Ir para conteúdo

iorran

Membros
  • Total de itens

    61
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

0 Neutra
  1. Quanto a Macchu Picchu, vou transcrever o que escrever Marcelo russo: Machu Picchu é toda cheia de mistérios e cada pedra parece ter uma história interessante para contar. Machu Pichu não precisa de grandes apresentações. Foi e continua sendo uma fonte inesgotável de comentários, idéias, teorias e poesias, tudo que possa fazer trabalhar a imaginação-e nada melhor que esta para encontrar adjetivos e exaltações em homenagem a esse impressionante conjunto de pedras talhadas. Num lugar dos Andes peruanos de privilegiada beleza e difícil acesso, erguem-se as ruínas de Machu Picchu, antiga cidade fortificada dos incas cujos jardins em diferentes níveis eram ligados entre si por mais de três mil degraus. Machu Picchu se localiza numa das zonas mais elevadas dos Andes, no centro-sul do Peru, próximo a Cuzco, antiga capital do império inca. A cidade foi construída num estreito planalto de cerca de 2.400m de altitude, dominado pelo pico escarpado de Huayna-Picchu. Abandonada por seus habitantes em época indeterminada, Machu Picchu ficou coberta pela vegetação durante séculos. Havia entre os nativos da região a crença na existência mítica da cidade, mas suas ruínas só foram descobertas em 1911, por uma expedição encabeçada pelo americano Hiram Bingham, da Universidade de Yale. Para chegar até elas naquela época, era preciso percorrer um caminho difícil entre as montanhas, que partia da localidade vizinha de Ollantaytambo. Machu Picchu é um dos poucos núcleos urbanos pré-colombianos conservados praticamente intactos. Construído em pedra, com grandes blocos graníticos unidos sem argamassa, foi edificado segundo uma concepção urbanística unitária, dentro da qual foi possível identificar diferentes setores ou bairros com funções distintas. O Peru é um país com uma cultura rica e paisagens impressionantes, uma semana não é nada para quem deseja conhecer as belezas do Peru. Existem ruínas de diversas culturas espalhadas por todo o país, trechos de floresta tropical, Lima, as linhas de Nazca, lindas praias no norte, as ilhas do lago Titicaca, a cidade colonial de Arequipa, a Cordillera Blanca, Machu Picchu, Cuzco, etc... Pode-se alcançar Machu Picchu de várias formas, algumas delas incluem caminhadas, trem, ônibus e até helicópteros. Fui para lá tomando o trem em Cuzco até a estação de Aguas Calientes. Em Águas Calientes precisei tomar um dos muitos micro-ônibus que estão sempre partindo para Machu Picchu. Para chegar até o topo da montanha leva uns 15 min. É possível fazer todo o trajeto por conta própria, dá um pouco mais de trabalho mas sai bem mais barato. Uma coisa em que acho não valer a pena economizar é no guia para as ruínas. Fazendo a visita com eles, aprendi muito mais sobre Machu Picchu do que podia imaginar. Bem que a palavra Peru evoca inevitável e quase imediatamente, as imagens de Machu Picchu e do Império fundado pelos Incas, pelos seus caminhos é possível conhecer o impressionante patrimônio arqueológico herdado pelas civilizações mais antigas que são testemunhas de sua arte, costumes, ritos e desenvolvimento. Reportagem: Marcelo Russo Bem pessoal, acho que nem tenho mais nada para falar. Andamos, Babamos de admiração. Algumas pessoas sobrem além de Macchu Picchu no Wine Picchu que é uma montanha maior que fica atrás da cidade. É necessário preencher um formulário. A subida leva de uma a duas horas e a descida também. Portanto, quem chega as onze, talvez não tenha tempo para subir e voltar em tempo de pegar o trem das quatro horas em Águas Calientes. Sentamos numa cabana e apreciando aquela vista maravilhosa, fizemos um pequeno lanche. Aqui vale uma dica: leve lanche para o sitio, pois la tem uma lanchonete e um resta Sentamos numa cabana e apreciando aquela vista maravilhosa, fizemos um pequeno lanche. Aqui vale uma dica: leve lanche para o sitio, pois la tem uma lanchonete e um restaurante. A lanchonete custa muito caro. Uma coca cola custa três dólares e almoçar no restaurante custam 27 dólares por pessoa. Lanche, jogue seus lixos na lixeira e curta a paisagem. Na saída não esqueça de passar numa “alfândega” e carimbe seu passaporte com o carimbo de visitador de Macchu Picchu. Muita gente não sabe disso. Mas é muito charmoso ter no passaporte o carimbo de viajante de Macchu Picchu. Descemos por volta de três horas e fomos tomar um banho, pois estava exausto e maravilhado. Tomamos banho e saímos para comer alguma coisa sólida. Almoçamos num restaurante perto da estação. Muita gente bonita e muita coisa para contar. Todos querem falar ao mesmo tempo. Encontrei a Nilza e o Ronald e fomos andar na feirinha da cidade e também conhecer o balneário de Águas Calientes. Ficamos decepcionados com o balneário. As piscinas muito feias e a água suja. Não tivemos coragem de entrar na água. Tiramos algumas fotos e voltamos para a cidade. Ficamos de bobeira andando pela cidade até anoitecer. Afinal nosso trem só saira amanha as 6 horas. Começou uma chuva torrencial, mas como estava tarde procuramos uma pizzaria e encontramos uma muito bem decorada. Pedimos e o dono veio acender o forno e fazer a pizza em nossa frente. Tudo muito interessante. Tomamos vinho e comemos uma pizza muito boa. 20 soles. Voltamos para o Hotel e fomos dormir, mais um dia exaustos. PREÇOS: TREM DE OLLANTAYTAMBO A ÁGUAS CALIENTES: 44 DOLARES (IDA E VOLTA) ENTRADA DE MACHU PICCHU: 24 DOLARES SUBIDA DE ONIBUS DE AGUAS CALIENTES PARA MACCHU PICCHU: 6 DOLARES HOTEL: 8 DOLARES POR PESSOA PASSSAGEM DE OLLANTAYTAMBO A CUSCO: 4 DOLARES COMIDA: 4 DOLARES POR PESSOA EM MEDIA COMPRAR AGUA TAXI: 3 SOLES 13º DIA Acordamos cedo para tomarmos o trem de volta para Ollantaytambo. Como na vinda já era noite não pudemos apreciar a paisagem. Mas agora estava um tempo muito bom e com muita claridade. As paisagens são lindas e a estrada de ferro margeia o rio Urubumba. Às nove horas chegamos a Ollantaytambo. As pessoas saiam correndo do trem e entram em qualquer ônibus que esta estacionado. Todos eles vão para Cusco e você paga 5 soles por pessoa. Escolhemos um que achamos ser melhorzinho e entramos. Viagem chata e difícil até Cusco. As curvas hoje nos enjoavam. Chegamos a Cusco mareados. Todos cansados e com vontade de vomitar. Voltamos para o Hotel Pirwa. A Nilza e o Ronald optaram por um outro hotel mais barato, mas muito longe da Plaza. Não achei que fizeram um bom negócio. Decidimos ficar mais uns dias em Cusco. Afinal essa cidade é muito linda. À tarde fomos comprar a passagem para o dia seguinte para La Paz. Somente uma empresa faz o trajeto direto entre Cusco e La Paz, vá a rodoviária comprar o bilhete, pois as agencias vendem pelo dobro do preço. Comprei por 80 soles e uma colega que comprou numa agencia cobraram dela 160 soles e ela pagou. Fomos comprar artesanatos. Bel comprou um monte de coisinhas e algumas camisetas. Voltamos para a cidade e nos separamos da Nilza pois foram para o hotel e ficamos andando pela cidade. A noite saímos para comer comida mexicana. Existe um bairro na lateral do Mama África somente de comidas de vários paises. Terrível andar por ali, pois as pessoas te puxam literalmente para entrar nos restaurantes deles. Optamos por uma comida mexicana, mas acabamos comendo pizza. Demorou duas horas para que nosso pedido fosse atendido. Ficamos chateados. Quando voltamos para o Hotel fomos informados que minha irmã havia me procurado três vezes. Fomos ao hotel dela e não a encontramos. Fomos passear na noite de Cusco e dormir. Afinal a única certeza nessas viagens é que cansa muito. 14º DIA Acordamos cedo. Tomamos desajuno e fomos andar pela cidade. Visitamos vários museus e Igrejas, fomos ao Bairro San Blas e visitamos também o Convento de Santo Domingos. Tiramos muitas fotos e almoçamos Pollo com papa. (frango e batata). Acertei com o hotel que ficaria no mesmo até começo da noite pois só embarcaremos as dez da noite. Cinco dólares foi o acerto. Fomos conhecer mais coisas. Andar e andar, pois queria estar muito cansado para chegar no ônibus e dormir a noite toda. Voltamos para o Hotel no final da tarde e tomamos banho e esperamos o Ronald mas a Nilza, pois sairemos do nosso hotel, já que eles não fizeram o mesmo acordo e tiveram que deixar o hotel deles meio dia. As oito da noite pegamos um táxi e fomos para a rodoviária. O ônibus era péssimo e as cadeiras não reclinavam. Mas tomei um dramin e fomos embora de Cusco. Já com saudades. 15º DIA Bem cedo o ônibus parou para que o pessoal descesse para pegar um táxi para ir a cidade de Puno e continuamos a viagem. Existem duas fronteiras da Bolívia para o Peru e vice e versa. Na fronteira que saímos da Bolívia para entrar no Peru indo por Copacabana, por ter muitos turistas, as exigências para a travessia e visto eram suaves. Mas na outra fronteira de Desaguadero, que passa direto para La Paz, a fronteira é exigente e intimidadora. Fomos obrigados a descer do ônibus e passar por uma revista individual. Bel ficou apavorada. Pois os soldados chamavam por nome e quando a pessoa entrava, eles fechavam a porta. Não tinha policia feminina. Quando chamaram meu nome, entrei e um soldado muito educado me perguntou o que fazia no Peru, disse a ele que era professor e que tinha ido conhecer Macchu Picchu, perguntou-me mais algumas coisas e acho que agradei, pois ele devolveu meu passaporte e pegou o passaporte de Bel e perguntou se era minha companheira, disse que sim e ele me entregou os dois passaportes e disse que ela não precisava entrar na sala e que fizéssemos uma boa viagem. Sai dali aliviado. Fomos para La Paz. Chegamos à rodoviária e fomos ao guarda volume e deixamos lá nossas mochilas e pegamos um táxi para o aeroporto para informar sobre passagens e horários. Estávamos decididos a ir par Uyuni e voltar por La Paz de avião. No aeroporto tivemos que esperar até as duas da tarde para alguém nos atender, pois na Bolívia tudo fecha na hora da siesta, entre meio dia e duas ou três. Todo mundo vai dormir nesse horário. Muito estranho acostumar com isso. Com o rosto inchado de tanto dormir veio nos atender uma moça e disse que não tinha vôo para aqueles dias que queríamos e que teríamos que ficar na lista de espera. Decidimos desistir de voltar de avião e pegamos uma van para o centro de La Paz. Fomos para o Hotel Tikina novamente. Pagamos a diária de 100 bolivianos para dois com banheiro e TV a cabo. Não fomos buscar as nossas mochilas na rodoviária, deixamos elas por lá até no dia seguinte. Andamos a tarde toda em La Paz e aproveitamos para fazer mais algumas compras e conhecer alguns bairros. A noite comemos muito pollo e papa e fomos dormir. 16º DIA Acordamos bem cedo e decidimos ir para Oruro e Uyuni neste dia, pois já não tínhamos muito que fazer em La Paz. Pegamos um táxi e fomos para a rodoviária e pegamos nossas mochilas. Paguei 4 bolivianos pelos dois dias. Esse esquema também é muito bom, pois se não precisa de tudo que tem nela, pode deixar no guarda volume e andar pela cidade, ate dormir, sem precisar carregar peso. Tem centenas de ônibus para todo canto da Bolívia e para outros paises na rodoviária de La Paz. Pegamos um ônibus para Oruro, pagamos 10 bolivianos para cada um, mais dois bolivianos pela taxa de embarque. Novamente o ônibus saiu vazio do terminal, mas na primeira esquina estavam dezenas de pessoas esperando para entrar e se livrar de pagar a taxa de embarque. A viagem foi tranqüila, a paisagem com muitas montanhas das Cordilheiras, mas com poucas arvores e muita pedra. Não se passa por cidades, mas algumas casas ao longo da rodovia. Poucos carros trafegando. Chegamos a Oruro às doze horas e paramos no centro da cidade. Oruro fica a 3.707 m do nível do mar na região sul do altiplano boliviano. Embora seja conhecida como a cidade mais folclórica da Bolívia, Oruro não tem muitos atrativos. Pegamos um táxi no centro por 8 bolivianos e fomos para a estação ferroviária comprar a passagem para Uyuni. Na estação ferroviária compramos para o mesmo dia a passagem para Uyuni. Peguei a Expresso del Sur, ele tem a categoria Ejecutivo e Premier e Salón, ambas com poltronas numeradas, mas o serviço difere muito uma da outra, além de ter lanche e bebida na Ejecutivo. Paguei 100 bolivianos pois queria ir numa classe melhorada a Ejecutiva e além disso porque seria a ultima vez que viajaria num a condução decente. , minha irmã e o namorado pagaram 50 cada e foram na classe premier. Disseram que entrou poeira o tempo todo. No nosso vagão tudo muito tranqüilo. Fomos ao restaurante e achei caro a comida por la. Ficamos de bobeira na cidade até as 16 horas quando o trem chegou e partimos. A paisagem é muito bonita. Chegamos a Uyuni as 22 horas. A chegada em Uyuni foi um choque. Uma multidão desceu do trem e para pegar nossas mochilas foi feito um cordão de isolamento pelo Exercito e deixavam poucos de cada vez pegar suas coisas. Demorou muito e o frio era imenso e o vento cortava nossa pele. Pegamos nossas mochilas, amontoamos num canto e sai para procurar hotel. Fazia muito, muito frio. Achamos um hotel perto da estação ferroviária. Quase todos estavam cheio, pois o trem quando chega, vários turistas já tem com reservas de agencias de La Paz. Paguei 100 bolivianos num hotel em frente a estação, Palace Hotel. Não gostei nada dele, além de não ter café da manha e estava muito frio e não estava a fim de andar muito para procurar. Entrei e tomei aquele banho e fui dormir. 