Ir para conteúdo

fabioinacio

Membros
  • Total de itens

    19
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

0 Neutra
  1. Olá pessoal, Acabei de lançar o meu novo blog/site sobre viagens e fotografia. Gostava de saber a vossa opinião sobre ele de forma a poder melhorar. Gostam do aspecto? O que mudavam nele? http://www.walkingaround.pt Críticas são muito bem vindas! Abraços e boas viagens a todos!
  2. Olá olá pessoal Gostava de saber nomes de meios de comunicação que existem no Brasil sobre viagens. Revistas, Jornais/Suplementos, Blogs! Grande abraço,
  3. Olá olá pessoal fica aqui o video feito depois de quase vinte meses de viagem, todo ele feito com a gopro!! Beijos & abraços!!
  4. Olá pessoalll, estive estes últimos três meses sem fazer nada, sem fotografar, sem viajar, só a perder dinheiro, infelizmente a minha viagem não vai ser como queria e já não vou para a América do Sul, vou seguir para a Indonésia hoje… Acabei de lançar o meu novo site&blog, fico feliz se passarem por lá e deixarem a vossa opinião http://www.walkingaroundph.com Para festejar este recomeço de viagem nada melhor que o lançamento do meu site onde tem o blog incorporado, uma pequena galeria com fotografias que vão estar disponíveis no livro que vai ser lançado no fim da viagem, relatos e histórias dos países por onde passei, nada de muito detalhado pois existe também a possibilidade de sair um livro escrito, estas histórias vão sendo publicadas aos poucos, para começar já lá está a parte da Turquia onde tudo começou, e o separador tv, onde vou colocando vídeos. O blog e as redes sociais também vão ser atualizados com muito mais frequência, os planos para já são seguir para a Indonésia onde já estive duas vezes, uma em 2010 e outra no ano passado mas em ambas só na ilha de Sumatra, desta vez vou voltar a passar por Sumatra porque quero ir até à Malásia sem entrar num avião mas antes disso vou explorar outras ilhas ou não tivesse este país mais de dezassete mil ilhas. Sendo este site&blog novo ficava feliz que partilhassem com os vossos contactos de e-mail e redes sociais de maneira a ter mais pessoas bonitas a seguir a minha história. Fica aqui o porquê de ter estado três meses pouco ativo: Planeei a viagem com uma paragem de uns meses na Austrália para trabalhar de modo a conseguir juntar algum dinheiro para seguir para a América do Sul, apesar de ter estado três meses pela terra dos cangurus não consegui o objectivo pretendido, foi impossível adquirir o visto que queria, tentei de várias maneiras mas infelizmente não foi possível e desta forma vou falhar no que me tinha proposto fazer, América do Sul. Estou triste e desiludido comigo próprio mas já não há nada a fazer. Vou continuar a viagem pela Ásia, depois Europa e para finalizar África, vou na mesma fazer os quatro continentes mas desta forma vai ser uma volta ao mundo aos zig-zags. Como já referi fiquei desiludido comigo próprio mas agora não vou pensar mais nisso, é altura de seguir a fotografar com força e colecionar histórias. O melhor do mundo para todos, Beijos & Abraços, Fábio
  5. Olá, Continuo na China, na minha viagem entre Lao e China conheci um rapaz Chinês que esteve a viajar uns meses pelo sul da Ásia, fomos parte do caminho na conversa, parte do caminho a tentar dormir, chegamos a Kunming e ficamos os dois no mesmo hostel por duas noites, depois disso ele voou para a terra dele onde vai ficar até ao ano novo, depois vai para Pequim onde tem trabalho. Em Kunming ele ajudou-me a conhecer um pouco da gastronomia chinesa, para ser sincero estava com um pouco de medo porque as únicas duas vezes que tinha ido a um restaurante chinês em Portugal em ambas depois de sair do restaurante fui comprar uma pizza porque sai de lá com mais fome do que aquela que tinha quando entrei no restaurante, não por não terem comida mas porque não tinha gostado de nada. Aqui felizmente foi diferente, comemos “Hot Pot” e adorei se bem que em algumas partes senti o corpo todo em chamas, eu sou uma pessoa que adora picante, até mais do que o normal ou pelo menos eu pensava isso mas desde que estou em viagem que acho que gosto/aguento menos do que o normal, foi assim por quase todos os países por onde passei e acontece o mesmo, não em todas as comidas mas em parte delas, o “Hot pot” é uma panela cheia de água que está no meio da mesa, a panela está dividida em dois, numa das partes pomos o molho picante, na outra parte alguns temperos depois de estar a ferver adicionamos o que escolhemos para a refeição que pode ser tudo, mesmo tudo, carne, peixe, marisco, legumes, etc... E depois disto é comer sem parar, no fim ele não me deixou pagar, disse que como estávamos na china ele tinha de pagar. Depois de quatro dias por esta cidade comprei o bilhete para Pequim, capital da China, o rapaz não me queria vender o bilhete de acento, queria que eu fosse deitado porque era uma viagem cansativa de quase 30 horas, eu rejeitei principalmente por causa do preço, ele disse que eu era doido, mas não é nada de mais, já tinha feito mais do que isto em outras viagens de comboio e autocarro mas a verdade é que cheguei todo partido porque o comboio ia completamente cheio e a viagem durou duas noites, na primeira ainda consegui passar quase sem dormir, na segunda sentado no meio de duas pessoas já estava a dar em doido, assim tirei o meu saco de cama e estendi no meio do corredor onde consegui descansar um bocado se bem que de 5 em 5 minutos estava a levar com o carro das vendas de comida em cima assim como com os pés do pessoal. Em Pequim fiquei com a minha amiga Danni, uma rapariga americana com quem tinha viajado por dez dias na Índia, depois da Índia ela seguiu viagem para Pequim para se juntar ao namorado onde trabalham em uma creche a ensinar Inglês, é uma maneira muito boa de poupar dinheiro e estão centenas e centenas de estrangeiros aqui a fazer o mesmo, por exemplo a minha amiga ensina inglês em uma creche, tem a mesma turma todo o dia, são mais ou menos quinze miúdos entre os 2 e os 6 anos, tem quatro professoras chinesas a ajuda-la, ela ganha 2 mil euros mensais e as quatro professoras juntas não ganham o que ela ganha. Os ordenados dos locais aqui são bastante baixos se bem pelo que percebi tem estado a melhorar nos últimos anos. Sempre que pensava sobre Pequim e a China pensava em caos, milhões de pessoal em todo o lado, metro a rebentar pelas costuras, duas horas para atravessar a estrada, impossível andar nos passeios, mas, não é nada disso, no metro muitas das vezes tenho lugar sentado, atravessamos as estradas sem o mínimo problema comparando com todos os países asiáticos e não se vê assim tanta gente, para falar a verdade muitas vezes nem penso que estou na China talvez porque tinha uma ideia predefinida totalmente errada. O que gosto mais da capital são as “Hutong”. "Hutong" são as tradicionais ruas chinesas que parecem labirintos, as ruas são estreitas e em cada porta existe um caminho ainda mais estreito com várias casas lá dentro, estas casas não têm casa de banho, assim pela parte principal das "Hutong" existem dezenas de casas de banho públicas, a cidade está renovada e já não existem muitas por aqui mas felizmente encontrei uma parte que permanece quase intocável e é brutal andar por lá, pena é o frio que está sempre por aqui no inverno. Na semana passada enquanto visitava a Cidade Proibida que é uma das atrações mais visitadas em todo o mundo fui borlado por três chineses. Os 3 meteram conversa comigo, um deles tinha 4 vezes o meu tamanho, falamos sobre tudo e mais alguma coisa, eles disseram que eram de Shangai, que estavam ali em trabalho "IT" e que iam ficar por cinco dias, mal disse que era de Portugal um disse: - "O chefe já lá esteve duas vezes." O chefe era um dos três que estavam comigo e rapidamente começou a falar. - "Já estive