Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

bstorquato

Colaboradores
  • Total de itens

    100
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

15 Boa

2 Seguidores

Sobre bstorquato

  • Data de Nascimento 22-03-1992

Outras informações

  • Lugares que já visitei
    Uruguai, EUA, Paraguai, Espanha, Bélgica, Holanda, Alemanha, Eslovênia, Croácia, Montenegro, Albânia, Bósnia e Herzegovina, Itália, Vaticano, Mônaco, França, Portugal, Marrocos.

    Diversos lugares no Brasil. :)
  • Próximo Destino
    Nunca faço planos. Apenas vou.
  • Meus Relatos de viagem
    Todos em: www.tireabundadosofa.com.br
  • Ocupação
    Mochileiro
  • Meu Blog

Últimos Visitantes

432 visualizações
  1. @TMRocha , realmente existem diversos riscos, mas acho que isso torna a experiência ainda mais enriquecedora, desafiadora e traz um crescimento pessoal ainda maior. Quando enfrentamos situações desse tipo, percebemos que existem muito mais pessoas boas no mundo do que más.
  2. Olá Elisabeth! Realmente são cidades mais românticas e família, mas com certeza da pra ir sozinha, não se preocupe com isso. Com relação a excursão pra lá, saindo de SP, eu não saberia dizer. Mas acho que é tranquilo você ir por conta mesmo, de ônibus. Ou quem sabe até alugar um carro, se encaixar no seu orçamento. Se quiser algumas dicas de o que fazer na região, da uma conferida nesse post: O que fazer em Gramado e Canela
  3. bstorquato

    Dicas para uma mochileira inexperiente e que viajará para o Marrocos sozinha

    @aryy, o hostel que eu fiquei e trabalhei fechou pouco tempo depois. Assim em específico não sei te dizer algum lugar bom, mas sei que tem vários outros hostels bons na cidade. Da uma olhada nesse: http://www.booking.com/hotel/ma/riad-amsaffah.html?aid=1175633&no_rooms=1&group_adults=1&label=marrakech-mochileiros
  4. Com apenas 16 anos de idade ele passou 1 ano fazendo intercâmbio na Austrália, longe dos pais, dos amigos e do conforto de casa. Você teria coragem? Ou melhor, você mandaria o seu filho para uma experiência como essa? A maioria do pais que eu converso me dizem a mesma coisa: Jamais! Como ele vai se virar? E o risco de fazer coisas erradas? Com 16 anos é muito cedo! Bora fazer um intercâmbio? Eu discordo! E o Rafa, que passou por isso, também. Quer descobrir por quê? Esse é o terceiro episódio da série 10 Minutos no Sofá, e dessa vez o papo é justamente esse, porque você deve mandar o seu filho para um intercâmbio o mais cedo possível. A série 10 Minutos no Sofá Com objetivo de transmitir a essência de sair da zona de conforto, quebrar preconceitos e conhecer novas culturas, surgiu a série 10 Minutos no Sofá. Uma série onde eu chamo uma galera pra bater um papo, pessoas que fizeram viagens transformadoras. Experiências que influenciaram o seu jeito de viver e seus valores. Deixe-se levar pela conversa e inspire-se a Tirar a Bunda do Sofá. 10 minutos no sofá com Rafa Para o terceiro episódio, busquei uma experiência totalmente diferente dos dois primeiros, que foram baseados em trabalho voluntário pelo mundo. Nesse, a transformação através da viagem veio ainda mais cedo, quando Rafa tinha apenas 16 anos. O Rafael é o primeiro da direita. Rafa é um colega meu de tempo já, mas nunca tínhamos conversado a fundo sobre a sua viagem, e é claro que não podia deixar de bater um papo com ele para essa série. Assista esse bate papo inspirador no video abaixo, ou se preferir, apenas ouça enquanto faz outra coisa. Intercâmbio cultural na Austrália com apenas 16 anos Confira abaixo os pontos principais dessa conversa com o Rafa. Para saber tudo sobre essa incrível experiência, assista o video acima. Rafa, com apenas 16 anos você fez um intercâmbio de 1 ano. Me conta ai, como foi isso? Rafa: Esse ano (2017) fazem 10 anos que eu fiz essa viagem, na época foi meu pai que deu a ideia, inspirado no meu primo, que fez o mesmo intercâmbio em 1997. Então lá ele já pensou, quando meus filhos tiverem na idade certa, eles vão também. Pais australianos do Rafa E qual era o foco desse intercâmbio? Rafa: Apesar de você estudar durante esse ano, o foco do Rotary é o intercâmbio cultural, ou seja, conhecer uma nova cultura, trocar experiências e conhecer pessoas. E foi isso que eu fiz, tanto que eu já deixei bem claro para a minha família lá que eu não tinha a intenção de validar meu ano escolar quando voltasse para o Brasil. Rafa viajou por toda a Austrália Quais foram os principais benefícios desse intercâmbio? Rafa: A primeira coisa que vem na mente é a rede de contatos que você faz. Conhecer pessoas e a cultura delas. Teve pessoas que eu conheci lá e que depois de 5 anos me falaram “Rafa eu to indo pro Brasil”. Na hora eu falei: Fica aqui em casa. E isso é muito legal. E além disso a maturidade que você desenvolve, a capacidade de se virar e se tornar uma pessoa mais responsável. E quando teu pai deu a ideia, o que você pensou? Rafa: Eu lembro que eu abracei a ideia na hora, em nenhum momento eu hesitei. Minha mãe não foi contra, mas ficou um pouco receosa, e já meu pai tinha na cabeça a ideia de que se ele pudesse ele teria feito também. O que mudou no Rafael depois do intercâmbio? Rafa: É difícil dizer “eu sou assim hoje devido ao intercâmbio”, mas sem dúvida essa experiência me deixou muito mais aventureiro. Eu vi que o mundo é muito pequeno e está ai para ser explorado. Todos os lugares que você visita estão sempre lá, é só você tirar a bunda do sofá e ir até ele. Você, como intercambista, o que tem a dizer para os pais que tem medo de mandar o filho em uma viagem dessa? Rafa: Desapega! Tira o filho de dentro das asas e manda pro mundo. Talvez ele até vá e faça festa, beba e vomite, mas com certeza vai aprender com isso e se tornar uma pessoa muito mais madura. E nem só para os pais, para os próprios jovens que as vezes não querem, por conta de atrasar um ano nos estudos ou até mesmo pelo namoro. Tem que desapegar! Não tem problema algum se formar um ano atrasado, a experiência de vida que o intercâmbio vai proporcionar vale muito mais do que isso. E pelo namoro, você vai voltar e se for muito bom o namoro vai voltar também. Esses são apenas alguns pontos comentados nesse papo fantástico com o Rafa. Sem dúvida uma experiência única e que marcou a vida dele, influenciou em seu futuro e o transformou em uma pessoa melhor. Tire a Bunda do Sofá!
  5. bstorquato