17٥ DIA Uyuni é uma cidadezinha perdida no sul da Bolívia Diz a historia da cidade que varias foram as tentativas de colonizar aquela área, mas devido ao terreno inóspito e também ao ataque de índios de todos os lados, aquele pedaço de terra não teve colonização. Somente no final do século XIX que foi fundada uma cidade por lá e a maioria da população hoje vive em função do turismo e minas existentes nas redondezas. Uyuni tem em suas proximidades um imenso salar, são 12 mil km de puro sal. Alguns estudiosos afirmam que a formação desse deserto de sal se deu devido ao choque de placas tectônicas a milhões de anos atrás dividiu os oceanos com a formação do Andes e ficando parte represada e aos poucos foi evaporando e tornando se um grande mar de sal. Na cidade vc acerta a excursão. Tem para todos os gostos. A maioria faz o de um dia somente e outros de quatro, embora possa fazer de dois ou três. Quem organiza as viagens são as pequenas agencias existentes ao longo das ruas de Uyuni, são dezenas. Aqui tem outra dica: Você pode fazer o Salar em três dias e ficar no final dele no Chile em São Pedro do Atacama. Existem mais opções de ônibus para sair de São Pedro do que de Uyuni. Além disso, quem optar pode subir para Arica e Tacna e depois Arequipa. També pode fazer o contrário. Você pode acertar o passeio em São pedro do Atacama, pois todas essas agencias tem representações por la e depois dos três dias ficar em Uyuni. É tudo muito tranqüilo e bonito. Fechamos com a Oásis Tour. Pagamos os quatro 55 dólares, uma pechincha. Tem todos os preços. Normalmente eles cobram 20 dólares por dia por pessoa. Nosso guia foi o Serafio, gente muito fina. Foi decisivo no passeio, pois brincamos com ele a viagem toda. Saímos por volta das 10 horas rumo ao Salar. Na nossa toyota 4x4 estavam mais dois rapazes além de nos quatro, um sueco e outro boliviano. Fizemos amizade na hora. Costumam levar também uma cozinheira que ficou no ultimo assento e foi dormindo o passeio todo e não disse, em nenhum momento, nenhuma palavra. Nossa primeira parada numa cidade chamada Colchani, pequena como todas na Bolívia. La compramos lembrancinhas e outras bugigangas e tiramos muitas fotos. Um museu de sal foi construído para os turistas tirarem fotos e pagarem é claro. Saímos e entramos no Salar. É indescritível. A descrição mais próxima é você imaginar estar numa praia olhando o mar infinito, bem calmo, só que em vez de ver água você vê um imenso oceano de sal. Branco que machuca os olhos, daí a necessidade de óculos escuros. Sem ele você pode prejudicar seus olhos. Depois de rodarmos alguns quilômetros dentro do Salar, paramos numa construção feita de tijolos de sal. Alias tudo dentro foi construído de sal, mesas, cadeiras, camas, tudo. Chama se Hotel de Sal Playa Blanca, nome sugestivo não?. Nesse hotel não se passa frio, pois as colchas que vi por la são grossas e pesadas. O banheiro é compartilhado e diária para quem não quer ir fazer o passeio para o salar é de 20 dólares por pessoa, mas eles te buscam na cidade e também incluem café e jantar. Tiramos varias fotos e rumamos para a Islã del Pescado. Rodamos mais de 100 km em linha reta e so sal. A Islã del Pescado é um ecossistema fechado onde nascem cactos gigantes e vivem pequenos animais. Fica bem no meio do salar. Impressionante o lugar. Parece paisagem lunar. Serafio nos disse que se estiver chovendo eles não podem ir ate essa Ilha, pois os carros atolam. Caminhamos a ilha toda, leva-se mais de uma hora para fazer isso. A visão do alto da ilha é impressionante. Ela é cercado de sal. Absolutamente nenhuma ligação com nada, a não ser sal. Muito ao fundo vê se um extinto vulcão com seu cume ainda rodeados de dezenas de cores diferentes. Ficamos por ali até tarde. Ao descermos a cozinheira já tinha preparado nosso almoço. Todas as empresas tem suas mesinhas de sal em volta da ilha e param dezenas de carros e se forma um alegre restaurante particular, para cada mesinha uma empresa. Comemos arroz, chuleta de lhama, salada de tomate, pepino e alface e de sobremesa melancia e uma coca cola muito quente. Fraquinha a comida, mas a fome era grande. Estava fazendo um calor infernal e todo mundo tira a roupa e ficam so de short e tiram fotos de todos os jeitos. Sem dispensar o óculos é claro. No final da tarde todos saem da Islã e o passeio continua para alguns e outros voltam para Uyuni. Para quem continua ainda conhecem várias coisas como Desierto de Siolli, esculturas de rochas como Árbol de Piedra, ou árvore de pedra; também vão ate a Laguna Colorada e dormem em alojamentos montados pelas empresas ou, se acertar com antecedência, dormem uma noite em um dos hotéis de sal das redondezas. Optamos em voltar para conhecer um hotel que Serafio nos disse ser muito bonito. Realmente o Hotel é estonteante. A visão dentro dos enormes salões e galerias do hotel que se tem do Salar são fantásticas. Todos os quartos têm calefação e televisores enormes. Tudo muito bonito. Fomos recebidos pelo gerente que gentilmente nos mostrou todo o hotel e nos informou que todos os quartos estavam completamente reservados para os europeus nas férias de junho, julho e agosto com uma diária por volta de 40 dólares. Sinceramente, achei muito barato. Pensei nos hotéis aqui no Brasil onde uma diária de 40 dólares você num paga nem um três estrelas. Disse que não aceitam, ou fazem tudo para não aceitarem reservas de bolivianos, achei estranho, mas como ele era peruano nem discuti. Dezembro e janeiro reservam para sul americano e junho, julho e agosto para europeu. Vá entender... Saímos do Hotel e rumamos para as redondezas de Uyuni onde existe um cemitério de trens. As empresas Expresso Del Sur e Wara Wara despejam nesse deserto todas as sucatas que não lhe interessam mais e foi se formando um verdadeiro cemitério de centenas de vagões e locomotivas enferrujadas, estruturas jogadas fora, todas em cima de trilhos. Pode-se passar horas brincando dentro daqueles vagões e locomotivas. Brincamos e tiramos muitas fotos e quando voltamos para a Toyota não animamos em ir embora e colocamos o som na maior altura e ficamos dançando com Serafio as músicas populares da Bolívia. Parecíamos loucos dançando no meio do deserto. Muito legal e rimos a vontade de tudo. Despedimos de Serafio na porta do hotel e fomos nos preocupar em voltar para casa. Afinal aqui terminava nossa aventura. Tudo que tínhamos proposto fizemos. Agora era hora de decidir o que fazer. Além disso sai da espelunca em que estava por 100 bolivianos e fui para o hotel em que minha irmã estava pela metade do preço. Espelunca por espelunca fico no mais barato. São várias as alternativas. Podemos pegar o trem de Uyuni até Vilazon na fronteira da Argentina e continuar de la para Salta, Corrientes, Posadas, Foz do Iguaçu e Brasil. Podemos pegar o trem de volta para Oruro, de Oruro-cochabamba, Santa Cruz, Corumbá, Brasil, ou podemos pegar um ônibus para Potosi, Sucre, Santa Cruz e Corumbá e Brasil. Optamos em ver as passagens para Vilazon, mas chegando a estação havia um cartaz que nos informava que as passagens para os próximos três dias estavam esgotadas. Ficamos arrasados pois sabíamos que era conversa fiada dos bolivianos, mas como arriscar ficar por ali mais três dias? A cidade de Uyuni não se tem nada para fazer e além disso a infra estrutura é terrível. Sem trem a única opção para se chegar a Vilazon seria pegar uma camionete que nos levaria a cidade de Topiza. Estrada de terra e que gastaríamos 12 horas nessa estrada. Depois que chegasse a Topiza, pegaríamos um micro ônibus e mais 4 horas de terra. Achamos a aventura muito sofrida. Além de tudo a camioneta levaria 12 pessoas. Já pensou essa galera toda espremida durante 12 horas. Não animei. A Nilza e o Ronald animaram e disseram que iria nessa camioneta e compraram a passagem por 50 bolivianos cada um. Eu fiquei sem saber o que fazer. Também não havia mais passagem para Oruro de trem, se quiséssemos sair de Uyuni teria que ser de micro ônibus ou camioneta. Optei pela distancia menor que era ir para Potosi, Sucre e Santa Cruz de la Sierra. Ficamos tristes, iríamos nos separar depois de tantos planos. Minha irmã também estava, pois não queríamos isso. Mas eu não suportava a idéia de ficar 15 horas dentro de uma camioneta. Saímos para ver algumas coisas e entrei na Internet e fui ao site da gol. Descobri uma promoção de passagem de Santa Cruz de la Sierra até Campo Grande por R$ 113, 00 reais, uma pechincha, muito barato, e, além disso, economizaríamos três dias. Comprei as duas passagens, reservei o dia e lugar e resolvi que iria mesmo por Potosi. Além disso, comprei logo a passagem de avião para Brasília também, isso nos dava uma economia de cinco dias. Estava ficando muito cansado. Jantamos e ficou um clima triste. A noite nos despedimos e fomos dormir. Não consegui aceitar separar deles no final da viagem. Levantei, vesti a roupa e fui conversar com eles. Pedi que fossem com a gente, afinal começamos juntos e era muita vantagem se conseguíssemos comprar também as passagens para eles bem cedo. Era mais econômico e descansávamos um pouco. Disseram que também queriam ir com a gente e que de manha tentariam vender a passagem que tinham comprado na camionete e iriam com a gente. Fiquei muito alegre e fui dormir. 18º DIA Acordei bem cedo, pois tínhamos que arranjar uma Internet para tentar comprar as passagens para eles. Mais cedo ainda o Ronald conseguiu vender uma de suas passagens na camionete e perdeu a outra. Conseguimos um bar que tinha internet e compramos as passagens para eles no mesmo vôo que o nosso. Tudo arranjado tínhamos alguns dias para chegar a Santa Cruz onde embarcaríamos. Optamos em ir hoje mesmo para Potosi, pois saindo as 11 da manha chegaríamos as três da tarde por la. São várias as empresas que vendem passagem de micro ônibus para essas localidades. Os ônibus são velhos e de má conservação, o que iríamos descobrir logo em seguida. Compramos por 40 bolivianos a passagem na empresa Diana Tour (nunca comprem nessa empresa). Voltamos para nossos Hotéis felizes por sairmos de Uyuni. É impressionante como você pode estar ilhado numa cidade sem opções de ir embora. Apavorante. Compramos uns paes e fizemos um café no hotel e tomamos. Arrumamos nossas mochilas dentro de sacos e amarramos, pois a poeira era muita. O Ônibus chegou com uma hora de atraso e mesmo assim depois de muita insistência nossa. Dentro da cidade ainda notamos que o ônibus estava com problema nas marchas. Fui até o motorista e disse a ele que era melhor voltar a cidade, pois o ônibus não tinha condições de prosseguir. Ele como todo motorista boliviano, acha que na descida tudo se resolve. Falou algo que não entendi e continuou. O ônibus não estava realmente bem. Não entrava as marchas e ele tinha que ir de primeira marcha. Toda vez que tentava colocar outra marcha o ônibus parava. Uma agonia. Brigamos com ele. Ameaçamos. Mas nada. O cara só dizia que estava tudo bem. Que o socorro chegaria logo. Pura mentira. Não tinha socorro nenhum e estávamos no meio do nada. Para piorar a situação uma cholla estava carregando querosene dentro do micro ônibus e deixou derramar e ai foi um deus nos acuda. Gente gritando para todo lado e descendo correndo de dentro do bus. Aprontamos um escândalo e tiraram o querosene de dentro do ônibus. Dezenas de vezes ameaçamos dar umas porradas no motorista, mas ele dizia que tinha que chegar a cidade mais próxima para esperar o socorro. A cada 100 metros ele parava e tentava consertar a marcha. Estávamos todos muitos nervosos com a situação. Somente por volta das 18 horas chegamos a um povoado chamado Tica Tica. Tínhamos andado somente 80 km. Somente nesse momento que o motorista foi ligar para Uyuni para ver a possibilidade de vir outro ônibus. Fiquei furioso com ele. Queria dar lhe uns tapas mas acalmamos. Fomos para o único comercio do lugar e ficamos aguardando o socorro. Escureceu e nada do socorro. Também não havia carros na cidade e muito menos outros ônibus. Somente passaria por ali outro ônibus por volta das 23 horas se não chovesse. Choveu. Andando pela rua vi uma Toyota velha parando e descendo dela um boliviano que foi comprar gasolina nos galões. Fui até ele e acertei nos levar ate Potosi, pois faltavam 120 km e pensávamos que seria