em Lisboa, adoro futebol e adoro o Benfica, também estive em Espanha." Continuamos a falar mais ou menos meia hora até que um deles pergunta: - "Gostas de cerveja?" - "Não, não gosto cerveja." Respondi eu. - "E de café?" Volta a perguntar. - "Também não." Digo eu a rir e prossigo: - "Só de chá, adoro chá." - "Ah sim, nós vamos parar para beber algo, queres ir ali connosco?" Perguntou mais uma vez. E assim foi, sempre em conversa paramos num café meio escondido e entramos em uma sala ainda mais escondida em que foi lá alguém perguntar o que queríamos. Pediram dois bules de chá e juntos vieram umas bolachas. Depois de vir o chá começaram a fazer várias perguntas sobre dinheiro, se ganhava muito, se tinha muito dinheiro, até chegaram ao ponto de me pedir o cartão de crédito, disseram que queriam ver porque nunca tinham visto um visa, eu disse que não tinha, já estava a ver que ia ser tramado (A Danni já me tinha dito que existiam estes esquemas de convidar turistas para beber chá e depois faziam eles pagar a conta, sempre um valor altíssimo, mas na altura ela tinha dito que eram miúdas que convidavam). Depois de o chá chegar quando eles começaram a falar de dinheiro vi que ia se passar isso comigo, não estava aberto a pagar muito mas fiz-me sempre de desentendido porque reza a história que se não pagares eles fazem-te umas festinhas, estando eu ali sozinho sem saber onde fiquei na minha. Pediram a conta ainda com um dos bules cheios, a conta eram 780 Yuan que é +/- 115€ disseram que tinha-mos de dividir pelos quatro o que dava 195 Yan cada ou seja 30 €, mas na altura de pagar só paguei eu e outro deles para fingir que eles também estavam a pagar, depois disso fui-me embora e eles ficaram. Ou seja paguei 30€ por dois bules de chá, só bebo chá do bom, escusam de me convidar para beber um chazito de um euro. No passado dia 14 fez um ano que estou em viagem e nada melhor que chegar nesse mesmo dia a um novo continente, Austrália, ums dos países que mais curiosidade tenho em conhecer desde os meus 14 anos quando comecei a fazer bodyboad, vi centenas de filmes feitos na Austrália e claro também devido ás reportagens da National Geographic, esta semana foi passada a sul de Perth na casa de um casal amigo de um amigo meu, ou seja não os conhecia de nenhum lado mas foi como se estivesse em casa, boa comida, praias lindas, pessoas fantásticas, ontem voltei para Perth e agora vou ficar por aqui uns dias para resolver o meu futuro. Sabia que a entrada da Austrália era rigorosa mas nunca pensei que fosse tanto, fui completamente revistado assim como toda a minha bagagem, no início disseram que tinha vestígios de canábis ao que eu respondi que era perfeitamente normal porque quase todos os locais por onde andei o pessoal fumava mais tarde depois de analisarem o meu computador disseram que tinha vestígios de cocaína, sim, cocaína, fiquei em choque não sabia se rir ou chorar, para falar a verdade foi uma das poucas drogas que não vi nesta viagem, ainda para mais o último mês estive na casa de uma amiga e tenho a certeza que ela não consome isso, possivelmente nos hosteis onde estive no Lao mas eu não vi nada, eu que nunca fumei nem um charro fiquei logo a tremer, eles perguntaram várias vezes se eu tinha algo, eu disse que não e como não encontraram nada mandaram-me embora, também achei esquisito terem levado o meu tlm por 10 minutos para uma sala. Não sei se estavam a gozar ou se era sério, a verdade é que a mulher tirou vestígios da roupa, mala, caderno, computador e foi analisar… A verdade é que tudo correu bem e agora eu ando aqui perdido por este país brutal, pena ser caro, mas mesmo muito caro. Espero que estejam todos em grande forma, Abraços & Beijos, Fábio
