Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

mbat

Membros
  • Total de itens

    13
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

0 Neutra
  1. Olá quelteixeira! Obrigado e tenho certeza que vai se apaixonar também pelo Camboja e pelo Vietnã!!!
  2. Legal Gabriel! Mas é assim mesmo. Vamos ficando com vontade de conhecer algum lugar e isso vai fazendo com que as coisas aconteçam. Já já aparece alguém com quem possa compartilhar essa viagem. Abraço!
  3. Obrigado Priscilla! A intenção é de ajudar mesmo. Respondi acima para o Fabiano quanto estou estimando que gastamos. Mais pra frente vou inserir numa planilha dividindo mais detalhadamente os gastos e coloco aqui. Sobre os deslocamentos, fizemos tudo de avião para economizar tempo. Nosso itinerário foi o seguinte: 05/02 - SP->BKK (KLM) 07/02 a 10/02 - BKK 11/02 - BKK->Chiang Mai (avião - Thai Lion Air) 12/02 a 14/02 - Chiang Mai 15/02 - Chiang Mai->Hanoi (avião - Vietnam Airlines) 16/02 a 18/02 - Hanoi (halong bay 2 noites) 19/02 - Hanoi->Siem Reap (avião - Vietnam Airlines) 20/02 a 21/02 - Siem Reap 22/02 - Siem Reap->Krabi/Railay Beach (avião - Air Asia e longtail boat) 23/02 a 26/02 - Railay Beach e Ao Nang (Krabi) 27/02 - Krabi->BKK (avião - Nok Air) 28/02 - BKK->SP (KLM) 29/02 - Chegada SP Qualquer dúvida pode perguntar. Abraço!
  4. Se a viagem é a dos sonhos, vai que vai Fabiano! O Buda é gigantão mesmo. Impossível não se impressionar. Sobre os gastos ainda não fechei não. Falta a última fatura do cartão e outros detalhes. Mas estou estimando que gastamos por volta de 26K para 2 pessoas (13K por pessoa). Pagamos R$ 7.600,00 de passagens (R$ 3.800,00 por pessoa). Saímos do Brasil em 05/fev e chegamos em 29/fev. Pretendo colocar numa planilha depois quando fechar as contas dividindo os gastos. Abraço!
  5. Valeu Paula! Fizemos o passeio pra Bai Tu Long Bay meio por sorte mesmo. Vimos o relato dos 2 Felipes e eles fizeram o passeio com a empresa Indochina Junk. Vimos que era bem recomendada no tripadvisor e fomos com eles. E só lá descobrimos que eles vão pra Bai Tu Long Bay e não Halong Bay. Bom, como está no relato, foi a melhor parte da viagem. Espero que consiga fazer e que seja tão legal para você com foi pra gente. Abraço!
  6. Olá a todos! Recentemente, minha esposa e eu fizemos uma viagem de 21 dias para o sudeste asiático, incluindo Bangkok, Chiang Mai, Hanoi, Halong Bay (na verdade Bai Tu Long Bay), Siem Reap e Krabi (Railay Beach e Ao Nang). Existem diversos relatos aqui explicando detalhadamente como foram as viagens para estes locais, portanto não vou me ater ao que já é bastante batido, porém, fizemos alguns passeios e passamos por algumas situações que normalmente não tem muitos relatos e decidimos que seria interessante colocá-los aqui para ajudar novos viajantes. Portanto vamos somente ao que interessa! 1) Wat Muang em Ang Thong partindo de Bangkok: a maior estátua de Buda da Tailândia e a nona maior estátua do mundo fica a menos de 2h de Bangkok, um pouco depois do Ayuttaya. Pesquisei e não vi dicas de como ir para lá em português. Na verdade só vi dois relatos em inglês. Então vou tentar deixar aqui explicado como fizemos pra chegar lá. O lugar é muito agradável e a figura imensa do Buda é simplesmente espetacular. a) Chegamos por volta das 8h no monumento da vitória em Bangkok, pois é de lá que partem as vans que seguem até Ang Thong, onde está o Wat Muang. As vans brancas que partem para Ang Thong ficam na região do fashion mall. b) Para o primeiro