    Europa maio/2018

    Olá Guriere! Você gosta mais de natureza? cidade grande? Tudo depende de o que você gosta de fazer. Eu sou mais de cidades pequenas e natureza, então vou recomendar seguindo essa linha. Em Portugal estive apenas no sul e recomendo. A região é realmente linda, com praias incríveis. Na Espanha eu indico Toledo, que é uma cidade pequena bem perto de Madri. Também vale muito a pena visitar Barcelona. Sei de uma cidade chamada Ronda, que acabei não visitando mas sei que é fantástica. Na Itália você pode ficar na clássica Roma, que com certeza você vai curtir também. Você vai voar pra qual país? O roteiro detalhado depende de onde você vai chegar.
  6. Entrar em contato com a natureza traz diversos benefícios, sendo alguns deles a diminuição do stress, aumento da criatividade e até a diminuição da pressão arterial. Interessante né? Mas por que estou te contando isso num post sobre Urubici? Porque visitar Urubici é se conectar diretamente com a natureza, e eu posso garantir que você vai sentir cada um dos benefícios e vai deixar a cidade com a mente tranquila. Conheça essa pequena cidade de Santa Catarina, que com apenas 10 mil habitantes, vai te mostrar toda a beleza e imponência da natureza, que se exibe em Urubici de diversas maneiras. Descubra o que fazer em Urubici, desvende cada cantinho desse paraíso natural e aproveite ao máximo sua visita a cidade. Receptividade, simplicidade e humildade Logo ao chegar em Urubici, o que mais impressionou foi a receptividade do povo, que nos recebeu de braços abertos. Um povo humilde, simples e disposto a ajudar, coisa que nem sempre vemos por ai. Isso por si só já me conquistou no primeiro dia em Urubici, e tenho certeza que você também será recebido tão bem quanto eu. O que fazer em Urubici Como já comentei, a cidade é um paraíso natural, onde a natureza se exibe em suas mais lindas formas. Urubici é conhecida principalmente por suas cachoeiras, mas vai muito além disso. Descubra agora o que fazer em Urubici, desde os lugares mais visitados até os pouco conhecidos. Ah, e não se perca, pois o melhor ficou para o final. Vamos lá? Inscrições Rupestres Um dos mais importantes registros arqueológicos de Santa Catarina, são inscrições gravadas em paredes de pedras pelos primeiros habitantes de Urubici, que viveram por ali há mais de 4 mil anos atrás. Inscrições rupestres O principal registro é a Máscara do Guardião. Acredita-se que este lugar era sagrado, e o guardião era quem o protegia. Além desse, há diversos outros desenhos e símbolos interessantes, que apesar de simples, tem valor histórico incalculável. Cascata Véu de Noiva Subindo para o Morro da Igreja, do qual vou falar mais adiante, encontra-se a pousada Cascata Véu de Noiva, onde está a cascata de mesmo nome. Devido à sua inclinação e largura, a água desliza pelas pedras em direção ao solo de modo que forma-se uma fina camada de água corrente, que lembra muito um véu de noiva, dando origem ao nome da cascata e da pousada. Parece ou não um véu de noiva? Dentro do complexo, além da cachoeira e do hotel, ainda existe um restaurante e uma tirolesa. Chegamos muito cedo para o almoço, mas o buffet estava começando a ser preparado e parecia ótimo! Gruta Nossa Senhora de Lourdes Também no caminho para o morro da Pedra Furada, a 11 kms do centro de Urubici está a Gruta Nossa Senhora de Lourdes. Uma gruta natural cercada por paredões de pedra, que ainda conta com uma tímida queda d’água de 10 metros. A Gruta Nossa Senhora de Lourdes merece uma visita Desde 1994 a gruta abriga uma imagem de Nossa Senhora de Lourdes e atrai diversos turistas e fiéis, que deixam por ali suas homenagens. Mesmo para não religiosos, vale a pena visitar a gruta pela sua beleza natural. Cachoeira da Neve Sem dúvidas uma das mais lindas e interessantes cachoeiras de Urubici, recebeu esse nome pois no inverno, a água é espalhada pelo vento durante a queda, e vira pequenos flocos de neve que caem suavemente até atingir o chão. No inverno, a água congela e cai como neve A Cachoeira da Neve está localizada dentro do camping Arroio do Engenho, a aproximadamente 3,4km do centro da cidade. Para chegar até a cachoeira, deve-se fazer uma trilha de aproximadamente 30 minutos, de nível leve. Ao chegar, a vista da cachoeira é deslumbrante já a primeira vista, porém, a experiência não acaba por