  6. Olá, eu estive 3 messe pela India, muitas vezes andei sozinho principalmente nas viagens entre cidades e só posso dizer que adorei a Índia, fiquei viciado e quero muito voltar, mas eu sou homem e é verdade que não tenho nem um quarto dos problemas que as mulheres têm, atenção, não te quero meter medo com isto mas li uma reportagem que em cada 16 horas uma mulher é violada na Índia, mas durante a minha viagem encontrei muitas mulheres sozinhas, umas viajei com elas, outras falei só por umas horas e a verdade é que todas como eu ficaram viciadas e querem voltar, a Índia é um país de contrastes, amor e ódio, muita coisas não gostei, mas quando penso na Índia nem me lembro delas. Ou seja o meu conselho que vale o que vale. Convém utilizares roupas que te cubram o corpo todo, pelo menos quando estiveres sozinha, olhos sempre bem abertos, se alguém te disser vem à minha loja comigo, ou minha casa, ou etc., não vás, se encontrares viajantes que gostes viaja com eles para ganhares confiança, tenta te informar de como são os locais de onde queres ir antes de ires. Quando estiveres sozinha muitas pessoas de agências de viagens vão te abordar a dizer que te vão ajudar, que é perigoso estares onde estás e vão te tentar vender um pacote de turismo por um preço muito alto, acontece o mesmo quando chegares ao aeroporto, o taxista vai dizer que o hostel que tens marcado é perigoso e que já violaram mulheres nas redondezas, não acredites porque é um esquema para te levar para outro hotel e ganhar dinheiro com isso. Alguma dúvida sobre a Índia podes perguntar!!
  7. Oláaaaaa daqui a 7 anos?? o meu roteiro tem sido alterado todos os dias, depois de amanhã a minha viagem faz 11 meses e está a ser o melhor do mundo para mim!! se alguma vez precisares de algo aqui está o meu mail e página de facebook da viagem, estou sempre disponível para responder e ajudar ao que precisarem [email protected] https://www.facebook.com/fabioinaciofotografia Viajaaaa muittoooooo Beijos
  8. Olá Enrico, eu contigu essai média porque dico grande parte do tempo em alojamento gratuito em casa de pessoas locais, é uma grande ajuda porque o alojamento na Ásia não é tão barato com as pessoas pensam, tirando o Nepal e India para mim a Ásia não é muito barato comparando com o custo de vida de Portugal, assim uma excelente maneira de poupar é fazer couchsurfing e comer na rua ou cozinhar em casa, nada de restaurantes… Fico feliz que estejas pelo Vietname, eu adorei, fiz de Sul a Norte de mota e foi demais Não percas Ninh Binh, fica a três horas de distância de Hanoi e é muito bonito, podes fazer passeios de barco pelo rio, entrar em caves e subir a montes para ver o por do sol, adorei, assim como Hoi An uma pequena vila muito mas muito turistica no meio do Vietname, mas muito bonita… As grandes cidades também adorei, talvez as minhas preferidas da Ásia, principalmente Hanoi. grande abraço e boas viagens
  9. A viagem ainda não acabou, estou pela China agora, ainda bem que gostaste do video Os valores são em média 500 dolares por mês, em uns países gasto um pouco mais em outros um pouco menos, este valor é sobre Alojamentos, comida, transportes (sem contar avião longa distância) Abraços
  10. Olá a todos… os valores dependem sempre de país para país, por exemplo é impossível gastar o mesmo na Índia e na Tailândia, eu em média estou a fazer 500 dólares por mês, durmo em couchsurfing, fiz voluntariados e fico sempre em hosteis baratos, raramente vou a restaurantes porque a comida de rua apesar de ser mais barata é muito mais saborosa. Se tiverem alguma dúvida que pretendam que responda mais rapidamente podem sempre enviar para o meu mail… [email protected] Deixo aqui um video que fiz sobre o meu ano de 2014 com algumas imagens da Ásia, espero que gostem… O melhor do mundo para vocês todos, Fábio