perto. Depois de muita negociação acertamos por 35 bolivianos por pessoa tentamos nos espremer dentro da Toyota. Tinham muitos galões de gasolina e as mochilas tiveram que ir no colo. Uma agonia e um cheiro insuportável de gasolina. Chovia muito e as estradas são péssimas. Muito despenhadeiros. Estávamos todos com muito receio de acontecer um acidente. Íamos muito devagar. Mesmo assim numa das curvas o carro derrapou, rodou e tombou do lado em que eu estava de passageiro. Saímos da Toyota todos muito assustados e decidimos desatolar o carro empurrando-o. Chovia e tinha muita lama. Ainda bem que a Toyota tombou para o lado oposto ao precipício, senão tínhamos todos morridos com certeza. Depois de muito esforço colocamos a Toyota novamente na pista e fomos embora. Mas a partir daí o carro foi perdendo a força e rateando. Ficamos apreensivos e já estava ficando muito tarde. Potosi nunca chegava. Finalmente chegamos a cidade, era já uma hora da manha. Frio, fome, incertezas, tudo isso juntos e perdidos naquela imensidão de mundo. Pela primeira vez fiquei com muita saudade de casa. Para quem saiu de Uyuni às 10 para chegar as três e chegar uma da manha foi um pesadelo. Ficamos sabendo mais tarde que esse trecho realmente é perigos e que é muito comum acidente com ônibus e carros pela aquela estrada. Além disso, em todos os hotéis em que procuramos vagas estavam lotados. Pegamos um táxi e fomos para o centro da cidade. Poucas vagas, consegui ficar num hotel, pois só tinha uma vaga e a Nilza e o Ronald em outro em frente ao nosso. Foram as únicas vagas que achamos. Para fechar a noite com chave de ouro. Quando fui tomar banho depois que Bel tinha tomado a porcaria da chave do chuveiro caia toda hora e a água ficava gelada. Pensei em ir reclamar, mas já estava ensaboado. Tomei banho gelado mesmo. Pelo menos estava vivo. 19º DIA Acordamos por volta de umas oito horas. Fomos ao barzinho do lado, estava lotado de turistas do mundo todo tomando café. Pedimos um café americano. Um almoço de tanta coisa. Pagamos 15 bolivianos e fomos andar pela cidade. Decidimos ir embora para Sucre, mas antes fui visitar La Casa de La Moneda. Muito bonita. Voltamos ao hotel e encontramos a Nilza e o Ronald e disseram que tinha passagem para Sucre dali a pouco e fomos pegar nossas mochilas e acertar com o hotel. Paguei somente 50 bolivianos dos 100 que tinha acertado na noite anterior. Afinal tomei banho frio e ainda não tinha esquecido isso. O dono ficou meio sem graça mas aceitou. Pegamos um ônibus e fomos para a rodoviária. Quando descemos do ônibus saímos caminhando até a parte de cima da rodoviária, subimos uma escada e quando chegamos a um pátio Bel disse que alguém tinha jogado de cima do edifício. Olhei e vi que tinham jogado leite e que a mochila maior estava suja. Descemos as mochilas e limpei o leite jogado. Disse que iria ver a possibilidade de irmos de táxi para Sucre, pois era barato, foi quando Bel me perguntou se estava com a mochila pequena,a de ataque. Disse que não e ai demos conta que ela tinha sido furtada. Não vimos quem foi e nem quando, mas desconfiamos que a pessoa que estava na construção tinha algo a ver com isso. Aprontamos a maior confusão. Chamamos a policia e subi no edifício e trouxe o cara que jogou o leite pelos colarinhos e ele negando que tinha participação. Chegou à viatura e ia levar ele para a delegacia. Mas notei que a policia estava realmente desinteressada com nosso caso. Quis dar uns tapas no cara e o Ronald também, mas nos contivemos, afinal estávamos em pais estranho. A policia queria que decidíssemos se íamos dar queixa oficial. Perguntei se eles iriam fazer alguma busca para ver se achava nossa mochila, eles disseram ser muito difícil e tal... Ficaram enrolando. Mandei todo mundo para aquele lugar e peguei nossas coisas e colocamos no táxi e saímos de Potosi. Em nossa mochila perdemos alguns presentinhos que tínhamos comprado ao longo da viagem e um óculos de grau. No mais só porcaria. Mas ficamos realmente chateados. Naquele momento sentimos a impotência em estar num pais desconhecido e que não tem nenhum interesse em ajudar o turista. Nenhum mesmo. Pagamos ao táxi 35 bolivianos por pessoa e fomos para Sucre. As estradas muito diferente de Potosi. Todas asfaltadas e bem sinalizadas. Chegamos a Sucre já era tarde. Sucre é linda. Talvez a mais linda que visitei. Na Bolívia não tem uma nem parecida em grandiosidade e com monumentos tão belos. Caminhar nas ruas de Sucre é relembrar a colonização espanhola. Seus casarões e igrejas são fantásticas. Sucre é considerada Patrimônio Histórico da Humanidade pela Unesco, e merece. Por sua proximidade com Potosi, Sucre se tornou residência oficial dos grandes proprietários de minas e também dos novos ricos. Quase todas as casas, casarões e igrejas de Sucre são pintadas de branco, pois segundo a lenda a cidade atraem muitos raios, que eles consideram maus espíritos e que pintando com a cor branca afastaria esses espíritos. Sucre é considerada a capital judiciária da Bolívia, pois na cidade se concentra a Corte Suprema de Justiça. Sendo que em La Paz concentra o Legislativo e Executivo. Estranho modo de repartir o poder. Incompreensivo para os brasileiros. Fomos para um hotel na frente da rodoviária, pois nossa idéia era ir embora no outro dia para Santa Cruz. Compramos as passagens por 100 bol para cada. Optamos em ir num bus cama, pois sabíamos que a estrada era ruim e indo num ônibus ruim ainda era pior. Tinham outros com preços mais em conta, mas não queríamos arriscar, estávamos ainda calejados com o problema de Uyuni. Acertamos tudo com a moça da portaria, mas os quartos eram muito ruins e nada funcionava nos banheiros. Peguei meu dinheiro de volta e fui para o Hostal Áustria. Muito organizado e limpo. Talvez o hotel mais limpo que fiquei em toda a viagem. Caminhar em Sucre é bom demais. As praças são muito lindas e limpas. As pessoas nas ruas muito gentis, poucas te lembram a Bolívia de La Paz ou Cochabamba. Andamos por todos os cantos da cidade. Conhecemos os prédios históricos, as igrejas e tiramos muitas fotos. Como toda cidade grande, Sucre tem muitos pedintes. A Nilza e o Ronald fizeram amizade com a dona de um bar ao lado do hotel e ficaram tomando cervejas. Chegamos e eles estavam começando a jantar, não resistimos e pedimos um prato também com aquele bifão de lhama. Comi a vontade e tomamos cerveja. A noite andamos pelo centro da cidade. Muito bonita. 20º DIA Acordamos cedo e fomos encontrar com a Nilza que resolveu ficar no alojamento mesmo, mas reclamou muito das condições dele. Fomos com a Nilza pegar as roupas que mandou para a lavanderia, mas estavam sujas do mesmo jeito que mandou. Fez um escândalo e pegou o dinheiro de volta. Fomos para o centro passear. Sucre não se cansa de observar. Simplesmente maravilhoso o centro histórico. As 17:30 saímos para Santa Cruz de la Sierra, o ônibus conforme prometido era confortável,mas não tinha banheiro, como todos na Bolívia. Logo que saiu o motorista veio com um caixotinho para colocar pessoas nos corredores. Tínhamos comprado as 4 ultimas cadeiras e nos tinham prometido que ninguém iria nos corredores escorando na gente. Eu e a Nilza aprontamos a maior confusão, por duas vezes tentaram sentar no corredor perto da gente, mas não deixamos. Altas horas da noite duas chollas vieram para sentar perto da gente, não concordamos e elas deitaram no corredor perto do motorista. As estradas eram piores que a de uyuni a Potosi, mas o motorista parecia que sabia dirigir direito. Tomei dois dramins para dormir e não ver. Toda curva um perigo. Paramos por volta da meia noite num vilarejo e tinha um restaurante. Pedimos pollo com papa e também um bife. Quando veio o bife não agüentei comer. Estava muito ruim e mandei levar de volta e a moça simplesmente tirou da minha mesa e colocou na mesa do lado para um boliviano e ele nem ligou. Coisa de doido. Jantamos, se é que pode chamar aquilo de janta. Fomos ao banheiro, pois sei lá quando via parar novamente. Tentei dormir, pois a paisagem noturna era muito sinista. 21º DIA Acordei bem cedo e o ônibus ainda estava fazendo aqueles zigue zagues nas estradas. Muito abismo. Estrada perigosa e ele dirigiam numa velocidade perigosa. Fiquei pensando em meus filhos e da irresponsabilidade de estar pegando aquele ônibus e colocando nossa vida em risco. Risco consciente o que é pior. Tentava dormir mas não conseguia. Via os rios passarem no fim do precipício, a barriga gelava. Felizmente chegamos a parte plana da Bolívia e as curvas e os abismos diminuíram. Em cada paragem do ônibus, dezenas de crianças e mulheres ofereciam tudo quanto é tipo de comida. Não arriscamos nenhuma. Sempre levamos muita banana e água para essas horas. Chegamos por volta das nove horas em Santa Cruz. Novamente estávamos na rodoviária bimodal que embarcamos 20 dias atrás e deixamos o trem da morte. Fomos procurar hotel nas redondezas da rodoviária e achamos muito caros e ruins, quando tinha vaga. Resolvemos ir para o Centro. Depois de muito procurar ficamos num Hotel pequeno no centro de Santa Cruz, perto de muitos camelodromos. Pagamos 40 bolivianos para passar o dia, Hotel Bolívia é o nome, afinal queríamos ir embora no mesmo dia. Nossa passagem estava marcada para a noite daquele dia. Santa Cruz é uma cidade que realmente não lembra a Bolívia. Dificilmente você vê chollas andando pelas ruas. Santa Cruz tem muitos estrangeiros. Várias colônias de japoneses e também muitos estudantes estrangeiros que procuram as universidades da cidade por ter um preço mais accessível. Andamos muito pelo centro histórico de Santa Cruz o dia todo. Compramos algumas bugigangas, afinal estávamos repondo o que nos foi roubado em Potosi. As coisas aqui são muito baratas. Descobrimos um restaurante de brasileiros, igualzinho os daqui do Brasil, selv service, uma maravilha. O preço muito salgado para os padrões bolivianos, 42 bol por quilo, mas parece que não ligavam muito, pois estava lotado e a fila era enorme para se servir. Não vi nenhum nativo na fila, somente a parte branca da Bolívia. Outra coisa que observamos, o povo adora comer sobremesa, colocam quase o prato cheio. Fazer o que né? Cada povo com sua mania. Ficamos passeando a tarde toda e a noite fomos comer uma pizza. Torci o pé e estava doendo muito. Mas o ambiente na pizzaria era muito bom e tocando musica brasileira. Comemos as pizzas com muita vontade. Lembrei a galera que embarcaríamos as 00h30min do outro dia, ai veio a duvida, que horário seria aquele. Pois eram oito da noite, mas no Brasil era 11 da noite. Numa viagem dessas vc perde a noção do tempo. Ficamos apavorados pois não tínhamos nos atentados para esse detalhe, apesar de termos quase certeza que obedeceriam o horário da Bolívia, mas na dúvida andamos apressados para o hotel, pegamos nossas coisas e fomos para o aeroporto. Pagamos 45 bolivianos de táxi, pois o aeroporto é internacional e o taxista paga 8 bol para entrar. Além disso é longe demais do centro da cidade. Chegamos ao aeroporto e logo notamos que realmente estávamos muito adiantados. Pelo horário boliviano, ainda faltavam três horas para embarcamos. Meu pé doía muito, mas aproveitamos o free shop para comprar uns licor, comprei uma amarulla por 14 dólares, e trocar nossos últimos bolivianos por dólar. Estava chegando o fim de nossa estada na Bolívia. As 00:30 horas embarcamos. Alguns mochileiros que também estavam embarcando tiveram problemas, pois não sabiam que tinham que pagar taxa de embarque de 25 dólares e muitos não tinham o dinheiro. Foi uma intensa negociação e a gol embarcou-os com a promessa que no Brasil retirariam dinheiro para pagar a taxa. Tinham tomado um dramim e estava sonolento e tive problemas dentro do avião. Não conseguia ficar acordado e não consegui preencher a ficha de imigração. Quando a aeromoça serviu o lanche derramei todo o suco na passageira peruana ao meu lado. Ainda bem que ela foi muito gentil e entendeu a situação. Estava realmente drogado com o dramim somado a altura do vôo. 22º DIA Chegamos de madrugada ao aeroporto de Campo Grande. Eu tinha comprado um vôo que iria para São Paulo às 12 horas e a Nilza e o Ronald preferiram ir de ônibus. Logo que chegamos eles aproveitaram uma carona com um senhor e foram para a rodoviária comprar a passagem e não pude despedir da minha irmã pois estava no banheiro e eles estavam com pressa. Fiquei triste, mas como sabia que ia encontrar com eles no outro dia em Brasília conformei. Dormimos nos bancos do aeroporto até ficar de manha. Acordamos com o corpo doido e tentei trocar a passagem, mas não consegui. Tivemos que esperar até meio dia e embarcamos para São Paulo e depois uma conexão até Brasília. Chegamos em Brasília por volta de 18 horas. Meus três filhos nos esperavam. Muita alegria e muita festa. Olhei para minhas mochilas e pensei: quando vamos precisar de vocês novamente?
