Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

henriquefarage

Membros
  • Total de itens

    306
  • Registro em

  • Última visita

  • Dias Ganhos

    3

henriquefarage venceu a última vez em Março 9

recebeu vários likes pelo conteúdo postado!

Reputação

167 Excelente

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. Exatamente isso. A diferença é que meus clientes não se sentiram seguros em fazer a cirurgia em Cusco e optaram em ir a Lima buscar um local mais bem estruturado.
  2. Olá, Pessoal. Pra quem não sabe eu trabalho em uma agência de turismo em Cusco e recebo muitos brasileiros e estou criando este post aqui para relatar um grave e desconhecido problema que um dos meus clientes viveu aqui na última semana. Vou resumir bem para que fique registrada esta dica que é muito importante a todos que pretendem viajar a Cusco ou a qualquer outra cidade que está muito acima do mar. Peço para a moderação que mova o tópico para outra seção caso seja mais adequada. No segundo dia após a chegada o grupo (uma família) cancelou o tour que tinham agendado porque um deles sentia dores muito fortes na "barriga". Como foi piorando ao longo do dia eles buscaram uma clínica conveniada com o seguro que eles tinham. No dia seguinte, cancelaram o outro tour e o líder do grupo me comunicou que seu irmão estava com uma suspeita de complicações no baço e os médicos recomendavam uma cirurgia de emergência. Este cliente é médico, e apesar do problema sugerido pelos médicos locais não ter nada a ver com a área de especialização dele, ele começou a pesquisar e entrar em contato com seus colegas no Brasil e chegou até a uma complicação que é conhecida como "sequestro esplênico" (alguns chamam de "infarto no baço"). É uma complicação muito séria e que requer uma cirurgia de emergência bem delicada. Como Cusco não oferecia estrutura (confiável) eles precisaram levar o paciente em avião até Lima onde o rapaz passou pela cirurgia e deverá receber alta amanhã (dia 12/julho) para poder voltar ao Brasil. Causas desta complicação: o meu cliente, por ser médico, buscou diversos artigos e publicações nestes últimos dias e me disse que a altitude foi a causa de tudo. Descobriram ainda que seu irmão sofre de alterações sanguineas (não entrarei em detalhes pra não falar do que não conheço) e que não afetam a vida de ninguém que vive a nível do mar, mas que na altitude pode causar este problema no baço e aí sim se tornar algo realmente grave. Vou copiar e colar abaixo o que o cliente me enviou como sugestão para todos que vão viajar para altitude que nada mais é do que um exame simples de sangue que pode detectar estas alterações e a partir daí buscar um médico e decidir se quer viajar ou não. Há ainda alguns artigos (em inglês e espanhol) sobre esta complicação em altitudes (inclusive em Huaraz, no Perú). Sugestão para todas as empresas de turismo: sugerir que todos os visitantes de Cusco façam o exame de ELETROFORESE DE HEMOGLOBINA antes da visita. Se tiver alguma alteração, procurar um hematologista antes da viagem. Isto evitará possíveis problemas de saúde sérios que podem se manifestar na altitude de Cusco Esta alteração no exame é o TRAÇO FALCIFORME (ou rasgo falciforme, em espanhol) Meu irmão passou por uma situação muito crítica aí em Cusco, que poderiam ter sido evitada, caso soubéssemos desta alteração antes. Felizmente, agora está bem em Lima, receberá alta amanhã para voltar ao Brasil. Mas isto só ocorreu pq sou médico e contei com a ajuda de vários amigos médicos no Brasil e em Lima. Artigo sobre o caso que aconteceu em Huaraz http://www.scielo.org.pe/pdf/rgp/v29n2/a11v29n2
  3. Uma boa agência e de boa reputação cobra entre 300 e 400 dólares por pessoa (variando se é com hotel incluso, trens panorâmicos, etc). Se for o tour de um dia entre 270 e 300 dólares por pessoa. Abaixo disso são agências menores, sem reputação, e que tem foco no preço e quantidade de vendas e não na qualidade do serviço.
  4. Na porta há guias de todos os preços, idiomas e tamanhos de grupo.
  5. Rapaz eu não confiaria tanto assim não. Por todos os hostels que passei vi/ouvi casos de furto. Meu mesmo só levaram uma capa de mochila e um perfume. Agora o fato é que as coisas são furtadas sempre que estão bem acessíveis (tipo deixar objetos na cama) porque realmente abrir um locker pra roubar até hoje eu nunca vi mesmo. Em Medellín inclusive eu tive que deixar minhas coisas no locker sem cadeado porque o meu era muito pequeno e não fechava. Ficou assim umas três noites (e dias durante o passeio) e ninguém chegou nem perto. O negócio é evitar jogar com a sorte e deixar as coisas em cima da cama. Infelizmente não dá pra confiar nas pessoas que estão dividindo o quarto com você e você não conhece.
  6. Você pode colocar o número do RG no campo passaporte que não faz diferença nenhuma. O que importa é apresentar o documento original que está impresso no ticket na hora de entrar.
  7. Real 0.78 em Cusco (média) e Dólar 3.33 (média)
  8. Esse ano não lembro de nenhum passeio em Cusco que foi cancelado por conta de chuvas. Houveram alguns atrasos de chegada e saída de trem mas fora isso nada em especial. A cidade não tem nenhum ponto de alagamento (e nem chove o suficiente pra isso por dia). Pode nevar em montanhas muito altas (Montanha Colorida e Palccoyo) em dias de chuva nestas regiões. Enfim, vindo preparada não tem problema nenhum.
  9. A TAM não é mais entregue fisicamente - você pode baixar no site de Migraciones com o número do documento que você entrou no país e a data da entrada, mas esse documento só é usado para hotéis basicamente e eles mesmos fazem isso (download da TAM). O único documento necessário para apresentar no passeio de Machupicchu é o documento usado para fazer a sua reserva (RG/Passaporte). Precisa ser o original, claro.
  10. Não recomendo Rainbow Mountain e Laguna Humantay em dias seguidos. Os tours saem cedo (por volta das 4:30h), tem viagens longas e desconfortáveis em vans, altitude...
  11. Não. Basta imprimir. Você pode fazer isso por conta própria acessando a sua reserva no site de Machupicchu e imprimindo os tickets (tem uma márca d'água escrito que são ingressos oficiais) ou chegando em Cusco indo ao Ministério da Cultura (Calle Garcilaso) você entra na fila (dos que já tem reservas) e apresenta a documentação usada na compra e eles imprimem pra você. O que é imprescindível é apresentar o ingresso impresso e o documento original usado para reserva pra você entrar em Machupicchu.
  12. Ótimo! Normalmente eles cobram uma multa de uns 25% do valor total pra fazerem qualquer alteração na reserva aqui no Ministério de Cultura.
  13. Muito provavalmente você terá que pagar uma multa por alteração.
  14. Tá pra existir o dia que o Senado aprovar alguma medida em beneficio do consumidor sem pensar no seu benefício próprio ou de seus patrocinadores.
×
×
  • Criar Novo...