  11. Oláaaaa Como disse no último post voltei para a India, voltei a aterrar em Delhi e fiquei uns dias com um amigo de couchsurfing, no total já fiquei mais de duas semanas em casa dele, depois segui uns dias para Daramshala, local onde vivem muitos refugiados do Nepal e o próprio Dalai Lama, é um local bastante turístico, muito yoga, meditação, música, droga, israelitas, sim, israelitas acho que posso dizer que mais de 50% dos turistas aqui eram de Israel, perguntei a alguns qual a razão e todos diziam o mesmo, depois da escola todos têm de ir para a tropa, mulheres 2 anos e homens 3, depois disso todos vão viajar, India e América do Sul são os destinos, até os restaurantes têm comida Israelita. Depois fui para Manali uns dias que fez a ponte entre Daramshala e Leh. De Manali a Leh são 20 horas de mini-bus e são 20 horas de doidos, sobe desce montanha, estradas sem nenhuma segurança e sempre o mesmo condutor em que paramos no total 1 hora. Achei Leh bastante parecido com Daramshala ainda para mais era a altura do Kalachacra, de 1 a 14 de Julho todos os dias mais de cem mil pessoas assistiram aos ensinamentos do Dalai Lama, cheguei a Leh as 11 da noite doente devido ao choque de altitude e ao frio que apanhei na viagem, sim fui em calções e t-shirt, Leh é um local quente mas em viagem andamos por montanhas a cinco mil metros de altitude e estava mais fresquinho Devido ao Kalachacra e ser 11 da noite foi dificil encontrar guest house livre, quase duas horas depois encontrei uma, cama de pedra, toda suja e sem casa de banho, lá fiquei mas não consegui dormir por estar doente, ou seja, duas noites sem dormir, de manhã fui procurar outro lugar e encontrei mais barato e mil vezes melhor, fui ao médico e uns dias depois estava novo para ir fazer um trek, 8 dias de Rumtse a Tsomori ri lake, todos os dias andar entre 5 e 6 horas, sobe e desce montanha, o máximo foi 5600m e depois acampar, bastante frio de noite, quase sempre bom tempo de dia, fui mais dois rapazes, franceês e alemão, o guia, o tratador de cavalos e o cozinheiro, nesta altura foi mais caro e difícil encontrar pessoal porque todos estavam a assistir ao Kalachacra, eu só lá fui um dia para ver o Dalai Lama e gostei de algumas coisas que ele disse que costumo seguir na minha vida: "Mais importante do que qualquer religião é o respeito e ajudar as pessoas, caso não seja possível ajudar, pelo menos não magoar" eu sou Cristão mas não acredito na igreja, mas muito mais que religião acredito na partilha, respeito, amor, acho que estes valores são realmente importantes epois acho que cada um é livre para seguir os ideais que quiser. Fiz anos dia 18 de Julho e aluguei um taxi a meias com um dinamarquês, pai e filho checos e um casal de polacos, durante 3 dias e duas noites fomos até um vale chamado Nubra, é um vale gigante que vai até perto do Paquistão, eles disseram que o fim do vale antigamente pertencia mesmo ao Paquistão, não sei se sim, se não. É uma zona lindíssima que tem montes, lagos, rio, deserto, camelos, pequenas vilas... Os outros dias foram passados a conviver em Leh com pessoal de todo o mundo sempre com os Israelitas a dominar. Viagem de 20 horas até Manali e mais umas quantas até Delhi, tudo seguido, mais uns dias na casa do meu amigo em Delhi e mais umas horas de viagem até ao Nepal. Antes do Nepal tenho de contar mais uma história de susto tipo a do avião no meu último post, isto acontece a 90% das pessoas que fazem a viagem Manali-Leh e a quem anda de taxi nos montes de Ladakh. A estrada que liga estas duas cidades é quase sempre feita em montes, grande parte em estradas de chão e alguma parte em alturas de 3, 4 ou 5000 metros, sempre á beira do precipício, quem vai do lado do precipício não vê a estrada pelo vidro por a estrada ser tão curta, principalmente me ultrapassagens e quando vai um carro em diferente direcção. Ou seja para Leh fui sempre com o coração nas mãos, mas de volta foi pior porque o piloto pensava que estava a participar no mundial de ralis, uma das raparigas israelita que ia comigo depois de pedir a ele três vezes para ir mais devagar começou a chorar, uma indiana vomitou e outra ia ajoelhada no meio do corredor agarrada aos