  2. Concordo com o Celso, so acho que os preços estao um pouco defasados.
  3. RELATOS DE VIAGEM A DECISÃO Tenho 45 anos, sou professor de Historia, duas pós-graduações e várias desistências de mestrado e agora graduando em advocacia. Izabel, minha companheira, também da mesma idade, também professora de historia. Como resolvemos fazer essa viagem? Bem, como historiadores, Macchu Picchu sempre esteve em nosso imaginário. Sempre foi um sonho acalentado durante anos, mas que aos pouco, devido a todos os contratempos diários, fora sendo colocado de lado. No começo eram o Sendero Luminoso, depois os filhos, depois a falta de grana e por fim a total falta de informação sobre o assunto. Tomar a decisão de fazer essa viagem foi como se um raio caísse em nossas cabeças. No primeiro momento pensamos em ir para Cuba, mas devido as mudanças feitas por Fidel Castro e a invenção de uma moeda estrangeira que só vale para estrangeiros e que tem valor de face maior que o dólar inviabilizaria qualquer viagem de sul americano para aquela ilha. Em princípio pensamos em fazer algo de alguns dias. Afinal temos três filhos e ainda precisam de nós. Mas à medida que fomos pesquisando sobre o assunto, fomos verificando que uma semana é muito pouco tempo para fazer uma viagem dessas. Nossa preparação foi intensa. Comprei guia, procurei todas as informações na Internet e conversei com pessoas que foram. Juntei um longo material e fiz várias versões de roteiros, aos quais estão no fim desse relato. Os preços foram “pescados” um pouco aqui, um pouco ali, e se não ajudaram muito, pelo menos nos encorajaram de continuar o projeto, pois é uma viagem relativamente barata, para quem esta acostumado a viajar pelo Brasil e passar férias no litoral. Muitas pessoas ficaram impressionadas com nossa coragem de fazer a viagem para Macchu Picchu, como se fossemos para o fim do mundo. “Vocês vão pegar o trem da morte?” perguntavam uns. “Vão de ônibus?” “Vão mesmo de mochilas?” outros diziam. “Muita coragem” diziam outros. Nenhuma observação abalou nossa convicção de continuar os planos para a viagem. Aos poucos fomos adquirindo o necessário para que não fizéssemos papel feio como mochileiros. No final do relato estão as coisas que levamos. Meus filhos, um de dezoito anos, outra de dezesseis e outra de dez anos ficaram encantados com nossa coragem de desafiar esse mundão de mochila. Para nos era o desconhecido. Algumas pessoas manifestaram vontade de ir com a gente. Aliás, muitas pessoas chegaram até a reunir-se conosco para saber os detalhes. Mas desistiram no caminho. Restou eu e minha companheira, minha irmã mais nova e o namorado dela. Tomei várias providencias aqui em Brasília. Coloquei todas as minhas senhas na mão de meu filho e também fiz um seguro de vida para mim e minha companheira. Sei la né? Deixei as tias responsáveis por eles e a casa e começou a contagem regressiva. Tudo pronto. Só esperar o grande dia da partida. 1º DIA Nossa saída de Brasília foi marcada por fortes emoções, pois fiquei emocionado em deixar meus filhos sozinhos e partir para o desconhecido. Choradeira total, da minha parte pelo menos. Rs. Às 14 horas pegamos o ônibus na rodoferroviaria de Brasília, rumo a Campo Grande em Mato Grosso do Sul. Era uma segunda feira, optamos por esse dia pelo fato do ônibus que sairia esse dia ter ar condicionado e bancos reclináveis e podermos pegar as cadeiras da frente. Isso é fundamental. Pois não tem ninguém para reclinar a poltrona da frente e amassar meus joelhos. Seria a primeira vez em quase 20 anos que faria uma viagem tão grande de ônibus. Sempre viajo de carro. Estava preocupado em passar mal ou enjoar. Tomei dois Dramim. Além disso, devido ao nervosismo, arranjei uma bela de uma dor de estomago. Tomei um remédio e tudo de ajeitou. Nos ônibus brasileiros não há a necessidade de comprar água, pois eles servem. Mas nos outros países as coisas são muito diferentes. Nossa viagem era para ser de 16 horas, chegando bem cedinho a Campo Grande, mas tivemos muitos problemas. Logo nos primeiros quilômetros verifiquei que a roda do ônibus estava fazendo um barulho enorme. Falei com o motorista que também ouviu o barulho. Uma hora depois, fomos parados pela Polícia Rodoviária. Depois de vários minutos o policial entrou em nosso compartimento e recolheu nossas passagens e perguntou para onde estávamos indo. Disse que para Campo Grande, agradeceu muito polidamente e desceu. Demorou mais de meia hora, voltou e informou-nos que a empresa não tinha autorização para vender passagens para Campo Grande, que era irregular essa atitude da empresa e que ela estava sendo multada por isso. Pensei: “pronto já vão nos descer logo no princípio da viagem”. Aleguei para ele que era louvável a atitude da polícia rodoviária, mas que as únicas vítimas naquele processo éramos-nos que compramos a passagem de boa fé, pois tem letreiros dentro de uma rodoviária pública, anunciando a venda desse roteiro, e que se deveria haver uma fiscalização essa deveria começar na própria rodoviária. Ele concordou, disse que multaria a empresa e que nos seguiríamos viagem. Menos mal. Em Goiânia fizemos a troca do ônibus, pois o que estávamos não tinha condições de continuar. O segundo era melhor que o primeiro. Muito confortável. Na saída da cidade, numa manobra errada do motorista, o ônibus atolou e perdemos mais de uma hora nessa operação, foi necessário um caminhão puxar-nos com um cabo de aço para que desatolasse o veículo. Viagem normal e sem muito contratempo. Paramos a noite para jantar em uma cidadezinha no interior do Goiás. O namorado de minha irmã estava passando mal. Comemos a última comida brasileira. Mal sabíamos que só voltaríamos a comer feijão e carne de verdade acebolada no ultimo dia de nossa viagem. 2º DIA Chegamos bem cedo a Campo Grande, corri ao terminal para comprar as passagens para Corumbá, de onde atravessaríamos a fronteira para pegar o trem da morte. Estava com medo de não dar tempo de comprar para o mesmo dia. Só tinha passagem para 11 horas. Fiz as contas: não dava para chegar no horário de comprar a passagem no trem. Mas só tinha esse horário. Comprei e conformei. Na sala de espera da viação andorinha, perguntei ao controlador de ônibus se não tinha nenhum ônibus saindo mais cedo, afinal eram sete da manha. Ele me disse que estava vindo um do Rio de Janeiro e que tinha quatro lugares. Maravilha. Troquei nossas passagens para ele, que estava já estacionado. Surgiu um problema: Minha irmã e o namorado tinham ido ao banheiro e o ônibus estava saindo. Correria geral e eles chegaram e embarcamos. Chegamos a Corumbá por volta de duas e meia da tarde e o motorista nos informou que a empresa atravessaria com a gente a fronteira. Amei, pois assim economizaria vinte reais de táxi. Assim foi feito. Na fronteira do Brasil com a Bolívia é uma confusão danada. Tem que preencher um formulário e apresentar a carteira de vacinação contra a febre amarela e o passaporte. Entra em uma sala e o burocrata boliviano carimba seu passaporte. Na frente do prédio tem dezenas de cambistas querendo fazer a troca da moeda com você. Aqui tem que tomar cuidado, pois sempre querem tirar alguma vantagem de você. Troquei alguns dólares (20 dólares) por Bolivianos que é como se chama o dinheiro da Bolívia. Voltamos para o ônibus e este andou mais uns quinhentos metros e nos deixou dentro do território boliviano. Dezenas de “Táxi” estão a espera para levar-nos para a estação de Puerto Quijarro, que descobrimos fica bem perto. Mas como éramos marinheiros de primeira viagem optamos por um “táxi” de um garotão e pagamos cinco bolivianos até a estação. Cabe aqui uma observação sobre os táxis na Bolívia. Todos os carros que vi são táxis, todo mundo que tem carro em Puerto Quijaro aluga seu carro para táxi. Carro novo, velho, pequeno, grande, caindo aos pedaços, qualquer coisa é táxi. Paramos na estação e corri até o guichê para ver a possibilidade de ter trem para aquele dia ainda. Estava receoso de ter que dormir em Puerto Quijarro, além de não ter nada para fazer, ainda gastaria com estadia e comida. O trem Superpulmamm não havia mais passagens, mas havia para o Ferrobus. Duzentos e quarenta bolivianos. Fizemos as contas e chegamos a conclusão que deveríamos comprar este. Pois se esperássemos para o outro dia o Superpulmam de cento e vinte, teríamos que gastar no mínimo a diferença em hotel e comida. Saindo no mesmo dia ganharíamos um dia em nosso roteiro. Peguei os quatro passaportes e trocamos mais bolivianos. Um dólar é igual a oito bolivianos. Portanto dava trinta dólares para cada. Alias parte paguei mesmo em dólar. Cheguei ao guichê novamente e estava uma fila enorme. Fiquei desesperado. Pensei: “quer saber, se não tomar uma atitude vou ter que dormir aqui”. Entrei na frente de todo mundo e disse ao rapaz que estava vendendo: “aqui estão os passaportes que pediu e o dinheiro”. Ele me olhou e pegou os passaportes e emitiu as passagens, que vem nominal. Sai de la com a alegria de um pinto no lixo. Comprei as passagens e íamos embora de Puerto Quijarro no mesmo dia. Procuramos um lugar para tomar banho. Arranjamos uma espelunca e o cara nos cobrou quatro bolivianos para tomar banho, de cada um de nos. Tomamos um banho meia sola e trocamos de roupa. Fomos comprar água e a uma lan dar noticias a família. Noticias dada. Voltamos a estação, quando Bel (minha companheira) alertou-me que não estava com a bolsa com a filmadora. Correria geral. Estava debaixo da mesa do micro que estávamos falando com a família. Fiquei mais atento a partir dali. Às vinte horas partiu o trem. Tudo muito organizado. Alias foi a única coisa organizada que encontrei nas instituições bolivianas. Nada de trem da morte, onde os relatos era os mais bizarros do mundo. Disseram-nos que tudo isso não passa de lenda. Claro que existe a segunda classe, onde vc paga pouco mais de 30 bolivianos para fazer o percurso, ai sim às condições dentro do trem são péssimas. Bem, como somos marinheiros de primeira viagem e só tinha esse. Fazer o que? Dentro do trem tudo muito organizado, Cadeiras brancas. Televisão. Pessoas nos servindo. Jantamos. Pedi bife e Bel pediu frango. Vieram todos acompanhados com batata e arroz. Seria comum dali pra frente esse cardápio. Também serviram um desajuno, que é café, pão, marmelada, leite e manteiga. Conheceríamos muitos desajunos dali em diante. 3º DIA Chegamos por volta de nove horas da manha em Santa Cruz de la Sierra. Cortamos a noite toda sobre o pantanal boliviano e a entrada da cidade por onde o trem passou tinham casas bem rústicas e pobres. Fiquei impressionado com a pobreza daquele povo. Paramos na rodoviária Bimodal de Santa Cruz, pois além do trem, ali você também pega ônibus para diversas partes da Bolívia. A Rodoviária é privatizada. Todos os ônibus que tiverem autorização podem vender suas passagens ali, ao preço que quiserem. A Rodoviária somente exige que cada passageiro pague uma taxa de uso da rodoviária. Para os viajantes estrangeiros, tudo era obedecido. Pagávamos a taxa e embarcávamos. Mas para o povo da cidade não. Eles esperavam o ônibus sair do terminal e embarcavam. Economizavam alguns bols (bolivianos). Compramos a passagem para as dez horas da manha para Cochabamba. Paguei sessenta bolivianos. Estava prevista a chegada às vinte horas. Mas aprendemos logo na nossa primeira viagem que os horários na Bolívia são relativos. Saímos as onze e a avacalhação é total. Colocam quantas pessoas querem dentro do ônibus e os bolivianos se sujeitam a qualquer humilhação. Nunca vi na viagem toda que fiz, nenhum boliviano reclamando de nada. Simplesmente aceitam. Saímos as onze horas, num calor terrível e num ônibus que não tinha banheiro e nem ar condicionado. Nada. A viagem foi horrível. Só tínhamos nós de estrangeiros. O motorista parava toda hora para pegar algum passageiro. Já estávamos numas oitenta pessoas no ônibus. Gente sentada no chão. Dormindo. Crianças chorando. Doidura total. Para piorar tiveram um problema numa ponte e ficamos parados num calor infernal no meio do nada por mais de duas horas. Não existem restaurantes ao longo da pista. Não tem nada que conhecemos aqui como restaurantes ao longo da viagem. As vezes que o motorista parou foram somente para pegar pessoas e nada de parar para ir a banheiro ou comer. Fui reclamar com ele dizendo em portunhol que minha companheira estava querendo ir ao banõ, ele disse: “duas horas, duas horas”. Pensei que era as duas horas. Mas quando chegou as três horas, fui falar com ele novamente já puto de raiva e ele disse: “já, já, duas horas.” Ai perdi a cabeça. Apelei com ele. Avancei sobre o volante e disse um monte de coisas para ele gritando e dizendo que tinha que parar o ônibus e que não ia mais a lugar nenhum. Segurei o cambio e o volante e ele teve que parar o ônibus. O motorista estava assustadíssimo. Todo mundo desceu correndo para fazer as necessidades. Em qualquer lugar que achasse. Todos estavam querendo ir ao banheiro, mas nenhum pediu. Muita passividade. Daquele momento em diante ele fechou a cara para mim. Mas nem liguei. Duas horas depois das duas horas que ele tinha dito, parou num lugar feio com algumas mesas e sem estrutura e disse que tínhamos que comer. Descemos, fomos ao banheiro (aqui se chama banõ) Tem que se pagar um bol toda vez que precisar ir ao banõ. Tentamos comer frango com batata (pollo com papa). Estava muito ruim, mas logo perceberíamos que esta é a comida típica e que aos poucos vai acostumando. Bem chegamos a Cochabamba somente as vinte e três horas. Fomos para o Hotel Milenium. Quarenta e cinco bols por pessoas. Pedi um quarto com banõ dentro e água caliente (quente) que é um pouco mais caro. Mas ficou tudo por 90 bols a diária. Tomamos um longo bando e desmaiamos. Afinal estávamos sem dormir a duas noites e estava indo para a terceira. 