Ir para conteúdo

henriquefarage

Membros
  • Total de itens

    323
  • Registro em

  • Última visita

  • Dias Ganhos

    5

Tudo que henriquefarage postou

  1. Viajei por 4 meses sem seguro e fiz algumas atividades arriscadas (Death Road, cruzar dois países pegando carona, etc) mas não aconselho a ninguém viajar sem seguro. Com 200-300 reais (acho) você consegue fazer um seguro básico aí que pode, literalmente, salvar sua vida. Tive uma amiga que caiu da cama do hostel, bateu a cabeça, tirou um osso de lugar, e teve que gastar (fácil) mais de 1500 reais com ambulância, internação, medicamentos, só em um dia, por exemplo. É um risco que eu não correria outra vez. Lembre-se que cada país tem sua regra e nem todos dispõe de sistema público de saúde - especialmente para turistas/estrangeiros, hospitais/clínicas particulares costumam ser caros. Enfim, você pode estragar sua viagem toda por conta disso, ter prejuízos, dar trabalho pra sua família no Brasil...enfim, corre esse risco não, cara.
  2. Em outras cidades argentinas também usam esses cartões. Pra quem mora lá é uma maravilha mas pra quem tá viajando, quem chega de carona e tem que descer em cidades/bairros distantes do centro, é uma dor de cabeça e precisa contar com a boa vontade dos moradores pra te passarem o cartão e você pagar em dinheiro (isso se o cartão deles tiver saldo e você tiver dinheiro em espécie pra pagar).
  3. São países com uma diversidade incrível de lugares, climas, culturas, atrações. Você precisa saber o que quer ver/fazer/conhecer primeiro antes de se decidir. Agora se o foco for custo x benefício: Peru, sem sombra de dúvidas.
  4. Perigoso é o Brasil. Chega lá de manhã cedo, faça uma pesquisa nas agências e escolhe a que mais gostar. Foi o que fiz e deu tudo certo. Simples assim.
  5. 1) Na verdade só me pediram foto e cópia do passaporte aqui pros antecedentes judiciales, mas por precaução tenha para todos. Se você achar mais cômodo leva do Brasil já prontas. Eu tirei fotos e cópias aqui mesmo, e o formulário se for imprimir antes lembre-se de imprimir frente e verso da folha. 2) A autenticação é só baixar pelo site da PRF, enviar pra embaixada do Brasil em Lima por e-mail e ir lá buscar no outro dia. Simples, sem mistério. Na embaixada eles vão te dar o endereço do Ministério de Relações Exteriores pra você autenticar lá a sua certidão de antecedentes da PRF. Não se preocupe em fazer nada antes, muito menos em traduzir porque todos os documentos são aceitos em português graças ao acordo MERCOSUL entre os países. 3) O pedido é um modelinho pronto de docx Word. Só precisa editar com seus dados e endereço no Peru. Não vou anexar aqui porque tá com os dados do meu amigo e não tenho word pra editar. Mas assim que precisar me avisa que te envio por e-mail. Lembre-se que você é membro do Mercusul e o Perú apesar de não ser membro oficial, tem uma série de acordos com os demais países do Mercosul o que facilita muito a nossa vida tanto pra viajar quanto para pedir residência. Então esqueça tudo que você sabe sobre demais imigrações (EUA, EU, etc). Aqui é tudo mais simples. O processo todo deve ter me custado uns S/350. Demorou cerca de 4-5 meses porque eu fiz pouco a pouco e esperei até a minha viagem pra Lima pra autenticar minha certidão da PRF e só depois dar entrada no processo. Além disso eu tô em Cusco e tudo vem de Lima (autorizações, carnet, etc). Acredito que estando em Lima dá pra fazer todo o processo de forma mais rápida porque tudo é centralizado em Lima (por isso que aqui a gente aguarda aceites, carnets, etc chegarem desde lá. Por outro lado toda a imigração Venezuelana (que é enorme, você vai ver) e de fora do acordo Mercosul precisam obrigatoriamente resolver todos seus tramites em Lima (não é igual a gente que consegue fazer tudo de Cusco, Arequipa, etc) então talvez isso atrase um pouco seu processo. Mas vou ser otimista e acho que com 2-3 meses você resolve tudo.