bancos, todos dissemos várias vezes para ir com calma mas parecia que ele percebia o contrário, a verdade é que eles conduzem bastante bem sem dúvida, mas as coisas não acontecem só aos outros e existem vários factores, são 20 horas de carro em que só se para uma hora no total, estradas sem condições, outros condutores doidos pelo caminho, e a droga, sim, não tenho dúvida que eles metem alguma coisa, estão sempre bastante eléctricos. Mas correu tudo bem e agora quando me lembro começo a rir, mas na altura queria era chorar, já falei com várias pessoas e antes de eu contar a minha história a deles era semelhante, para verem os 5 que partilharam o taxi comigo no Nubra Valley para lá foram de carro e para Delhi voltaram todos de avião, os checos na ida para Leh capotaram o carro, mostraram fotos, e sorte que foi num local em que não estavam no topo do monte, os polacos a rapariga fez a viagem toda a chorar e o dinamarquês em viagem prometeu a ele mesmo que mesmo que o voo de regresso para Delhi fosse muito caro ele não ia voltar de carro. Existem outras maneiras menos perigosas, fazer em dois ou três dias, existe a opção de dormir pelo caminho e não é muito mais caro, também existe a opção de mota, que sem dúvida me parece a melhor e quando voltar é o que vou fazer, Ladakh é lindo e quero mesmo voltar, de mota podemos parar quando quiser, podemos conduzir junto ao monte, vamos na velocidade que queremos, é muito mais liberdade. Esta estrada é considerada uma das mais perigosas do mundo, a primeira acho que é na Bolivia mas não sei se vou experimentar Como já disse agora estou no Nepal, vim até cá para renovar o visto e visitar umas aldeias, foi o que fiz e depois vim para Pokhara onde fiz 5 dias voluntariado, foi sem dúvida perfeito, estive num orfanato a cortar mato, ajudar na cozinha, ir buscar os miúdos na escola, ajudar nos trabalhos e claro brincar ao máximo, tentei dar tudo o que tinha mas sem dúvida recebi muito mais do que o que dei, ver os sorrisos deles é incrível e receber aquele amor todo, se quiserem podem ver o video aqui: Agora vou até Katmandu mais uma vez e depois ou sigo para uma pequena vila ainda no Nepal ou volto para a India e vou até Goa... Boas viagens a todos Fábio _________________ www.fabioinacio.com www.facebook.com/fabioinaciofotografia http://apa-tvedras.blogspot.com/
  12. Olá amigos, faz hoje 4 meses que deixei Portugal, a última vez que aqui escrevi estava em Padang, Oeste de Sumatra em Indonésia, estava indeciso no que fazer e na altura decidi seguir até Kuala Lumpur, fiquei por lá cinco dias, é uma cidade engraçada, gostei muito dos dias que por lá passei muito por culpa das pessoas que conheci, o que aliás como era de esperar tem sido uma das melhores coisas da viagem, as pessoas que vou conhecendo… Depois segui para a Tailândia, comecei em Banguecoque e fiquei por lá um mês, estava eu no meu terceiro dia por lá quando aconteceu o golpe de estado, para mim não causou muito incómodo porque a única alteração que tive de fazer foi começar a ir para casa/hostel antes das dez da noite, continuei a minha viagem para norte e fiz Ayutthaya, Sukhothay (adorei esta) Chiang May e Pai, depois voltei a Banguecoque. Gostei de todas mas principalmente de Sukhothay, é uma cidade cheia de história, bem organizada, limpa, barata e em Maio com muito pouca gente, gostei bastante de Pai também, não pela pequena vila que é engraçada mas é 100% turística mas principalmente pela área envolvente, quedas de água, florestas, montes, muita natrueza… Fica aqui um pequeno video de Sukhothay: EU quero fazer toda a Indochina, mas estou a pensar em fazer de mota, agora como é a época das monções e já tive alguns dias de muita chuva pela Tailândia decidi fugir desta zona por uns meses e voltei para a loucura da Índia, eu sei que aqui a época é de monções também e por causa disso tive uma má experiência na chegada a Delhi, voei por +/- 