aqui. Você pode seguir uma trilha que chega atrás da água. Por trás da cachoeira Morro do Campestre Também conhecido como Morro da Cruz, oferece uma das vistas mais lindas da região. A subida é parte de carro, parte caminhando. Uma subida leve, de aproximadamente 15 minutos. Formações rochosas no Morro do Campestre No topo, você vai encontrar formações rochosas de arenito, que ficam a 1.380m de altura. Esse é o ponto principal, mas caso você queira se aventurar um pouco mais e ter uma vista ainda mais incrível, você pode continuar até o final da trilha, que é mais pesada, sendo quase uma escalada em certos pontos. Morro da Igreja e Pedra Furada Esse talvez seja o principal motivo para as pessoas visitarem Urubici, e também é um dos maiores cartões postais da cidade, junto com a Cascata do Avencal, que vou mostrar pra você daqui a pouco. O que muitos não sabem, é que na verdade a Pedra Furada está em território de Orleans, porém, a melhor vista dela é mesmo de Urubici. Então fique tranquilo, você está no lugar certo. Vista do morro da Igreja, Pedra Furada ao centro. Foto: Kiko Luis Ricardo @kikoluisricardo Para chegar ao Morro da Igreja, são aproximadamente 30km saindo do centro do Urubici. Todo o trecho é asfaltado, porém de péssima qualidade. Recomendo dirigir com cuidado para evitar os buracos. Curiosidades: É o ponto habitado mais alto do sul do Brasil; É onde foi registrada a temperatura mais fria do país, -17,8 graus; A altitude á de mais de 1800m. O melhor horário para ver a Pedra Furada é durante a manhã, pois a chance do tempo estar aberto é maior. Mas eu não tive essa sorte, e acabei vendo só nuvens. Caverna Rio dos Bugres Esse está aqui mais como informação do que como recomendação. Na verdade são pequenos túneis interligados, que ficam em uma propriedade particular, também no caminho para o Morro da Igreja. Há diversas teorias do surgimento desses túneis, sendo uma delas que os túneis serviam de abrigo para os índios, que ali dormiam para se proteger do frio intenso da região. Já outra conta que os buracos foram feitos por tatus gigantes. O passeio é rápido, e é recomendado levar lanterna para passear por entre os túneis. Paróquia Nossa Senhora Mãe dos Homens Construída entre 1965 e 1973, a igreja matriz de Urubici contempla 31 comunidades. Tem uma arquitetura única e totalmente diferente de qualquer outra igreja que eu já tenha visto. A Imagem de Nossa Senhora Mãe dos Homens que está nessa igreja, veio de barco do Rio de Janeiro em 1930. Arquitetura única e impressionante Mirante de Urubici A caminho do parque Cascata do Avencal, que você vai conhecer daqui a pouco, e também muito perto das inscrições rupestres, está o mirante de Urubici. Um lugar bacana que oferece uma bela vista da cidade. Vista linda de Urubici Serra do Corvo Branco Também um clássico da região, a Serra do Corvo Branco é sem dúvidas imperdível. Saindo de Urubici, você vai chegar ao topo da serra, de onde tem-se uma vista fantástica da região, que abrange paredões de pedra enormes. Serra linda, porém perigosa São 30km de estrada de chão do centro do Urubici até a serra, e já vou avisando, a estrada é horrível. Mas também já digo que vale muito a pena. Visitar a Serra do Corvo branco definitivamente deve estar na sua lista de “o que fazer em Urubici”, pois a vista é sensacional! Ali você vai contemplar o maior corte em rocha basáltica do Brasil, que se impõe com seus paredões de até 90m de altura. Estima-se que essas montanhas tem mais de 160 milhões de anos. Maior corte em rocha basáltica do Brasil! Ao descer a serra, que é oficialmente a SC-370, chega-se a Grão Pará, porém não é recomendado descê-la. A estrada é ruim e deslizamentos acontecem com frequência, tanto que a serra é interditada diversas vezes durante o ano. Visitar o topo, por outro lado, é totalmente seguro. Parque Cascata do Avencal Lembra que eu falei que o melhor ficou pro final né? Então conheça o Parque Cascata do Avencal, ponto turístico clássico e cartão postal de Urubici. Localizado a 6km do centro de Urubici, o parque conta com hotel, restaurante, lago com pedalinhos, tirolesa e a famosa Cascata do Avencal. Tirolesa de Urubici. Tem coragem? A tirolesa tem 200m de comprimento, e passa por cima da cascata, oferecendo uma vista fantástica e única do lugar. A velocidade é controlada e lenta, então não há muita