4º DIA O hotel em que ficamos é interessante, fica perto da estação rodoviária, o que é estratégico, pois fica mais fácil para levarmos nossas mochilas que estavam começando a ficar pesadas por causa da altitude. Cochabamba fica a 2.700 m de altitude. Situada no Centro Oeste da Bolívia. Nosso quarto era no terceiro andar. Muito cansativo chegar até ele. Tínhamos que parar no primeiro e no segundo para tomar fôlego. Parece brincadeira, mas cansa-se demais subindo até um degrau. Em frente ao hotel funciona uma feira enorme. Vende-se de tudo. Acordamos e fomos tomar o desajuno. Foi o primeiro contato com o chá de coca, nada de espetacular. É tão normal aqui tomar esse mate de coca como é normal para nos brasileiros tomar café. O restante foi um pão, leite, café, manteiga e marmelada. Nunca mais reclamarei dos cafés da manha de nossos hotéis quando viajo no Brasil. Cochabamba é talvez a cidade mais interessante para se começar a viagem. Aqui se encontra de tudo e também muitos aventureiros, como nos. Fomos dar uma volta pela cidade. Alias fizemos isso o tempo todo. Só íamos para o Hotel dormir. Almoçamos uma mistura de frango desfiado com arroz e outra coisa que não consegui decifrar. Bel não comeu. Passamos em outro restaurante e pedimos um pollo. A moça trouxe com arroz e macarrão. Bel pediu para tirar o macarrão. A moça pegou o prato, levou até o balcão e com a mão retirou o macarrão e trouxe novamente para a mesa. Começamos a rir pela naturalidade com que ela fez e estava fazendo tudo com as mãos. Bel não quis comer. A coca cola estava com um gosto estranho. Fiquei impressionado com o controle que a coca cola faz no mundo todo. Mas la a coisa esta feia para a coca cola. Só mais tarde em La Paz, constatei que realmente a coca cola de cochabamba tem problemas, pois em La Paz ela tinha o mesmo gosto do mundo todo. Bem, já que não estamos adaptando com a comida. Vamos comer frutas e tomar água. 5º DIA Só fazemos andar por aqui e conhecer. Passamos o tempo todo na rua. Hoje fizemos amizade com um grupo de mulheres que estavam protestando contra a violência contra a mulher, o desmatamento e a internacionalização da Bolívia, trocamos fones e e-mails. Elas foram super amáveis comigo e com Bel. Gostei muito delas, mas sai com a impressão que tem algo errado. Não vi nenhuma cholla no grupo. Somente as mulheres brancas com descendência européia. Bem as Chollas, são mulheres de descendências indígenas que se caracterizam por suas vestimentas e se concentram mais no altiplano boliviano, enquanto que nas planícies concentram as descendentes espanholas. São várias as praças em cochabamba. A que mais gostei e também a mais badalada é a Passeo El Prado. Fica a dez quadras de onde estávamos, mas difere completamente. Aqui se encontram casas bem feita, povo rico, Poucos índios e uma praça muito bonita. Também aqui encontramos alguns restaurantes interessantes. Comi por duas vezes comida chinesa. As chollas são um capítulo a parte. Elas vivem andando rápido com suas vestimentas tradicionais que misturam muitas cores, principalmente as cores da Bolívia e da Espanha. As saias delas são muito interessantes. São chamadas de polleras. Coloridas e com várias anáguas. Dão uma sensação de saias aramadas para dar volume. Quase todas, usam os xales e muitas usam colares e são bastante ornadas. A maioria usa chapéus, estes são diferentes de acordo com a região do pais. Andam com uma bolsa ou porta coisas penduradas e todas usam o agaio que é um pano colorido que enrolam como uma trouxa e amarra nas costas. Ali carregam de tudo. Comida, produtos, animais ou os próprios filhos. A situação indígena é um caso a parte na Bolívia. Aqui em Cochabamba, fica muito clara a separação de classes. Raro o indígena bem de vida. Sempre são subempregados. Perto da rodoviária montam suas barracas e vendem tudo quanto é tipo de bugigangas importadas da China. Tudo que tem nessas feiras tem em todas as feiras no Brasil e alguns a preços mais altos até. A comida é feita sem nenhuma preocupação com a higiene. Presenciei ao longo das rodovias em que passei comidas sendo feita ao céu aberto. Geralmente são pollos (frango) com arroz e batata. Também fazem uma espécie de X-tudo, com tudo que tiver ao alcance para fritar. Salsichas, ovo, carnes de todo tipo, verduras, tudo. Gostam de colocar as comidas em sacos plásticos. As crianças vivem perto da mãe, mas soltas. Presenciei uma cena impressionante. Fomos parados no meio da noite pelo exercito e obrigados a descer do ônibus para que revistassem tudo e mandaram andar uns duzentos metros. Uma indígena ao meu lado para arrumar a criança que estava carregando, forrou o agaio no chão colocou a criança nele e a enrolou como se enrola pão. Amarrou a criança e a colocou nas costas. Natural como beber água. As crianças não choram e quando isso acontece vi algumas bater no rosto das crianças. São centenas pedindo esmolas nas ruas de Cochabamba. Quando chegam perto de vc lamuriam como se estivesse chorando e estendem a mão. Cena triste, desoladora. Vi muitas crianças e velhos abandonados nas praças. Parecido com o Brasil. Na Praça linda onde freqüentam os brancos, é proibido pedir esmolas e a guarda municipal apita o tempo todo para que eles se afastem de la. São serviçais. Achei os preços muito parecido com os do Brasil. Exceto comida e hotel. Roupa pode-se encontrar com preços razoáveis, mas tem que procurar. Sempre dão um preço acima do normal, esperando vc pechinchar. Portanto: pechinche. Andamos a manha inteira na feira e não vi artesanatos indígenas. Somente produtos importados de má qualidade e eletrônicos e muita comida e verdura. Algumas comidas são vendidas a céu aberto e outras em plásticos. É comum ver uma pessoa passando com um saco plástico cheio de comida ou sopa para outra barraca ou levando para outros lugares. Tudo, mas tudo mesmo é pego com a mão sem nenhum cuidado de higiene. Muitos dos indígenas que vi tem problemas de pele. Ande em cochabamba. É uma aula de sociologia e historia. Lá se convive com carros saídos dos filmes dos anos sessenta com carrões ultima geração. Eles adoram enfeitar os carros com flores. Buzinar é o passatempo deles. Ninguém respeita sinal e faixa de pedestres. Mas não vi nenhum acidente. Nenhuma briga. Nenhuma violência. Fomos passear no cristo de lá concórdia, segundo o manual que estou lendo ele é maior que o cristo redentor do rio de Janeiro em um metro. Acredite se quiser. Acertei com o dono do hotel para ficar depois do fim da diária, pois ela vence ao meio dia e só vou viajar para La Paz as onze da noite. Paguei mais uns dólares. Mas tenho lugar para tomar banho e descansar. Fomos para a Praça de Prado. É linda. Não parece Cochabamba que esta a dez quadras abaixo onde os índios vivem na informalidade e numa imensa feira. As igrejas são lindas. Suntuosas e ornadas em ouro que os espanhóis não levaram. No final da noite compramos algumas lembrancinhas, telefonei para um hostal Copacabana em La Paz para reservar a diária. Tudo acertado por cento e vinte bolivianos. Jantamos um pollo num restaurante até temperado. Pegamos o ônibus para La Paz era dez horas da noite. 6º DIA Viagem tranqüila até La Paz, numa noite agradável e sempre tendo a preocupação de comprar as poltronas da frente e muita água. Chegamos cedo, por volta de oito horas da manha em La Paz. Cidade confusa e com muito carro e muita buzina. Muito contrate. Comecei a sentir uma leve dor de cabeça. Mas nada que o soroche phil não acabasse. La Paz fica a 3.650 m de altitude. É a capital mais alta do mundo. A maioria de suas casas esta situadas em morros que a circunda. Além é claro de estar situada em um vale e ao fundo a Cordilheira dos Andes. La Paz lembra muito as construções nas grandes cidades, onde predomina as favelas. A parte alta, onde fica o aeroporto fica a 4.100 m de altitude. Uma pancada em qualquer cabeça. Pegamos um táxi para o Hostal Coapacabana. Falei umas dez vezes para o motorista que era um hostal e ele nos levou para o Hotel Copacabana. Fiquei puto com ele e ele queria mais dinheiro para levar ao Hostal. Como estava chegando, e já tinha tido muita confusão com motoristas, concordei em pagar mais cinco bolivianos para nos levar ao Hostal. Acertado, levou-nos direitinho. O Hostal Copacabana é bem simples. Fiquei o terceiro andar. As Escadas matam de cansaço. Tomei meu remédio para a altitude e um longo banho e fomos para a rua conhecer a cidade. A única referencia que tínhamos sobre a cidade era a Praça Murilo, fomos até lá. No caminho entramos em um restaurante do Hotel Gloria e tomamos café. Engraçado que eles cobram por cada coisa que pega. Como se fosse um selv self de café. Saiu caro para os moldes bolivianos, 34 bolivianos. A Praça Murilo é linda. Ela concentra o Palácio presidencial, a Câmara Federal e o Judiciário e uma majestosa Catedral. Ficamos andando por ali a manha toda curtindo aquela praça linda. Procuramos um restaurante para almoçar. Nada que diferenciasse as comidas dos pollos com papa. Encaramos e pedimos uma fanta. Detalhe, a fanta vem bem quente. Eles não colocam nada na geladeira. Pedi gelo para a tica, garota que serve e ela riu muito mas trouxe. Fizemos algumas compras a tarde e visitamos mais alguns lugares. Acertei na agência ao lado do Hostal Copacabana a ida para Chacaltaya no outro dia. Muito barato. Coisa de quarenta bolivianos. Acertei ir para um Hotel de verdade. Além de mais central, mais barato, cem boliviano para o casal com banheiro, tV a cabo e água caliente, também tinha um item essencial: elevador. Hotel Tikina. Bom hotel. Acertei que no outro dia o hotel enviaria um táxi para levar-nos até lá Saímos à noite para passar o ano novo no centro de La Paz, mas tinha muita agente bêbada na rua e muitos com rojões e começou a chover. Voltamos ao Hostal e assistimos de nossa janela a queima de fogos nas casas na encosta de La Paz. As ruas ficaram vazias e pipocavam foguetes em várias direções. Não sabemos se tem balada a noite em La Paz para estrangeiros. Preferimos ficar por ali no centro mesmo até uma meia noite e fomos dormir, pois no outro dia teríamos e queríamos conhecer a neve. 7º DIA Acordamos cedo, por volta de sete horas. Descemos e tomamos nosso desajuno. Fajuto. Fomos para a frente do Hostal aguardar a chegada do táxi que nos levaria até o Hotel Tikina. Depois de muita demora o táxi chegou e transportou-nos ate o Hotel. O táxi foi por conta do Hotel. Subimos, colocamos nossas coisas no quarto e fomos para a van que estava esperando com mais dois passageiros. Um sueco e outro brasileiro. Apresentamos-nos e começamos a tortuosa viagem para Chacaltaya. Estávamos ansiosos, pois essa montanha de neve esta localizada a 5.395m de altitude. Localizada na Cordilheira Real, que faz parte da Cordilheira dos Andes. O Brasileiro que foi nos apresentado chama-se Clayton e mora em São Paulo. Daqui pra frente será nosso companheiro por muitos dias. Pois combinamos viajar juntos até Macchu Picchu. Vocês não têm noção de como a van anda naqueles trilheiros de neve e beirando a precipícios onde a centenas de metros só víamos pequenas lagoas com cores lindas. Chegando ao alto do Chacaltaya existe um abrigo que é administrado pelo Club andino Boliviano. Tem um barzinho onde se pode tomar um excelente chá de coca. Chegar até ali já era um aventura para mim. Subir os 130 metros restantes afundando em gelo e pedras escorregadias era um desafio mortal. Algumas pessoas se aventuram e conseguem chegar até o topo. Mas não sei se vale a pena arriscar tanto assim. Pelo menos no dia que estava por lá, a camada de neve atolava os pés e quando estes conseguiram chegar a algo duro eram pedras escorregadias. Subi com Bel uns 70 metros e escorregamos varias vezes. Muito perigoso. Mas a paisagem é tão linda que você nem pensa em frio, perigo, nada. Simplesmente olha pra baixo e admira. Voltamos ao barzinho, tiramos varias fotos e esperamos a galera que subiu até o topo. Na volta estávamos eufóricos. Cortamos pela cidade alta de La Paz e fomos conhecer o Vale da Lua. Uns dez quilômetros fora de La Paz, o Vale da Lua, que o preço já estava incluso, é de uma beleza inquietante. São erosões, esculpidas pela natureza onde presumidamente se parece com a paisagem lunar. Estava chovendo quando chegamos e escorregava muito. Não fizemos todo o circuito pois a guia nos pediu para voltar pelo fato de ser perigoso. A galera chiou, mas entendeu o risco de cair e ficar mortalmente ferido. Antes de sairmos da van, prepus ao motorista da van que nos levasse no outro dia a Tiahuanaco e depois Copacabana. Fiz o seguinte raciocínio: se fossemos no outro dia a Tiahuanaco, teríamos que pagar por volta de quinze dólares por pessoa para transporte. Voltaríamos a tarde para La Paz. Teríamos que dormir em La Paz, o que nos consumiria mais uns dez dólares por pessoa além de alimentação que não sairia por menos de cinco dólares somente naquele dia. Sendo que no outro teríamos que pegar um ônibus até o cemitério, mais um dólar e depois pegar outro ônibus até Copacabana, o que nos consumiria mais uns cinco dólares. Ou seja. Ir a Tiahuanaco e dormir em La Paz para depois ir a Copacabana sairia, miseravelmente por trinta e cinco dólares. Acertei com ele por que ficaria a nossa disposição no dia seguinte todo, sendo que só teria seu serviço dispensado quando estivéssemos instalados num hotel em Copacabana. Foi uma ótima jogada, pois além de nos quatro, incluímos o Clayton e tudo saiu apenas por quinze dólares por pessoa, ou seja, seiscentos bolivianos. Deixamos o sueco e o Clayton em seus hotéis e voltamos para o Hotel Tikina. Tomamos banho e saímos para comer algo. Esse “algo” era pollo com papa. Mas a fome era tanta que derrubamos um prato daqueles. Ligamos em casa e postamos algumas fotos. A gurizada no Brasil ta tudo legal. Dormimos mais cedo, pois estávamos exaustos. Mas não antes de andar todas as ruas do centro de La Paz vendo as feirinhas e o Mercado das Bruxas que nada mais é do que uma rua cheia de barracas vendendo artesanatos da Bolívia. 