cara que achei que trabalhava com as vans eu cheguei e disse "Ang Thong" e ele respondeu "Ang Thong?", aí eu disse "Ang Thong" e ele disse "Ang Thong" e fez um sinal para eu segui-lo. Ele me deixou num local onde eu comprei a passagem. Falei "Ang Thong" de novo para o atendente e ele me falou algo que não entendi. Falei "Ang Thong" e ele me falou algo que não entendi de novo. Daí começamos a rir e ele me mostrou uma nota de 100 bahts. Daí entendi que a passagem custava 100 bahts. Dei o dinheiro e ele gritou algo para outro cara que estava próximo de uma van. Fui até ele e entreguei a passagem. Falei novamente "Ang Thong" e ele responde balançando a cabeça afirmativamente "Ang Thong". Entramos na van e esperamos dar 8:30h que foi o horário em que a van saiu com destino a "Ang Thong", rs... c) Depois de 1:30h a van nos deixou numa mini rodoviária. Na entrada da rodoviária tinha um tuk-tuk. Dissemos "Wat Muang" e acertamos o preço. Em 15 minutos estávamos em Wat Muang. O motorista do tuk-tuk ficou esperando a gente até meio-dia. Ficamos quase 2h por lá. Existem outros templos na cidade. Mas como também queríamos conhecer Ayuttaya, quando voltamos à mini rodoviária de Ang Thong, pegamos uma van para lá. Percorremos o caminho em 45 minutos e conseguimos aproveitar bem Ayuttaya antes de voltar a Bangkok. Ou seja, dá para fazer Ang Thong e Ayuttaya no mesmo dia. Gostamos muito do Wat Muang, muito mesmo, e recomendamos a visita. Parece que de sábados e domingos é possível visitar as instalações embaixo da estátua. Como fomos em dia de semana, estava fechado. Além da estátua, existe outro templo (dos espelhos) que também é bonito e diferente, e na área em frente à estátua, existem diversas figuras retratando o paraíso e o inferno na visão budista. Programa imperdível! 2) Elephant Nature Park em Chiang Mai: fizemos o passeio de 1 dia inteiro e foi muito legal. Este é um daqueles lugares que acolhem e cuidam de elefantes que sofreram abusos para serem adestrados a jogar futebol, pintar, carregar gente nas costas, etc. É possível ter contato com os elefantes de modo menos invasivo (dar comida e banho, por exemplo). Recomendamos muito este lugar. Pareceu-nos verdadeiramente honesto. 3) Indo a um hospital na Tailândia - Rama Hospital em Chiang Mai: resumo da história, comi algo que não devia em Bangkok (até agora não sei exatamente o que foi e olha que fomos precavidos) e ganhei de brinde uma bela infecção alimentar. Febre e diarreia por dois dias. Por recomendação do hotel em que estava e do seguro viagem (cartão VISA) fomos a este hospital particular em Chiang Mai. Na recepção, de cara identificamos um balcão de atendimento a estrangeiros e 1:30h depois já estávamos voltando para o hotel com todos os remédios receitados pela médica que nos atendeu. Total da conta, 2.800 Bahts (aproximadamente R$ 300,00 na cotação atual). Este total foi para consulta a duas pessoas (eu e minha esposa) e medicamentos receitados somente para mim que estava em estado pior. 4) Bai Tu Long Bay (Vietnam): Na minha opinião, o ponto alto de nossa viagem. Minha esposa também coloca no topo da lista junto com Angkor (Camboja). Ficamos 2 noites em um barco navegando por um cenário dos mais bonitos que já vimos. O tour padrão e mais conhecido é para Halong Bay. Porém, seguindo dicas do mochileiros, fizemos o passeio com a empresa Indochina Junk e eles não vão para Halong Bay, mas sim para um local vizinho chamado Bai Tu Long Bay. Porque isso é importante? Bai Tu Long Bay ainda é pouco explorada turisticamente. Com certeza isso vai mudar e esta "exclusividade" não deve durar muito tempo. Vá enquanto puder. É espetacular! 