é só olhar no mapa e ir com seu carro alugado! Os preços são bem mais baratos do que no Brasil, mas perdem para os EUA, fica a dica! Comprei bota (2), nadadeira (2), máscara(2), noise maker (2), faca, bússola, neoprene e touca feminina... deu 400 dólares tudo. Todo o litoral oeste da ilha (de 30km aproximadamente) é mergulhável, inclindo Klein Bonaire, que é uma pequena ilha próxima. Existe um livro obrigatório de um fotógrafo sub que preparou um guia em português nesse site: http://www.pomacanthus.com.br/attachments/article/287/BonairePort.pdf que descreve os pontos de mergulho e outros locais da ilha, e um aplicativo gratuito de Bonaire pra andróide que também tem várias descrições em inglês, o nome do App é Bonaire mesmo... Ainda consegui fazer uma média boa de mergulhos por dia (é bastante cansativo) e algum dos pontos que fui foi (na ordem): Buddy Reef + La Machaca - excepcional pela facilidade e quantidade de vida. La Machaca é um pequeno barco emborcado a uns 10m de profundidade. Andréia I, Andréia II + Petries Pillar - entrada de praia fácil Karpata - Relevo diferente dos outros pontos, com profundidade até os 30m 1000 Steps - Entrada de praia peculiar Hilma Hooker - Esse é bastante diferente, pois é um navio relativamente grande, no meio de dois recifes, vimos muita vida "diferente" neste local, além da beleza do navio. Tanto é que fomos duas vezes. É um mergulho profundo (20-30m) por isso é bastante sugerido o Nitrox, apesar de (com um bom controle) ser possível fazer com ar também. Invisibles + Tory Reef - também faz parte do Recife duplo e é uma boa oportunidade para ver "bichos" que se escondem na areia, devido a uma longa faixa antes do recife. Buddy Reef + La Machaca Noturno - Esse dia foi insano pois apareceu de tudo no mergulho, inclusive apagamos as lanternas e ficamos uns 10 minutos "brincando" com o plâncton bioluminescente, fenômeno raro que demos sorte de encontrar no dia. Alice in Wonderlands - recife duplo com entrada de paria fácil. Front Porch - pouco recife porém com um naufrágio de um rebocador aos 18m. Ufa! Deu 14 mergulhos no total, com direito a inflamação no ouvido e meio surdo até agora... Fui na farmácia local e me deram um remédio doido que segurou a barra... não ia deixar de mergulhar por causa disso... Um fato interessante é que, apesar de ser um peixe muito bonito, está rolando um caça gigante ao lionfish em Bonaire... Dizem que ele está prejudicando o ecossistema da região... dá pena mesmo... Aproveitamos também pra rodar a ilha toda (Parque Slagbaai e a Lac Bay). Muito bonito e vale a pena tirar meio dia para um passeio. Mas não deu pra mergulhar na lagoa porque parecia um furacão o dia que fomos lá no ponto... Chuva e vento infernal e onda de 2m (por isso o "quase(1)")! Botamos o galho dentro e fomos mergulhar no lado oeste! Mas se tivesse de barco dava! Espero ter ajudado com o relato e aproveitem bastante os próximos mergulhos!
  12. ianbrasil

    Ushuaia 9 dias completo! Com aprendizado de esqui!

    Que beleza! Vai gostar muito de lá, um excelente lugar para ter "contato" com a neve! Se quiser saber de algo que esqueci de colocar pode deixar a mensagem aí!
  13. ianbrasil

    Ushuaia 9 dias completo! Com aprendizado de esqui!

    Fiquei no Rosa de los Vientos. É razoável (custo benefício!). Mas pode pesquisar entre várias opções no booking (foi o que eu fiz).