8º DIA Acordamos cedo e tomamos nosso ultimo desajuno em La Paz. Descemos e o motorista já estava nos esperando com uma outra van mais nova que a primeira. Achamos uma beleza. Colocamos nossas bagagens e fomos ao hotel onde o Clayton estava hospedado para Pegá-lo. Tudo pronto, rumamos para Tiahuanaco. A paisagem é montanhosa e com raríssimas árvores. Nota-se nas montanhas que a camada que a cobre é somente pedra. Os desenhos de pedra nas montanhas chamam a atenção. Por não ter terra fértil para plantação, os habitantes vão retirando as pedras e amontoando e fazendo longos muros que cercam o nada com coisa nenhuma. Tiahuanaco fica a uns 70 km de La Paz. Fazia muito frio quando chegamos ao sítio arqueológico. Pagamos dez dólares por pessoa para entrar no sítio. Também contratamos um guia que nos saiu por cinco dólares. Um pra cada. La vi a placa com o nome de Tiwanaku. Esse sítio arqueológico fica a 3.845 m de altitude. Chegamos de van alugada, Mas tem muitas maneiras de se chegar. Pode-se ir de ônibus normal ou por qualquer agencia de turismo. A cultura Tiwanaku é considerada a cultura mais importante do período pré-colombiano. Nosso guia, um aimara legítimo com o nome de Raul nos guiou por horas a fio e contou-nos muitas histórias sobre o lugar. Resumidamente a historia desse povo que existiu a mais ou menos três mil anos. Seu império abrangeu não somente a Bolívia, mas também parte norte da Argentina, sul do Peru e parte do Chile. Seu nome original era Tapy Kala, pois eram chamados de Povos das Pedras. Só vendo para entender como eles realmente amavam fazer tudo com pedras. Com a chegada dos incas, o nome foi mudado para Tiwanaku, pois introduziram os animais, sendo que Tiwanaku significa lugar dos animais. As pessoas que residiam eram chamados de tiahunakotas ou tiahunacos como é conhecido hoje o lugar. Essa civilização desapareceu por volta de 1.200 anos por causas desconhecidas. Caminhar por estas escavações e ver como esse povo era desenvolvido é fascinante. Dominavam com perfeição a arquitetura, a medicina, a mumificação e a agricultura, sendo que seus dutos construídos a centenas de anos ainda ajudam a escoar a água da chuva através de suas canaletas que deságuam no titikaka. Além das escavações, seu museu é encantador. Toda a história até agora conhecida esta esboçada em um painel logo na entrada. Seus deuses esculpidos em pedras são fantásticos. No quadro abaixo, que é largamente conhecido por lá, nos da uma noção exata porque Tiwanaku foi escolhida exatamente naquele local. Também uns breve históricos de como os povos apareceram e desapareceram. O quadro a seguir apresenta a evolução da cultura na região até os dias de hoje: Cultura Fase Época Tiwanaku Aldeano 1500aC - 45dC Urbano Clássico 45dC - 700dC Expansivo 700dC - 1180dC Mollos 1180dC - 1350dC Lupakakas Aymaras Outros Incas 1350dC - 1540dC Colônia 1540dC - 1820dC República Bárbara.... 1820dC até hoje A queda de Tiwanaku se deu devido a três causas principais: • 1. Lutas internas pelo poder devido a ausência das autoridades que se deslocavam para as novas conquistas; • 2. Seca prolongada na região que durou 5 anos e • 3. Enchente do Lago Titicaca (ou Titikaka), cujo nível subiu 50 metros, alagando templos e habitações. O Lago Titikaka ficou alagado no período de 1180dC a 1205dC. Esta cheia se deu devido a alta temperatura que derreteu as neves das montanhas e principalmente pela grande quantidade de chuvas que caiu na região. O piso atual de Tiwanaku está com 3 metros de depósito do Lago Titikaka. Com a decadência dos tiwanakotas surgiram os mollos, lupakas, aymaras e outras culturas. Assim, pode-se dizer que os tiwanakotas foram os avós dos incas. Essas explicações acima, nos foram dados por Raul, nosso guia, mas também fiz uma pequena cola de um colega nosso que também escreveu sobre o assunto. É nome demais para lembrar. Passei muito frio e Tiwanaku. Minha pressão caiu muito e tive que ficar sentado por um bom pedaço de tempo pois fiquei fraco demais. Muito, muito e muito frio. Terminada a visita, fomos para as barraquinhas comprar lembrancinhas. Muitas negociações e trouxemos um monte de colares, totens, pedras e coisas do tipo. Voltamos para a Van e rumamos para Copacabana. Engraçado que para ir para Copacabana tem que voltar a La Paz e depois pegar outra pista. Todas as pistas que passamos os motoristas tiveram que pagar pedágio. Detalhe: o motorista me perguntou se havia problema em ele levar a esposa, pois voltaria tarde da noite e não tinha com quem conversar. Sem problemas. A paisagem rodeando o titikaka muda muito. Cercado por montanhas, algumas ainda com o cume cheio de neve. Nossa viagem foi muito agradável. Como era dia primeiro de janeiro e era feriado na Bolívia, vários carros passaram por nos fantasiados com flores e rosas. Mas muito pouco se comparado aos nossos feriados aqui no Brasil onde todo mundo viaja. O Lago Titikaka é outra maravilha. Este situado a 3.820 m, sendo o lago navegável mais alto do mundo e o segundo maior em extensão na América do Sul, perdendo somente para Maracaibo na Venezuela. Passamos por várias comunidades. Certo momento, tivemos que descer para que nossa van e nos atravessássemos o lago em balsas. Mas ônibus em uma balsa e passageiros em outra. Muito interessante ver sua van e suas mochilas sozinha numa balsa que mal cabe a van. Parece que vai afundar. Mas não afunda. Chegamos primeiro no outro lado e estava tendo festa na praça e troca de alcaide na aldeia. Um ritual interessante que parei para observar. Seguimos viagem para Copacabana. Chegamos ao final da tarde. Procuramos um hotel e hospedamos no Hotel Utama. Muito bom. Talvez o melhor da viagem toda. Pelo menos o café da manha. De nosso quarto observávamos o titikaka imponente e calmo. Saímos a noite para um passeio na cidade e comer algo, pois não tínhamos comido nada desde a manha. Jantamos um peixe chamado truta que alias comeríamos mais algumas vezes. Quando fui para o Hotel fiquei arrependido. Devia ter comido uma truta inteira. Afinal ainda senti que estava com fome. Mas paciência. Dormir, beber água e esquecer. 9º DIA Acordamos cedo, tomamos o melhor desajuno da viagem e fomos acertar com a empresa de turismo para visitarmos a Ilha do Sol. A Ilha fica a duas horas de barco de Copacabana. Navegar no titikaka é uma experiência única. Sua imensidão mais parece um grande mar cercado por rochas enormes e verdejantes e muitos desenhos de pedras em suas costas. A Ilha tem muitas subidas e descidas, com vários índios vendendo artesanatos ao longo da trilha e também algumas crianças a adultos indígenas vestidos a caráter com alguma lhama cobrando dos turistas quando estes tiram fotos. Na Ilha existem vários hotéis e para aqueles que não querem continuar viagem, podem dormir por aqui. Esta Ilha exerce um fascínio em todos, moradores e visitantes, pois segundo a lenda foi aqui que nasceram Manco Capac e Mama Ocllo, os dois primeiros incas que se tem noticias. Na lenda, o sol com piedade dos dois, pois estes viviam como animal, mandou um de seus filhos e uma de suas filhas para poderem viver como racionais e pudessem trabalhar a terra e nela viver. Daí porque e sagrado esse lugar para os bolivianos e nos também tratamos com o respeito que lhe é devido, muito embora, muitos nativos tenham perdido esse espírito do sagrado e estão comercializando tudo que lembra artesanato. Subir na Ilha do Sol exige preparo físico. A caminhada é puxada, mas cada passo que se da e olha para baixo você vê uma paisagem diferente. Cansa muito, mas é gratificante. No cume da ilha tem um povoado chamado Yumani e algumas pousadas e bares. Descansamos e voltamos. Afinal não pretendíamos dormir por lá. Não havia nenhum atrativo especial também na ilha da lua, pois ela é menor e segundo a lenda foi dada a esposa. Os incas tinham verdadeira adoração pelo sol, pois este lhes proporcionava a luz, o calor e a vida. A Lua sua esposa e as estrelas suas servidoras. Também adoravam a terra que era chamada de Pachamama (mãe terra); com as águas sagradas do Titikaka (puma de pedra) pois este lhes proporcionava e proporciona, peixe, remédio e purificação. Voltamos para Copacabana por volta das treze horas. Já estávamos com a passagem comprada para Cusco. Passaríamos em Puno, ficaríamos algumas horas para que quem quisesse visitar as ilhas flutuantes e continuaríamos até Cusco, aonde chegaríamos na madrugada seguinte. Dentro do ônibus o motorista nos deu um formulário para preencher e disse que em vinte minutos estaríamos atravessando a fronteira da Bolívia com o Peru e que deveríamos estar com o formulário preenchido e passaporte na mão. Deveríamos desembarcar do ônibus e atravessar a fronteira a pé, pegar o visto do lado peruano e embarcar do outro lado já em um outro ônibus que estava autorizado a trafegar pelo Peru. No horário marcado, descemos do ônibus, fomos para uma fila e carimbamos nosso passaporte autorizando nossa entrada no Peru. Andamos coisa de cinqüenta metros e entramos no território peruano. Muitos cambistas vieram ao nosso encontro querendo trocar dólar por soles. Troquei alguns dólares por soles, na base de três por um. Sentimos o baque. Estávamos acostumados a trocar o dólar na base de oito por um na Bolívia. Compramos água novamente. Alias toda hora comprávamos água. Indispensável como nossos dólares. Chegamos a Puno por volta de dezesseis horas. A galera estava exausta e não quiseram ir as Ilhas flutuantes, muito maquiadas, coisa para turista mesmo. Optamos em conhecer Puno. Cidade bonita e muito movimentada. Almoçamos em uma rua em que tinha centenas de restaurantes. Todos muito bonitos. Na rodoviária de Puno, foi nos oferecido hotel em Cusco, a galera achou arriscado, mas eu fui conversar com o cara. A coisa acontece da seguinte forma: o ônibus de Puno, chega a Cusco por volta de quatro horas da manha. A galera quando chega não tem hotel para ficar e nem é hora para procurar um. Daí porque os motoristas deixam que durmam no ônibus até oito da manha e depois saem todos os mochileiros para procurar hotel. Achei a proposta do cara interessante: ele nos arranjaria um hotel em Cusco e quando chegássemos as quatro da manha teria alguém esperando com um táxi para levar-nos ao hotel e não pagaríamos nada para ficarmos de quatro da manha até meio dia, sendo que a diária só começaria ao meio dia. Hotel Pirwa foi o que escolhi, pois tinha lido sobre ele e fica muito perto da Praça das Armas em Cusco. O cara pegou o celular e depois disse que deveríamos pagar cinqüenta por cento da diária, assim estaria reservado. Fiquei desconfiado, adverti ele se fosse mentira voltaria a Puno só pra dar umas porradas nele e tal. Ele disse que não tinha erro. A galera que tava comigo não queria dar o adiantamento. Mas convenci-os e correndo um sério risco de levar um cano danado. Cada diária era dez dólares por pessoa. Como éramos cinco, ele exigiu vinte e cinco dólares de adiantamento. Paguei e peguei o recibo como se tivesse reservado no hotel Pirwa. O Ônibus era confortável, com dois andares e tinha uma turma de brasileiros tocando a maior zoeira e volta e meia iam para o banheiro fumar. Dormi e só acordei em Cusco as quatro da manha. Desci e fui até a cerca do terminal, morrendo de medo de não ter ninguém esperando como o cara assegurou. Mas o alivio foi imediato. Lá estava um cara com a placa Juan Batista e um táxi do lado nos esperando. Delicia das delicias. Pegamos as mochilas que cada dia pesava mais e entramos no táxi e fomos para o hotel. Instalamos num quarto de casal com um excelente banheiro. Tomamos banho e fomos dormir. Dormi pensando nos colegas mochileiros que não acreditaram no cara e não acertaram o hotel e que àquela hora estavam dormindo todo quebrado no ônibus. “Bem, ainda tem gente honesta nesse mundo”, pensei. Dormi sorrindo. 