Ir para conteúdo

henriquefarage

Membros
  • Total de itens

    323
  • Registro em

  • Última visita

  • Dias Ganhos

    5

Tudo que henriquefarage postou

  1. Nos hotéis onde trabalhei no ES e em SP não autorizávamos em hipótese alguma o check-in de menores sem autorização judicial assinada por pai E mãe pois era o que constava na Lei, sem se importar se viajavam com parentes (tios, avós...). Inclusive havia muita reclamação por partes das pessoas que eram recusadas porque eles podiam viajar (ônibus e avião) com os menores (porque a lei permitia) mas para hospedagem eram outras regras. Enfim, hoje não sei se isso mudou. De qualquer forma eu viajaria com todos os documentos possíveis, cópias de documentação, autorização judicial, do juizado de menores, de tudo que for possível e assim evitaria qualquer inconveniente.
  2. Na prática a Get Your Guide funciona assim: vendem o ingresso através de parceiro local (agência peruana) e enviam um voucher de confirmação ao cliente final; a agência (local) é quem tem o trabalho de efetuar a reserva (online, via Extranet que as agências tem cadastradas no Ministério de Cultura de Cusco), e uma vez que a reserva tá feita, eles precisam ir pessoalmente ao balcão do Ministério de Cultura (que está fechado) e pagar para gerar o ingresso. Assim a reserva tá 100% confirmada e eles enviam o ingresso por e-mail ao cliente final que comprou no Get Your Guide. Dá pra pagar a reserva e fazer tudo online através do sistema Extranet? Dá, mas não conheço nenhuma agência que pague pelas reservas online porque há uma taxa de cartão que aumenta um pouco o preço final do ingresso. A considerando a pandemia, qual agência em sã consciência vai receber uma reserva para Machu Picchu 2020 e correr pra gastar esse dinheiro agora reservando tudo online sabendo que o mais provável é que tenham que alterar a data, que é uma tarefa extremamente burocrática? E se a reserva for pra 2021 o ingresso jamais poderia ser emitido agora (mesmo sem pandemia) porque a venda de ingressos para o ano seguinte é sempre a partir de dezembro. Enfim, o GYG segue vendendo pra movimentar seu caixa, assim como as companhias aéreas vendem passagens sabendo que é pouco provável que o voo aconteça por restrições em determinados destinos.
  3. Eu moro em Cusco e trabalho com turismo. Não houve nenhuma liberação para visita em Machu Picchu ou qualquer outro tipo de turismo. Inclusive o estado de Cusco voltou a entrar em quarentena depois de julho, e não há transportes para chegar ou sair da região (aviões ou ônibus). O país continua com as fronteiras fechadas. O Get Your Guide não emite ingressos, são apenas um canal de vendas entre o consumidor final e as agências locais em Cusco que são quem fazem reservas e emitem ingressos.
  4. Esta informação é completamente falsa. Machu Picchu está fechada, sem previsão de reabertura, e ainda não é possível reservar ingressos para 2020 ou 2021. Fujam desta roubada e aguardem informações confiáveis do Ministério de Cultura de Cusco e demais órgãos peruanos.
  5. Sim. Eu passei o último natal em Lima e o clima lá estava bem agradável, mas pra Cusco se você não quer correr risco de chuva recomendo que venha depois primeira quinzena de maio.
  6. Passei os últimos 2 anos novos em Cusco e te garanto que vai chover.
  7. Pra mim 10 dias só em Cusco é muito - muitíssimo tempo. Se não for fazer alguma trilha longa (de vários dias), considero uma semana mais do que suficiente para o essencial em Cusco (7 dias no total, contando com o dia da chegada e da saída). A cidade em si não oferece grandes atrativos então se não for pra ocupar todos os dias fazendo tours, caminhadas, etc, vai ser algo entediante.
  8. Claro. Mas viajar com pouca grana é muito diferente de viajar sem dinheiro e ficar pedindo tudo pros outros/dependendo de outras pessoas pra se manter na viagem. Mais que falta de planejamento é falta de bom senso na minha opinião.
  9. Interessante que esse estilo de viajar parece fazer muita parte da cultura argentina. Quem já fez mochilão longo/de baixo orçamento sabe como é encontrar esse padrão de argentinos mochileiros: sem dinheiro, vendendo artes ou fazendo malabares pra conseguir uns trocados, trocando trabalho por hospedagem, querendo dividir comida com outros hóspedes porque não tem dinheiro pra se manter. Não acho menos digno que um mochileiro que viaja com mais planejamento (e grana) mas (apenas minha opinião pessoal) acho bastante inconveniente quando topo com essa galera em hostel. Os caras te pedem tudo, pô(!!): água, comida, bebida, dinheiro...