180€ entre Banguecoque e Delhi, comprei o bilhete um dia antes no site da Indego, o voo foi de quase quatro horas, mas os últimos 30/40 minutos foram assustadores, bastante mau tempo em Delhi, vento, três horas da atrde e parecia de noite, o avião abanou muitas vezes forte, as vezes parecia que descia bastante rápido e fazia bastante barulho, depois volta a estabilizar, para piorar a situação ficamos em espera quase vinte minutos pela nossa vez de aterrar, ou seja, andamos ás voltas no meio da tempestade, algumas pessoas gritaram eu ia simplesmente agarrado ao banco da frente e a tremer… Foi sem dúvida a pior experiência em aviões, sei que acontece muitas vezes, sei que muitas, muitas vezes e bem pior e sei que estava tudo controlado mas quando lá estamos em cima sentimos um sentimento de impotência que nos leva a pensar tudo, é engraçado que no inicio do meu voo o rapaz ao meu lado, dizia-me que tinha medo de andar de avião, ao que eu respondi que adorava… Acho que continuo a adorar, mas fico feliz por não os usar por uns tempos. Agora estou em Delhi e hoje de noite vou partir para Dharamsala, fico por lá uns dias e depois sigo mais para norte. Sobre estes quatro meses só tenho a dizer que tem estado a ser muito melhor do que imaginei, viajar é qualquer coisa de outro mundo, aprender, partilhar, ensinar, conhecer, viver… Espero que todos consigam concretizar as vossas viagens, Beijos e abraços, Fábio https://www.facebook.com/fabioinaciofotografia http://walkingaroundphotography.blogspot.pt
  13. Pessoal, podem vir sem medo, eu estou na Tailândia há 9 dias, podemos ver alguma policia na rua, as ruas onde fazem as manifestações estão fechadas, mas não sinto nenhuma falta de segurança, a única diferença é que desde a última sexta feira até à próxima segunda feira temos de estar em casa depois das dez da noite, fecha tudo até essa hora, mas de resto podemos andar pela rua, visitar tudo, falar com toda a gente sem o mínimo de problema, na minha opinião não devem mudar os vossos planos por causa disto… Ainda ontem estava a andar pela rua aqui em Ayutthaya depois de jantar e uns locais vieram me chamar para a festa de anos de um deles num bar, ou seja cheguei ao meu quarto quase à 1 da manhã. Abraços a todos, Fábio
  14. Bom dia Mochileiros Fez ontem um mês que comecei a minha vagem à volta do Mundo e só posso dizer que está a ser qualquer coisa de lindo… O roteiro não é o que publiquei antes, tenho estado sempre a alterar. Comecei esta viagem por Istanbul, só 5 dias, não foram suficientes mas deu para passar pelos principais pontos turísticos e ainda caminhar pelas ruas de Istanbul sem destino certo, é uma cidade gigante, mais população que Portugal, diferentes tipos de transportes públicos, as estações de metro ainda não estão ligadas entre si, mas depois de se perceber como funciona não é muito difícil utilizar os transportes, apesar de, sempre que conseguia usava os meus sapatos, prefiro andar, vimos mais Sai de Istanbul com o sentimento de que ficou muito, mas mesmo muito para ver e segui para o Irão, Teerão… e como me apaixonei… 20 dias pelo Irão, queria ficar mais, muito, mas muito mais, tanto para ver, tanto para viver, aqui, as pessoas fazem o pais, elas dão tudo o que têm e não aceitam nada em troca, sempre a ajudar, "raptar" para suas casas, oferecem alojamento, comida, chás, só num dia numa pequena vila de nome Palangan, fica no Curdistão bebi mais de 23 chás ahaha. Andei também por Isfahan e Shiraz… Em Shiraz 11 de Março tinha avião para Nova Delhi com escala no Dubai, e é por Nova Delhi que estou, totalmente diferente, no Irão eles davam tudo, aqui eles querem tirar tudo, muito mais confusão, mas não é pior que qualquer outro lugar, é só diferente… Beijos e abraços http://walkingaroundphotography.blogspot.pt https://www.facebook.com/fabioinaciofotografia
  15. Mais um twitter @WalkingAroundPh beijos e abraços
×
×
  • Criar Novo...