adrenalina, a não ser pela altura, que pode assustar, pois a cascata tem 120m de altura. Cascata do Avencal – Parte Alta A cascata pode ser visita por dois ângulos, a parte alta e a parte baixa. Para visitar a parte alta deve-se ir ao Parque Cascata do Avencal, onde paga-se entrada. Chegar até lá é fácil, basta seguir as placas indicando. Confira no mapa ao final do post a localização de todos os pontos turísticos de Urubici. Parte alta da Cascata do Avencal Cascata do Avencal – Parte Baixa Já o acesso a parte baixa da cascata é um pouco mais complicado. No caminho para o parque, saindo do centro de Urubici, deve-se entrar em uma rua à direita, seguir até onde der de carro e depois fazer uma trilha de aproximadamente 800m. Parte baixa da Cascata do Avencal A trilha é de nível leve, mas dependendo de como esteve o tempo nos últimos dias, pode haver pedras escorregadias. Ao final da trilha, a incrível Cascata do Avencal, vista de baixo. Se o tempo estiver bom, você pode até aproveitar para tomar um banho no lago que se forma ao pé da cascata. A gastronomia de Urubici é única, e seus restaurantes, apesar de simples, oferecem pratos de altíssima qualidade, muito saborosos e com preços ótimos. Agora que você já sabe o que fazer em Uribici, bora descobrir o que e onde comer? Onde comer em Uribici Zeca’s Bar O prato mais típico de Urubici é a truta, que pode ser apreciada de diversas maneiras. Um dos melhores lugares para experimentar esse peixe tradicional de Santa Catarina é o Zeca’s Bar. Eu experimentei a truta ao alho, um prato muito bem servido e saboroso. Truta ao alho no Zeca’s Bar E além da truta, no Zeca’s você também encontra pratos feitos, como arroz, feijão e bife, ou até pizzas, que é uma das especialidades da casa. Posto Serra Azul Sem exagero, esse é um dos postos de combustível mais legais que já vi. Já de cara você vê um carro antigo, com metade estacionado para fora e outra metade para dentro da conveniência do posto. O carro na verdade foi transformado e serve de caixa. Muito legal né? E além disso, toda a decoração é no melhor estilo americano, com placas por todo o lado e meses feitas com peças de carro. Tudo pra dar um charme. A melhor parte, no entanto, é a comida. No posto Serra Azul eles vendem um delicioso sanduíche de truta, normal ou defumada. Eu fui no com truta defumada, acompanhado de uma boa cerveja artesanal da região. Sanduíche de truta defumada. Uma delícia! Pousada em Urubici Não adianta você ter uma lista enorme dessa sobre o que fazer em Urubici se você não sabe onde vai se hospedar, não é mesmo? Eu tenho uma boa notícia pra você: Em Urubici você vai encontrar ótimas opções de hospedagem. Em fiquei da área de camping da Pousada Nossa Senhora das Graças, que oferece o tipo de hospedagem rural. A área de camping é muito bem estruturada, com cobertura, tomadas dentro da área coberta, chuveiros a gás e churrasqueiras. Foto: Pousada Nossa Senhora das Graças Mas também há chalés muito charmosos na pousada, e confesso que deu uma vontadinha de me hospedar em um deles. São chalézinhos de madeira, muito bonitos e aconchegantes. Foto: Pousada Nossa Senhora das Graças Há também um galpão, que abriga uma cozinha bem completa e área de lazer, com mesa de sinuca e tênis de mesa. Ou seja, tudo para sua hospedagem ser perfeita. E tem mais! Acredita? A Pousada Nossa Senhora das Graças é muito bem localizada, bem pertinho do centro, onde ficam os postos de gasolina, mercados e restaurantes. Jogando tênis de mesa na pousada Pra mim, o atendimento é super importante, e nessa pousada esse ponto vai além das expectativas. A senhora que é dona da pousada foi muito gentil, ajudou com tudo o que pode e me recebeu muito bem! Gostou dessa opção de hospedagem em Urubici? Você pode verificar os valores e disponibilidade clicando no botão abaixo. Verificar disponibilidade Pra não se perder ;D Encontre no mapa abaixo a localização de todos os lugares citados nesse post. Visite Uribici Visitar Urubici é muito fácil, tranquilo e prazeroso. Além de tudo o que eu já mencionei aqui, a cidade é muito bem organizada e sinalizada, ou seja, é fácil achar todos os pontos turísticos mesmo sem um GPS. Se você quiser ver tudo o que está listado nesse post, 3 ou 4 dias são o ideal, mas se quiser focar apenas nos mais famosos, sua viagem pode ficar com 1 ou 2 dias.
  7. bstorquato

