Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Thaís Liege

Membros
  • Total de itens

    18
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

2 Neutra
  1. Resolvi fazer esse relato pra contar sobre a minha viagem para a Itália entre dezembro/2018 e janeiro/2019, desde os preparativos até o retorno. PASSAGENS Comprei minhas passagens meio que no susto, no mês de novembro para datas em dezembro. Como só consigo pegar férias a partir do dia 20 de dezembro, fico sempre dependendo de promoções, porque mesmo comprando com antecedência, os valores estão lá no alto. Comprei as passagens no site da Latam, sendo que o valor de ida e volta, já com as taxas ficou em R$ 2.080,48. Na ida, eu sairia de Guarulhos no dia 24/12, às 23h15 (sim, para economizar, nem Natal a gente comemora), fazendo escala em Madrid e chegando em Milão - Malpensa no dia 25/12, às 17h45. Na volta, o voo seria direto, saindo de Milão – Malpensa, no dia 11/12, às 19h05 e chegando em Guarulhos às 04h50. Ocorre que o meu voo de ida foi cancelado. Belo início de viagem, mas isso é assunto para processinho hahahaha... A cia aérea me realocou em um voo para Frankfurt no dia seguinte (25/12), às 23h00. Como no dia 26/12 eu já tinha viagem de Milão para Veneza, conseguiram que eu pegasse um voo de Frankfurt direto pra lá, pela Lufthansa. O resultado é que perdi um dia em Veneza. Sorte de pobre soberbo. Comprada a passagem, fui para os preparativos e entre eles, estava descobrir o que era necessário para que não fosse extraditada ainda no aeroporto. Basicamente, era necessário passaporte com validade superior a 3 meses, passagem de retorno ao Brasil, reserva dos locais em que ficaria hospedada, o seguro saúde e comprovação de recursos financeiros para me manter lá durante a viagem. Passaporte e passagens em ordem, precisava arrumar os demais. SEGURO SAÚDE Para o seguro saúde, é necessário dar mais uma pesquisada por conta das coberturas necessárias. Também chamado de Seguro Schengen, por conta do Tratado de mesmo nome que visa dar livre circulação de visitantes entre os países signatários (entre eles a Itália), o seguro saúde para a Europa precisa de ter uma cobertura de no mínimo 30.000 euros, além de cobrir traslado de corpo e outras coisas. Para encontrar o que se encaixava nas minhas necessidades, eu usei um dos buscadores de seguro que tem na internet (não lembro o nome) e acabei optando pelo AC 35 Europa, da Assist Card, que custou R$ 179,85, do dia 24/12/2018 à 12/01/2019. Lembro que antes pesquisei pra ver e muitas pessoas que precisaram de usar o seguro, tinham falado bem da agilidade e atendimento deste, sem qualquer tipo de problemas. COMPROVAÇÃO DE RENDA A comprovação de renda você pode fazer de várias formas. Pode levar um travel card (cartão pré-pago) carregado, com o extrato de quanto tem nele, ou então um cartão de crédito, com comprovante do limite. Apesar de essas opções trazerem um pouco mais de segurança por não ficar andando com um monte de grana por aí, tem que ter em mente que a cotação diferenciada do travel card e o IOF do cartão de crédito podem pesar do bolso. Por exemplo, quando fui atrás disso, a diferença de cotação para dinheiro vivo e para carregar o cartão pré-pago era de quase 20 centavos por euro. Por conta disso, preferi levar tudo em dinheiro mesmo (cotação de R$ 4,59) e não tive nenhum problema com isso. Na maioria das vezes eu levava tudo comigo quando saía, em uma doleira (as várias camadas de roupas escondiam o volume da minha pequena fortuna). Nas poucas vezes que deixei nos armários dos hostels, não senti falta de nada. Ao todo, levei 900 euros e voltei com 164,64 euros, o que deu quase 40 euros por dia de alimentação, transporte dentro das cidades, lembrancinhas, algum passeio que resolvia fazer no dia e as diárias de Bolonha e de Florença, que paguei na hora. Feitos alguns dos preparativos, era hora de decidir o roteiro, para poder fechar as acomodações e os deslocamentos dentro da Itália. ROTEIRO Tive que levar em consideração que parte da viagem eu faria junto com um amigo que já estaria na Itália e parte faria sozinha, mas isso em nenhum momento foi problema, tanto que fechamos os mesmos destinos, só que em ordem inversa. Como eu chegaria e voltaria para o Brasil por Milão, Ficou assim o meu roteiro: 25/12 à 26/12 – Milão 26/12 à 28/12 – Veneza 28/12 à 30/12 – Bolonha 30/12 à 03/01 – Roma 03/01 à 06/01 – Florença 06/01 – Pisa 06/01 à 09/01 – Turim 09/01 à 11/01 – Milão ACOMODAÇÕES Decididos os locais e datas, passei a pesquisar as acomodações, optando por hostels que ficassem próximos ao transporte público e de restaurantes e bares, pois apesar de querer algo econômico, não queria cozinhar, já que um dos motivos para eu estar indo para Itália era pra comer bem. Todas as minhas reservas foram feitas pelo Booking. Como perdi minha diária em Milão por conta do cancelamento do meu voo, nem vou comentar sobre o mesmo. Veneza - Generator Venice – 2 diárias = 37,40 euros para quarto misto, com 16 camas, banheiro compartilhado e sem café da manhã. Mesmo tendo muitas camas, achei o espaço muito bom, sendo que cada cama tinha seu gaveteiro, além de ser super quentinho. O banheiro pelo que eu vi tem um por cada andar. Ele era BEM pequeno no geral e mais ainda nos dois boxes para banho, mas nada que fosse extremo e a limpeza dele era ok. O mais legal é que esse hostel tem um bar no térreo, frequentado tanto por hospedes quanto por pessoas de fora. Lá eles servem algumas coisas no café, além de massas, pizzas e drinks. Um ambiente muito legal, com mesa de sinuca, cadeiras, sofás e música. A localização também é ótima, porque apesar de não ficar em Veneza e sim na Ilha de Giudecca, ele fica de cara para a Praça de São Marcos, tendo dois pontos de barco muito próximos, com travessia de no máximo 5min. até Veneza. Bolonha – Dopa Hostel – 2 diárias = 60 euros para dormitório feminino, com 6 camas, banheiros compartilhados e café da manhã incluso. Esse foi o meu hostel favorito na viagem toda. As camas eram no estilo capsula, só que no tamanho GG, tanto que dava pra ficar sentado lá dentro, além de ter uma cortininha para maior privacidade. Uma das hostess era maravilhosa, na minha primeira noite ela fez risoto ao funghi pra mim e uma galera que estava conversando na cozinha, sem cobrar nada, além de conversar com todos e ter belas recomendações da cidade. Tinham 3 banheiros, mas daquele tipo de banheiro de casa mesmo e sempre limpos. Aqui foi o único lugar que encontrei café da manhã com comida salgada, como pão, torrada, queijo parmegiano reggiano, salame, além de ter geleias e nuttela. Eles também tinham café, leite e chá. Uma delícia. Além disso, as recomendações de lugares para comer deles foram as melhores. Melhor lasanha que comi na minha vida foi de um restaurante que eles nos passaram. A localização em Bolonha eu acho que não tem muito segredo. Andamos a pé para todos os cantos. Roma – Roma Scout Center – 4 diárias = 104,76 euros para dormitório feminino, com 4 camas, banheiro compartilhado e café da manhã incluso. Esse hostel foi escolhido porque não tínhamos mais tantas opções, já que estava muito próximo da viagem e englobava o réveillon. Apesar disso, foi um bom hostel. O quarto dava para uma varanda e tinha armário. O aquecedor que era meio desregulado, ou você estava com frio, ou com calor. O banheiro era ok, estilo de colégio e a limpeza também não tenho do que reclamar. O café da manhã só tinha uma torradinha pra quebrar o açúcar de geleias, pastéis de massa folhada com recheio doce, cereal, entre