  10. Se não tem maturidade pra viajar não saia de casa - muito menos sem dinheiro e sem saber o que fazer. A realidade é dura. Não acredite em tudo que vê/lê na internet, filmes, etc. A realidade é MUITO dura - se fosse fácil e as oportunidades iguais e justas para todos não haveriam mendigos na rua e gente morrendo de fome pelo mundo afora. Comece aos poucos, viagens curtas e depois vai amadurecendo (em idade e em experiência de vida). Um passo de cada vez. Cada dia vejo mais gente com essas ideias de sair pelo mundo sendo que nunca saiu do próprio quarto.
  11. Passaporte é uma coisa, RG é outra. O texto diz que para entrar com passaporte este documento precisa ter validade mínima de 6 meses. Estou vendo muito brasileiro tendo problemas na imigração peruana por conta do passaporte que está perto da data de validade. Na dúvida/se o passaporte estiver perto de vencer, viaje com os dois (e que o RG esteja em boas condições) para evitar dor de cabeça.
  12. Ainda se não for em Miraflores (San Isidrio, Barranco, etc, que são outros lugares que os turistas se hospedam) recomendo pegar o transfer do aeroporto e descer em Miraflores e de lá pegar um táxi. Pra mim o melhor aplicativo de táxi em Lima é o BEAT. Tem a maior oferta de motoristas e melhores preços. Só uso este app lá.
  13. Pega o Airport Express que é mais seguro e muito mais barato. https://www.airportexpresslima.com/es/
  14. Na Bolívia, Perú e Colômbia eu tive problema porque apesar de ser tomada de dois pinos (como as antigas do Brasil) as entradas são largas e não encaixava direito. Precisei de adaptador em todos estes lugares.
  15. Exatamente isso. A diferença é que meus clientes não se sentiram seguros em fazer a cirurgia em Cusco e optaram em ir a Lima buscar um local mais bem estruturado.
  16. Olá, Pessoal. Pra quem não sabe eu trabalho em uma agência de turismo em Cusco e recebo muitos brasileiros e estou criando este post aqui para relatar um grave e desconhecido problema que um dos meus clientes viveu aqui na última semana. Vou resumir bem para que fique registrada esta dica que é muito importante a todos que pretendem viajar a Cusco ou a qualquer outra cidade que está muito acima do mar. Peço para a moderação que mova o tópico para outra seção caso seja mais adequada. No segundo dia após a chegada o grupo (uma família) cancelou o tour que tinham agendado porque um deles sentia dores muito fortes na "barriga". Como foi piorando ao longo do dia eles buscaram uma clínica conveniada com o seguro que eles tinham. No dia seguinte, cancelaram o outro tour e o líder do grupo me comunicou que seu irmão estava com uma suspeita de complicações no baço e os médicos recomendavam uma cirurgia de emergência. Este cliente é médico, e apesar do problema sugerido pelos médicos locais não ter nada a ver com a área de especialização dele, ele começou a pesquisar e entrar em contato com seus colegas no Brasil e chegou até a uma complicação que é conhecida como "sequestro esplênico" (alguns chamam de "infarto no baço"). É uma complicação muito séria e que requer uma cirurgia de emergência bem delicada. Como Cusco não oferecia estrutura (confiável) eles precisaram levar o paciente em avião até Lima onde o rapaz passou pela cirurgia e deverá receber alta amanhã (dia 12/julho) para poder voltar ao Brasil. Causas desta complicação: o meu cliente, por ser médico, buscou diversos artigos e publicações nestes últimos dias e me disse que a altitude foi a causa de tudo. Descobriram ainda que seu irmão sofre de alterações sanguineas (não entrarei em detalhes pra não falar do que não conheço) e que não afetam a vida de ninguém que vive a nível do mar, mas que na altitude pode causar este problema no baço e aí sim se tornar algo realmente grave. Vou copiar e colar abaixo o que o cliente me enviou como sugestão para todos que vão viajar para altitude que nada mais é do que um exame simples de sangue que pode detectar estas alterações e a partir daí buscar um médico e decidir se quer viajar ou não. Há ainda alguns artigos (em inglês e espanhol) sobre esta complicação em altitudes (inclusive em Huaraz, no Perú). Sugestão para todas as empresas de turismo: sugerir que todos os visitantes de Cusco façam o exame de ELETROFORESE DE HEMOGLOBINA antes da visita. Se tiver alguma alteração, procurar um hematologista antes da viagem. Isto evitará possíveis problemas de saúde sérios que podem se manifestar na altitude de Cusco Esta alteração no exame é o TRAÇO FALCIFORME (ou rasgo falciforme, em espanhol) Meu irmão passou por uma situação muito crítica aí em Cusco, que poderiam ter sido evitada, caso soubéssemos desta alteração antes. Felizmente, agora está bem em Lima, receberá alta amanhã para voltar ao Brasil. Mas isto só ocorreu pq sou médico e contei com a ajuda de vários amigos médicos no Brasil e em Lima. Artigo sobre o caso que aconteceu em Huaraz http://www.scielo.org.pe/pdf/rgp/v29n2/a11v29n2
  17. henriquefarage