  14. Sempre aproveitei muito as dicas aqui do Mochileiros e agora resolvi dar minha contribuição! Resolvemos ir para Ushuaia no inverno (primeira quinzena de agosto) com a intenção de aproveitar a beleza da cidade com todos os passeios de inverno e ainda aprender a esquiar, usando uns 4 dias nesse intuito pra "aprimorar a técnica". A CIDADE: A paisagem de lá é realmente belíssima e bastante única (pelo menos para brasileiros que não estão lá muito acostumados com neve). A cidade fica colada na cordilheira dos andes, ao nível do mar. Na verdade é onde a cordilheira "termina" encontrando o Canal de Beagle, já quase na passagem de Drake que é o final do continente americano. Logo, a visão dos picos íngremes e escarpados congelados (em qualquer época do ano) é admirável. O frio no inverno é grande, logo, pra quem não está acostumado, a roupa básica pra botar o pé na rua (e esquiar) é a seguinte: camisa segunda pele (lá eles chamam de primeira pele...) um suéter parrudo (ou dois se preferir) e um casaco impermeável forrado (impermeável por causa do vento e da neve); calça segunda pele (ou meia calça mesmo...) uma calça de moletom (ou outra meia calça mais grossa) e a calça por cima, se for na rua pode ser jeans mesmo, para esquiar calça impermeável; meia grossa, tênis ou bota com solado largo, cachecol e touca! É meu amigo, 12 peças só pra botar a cara no vento! Mas se for pegar um taxi para ir num restaurante, não precisa se preocupar, os lugares são todos aquecidos e pra uma corridinha pro taxi e outra pro restaurante só precisa de um casaco e uma calça (com meia calça!). Dá pra comprar as peças na cidade, mas os preços não são tão bons. Comprei duas "segunda pele" no Carrefour e a luva de esqui na DDT da San Martin (a mais barata). O resto eu levei emprestado. Dependendo da quantidade de dias de permanência dá pra alugar ou comprar, comparando os preços. Aliás, os preços na cidade (passeios, restaurantes e roupas) são realmente salgados na alta temporada (os passeios são praticamente 50% mais caros que na baixa). E a alta temporada dura de 6 julho a 6 setembro e de 6 dezembro a 6 fevereiro (aproximadamente), logo, bote uma ratoeira no bolso! Os locais valorizam bastante o real e o dólar, e os caixas eletrônicos realizam saques com cartão de crédito desbloqueado, então pode se planejar! OS PASSEIOS: Canal de Beagle: Passeio de barco "obrigatório" para quem vai à região. Passa por pequenas ilhas onde se aglomeram animais do local. Uma ilha com muitos leões marinhos (cheiro bastante forte quando o barco está contra o vento). Outra com gaivotas e cormoranes que são aves parecidas com pingüins mas voam! Outra deserta onde se pode dar uma caminhada e bater fotos e a última do farol cartão postal de Ushuaia. É muito bonito, mas na minha opinião a visão mais bonita é a da cidade na saída do porto com o Glaciar Martial no fundo. No verão ainda é possível avistar uma pinguineira lotada. No inverno os pingüins são raros, pois estão em lugares mais "quentes", é verdade... Parque nacional da terra do fogo: Belíssimo parque com a natureza local preservada, árvores perenes e sazonais, vegetação de turfas e alguns animais como a raposa vermelha (muito comum e avistável facilmente por turistas), cisnes, castores (avistável no verão) e coelhos silvestres. Esses dois últimos são considerados uma praga pois foram trazidos por colonizadores europeus e não têm predadores naturais na região, logo, se reproduziram enormemente degradando a vegetação da região. A vista dos lagos da região também é maravilhosa, vale a pena a visita, porém, é mais um lugar onde no verão pode-se aproveitar mais os passeios, pois as trilhas são abertas e consegue-se ter acesso a muitas outras belezas do local. Glaciar Martial: É um lugar de trilhas no verão e no inverno basicamente esqui, porém vale a pena subir de teleférico no inverno para admirar a vista de Ushuaia e do Glaciar (por volta de 30 reais p/p). Falarei mais sobre ele no item esqui... Centros Invernales: Como o nome diz são os locais próximos à cidade que oferecem atividades de inverno, entre eles o Terra Mayor, Las Cotorras e o Harwen. Eles oferecem o esqui de fundo que é basicamente caminhada com esqui. Fizemos um dia inteiro de esqui de fundo que, além de permitir a apreciação da vista maravilhosa dos centros invernais ainda te dá confiança no uso de esquis com imensa facilidade (o calcanhar é solto) e com uma hora de aula você já consegue percorrer as