outras coisas. Apesar disso, era muito bom e tinha até água com gás. Ponto negativo é que não tinha área comum, sendo que você acabava conversando apenas com o pessoal que estava no seu quarto. A localização era boa, apesar de não estar próxima às principais atrações da cidade. Esse hostel fica próximo a várias estações de metrô e da estação de trem de Tiburtina. Florença – Emerald Palace – 3 diárias = 69 euros para quarto misto, com 4 camas, banheiro privativo e café da manhã. Hostel limpo e confortável. Pelo que eu entendi, quem cuida do hostel é uma senhora e o filho. Essa senhora era a simpatia em pessoa. Apesar de falar pouquíssimas coisas em inglês, ela tentava entender a todo custo. No café ela prepara torrada e cappuccino para todo mundo. Esse hostel fica MUITO bem localizado. Em frente à Basílica de San Lorenzo, pouquíssimas quadras da Duomo, dos principais Museus e tem diversos restaurantes e bares à sua volta, mas também não tinha lugar para interação entre os hóspedes. Turim – Bamboo Eco Hostel – 3 diárias = 72 euros para quarto misto, com 6 camas, banheiro compartilhado e café da manhã. Hostel ok, não tenho maiores reclamações. Fica longe da estação de trem e dos principais pontos da cidade, mas fica super próximo de ponto do TRAM e tem restaurantes por lá, inclusive em frente, tem um boteco brasileiro que estava fechado justamente no período em que estava na cidade. O café da manhã também era ok, com vários tipos diferentes de leite e tinha a cozinha e uma sala de área comum. Milão – Milano Ostello – 2 diárias = 44 euros para quarto feminino, com 6 camas, banheiro privativo e sem café da manhã. Apesar de não ter acontecido nada, achei esse um hostel meio estranho. Sei lá, mas não gostei muito. Para ir na área comum, tinha que descer as escadas e quando fui lá, só tinham funcionários do hostel. Fica longe dos principais pontos da cidade, mas a poucos metros de uma estação de metrô. Também está próximo de mercado e vários restaurantes. Gostei muito da localização. *Uma coisa importante é que existe um tal de imposto municipal em pelo menos todas as cidades em que passei, que deve ser pago em dinheiro, na hora do check-in. Portanto, o valor desse imposto não está incluído no da diária e vai de 1 à 3 euros no total, para cada uma das acomodações. PASSAGENS PARA DESLOCAMENTOS NA ITÁLIA Já os valores com deslocamentos não teve pra onde correr, ficaram bem mais pesados, pois as passagens mais baratas já estavam esgotadas. Optei em fazer todas as viagens internas de trem, mas sei que em alguns trechos, principalmente os mais longos, as passagens de ônibus ficariam bem mais em conta. O ponto negativo é que de ônibus demora bem mais tempo. Também decidi por fazer essas viagens no período da manhã, o que acredito ter sido um erro. Como esse período é de inverno na Europa, amanhecia tarde e escurecia super cedo, no ponto de 17h00 parecer noite e às 20h00 eu já estar pensando em dormir. Acho que se fizesse os deslocamentos no fim do dia, teria aproveitado bem mais os curtos períodos de sol. Para passagens de trem pela Itália, existem duas cias, a Trenitalia e a Italo. Pelo que eu vi, a Italo opera poucos trechos, mais próximos de Milão, então a maioria dos meus deslocamentos foram todos pela Trenitalia. Importante observar que existem categorias diferentes. As que eu comprei foram da Regionale e da Regionale Veloce, que não tem assento marcado e você pode pegar qualquer trem dentro das 4 horas a partir do horário para o qual você comprou a passagem, desde que seja para o mesmo trecho. Também comprei da Frecciarossa, FrecciaBianca e Intercity que não sei a diferença, mas acho que seriam os assentos marcados. Na real eu nem fiquei olhando essas categorias, apenas escolhi as passagens mais baratas para os horários que eu queria. Os custos com trem foram os seguintes: Veneza – Bolonha = 12,60 euros (Trenitalia – Regionale Veloce 2ª classe) Bolonha – Roma = 65,80 euros (Trenitalia – Intercity 1ª classe) Roma – Florença = 24,90 euros (Trenitalia – Frecciarossa 2ª classe) Florença – Pisa = 8,60 euros (Trenitalia – Regionale 2ª classe) Pisa – Genova = 9,90 euros (Trenitalia – FrecciaBianca 2ª classe) Genova – Turim = 12,40 euros (Trenitalia – Regionale Veloce 2ª classe) Turim – Milão = 9,90 euros (Italo – Smart) PASSAGENS NAS CIDADES, CITY PASS E ATRAÇÕES Alguns city pass e atrações comprei adiantado ou para garantir, ou para agilizar as visitações. Outros ingressos deixei para comprar na hora porque sabia que não eram tão concorridos. Veneza VeneziaUnica = 30 euros - https://www.veneziaunica.it/en Adquirido no site ou em postos de vendas, esse city pass tinha a validade de 2 dias e valia para ônibus e vaporetto, que é o “barco ônibus”, menos para os mais luxuosos e para o ônibus que sai do aeroporto e vai para Veneza. Esse passe pode ser utilizado no período de um ano desde a sua compra. Achei necessário esse city pass, primeiro porque ficaria hospedada em outra ilha, precisando de pegar barco ao menos na chegada e na saída, segundo, queria fazer o passeio para as ilhas de Murano, Burano e Torcello, terceiro, como ficar hospedada de frente para a Praça de São Pedro e não querer dar um pulinho lá? E por último, as passagens de vaporetto estavam 7,50 euros, se eu não me engano. No site do VeneziaUnica é possível encontrar combos em que você escolhe o que quer, dá pra colocar mais ou menos dias de transporte, visitação à museus e igrejas e muitas outras coisas. Eu comprei pelo site e tentei fazer a retirada do passe (que é um cartão) nas máquinas que ficam na Piazzale Roma, mas não consegui. Sorte que o ponto de venda que fica no mesmo local ainda estava aberto e a atendente me entregou. Ônibus Aeroporto Marco Polo – Piazzale Roma = 8 euros Comprei em um guichê dentro do aeroporto e param nos pontos de ônibus logo em frente à saída. Pelo que eu vi eles também vendem lá no ônibus, antes da partida. Bolonha Não gastamos nada com atrações e passagens de ônibus. Roma Roma Pass = 38,50 euros - http://www.romapass.it/ Passe com validade de 72 horas que você pode usar para o transporte público (ônibus e metrô) e também dá direito à entrada gratuita em duas atrações e à desconto em outras. No site você pode optar pelo passe de menos tempo também e ver quais são as atrações disponíveis pra você visitar com esse passe. Nós optamos por ir no Coliseu, Palatino e Fórum Romano (que valem por uma entrada), que não precisam de agendar visita, só enfrentar numa fila enorme. Também fomos ao Museu Borghese, que necessita de agendamento prévio, feito por telefone. No momento da compra, você deve escolher o local de retirada dos passes. Eu achei melhor retirar na estação central, sendo que o guichê fica na zona de atendimento aos turistas. Para retirar, você deve levar o número de ordem da compra (preferencialmente a confirmação enviada pelo e-mail) e o passaporte da pessoa que comprou. Museu do Vaticano = 21 euros - https://biglietteriamusei.vatican.va/musei/tickets/do?weblang=en&do Também tem que ter agendamento prévio de data e horário, feito no próprio site, na hora da compra. Florença Como fiz tudo a pé, não gastei com transporte. Bilhete único para Galeria Uffizi, Palácio Pitti e Jardins de Boboli = 18 euros Esse bilhete tem validade para 3 dias, sendo que você só deve agendar a data (no próprio site) para visita à Galeria Uffizi, que necessariamente será a primeira das 3 atrações a ser visitada. Bilhete para Galleria dell’Accademia = 16 euros Também deve ter agendamento prévio da visita, feita pelo site. Os bilhetes de todas, ou