  6. Você entra com visto de turista, não precisa de seguro nem nada contratado. Isso você terá depois que alguma empresa de contratar. Depois que você chegar recomendo que já dê entrada entrada no seu processo para solicitar seu carnet de extranjeria, que é uma identidade para estrangeiro, válida por 2 anos (renováveis) que te dá o direito de viver e trabalhar legalmente no Perú. O processo é simples. Eu fiz quase tudo em Cusco (então não sei indicar os locais exatos que você deve ir) e aproveitei uma viagem que tinha a Lima pra adiantar algumas coisas na embaixada e ministério de relações exteriores. Vou dar o passo-a-passo resumido e qualquer dúvida entra em contato comigo por inbox que te explico mais detalhes: 1 - Ir no escritório de Migraciones, falar que quer fazer seu Carnet de Extranjeria por acordo Mercosul, e pedir a lista de documentos e endereços dos locais que você vai precisar emitir cada um deles. Já aproveita e pede o FORMULARIO F-004 que eles podem imprimir pra você (este formulario tem disponível online, mas quando a gente imprime em duas páginas eles não aceitam, então é melhor pedir que eles imprimam lá mesmo as duas partes em uma só folha pra vc não perder tempo). Os documentos que você vai precisar são: antecedentes judiciales, antecedentes penales e antecedentes policiales. Para emitir cada documento você vai ter que pagar um boleto (mas este boleto não existe fisicamente, ninguém te dá um boleto pra pagar). Pra isso você tem que ir no Banco de La Nacion e falar "vim fazer um pagamento de antecedentes tal" aí eles conferem o valor no sistema, você paga e eles te dão um comprovante. Aí com esse comprovante você vai no local indicado pra emitir o determinado documento. Tem un de 70 e poucos, um de 40 e poucos e outro de 30 e poucos. Tenha sempre o passaporte original e cópias, comprovante de pagamento de cada antecedente e fotos 3x4 quando for nesses lugares. 2 - Baixar seu certificado de antecedentes penais no site da PRF e enviar por e-mail para a Embaixada Brasileira autenticar (ou levar até lá pessoalmente). Eles fazem isso no mesmo dia ou de um dia pro outro. Depois de pronto você precisa ir até a embaixada retirar este documento (sem custos) e de lá você vai precisar ir até o centro de Lima, no Ministério das Relações Exteriores, onde será autenticado por este ministério. Esta autenticação sim vai ter um custo de uns 30-40 soles e não é feita na mesma hora. Você deixa o documento lá de manhã e retorna a tarde pra pegar de volta. 3 - Depois de todos os documentos reunidos, aquele formulário F-004 preenchido, você também precisa assinar um pedido de permanência pelo acordo mercosul (tenho um modelo se precisar). Com todos esses documentos reunidos você precisa fazer mais um pagamento de uns 110 soles (algo assim) e com o comprovante disso você já pode levar toda a documentação para Migraciones que eles vão dar entrada no seu pedido e você terá a resposta de 1 a 2 meses se o seu pedido de permanência foi aceito. Se sim (o que deve ser o caso), você só precisa pagar mais um boleto, pro seu carnet, que deve ser uns 50 soles, e tirar a foto oficial lá mesmo em migraciones. Depois disso é só aguardar o carnet ficar pronto (20 dias em média) e você já estará regularizada no país, com quase todos os direitos (saúde, educação, contrato de trabalho, pagar preços de nacionais em serviços/museus/tours, etc).
  7. Ontem eu fiz um trek pouco conhecido mas muito interessante no Vale Sagrado. Dá pra fazer um bate e volta de um dia saindo de Cusco ou até acompar por lá se quiserem. O trek é de nível moderado e dá pra fazer por conta própria fácil fácil. Contei mais detalhes no meu blog http://vidaemcusco.com/cataratas-perolniyoc-trek/ Dúvidas é só entrar em contato.