    Como viajar de graça em troca de trabalho

    Viajar de graça talvez seja o sonho da grande maioria das pessoas. Você mesmo, não gostaria deviajar de graça pelo mundo? Aposto que a resposta foi sim. Não se preocupe, não estou lendo a sua mente, eu também responderia sim. Agora preste atenção: Sabia que é possível sim viajar de graça? Ou se não, gastando muito pouco! Quer descobrir como? Vem comigo que eu te mostro! Aliás, quem vai te contar o segredo de como viajar de graça vai ser o Gilmar. Esse é o segundo episódio da série 10 Minutos no Sofá, e nele eu conversei com o Gil sobre como ele passou 2 meses na Argentina e gastou apenas 2.300 reais, incluindo passagens! Bora viajar de graça? Obs: As fotos desse post são fotos minhas, que representam a ideia de viajar de graça. O Gil acabou perdendo todas as suas fotos do intercâmbio. A série 10 Minutos no Sofá Com objetivo de transmitir a essência de sair da zona de conforto, quebrar preconceitos e conhecer novas culturas, surgiu a série 10 Minutos no Sofá. Uma série onde eu chamo uma galera pra bater um papo, pessoas que fizeram viagens transformadoras. Experiências que influenciaram o seu jeito de viver e seus valores. Deixe-se levar pela conversa e inspire-se a Tirar a Bunda do Sofá. Ainda não viu o primeiro episódio? Caramba! Você não sabe o que está perdendo! Nele eu converso com a Dani, que com 20 anos fez trabalho voluntário em Moçambique. Ela trabalhou dando palestras e ensinando o povo a cultivar o próprio alimento. Foi assaltada, teve seu computador furtado e pegou malária. Uma experiência incrível que mudou a vida dela, e vai fazer você repensar em alguns pontos de vista. Quer saber mais? Clique na imagem abaixo: 10 Minutos no Sofá com Gil O gosto pela viagem veio no ensino médio, quando Gil teve seus primeiros contatos com intercambistas, que traziam experiências totalmente diferentes do que estava acostumado. Mais tarde, já na faculdade, sem grana e com muita vontade de viajar, Gilmar começou a procurar meios de juntar dinheiro, e também um meio de viajar gastando pouco. Descobriu em um livro a fórmula para viajar de graça, ou pelo menos gastando muito pouco. Basicamente a regra é a seguinte: Quanto mais valor você gerar para o meio em que estiver, mais barata será sua viagem. Trabalhando em troca de comida e hospedagem em Montenegro Mas o que significa isso? Você pode gerar valor de diversas maneiras enquanto viaja. Alguns vendem artesanato na rua, outros trabalham como voluntários em fazendas ou hostels, que foi o que eu fiz, e muitos trabalham em ONGs, que é o caso do Gil. O Gil já trabalhava como voluntário em uma organização, ou seja, já estava gerando valor. E dentro dessa organização, surgiu a oportunidade de fazer um intercâmbio sem pagar a taxa. Joelma e seu filho João, que me hospedaram na Alemanha Esse é só o começo da história. Um intercâmbio social e cultural de 2 meses na Argentina, gastando R$ 2.300,00 ao total, já com passagem. Não acredita? Então veja o video abaixo e descubra o segredo. Como viajar de graça (ou quase) Confira abaixo os pontos principais desse bate papo incrível com o Gil. Quando você descobriu que gostava de viajar? Minha vontade de querer viajar começa no ensino médio, quando eu comecei a ter contato com pessoas de outros países. Eu via que elas tinham uma visão de mundo bem diferente. E além disso, também nossos amigos que fizeram intercâmbio nessa época, voltavam trazendo histórias muito interessantes. Das tuas viagens, qual foi a que mais te marcou? Sem dúvida minha viagem pra Argentina. Eu fiz um intercâmbio de 2 meses lá, trabalhando em ONGs que ajudam pessoas com necessidades especiais. Você gastou apenas R$ 2.300,00 nessa viagem. Como? Eu queria muito viajar, mas na época ganhava muito pouco e não conseguia juntar grana, então comecei a pesquisar maneiras de viajar de graça ou gastando muito pouco. Almoçando com Anas, que me hospedou no Marrocos Acabou que achei um livro