ao menos as principais atrações de Florença estão disponíveis para compra no site https://webshop.b-ticket.com/webshop/webticket/eventlist Retirei ambos os ingressos na bilheteria que fica do lado de fora da Galeri Uffizi. Turim Passagem avulsa de TRAM = 2,50 euro Você pode comprar nas máquinas, dentro do TRAM. Não lembro ao certo, mas acho que paguei 12 euros na passagem de 2 dias de validade. Comprei em uma lojinha que ficava ao lado do hostel. Museu Egipcio = 13 euros + 1 euro para o guarda-volume Comprei na bilheteria do próprio museu. Museu do cinema + elevador panorâmico = 11 euros. Foi o único museu em que eu consegui o desconto por ter 26 anos (pessoas com até 26 anos tem direito à entrada reduzida em museus e outras atrações). Comprei na bilheteria do próprio museu. Milão Transporte metrô por 2 dias = 8,50 euros Comprei na estação central, assim que cheguei, em uma loja lá dentro. Não fui em atrações pagas em Milão, então não tive gastos com isso. Esses foram os principais gastos que tive com a viagem, sem considerar a conversão e o IOF das compras feitas pelos sites. Feitas essas considerações, passo a falar do que mais gostei de cada cidade e quais as minhas considerações sobre elas. VENEZA Como só tive um dia em Veneza, saindo cedo para fazer os passeios em outras ilhas, acabei só conhecendo a cidade à noite. Então não tenho muito o que comentar. Devo dizer que amei ficar em Giudecca e passear por ela à noite. Além de ser bem mais barato do que ficar hospedado em Veneza, dá a impressão que você está em uma ilha abandonada, com aqueles casarões antigos dando um ar ainda mais misterioso. Murano É uma ilha bem simpática e os vidros ali fabricados são mesmo muito lindos (e caros). Não visitei nenhuma fábrica, mas parece que o valor pra essa atividade fica entre 3 e 5 euros. Burano Toda colorida, é a ilha perfeita pra tirar fotos. Foi nessa ilha que almoçamos, em um restaurante que tinha o menu completo por 20 euros, sendo que você podia escolher o primeiro prato, o segundo e a sobremesa (melhor panna cotta de café). Torcello É uma ilha minúscula que não tem muita coisa, mas que eu achei maravilhosa e queria ter passado uma noite. Tinha um restaurante lotadíssimo por lá, com cheiro muito bom e valor ok. Só não paramos pra almoçar porque estava cheio de pombas (problema da Itália, que tem milhares de pombas em todos os lugares). BOLONHA A minha recomendação lá é diminuir o passo, visitar a Piazza Maggiore, almoçar uma lasagne ala bolognese (10 euros) na Trattoria del Rosso, a melhor que já comi na vida e pra gastar as calorias, subir a pé para o Santuário de Nossa Senhora de São Lucas, que estava cerca de 6km do nosso hostel e que é quase todo feito sob pórticos. Lá existem alguns museus e outras atrações pagas pra visitar, mas preferimos ir com calma e aproveitar o bom tempo que encontramos depois das temperaturas amenas de Veneza. ROMA Reserve um dia para visitar o Coliseu, Palatino e Fórum Romano. Essas atrações estão coladas umas nas outras, sendo que o Palatino e o Fórum estão no mesmo “parque”. Coliseu é um clássico e deve ser visitado, mas se fosse pra eu eleger o meu predileto, com certeza seria o Palatino e Fórum Romano. Reserve ao menos umas 4 horas pra passear tranquilamente por essas maravilhas. Sem falar que na minha opinião, lá fica a melhor e menos concorrida vista para o Coliseu. Outro passeio que eu amei foi a Vila Borghese e a Galeria que fica lá e que tem obras mundialmente conhecidas de Bernini, Caravaggio, da Vinci, entre outros. O parque é sensacional e enorme, eu também reservaria um dia pra visitar ele e a Galeria. O Museu do Vaticano tem um acervo fantástico, desde artefatos egípcios, esculturas gregas e pinturas de valor inestimável (Capela Sistina que o diga). Mas como a maioria dos lugares em que fui, estava quase intransitável de tanta gente. É bom se programar pra passar ao menos meio dia pra visitar o museu todo, mas acho que o ideal seria um dia todo, pra você descansar, porque o negócio é realmente MUITO GRANDE. Também visitei a Piazza di Spagna (lotadíssima), Fontana di Trevi (bufando de gente), Piazza del Popolo e Pantheon que são relativamente próximos. Também fui no Altare dela Patria, que achei o monumento mais bonito da cidade. Uma dica é deixar pra comprar as lembrancinhas da viagem em Roma, porque foi o lugar mais barato em que vi. Tem uma banca do outro lado da rua da entrada do metrô da estação central que tinha muita coisa mais em conta e o dono é um etíope muito gente boa. As miniaturas estavam por 1 euro, enquanto 3 chaveiros estavam por 5 euros. Outra dica, por experiência própria, é que caso você vá passar o fim de ano em Roma e quer ver os fogos, a praça em frente ao Coliseu não é muito recomendável, pois a queima de fogos ocorre no Circo Maximus, sendo que o coliseu encobre tudo. Decepção hahahahaha FLORENÇA A cidade mais gostosinha pra você caminhar e admirar absolutamente tudo. Vá à Galeria Uffizi (enorme e sensacional), à Galleria dell’Academia (David), mas principalmente, vá até o Palácio Pitti, que é um combo entre grandes obras de arte, coleções de porcelana e gemas de pedras preciosas, arquitetura, vista da cidade e a natureza dos Jardins de Boboli. Minha atração favorita. Para uma bela vista da cidade, também vá até a Piazzale Michelangelo, principalmente no fim da tarde. Uma dica é para que você aproveite para ir no mesmo dia em que visitar o Palácio Pitti, pois as duas atrações são relativamente próximas. Fora isso, bata perna por toda a cidade, visite a Duomo, tire várias fotos por lá e pela Ponte Vecchio e admire essa cidade que parece que realmente foi feita pra abrigar arte. PISA Cheguei em Pisa lá pelas 9h00 e saí de lá às 14h30. Queria ter passado uma noite por ali também. Amei tudo na cidade que vai muito além da torre. Foi aqui que comi a melhor pizza da viagem, na Pizzeria l’Arancio, que encontrei por acaso no meio do caminho, voltando da Piazza dei Miracoli pra estação. TURIM Praticamente ninguém de fora da Itália vai pra Turim, a não ser por conta do futebol. Foi um choque, porque a Itália inteira estava lotada de brasileiros, menos Turim. Aqui tem o segundo maior museu egípcio do mundo e um dos melhores e mais completos de cinema. Inclusive, o Museu de Cinema de Turim, que fica no Mole Antonelliana, é sem dúvidas o meu predileto de todos que já visitei (o segundo é o Minas Vale e o terceiro é o Nacional de Cuba). Você precisa tomar a bebida mais conhecida da cidade, o Bicerin, que é deliciosa, apesar de cara (5 euros no Caffe Regio). Também recomendo visitar o Parco Valentino, que é lindinho, principalmente no início ou no fim do dia. MILÃO Sem dúvidas, a Duomo merece ser o principal cartão postal, porque aquilo é lindo e incrível. E parece que as pombas acham o mesmo. Por ali fica a Galeria Vittorio Emanuele que eu não vi muita graça (sou pobre) e a Rinascente, loja de departamentos gigante e que na cobertura tem um bar e uma bela vista pra catedral (de graça). Outro ponto que amei foi o Parque Sempione, que fica atrás do Castello Sforzesco. Dá pra entrar no Castelo, mas eu já estava farta de museu nesse ponto da viagem hahaha De lá eu fui a pé para conhecer o Bosco Verticale, passando pelo Bairro de Brera que é maravilhoso, cheio de restaurantes, cafés, prédios modernos e capelas antigas. Acho que é isso. Gostei muito da viagem, mas não tanto quanto eu esperava. Não comi tão bem quanto imaginei (senti MUITA FALTA de arroz, feijão e carne mesmo), mas comi a melhor pizza e a melhor lasanha da minha vida por lá. Acho que se algum dia eu me recuperar do rombo financeiro dessa viagem, a Itália não estrará tão cedo na minha lista de destinos. Ps1: na maioria das cidades eu não tive problemas em falar inglês com o pessoal do comércio ou mesmo com transeuntes. Ps2: em todas as maiores ou mais movimentadas cidades por que passei tinha uma loja da Venchi, onde tomei os melhores gelatos. Ps3: o gelato da Amorino, na Galeria Vittorio Emanuele é bonito (e caro), mas não tão bom. Ps4: o trecho de viagem de trem entre Pisa e Genova é todo feito pela Costa. Tome cuidado para pegar passagens durante o dia, pra poder ver essa maravilha.