  8. Em Cusco, em geral, só se aceitam notas bem conservadas, não importa se é de 1 ou 100 dólares - notas manchadas, com qualquer tipo de rasgado ou falha nas bordas, não é aceita. Mas claro que sempre tem um ou outro que não aceita notas de 100 dólares por segurança (assim como não aceitam notas de 200 soles).
  9. Com BB e Santander eu sei que você consegue sacar em qualquer caixa de qualquer banco peruano, além do Globalnet. A tarifa mais barata é a dos caixas do BCP (tem um banco deles na AV El Sol do lado da Municipalidad de Cusco e outro em San Blas na frente do Templo de San Blas) O caixa da Multired (Av El Sol na esquina do Banco de La Nación) não cobra por saques mas tem limite de 400 soles. Saques saem caros porque você paga taxa pro seu banco no Brasil + taxa do caixa peruano (exceto Multired) + IOF e câmbio desfavorável. Eu já precisei sacar da minha conta no Santander e perdia uns 50 reais fácil nessa brincadeira.
  10. Só pagam impostos nacionais e estrangeiros residentes no Perú. Turistas, com passaporte ou identidade, estão isentos. Agora se você ficar mais do que o tempo do visto que deram na imigração você com certeza pagará multa por permanecer ilegalmente no país. A única diferença de RG pra passaporte é que agora a imigração em Lima não emite mais a TAM (tarjeta andina de migración) que é aquele papelzinho com carimbo e tempo de visto que te dariam ao entrar no país com RG. Com isso quando você for fazer checkin você precisa informar a data de entrada no país para eles baixarem do site da imigração e confirmarem se sua entrada e tempo de permanência no país está regularizada.
  11. Cara, se você acha normal ser mal tratado só porque está viajando em low-cost aí já é outra história. Eu acho inaceitável o tratamento os passageiros tiveram no meu vôo da VivaAir e não acredito que só porque é uma companhia é low-cost a gente precisa se conformar com serviços porcos, descaso, amadorismo, desorganização, falta de atendimento (e vamos combinar que 55USD nem é tão barato assim pra um voo doméstico de 1h). A partir do momento que uma empresa se propõe a oferecer um serviço ele precisa ser bem feito, cumprido, com respeito ao cliente. O lance do hotel, almoço, etc é o mínimo que qualquer empresa poderia fazer (ou vão deixar os passageiros no aeroporto?). No final das contas não me prejudicou em nada toda essa zona, mas 99% dos passageiros ali tinham compromissos, viagens compradas, reservas em hotéis, trens, tours, etc, sem tempo para reorganizar os passeios e que infelizmente jamais serão ressarcidas desse prejuízo. Espero que você não passe pelo mesmo.
  12. Peru: RG ou passaporte apenas. Não é necessário certificado de vacina.
  13. Essa "taxa de saída" é ilegal e nada mais é do que uma propina cobrada pelos policiais da imigração nas fronteiras. Taxa que inclusive me recusei a pagar na fronteira Bolivia - Chile. Multa por permanecer no país depois do vencimento do visto é outra história. Já o IVA é um imposto para nacionais/estrangeiros residentes que não se aplica para turistas.
  14. Esqueça roupas pesadas nessas regiões. Como o clima muda o tempo todo de frio pra calor, sol pra chuva, escolha roupas que protegem do frio e vento mas que sejam leves e fáceis de transportar, sem ocupar espaço ou pesar na mochila, no caso de precisar tirar. Fleece acho demais pra Machupicchu. Uma camisa/camisa de manga e uma jaqueta leve (de plumas) pra mim é suficiente. Se não tiver jaqueta impermeável leve uma capa de chuva por precaução (dependendo de como estiver o clima). Não se assuste com o tempo fechado (nublado) pela manhã na hora da subida - o tempo quase sempre fica assim nas primeiras horas do dia e logo abre.
  15. henriquefarage