10º DIA Acordamos por volta de umas nove horas da manha. Fomos inspecionar o Hotel Pirwa. Amamos de cara. Lugar agradável. Recepcionistas amáveis e Tânia da empresa de turismo muito gente boa. Além disso, o hotel fica na Praça das Armas, a dez passos e entra na praça. Atrás do Mama África. Que localização!!! Cusco é uma cidade encantadora. No idioma quíchua chamam-na de Qosqo. Com a chegada dos espanhóis, a cidade foi dominada e colonizada. Alguns afirmam que trezentos anos antes a cidade já era habitada. Fica claro que, mesmo com a lenda de que Manco Capac fundou Cusco, esta já era território dos povos pré-colombianos. Hoje é uma cidade cosmopolita, habitam por lá mais de 300 mil pessoas e recebe um numero enorme de turistas do mundo todo e em todos os meses do ano, sendo que os meses de junho, julho e agosto é o forte para o turismo europeu e os preços costumam ser mais salgados. Já em dezembro e janeiro é um turismo mais acentuado de latino-americanos. Com preços mais razoáveis. Cusco fica a 3360 m de altitude. Para nos que chegamos via La Paz, não foi necessário nenhuma adaptação pois já tínhamos passado por altitudes maiores. Mas para a galera que vem de Lima, é necessário tomar alguns cuidados. Claro que a altitude não afeta todos igualmente. Tem pessoas que não sentem nada, mas outros passam muito mal. Caminhar pelas ruas de Cusco é muito agradável. Povo simpático e seus monumentos históricos impressionantes. Sentar nos bancos da Plaza de Armas e observar o movimento das pessoas e tem que ser considerado como imperdível numa viagem dessas. Visitar La Catedral e La Campânia com seus santuários de ouro e prata já valeriam a visita a Cusco. Mas a cidade oferece muito mais. São inúmeras as ruínas e conventos que situam aos arredores de Cusco. Passeamos o dia todo. No Hotel em que estávamos acertamos com a empresa de turismo existente nas suas dependências nossos passeios para o outro dia e nossa ida para Macchu Picchu. Aqui vale um registro. Existem três formas de chegar a Macchu Picchu. De helicóptero (fora de questão) a pé, ou de trem. Helicóptero não estava em nossos planos, pois alem de caro só atende a um publico específico que fica num hotel dentro do sítio de Macchu Picchu. A trilha você acerta com uma das dezenas de agencias que a patrocinam e caminha de 2 a 4 dias até chegar ao sítio. De trem foi a opção que mais me agradou, pois é mais rápido e menos cansativo. Todos os dias partem trens para Águas Calientes, de onde sobe para Macchu Picchu. Sempre de manha, por volta de 9 horas e também todos os dias chegam trem de Águas Calientes. Algumas pessoas optam em pegar o trem em Cusco, se paga 65 dólares pela ida e volta até Águas Calientes. Você pode comprar somente a ida, e quando resolver em Águas Calientes, compra a volta, o preço é 34 dólares. Uma alternativa é embarcar no trem na cidade de Ollantaytambo. Nesse percurso o trem parte às 20 horas e chega a Águas Calientes por volta de 22h30min. O custo da passagem é de 45 dólares, mas tem que comprar ida e volta, sendo que a volta deverá ser no trem que parte de Águas Calientes às 6 da manha do segundo dia que estiver na cidade. Ou seja, você devera pernoitar duas noites em Águas Calientes. Optamos pela alternativa mais barata. Acertamos também um passeio pela cidade e arredores e incluindo Pisac e Ollantaytambo. No boleto diz que são 13 atrações entre ruínas, igrejas e museus. Atenção aqui. Não deixe para comprar o boleto na hora que estiver em Pisac, pois não aceitam dólares na compra do boleto e ai se não tiver Soles, vc tem que trocar com alguém ali por perto por um cambio muito desfavorável. No hotel em que estávamos fomos autorizados a usar a cozinha. Compramos algumas coisas e fizemos um almoço de brasileiros, quer dizer, guardando as proporções de não ter certos ingredientes (arroz, vagem, abóbora, salada de tomate, cebola, carne e cerveja). Arrumamos tudo numa grande mesa e comemos demais. Todos os funcionários do hotel vieram comer com a gente. Adoraram. A tarde ficamos fazendo o que de melhor tem em Cusco: andar e olhar as paisagens. Compramos uns frangos e acertamos fazer uma galinhada para levar no outro dia para nossa ida para Águas Calientes. Também compramos ovos e outras coisinhas para fazer um café da manha mais de casa. Esse desajuno dos peruanos é muito fraquinho. Tudo isso gastamos 40 soles e dividimos em 5 pessoas. Baratinho. Fui com Bel a tarde visitar o Mama África, lugar muito lindo. Tomamos alguns drinks e cervejas (gelada). Tiramos algumas fotos e prometemos ao dono que a noite estaria por la. A noite de Cusco é muito, muito agitada. A Praça que durante o dia é aquela calma com suas agencias e seus restaurantes, a noite se transforma em uma dezena de boates muito lindas. Todas muito bem decoradas e som para todos os gostos. Em todas as boates, o primeiro drink é de graça. Ai já viu né? Toma um drink aqui, um ali, outro acolá, quando nota, esta tonto. Na primeira boate que fomos tomamos algumas cervejas e tomamos os famosos drinks de cortesia. O Ronald estava impagável de engraçado. Ficou louco com as musicas e dançava musica de rua, rock, qualquer coisa. A galera que estava na boate delirava e morria de rir com os trejeitos dele. Com essa graça que ele fazia só dava caipirinha de graça para ele. Começamos todos a dançar. Animamos e logo apareceram umas mascaras e todos usamos. Uma farra. Saímos de la em fomos para o Mama África. Estava intransitável. Tomamos alguma coisa por la e tentamos dançar. Não dava. Bel estava a mil por hora. Todos se divertiam muito. Saímos para procurar uma boate menos cheia. Nos corredores entre as boates, ficam rapazes e moças puxando as pessoas para que entrem em suas boates e prometendo todo tipo de cortesia. Pediram a Nilza para dançar um samba, pois viram que éramos brasileiros e ela rebolou um samba lá e eles adoraram e aplaudiram. Agarraram o Ronald e gritavam “brasileiro, vem, vem... toma um drink de graça”. Riamos muito, pois o Ronald deitou no chão e disse que só iria beber de graça se fosse carregado. Imagina a cena. Você ser carregado para entrar numa boate e beber de graça!!! Para resolver a situação dissemos que iríamos um pouco a cada lugar. E assim fizemos. Entravamos em uma boate, bebíamos algo e depois íamos à outra e assim sucessivamente. Conhecemos muita gente. Bel praticou o inglês dela com turistas australianos e nos praticamos nosso “enrrolol” em todas as línguas. Conversamos a noite inteira com gente de tudo quanto é pais. Acho que ninguém tava entendendo o outro. Mas quem liga? Resolvemos ir embora. Já era tarde e tínhamos compromisso cedo, pois o ônibus que faria a tour com a gente sairia 8 horas do hotel. Resolvemos antes de dormir fazer uma macarronada. Ficamos ali na cozinha do Hotel conversando, rindo e fazendo o rango. Bel e Clayton não agüentaram e desmaiaram. Eu a Nilza e o Ronald comemos a macarronada toda e pedimos ao porteiro que nos acordasse 6 horas, pois queríamos fazer a galinhada para levar no outro dia no passeio. DICAS - Sempre compre água - Sempre tenha algo para comer comprada em mercados. Barra de cereais, chocolate, banana, etc. - Se não tiver pressa e não quiser ir na trilha, escolha bem como ir de trem. AS duas alternativas têm suas vantagens e desvantagens. - Por Ollantaytambo você terá que ir para a cidade que fica a uns 80 km de Cusco. Sair 8 da noite e voltar dois dias depois seis da manha. Perde com isso duas diárias. Mas tem tempo para ficar o dia todo em Macchu Picchu. Dormir e voltar no outro dia cedo para Cusco. É mais barata a passagem, mas se gasta com diárias. - Indo por Cusco, você chega em Águas Calientes por volta de 10:30 e pega um bus que o leva ate Macchu Picchu. Tem de onze da manha até as 15 horas para ver todo o sítio. Esse tempo do tranqüilo para ver tudo. Nesse horário o sitio esta com muita gente. Volta a Cusco no mesmo dia e não paga diária para ficar em Águas Calientes. - Procure ficar no Pirwa Hotel. Fica ao lado do Mama África, a dez passos da Plaza de Armas. Os funcionários são muito legais e, além disso, pode usar a cozinha para fazer pelo menos um miojo. - Se quiser fazer a trilha. Não vi a necessidade de reservar, pois as agencias te puxam para oferecer o passeio. Vi pessoas fechando a trilha por 120 dólares e também algumas oferecendo por cinco vezes esses preços. Se tiver tempo, pois tem que esperar a autorização do órgão de turismo que controla o numero de pessoas que vão as trilhas, deixe para acertar por lá. Sai mais barato e mais confiável. 11º DIA Acordamos cedo e o Ronald já estava na cozinha do Hotel fazendo a galinhada e Bel foi ajudá-lo. Fechamos nossa conta e deixamos nossas mochilas guardadas no hotel e levamos somente o necessário para um dia em Macchu Picchu e nossas maquinas. Pouco peso ai é fundamental. O micro ônibus em que embarcamos estava cheio de turistas do mundo todo. Somente nos de brasileiros. Nossa primeira parada foi em Pisac. Essa cidade fica a 30 km de Cusco. É uma cidade pequena com fundações incas, mas de estilo colonial espanhol. No centro da cidade tem uma feira indígena que vende todo tipo de artesanato. Também pode comprar alguns comes e bebe. Paramos nessa feira alguns minutos e depois seguimos caminho para as ruínas de Pisac. No morro Intihuatana existem muitas ruínas arqueológicas incas e seus terraços em forma de degraus que serviam para a agricultura. Logo na entrada tem que mostrar o boleto turístico. Tenha o em mãos e não deixe para comprar na hora, pois só aceitam soles. A caminhada é longa e cansativa. Mas a paisagem é bela. Cemitérios, torres e templos fazem parte desse complexo inca. A vista do Vale onde cultivam sua agricultura é absolutamente lindo. O tempo aqui é inconstante. Faz se um sol escaldante e em segundos chove e novamente faz se sol. Leve muita água. E se importar com a chuva fina, uma capa. Saímos de Pisac e fomos para Ollantaytambo. Passamos por Calca que esta a 18 km de Pisac, todo o caminho é rodeado de morros e picos que nos meses de julho em diante ficam coberto de neve. Também nessa cidade ficam os banhos medicinais de Machacancha e Minasmoqo. Também passamos, mas sem parar, em Yucay, onde abriga o Palácio del Inca Sayri Tupac II, filho de Manco Tupac. Construção de pedra e argila. Mais adiante paramos em Urubamba. Esta cidade é conhecida como o coração do vale, pois esta situada aos pés das montanhas de picos nevados. Paramos para almoçar e alguns foram para uns restaurantes na rodovia e outros, como nos procuraram algum lugar para abrigar do sol. Fomos para a praça. Sentamos em circulo e abrimos a panela com a galinhada. Compramos um refrigerante e comemos muito. Riamos muito de nossa farofagem... Mas a comida estava deliciosa e os turistas estrangeiros ficaram de olho gordo em nossa comida. Perto de onde estávamos farofando uma banda de musica estava passando tocando uma musica alegre. Achávamos que era alguma festa. Ledo engano. Estavam indo enterrar alguém. Muito sinistro. Mas impagável o mico nosso de farofar na Praça de Urubamba. Acho que esse é um feito inédito. Comer galinhada na praça central de Urubamba. Saímos de Urubamba e fomos rumo a Ollantaytambo. Distancia pequena, mas demorada, pois são muitas curvas. Ollanta fica a 97 km de Cusco. Nessa região estão as ruínas incas mais bem preservadas depois de Macchu Picchu. Segundo nossa guia, esta era a região favorita dos incas, pois ali eles desenvolveram um complexo sistema agrícola, administrativo, social religioso e militar. As casas ainda conservam muito das construções e algumas são habitadas. Os terraços é o ponto alto da caminhada em Ollanta. Ficamos até o final da tarde nessas ruínas e andando pela cidade. Anda-se muito nesse circuito. Passamos o dia subindo e descendo escadas de pedras. Minhas pernas estão doendo. Mas é tudo muito belo. Quando voltamos para o ônibus, despedimos de nossa guia e pegamos nossas coisas, pois iríamos ficar em Ollanta para pegar o trem para Águas Calientes, enquanto o ônibus voltaria para Cusco. Do centro de Ollanta até a estação de trem caminhamos por alguns minutos e chegamos a estação. Eram seis e meia e não tinha nada para se fazer. Ficamos sentados na estação, pois fazia muito frio. Não tinha nada para comer na estação, mas lembramos que nossa galinhada ainda estava pelas metades. Sentamos e comemos o resto dela. O Ronald cortou uma garrafa de coca e colocamos água e folha de coca e fizemos um chá bem quente. O mergulhão da Nilza mais uma vez foi importante. Tomamos o melhor chá da viagem. Tiramos muitas fotos desse momento, pois foi tudo muito improvisado e saiu muito bom. As oito em ponto o trem chegou. Azul, imponente por fora e muito fraco por dentro. As poltronas são viradas para os passageiros da frente e as pernas se tocam com as pessoas que estão sentadas na outra poltrona da frente. Mas, nada que desanimasse nossa empreitada. Chegamos a Águas Calientes às 22h30min. Estava frio e a estação fica dentro da cidadezinha. Logo na saída do trem, dezenas de donos de hotéis com placas ofereciam seus serviços. Não prestamos muita atenção, pois nosso hotel estava reservado desde Cusco. Ficamos no Hotel Bromélia. Localizado na praça da cidade. Muito fraco. 