  2. Issooo... Aleida!! hahahahah Não comi peixe enquanto estive lá, mas deu pra perceber que ela cozinha muito bem!! Cada vez que ela subia na varanda carregando um prato diferente, era uma alegria sem fim!! hahahah
  3. VARADERO Saímos de Remedios lá pelas 18h e chegamos beeem tarde em Santa Marta, cidade próxima de Varadero. Como já estava tarde, fomos dormir pra acordar no outro dia cedo e já ir pra praia. Acordamos, tomamos café e nos arrumamos pra ir pra praia. Varadero é uma praia linda, mas muito pop e tem um mar muito violento pro meu gosto. Saindo da praia, ouvimos ao fundo audioslave e fomos procurar de onde tava vindo... demos de cara com o bar do Beatles, um lugar bem legal que nos deu vontade de ficar mais tempo na cidade Depois disso, voltamos para Havana pelo caminho mais lindo de todos!! Ficamos em uma casa que eu não me lembro de quem, porque arrumamos em cima da hora, já que o Oscar não tinha conseguido reservar antes. Gastos: Viagem de Remedios até Santa Marta: $140 CUC, dividido em 4 pessoas; Diária: $30 CUC, dividido em 4 pessoas; Café da manhã: $5 CUC; Táxi para Varadero: $30 CUC, dividido em 4 pessoas, ida e volta; Táxi de Santa Marta pra Havana: $70 CUC, dividido em 4 pessoas; É isso gente, qualquer dúvida, podem me perguntar
  4. SANTA CLARA/REMEDIOS De Trinidad nós fomos para Remedios, mas antes, com uma parada em Santa Clara. Nos disseram que 1h era suficiente pra ver o museu, o monumento e o mausoléu. Não acreditem nisso!! Acho que só faríamos tudo com 2h30. O monumento é inspirador, com estátua, frases e a carta de adeus do Che toda transcrita. O Mausoléu é lindo e conservado, lá são enterrados todos os revolucionários que moravam em Santa Clara, com exceção de alguns que tinham família em outras cidades. Conversei com os senhores que fazem a manutenção do local e eles foram tão atenciosos, me explicaram as marcações em cada lápide, me mostraram o último revolucionário que foi levado pra lá e eles falaram tudo com tanto amor... eles realmente fazem o serviço dele com orgulho. É como se eles zelassem pelo bem-estar de heróis de guerra! Por conta do tempo curto, não cheguei a ficar 10min dentro do museu e já tivemos que voltar para o carro. A entrada do museu não é paga e não pode entrar com nenhum tipo de bolsa. Mais algum tempo e chegamos a Remedios, a cidade mais lindinha do nosso roteiro. Passeamos pelas suas ruas, compramos doces de um senhor que improvisou uma vendinha na porta de sua casa (uma delícia!! Se encontrar, comprem o doce de leite com goiabada e o pé de moleque) Fomos até a igreja e em uma galeria de arte que tinha quadros lindíssimos e que fica ali ao lado. Depois do passeio fomos nos arrumar para jantar. No outro dia, partimos para o Cayo Santa Maria, praia mais linda de todas pela qual passamos!! Pra chegar nela nós pegamos um táxi, junto com o Oscar e a "chica" dele :3 huhuhu Para chegar lá, temos que passar por uma ponte enorme, que na verdade não é uma ponte. Na verdade eles dividiram o mar no meio com essa estrada. Ela é tão gigante que depois da 40ª ponte, desisti de contar! Pra chegar na praia você tem que pagar entrada e seguir uma trilha, até isso aqui: Uma hora você tá desviando de galhos, outra hora você dá de cara com esse marzão azul!! O Cayo Santa Maria é a opção mais barata para se conhecer um cayo (ilhota) em Cuba, porque para as outras, é necessário pegar um avião. O atrativo de lá é que tinham pouquíssimas pessoas. Eram tão poucas que alguns ficavam sem pudores e sem roupas hahahahahah... pra quem não curte naturismo, é só não andar para os cantos mais afastado, pois será grande a possibilidade de você encontrar alguém peladão, curtindo uma brisa! hahahahah Depois de ficarmos naquela de entra no mar, sai do mar, vai pro sol, queima no sol, volta pro mar, sai do mar,... rumamos de volta pra Remedios, pegar nossas malas, nos despedirmos de Elsie e rumarmos pra Varadero. Em Remedios nós ficamos na casa da Elsie, que foi uma das melhores anfitriãs. Chegamos lá e ela nos recebeu com a sobrinha dela, que é um amorzinho. Elas nos receberam com um suco (cortesia) maravilhoso, com 365mil frutas diferentes, que ela entregou no nosso quarto, que foi o melhor e mais cheiroso da nossa viagem! Depois de tirarmos uma soneca, nos sentamos e ficamos durante horas conversando com ela. A Elsie é farmacêutica e trabalhou durante uns 2 anos na Venezuela em programa humanitário, o marido dela é doutor em literatura e foi pra algum país na África ser voluntário, dando aula pra crianças carentes. Quando ela contou sobre seus anos na Venezuela, perguntei se isso de ajudar outras nações era ensinado pelas escolas ou algo do tipo. Foi aí que ela me deu uma resposta que quase me fez chorar, ela disse: o internacionalismo é algo que aprendemos com o Che :'( Como eu tava pensando em jantar em algum lugar lá perto, pra economizar, perguntei se ela tinha recomendações. Depois que voltamos do passeio pela cidade ela disse que era pra eu jantar com a família dela, que ela não iria me cobrar, porque não queria que eu jantasse sozinha. Quase chorei de novo :'( Jantei com eles, comentamos sobre política e literatura e conheci a filha dela, que é maravilhosamente linda e inteligente!! No outro dia, quando fomos pra praia, ela preparou uma sacola com lanches e sucos pra gente. Ela só cobrou os lanches Na saída pra continuar a viagem, ela nos fez jurar que iríamos mandar e-mails pra nossa "mãe cubana", porque no fim das contas, ela foi como uma pra gente. Acho que deixei bem claro o quão imperdível é a casa da Elsie, né? hahahahaha... No fim pagamos a mais pra ela, por conta da janta e dos lanches, mas na verdade ela merecia bem mais do que recebeu!! e-mail para contato: [email protected] Gastos da viagem: Viagem de Trinidad para Remedios: $95 CUC, dividido em 4 pessoas; Diária + café + lanches: $37 CUC; Doces: $30 CUP; Entrada no Cayo: $4 CUC (ahhhh, uma coisa importante, pra entrar no Cayo, o turista tem que apresentar o seu passaporte). Mais algumas fotos de Remedios e do Cayo:
  5. TRINIDAD De Viñales até Trinidad foram umas 8h. Primeiro pegamos uma van, que dividimos com uns 14 outros viajantes. No primeiro ponto de parada nós trocamos de carro e pegamos um táxi coletivo que cabiam 7 pessoas tirando o motorista Depois fizemos mais uma parada pra comer e lá pelas 17h chegamos em Trinidad. Fomos recebidos pela Teresa e pela ajudante dela, de quem eu não me lembro o nome, mas que foi uma das melhores pessoas da cidade. Ela era muito engraçada e atenciosa!! Sabe aquelas cenas que a pessoa vai passando na rua e vai cumprimentando todo mundo? Ela era assim, ia cumprimentando com acenos, com beijinhos, aperto de mão e sempre virando pra gente e falando "esse é pintor", "esse é taxista"... hahahahaha, adorei ela!! Nós ficamos divididos, eu e minha irmã na casa da teresa e os meninos na casa da prima dela. A noite fomos jantar na casa dela e depois saímos para a Casa de la Musica, que não era tudo o que dizem... tomamos um mojito e quando deu 23h, fomos para o Disco Ayala, a balada na Caverna. Acho que o problema é que fomos na segunda-feira, mas só tinha gringo!! Ao menos foi engraçado, porque ninguém sabia dançar, tirando os dançarinos que estavam lá pra não deixar a balada morrer hahahahahah No outro dia fomos para o Museu Municipal. Trinidad foi uma cidade super importante por causa do seu litoral, sendo atacada por piratas e sendo importante pra Revolução. Dá pra subir uma escadaria meio perigosa e admirar a vista da cidade. Depois disso, fomos até a Playa Ancon. Única praia banhada pelo mar do caribe onde fomos. Realmente, a água é quentinha e calma, não tinha uma onda!! Mas não achei tão bonita quanto as outras em que passamos. Uma coisa que percebi é que achei Trinidad totalmente dispensável. Eu poderia tê-la substituído por Matanzas, por exemplo, uma cidade pela qual passamos e achamos linda!! Ficamos na casa de Teresa, que é uma mulher beeeem geniosa. Um hóspede ficou reclamando muito sobre a falta de água quente e ela soltou logo um "não me amole"! hahahahahha Mas ela é bem legal, assisti novela com ela e depois ela preparou chá pra minha irmã, que não estava se sentindo muito bem. Fora isso, foi o melhor café da manhã que já comi, com muitas frutas, bolos, biscoitos, torrada com manteiga (sério, Cuba tem a melhor manteiga que já comi). O e-mail dela é [email protected] A diária era de $25 CUC, um quarto para duas pessoas. No fim, esses foram nossos gastos: Viagem de Viñales até Trinidad: $120 CUC, dividido em 4 pessoas; Diária: $25 CUC para duas pessoas; Café da manhã: $5 CUC; Jantar: $8 CUC; Mojito na casa de la musica: $3 CUC; Entrada no Disco Ayala: $5 CUC, com direito a uma bebida; Entrada no museu: $4 CUC; Táxi para Playa Ancon: 20 CUC, dividido em 4 pessoas, ida e volta; Água: $1 CUC. Mais algumas fotos:
  6. VIÑALES Saímos de Havana lá pelas 8h e chegamos ainda de manhã em Viñales. Fomos recebidos por Juan e Magalys e logo arrumamos um passeio a cavalo pra fazer, sorte que eles tinham alguns chapéus e bonés pra nos emprestar, porque o sol tava impossível!! O nosso guia era o Papito, um cara muito gente boa e cheio das malandragens hahahahah os cavalos dele, como ele afirmava, eram todos "semi-automáticos", incrível como eles sabiam o caminho, o nosso único trabalho era pedir a Deus que não caíssemos hahahaha Primeiro fomos até uma fazenda de tabaco. Um lugar lindíssimo!! Um dos donos veio nos explicar o processo de produção de um charuto, desde a plantação. Não nego que metade daquilo tudo não prestei atenção, isso porque o charuto de cortesia e o mojito que compramos já estavam fazendo efeito! hahahahahah Um importante conselho é NÃO TRAGUEM O CHARUTO! Um dos meninos tragou e a próxima cena que eu me lembro é dele com a cabeça sendo lavada dentro do tanque hahahahahah Nessa fazenda nós compramos mojitos, um rolo com 20 charutos e cada um de nós, além do charuto que apreciamos ali, ganhamos um outro. Depois nós fomos até uma fazenda de café. Eles plantam no alto das montanhas, porque o café arábico precisa de altitude pra poder crescer. Por mais interessante que seja a questão de se plantar e colher no alto de uma montanha, o principal foram os moradores da fazenda. Pedimos um café e bebemos conversando com eles. Ficamos um tempão falando sobre futebol!! Os caras são umas figuraças. Se chegarem a passar por lá, fiquem conversando com eles por um tempo, vocês não vão mais querer sair de lá!! Ficamos um tempo, bebemos café, compramos mais um pouco em pó pra trazer pra casa e então partimos para os nossos cavalos "semi-automáticos"! Cavalgamos então até uma caverna, não me lembro o nome dela, mas pra quem gosta de espeleologia, ela é um prato cheio. Quem faz esse passeio é um guia diferente, que nos mostra as várias formações rochosas, as colunas formadas pelo encontro de estalactites e estalagmites e onde o rio passa quando é época de chuvas. No fim da caverna, no teto, o guia mostrou uma formação rochosa que parecia a cidade de Havana de cabeça pra baixo. O passei foi por pouco tempo, mas vale a pena. Indo para o fim da viagem, fomos para uma lagoa. É possível entrar nela e descansar por um tempo, pra depois retomar a cavalgada até retornar à cidade. De volta à casa de Juan e Magalys, nos despedimos de Papito e pedimos a direção do Parque que foi declarado Patrimônio Mundial da Unesco. Dá uma caminhada boa até o parque, que tem proprietário. Esse proprietário fica em uma vendinha que é caminho até a Cueva de la Vaca, uma caverna que fica quase no topo de umas das montanhas e que tem uma espécie de mirador, com a melhor vista da cidade. Apesar de o proprietário dizer que não é obrigatória a compra, ficamos meio envergonhados de não comprar nada. E foi até bom, afinal, precisávamos de água pra conseguir chegar até lá em cima. Voltando pra casa de Juan e Magalys, nós só tínhamos forças pra jantar e ir dormir, afinal de contas, estávamos exaustos e no outro dia iríamos fazer uma viagens de cerca de 8h para Trinidad. Como eu disse, ficamos na casa de Juan e Magalys, que são uma amorzinho de casal. A noite, quando fomos dormir, espiamos e os dois estavam assistindo juntos a novela, cada um em sua respectiva cadeira de balanço <3 Também conhecemos a nora deles, um amor de pessoa, que gosta de interagir com os hóspedes. Apesar de eles terem cobrado os sucos e sobremesas a parte, sem ter avisado, eu gostei bastante dessa casa, do passeio, da cidade, de tudo!! o e-mail deles é: [email protected] A diária era de $25 CUC o quarto. Esses foram os nossos gastos: Viagem à Viñales: $92 CUC, dividido em 4 pessoas; Diária: $25 CUC o quarto para dois; Café da manhã: $4 CUC; Passeio a cavalo com guia: $20 CUC cada um; Charutos: $80 CUC, 20 charutos; Café: $2 CUC; Pó de café: $7 CUC; Passeio na Caverna: $6 CUC Jantar na casa: $15 CUC; Água: 1 CUC; Jarras de suco e sobremesa: não anotei Mais algumas fotos de Viñales:
  7. Depois de tanto protelar, venci a preguiça e vim postar o relato da viagem que fiz à Cuba em fevereiro de 2016 com minha irmã e dois amigos, sendo que um deles conhecemos apenas no aeroporto de Havana. Como estão brotando relatos sobre Cuba, vou tentar apenas acrescentar informações, pro relato não ficar muito grande. Acho que de um modo geral, esse relato valerá mais pras pessoas que vão em grupo de três ou quatro pessoas, porque nossos deslocamentos foram feitos somente com o uso de táxis, já que o valor dividido era bem mais em conta que se cada um pagasse passagens de ônibus. Nosso roteiro foi o seguinte: - 10/fev: saída do RJ às 13h30. Conexão de 2h no Panamá. Chegada no aeroporto de Havana, por volta das 21h30; - 11, 12 e 13/fev: Havana; - 14/fev: viagem e chegada em Viñales; - 15/fev: viagem e chegada em Trinidad; - 16/fev: Playa Ancon; - 17/fev: viagem a Remedios, com parada em Santa Clara; - 18/fev: Cayo Santa Maria; - 19/fev: Varadero e retorno à Havana; - 20, 21 e 22/fev: Havana; - 23/fev: Saída de Havana às 5h, conexão de 12h no Panamá; - 24: chegada às 7h30 no RJ. PASSAGENS -Pagamos R$ 1.100,00 ida e volta com saída do RJ, em uma promoção da Copa Airlines. -Aconselho a cadastrarem o seu e-mail no site deles, pois foi assim que fiquei sabendo da promoção. VISTO -Compramos no portão do nosso embarque com o pessoal da Copa. Custou U$20. -Eu não tenho certeza, mas disseram que eles não dão troco, então preferimos comprar alguma coisa no duty free pra levar o dinheiro já trocadinho. -Acho que é meio evidente, mas guarde a metade da sua Tarjeta. Você precisará apresentá-la