que dizia basicamente isso: quanto menos conforto e quanto mais valor você gera, mais barata sai a viagem. E ai existem diversas maneiras de gerar valor, você pode vender artesanato, trabalhar em ONGs e por ai vai. E como isso funcionou pra você? Em determinado momento eu tava com R$ 1.200,00 guardados, e decidi já fazer uma viagem menor com essa grana. Fui de ônibus para Búzios, foram quase 30 horas de viagem. E ai eu vi que se eu baixar meu nível de conforto eu poderia viajar muito mais. E no seu intercâmbio para a Argentina? Nesse caso eu estava trabalhando na AIESEC, e por ter liderado alguns projetos lá dentro, eu fiquei isento da taxa de intercâmbio. Ou seja, eu gerei valor para eles e acabou que a parte mais cara da viagem foi eliminada. Mochilão que fizemos para o Rio de Janeiro Mas o resto da grana? Então, mesmo assim eu achei que não daria, pois eu tinha só R$ 2.300,00 pra passar 2 meses lá. Mas ai um colega meu disse o seguinte: “Olha Gilmar, essa promoção não vai acontecer de novo, logo você vai trocar de curso na faculdade, vai começar a trabalhar, seus custos de vida só vão aumentar, você vai ter cada vez menos tempo e oportunidade.” E é isso mesmo, você vai criando vínculos com várias outras coisas e deixa as oportunidades passarem. Então eu fui e deu certo. E sempre vai dar certo, é só fazer acontecer. E qual era o seu trabalho na ONG? Cara na verdade o projeto não especificava o que cada um iria fazer. Você chegava lá, via a necessidade e atuava em cima disso. Algumas precisavam melhorar a administração, outras precisavam captar dinheiro e assim por diante. Zeid à direita, que me hospedou na Croácia Eu cai num projeto onde a ONG queria que o pessoal fizesse mais atividades físicas e manuais, pra que não ficassem de bobeira o dia todo. Uma das coisas que a gente fez foi desenvolver uma horta, e o mais legal é que depois a gente fez um banquete com as coisas que eles mesmo plantaram. Esses só alguns dos pontos desse bate papo fantástico com o Gil. Uma experiência enriquecedora que transformou a maneira de levar a vida, não só em como viajar de graça mas também no dia a dia. Em breve mais episódios, com pessoas inspiradoras que vão te fazer repensar o jeito em que vivemos. Tire a Bunda do Sofá.
  8. Já pensou em fazer trabalho voluntário na África? A Dani fez, e eu chamei ela pra bater um papo sobre isso. Confira! (Foto disponibilizada pela Dani) Essa é a visão de uma pessoa que passou 3 meses fazendo trabalho voluntário na África, em Moçambique. Um país onde as pessoas vivem com o salário de 60 dólares, pouca infra-estrutura, educação e saúde. Com 20 anos, a Dani foi para o país fazer um trabalho educacional, dando palestras de conscientização sobre problemas sérios que afetam a população de Moçambique, como HIV e violência doméstica. Além disso, também ajudou no desenvolvimento das comunidades de maneiras mais práticas, ensinando o povo a cuidar da terra e cultivar o próprio alimento. Trabalhando no cultivo de alimentos (Foto disponibilizada pela Dani) Entre todas as experiências, Dani teve seu computador furtado, foi assaltada e contraiu malária, a doença que mais mata no país. Tive a oportunidade de bater um papo com a Dani, que falou como foi essa experiência, como vivem as pessoas em Moçambique e como isso mudou a sua perspectiva sobre o mundo. Elefante selvagem (Foto disponibilizada pela Dani) A série 10 Minutos no Sofá Com objetivo de transmitir a essência de sair da zona de conforto, quebrar preconceitos e conhecer novas culturas, surgiu a série 10 Minutos no Sofá. Uma série onde eu chamo uma galera pra bater um papo, pessoas que fizeram viagens transformadoras. Experiências que influenciaram o seu jeito de viver e seus valores. Deixe-se levar pela conversa e inspire-se a Tirar a Bunda do Sofá. 10 Minutos no Sofá com Dani Começamos a série com uma viagem fora do padrão, que vai fazer até você leitor, repensar sobre como vivemos atualmente. Assista ao episódio