pistas de até 10km da região! Nós fomos nos Las Cotorras (Ushuaia Blanca) e valeu a pena demais! Um macete é fazer a atividade apenas com segunda pele e o casaco forrado impermeável, levando um suéter e outra segunda pele para trocar, pois você sua bastante! Há também atividades como caminhada com raquetas que são pequenas pranchas arredondadas que se coloca no pé para poder caminhar mais "facilmente" sobre a neve fofa, não tem muita graça, mas é legal experimentar. Tem também motos de neve, trenó com cachorros e patinação no gelo. Nos centros invernales encontra-se o Cerro Castor que é uma estação top de esqui, equipes da Europa treinam neste local quando está no verão do hemisfério norte, falarei mais sobre ele quando falar sobre esqui... Neve e Fogo: Bem, esse é um passeio clássico noturno para variar o ambiente. O nome varia de acordo com o centro invernal que fizer, mas ele sempre envolve um passeio de trenó com cachorros, com raquetas de neve e uma janta, alguns oferecem também a opção de motos de neve. Fizemos o passeio que incluía tudo e valeu a pena. Se puder escolher, escolha uma noite com lua cheia, a paisagem é indescritível. Museu Yámana, Fim do Mundo e Presídio: Para quem tem a curiosidade de saber a história dos habitantes primitivos, dos colonizadores e da cidade (e tem tempo disponível) esses museus são muito interessantes e dá pra serem visitados em um dia. Começe pelo Yamana depois o Fim do Mundo e deixe o presídio por último, pois este é o maior e mais interessante. Se tiver pouco tempo vá apenas ver a seção de taxidermia do museu do fim do mundo e depois o presídio, que reúne um pouco da história dos outros museus. ESQUI: Bem, misture um pouco de tempo livre com coragem e com alguma dosagem de diclofenaco que você irá aprender a esquiar. Não é difícil mas exige persistência. A sequencia básica é a seguinte: Roupas: Veja o item "A CIDADE" acima. Não deixe de botar o traje completo e quente, pois quando estiver sentado no teleférico subindo com neve, vento e sensação térmica de -15° C não vai ter como voltar, independente que na hora da "atividade" você acabe suando um pouco. Quanto a alugar ou comprar, verifique o tempo de estadia e compare com os preços dos locais de aluguel da cidade. Locais: Existem dois locais na cidade para a prática. O Glaciar Martial que tem escola de esqui e apenas uma pista de intensidade intermediária / difícil para a prática. Já o Cerro Castor é o maior centro de esqui da América Latina, com mais de 20 pistas para iniciantes ou avançados e escola de esqui. Nós preferimos o Glaciar Martial para fazer a aula e as primeiras tentativas pois o preço do aluguel de equipamento / aula / taxa de utilização é bem inferior (quase 1/3) e, pra quem não sabe nada, tanto faz assim como tanto fez! Com uma hora de aula (eu no Snow e minha esposa no Esqui) aprendemos a colocar e tirar o equipamento e a começar a tentar chegar perto de saber algo muito próximo a nada. É verdade... Mas não se engane! Apesar de ser desanimadora a primeira hora de aula no segundo dia já estávamos conseguindo descer a pista intermediária com poucas quedas (é, você vai cair...) o que é muito promissor! No terceiro dia já estávamos bem mais a vontade. Uma idéia boa é, em algum dia depois da aula você chegar cedo (a estação abre 10h no inverno) e descer no mínimo umas 5 vezes, com muita calma. No Martial há muitas pessoas aprendendo (e atrapalhando a descida dos outros) então você será mais um, não há problema! No Cerro Castor existem pistas excelentes para aprendizado que, com o auxílio certo, este se tornará bem menos traumático, mas existe aquela diferen$$a que citei acima! Só mais um detalhe! No Glaciar Martial eles retém um documento seu para alugar o equipamento, logo, se você não quiser correr o risco de deixar teu passaporte retido (ou esquecido) leve outro! Pode ser qualquer documento, eles não ligam! Eu deixei carteira de estudante vencida... Para quem já tem alguma experiência, existe um traslado ida e volta de Van que cobra na faixa de 40 reais por pessoa por dia que te busca na porta do hotel e te deixa na entrada do Cerro Castor. Se quiser alugar o equipamento por vários dias na cidade (o que sai beeeem mais barato), a Van leva e traz todo o equipamento sem problema. É bem confortável! Espero ter ajudado! E gostaria de agradecer ao Assis Oliveira, blogueiro do Mochileiros que passou um macete indispensável pra eu conseguir "ficar em pé" na prancha! hehehe
×