em sua saída do país. ATESTADO DE VACINA INTERNACIONAL E SEGURO SAÚDE -Não nos pediram isso em nenhum momento da viagem. DINHEIRO E CÂMBIO -Levei $750 euros , o que deu por volta de $812 CUC e foi o suficiente pra minha viagem e ainda sobrou uma quantia considerável. -Quando você chegar em Havana, existem Cadecas do lado de fora do aeroporto. Fui informada que elas funcionam até a 1h e voltam a abrir às 3h. -Aconselho a pedir para as atendentes recontarem a quantia quantas vezes você achar necessário, porque eu acho, frise-se, ACHO, que me voltaram quantia a menos. De qualquer forma, é bom ter atenção. -Na volta, você só poderá trocar os seus CUC's depois que você passar pela imigração. A Cadeca fica no mesmo local da lanchonete e próximo aos portões de embarque. -Procure ficar apenas com notas de CUC, pois a atendente da Cadeca se negou a trocar as minhas moedas. Resultado: mesmo comprando café, água e um monte de coisa na lanchonete, voltei com $2 CUC de recordação. -Dentro da cidade de Havana é fácil encontrar Cadecas pelas ruas. Já nas outras cidades eu não tenho conhecimento, porque troquei todo meu dinheiro no primeiro dia, só usando as Cadecas pra trocar CUC por CUP. -Troquei uns $15 CUC por CUP pra comprar comida de rua. -Não usei CUP pra dar as famosas propinas, para isso, usei centavos de CUC. Fiz isso porque as pessoas ficavam me olhando com cara de reprovação quando dava CUP e eu me sentia mal AEROPORTO -Sim, é bem diferente. Na chegada você vai enfrentar uma fila bem estranha pra passar pela imigração. -Procure os guichês da esquerda. Parece que os da direita são para pessoas que participam de cruzeiro, ou algo do tipo. -Depois da imigração terão médicas da vigilância sanitária que poderão, ou não, te abordar. Se elas te abordarem, você precisará preencher um formulário comunicando o seu estado de saúde e o local em que você se hospedará. Ou seja, você deverá ter o endereço certinho de onde você ficará (obs: todos os endereços de lá são dados com o nome da calle, nº e entre quais calles o local fica). - Você poderá esperar horas para pegar a sua mala na esteira. Nós demoramos cerca de 2h pra pegar as malas de todo mundo. - Na volta você perceberá mais claramente a diferença do aeroporto de Havana pra qualquer outro do mundo. As lojas de marcas desejadas são substituídas por lojas de souvenir que você encontra em qualquer esquina de Havana e eu não encontrei um lugar pra tomar café enquanto aguardava liberar o check in VESTUÁRIO -É surpreendente, mas leve umas duas calças e dois casaquinhos ou blusa pra Cuba. Quando fomos, uma massa de ar fria estava sobre a ilha, então passamos um pouco de frio quando chegamos. Graças a Deus não durou muito, mas percebi que independente dessas viradas de tempo, a noite em Cuba pode ser bem fresquinha. COMIDA A alimentação deles é bem parecida com a nossa, mas com algumas diferenças. O feijão deles, por exemplo, é preto e já vem junto com o arroz, sem aquele caldinho grossinho de que tanto gosto Eles também são apaixonados por inhame e banana verde fritos. Me apaixonei também <3 Durante toda a viagem, preferimos tomar café em cada uma das casas, pular o almoço, fazer um lanchinho a tarde e depois jantar. Não sofri nada com essa estratégia e economizei bastante!! Escolhemos restaurantes na calle obispo ou então os próximos à Catedral. Só jantamos um dia em uma casa recomendada pelo Oscar, nosso anfitrião em Havana e confesso que foi o melhor jantar da viagem... chegamos e já nos ofereceram um drink, teve entrada que parecia o jantar, com berinjela recheada com pescado, inhame frito e mais uma coisa que eu não me lembro embebido em mel. Prato principal com carneiro, arroz, feijão com caldinho (delícia) e uma saladona!! Depois veio a sobremesa, com flan, sorvetes e geléias caseiras. Quando achamos que tinha terminado, ela veio com um café delicioso (cuba tem uma grande plantação de café arábico) pra despertar. Aí, pra arrematar, deu um licor maravilhoso pra mim e pra minha irmã e rum pro nosso amigo e pro Oscar, com direito a charutos pra quem quisesse relaxar mais um pouco. Isso tudo por uma bagatela de $8 CUC por pessoa... gostamos tanto que resolvemos dar um pouco mais pra ela, porque o jantar foi mesmo espetacular. Se ficar no Oscar, peça pra ele te recomendar onde comer, o café em Vedado também foi muito bom. A entrada no local é de $10 CUC. Entretanto, seu consumo tá dentro desse valor. Ou seja, se você consumir até $10 CUC, não paga nada a mais. Minha conta deu isso e eu comi um Hambúrguer tamanho, gostosura e estilo Madero, bebi um Mojito e pedi sobremesa. Afora esse jantar na casa recomendada pelo Oscar, o segundo melhor jantar em linha sucessória foi o que comemos na estrada entre Remedios e Santa Marta (sim, comemos em restaurante de beira de estrada em Cuba e não passamos mal). O melhor camarão da viagem!! Depois vem o que comemos em Viñales, mas acho que na memória ele não ficou tão bom por conta a cobrança dos sucos e sobremesas por fora -Não tenha medo de comer na rua, mas não seja inconsequente. Comemos frango frito com banana verde, biscoitinhos, sanduíche e suco, todos vendidos na boulevard que fica na rua de cima da casa do Oscar e não passamos mal. Mas se você ver algo meio suspeito, não coma. Mas acho que isso vale pra qualquer comida de rua em qualquer lugar no mundo. SOUVENIR Não compre na calle obispo e muito menos em outras cidades, o melhor local que encontramos pra comprar lembrancinhas foi no Mercado de San José. É um barracão enorme, que fica bem longe do Parque Central, em Havana Vieja (dica: pegue o Paseo del Prado até o Malecón, lá você vai encontrar uma placa com a localização de vários pontos turísticos, entre eles, esse Mercado). Ele tem grande quantidade de artesanato, desde pinturas, até figuras entalhadas em madeira, chaveiros, caixinhas pra guardar o puro camisetas e tudo o mais. Chegamos a comprar 33 chaveiros por $10 CUC, 12 carrinhos/aviões/taxi coco por $12 CUC, entre outras coisas. Acho que ali você só não encontra charutos e rum, de resto, pode comprar todas as lembrancinhas por ali mesmo. CHARUTOS E BEBIDAS Para charutos, falem com o Oscar, ele saberá o que recomendar :3 Já para as bebidas, vá até uma loja que fica em uma portinha ao lado da Floridita, compramos 4 garrafas de rum por menos de $25 CUC. HOSPEDAGEM -Prefira sempre se hospedar em casa de particulares. Essa é uma dica que eu não me canso de repetir. A experiência é outra!! Dadas as dicas, vou contar um pouco de casa cidade e sobre as casas em que ficamos. HAVANA Não fizemos muita coisa. Na verdade, foi uma vergonha, não visitamos quase nada de museus, mas sabe aquela impressão de que você aproveitou bem?? Apesar de não ter ido em muitos lugares, recomendo os que fui... - Palacio de Los Capitanes Generales: irá te tomar umas 2h, sendo um museu bem bonito e tendo vários itens em exposição. Não sei se isso é frequente, mas duas das guias nos explicaram algumas coisas, mesmo que não tenhamos pago pelo trabalho delas. - Plaza de La Revolución: na verdade, eles chamam de outro nome essa praça. Andamos muito até descobrir que estávamos perguntando de um lugar, achando que era outro. Infelizmente não lembro o nome pelo qual chamam essa praça, mas é só dizer que é onde tem o monumento a José Martí e os murais do Che e do Fidel que eles saberão qual é. Vão durante o dia nessa praça, sério! Fomos a noite e ela não tem nenhum atrativo. De verdade, o mural não fica tão legal a noite. Ficamos cerca de 30 min. lá e foi muito. Parece que durante o dia dá pra subir no