completo abaixo: Ou se preferir, ouça apenas o áudio através do link abaixo. Você pode inclusive receber o arquivo por email: Trabalho social em Moçambique – Uma experiência para mudar a sua vida Trabalho voluntário na África Confira abaixo os pontos principais desse bate papo incrível com a Dani. Você foi pra Moçambique né? Quando foi isso? Dani: Sim Moçambique. Eu fui em 2013, eu tinha 20 anos na época, tava fazendo faculdade e não tava curtindo. A faculdade entrou em greve e eu resolvi fazer um intercâmbio. Dani com seus colegas intercambistas (Foto disponibilizada pela Dani) Qual foi a reação dos seus pais quando você contou sobre o intercâmbio? Dani: Minha mãe ficou meio desesperada. “Pra que ir tão longe? Por que na África? Não é perigoso?”. E meu pai já foi bem mais tranquilo, disse que se tivesse a mesma idade faria o mesmo. E por que Moçambique? Dani: Justamente porque eu não via motivo em fazer trabalho voluntário em um país desenvolvido e que não falasse português. Um pessoa de baixa renda não vai falar inglês, e ai eu não conseguiria ajudar muito. Safari (Foto disponibilizada pela Dani) O que você fazia lá? Dani: Na verdade eu fui para ajudar numa ONG que faz visitas à comunidades, fazendo um trabalho de conscientização sobre HIV, violência doméstica e outros problemas comuns do país. Trabalho de conscientização (Foto disponibilizada pela Dani) Mas como esse trabalho não era feito todos os dias eu me juntei a outras ONG’s e grupos. Ensinei o povo a cultivar o próprio alimento, fiz visitas à hospitais e acompanhei aulas de danças. E como era a sua hospedagem? Dani: Então, eu fui pega de surpresa, fiquei em um prédio de 12 andares e eu estava no último. Tinha água corrente durante todo o dia apenas em uma torneira do primeiro andar, nos outros era só das 7 as 9 da manhã. Fogão (Foto disponibilizada pela Dani) A gente acordava e levava galões de água pra cima, e o elevador não funcionava. Eu tomava banho de caneca, lavava louça com água de garrafa e dava a descarga com balde. (Foto disponibilizada pela Dani) Teve alguma experiência ruim? Dani: Teve uma situação de assalto, mas foi vacilo nosso, a gente saiu de madrugada em um bairro perigoso. Aconteceria em qualquer lugar do mundo. Tive também meu notebook furtado, mas também foi vacilo. Eu emprestei pra um colega e saí, e ele deixou o notebook dando bobeira e cima da cama. Além desses dois eu ainda tive malária, que é a doença que mais mata no país. Quando fui fazer o exame o enfermeiro quis usar uma agulha usada em mim, e ali bateu o desespero. Conheci muitas pessoas que pegaram AIDS assim. Quais foram as coisas que mais marcaram a sua viagem? Dani: O choque de realidade. Por mais que você saiba como é, entre saber e vivenciar aquela realidade existe uma grande diferença. Ver a realidade e saber como eles encaram isso. Como eu vou falar que a maneira correta de fazer determinada coisa é assim, sendo que a realidade deles é completamente diferente. (Foto disponibilizada pela Dani) Não tem como apontar o dedo e querer julgar, eles fazem o melhor com o que eles tem. Eles não tem estrutura, não tiveram instrução nem capacitação. Olhar de fora é muito fácil. E aprender de fato a viver uma outra cultura. Nós fazíamos aulas de dança no telhado de um lugar, e agora imagina você aprender uma dança de gana com uma música local. Isso é muito legal! (Foto disponibilizada pela Dani) Esse foi o primeiro episódio da série 10 Minutos no Sofá, uma experiência fantástica que transformou a vida da Dani e serve de exemplo para quebrar preconceitos e abrir nossos olhos para a sociedade em que vivemos. A série terá mais episódios, sempre com o mesmo objetivo, mostrar o quão benéfico e transformador pode ser fazer uma viagem de imersão cultural.
  9. Eu sempre uso o Segurospromo, que compara todas as empresas e sempre tem o melhor preço. www.segurospromo.com.br Você ainda pode usar esse cupom de desconto: TIREABUNDASOFA5
  10. bstorquato