    Peru em Janeiro

    Jamais podemos confiar na previsão do tempo na região de Cusco. Há diferentes climas para cada zona (cidade de Cusco, Salkantay, Machupicchu, Aguas Calientes, Vale Sagrado) e que mudam o tempo todo. Um exemplo: quando eu fui pra Machupicchu a previsão era de tempestade (tormentas elétricas) e o dia foi inteiro de sol e céu limpo. Ontem a previsão para Laguna Humantay era tempo nublado e tava um sol e fazendo calor incrível. Quem conhece esta região ignora completamente a previsão do tempo simplesmente por não ser 100% confiável e não se pode planejar viagens só com base nisso.
  16. Se ainda tiver tempo, fuja da VivaAir. Aqui eu relato minha experiência com eles: http://vidaemcusco.com/viva-air-peru/
  17. Uyuni > La Paz La Paz > Copacabana Copacabana > Cusco
  18. Sim, mas é mais fácil/prático/seguro reservar ida e volta com a mesma empresa em Cusco ou até mesmo em Aguas Calientes (se for o trecho da volta).
  19. = Não dê assunto a esta pessoa que fala que o boleto não vale de nada. O boleto turístico é um ingresso obrigatório para qualquer turista, nacional ou estrangeiro, visitar sítios arqueológicos, ruínas e museus na região de Cusco. Dentro as atrações contempladas estão as ruínas de Sacsayhuaman, Ollantaytambo e Pisaq, além de Moray, que estão entre os lugares mais bonitos e interessantes para se visitar em Cusco. Gastar dinheiro com passagens, hospedagens, etc, pra uma viagem a Cusco e ver as principais atrações "do lado de fora" é uma estupidez sem tamanho. E esta ideia genial de entrar escondido pra não pagar, sinceramente, não vou nem comentar.
  20. Você precisa tomar uma van de Cusco a Mollepata ou Challacancha e começar a trilha de algum desses dois lugares. Há vários tópicos explicando isso aqui, é só pesquisar.
  21. Ninguém chega ou sai de Aguas Calientes. Estão cancelando vários trens 😢
  22. É sempre um risco, mas fazendo de maneira calculada dá certo. Uma vez eu saí de Vitória pra ir pra Guarulhos e eu tinha vôo de lá pra Bolívia no dia seguinte. Eu comprei este vôo pra GRU um dia antes justamente pra ter tempo em caso de cancelamentos e atrasos de vôo. O vôo foi atrasado então eu acabei trocando meu vôo original por outro que ia pra Guarulhos fazendo escala no Rio antes (eu tinha a opção de sair mais cedo e fazer escala em Confins assim, mas caso desse algum problema na conexão, estando no Rio eu chegaria relativamente rápido de ônibus até SP). Fiz o mesmo de Vitória pra Confins. Eu tinha um vôo de Confins com conexão em BH pra Lima, então comprei um vôo separado de Vitória pra Confins com uma margem muito boa de tempo, então caso eu perdesse este vôo ou fosse cancelado, eu teria tempo de pegar um ônibus e chegar a tempo no aeroporto de Confins. É só calcular o tempo de deslocamento entre cidades e ter um plano B que te possibilite chegar no aeroporto pra pegar seu vôo.
  23. Estude e tenha uma experiência mais autêntica, mais contato com a cultura e moradores dos locais por onde você passar. Sobreviver você sobrevive em qualquer lugar do mundo sem saber o idioma (até sendo mudo), agora as experiências serão muito diferentes. Um mochilão é uma experiência única para mergulhar em diferentes culturas então eu recomendo que se dedique ao máximo a aprender castellano antes e durante a viagem e não faça como a maioria dos brasileiros que conheço viajando que por preguiça e arrogância, acham que todos os países vizinhos são obrigados a entender seu idioma.
×
×
  • Criar Novo...