5) Angkor com visita guiada em português: Encontramos um cambojano que fala português, e muito bem!!! Ele se chama Alex e fizemos uma visita guiada com ele pelos templos de Angkor por 2 dias. Não é barato, mas sem ele a visita não teria sido tão especial. Tanto por suas explicações do período das construções dos templos e o contexto político/religioso envolvido, como também, para o nosso bem-estar, foi essencial ter como transporte entre os templos um carro com ar-condicionado e água para hidratação (incluído no pacote do Alex). O calor por lá é diferente do que nós estamos acostumados (somos de SP). Explico melhor no item 7. Recomendamos muito os serviços do Alex. Seguem os contatos: email: [email protected] site: http://guide7languages.wix.com/guiaemangkor 6) Passeio a Hong Island a partir de Krabi: Ficamos 3 noites em Railay Beach e 3 em Ao Nang. De Ao Nang, fizemos o passeio "padrão" para Hong Island. Passeio com aproximadamente 30 pessoas no barco. Desembarcamos por volta das 11:00h em Hong Island. Cenário muito bonito, água verdinha e pouca gente. Nos minutos seguintes, começaram a chegar mais barcos. E mais turistas. Em 20 minutos, a pequena faixa de areia destinada aos banhistas já estava tomada de gente, e o mar apinhado de coletes salva-vidas (recomendam usar). Em um momento me senti como se estivesse naquela cena do Titanic, logo depois que o navio afunda, com um monte de gente no mar se debatendo. Não foi legal. Não sei se há como se livrar disso sem gastar muito mais pelo passeio, talvez um barco privado em horário alternativo, mas fiquem cientes que o passeio "padrão" pode ter uma quantidade absurda de turistas. Para alguns, isso é indiferente. Para outros é legal. Para nós, não foi. 7) O calor e as diferenças de temperatura: Somos um casal de brasileiros e estamos, de certa forma, habituados com o calor. Temperaturas de 30º/35º não são incomuns em SP. O calor nas praias por lá é exatamente o mesmo que sentimos no Brasil. Sol direto, queimando a pele. Mas o calor nas cidades...achamos bem diferente. Em Bangkok e em Siem Reap o calor nos afetou por alguns momentos. É até difícil explicar mas, nestas cidades, parece que há uma camada de poluição que faz com que se tornem estufas. O sol não bate direto em você, não dá pra ver o céu azul, mas o sol está lá. E está te cozinhando. No começo parece que está tudo bem, mas no final do dia vem aquela moleza, uma fraqueza. Tomamos precauções: passamos protetor, usamos boné e tomamos muita água e sucos. Mas mesmo assim, sentimos que o calor por lá é diferente do que temos aqui em SP. E o choque térmico entre este calor (pegamos sensações térmicas de 37º) com a temperatura baixíssima de alguns locais com ar-condicionado, pode provocar estragos. O local mais frio em que ficamos (e apelidamos carinhosamente de frigorífico) foi no aeroporto de Don Mueang, embarcando para Chiang Mai. Pareceu-nos estar por volta de 15º. Muito frio. Agora imagina, você saindo de uma temperatura que beira os 40º, indo para 15º por algumas horas e voltando para uns 35º. O corpo pode não lidar muito bem com isso. Portanto, sempre leve alguma roupa para frio em sua mochila de mão para os locais muito frios, e nos locais muito quentes, não abuse e tome muito líquido. O que teríamos feito diferente: Teríamos ficado menos tempo nas praias do sul da Tailândia. As praias e