    Roteiro em Santa Catarina

    Ah, e para hospedagem em Florianópolis, de uma olhada no link abaixo: Opções de hospedagem em Florianópolis
  11. bstorquato

    Roteiro em Santa Catarina

    Olá Sandra! Vocês saem de onde? Vão de carro? Para conhecer o Beto Carrero você pode ficar hospedada em BC mesmo, da pra fazer bate e volta. Em Balneário você pode conhecer o bondinho e o parque Unipraias, que tem várias trações legais para a família. Você também pode ir até o Morro do Careca apreciar a vista ou até mesmo voar de parapente. Sobre hospedagem, confira as opções no link abaixo: Hospedagem em Balneário Camboriú Já em Floripa tem muuuito mais coisa pra fazer, a cidade é um verdadeiro paraíso, principalmente pra quem gosta de natureza. Eu recomendo passar um dia na região da lagoa da conceição, onde você pode passear de barco, caminhar ou até mesmo fazer sandboard. Passear pela beira mar norte também pode ser interessante. Confira mais opções no link abaixo: O que fazer em Florianópolis Se você gosta de trilha, Floripa é realmente o destino certo. Existem várias trilhas famosas e procuradas por pessoas do mundo todo, como a trilha da Lagoinha do Leste por exemplo. Saiba mais sobre essa e outras trilha da ilha no link abaixo: As trilhas de Florianópolis Santa Catarina é um estado maravilhoso, e você escolheu belos destinos. Espero ter ajudado, e se precisar de alguma coisa é só avisar. Boa viagem!
  12. Que é isso, precisando de algo é só avisar Boa viagem!
  13. Olá Eduardo! Realmente esse é um ponto bem complicado. A maneira mais simples seria alugar um carro, ou contratar um transfer. Outra opção é táxi, que vais ser caro. Não há Uber. De ônibus, você teria que pegar a linha que pegar primeiro para Balneário Camboriu, e de lá para Bombinhas. Ou talvez voar para Florianópolis, e de lá ir para Bombinhas. Você pode conferir algumas opções através desse site: https://www.rome2rio.com/pt/ Caso opte por alugar um carro: https://www.rentcars.com/pt-br/?requestorid=311 Passagens aéreas baratas: https://ad.zanox.com/ppv/?43677315C836620839 Qualquer dúvida é só avisar.
  14. bstorquato

    Roteiro italia/grecia

    Olá Dayane, tudo bem? Que legal! Tenho certeza que você vão adorar os dois países, são muito lindos. A Grécia eu nunca fui, mas já explorei um pouco da Itália. Vou citar alguns destinos que fui e recomendo, e deixar um link com o que fazer em cada lugar, assim você pode analisar e decidir. Roma: Uma cidade incrível, recheada de história e de arquitetura fantástica. O que fazer em Roma Cinque Terre: Parque nacional Italiano, é um dos destinos mais procurados do país. Conheça Cinque Terre Pompeia: Cidade com uma história incrível e quase inacreditável. Passear pelas ruínas da antiga cidade foi uma das coisas mais legais que já fiz. Explore Pompeia Espero ter ajudado, qualquer dúvida é só avisar. Boa viagem!
  15. bstorquato

    Reservar hospedagem antes ou durante a viagem?

    Depende da época, se for uma época de pico nas viagens, férias e etc, é melhor reservar antes, pois depois os mais baratos não vão ter mais vaga. Mas como comentaram ali em cima, alguns hostels não estão online, então é possível conseguir lugar barato sim. No meu mochilão ano passado eu ia reservando durante a viagem, pois assim você fica mais livre e não precisa se comprometer com um roteiro. Da uma olhada nesse link, vai te ajudar a escolher a melhor opção de hospedagem: https://tireabundadosofa.com.br/como-escolher-hospedagem/ Espero ter ajudado, qualquer coisa é só avisar. Boa viagem
×