    MACHU PICCHU

    Uma boa agência e de boa reputação cobra entre 300 e 400 dólares por pessoa (variando se é com hotel incluso, trens panorâmicos, etc). Se for o tour de um dia entre 270 e 300 dólares por pessoa. Abaixo disso são agências menores, sem reputação, e que tem foco no preço e quantidade de vendas e não na qualidade do serviço.
  18. Na porta há guias de todos os preços, idiomas e tamanhos de grupo.
  19. Rapaz eu não confiaria tanto assim não. Por todos os hostels que passei vi/ouvi casos de furto. Meu mesmo só levaram uma capa de mochila e um perfume. Agora o fato é que as coisas são furtadas sempre que estão bem acessíveis (tipo deixar objetos na cama) porque realmente abrir um locker pra roubar até hoje eu nunca vi mesmo. Em Medellín inclusive eu tive que deixar minhas coisas no locker sem cadeado porque o meu era muito pequeno e não fechava. Ficou assim umas três noites (e dias durante o passeio) e ninguém chegou nem perto. O negócio é evitar jogar com a sorte e deixar as coisas em cima da cama. Infelizmente não dá pra confiar nas pessoas que estão dividindo o quarto com você e você não conhece.
  20. Você pode colocar o número do RG no campo passaporte que não faz diferença nenhuma. O que importa é apresentar o documento original que está impresso no ticket na hora de entrar.
  21. Real 0.78 em Cusco (média) e Dólar 3.33 (média)
  22. Esse ano não lembro de nenhum passeio em Cusco que foi cancelado por conta de chuvas. Houveram alguns atrasos de chegada e saída de trem mas fora isso nada em especial. A cidade não tem nenhum ponto de alagamento (e nem chove o suficiente pra isso por dia). Pode nevar em montanhas muito altas (Montanha Colorida e Palccoyo) em dias de chuva nestas regiões. Enfim, vindo preparada não tem problema nenhum.
×
×
  • Criar Novo...