Ir para conteúdo

bitmar

Membros
  • Total de itens

    11
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

0 Neutra

Sobre bitmar

  • Data de Nascimento Dezembro 15
  1. Chego em Praga 13 de maio, com 10 dias livres para caminhadas pelo país - uma boa companhia será muito bem vinda.
  2. Caro Sergio, tenho interesse na sua planilha, pois pretendo ir a Ushuaia em janeiro de 2009 de carro e ainda não fechei o roteiro. Aliás, nem companhia ainda tenho....mas chego lá de qq jeito, mesmo sozinho. Vc. utilizou alguma proteção no seu carro para evitar choque com pedras? Qual foi a solução encontrada para enfrentar o temível rípio? Abraços, Mauro
  3. Alguns países não permitem o ingresso de veículos alugados, o documento tem que estar no nome do motorista. Na Venezuela é assim...não sei se a Guiana adota outro procedimento. Nem cogitei de indicar a locação de veículo no Brasil ou Venezuela para transitar na Guiana. Em Boa Vista é possível alugar um 4X4, mas não sei se vc. vai gostar das tarifas.... Vc. já tem um roteiro de viagem? Dependendo de onde quiser ir, Caracas pode ser dispensável.... Segue outro link sobre a Guiana: http://www.wilderness-explorers.com
  4. Hummm....não tenho informações sobre aluguel de veículos na Guiana. Em Lethem não há tal serviço, talvez em Georgetown seja possível alugar um 4X4, mas prepare-se, deve ser caro.
  5. O Range é quase um membro da família, vem prestando bons serviços há bastante tempo. Lethem fica na fronteira do Brasil com a Guiana. Dali em diante vc. tem apoio no Rock View Lodge, uns 150 km de distância, onde é possível optar por acomodações em rede, barraca, baixo custo, ou chalés bem confortáveis e preços nem tanto. É o limite entre a Savana e a Floresta, um ponto muito interessante. Já se pesquisou quem avança sobre quem e chegou-se à conclusão que é a floresta, para nossa felicidade. Bem mais à frente há a travessia do rio Essequibo, numa balsa administrada por mineradora que cobra US$40 por veículo - um absurdo! A parada obrigatória é em Mabura, onde se apresenta passaporte, documento do veículo, etc.... Dali pra frente a estrada melhora consideravelmente, embora sem asfalto é larga e bem mantida. O asfalto começa nas imediações de Linden, uma cidade de porte médio, mas pobre, que fica próxima a Georgetown. Está em andamento um projeto de asfaltamento de toda a estrada e construção de uma ponte sobre o rio Tacutu, fronteira Brasil - Guiana, com o objetivo de ligar Roraima a um porto no Caribe. A obra da ponte, conduzida pelo estado e com recursos federais, foi paralisada pelo TCU depois de constatado que havia sido licitada com 160 metros e construída com 120 metros. O Exército assumiu recentemente a obra.
  6. Fiquei decepcionado com GeorgeTown e voltei mais cedo do que havia previsto. Não encontrei nada de interessante por lá (meio urbano, claro), e tudo era muito caro. Ah...gostei do rum que fabricam lá. Estava contando em utilizar o cartão de crédito para pagar parte das despesas, mas é muito raro encontrar algum estabelecimento que aceite, e fui obrigado a pagar em cash quase tudo, ficando sem dinheiro também. Fiquei com a impressão de que deve-se conhecer a Guiana, mas Georgetown pode ser dispensado. O schwertner perguntou se fui de auto. Fui sim, no Range Rover das fotos que enviei antes. A viagem de ida foi feita em dois dias, parando para dormir no Rock View Lodge, uns 150 km da fronteira com o Brasil, e chegando na noite do dia seguinte em Georgetown. Existem vôos saindo de Boa Vista e de Lethem para Georgetow, custando menos de U$100 o trecho. Uma linha de ônibus havia sido instalada no início do ano, não sei se ainda está ativa, demorava umas 15 horas em condições normais da estrada. Não pude completar viagem para Tobago, infelizmente, meu dinheiro praticamente acabou em Georgetown....mas existem vôos que custam em torno de U$100. Tenho amigos que já visitaram Tobago e disseram maravilhas de lá, daí ter feito a indicação antes.
  7. Bom saber do interesse pela Guiana....existem duas temporadas de chuva, a longa, que vai de abril a agosto e a curta, em dezembro e janeiro. Mas com as mudanças climáticas que estão acontecendo já não há mais certeza de nada. Comunicar-se em inglês na Guiana não é essencial, mas facilita bastante, mesmo que seja aquele bem básico. Eles falam muito diferente, usam expressões estranhas, às vezes incompreensíveis. Não têm uma boa impressão dos brasileiros, pois os que lá vão com freqüência são garimpeiros, que não estão muito preocupados em fazer relações públicas. É importante dizer que é turista, etc... De Georgetown é possível viajar a preços módicos para Trinidad & Tobago ou diversos outros lugares no Caribe. Tobago é uma jóia, não tem aquela exploração turística padrão do Caribe, vale conhecer. Mas...volto a insistir, Guiana (não se usa Guiana Inglesa, eles são independentes faz tempo...) é bastante complicado para turismo. O que existe com infra-estrutura é bem caro, voltado principalmente para europeus.
  8. Sim, é possível ir de carro, mas estilo aventura. Há que se informar sobre as condições da estrada com antecedência, pois na época das chuvas é praticamente impossível passar. É recomendável o uso de um veículo 4X4 com boa altura do solo e dotado de equipamentos necessários ao uso off-road. Se puder ir em grupo, pelo menos 3 veículos, melhor ainda.... O trecho Lethem - Linden não é asfaltado e não dispõe de nenhuma estrutura de apoio, deverá ser providenciado combustível extra, etc.... Tenho pontos de referência marcados para navegação pelo GPS, caso seja de interesse de quem for se aventurar pela Guiana. Pode ficar bem interessante continuar de carro pelo Suriname e Guiana Francesa e sair no Amapá....
  9. Já sobrevoei Salto Angel, uma visão inesquecível. Decolei em Santa Elena, fronteira Venezuela-Brasil, vôo de 1 hora passando pela Gran Sabana, desci em Kavak, um lugar impressionantemente belo, vale a pena conhecer e ficar lá por uns 3 dias. Só se chega de avião...tem um clima de paraíso perdido. Quero chegar agora pela trilha, debaixo de Salto Angel, mas não por Canaima (é fácil...). Saindo de Kavak irei até outra comunidade, dali embarca-se em uma canoa indígena e por três dias navegando, dormindo em rede na selva, até chegar em Salto Angel. Pode-se continuar até Canaima pelo rio.... Mauro Martins
×
×
  • Criar Novo...