monumento do José Martí. Infelizmente não pudemos comprovar. - Teatro Alicia Alonso: não confunda o Teatro Nacional de Cuba (próximo à praça com os murais e o monumento) com o Teatro Alicia Alonso, que fica do lado do Capitólio. Esse teatro tem uma arquitetura maravilhosa e a sala de espetáculos é linda. Fiz o passeio guiado durante o dia, parece que tem valores diferentes pra ser acompanhado por uma guia, mas eu paguei a entrada normal e ganhei a visita guiada da mesma forma. Pra mim valeu a pena. Pelo que eu entendi, na sala principal só tem espetáculo de dança. Quando fui, estava tendo uma série de apresentações com o ballet nacional, só que custava $30 CUC e eu não estava em condições. Então descobri que também estava tendo um concerto. Apesar da sala apertada, foi maravilhoso!! Era homenagem de uma maestra e teve apresentação de vários tenores. Aconselho a procurarem esses programas alternativos do teatro, pois também valem a pena. - Museu da Revolução: se você não gosta de ler, nem perca seu tempo, o museu é cheio de notícias e tendo um item ou outro ligado a Revolução. Acho que dá pra reservar umas 3h pra poder ver o museu com cuidado, mas sem se demorar muito. Uma coisa que eu gostei bastante, além de todo aquele nacionalismo revolucionário, é claro, foram das salas e salões vazios, recriando o estilo europeu e tudo com um ar meio bucólico. Fiquei imaginando quais eventos eram sediados ali. Enfim, como uma interessada em história, recomendo muito esse museu!! - Museu Nacional de Belas Artes: só vimos o de arte cubana, porque o de arte universal estava fechado. Uma pena. Esse museu com certeza é daqueles que eu recomendo para qualquer um. De verdade, acho que foi o museu que eu mais gostei!! Você vê os variados estilos, alguns com clara influência européia, mas alguns bem diferenciados. Também havia exposição de fotos e algumas mostras bem interessantes. Uma dica importante é que você comece pelo terceiro andar, pois é nesse andar que você ficará mais tempo. Eu comecei pelo segundo e não deu tempo de ver o terceiro com a tranquilidade que eu queria. Além disso, quando estava indo embora, descobri que deixei de ver uma galeria inteira Por causa disso, eu digo pra você reservar umas 5h pra ver o museu de cabo a rabo. E não é exagero!! Ahhh... o museu só abre às 10h. - Casa do Che: na verdade eles conhecem esse museu como o quartel general do Che e fica do outro lado da Baía. Não tem muita coisa pra ver, mas é imperdível pra quem se interessa pela Revolução. É meio louco você pensar que tá no mesmo lugar em que o Che estava, onde ele traçava estratégias para auxiliar na revolta na Bolívia. Cara, é uma outra atmosfera... além de ter a maior compilação de fotos sorridentes do Che!! Além disso, fica perto do Cristo de Havana, onde tem a melhor vista da cidade. Nem do Castillo era tão boa!! Por lá ficam alguns outros museus e exposições, mas não entrei nesses. - Fortaleza de San Carlos de la Cabaña: fica próximo à Casa do Che, mas nem tanto. Em geral, eu gostei. Uma vista muito bonita, vários canhões e alguns cômodos bem estranhos e até claustrofóbicos. Pra mim valeu a pena, já minha irmã não gostou muito. - Plaza de la Catedral: uma praça bem lindinha, com uma igreja maravilhosa e restaurantes por perto. Tivemos sorte de pegar a celebração de uma missa, com todos os rituais inclusos. Uma coisa sem igual!! Vale uma passadinha e talvez até um jantar em um dos restaurantes que tem por ali. - Plaza Vieja: gostei mais dessa praça do que a da Catedral, principalmente por conta do café Escorial, adorava ir lá, tomar um café, comer alguma coisa e ficar olhando aquela escultura de uma mulher nua, sentada nas costas de um galo, com um garfo na mão... wtf(?) sério, aguém sabe porque a França deu aquela escultura de presente pra Cuba? De qualquer forma, era um lugar que virava e mexia eu tava passando, se tornou um dos meus lugares favoritos na cidade, junto com o Malecón. Tanto o é que nem perdia tempo tirando fotos, não tenho foto nem do monumento do galo hahahahahaha - Calle Obispo: grande concentração de turistas, restaurantes, lojas de souvenir, livrarias e sebos. Recomendo que passe boas horas ali, andando pra cima e pra baixo até encontrar um restaurante ou café agradável, que tenha boa música, ou então que que vá aos sebos ou nas bancas dos ambulantes, onde você encontrará jornais históricos, broches e todo o tipo de lembrança. Só não recomendo que compre souvenir por ali, porque são mais caros que na feira de que eu falei. Se você é igual eu e gosta de comprar livros em cada lugar que visita, a dica é que compre nas livraria do Estado. Tem duas delas no início da Obispo, perto da Floridita. O preço não é tão convidativo quanto eu pensava, mas eu preferi comprar lá do que dos ambulantes. - Paseo del Prado: ruazinha charmosa, que liga o parque central ao malecón. Adorei caminhar por ali, com os piá andando de skate ou jogando bola, ambulantes mais tranquilos e pessoas simplesmente caminhando despreocupadas. - Malecón: ponto obrigatório pra apreciar um pôr do sol. É a orla maravilhosa de Havana, onde carros antigos, músicos e um farol fazem você desacreditar que está em Havana e vendo tudo aquilo. Uma coisa meio chata é que se você for mulher e estiver desacompanhada, não terá muito tempo de paz pra apreciar aquilo. Parece que é o ponto principal de "paquera" hahahahahha Passamos por outros lugares, mas esses são os mais pontuais. Todo o tempo que ficamos em Havana, nos hospedamos na casa do Oscar, que é engenheiro elétrico e já trabalhou para o governo. Oscar é muito gente boa e nossa viagem não teria sido tão boa sem ele. Foi o Oscar quem nos ajudou a montar o roteiro da viagem, quem reservou as casas em cada cidade e também os táxis de cada trecho. Ele viajou com a gente pro Cayo Santa Maria; nos ensinou a andar de taxi coletivo; nos levou pra assistir um dos melhores espetáculos de jazz que já vi, num café bem estranho no Vedado; e por fim, recomendou e foi jantar com a gente no que foi o melhor jantar de toda a viagem!!! Além disso tudo, o Oscar é um cara super politizado, meio que alugamos ele pra perguntar sobre a realidade de Cuba, tanto na política, quanto na cultura. Enfim... recomendo e com certeza, se voltasse pra Havana, ficaria na casa dele. Ahhh... quem for ficar na casa dele, fala comigo depois. O Oscar disse que lá eles tem um grande problema pra encontrar resistência pra chuveiro, como ele é engenheiro elétrico, até consegue dar jeito. Daí eu tirei algumas fotos pra quem for, levar pra ele, que ele paga!! A localização da casa é muito boa. Próximo ao Capitólio, Teatro, Paseo del Prado, Calle Obispo,... email: [email protected] Valor da diária por quarto: $25 CUC para duas pessoas e $30 CUC para três. Café da manhã: $3 CUC. No total, foram esses os gastos que tivemos em Havana: Táxi do aeroporto de aeroporto para a casa do Oscar: $25 CUC dividido em 3; Diária: $25 CUC quarto para duas, $30 CUC quarto para 3; Café da manhã: $3CUC; Entrada para o Palacio dos Capitanes Generales: $3 CUC; Táxi para a Praça da Revolução: $14 CUC, dividido em 3, ida e volta; Visita teatro: $5 CUC; Concerto: $10 CUC; Táxi para o Museu da Revolução: $14 CUC, dividido em 3, ida e volta; Entrada para o Museu da Revolução: $8 CUC; Entrada para Museu de Belas Artes: $5 CUC; Livro Alejo Carpentier: $10 CUC Livro Leonardo Padura: $25 CUC; Jantares: não passaram dos $15 CUC; Lembrancinhas: $50 CUC. Aqui vou colocar mais algumas fotos de lá. Pra não ficar muito grande, vou postar separado cada uma das cidades!!
  8. Thaís Liege