ilhas são lindas. Sem dúvida. Mas sendo bem sincero, no Brasil temos praias tão bonitas quanto ou até mais. E com estes dias, teríamos ido conhecer outro local, talvez Laos, Mianmar ou Indonésia. Registre-se, não fomos a Phi Phi e não conhecemos Maya Bay. 9) Lista de hotéis em que ficamos: Lamphutree Hotel (Bangkok) - bom e localizado perto dos templos principais e da Kao San. Le Canal Boutique House (Chiang Mai) - bom e bem localizado (nos ajudaram bastante quando passei mal). Golden Palace Hotel (Hanoi) - muito bom e bem localizado. Golden Temple Villa (Siem Reap) - bom e bem localizado, nos trataram excepcionalmente bem, mas não tem elevador! Sand Sea Resort (Railay Beach) - muito bom e numa das melhores praias do sul da Tailândia. Aonang Viva Resort - bom mas um pouco distante da praia (uns 10 minutos de caminhada). U Sukhumvit Bangkok - excepcional, com localização mais próxima do centro comercial, pertinho do rooftopbar Above Eleven. 10) Aplicativo de mapas para celular: Vimos várias pessoas durante esta viagem que usavam os mapas dos hotéis (ou aqueles para turista) para tentar se localizar. Normalmente estes mapas não têm escala e omitem algumas ruas o que torna seu uso bastante complicado. Há tempos utilizamos o aplicativo Here Maps da Nokia. Com ele é possível baixar os mapas dos países que serão visitados para consulta offline. Ou seja, basta habilitar a localização do celular e ele vai te posicionar no mapa em qualquer lugar. É possível traçar rotas tanto de carro como a pé. Não viajamos sem ele e não conhecemos outro melhor. 11) Melhor câmbio no aeroporto de chegada em Bangkok: Chegamos em Bangkok e a primeira coisa a fazer é trocar dinheiro, no aeroporto. Aeroporto normalmente tem as piores cotações e normalmente tudo tabelado. Levamos dólares e a melhor cotação que encontramos enquanto ficamos pela Tailândia foi (acredite se quiser) no aeroporto, na nossa chegada. Essa cotação encontramos nas cabines de troca de dinheiro no subsolo, seguindo as placas como se fôssemos pegar o metro. Então fica a dica, troque nas cabines que ficam na entrada do metro que vai ter uma cotação bem melhor do que no resto do aeroporto e talvez seja a melhor cotação que consiga por toda sua estadia por lá!
  7. Valeu pela resposta Adriano. Já estava bem desconfiado e sua opinião me ajudou a resolver desistir dessa "oportunidade", rs... Sigo pesquisando e aguardando promoções!!!! Que as CIAS aéreas me ajudem Obrigado!
  8. Olá pessoal. Tenho algumas dúvidas e gostaria de saber se poderiam me ajudar. Pretendo ir para a Tailândia ano que vem e venho pesquisando preço de passagens e promoções. Utilizando o ViajaNet apareceu uma oportunidade interessante mas completamente diferente do que estou acostumado. Simulando uma viagem, consegui um bom valor em um vôo com duas conexões, mas com 3 cias aéreas diferentes e que não tem codeshare. Na ida LAN/SWISS/THAI e na volta S7/QATAR/LAN. As conexões tem até um tempo razoável entre elas (2h em média) Não consegui simular o mesmo vôo no site de nenhuma destas companhias. Minha dúvida é como saber se será emitido 1 única passagem ou se serão emitidas várias. Como saber qual a cia aérea "principal" com a qual eu reclamaria caso algum vôo atrasasse? No final das contas, gostaria de saber se isso é comum ou se há muito risco nesta maluquice, rs... Já viajei com conexão algumas vezes, mas o máximo que ocorreu foi sair de Air France para uma KLM (cias quase irmãs). Se puderem me dar a opinião de vocês agradeço muito.