15 dólares a diária de casal. Deixamos as nossas mochilas no hotel, tomamos banho e saímos para conhecer a cidade. Águas Calientes é somente uma cidade turística que vive em função dos turistas que vão para Macchu Picchu. Quase todas as casas são restaurantes ou algum serviço pra turismo. Não existem carros. Muitos restaurantes, hotéis e lojas de bugigangas. O rio Urubamba corta a cidade ao meio. Pouca coisa estava aberta depois das 23 horas e resolvemos voltar para o Hotel e dormir pois estávamos cansados. 12º Acordamos muito cedo. Eu e Bel decidimos subir para o sítio arqueológico de Macchu Picchu de ônibus (6 dólares) o resto do pessoal disse que iria subir à pé. Uma subida íngreme, mas com escadas. Leva-se uma hora e meia para subir pelos atalhos. O ônibus leva 30 minutos. Macchu Picchu é indescritível. Somente se consegue alcançar a plenitude de sua beleza observando-a. Aqui me permitam transcrever alguns comentários e reportagens de jornais sobre a descoberta dessa cidade majestosa e de seus mistérios: Peru: Hiram Bingham descobre Machu Picchu No meio dos Andes peruanos, 110 quilômetros de Cusco. É o 24 de julho de 1911. O norte-americano Hiram Bingham, professor universitário de história e apaixonado pela arqueologia, avança com sua expedição pelo vale do Rio Urubamba. Bingham está no auge, tudo que ele toca vira ouro. Esse verão é só dele. Em poucos meses, sua expedição descobre uma ruína incaica após da outra. Avançam a tal velocidade que quase não sobra o tempo suficiente para analisar e documentar cada nova ruína. Ou marcar a exata posição de cada uma no seu mapa. Bingham está sem paciência, ele não pode parar. Está na busca da mítica "última cidade dos incas". Deste jeito, algumas das ruínas achadas desaparecem de novo no mato denso depois de sua partida. Algumas ficam perdidas novamente por décadas antes de finalmente serem redescobertas. Mas este dia promete o triunfo final. A descoberta da última cidade dos incas. Em 1537, cinco anos depois da conquista do império incaico pelos espanhóis, o inca Manco se levantou contra os invasores. Fundou, numa cidade chamada Vilcabamba, o novo império incaico. Por trinta e cinco anos, o novo império se defendeu contra os espanhois. Até, em 1572, uma expedição espanhol pus um fim, matando o último inca Tupac Amaru. Mas os espanhóis nunca acharam Vilcabamba. Agora, Bingham está possuído pela idéia de achar aquele último refúgio dos incas. Até encontrar, nas margens do Rio Urubamba, o camponês Melchor Arteaga, que informa Bingham da existência de ruínas no topo do Cima Vieja, da "montanha velha", que, em quechua, é chamada de Machu Picchu. Bingham fica entusiasmadíssimo ao ouvir tais notícias, e logo escala, junto com o tradutor da expedição e guiado por Arteaga, a montanha. O resto da expedição espera no vale. Bingham está fascinado pelo que acha no topo. Completamente iludido pela beleza do lugar, ele acredita ter achado não somente a última cidade dos incas, mas, ao mesmo tempo, o lugar onde o primeiro inca nasceu. Começo e fim do império incaico, tudo em um só lugar mágico a 2,400 metros acima do mar. Nenhum outro lugar habitado pelos homens, nenhuma outra cidade jamais fundada pela humanidade, oferece um espetáculo natural tão impressionante. A vista de 360 graus, a selva densa que cobre as montanhas dos Andes, cujos topos quase sempre estão cobertos de nuvens vindo da selva amazônica. Entre 1912 e 1915, Bingham e sua equipe cavam ao redor das ruínas espalhadas pelo topo da Cima Vieja, num areal total de 500 x 800 metros. É quase uma lei de arqueologia de sempre deixar partes das ruínas intocadas, para que futuras gerações de arqueólogos pudessem explorá-las com novas technologias. Mas Bingham está nem aí. Não dá para pará-lo. Enquanto, na remota Inglaterra, Sir Arthur Conan Doyle escreve seu romance científica "The Lost World" ("O mundo perdido"), que conta a história de cientista que encontram, num planalto no meio da floresta amazônica, espécies primórdios, Bingham entra cada vez mais profundo na convicção de ter encontrado "the lost city of the Incas" ("a cidade perdida dos incas"). Eis o título do seu livro que conta a história da descoberta de Machu Picchu. Ele descobre, além de 220 peças de prata, cobre e bronze e 550 peças de cerâmica, 135 esqueletos humanos. Diz a lenda que 109 deles eram de mulheres. Foi assim que nasceu aquela história de que Machu Picchu tivesse sido o refúgio das "virgens do sol", das amantes do inca. Ainda hoje, os guias turísticas de Machu Picchu contam isso. Mas parece que tudo isso não passa de um simples erro. George Eaton, membro da equipe de Bingham, mediu os crânios dos esqueletos para chegar à tal conclusão. Mas, ao contrário dos europeus e norte-americanos, os crânios dos homens e mulheres andinos não apresentam muita diferença de tamanho. Novas pesquisas, feitas anos depois, que analisaram os pélvis dos esqueletos, chegaram à conclusão de que o número de homens foi quase o mesmo das mulheres. Mas, foi o mito que prevaleceu. Afinal, qual foi a função de Machu Picchu? Por que os incas construíram uma cidade no topo da montanha? Provavelmente, a corte imperial se mudou para cá durante o inverno, quando a temperatura na 1,000 metros mais alta capital Cusco atingiu níveis muito baixos. Também, Machu Picchu com certeza fazia parte de um sistema de postos de alerta, para vigiar o vale do Urubamba e proteger Cusco. Mas Machu Picchu nunca tem sido a última cidade dos incas, a mítica Vilcabamba, como acreditava Bingham. A verdadeira Vilcabamba foi descoberta perto de Espíritu Pampa, em 1964, pelo arqueólogo Gene Savoy. Ou, para ser mais exato, re-descoberta. Pois mais de cinqüenta anos antes de Savoy, uma outra expedição já tinha descoberta partes das ruínas. Só que, na época, o líder daquela expedição, um tal muito nervoso de nome Hiram Bingham, não tinha muita paciência para analisar melhor o lugar. Achou as ruínas decepcionadas demais para pertencerem à mítica Vilcabamba. Assim, Bingham nunca ficou sabendo que achou a verdadeira última cidade dos incas.
  4. É uma grande trip, mas tem que organizar direitinho. Ate Sao Pedro dpo Atacama vc esta indo certinho, dai para Santiago vc ja esta meio indeciso. Precisa colher bem as informações, pois sua trip vai aumentar bem se for para a patagonia ou ushuaia. Mas se tiver uns mil dolares a mais e tempo, acho que ta valendo vc fazer logo toda a parte centro e sul da america. Quanto ao tempo, depende de quanto tempo quer ficar em cada lugar, dependendo 40 dias nao da. Trilhas e mais trilhas vc vai encotnrar nesse trecho todo. Ate Santiago te asseguro que nao gasta 1000 dolares. Dai pra frente é outra historia.
  5. Va ate Feira de Santana e pegue de la o Bus. Estou indo na segunda feira.
  6. É meu amigo, as coisas mudam. Claro que Agua sCalientes tem sua feirinha e sua rua com as pizzarias. Mas falar em Aguas Calientes é brincadeira. Só serve mesmo para fazer propaganda. Aguas é para chegar a noite, pernoitar, subir a montanha e dormir novamente e voltar para cusco, essa sim, cidade.
  7. Colega, leia o que postei ai atras em algum lugar. Vai com a Marisol, ela ja é especializada no assunto com brasileiros. Isso faz diferença e poucas pessoas tiveram problemas com ela. Se for ficar em Aguas Calientes pense bem, só se for para subir novamente para MP, pois em Aguas nao tem nada para fazer, nada. As Aguas termais nao passa de duas piscinas sujas e feias. não existe turista nessas piscinas. Na verdade fui la e so vi uns peruanos (poucos) naõ vale a pena
  8. Ola mochileiros, leia meu relato abaixo e entre em contato comigo, tenho centenas de dicas e roteiros.
  9. Caro Leo, estive lendo suas dicas, estao boas, mas tenho alguns reparos. Cochabamba é uma cidade muito interessante e secular. É asíntese da Bolivia, vale muita a pena percorrer aquele centro historico. Enfim ficar uns dois dias por la. Puno é uma cidade famosa pelo titikaka e as ilhas flutuantes, acho que também vale a pena um dia por la. Santa Cruz de la Sierra parece ser uma cidade suja. mas tem um centro historico bonito e uma igreja muito bem transada. Como viajantes que somos nao podemos perder nosso foco´que é conhecer as culturas dos outros povos. Aos outros amigos mochileiros: Na Bolivia como um todo os onibus sao muito ruins e os motoristas nao obedecem um horario determinado. Tenha cuidado quando comprar as passagens e certifique que vão embarcar no onibus da foto. Pois costumam vender um e fazer vc embarcar em outro. Os bus cama ainda sao as pedidas. E são baratos, comparando com o Brasil. 20 dolares é o maximo que vai pagar em qualquer onibus da melhor qualidade por la. Coisa aqui no Brasil que nao paga nem para ir de Sao Paulo para Santos.
  10. perto do Bimodal (a rodoviaria de la que também para o trem da morte vindo de corumba) tem dezenas de hoteis de todos os preços. Se nao quiser andar no centro de Santa Cruz fique logo ali mesmo perto da rodoviaria. Mas ate vale a pena dar uma andadazinha no centro.
  11. Amigao, tem dia em Uyuni que vc tem que tirar a camisa de tanto calor. Eu quase morri de calor. Mas a noite... Leve um oculos escuro so por causa do sal. No mais tem casacos para comprar em la paz por 5 dolares, ate de 3 dolares, meio descartáveis depois, mas quebram um galho na viaem. Não vá confiando que vai achar algo interessante apra comprar em Uyuni, la nao tem nada. nada e nada.
  12. Estou indo para Posadas via Foz no dia 12 de janeiro. Suas noticias sobre a polivia argentina me assustaram, muito embora ja tenha feito uma viagem a Bolivia e Peru. Mas estou em duvidas sobre algumas coisas: - Como evita-los? - Algum problema no Posto policial na saida de foz? - Tem algum posto policial ate Posadas e depois pretendo entrar no Brasil por Sao Borja, estou correto? Aconselha algo diferente? - Essa historia de cambão rígido, como funciona? Nao tem como levar, estou levando cabo de aço para reboque - Precisa de estojo de primeiros socorros? - Onde dormiu em Posadas e preço. (ps: estou indo com a familia, eu, esposa e duas filhas) - Algum impedimento em ir a Encarnacion? - Na verdade só estou receioso com esse treco da policia extorsiva que vc falou, nao gosto de ser extorquido - Vou ficar somente dois dias na ARgentina, pois quero ver as missões e depois volto para Sao Miguel. Mande-me as repostas o mais rapido que puder pois serao de grande valia. Se quiser adicioanr-me ao msn ficaria mais facil para conversarmos. Um abraço [email protected]
  13. Gustavo, a galera nao sacou a sua ideia. Ela é perfeitamente possível. Veja o que escrevi no meu blog sobre o assunto: Antes de sairmos da van, propuz ao motorista da van que nos levasse no outro dia a Tiahuanaco e depois Copacabana. Fiz o seguinte raciocínio: se fossemos no outro dia a Tiahuanaco, teríamos que pagar por volta de quinze dólares por pessoa para transporte. Voltaríamos a tarde para La Paz. Teríamos que dormir em La Paz, o que nos consumiria mais uns dez dólares por pessoa além de alimentação que não sairia por menos de cinco dólares somente naquele dia. Sendo que no outro teríamos que pegar um ônibus até o cemitério, mais um dólar e depois pegar outro ônibus até Copacabana, o que nos consumiria mais uns cinco dólares. Ou seja. Ir a Tiahuanaco e dormir em La Paz para depois ir a Copacabana sairia, miseravelmente por trinta e cinco dólares. Acertei com ele por que ficaria a nossa disposição no dia seguinte todo, sendo que só teria seu serviço dispensado quando estivéssemos instalados num hotel em Copacabana. Foi uma ótima jogada, pois além de nos quatro, incluímos o Clayton e tudo saiu apenas por quinze dólares por pessoa, ou seja, seiscentos bolivianos. Olha Gustavo deu tudo certo e o cara ficou a nossa disposição. Uma maravilha. Pode alugar também taxi.
  14. Meus companheiros de jornada. Deixa meter a colher nessa discussão. A Bolivia tem uma diversidade cultural enorme. Todas as cidades tem suas particularidades. Muito embora tenha gostado muito da cultura de cochabamba e das rusa movimentadas de La Paz, como também a paisagem bucolica de Copacabana, nada me deixou mais impressionado na Bolivia do que Sucre. Considerada a cidade branca. Linda. Edifícios historicos que so rivalizam com Cusco. Vale a pena ver. Um abraço iorran
  15. iorran

    Trem da Morte

    Caro Paulo, Na Bolivia, assim como no Brasil, tudo é possível. Vi gente vendendo seu bilhete ate pelo dobro. E olha que tem situação que compensa. Pois ningum merece ficar 24 horas esperando outro trem em Quijarro. Comida, Hotel e tempo gastos pode-se pensar em comprar com agio.
×
×
  • Criar Novo...