    MOCHILANDO SOZINHA EM CUBA POR DUAS SEMANAS

    Poxa Cadu, não tenho whatsapp, estou um pouco atrasada nesse quesito! hahahahahaha Mas se tiver uma outra forma dava pra combinarmos algo. Iremos em 3 pessoas, já estamos pensando em montar uma caravana! hahahahaha Qualquer coisa, me adiciona no fb: https://www.facebook.com/thais.liege Valeu!!
  9. Thaís Liege

    MOCHILANDO SOZINHA EM CUBA POR DUAS SEMANAS

    Obrigada pelo relato Carol, com certeza vai me ajudar muito!! Tô indo no carnaval, vou dia 10 e volto dia 23 de fevereiro, mas deixei tudo pra última hora e não consigo me decidir em relação a casa que ficarei em Havana hahahahahah
  10. Muito legal o seu relato!! Só uma pergunta, quanto vocês pagaram pela diária e pelo café (se forem pagos separadamente) nas casas em que ficaram em Havana e em Viñales?
  11. Thaís Liege

    Florianópolis

    Oi gente, tudo bem? Um amigo meu e eu estamos pensando em ir pra Florianópolis lá pelo dia 21 de novembro, mas não sabemos se compensa muito ir. Nossa principal dúvida é sobre as trilhas. Elas costumam ser feitas nos fins de semana? Elas são perigosas de fazer sozinhos? Porque temos receio de fazê-las sozinhos, tanto por violência, quanto por algum acidente. Obrigada
  12. Thaís Liege

    Prudentópolis

    Resolvi fazer a trip pra Prudentópolis nesse feriado da páscoa, mesmo assim, não mudou minha situação... irei de ônibus e fiquei sabendo que ninho do corvo aluga bike pra fazer o trajeto entre as cachoeiras, alguém sabe se procede essa informação? Outra coisa, tô cheia de dúvidas hahahahah Vou sair de Maringá na quinta a tarde, em um ônibus pra Ponta Grossa, então terei que posar lá por perto da rodoviária. Alguém tem um hotel pra me recomendar? Chegando na rodoviária, não tem algum meio de transporte que me leve um pouco próximo do ninho do corvo? Pq de lá pretendo pegar a bike e rodar por aí É bom fazer reserva? Queria ficar no camping do perehouski. E por último, é perigoso andar sozinha ou acampar por lá? Ou posso ir um pouco mais tranquila? Obrigada
  13. Thaís Liege

    Parque Estadual do Marumbi

    Então, no meu caso eu fui do conjunto até Porto de Cima a pé, pegando a trilha usada pelo pessoal que faz o caminho de Itupava. Ela começa atrás da estação de trem e leva até Porto de Cima, não tem erro. O único problema é que é longe pra caramba e depois de subir a montanha, a distância parece dobrar. Se você tiver bastante tempo, aproveite, no caminho você vai passar por alguns saltos que não se distanciam da trilha. Eles são ótimos pra você recarregar as energias. Chegando em Porto de Cima, você vai dar de cara com a avenida principal da cidade e com um ponto de ônibus bem a vista. Tem uma sorveteria bem na esquina e eles tem todos os horários dos ônibus que param nesse ponto. Se você tiver oportunidade, pega ônibus ali, mesmo que demore, pois além de você não ter que ir até Morretes, a estrada até Curitiba é pela Graciosa, o que compensa o tempo de espera! Se você não conseguir chegar a tempo de pegar esse ônibus, siga a avenida para a direita... não vai demorar muito e você chegará até a praça da cidade, onde estão os taxistas. A corrida até a rodoviária é praticamente preço fixo (já que eles não usam taxímetro) de R$ 15,00. Aproveite pra conversar com o taxista, tenho certeza que ele terá boas histórias pra te contar. Na rodoviária é só pedir uma passagem para Curitiba e tudo certo. Não me lembro mais ou menos quanto tempo demora, mas não se preocupe, será uma das viagens de ônibus mais confortáveis que você fará depois de km de caminhada
  14. Thaís Liege

    Prudentópolis

    Que pena, tava convicta que conseguiria fazer essa viagem no meio do ano. Mas obrigada mesmo assim Káren
×