  9. Obrigado Cris. Fiquei mais tranquilo.
  10. A quem puder ajudar, acho que terei problemas. Comprei passagens de trem através do site da Bahn e selecionei como identificação meu cartão de crédito. Claro que algo tinha que dar errado. Este cartão de crédito foi bloqueado pelo banco por tentativas de compra fraudulenta sem possibilidade de desbloqueio. Resumindo, o cartão não pode mais ser utilizado, mas ainda estou em posse dele. Minha dúvida é se, para minha identificação pelos funcionários da Bahn nos trens, basta apresentar o cartão de crédito com o e-ticket ou se há necessidade deste cartão estar válido com senha funcionando? Outra questão. Fiz algumas reservas de hotel com este cartão. Já foram aprovadas e tenho os e-mails de confirmação. Será que posso ter problemas com estas reservas? O gerente da minha conta me garantiu que todas as compras feitas até o bloqueio serão pagas normalmente. Obrigado!
  11. Vou tentar pelo site da Bahn. Mais um vez, obrigado Adriano!
  12. Olá Adriano! Com relação à compra no site da SNCF entendi que o e-ticket só pode ser comprado por cartões Verified By Visa (ou o equivalente da Mastercard). Meu cartão não tem esta tecnologia. A compra para retirada lá não exige que seja VbV, por isso a dúvida. Muito obrigado pelas respostas. Ajudou bastante!
  13. Olá pessoal. Este é meu primeiro post, mas já estou há alguns meses lendo o fórum para planejar uma viagem para a Europa em janeiro de 2014. Apesar de ter pesquisado bastante por aqui (e em outros sites) ainda tenho algumas dúvidas. Eu e minha noiva pretendemos fazer o seguinte roteiro: São Paulo - Paris - 13/jan Paris - 14 a 17/jan (4 dias) Paris - Munique -18/jan = Trem ou avião Munique - 19 a 21/jan (3 dias) Munique - Viena - 22/jan => Trem Viena - 23 e 24/jan (2 dias) Viena - Budapeste - 25/jan => Trem Budapeste - 26 a 28/jan (3 dias) Budapeste - Roma - 29/jan => Avião Roma - 30/jan a 02/fev (4 dias) Roma - São Paulo - 03/fev Seguem as dúvidas: 1) Há alguma coisa que pode ser melhorada no roteiro? Tentei utilizar todas as informações que pude deste fórum para montá-lo, mas posso ter escorregado em algum ponto. 2) Paris-Munique é melhor fazer de avião ou de trem? De avião a viagem leva em torno de 2h, e de trem em torno de 6h. 3) Se eu decidir fazer o trecho Paris-Munique de trem e comprar no site da SNCF escolhendo a opção de retirada nas máquinas das estações, este processo de retirada lá é tranquilo? Alguém teve alguma experiência ruim? (sei que vou precisar levar o cc que utilizei na hora da compra) 4) Para comprar tickets de trem no site da bahn devo selecionar o cc como documento de identificação. No formulário solicitam para colocarmos o nome e sobrenome para identificação. No meu cc o sobrenome está abreviado. Devo preencher o formulário de identificação com meu nome/sobrenome como está no passaporte ou abreviado como está no cc? Ou isso não importa, e eles conferem somente o número do cc? 5) Eu já comprei a passagem de ida e volta, e consegui incluir o trecho Budapeste-Roma quase sem custo. Neste vôo (será operado pela Alitalia) eu tenho que me preocupar se vou pagar para despachar bagagem como ocorre nas low-cost? 6) Ainda não me decidi como levar dinheiro para lá. Minha ideia atual é levar uns 500,00 euros em espécie, levar cartão somente de débito e ir sacando dinheiro lá direto da conta corrente. Além disso, levar cartão de crédito como backup. Estou descartando os VTMs. Acham que esta estratégia (500,00 euros + saque no débito + cc de backup) é suficiente? Terei algum problema com a imigração por levar somente 500,00 euros em espécie? 7) Quando estiver por lá, como tratar dinheiro/passaporte/cartões/passagens? Os cofres dos hotéis são confiáveis para guarda destes doctos? Ou devo carregar tudo comigo a todo momento? Ufa. Por enquanto acho que era isso. Agradeço antecipadamente a quem puder ajudar.
×